Brasileiro consome 7 litros de agrotóxicos por ano

Getty ImagesO pensamento comum é de que frutas, legumes, grãos, cereais e outros alimentos naturais viram um banquete de nutrientes e vitaminas que se transformam em mais saúde para o corpo. … Seria perfeito mesmo, não fosse a presença de ingredientes adicionados à grande maioria deles ainda na terra: os agrotóxicos. Estas substâncias químicas são usadas aos montes na agricultura brasileira, a tal ponto que, desde 2008,o Brasil ocupa o posto de campeão mundial no uso de agrotóxicos para manter as pragas longe das lavouras, segundo dados do Ibama . Se de um lado o agronegócio progride com a garantia de colheitas sem prejuízos, por outro nos tornamos consumidores de substâncias desconhecidas, muitas delas consideradas, inclusive, cancerígenas. Um levantamento da Fundação Oswaldo Cruz aponta que cada brasileiro consome, em média, 7 litros desse veneno por ano.

Mais perigoso que o cigarro

Mas como comemos tanta comida contaminada? Uma pesquisa da ESALQ/USP (Escola Superior de Agricultura “Luiz de Queiroz”), da Universidade de São Paulo, revelou que os agrotóxicos, inclusive os mais perigosos, estão muito presentes na alimentação da população. A pesquisadora Jacqueline Gerage Marques, mestra em ciência e tecnologia de alimentos, cruzou dados do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) com informações da Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) para analisar 743 itens alimentares bastante comuns no nosso cardápio, entre eles, abacaxi, abóbora, arroz, batata, café e cebola. A conclusão foi que 69 compostos excediam o valor de ingestão diária aceitável para não afetar a saúde de uma pessoa. O foco do estudo era entender a contaminação crônica, causada pelo consumo de pequenas quantidades de resíduos de agrotóxicos por um longo período. O chamado efeito cumulativo dessas microdoses de venenos ao longo da vida é apontado pela OMS (Organização Mundial da Saúde), como responsável pelo aparecimento de diversas doenças, sobretudo, o câncer.

“Antigamente, os fabricantes negavam que o cigarro causasse câncer e pudesse matar. Mesmo assim, a escolha de fumar sempre foi individual. Com os agrotóxicos, a situação é mais grave, pois a população está adoecendo e não tem direito de escolha “. (Karen Friedrich, biomédica, toxicologista e pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz)

Allen G. Breed/APBrasileiro precisa pagar mais caro para se livrar do veneno- Alimentos orgânicos são uma saída, mas ainda pesam no bolso-Como é o uso de agrotóxicos no Brasil e no mundo 50% dos agrotóxicos usados aqui são proibidos em outro países.

Cenário brasileiro

-50% dos agrotóxicos usados no Brasil estão proibidos na Europa, EUA, Canadá e Austrália.
-O carbofurano, que pode causar câncer,mutações e malformações fetais, ainda é permitido no país.
-Na contramão dos países desenvolvidos, o Brasil segue o caminho para ter leis mais flexíveis sobre o uso de agrotóxicos, inclusive os que já são proibidos, graças às pressões da bancada ruralista, defensora do agronegócio.
-Apesar de proibido, o metamidofós que é altamente tóxico, continua sendo utilizado no
país, onde entra via contrabando.
-O herbicida glifosato, o mais usado no Brasil,e os inseticidas malationa e diazinona, foram
apontados por uma pesquisa da IARC (Agência Internacional de Pesquisa em Câncer),publicada em 2015 na revista científica “The Lancet”, como prováveis agentes carcinogênicos.
-A cultura da soja transgênica é a maior responsável pelo uso excessivo de agrotóxicos
no país.

Cenário internacional

-A União Europeia busca diminuir o uso de agrotóxicos na agricultura e quer barrar o consumo e a importação de produtos transgênicos.
-O carbofurano, classificado como altamente tóxico pela OMS, é proibido na Europa e na
Califórnia.
-O tiram, fungicida autorizado no Brasil para uso em lavouras como arroz, feijão e milho, foi retirado do mercado americano por ser associado a mutações genéticas, problemas endócrinos e reprodutivos.
-Estados Unidos, China e Japão são os países que mais consomem agrotóxicos depois do Brasil.
-Em 2015, o Butão proibiu o uso de agrotóxicos na agricultura.
-Até 2020, a Dinamarca pretende transformar toda a produção agrícola do país em orgânica.
2017­

-O lactofen, usado no Brasil na cultura da soja,é proibido na União Europeia desde 2007 por
ser considerado cancerígeno.

O fato de a Europa autorizar um agrotóxico não significa que devemos permitir também, mas se outros países proibiram, deveríamos seguir o mesmo caminho. (Karen Friedrich, pesquisadora da Escola Nacional de Saúde Pública da Fiocruz…) 

Lucas Lima/ UOLInformações sobre alimentos mais contaminados são controversas- O consumidor fica sem saber ao certo em que dados confiar

Em 2012, pimentão era campeão em veneno No Brasil, a Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) é responsável por avaliar a presença de agrotóxicos nos alimentos. Entre 2009 e 2012, as análises apontaram a contaminação de 60 a 70% dos alimentos e pelo menos 30% de amostras analisadas consideradas impróprias para consumo, ou seja com agrotóxicos acima do limite ou não permitidos Segundo os dados do Programa de Análise de Resíduos Tóxicos em Alimentos 2011/2012, os campeões de contaminação foram: pimentão, cenoura, morango, pepino e alface.

iStock

Em 2016, laranja era campeã em risco de contaminação A análise mais recente da Anvisa, publicada em 2016, gerou polêmica entre críticos dos agrotóxicos. Dessa vez, a Agência mudou seus métodos de análise e conclusões, levando em consideração apenas o risco de contaminação aguda, ou seja, logo após o consumo. O resultado foi que apenas 1% dos alimentos avaliados apresentaram risco. De acordo com a nova análise, os alimentos com maior potencial de risco agudo são: laranja, abacaxi, couve, uva e alface.

“É como se, de repente, os alimentos se tornassem seguros, contrariando a série histórica. O relatório não parece ter sido feito por um órgão de saúde pública, pois minimiza o risco. A verdade é que a população está exposta a um perigo muito maior de contaminação crônica e precisa estar ciente disso” (Fernando Carneiro, pesquisador da Fiocruz (Fundação Oswaldo Cruz) no Ceará e um dos organizadores do Dossiê Abrasco (Associação Brasileira de Saúde Coletiva)

Resultado de imagem para imagens sobre agrotóxicosAgrotóxicos também estão presentes no pacote

Muita gente se engana por acreditar que só há agrotóxicos nos vegetais in natura. Pesquisas apontam que os venenos também são encontrados no leite, na carne e nos industrializados. Em seu estudo, a pesquisadora Jacqueline Gerage Marques notou a presença de resíduos em sucos, mingau de arroz, chocolate, goiabada, salsicha, macarrão, ovos, carnes e leite.

“As pessoas não estão expostas apenas comendo salada, que é a idéia que a população em geral tem”.  (Jacqueline Gerage Marques)

Em 2015, o INCA (Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva), publicou um documento posicionando-se contra o uso de agrotóxicos. O texto afirma que os industrializados, como biscoitos, salgadinhos, pães, cereais matinais, lasanhas e pizzas também contêm traços de veneno. O pasto destinado à criação de gado no Brasil também recebe agrotóxicos, o que explica a contaminação da carne e do leite.

Por que é tão fácil usar agrotóxico no Brasil? As leis brasileiras são frouxas, e a fiscalização mais ainda… 

Há um descompasso entre aprovações e proibições de produtos feitos pela Anvisa. O processo para proibições é lento, enquanto os registros de novos agrotóxicos é ágil…

Só no ano passado, mais de 200 novos produtos foram registrados no país, o que demonstra que o órgão está mais preocupado com as necessidade de mercado do que com a saúde pública (Karen Friedrich)

Entenda abaixo, os principais motivos para o uso indiscriminado no Brasil

-A lei brasileira permite que agrotóxicos hoje proibidos continuem a ser vendidos enquanto houver estoque.

– Quando agrotóxicos são proibidos, fabricantes recorrem à Justiça e processos podem levar anos.

– O Brasil concede a isenção de impostos à indústria produtora de agrotóxicos. O incentivo vai na contramão das medidas protetoras recomendadas pelas entidades contrárias ao uso dos venenos.

– Seria necessário respeitar as normas existentes sobre concentração e limites, além de fazer o manejo correto o que, na prática, não acontece.

 – Muitos trabalhadores não usam o EPI (equipamento de produção individual), que é obrigatório, e nem sabem a classe toxicológica do agrotóxico que estão usando, fazendo misturas perigosas.

– O uso de aviões para pulverizar plantações pode causar contaminações no solo e nas águas, além de expor comunidades inteiras aos venenos. Estudos apontam que a nuvem com as substâncias tóxicas pode viajar por até 30 km.

– Outro problema grave é a deriva, quando o produto se espalha para plantações vizinhas.

Resultado de imagem para imagens sobre agrotóxicosOs dois lados da discussão

Pró-agrotóxicos

Eles alegam que a produção e a exportação das commodities são fundamentais para a economia brasileira e que é impossível produzir em larga escala sem utilizar esses produtos. A pressão da bancada ruralista para afrouxar a lei é grande. Uma Medida Provisória que está sendo preparada pelo governo Michel Temer com a consultoria do sindicato da indústria dos agrotóxicos tenta mudar o texto da atual legislação (7.802 de 1989).A ideia é permitir que os defensivos mais perigosos, inclusive os cancerígenos, possam ser utilizados com a inclusão da expressão “nas condições recomendadas para uso”. “Sou favorável ao uso racional, dentro das normas de segurança. Em grandes culturas, como a soja, aparecem várias pragas, uma delas é a ferrugem asiática, e é preciso combater para não ter prejuízo”, diz o engenheiro agrônomo Carlos Gilberto Raetano

Pró-agroecologia

Existe um mito de que a agroecologia não é eficiente, pois produz pouco, e que o agronegócio alimenta o Brasil. O Censo Agropecuário do IBGE mostra que 70% dos brasileiros são alimentados pela agricultura familiar,ou seja, pelos pequenos produtores. “O problema é que os investimentos do governo priorizam o agronegócio e os venenos são responsáveis por 30 a 40% do custo dessas grandes culturas”, explica o biólogo Fernando Carneiro.Em busca de novas políticas públicas e de controle que barrem o avanço do uso de venenos nas produções, diversas instituições se uniram criando ações e documentos. Um exemplo é a Campanha Permanente Contra o Uso de Agrotóxicos e pela Vida, que reúne mais de 200 entidades. Outro é o Pronara (Programa Nacional de Redução de Agrotóxicos), lançado em 2014. “Infelizmente, a proposta foi engavetada”, diz Carneiro.

Diego Padgurschi/Folhapress

Prejuízos à saúde vão de intoxicação leve a câncer…

O consumo de alimentos cheios de agrotóxicos traz consequências para a saúde em diferentes graus. A OMS (Organização Mundial de Saúde) estima que ocorram 3 milhões de casos de envenenamento por agrotóxicos a cada ano e 220 mil mortes, a maioria em países em desenvolvimento. A contaminação pode ser do tipo aguda, que tem manifestação imediata, após o contato com herbicidas e inseticidas usados nas lavouras. Os principais sintomas da intoxicação aguda são vômitos, dores abdominais, diarreia, convulsões, tontura, sangramento nasal, dor de cabeça, irritação nos olhos e desmaios. Os trabalhadores rurais e suas famílias são as principais vítimas dessa forma de contaminação. Em 2006, uma nuvem de agrotóxicos causada pela pulverização em plantações de soja provocou intoxicação aguda em crianças e idosos da cidade de Lucas do Rio Verde (MT).

Já a contaminação crônica preocupa por ser silenciosa, pois decorre do efeito cumulativo de resíduos de agrotóxicos ao longo dos anos no organismo, que acontece justamente pelo consumo de produtos contaminados com estas substâncias.Os efeitos da contaminação crônica são preocupantes pois podem aparecer depois de muito tempo, até mesmo anos. Os principais problemas do evenenamento ao longo da vida são mutações genéticas, doença de Parkinson, malformações fetais, aborto, problemas reprodutivos, respiratórios e vários tipos de câncer. Os tipos de tumores mais relacionados ao contato com os agrotóxicos são leucemia, linfoma não Hodgkin, câncer de rim, pulmão e tumores cerebrais.

Resultado de imagem para imagens sobre agrotóxicosAgrotóxicos eram usados como armas químicas…

Muitos agrotóxicos são, na verdade, antigas armas químicas usadas originalmente em guerras, e que depois foram transportadas para a agricultura. Um exemplo disso é o herbicida 2,4-D, um dos ingredientes ativos do “agente laranja”,composto usado pelos Estados Unidos na Guerra do Vietnã que causou mortes e sequelas graves à milhões de pessoas, como câncer, distúrbios endócrinos e neurológicos.Hoje em dia este agrotóxico é usado no Brasil em plantações como arroz, milho, soja, cana-de-açúcar e café. Em 2016, após consulta pública, a Anvisa manteve parecer favorável à substância, apesar dos comprovados riscos à saúde.

Resultado de imagem para imagens sobre agrotóxicosÉ possível reduzir o consumo de agrotóxicos no dia a dia

-Lave mais de uma vez -Lave sempre frutas e legumes, como abacaxi e cenoura, com água corrente. Utilize uma escovinha para higienizar a casca. Descasque e lave novamente, secando em seguida com papel toalha.

-Descarte as primeiras folhas Ao higienizar as folhas das verduras, como alface e repolho, descarte as primeiras (que ficam do lado de fora do maço), elas recebem a maior carga de veneno.

-Fique de olho no cabinho Repare se o chamado pedúnculo da fruta, o cabinho, tem uma espécie de penumbra branca, como se fosse um pó mesmo -isso é outro indicativo do excesso do agrotóxico.

-Cuidados com vegetais muito perfeitos- Desconfie dos vegetais que estão muito perfeitos e grandes demais, as substâncias químicas tornam frutas e legumes mais resistentes e maiores.

-Prefira os alimentos da época -Compre apenas alimentos da safra, os que estão fora de época tendem a receber mais agrotóxicos na lavoura para progredirem.

-Examine a casca- Fique atento também a manchas esbranquiçadas nas cascas, que podem indicar resquícios da aplicação de venenos.

-Deixe de molho -Antes de consumir as verduras e legumes, deixe-os de molho por meia hora em uma solução de bicarbonato de sódio (1 colher de sopa rasa para 1 litro de água). Isso ajuda a eliminar resíduos. Depois, lave novamente.

-Água sanitária ou vinagre -Outra possibilidade é deixar os vegetais de molho por 20 minutos em uma solução de água sanitária própria para higienização de alimentos (hipoclorito de sódio), lavando-os bem em seguida. A medida são 10 gotas do produto para 1 litro de água.

-Esquentar ajuda- Vegetais fervidos, cozidos ou assados têm menor índice de contaminação, já que as altas temperaturas também auxiliam na eliminação dos venenos.

Resultado de imagem para imagens sobre alimentos organicosVisão pessoal…

Faz bem para a saúde, para o meio ambiente e para as comunidades rurais. Por esses e outros motivos, muitas pessoas estão optando pelos alimentos orgânicos e contribuindo para a expansão desse mercado no Brasil e mundo afora. Mas, afinal, quais as vantagens desses produtos para a nossa saúde? O principal diferencial das frutas, legumes, cereais, carnes e ovos que levam o selo “produto orgânico” é a técnica usada em seu cultivo, livre de agrotóxicos e outras substâncias químicas que prejudicam o bom funcionamento do nosso corpo.Consumir alimentos orgânicos é uma alternativa para se proteger dos agrotóxicos, mas é importante esclarecer que eles têm praticamente os mesmos nutrientes e vitaminas que os alimentos comuns, segundo pesquisa da Universidade de Stanford (EUA). O dado foi publicado no periódico Annals of Internal Medicine e é fruto do mais amplo estudo sobre orgânicos feito até hoje. Para chegarem a essa conclusão, os cientistas revisaram 237 pesquisas sobre orgânicos e realizaram 17 acompanhamentos clínicos.Apesar de não possuírem grandes diferenças na tabela nutricional, os cientistas americanos afirmam que consumir orgânicos é uma maneira de evitar o excesso de exposição a agrotóxicos. Outro ponto positivo desses alimentos é o sabor e os benefícios gerados ao meio ambiente. Para se certificar que o alimento consumido é de fato orgânico, especialistas indicam que seja verificado na embalagem se o produto tem o selo Sistema Brasileiro de Avaliação da Conformidade Orgânica (Sisorg)….Atualmente, com a situação político-econômica e com as constantes denúncias de fraudes nas instituições, todo cuidado é pouco,portanto, vamos acordar e ficar de olhos bem abertos….

Inspiração….

Fontes consultadas:

Biomédico Henrique Silveira, do Hospital de Câncer de Barretos

Nutricionista Vivian Ragasso do Instituto Cohen de Ortopedia, Reabilitação e Medicina do Esporte

O agricultor Fernando Ataliba, militante movimento orgânico e presidente eleito da AAO (Associação de Agricultura Orgânica).

Cartilha-Alimentos-Organicos.pdf – Horticultura

Motivações para o Consumo de Alimentos Orgânicos – Possibilidades ..

Monicavox

Recomendo….

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre alimentos organicos

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre alimentos organicos

 

 

Anúncios