Auto-análise, Desenvolvimento pessoal e Dimensões da Vida

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre auto analiseA AUTO-ANÁLISE

Espiritualizar-se não é apenas pertencer a um credo religioso; Requer envolvimento num processo de reconhecimento e percepção de si mesmo na condição de espírito imortal. Nesse processo é fundamental a auto-análise e a compreensão dos estágios em que nos encontramos em relação às várias dimensões da própria vida. Por dimensões, entendemos os campos em que a vida nos coloca, exigindo atuação, cuidados, respostas, adaptação e progresso. Muito embora os tenhamos separado para efeito de análise, tais campos são vividos simultaneamente pelo ser humano. São áreas de atuação na vida, nas quais aprendemos a lidar conosco mesmos, a lidar com os outros, a viver em sociedade, bem como a conhecer as leis gerais do Universo/Deus/Fonte.

Para se analisar as várias dimensões da Vida é necessário perceber-se criteriosamente, verificando os vários aspectos da própria personalidade, sem camuflar os próprios limites, nem deixar de ver a própria sombra . Em geral deve-se buscar ajuda de amigos leais que possam nos mostrar a face oculta de nossa personalidade. Essa análise nos leva a um novo estágio de vida, pois nos faculta estar sempre revendo nossas próprias posturas na vida. É um processo dinâmico e terapêutico.

Quando feito durante meditações e protegido do burburinho da coletividade, nos leva a perceber o ponto mais interno de nossa psiquê. A análise deve abranger as dimensões corporal, física, sexual, filial, paternal, maternal, afetiva, emocional, criativa, religiosa, espiritual, psicológica, profissional, intelectual, política, fraternal, financeira e artística. A boa atuação do indivíduo nessas dimensões proporcionará a aquisição de importantes elementos formadores da Lei Maior em nós.

A DIMENSÃO CORPORAL

Na dimensão corporal devemos estar atentos à aceitação do próprio corpo como ele é, e, caso necessite de correção de sua aparência, face à exigência estética pessoal ou corretiva, sua impossibilidade não deve se constituir em complexo de inaceitação da própria fisionomia ou anatomia. Em muitos casos a forma que o corpo ou a expressão facial adotam refletem a natureza do espírito que o anima. Por esse motivo, é necessário entender a linguagem do corpo e saber utilizar seus recursos da melhor forma, minimizando as limitações ou problemas por ele gerados. É importante perceber e aceitar as modificações do corpo decorrentes da idade, pois aceitar a velhice ou o desgaste natural do corpo, principalmente da pele, é uma arte que nos acrescenta sabedoria.

Ainda nesta dimensão, ter cuidados com a  parte da personalidade que é por nós negada ou desconhecida, cujos conteúdos são incompatíveis com a conduta consciente. A higiene pessoal representa respeito ao corpo como instrumento de evolução, tanto quanto consideração para com os que convivem conosco. Para conservação do corpo é fundamental a prática de esportes sadios, de acordo com a idade e com os limites físicos de cada um.

Estar resolvido nessa dimensão implica num grau de satisfação com o corpo a ponto dele não se constituir em elemento de frustração e de desvalorização de sua forma, vendo-o como instrumento de evolução para o próprio espírito. A dimensão física, como extensão da corporal, compreende os cuidados com a saúde do corpo que vai além da preocupação estética, ao ponto de conhecer seu funcionamento e suas reações diante de alimentos, remédios e emoções. Implica em dar ao corpo o necessário repouso e a alimentação adequada às exigências de sua jornada diária. Nessa dimensão está inclusa a preocupação com o lazer como forma de repor as energias do corpo e da mente. A pessoa resolvida nesse campo conhece seu corpo e os limites de seu desempenho.

A DIMENSÃO SEXUAL

Na dimensão sexual é que se situa grande parte dos conflitos humanos, face ao tabu com que se tem enxergado a sexualidade. Nessa dimensão destacamos: o sentido do prazer sexual na vida do ser humano e a forma como ele lida com sua libido (energia psíquica de caráter sexual). Nesse particular, o indivíduo deve responder se tem sua sexualidade definida e se usa ou é usado pela sua libido. Muitas vezes o ato sexual, bem como a escolha do parceiro(a), não são opções conscientes, mas expressam confusões na sexualidade, resultantes da incapacidade de entender adequadamente o direcionamento e a natureza dos desejos.  Ainda nesse campo, deve o indivíduo verificar a serviço de que propósito usa o erotismo e a sensualidade em sua vida. Ambos devem estar no lugar certo e no momento certo, sem se constituírem em obstáculos à manifestação da própria vida e sem se tornarem lugar comum nas atitudes do ser humano.

O sexo não é impuro como nos foi pregado por séculos de repressão religiosa ou contrário à evolução, mas instrumento a serviço da procriação e do prazer, podendo significar expressões de amor profundo entre almas afins. Na presença do amor, ele complementa a felicidade dos que se percebem espíritos, além das contingências materiais. Quando usado adequadamente representa importante aquisição ao espírito que se encontra ainda prisioneiro da força poderosa da energia sexual.

Estar resolvido nesse campo é usar a sexualidade a serviço da própria Vida, sem repressões nem abusos, sem medos nem exageros, porém consciente que as energias da Vida, tanto quanto a sexual, estão a serviço do espírito imortal, senhor de seu próprio processo evolutivo. Onde estiver, o espírito responderá pelo uso que vem fazendo das energias da Vida.

A DIMENSÃO FILIAL

Na dimensão filial reside a forma como lidamos com nossos pais, isto é, nossa relação desempenhando o papel de filho ou filha, como lidamos com nossos familiares e qual nossa função na família da qual somos originários. A boa  relação com os pais e irmãos, bem como com outros entes que se chegaram à família, representa o livre arbítrio de poder escolher, numa próxima existência, com quem renascer. Caso nossos pais já tenham falecido e não tenhamos irmãos, podemos estender a análise para as pessoas com as quais estabelecemos relações que se assemelham às de família. Estar resolvido nesse campo significa, além de ser grato aos pais, quaisquer que tenham sido suas atitudes para conosco, viver bem com os entes familiares, não sendo peso na vida de ninguém nem contribuindo para a desarmonia do grupo familiar originário.

Na dimensão paternal podemos incluir tanto nossas atitudes como pai, se tivermos filhos, quanto nossa forma de afirmação diante da Vida. Tal forma engloba a coragem para tomar atitudes, a disciplina para lidar com a complexidade do mundo e o DISCERNIMENTO às normas e regras sociais. É o exemplo paterno que contribui para que nos tornemos determinados e corajosos diante da vida adulta e seus desafios. Caso tenhamos filhos devemos nos perguntar de que forma os educamos. Se somos rígidos, arbitrários, tiranos ou excessivamente castradores, pode ser indício de abrigar internamente (conservar psicologicamente um modelo) um pai muito duro e negativo.

Se somos negligentes, permissivos ou excessivamente liberais, isso pode ser indício de um modelo inconsciente de pai ausente ou sem disciplina. Geralmente manifestamos o modelo de pai que temos inconscientemente na forma como nos posicionamos na Vida durante a adolescência e vida adulta jovem (mais ou menos entre 14 e 25 anos). O adolescente irresponsável ou o adulto jovem desencontrado refletem em parte, o pai permissivo. O adolescente responsável e o adulto jovem  estruturado, refletem em parte, o pai interno equilibrado. O adolescente retraído e com dificuldade de escolhas, bem como o adulto jovem acomodado, podem refletir o pai interno muito duro.

A DIMENSÃO MATERNAL

A dimensão maternal é aquela que nos possibilita estabelecer relações profundas com as pessoas. Nessa dimensão nos preocupamos com o bem estar dos outros e com a afetividade e amorosidade da vida. Nela nos preocupamos com a proteção e manutenção das pessoas. Nela, fala mais alto, a maternidade como força nutridora e mantenedora da Vida. Deveremos perceber, sendo ou não mãe, se sabemos nutrir as pessoas de vitalidade e disposição para amar. Se temos filhos deveremos analisar de que forma atuamos, isto é, se somos muito protetores, o que pode levar a anular o filho, ou se somos displicentes, o que leva à frieza nas relações amorosas.

Adultos com dificuldades na relação a dois, no que diz respeito à aceitação do outro como ele é, podem ter tido mães super-protetoras. Por outro lado, adultos carentes afetivamente, podem ter tido mães não muito carinhosas. O tipo de relação que se teve com a mãe exerce profunda influência na vida de qualquer pessoa. 

Pode determinar a forma como nos relacionaremos com as pessoas para o resto da existência. Ser mãe não é só parir ou nutrir os filhos, nem tampouco subtraí-los do embate com o mundo como se fossem eternas crianças, mas prepará-los para os envolvimentos emocionais a que sempre estarão sujeitos. Estar resolvido nesta dimensão é saber exercer bem a função materna como algo que possibilita ao outro com quem interagimos, a capacidade de ter relacionamentos sadios e de se tornar independente de nós mesmos. É também estar consciente de que essa função nos possibilita a vivência do papel de co-criadores na Vida.

Na dimensão afetiva vivenciamos a capacidade de nos relacionarmos bem com as pessoas sem as exigências de troca que normalmente fazemos nas relações que a Vida nos impõe. A afetividade é a forma de se relacionar com o coração disponível ao encontro com o outro sem cobrança de reciprocidade. É saber se dirigir ao outro sem que se esteja projetando seus próprios preconceitos e carências. A afetividade é representada em nossas relações pela doçura, meiguice e trato suave com as pessoas, principalmente nas relações familiares domésticas.

É saber cativar o outro pela fala do coração, que se motiva em favor do entendimento com amorosidade. Afetividade é compreensão e sensibilidade para com os outros. Estar resolvido nessa dimensão é estar sempre de bem com a consciência e em paz quando se dirigir aos outros. É na dimensão fraternal que nos relacionamos com os amigos e que desenvolvemos nossa forma de cativá-los. Fazer amigos é tão difícil como mantê-los, pois nem sempre nos dispomos a estabelecer uma relação com as pessoas sem que almejemos algo que elas possam nos oferecer.

Ser amigo de alguém é fazer por ele o que gostaria que ele fizesse por você, sem que isto seja exigido. É ser verdadeiro quando as circunstâncias o exigirem, sendo coerente quando tiver que fazer qualquer observação que lhe desagrade, fazendo-a com desejo sincero de ajudá-lo. Poucas são as pessoas que conservam amizades de infância. Quando conseguem, estabelecem relacionamentos mais profundos. Estar resolvido nesta dimensão é ter uma rede de amigos tão ampla que sempre possa estar com eles a qualquer momento de sua vida.

DIMENSÃO EMOCIONAL

Na dimensão emocional encontram-se nossas atitudes quanto às emoções que nos movem. Para saber como você se encontra pergunte-se o que faz com sua raiva, com seu ciúme, com sua paixão, com sua saudade, com seu amor, com sua carência afetiva, com seus impulsos emocionais, bem como com suas reações naturais diante de demonstrações afetivas dos outros. 

É preciso nos conhecermos emocionalmente, pois são as emoções que influenciam sobremaneira nossa vida diária. A razão e o sentimento não são desempenhados por órgãos específicos do corpo. São atributos do espírito. Muitas vezes ambas as funções se manifestam de forma equivocada.

A razão levou homens à guerra, tanto quanto a passionalidade. As duas devem ser utilizadas nas atitudes humanas. O nível de evolução do espírito estabelecerá o valor das ações. Orientar-se pelo racional ou pelo emocional, pelo coração ou pela razão, sempre foram interrogações do ser humano. Estar resolvido nesta dimensão é saber reconhecer as emoções quando elas ocorrem, bem como saber lidar adequadamente com elas, sem escondê-las ou camuflá-las como se não existissem. Emoções reprimidas se transformam em complexos autônomos no inconsciente, possibilitando, muitas vezes, a instalação de obsessões.

A DIMENSÃO PROFISSIONAL

Na dimensão profissional temos que avaliar que escolha fizemos quanto à atividade remunerada e se estamos satisfeitos nela. É da dinâmica social que todos possam contribuir para o bem estar coletivo, e nesse sentido deveremos avaliar qual o nosso grau de contribuição para que nossa ociosidade não pese aos outros, salvo quando estejamos impossibilitados efetivamente de trabalhar. Deveremos verificar se nossa escolha nos preenche intimamente, caso contrário deveremos avaliar a possibilidade de nos dedicarmos, sem prejuízo das conquistas já efetuadas, a outra atividade que possa atender  aos nossos anseios mais íntimos. Às vezes, escolhemos a profissão indicada pela família e nos arrependemos por não encontrarmos a felicidade e satisfação no trabalho. Quando isso ocorrer deveremos analisar a possibilidade de outra escolha profissional. Estar resolvido nesse campo é, além de exercer uma atividade remunerada, exercer a profissão com amor e dedicação, contribuindo para o progresso social.

A DIMENSÃO FINANCEIRA

Na dimensão financeira se encontra a forma como lidamos com dinheiro. Se o temos e o que fazemos com ele, bem como se não o temos como lidamos com sua falta. Deveremos nos perguntar se somos capazes de nos manter sozinhos e se gastamos o que efetivamente podemos. Há pessoas que gastam mais do que conseguem ganhar, vivem se endividando e fazendo malabarismos para se manter na posição social que desejam. São artistas com o dinheiro alheio. Vivem do que não podem ter. O dinheiro em si não traz infelicidade nem tampouco compra a paz, mas pode resolver alguns problemas da vida. Muitos de nós, por não sabermos/podermos/ ganhá-lo ou mesmo por não termos capacidade/condições de tê-lo, preferimos atribuir-lhe “poder demoníaco” estabelecendo que ele nos afasta do encontro com o divino. Na verdade, para conhecer-nos é preciso aprender a lidar com as circunstâncias positivas tanto quanto as negativas, e, no que diz respeito ao dinheiro, é preciso passar pela sua falta e pela sua posse. Estar resolvido nessa dimensão é ser capaz de bem administrar os recursos financeiros que a Vida lhe ofereceu bem como aqueles que você foi capaz de adquirir. Muitas vezes, o melhor que podemos fazer com os talentos que possuímos é bem empregá-los a serviço do progresso social.

A DIMENSÃO ARTÍSTICA

Na dimensão artística situamos tudo que nos leva à arte em geral. Ter sensibilidade artística, em qualquer de seus campos, faz parte do progresso do espírito. A pessoas que não cultivam a arte, incluindo a música, a poesia, a pintura, o teatro, o cinema, a dança, a escultura, o canto, o artesanato, bem como outras manifestações culturais em torno da estética e do belo, deixam de sentir a natureza de forma mais próxima de Deus/Fonte. A vida deve ter um mínimo de musicalidade, isto é, de arte que eleve a alma. Fazer uma poesia, aprender a tocar um instrumento musical, assistir ao teatro, ir ao cinema, admirar uma obra de arte em geral, são atitudes de quem deseja penetrar no universo estético da alma. Estar resolvido nesta dimensão é ter a sensibilidade mínima para perceber, na natureza, o quanto a arte se manifesta em abundância, bem como, respeitar a capacidade artística daqueles que se utilizam dessa forma de comunicação para expressar as maravilhas de Deus/Fonte. Todos  somos capazes de revelar nossos dons artísticos, basta que nos disponhamos a esse mister.

A DIMENSÃO CRIATIVA

Na dimensão criativa incluímos nossa capacidade de estabelecer uma identidade pessoal naquilo que fazemos. Criar, no nível humano, significa imprimir sua forma singular de fazer e sentir as coisas da Vida. Todos podemos encontrar formas pessoais de fazer as coisas sem exagerar pelo desejo exclusivo de ser apenas diferente dos outros. Criar algo significa buscar o melhor que possa ser feito. É também saber encontrar as saídas para os complexos problemas da vida de uma maneira própria. É usar a criatividade em todas as situações da vida. Dentro da dimensão criativa deve-se buscar desenvolver a intuição como ferramenta poderosa, não só na solução de conflitos como também no próprio crescimento espiritual. Estar resolvido nesta dimensão é buscar cada vez mais estabelecer conexão profunda com sua essência divina interna, que promove o encanto da Vida.

A DIMENSÃO PSICOLÓGICA

Na dimensão psicológica incluímos a forma como lidamos com nossos processos psíquicos, com nossos medos, frustrações, projeções, complexos e tudo que diga respeito à nossa forma de perceber o mundo interno e externo. Devemos nos perguntar se já conseguimos eliminar os medos infantis ou se ainda os conservamos latentes. Devemos também perceber se ainda alimentamos sonhos que não são mais possíveis ser realizados, tornando-se frustrações que nos impedem de prosseguir e olhar o futuro de forma mais realista.

Devemos verificar se ainda projetamos nos outros os defeitos e qualidades que nos pertencem, impedindo uma visão real da personalidade das pessoas; se abrigamos, consciente ou inconscientemente, complexos de inferioridade ou superioridade, de culpa,  materno ou paterno, que ainda controlam nossas atitudes perante a Vida sem nos darmos conta. É nessa dimensão que devemos verificar como anda nossa “cabeça” e como conseguimos entender nossa vida mental. Ser resolvido nessa dimensão é estar sempre com a consciência tranqüila, fazendo constantes introspecções e auto-análises, ficando de bem com a Vida, disposto a enfrentar os desafios e dificuldades inerentes ao viver.

Na dimensão religiosa deveremos verificar como anda nossa relação com a caridade, de que forma exteriorizamos nossa fé e como lidamos com o sagrado e com Deus/Fonte. De que modo estabelecemos relação com as forças superiores da Natureza. Deveremos verificar se ainda nos submetemos à fé cega que se apóia em dogmas arcaicos ou se buscamos uma relação que nos leve à percepção da existência da divindade em nós próprios. Nesta dimensão é que buscamos, pela caridade, estabelecer um contato com o deus existente no próximo. Deveremos também avaliar se temos uma fé autêntica, sem os preconceitos e medos característicos do religiosismo tradicional, ou se ainda nos relacionamos com Deus/Fonte como nos foi ensinado culturalmente.

Estar resolvido nesta dimensão é conseguir viver sua própria religiosidade respeitando a alheia, buscando através da oração sincera um contato mais íntimo com a Fonte, confiar na providência divina e buscar colaborar com Ele para Sua obra, deixando de ser um eterno pedinte. Na dimensão espiritual deveremos avaliar nosso grau de intimidade com nossa essência espiritual, verdadeira natureza da criatura humana. Nessa dimensão é que colocamos em prática nossos potenciais, oriundos do espírito que somos. Nela é que estamos em contato com outros espíritos, portanto é onde nos comunicamos 38 mediunicamente.

Deveremos também perceber se utilizamos práticas meditativas em nossa vida cotidiana, se somos afeitos à autopercepção, à identificação de nossa singularidade. Estar resolvido nesta dimensão é não mais fazer distinção entre seus objetivos materiais e seus objetivos espirituais, isto é, perceber-se espírito enquanto no corpo físico, vendo a Vida como única e eterna.

Visão pessoal…

 

A auto-análise diária pode auxiliar na percepção de nosso comportamento nas diversas dimensões. Rever, após cada dia, os fatos importantes que nos absorvem e como reagimos a eles, amplia aquela percepção e permite o conhecimento de quais dimensões priorizamos ou negligenciamos em nossa conduta. A realização total de todas essas dimensões deve ser cultivada como ideal de vida, estímulo permanente de crescimento, sem gerar ansiedades decorrentes do imediatismo em querer evoluir instantaneamente. Estar harmonizado em cada uma dessas dimensões também pode significar a coragem de enxergar-se em toda a sua singularidade e ser paciente com seu próprio ritmo de desenvolvimento espiritual.

Inspiração…

1-O despertar de uma nova consciência
Eckhart Tolle
2-Momento de despertar
Shakti Gawain
3-Psicologia da Alma
Dr Joshua David Stone
4-Um Curso em Milagres
Foundation for de Inner Peace
5-Ascenção Cósmica-roteiro para os reinos desconhecidos da luz
Dr Joshua David Stone
6-Sua missão ascencional-O seu papel no Plano Maior
Dr Joshua David Stone
7-Ascenção Cósmica
James Tyberonn
8- O processo da Iluminação Espiritual
Judith Blackstone
9-Modern Physics and Vedanta
 Swami Jitatmananda
10-Vedanta Monthly
 Vedanta Center
11-Manuscritos -acervo pessoal
12-Vedanta Advaita
Sesha
13- Passo á Passo-A Jornada do Autoconhecimento
Carlos A. Bacelli
14-Autoconhecimento-A chave da Mudança
Carlos Roberto da Silva Junior
15-Karma e Dharma
 De Rose
16-As 3 Jóias-Buddha,Dharma e Sangha
 Tartang Tulku
17-Ensinamentos que vem do coração
 Tartang Tulku
Monicavox
Recomendo….
Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre auto analise
Imagem relacionada
Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre auto analise