O DNA e o Genoma Humano

Em 1990, surgiu o Projeto Genoma Humano que tinha a finalidade de identificar no prazo de até o ano de 2005, cada um dos 100 mil genes através de um processo chamado mapeamento genético humano.Esse mapeamento, consiste em registrar cada um dos genes do cromossomo, determinar a ordem dos nucleotídios e sua função.

As vantagens desse trabalho estão no fato da identificação da cura e da causa de muitas doenças como a obesidade, o diabetes e o hipertensão, o que será de grande benefício para a humanidade que, até então, não alcançou tal proeza.Mas por outro lado, existem desvantagens (éticas e morais), pois o uso indevido do Projeto, pode fazer com que as pessoas percam sua individualidade, tornem-se vulneráveis e propícias a  um “descarte”numa entrevista de trabalho, por exemplo, devido ao fato de que, por um simples exame, possa-se detectar uma má reprodução da célula e um futuro câncer, que dificultará sua admissão no emprego.

O conhecimento do código genético do ser humano pode ofertar um trunfo a certas pessoas, que poderia se usado de forma indevida e resultar não só em sérios problemas éticos e morais, mas poderia ser responsável pela dizimação da raça humana.Nesta postagem, pretendemos colocar questões tanto biológicas, quanto científicas e éticas e tentar traçar um paralelo com essas mudanças planetárias as quais estamos sujeitos nesta mudança de paradigmas, usando uma linguagem mais simplificada, não deixando de informar de forma acadêmica compreensível para todos e abordando partes importantes deste assunto que diz respeito á todos nós, pois sabemos que somos uma mistura genética incrívelmente diversificada, pois temos gens de várias raças do Cosmos que por aqui estiveram, sem contar as experiências genéticas á que fomos submetidos.

Somos um cadinho de raças galáctico que, só agora, começa a ter conhecimento do seu imenso potencial, da sua verdadeira estrutura biológica e nosso futuro  depende desse conhecimento,que pode nos levar á uma incrível evolução, ou um perigo para a nossa raça.No que vamos apostar?

Conceito

Projeto Genoma Humano (Human Genome Project, HGP) é uma das maiores façanhas da história da humanidade. Ele é traduzido como um esforço da pesquisa internacional para seqüenciar e mapear todos os genes dos seres humanos, que no seu conjunto é conhecido como genoma. Integrado ao HGP, esforços semelhantes vêm sendo empregados para a caracterização de genomas de vários outros organismos, uma vez que a maioria dos organismos vivos apresenta muitos genes que são similares ou homólogos, ou seja, com funções semelhantes.

A identificação das seqüências e das funções dos genes destes organismos se traduz no potencial para explicar a homologia dos genes nos seres humanos, portanto podendo ser usados como modelo animal na pesquisa biomédica.O seqüenciamento de nosso genoma representa um passo essencial no entendimento da biologia humana e no planejamento racional de pesquisas biomédicas. Contudo, é importante notar que o seqüenciamento de um dado genoma é apenas uma parte de um complexo quebra-cabeças.

A informação genética deve ser usada como um “mapa”, a partir do qual começamos a compreender a base das doenças e a importância da variação genética através da análise da complexidade e do comportamento das regiões reguladoras, genes e proteínas, funções gênicas e sistemas celulares.

O genoma humano é um conjunto de instruções necessárias para formar um ser humano. Essas informações estão no DNA, uma longa molécula em formato de hélice distribuídas em 23 pares de cromossomos, que carregam os genes compostos por quatro elementos básicos: adenina, timina, citosina, guanina.Os núcleos de meio milhão de células humanas poderiam caber todos dentro de uma única semente de papoula; embora cada um deles abrigue um mecanismo genômico incrívelmente vasto, pelo menos do ponto de vista molecular.Cada núcleo tem bilhões de componentes, ou peças; muitas delas utilizadas para ativar e silenciar genes — um sistema que permite a especialização de células individuais como células cerebrais, cardíacas e cerca de outros 200 tipos diferentes.Além disso, o genoma de cada célula é um “twitter com milhões de peças móveis” que se deslocam em massa por todo o núcleo, prendendo-se aqui e ali para ajustar o programa genético. De vez em quando, a própria máquina genômica se replica.

VOCE SABIA?
 “Estique todos os genomas em todos os trilhões de células de seu corpo e você teria a distância equivalente a 50 viagens de ida e volta ao Sol”, compara Tom Misteli, chefe de biologia celular do grupo de genomas no Instituto Nacional do Câncer, em Bethesda, Maryland.Desde 1953, quando James Watson e Francis Crick revelaram a estrutura do DNA, pesquisadores fizeram progressos espetaculares em soletrar, ou decifrar, essas letras gênicas.
Mas esse modo de ver esse magnífico sistema de armazenamento de informações não revela quase nada sobre o que faz com que genes específicos se liguem ou desliguem em momentos distintos, em diferentes tipos de tecidos, e em períodos diferenciados do dia ou da vida de uma pessoa.
Para desvendar esses processos, precisamos entender como essas letras gênicas se espiralam, enrolam, dobram em laçadas, agregam em domínios e glóbulos coletivamente; e, de modo geral, presumir uma arquitetura que abrange todo o núcleo.“A beleza do DNA fez as pessoas se esquecerem das estruturas de escalas mais abrangentes do genoma”, sintetizou Job Dekker, um biólogo molecular da Faculdade de Medicina da University of Massachusetts em Worcester, que construiu algumas das ferramentas mais significativas para desvendar a geometria genômica.
“Agora estamos voltando para estudar a estrutura do genoma porque nos demos conta de que a arquitetura tridimensional do DNA nos dirá como as células de fato usam as informações. Tudo no genoma só faz sentido em 3-D”.
UMA LONGA JORNADA NO TEMPO
As primeiras tentativas de compreensão dos fenômenos biológicos são provávelmente tão antigas quanto a linguagem e o pensamento consciente. Desde os primórdios temos tentado compreender nossas origens, buscando influenciar a dinâmica da vida, das doenças e da morte. Embora tenham ocorrido descobertas dramáticas nessa área, particularmente nos últimos 50 anos, nos últimos três anos, presenciamos um salto significativo em tecnologias da pesquisa biológica, principalmente no que se refere aos progressos na área de seqüenciamento genômico.
A tecnologia de seqüenciamento automático de DNA utilizando raios laser (uma técnica que permite um acúmulo rápido de informação genética, gerando um rascunho genético de um dado organismo), tem modificado fundamentalmente o nosso conhecimento de biologia e de muitas áreas associadas. A implementação do seqüenciamento de DNA em larga escala permitiu a realização de um dos feitos científicos mais importantes da humanidade: o seqüenciamento do genoma humano.
 A análise mais minuciosa e detalhada da máquina genômica levou tempo para se consolidar.Em meados do século 17, o microscopista britânico pioneiro Robert Hooke inventou a palavra cell, ou célula, como resultado de suas observações de uma fina fatia de cortiça. Os pequenos compartimentos que viu, o fizeram lembrar-se dos apertados cômodos de monges — suas celas.
Em 1710,Antonie van Leeuwenhoek  detectou minúsculos compartimentos no interior de células; mas foi o botânico escocês Robert Brown, descobridor do famoso movimento browniano, que cunhou a palavra nucleus, ou núcleo, para descrever esses compartimentos no início da década de 1830.Meio século depois, em 1888, o anatomista alemão Heinrich Wilhelm Gottfried von Waldeyer-Hartz olhou por seu microscópio e decidiu usar a palavra cromossomo, que quer dizer “corpo colorido”, para os diminutos filamentos  de corantes que ele e outros podiam ver dentro de núcleos com auxílio dos melhores microscópios da época.
Durante o século 20, biólogos descobriram que o DNA em cromossomos, e não os seus componentes proteicos, são a encarnação molecular de informação genética. A soma total do DNA contido nos 23 pares de cromossomas é o Genoma.Mas, como esses cromossomos se combinavam, continuou sendo em grande parte um mistério.
A ORQUESTRA DO GENOMA
Arqueólogos genômicos como Dekker inventaram e aplicaram técnicas de “escavação molecular” para descobrir a arquitetura do genoma, na esperança de finalmente discernirem como toda essa estrutura ajuda a orquestrar a vida na Terra.Ao longo da última década mais ou menos, eles têm exposto uma “hierarquia aninhada” de motivos estruturais em genomas que são tão elementares para a identidade e atividade de cada célula como a própria dupla hélice.O objetivo do Projeto Genoma Humano (PGH) era descobrir como essas substâncias químicas estão organizadas na longa fita retorcida do DNA;Então, no início da década de 90, Katherine Cullen e uma equipe da Vanderbilt University(?) desenvolveram um método para fundir artificialmente pedaços de DNA que estão próximos no núcleo. Essa façanha  permitiu analisar a estrutura ultra- dobrada (comprimida) do DNA ao simplesmente ler sua sequência.Essa abordagem foi sendo aprimorada ao longo dos anos e, uma de suas interações mais recentes, chamada Hi-C, possibilita mapear a dobradura de genomas inteiros.
COMO OS CROMOSSOMOS SE ENROLAM PARA FORMAR A CADEIA DE DNA
Esses códigos são escritos em Cromatina, a mistura de DNA e proteínas que compõe os cromossomos. A Cromatina é construída quando o DNA se enrola ao redor de milhões de estruturas proteicas parecidas com carretéis, chamadas nucleossomos. (Esse enrolamento é a razão por que dois metros de DNA podem se comprimir dentro de núcleos com diâmetros de apenas um tricentésimo de milésimo de largura.)
Um grande elenco de “jogadores biomoleculares” refina diferentes faixas dessa contorcida Cromatina em formas mais fechadas ou abertas. A imagem  cada vez mais detalhada do genoma, que pesquisadores como Dekker, Misteli, Aiden e seus colegas têm construído funciona mais ou menos da seguinte forma:
“Nucleotídeos se reúnem na famosa dupla hélice do DNA. A hélice se enrola em nucleossomos para formar cromatina, que por sua vez se enrola e enrola em formações similares ao  que você obtém quando fica torcendo as duas extremidades de uma corda. Em meio a tudo isso, a cromatina se isola ou desvia aqui e ali em milhares de laçadas, ou meandros. Essas voltas, tanto no mesmo cromossomo como em cromossomos diferentes, se engajam mútuamente em subcompartimentos.”

ALGUMAS PERSPECTIVAS FUTURAS

A convergência de dados bioquímicos, de imagem, neuroanatômicos, psicofarmacológicos, clínicos e genéticos, permite prever que estaremos muito próximos de uma melhor compreensão das bases biológicas do Genoma. O que podemos esperar no campo da genética nos próximos 15 a 20 anos? Embora todas as possibilidades estejam um pouco distantes para serem discutidas aqui, alguns pontos parecem ser relativamente certos:

1-Uma lista satisfatória dos produtos dos genes humanos poderá fornecer um vasto conjunto de medicamentos potenciais similares a proteínas humanas (tal como insulina, interferons e hormônios de crescimento);2-Os futuros cadastros de dados médicos deverão incluir uma grande quantidade de dados genéticos e, eventualmente, o genoma completo da pessoa, associado a uma longa lista de polimorfismos que possam ser usados para prever resposta a determinadas drogas, a substâncias químicas e ambientais, juntamente com a predisposição do indivíduo;3- A compreensão das bases genéticas de doenças complexas irá permitir o desenvolvimento de estratégias de prevenção para impedir o estabelecimento da patologia e o desenvolvimento de drogas para um tratamento mais eficiente;4- Empresas de farmacogenômica irão desenvolver, utilizando a individualidade genética, uma medicina personalizada na qual drogas serão geradas para atender às necessidades específicas dos indivíduos. A disponibilidade destes avanços terá um enorme impacto na pesquisa do Genoma.

A VARIAÇÃO GENÉTICA MAPEADA PELO GENOMA-A QUESTÃO RACIAL

“Um dos mais importantes achados do Projeto Genoma Humano foi a determinação da diversidade de DNA existente entre diferentes indivíduos. Cada pessoa que já existiu no planeta – com exceção de gêmeos idênticos – possui um genoma único e, embora quaisquer dois genomas sejam ~99,9% idênticos, isso ainda deixa milhões de diferenças entre os 3,2 bilhões de pares de bases de nucleotídeos que compõem o genoma. O nível de identidade entre dois genomas é aproximadamente o mesmo, independentemente da origem étnica dos indivíduos. As diferenças genéticas que existem entre duas pessoas brancas de origem européia, ou entre um europeu branco e um asiático, é a mesma. Isso é válido para qualquer etnia e aniquila o conceito de raça”.

Não faz muito tempo, um comentarista de TV a cabo disse, confiante, que certas doenças e certas qualidades são genéticamente determinadas pela raça.Nos últimos 30 anos, este é o consenso entre os geneticistas: os homens são todos iguais ou, podemos dizer, os homens são igualmente diferentes.

O mesmo não se dá com os animais. Tomemos o exemplo dos cães. Todos sabemos que há várias raças da espécie canina. Elas são bem diferentes entre si, tanto na aparência quanto no comportamento: há raças maiores e menores, compridas e curtas, inteligentes e obtusas, dóceis e agitadas. Qualquer um saberá dizer, de longe, qual é o bassê e qual é o dog alemão. Pois bem, o que faz o bassê e o dog alemão serem de raças diferentes é que bassês se parecem mais com bassês, do ponto de vista da genética, do que com dogs alemães.

Reúna um grupo de bassês: haverá animais mais compridos que outros, mais altos que outros, com focinhos mais pontudos que outros. Mas a variabilidade entre bassês será sempre menor do que entre bassês e dogs alemães.

Com homens, isso não acontece, e é isso a nossa beleza, a nossa riqueza, a nossa sorte. Consideremos dois grupos; O primeiro ,com aqueles que o senso comum diz serem da “raça” negra: homens de cor preta, nariz achatado e cabelo pixaim. O segundo, com aqueles que o mesmo senso comum diz serem da “raça” branca: homens de cor branca, nariz afilado e cabelos lisos. Desde 1972, a partir dos estudos de Richard Lewontin, geneticista de Harvard, o que a ciência diz, é que as diferenças entre indivíduos de um mesmo grupo serão sempre maiores do que as diferenças entre os dois grupos, considerados em seu conjunto. No grupo de negros haverá indivíduos altos, baixos, inteligentes, menos inteligentes, destros, canhotos, com propensão a doenças cardíacas, com proteção genética contra o câncer, com propensão genética ao câncer etc. No grupo de brancos, igualmente, haverá indivíduos altos, baixos, inteligentes, menos inteligentes, destros, canhotos, com propensão a doenças cardíacas, com proteção genética contra o câncer, com propensão genética ao câncer etc.

A única coisa que vai variar entre os dois grupos é a cor da pele, o formato do nariz e a textura do cabelo, isso porque os dois grupos já foram selecionados a partir dessas diferenças. Em tudo o mais, os dois grupos são iguais. Na comparação com os cães, dois bassês são genéticamente mais homogêneos do que um bassê e um dog alemão e, por isso, formam duas raças distintas. Com os homens, isso não acontece.

O genoma humano é composto de 25 mil genes. As diferenças mais aparentes (cor da pele, textura dos cabelos, formato do nariz) são determinadas por um conjunto de genes insignificantemente pequenos, que perfazem uma fração insignificantemente pequena se comparado à de todos os genes humanos.

Para ser exato, as diferenças entre um branco nórdico e um preto africano compreendem apenas uma fração de cerca de 0,005% do genoma humanoPor essa razão, a imensa maioria dos geneticistas é categórica: no que diz respeito aos homens, a genética não autoriza falar em raças. 

Segundo o geneticista Craig Venter, o primeiro a descrever a seqüência do genoma humano, “raça é um conceito social, não um conceito científico”. Uma fonte de confusão, são estudos freqüentemente divulgados em que se diz que uma doença é mais comum entre negros ou entre brancos, ou entre amarelos. Isso nada tem a ver com raça, mas com grupos populacionais, que se casam mais freqüentemente entre si. Seria preciso que os genes que determinam a cor da pele também determinassem essa ou aquela doença para se relacionar “raça” e a “doença”, e isso não existe.

A ciência já mostrou que a associação entre raça e doença não passa de um mito, como disse o geneticista Antônio Solé­Cava, da UFRJ. Por exemplo, o caso da anemia falciforme entre negros. Sabe-­se hoje que quem tem essa doença é também mais resistente à malária.

Não à toa, o gene da anemia falciforme é mais freqüente em algumas áreas da África, onde a presença do mosquito transmissor da malária é maior, fato determinado pela seleção natural.

Nas outras regiões da África, o gene da anemia falciforme é raro. Assim, não se pode dizer que todo negro tem uma maior probabilidade de ter este  gene: apenas aqueles, mesmo assim nem todos, com antepassados vindos de certas regiões onde o mosquito transmissor era numeroso. Além disso,se os negros oriundos daquelas regiões têm mais freqüentemente o gene da anemia falciforme (ou de qualquer outra doença), isso não torna o gene exclusivo desse aquele grupo.

 Isso vale para qualquer doença, para qualquer grupo. Tão logo o indivíduo portador de certo gene se case com outro que não tenha o gene, o filho dessa união poderá vir a herdá-­lo. No caso de um negro e uma branca: se o filho herdar uma pele mais clara e se casar com uma branca, o filho dessa nova união poderá ser branco e, mesmo assim, herdar o gene. Definitivamente, não existem genes exclusivos de uma determinada cor. 

Numa sociedade segregada como a americana, talvez seja mais comum que grupos populacionais tenham uma carga genética mais parecida. Em lugares em que a miscigenação predomina, como aqui no Brasil,por exemplo, isso é muito mais improvável.

A GENÉTICA E A ANSCESTRALIDADE

A cor da pele não determina sequer a ancestralidade. Nada garante que um indivíduo negro tenha a maior parte de seus ancestrais vindos da África. Isso é especialmente verdadeiro no Brasil, devido ao alto grau de miscigenação. Usando os marcadores moleculares de origem geográfica, ele analisou o patrimônio genético de cidadãos negros de uma cidade  e descobriu que 27% deles tinham uma ancestralidade predominantemente não-­africana, isto é, maior do que 50%. Considerando-­se os brancos de todo o Brasil, descobriu-­se que 87% deles têm ao menos 10% de ancestralidade africana. Nos EUA, esse número cai para apenas 11%. Ou seja, no Brasil, há brancos com ancestralidade preponderante africana e negros com ancestralidade preponderante européia.

Somos uma mistura totalA crença em raças, porém, não é apenas fruto da ignorância. Volta e meia surge dentro da própria ciência alguém disposto a desafiar o consenso reinante(nota pessoal;abaixo veremos porque, quando entrarmos no assunto da genética extraterrestre)

 É o caso do biólogo britânico Armand Marie Leroi. Em março último, escreveu um explosivo artigo para o “New York Times”, asseverando que raças não sómente existem, como seu conceito é bem-­vindo, já que ajudaria no diagnóstico e tratamento de certas doenças, mito, como vimos, já desfeito. Os argumentos de Leroi são na verdade uma revalidação das antigas crenças dos antropólogos do século XVIII que criaram a noção de raça. Em resposta, dezenas de cientistas escreveram artigos reafirmando as descobertas da genética.

(nota do Monicavoxblog; o racismo está em todo lugar. Entre cientistas, inclusive. Raça será sempre uma construção cultural e ideológica para que uns dominem outros. Eu continuo acreditando que o preconceito no Brasil é em relação à pobreza e não à cor da pele. Mas indivíduos que se sentem perseguidos pela cor devem lutar por seus direitos. Não devem, no entanto,sucumbir ao argumento racista de que pertencem a uma raça. Devem dizer que querem os mesmos direitos porque somos todos iguais. Ou igualmente diferentes.)

NOSSOS GENES SÃO EXTRATERRESTRES?

O mistério do DNA: uma sequência indecifrada de genes guarda o segredo da origem da espécie humana. O Projeto Genoma foi além do esperado e os cientistas estão perplexos com a descoberta de material genético que não pertence ao planeta Terra. A descoberta confere um tom a mais de credibilidade às hipóteses da origem humana como resultado de colonização da Terra realizada por viajantes cósmicos, que vieram “dos céus”, como nos relatos mitológicos de culturas antigas de todo o mundo.
Eles acreditam que 97% das chamadas “sequências não-codificadas” do DNA humano correspondem a uma porção de herança genética proveniente de formas de vida extraterrestre.Essas sequências não-codificadas são comuns a todos os organismos vivos da Terra, do mofo, aos peixes e aos homens. No DNA humano, as sequências constituem grande parte do total do genoma, informa o profº Sam Chang, líder da equipe. Chamadas “junk DNA” (DNA-lixo – porque, a princípio, pareciam não servir para nada), as seqüências foram descobertas há anos atrás e sua função permanece um mistério. O fato é que a maior parte do DNA humano é “extraterrestre”.As sequências foram analisadas por programadores de computador, matemáticos e outros estudiosos. Com os resultados o profº Chang concluiu que o “DNA-lixo” foi criado por algum tipo “programador alienígena”. Essa parcela de código genético é determinante de atributos, muitas vezes indesejados, como a imunidade de um organismo às drogas anti-câncer.Os cientistas estão admitindo a hipótese de que uma grandiosa forma de vida alienígena está envolvida na criação de novas formas de vida em vários planetas; a Terra é apenas um deles.

Não se sabe com que propósito tal experiência foi e/ou está sendo feita: se é apenas um projeto científico já concluído, em acompanhamento, uma preparação dos planetas para uma colonização ou ainda, um compromisso de espalhar a vida por todo o universo.Segundo um raciocínio com base em padrões humanos, os “programadores extraterrestres”, provávelmente, trabalham em muitos projetos voltados para a produção de diferentes estruturas biológicas em vários planetas e devem estar tentando soluções para inúmeros problemas.

PROJETO GENOMA & ORIGENS EXTRATERRESTRES DA HUMANIDADE

O profº Chang é apenas um dos muitos cientistas que acreditam ter descoberto as origens extraterrestres da Humanidade. Chang explica que o DNA é um programa que consiste em duas “versões” (ou de dois conjuntos de informações): um código master e um código básico. O código master possívelmente não tem origem terrena.Os genes conhecidos, por si mesmos, não explicam completamente a evolução. Mais cedo ou mais tarde, a humanidade deverá ser informada de que toda a vida na Terra tem um código genético herdado (ou “plantado” por ) de seus “primos” extraterrestres e que a evolução não ocorreu do jeito que se acreditava até então.

Além do material genético, é também possível que os extraterrestres estejam aqui mesmo, acompanhando de perto o desenvolvimento da raça humana e disseminando mais intensamente suas “sementes estelares” (star-seeds). Estes seres, “infiltrados”, que estão sendo chamados de star-people ou star-children, são descritos pelos escritores Brad e Francie Steiger como indivíduos cujas almas deveriam ou poderiam estar encarnadas em mundos de outros sistemas solares, mas que vieram à Terra, nascendo em famílias humanas, para empregar seus esforços em auxiliar no processo de evolução da Humanidade.


Zecharia Sitchin , linguista, especialista em escritas antigas, estudou os caracteres cuneiformes e elaborou a hipótese do 10° planeta do sistema solar, chamado Nibiru, com base no conhecimento que resgatou da mitologia Mesopotâmica. O 10° planeta seria a morada dos “mestres” e colonizadores da Terra, viajantes cósmicos: os Anunnaki, que voltam, a cada 3 mil e 600 anos, para as vizinhanças da órbita terrestre.Muitos pesquisadores escreveram livros sobre a “teoria do deuses astronautas”: uma raça de extraterrestres inteligentes que teria visitado e/ou colonizado a Terra em um passado remoto, durante um tempo que foi empregado em “aperfeiçoar” ou manipular a vida e a raça humana, fazendo de um primitivo hominídeo, como o homo erectus, o atual homo sapiens. Um dos argumentos em que se apoia essa ideia é a improbabilidade de surgimento do sapiens de maneira súbita, um processo que fere os princípios do darwinismo ortodoxo; além disso, nos mitos encontrados nas culturas das mais antigas civilizações, existem descrições de eventos protagonizados por “deuses semelhantes a homens”, que aparecem vindos do céu e criam a raça humana “à sua própria imagem e semelhança”.
O homem contemporâneo, em tudo lembra um ser híbrido, uma combinação genética de material extraterrestre com a herança do homo erectus.Antes dos avanços tecnológicos e científicos que permitiram ao homem fazer viagens espaciais e manipular a vida através da engenharia genética, essa teoria da origem extraterrestre da raça humana, não podia ser concebida. Mesmo agora, no século XXI, existem muitas pessoas que consideram essa possibilidade uma fantasia de ficção científica.Entretanto, as mais recentes descobertas no campo da genética entram em choque com as teorias ortodoxas da evolução enquanto a hipótese de uma intervenção de uma espécie inteligente semelhante ao homem vai deixando de ser um mero produto da imaginação. Os mais famosos entre os expoentes da teoria da intervenção de astronautas na antiguidade são o suíço Erich von Daniken (autor de Eram os Deuses Astronautas e o linguista americano Zecharia Sitchin ­( Os Anunnaki: os deuses astronautas da Suméria.)

Eu vejo a mão de Deus trabalhando através dos mecanismos da evolução. Se Deus escolheu criar seres humanos a sua imagem e decidiu que os mecanismos da evolução fossem um elegante modo de cumprir esse objetivo, quem somos nós para dizer que não foi assim?” ―Francis Collins

(Francis Sellers Collins é um geneticista estadunidense, um dos cientistas mais respeitados da atualidade. Nasceu em 14 de abril de 1950. É diretor do Projeto Genoma Humano e foi um dos responsáveis por um feito espetacular da ciência moderna: o mapeamento do DNA humano, em 2001, trabalhando no que há de mais moderno em torno do estudo do DNA, o código da vida.

Visão pessoal….

O século XXI certamente é um marco para os estudiosos da biologia, assim como para humanidade, haja visto as relevantes descobertas sobre as características do ser humano, as quais são obtidas através do chamado “mapeamento genético”. Tais avanços técnico-científicos desencadeiam uma série de questionamentos sobre a utilização de tal descoberta, conseqüências positivas e negativas da manipulação das informações obtidas por meio dessa tecnologia, e, principalmente, o papel do Estado como mediador frente a essas mudanças sociais e científicas. Os avanços na genética acarretam problemas éticos, sociais e legais, pois além de atingir outros, a informação genética possui implicações diretas àqueles que estão próximos ao indivíduo afetado. Em um mundo em que quase tudo(ainda) deve ser judicializado para que seja respeitado,precisamos ficar atentos á essas descobertas que geram  os dilemas resultantes da aplicação do conhecimento biotecnológico, que tanto pode ser aplicado em prol da humanidade ou proteção ao indivíduo, quanto pode se revelar em instrumento fomentador de práticas racistas, de extermínio e discriminação de população portadora de doenças e anomalias já registradas nos seus genes.Traremos aqui,em outras postagens, tanto o conhecimento científico atualizado, como muitas questões relativas á manipulação genética, clonagem, doenças diagnosticáveis pelo gen, hereditariedade patológica,fitas do DNA na mudança para o corpo cristalino e muitos outros temas relativos á descoberta do Genoma, nosso gabarito interestelar.

Inspiração….

Massachusetts Institute of Technology. “Human Genes: Alternative Splicing Far More Common Than Thought.” ScienceDaily. 2008. Disponível em:

www.sciencedaily.com/releases/2008/11/081102134623.htm

Revista Scientific American-12 de março de 2015.

Pesquisas da SimonsFoundation.org, cuja missão é melhorar a compreensão pública de ciência ao cobrir desenvolvimentos e tendências de pesquisa em matemática , nas ciências físicas e da vida.

Laboratório de Neurociências (LIM27), Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo;
Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp) e Conselho Nacional de Pesquisas (CNPq).  
Laboratório de Genética Humana;Departamento de Genética/IOC/FIOCRUZ
Wells J. The Myth of Junk DNA. Seattle: Discovery Institute Press, 2011.
The ENCODE Project Consortium. “An integrated encyclopedia of DNA elements in the human genome.” Nature 2012; 489(7414):57-74.
Resultado de imagem para imagens de livros sobre o genoma humano
Anúncios