Desafie suas crenças limitantes

Resultado de imagem para imagens sobre crenças limitantesTravam-se verdadeiras guerras em todas as áreas da vida humana quando as crenças do passado são desafiadas por mudanças no presente. Temos toda uma história de eliminação dos mensageiros da mudança. Não gostamos que nossos mitos sejam desafiados. Contudo, inovadores em todas as áreas da realização humana — científica, educacional, política, religiosa — têm vivido em sincronia com o mistério da mudança. Eles observam aquilo que existe e perguntam em que pode se transformar. Infelizmente, a resistência à mudança que eles anunciam muitas vezes resulta em serem ignorados, ridicularizados e até mesmo eliminados, apenas para ressurgirem da infâmia anos mais tarde e se tornarem os heróis de novas lendas. E assim o processo se reinicia.

Sempre que construímos uma cidadela para defender uma verdade aceita, em vez de deixá-la em aberto para averiguação posterior, cristalizamos a vida no dogma. Porém, quando pensamos que já temos tudo delineado, a evolução dá um passo adiante, abre as portas e janelas, e toda a poeira do passado é sacudida e somos obrigados a mudar mais uma vez.

Entrementes, lidamos com o presente, descobrindo com freqüência dentro de nós mesmos capacidades inimaginadas de coragem e resistência. Século após século, os seres humanos se recuperam dos sonhos desfeitos e procedem à reconstrução. Persistimos, dando três passos para a frente e dois para trás, através da lenta e estafante disciplina da experiência. Somos impulsionados em direção a uma perfeição maior com a mesma certeza com que o sol faz rebentar a vida na semente posicionada na direção de sua luz.

Somos impelidos pela promessa de um potencial ainda não realizado. Para aqueles que temem a mudança, a evolução é inimiga. Mas para aqueles que respondem conscientemente ao ritmo constante da evolução, é a essência da vida convocando-nos a nos tornar tudo aquilo que podemos ser. Ela estimula nossos desejos. Ela nos torna descontentes com a injustiça, a doença, a poluição e a guerra. Ela planta em nossos corações uma certeza de que a vida não precisa ser como é. A evolução desperta, encoraja e nos arremessa para a mudança.

Somos totalmente interdependentes uns dos outros e de todas as outras formas de vida que fazem parte de nosso mundo. Caracterização das transformações O autoconhecimento é o passo inicial da realização espiritual. Ajudar as pessoas a confrontar e integrar seus próprios medos e limitações pessoais faz com que para nós se torne possível lidar com esses problemas em termos raciais, nacionais e planetários. Orientadores, terapeutas e mestres estão numa boa posição para observar transformações pessoais, possivelmente porque as pessoas raramente procuram seus serviços quando a vida está se desenrolando satisfatoriamente. Geralmente, é algum tipo de trauma que nos leva a pedir ajuda. Pode ser uma crise muito transparente como, por exemplo, o fato de ser abandonado pela pessoa amada, descobrir que um filho anda consumindo drogas, a morte súbita de um amigo, o diagnóstico de uma doença incurável, uma depressão debilitante — qualquer uma das centenas de gatilhos que repentina e inequivocamente transformam a vida que planejáramos com tanto cuidado. As pessoas também procuram profissionais capazes de ajudá-las quando estão passando por mudanças na sua vida espiritual. Alterações que surgem dos níveis mais profundos do eu só parecem ser menos violentas do que uma crise imediata e desgastante em nossa vida exterior. As mudanças da alma tendem a ser mais evolucionárias que revolucionárias. Porém, nas grandes reviravoltas, pode surgir qualquer mudança com toda a violência de uma crise, pois não há nada na nossa vida que possa ser separado do Espírito.

KRINES

A palavra crise tem origem no vocábulo grego krines, que significa “separação de caminhos”. Isto já diz tudo. No despertar de uma crise importante, quase sempre nos desligamos da nossa visão anterior da realidade — não importa se o fazemos de boa vontade ou com queixas e gritos. Os chineses têm duas palavras para designar crise; uma significa “perigo”, a outra, “oportunidade”. De uma perspectiva espiritual, aquilo que parece ser perigoso geralmente nos oferece grandes oportunidades de crescimento. Muitas vezes, podemos sentir a aproximação de uma grande mudança. Pode ser que ela ainda não se tenha manifestado no mundo físico, mas sentimos sua energia em movimento, alterando o status quo. Antes de uma forte tempestade, sempre há um silêncio tenso, quase como se o próprio ar estivesse retendo o fôlego. Encontramo-nos no meio desse silêncio, percebendo a borrasca que se aproxima. Isso porque os momentos decisivos se anunciam por meio de vários sintomas vagos: uma profunda inquietação, um anseio indefinível, um aborrecimento inexplicável, a sensação de estar paralisado.

As mudanças que alteram nossa vida freqüentemente ocorrem como se uma cápsula de libertação do tempo tivesse sido dissolvida dentro da psiquê. Contudo, o acontecimento em si é, em geral, menos importante do que as oportunidades de aprendizado que estão encapsuladas dentro dele. Se é o momento de aprender uma lição específica, então acontecerão coisas que providenciarão a oportunidade perfeita. Porém, se os acontecimentos não se desenvolverem de modo a prover a lição necessária, ou se a lição não for aprendida, então ocorrerá outro conjunto de eventos que irão reapresentar a mesma lição.

A HISTÓRIA DE JOHN

Suponha que a cápsula tenha sido liberada no momento certo para John, um rapaz de vinte e um anos, que precisa aprender a perdoar. O local do aprendizado pode ser o seu emprego e o patrão que ele parece ser incapaz de satisfazer torna-se o seu mestre. O acontecimento é que John é despedido. Se ele perdoar o patrão, estará livre para seguir em frente. Não terá de repetir a lição. Mas, no caso de se recusar a aprender sobre o perdão, passará para outra classe com novo mestre — porém a lição continua sendo a mesma: saber perdoar. John pode se ver num novo emprego — e desta vez ele está ameaçando o ego de um colega, que se vinga apresentando o trabalho de John como se fosse seu e obtendo para si um mérito que é dele. Ou então John faz amizade com alguém que lhe rouba a namorada. Ou o seu carro é roubado. Ele ainda vai ter de aprender a lição do perdão. Se não perdoar o patrão, talvez se torne capaz de perdoar o colega de trabalho, o amigo ou o ladrão. As mudanças que John está vivenciando são, na verdade, relativas à mudança de consciência. Para colocar isso no contexto de seus outros ciclos, suponhamos que o objetivo de sua alma seja o de aprender várias lições importantes, de modo a finalmente poder usar seu talento para ajudar os outros. Talvez, se pudéssemos vê-lo dois ciclos mais tarde, descobriríamos que se tornou um fisioterapeuta que reabilita pessoas acidentadas no trabalho. Ele não vai realizar essa tarefa antes dos trinta e cinco anos e talvez não tenha nenhuma idéia, aos vinte e um ou vinte e oito anos, de que esse tipo de trabalho venha a atraí-lo. Mas a alma dele sabe. Esse propósito faz parte do padrão da sua ascendência desde o nascimento, assim como a cor dos seus olhos. Desde o momento em que John nasceu até aquele em que inicia esse trabalho, ele vai atrair inconscientemente para si todas as lições de que necessitar para se desobstruir e se preparar para ajudar os outros em seus bloqueios e desafios. Algumas das lições podem ser bem difíceis. Assim, por exemplo, pode ser que ele sofra um acidente sério aos vinte e oito anos que pareça uma interrupção absurda de sua vida naquele ponto. Se tentarmos compreender essa mudança dolorosa no momento em que ela ocorrer, provavelmente não seremos bem-sucedidos. Mas, à medida que John passar por meses de luta e terapia para recuperar a saúde, ele vai aprender a penetrar no fundo de si mesmo e libertar sua vontade. Sua aprendizagem será sobre a disciplina e a paciência, e sobre a compaixão pelos outros. Os níveis de percepção que estavam fora do alcance de sua consciência antes do acidente agora vão tornar-se acessíveis para ele. Vamos supor que John assimile a lição sobre o perdão, já que não poderá ensinar muito aos seus pacientes se ele próprio não a aprender. Nesse caso, aos trinta e cinco anos, quando estiver pronto para dedicar-se à missão de sua vida, ele já terá obtido o diploma das escolas que lhe ensinaram aquilo que ele precisava saber para fazer bem o seu serviço. O perdão, a autodisciplina e a compaixão irão combinar-se numa forma de síntese em sua consciência. 

No momento em que compreendemos que nossas almas estão nos segurando metódicamente na mesma “sala de aula” até que cheguemos a assimilar as lições, a impaciência e os juízos a nosso próprio respeito e a respeito dos outros tornam-se atenuados e suaves. Na maior parte do tempo, não sabemos qual é a lição das outras pessoas. Mas começamos a compreender que um momento difícil, e até mesmo uma tragédia, é provavelmente uma lição importante e necessária em suas vidas. A essa altura, nós nos tornamos cônscios de que as coisas não são aquilo que parecem ser. E, se parecem ser muito ruins, elas não são necessáriamente assim; Levamos certo tempo para aprender que as coisas nem sempre são aquilo que parecem ser.  

Creio que temos de passar pela experiência de abrir mão de alguma coisa valiosa antes de podermos fazer isso bem e com alegria. Outro exemplo de alguém que trabalha para dedicar a vida em prol dos outros, pode ser o de uma pessoa que foi famosa numa vida anterior por causa de sua voz e que decidiu, no nível da alma, ser um grande professor de canto nesta vida. O gênio dessa pessoa é aproveitado para ajudar os outros a alcançar o seu potencial. Um grande escritor pode decidir ser um grande editor para os outros. Outra pessoa, inteiramente capaz de realizar muitas coisas para sua própria fama mas que decida trabalhar nessa lição específica, pode tomar a decisão de se dedicar a ser mãe de várias crianças em período integral. Cada uma dessas pessoas, fazendo uso de seus próprios recursos para promover o talento de outras, descobre que o sacrifício apenas parece consistir em abrir mão de algo, quando é visto pelos olhos do aluno mais novo.

Na verdade, isso significa uma aquisição. Como todas as lições da alma, esta não pode ser contrafeita: o eu interior sabe se estamos simulando uma patologia, um mito familiar programado ou crescendo quanto à compreensão. A fé no objetivo da alma não é muito compatível com um sistema de valores que requer recompensa imediata.

Desse ponto de vista, as mudanças constituem uma constante fonte de frustração, muitas vezes devastadora e angustiante. Assim que começamos a encarar-nos a nós mesmos e aos outros holísticamente, em toda a nossa trajetória de vida, passamos a reconhecer a mudança como a força dinâmica que está por trás do desenrolar do plano da alma.

Imagem relacionadaVisão pessoal….

A maioria de nós poderia olhar para trás e ver que uma mudança difícil, que não fez nenhum sentido num determinado momento da nossa vida, preparou-nos para desempenharmos uma importante tarefa, posteriormente.Diante de uma decepção ou de uma mudança radical que nos desagrada, é um desafio acreditar que existe um propósito. Aceitar isso é uma das primeiras lições para viver as mudanças com dignidade. Quantas vezes não tentamos manipular o mundo para obter algo que queríamos e falhamos? Simplesmente aquele não era o momento certo, mesmo que não soubéssemos disso. Mais tarde, as mesmas portas que antes queríamos tão desesperadamente abrir à força escancaram-se para uma oportunidade inesperada e nós as transpomos, aparentemente sem nenhum esforço. Esse é o momento certo. Como um vaso de cerâmica que foi diversas vezes submetido ao fogo a fim de poder suportar a pressão daquilo que virá a conter, assim também nós somos moldados sempre tendo em vista o futuro.

Inspiração….

crenças limitantes

infinitas possibilidades – TUT.com

Como destruir crenças limitantes. – Sucesso Mental

Crenças Limitantes – O Sistema de crenças e valores – O Poder do Ser

Monicavox

Recomendo…

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre crenças

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre mudança

 

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre mudança