Minhas matérias & opiniões….

Cérebro-Universo mental- Pensamentos e comportamentos……

Resultado de imagem para imagens sobre cérebroO cérebro é responsável principalmente pela identificação discriminatória e integração de informações sensoriais e pelo uso da memória, do raciocínio, da linguagem, do estado emocional e da iniciação de movimentos. É a sede da inteligência, dando-nos a capacidade de ler, escrever, falar, lembrar o passado, planejar o futuro, imaginar coisas que nunca existiram, etc. O principal desafio da ciência neural é o de compreender como o cérebro produz a notavel individualidade humana, definida pelos pensamentos e emoções.

Apesar de a unidade básica do cérebro ser bastante simples, ele é capaz de produzir comportamentos altamente complexos; interpretar as ocorrências do próprio corpo ou do ambiente ao redor, etc. Isso é possível graças ao extraordinário número de células nervosas que se comunicam entre si por meio de interconexões neurais. Com o mapeamento cerebral, a ciência desvendou alguns aspectos do funcionamento desse misterioso órgão do corpo humano, que praticamente define a condição da vida orgânica, possibilitando a manifestação do ser na vida. A reformulação do pensamento e a manifestação do comportamento básicamente sintetizam a existência humana.

O cérebro não funciona isoladamente. Além das diversas áreas cerebrais que atuam em conjunto, ele integra também algumas estruturas encefálicas, tais como o corpo caloso, o tronco encefálico, o córtex cerebral e outros. Graças a essa interligação, surge a percepção do eu, a identificação do mundo exterior e a iniciação dos movimentos. O pensamento é um ato intelectual, associado ao processamento e à compreensão simultânea das mais variadas informações sensoriais. Ele faz suas operações sem a presença do objeto; pode realizar, por exemplo, uma equação sem que a pessoa esteja vendo os números; é capaz de imaginar uma situação que não existe, antever um acontecimento, etc.

Possui a capacidade de focalizar espontâneamente a atenção em assuntos variados, direcionando a mente para diferentes situações. Enquanto a pessoa está pensando em algo, simultaneamente ocorrem vários outros pensamentos em sua mente. No cérebro são formados conceitos que organizam o mundo interior. Resolve problemas, toma decisões eficientes e efetua julgamentos. É um produto do intelecto que fornece conteúdo para a construção do universo mental. É práticamente impossível distinguir a mente do pensamento, visto que um está integrado ao outro. Eles formam um conjunto, por meio do qual se manifesta a consciência.

No senso comum, eles são citados como sinônimos. Mas em linhas gerais, a mente reúne as faculdades interiores, dando a noção de individualidade. É a maneira de ser de um indivíduo, o jeito de ele se comportar diante do mundo. No tocante ao pensamento, ele representa a manifestação da intenção, das vontades, bem como a elaboração de estratégias de atuação na vida. Tanto o planejamento quanto a execução dos movimentos resultam em comportamentos. Portanto, o ato de pensar move estruturas psíquicas, acionando ondas cerebrais que percorrem vários caminhos de fibras nervosas até atingirem as áreas do corpo relacionadas aos movimentos almejados.

De acordo com o behaviorismo (abordagem psicológica comportamental) o comportamento de uma pessoa exprime o que ela sente. Ou seja, o que a pessoa sente está na maneira como ela se comporta no meio em que vive. Em linhas gerais, esses dois componentes (comportamento e sentimento) estão intimamente ligados, são praticamente indivisíveis. Se a pessoa sente algo, ela vai se comportar de acordo com esse sentimento. Portanto, as condutas são espécies de visor dos sentimentos, trazendo à luz da consciência o que existe na alma. Os sentimentos, por sua vez, representam uma espécie de fonte geradora da maneira como a pessoa se comporta no ambiente.

No entanto, existem aspectos específicos entre um e outro: o sentimento, por exemplo, não pode ser controlado total e conscientemente. Ele pertence à essência do ser, cuja manifestação ocorre praticamente alheia à vontade consciente. Pode-se dizer que não temos controle direto sobre o que sentimos. O mesmo ocorre com os estímulos aversivos; geralmente eles surgem espontâneamente: somos impelidos a não gostar de uma pessoa, algumas vezes sem que elas nos tenha dado motivo. Todos somos dotados de sentimentos, bons, como o amor; e ruins, como ódio; florescerão apenas aqueles que cultivarmos em nossa mente, por meio dos pensamentos e pela conduta de vida.

Resultado de imagem para imagens sobre cérebroUm velho índio descreveu certa vez os seus conflitos internos da seguinte maneira: “dentro de mim existem dois cachorros, um deles é cruel e mau, o outro é muito bom e dócil. Eles estão sempre brigando…” Quando, então lhe perguntaram qual dos cachorros ganharia a briga, o sábio índio parou, refletiu e respondeu: “Aquele que eu alimentar”. Pode-se dizer que existe em nosso ser uma infinidade de sentimentos, alguns positivos, outros negativos. Muitos deles emergem na mente, porém, permanecerão ativos apenas aqueles que dermos importância e pensarmos com frequência.

Apesar de o comportamento estar à mercê dos sentimentos, ele também responde às vontades e aos desejos intensos. O interesse demasiado por algo, possibilita-nos exercer certo controle sobre a nossa conduta. Por sua vez, esse novo procedimento surtirá efeito sobre nossos próprios sentimentos. Podemos começar a gostar do que inicialmente era uma mera curiosidade ou não passava de empolgação. Se nos comportarmos de determinada maneira, fortaleceremos o sentimento que está por trás daquele nosso jeito de ser. Se nos comportarmos de forma a evitar uma pessoa querida, por exemplo, com o tempo, podemos não gostar mais dela.

Imagem relacionadaJá quando nos mobilizamos em prol de alguém, esse gesto pode despertar a afetividade. No entanto, se não existir o mínimo de reciprocidade por parte de quem ajudamos, essa falta de reconhecimento esgota os nossos esforços, comprometendo o que sentimos. Isso acontece com relativa frequência nos relacionamentos. As pessoas que se gostam unem suas forças em prol de um mesmo ideal. Mas se não houver reciprocidade na relação e consideração pelas ações em conjunto, facilmente uma das partes começa a se acomodar, enquanto a outra passa a sentir-se esgotada ou até mesmo explorada, comprometendo a vontade de participar da vida da outra.

Assim sendo, o que nutri e fortalece os sentimentos se não for bem compartilhado com o verdadeiro espírito de troca poderá se transformar em agente de desafeto. Pode-se dizer que os pensamentos tanto refletem os sentimentos, quanto despertam a ternura. Zelar pelo que pensamos é uma maneira de exercer o poder de escolha que influencia sobre o que iremos sentir. Caso um sentimento seja bom, vale a pena manter as lembranças agradáveis, isso o intensifica. No entanto, se existir um mau presságio, evite pensar muito a respeito, isso vai aumentar o seu temor. Do mesmo modo que o amor é o principal ingrediente para estabelecer a convivência, o próprio relacionamento aquece o sentimento. E os pensamentos estão integrando esses dois níveis.

A maneira como se pensa, tanto acerca do que se sente, quanto do que acontece, favorecerá ou dificultará a integração desses dois níveis. É preciso ter uma “boa cabeça” para ser feliz no amor e estabelecer relações saudáveis, promovendo convivência harmoniosas. O relacionamento requer flexibilidade; sem isso não há interação. Cada um tem suas características e, durante a convivência, essas diferenças podem tornar-se obstáculos se não houver boa vontade de ambas as partes para ceder e assim preservar uma relação amistosa. Um bom nível de troca existe quando cada um cede um pouco ou num determinado aspecto. Mas quando somente uma das partes tem de ceder, ela estará se anulando.

A omissão tira o “sabor” da convivência e causa prejuizo à felicidade. Afinal, não é possível ser feliz sufocando a expressão; Também não é possível conviver bem com pessoas sistemáticas e inflexíveis. Elas costumam ser exclusivistas e isso sufoca quem está ao lado delas e desgasta o sentimento, prejudicando a relação. Por outro lado, o controle excessivo do comportamento pode mascarar alguns sentimentos, pois quando existe afeto que não pode ser expresso, ele fica reprimido; em se tratando de antipatia, a não aceitação desse sentimento, promove a negação. Esses estados no senso comum são considerados falsidades. Não se pode negar, tampouco mascarar uma condição interna.

Resultado de imagem para imagens sobre cérebroAinda que o propósito seja a conciliação, não se deve recusar a existência de um temperamento, desse modo os esforços para transformá-lo serão em vão. Faz-se necessária a realização de um trabalho interior de aprimoramento das atitudes, isso não pode ser feito com negação, mas sim com empenho em promover condutas diferenciadas, em vez de intensificar os sentimentos ruins. Nem sempre os sentimentos são devidamente trabalhados, existem situações que não são revertidas. Por mais que se dedique a fazer uma reciclagem dos sentimentos, nem sempre isso é possível. Quando um conteúdo afetivo não é transformado e a pessoa insiste em agradar o outro, a convivência torna-se desagradável.

Insistir numa conduta conciliadora intensifica as máscaras e distancia as pessoas das verdades interiores. Há uma tênue linha divisória entre as atitudes conciliadoras e a repressão dos sentimentos. Até certo ponto, a dedicação é saudável para reforçar sentimentos de ternura ou transformar os sentimentos ruins. Existem, porém, os exageros que extrapolam a participação na vida do outro, gerando reações desconfortáveis por parte de quem é ajudado e/ou sentimentos de intolerância de quem ajuda. Como a relação entre o pensamento e o sentimento passa pela esfera do comportamento, torna-se indispensável compreender como ele é constituído.

Visão pessoal…..

O comportamento pela Neurociência pode ser definido como um conjunto de reações de um sistema dinâmico, desenvolvido como um ato de interação com o ambiente exterior. Alguns são aprendidos e outros, gerados pelos próprios sentimentos. As condutas aprendidas são as que atendem as regras da boa convivência com o ambiente. Elas são passadas de um para o outro, algumas vezes de geração a geração, especificando o que deve ser feito ou não, diante das pessoas. A maneira correta de se proceder no grupo. Incluem-se as regras e etiquetas sociais, que visam atender as condutas adequadas de socialização. Esses tipos de comportamentos priorizam as questões externas, desconsiderando as expressões pessoais. Contanto que se comporte bem perante os outros, não importa o que se está sentindo. Contrapondo-se a esse comportamento, existem os que são gerados pelos próprios sentimentos. Eles visam expressar os mais íntimos sentimentos. Quando há amor, a conduta é de aproximação. Já os desafetos promovem distanciamento. Essa é uma sequência natural do ser, em que os sentimentos norteiam os comportamentos. Adotar esse estilo de vida, de forma a agir predominantemente de acordo com o que se sente e não se deixar contaminar tanto com as conveniências exteriores, representa ser verdadeiro para consigo mesmo. Respeitar o que somos e não meramente servir aos interesses dos outros. Desse modo, o sentido da vida é obtido com base nos contéudos internos, e não calcado nos valores externos. Não adianta simplesmente ter uma boa imagem social, se não nos sentimos bem diante dos outros. Mais vale a boa condição interna, do que os comentários favoráveis feitos a nosso respeito. As faculdades intelectuais são imprescindíveis para a elaboração dos pensamentos e a interação com o mundo. A ausência delas prejudica a construção do conhecimento e inviabiliza a manifestação das qualidades inerentes ao ser humano. Metafisicamente, a capacidade intelectual está relacionada com o propósito de interação do indivíduo com o meio em que ele vive, a cumplicidade com os acontecimentos e a determinação em promover mudanças no contexto. A maneira como nos interessamos pelo que se passa ao nosso redor e a disposição em agir colaboram no processamento das informações provenientes do meio em que vivemos. Pode-se dizer que quanto maior a atitude de se inteirar dos acontecimentos, melhor a aptidão para assimilar os fatos. Já, a opção por ficar alheio aos acontecimentos, prejudica a capacidade de aprendizagem. A alienação nada mais é do que a falta de entusiasmo para participar e/ou conduzir as situações existenciais. Outro fator importante para a elaboração do pensamento é a linguagem. Ela é indispensavel para reformular as estratégias mentais, favorecendo a comunicação. Com o surgimento da linguagem, tornou-se possível a comunicação entre as pessoas. Isso possibilitou a propagação das experiências entre elas, favorecendo a vida dos componentes de um grupo. Quando se consegue sintetizar em palavras o que aprendemos com as vivências, é possível transmitirmos os conhecimentos aos outros, minimizando possíveis transtornos ocasionados pelos elementos surpresa ou pela falta de conhecimento. A linguagem está intrinsecamente relacionada à formação de símbolos. Graças à extraordinária capacidade humana de dar significado e de interpretar as experiências sensoriais, é possível tanto a comunicação entre as pessoas, como também a construção interior do conhecimento…. Isso ocorre principalmente por meio da formulação do pensamento….

Inspiração…

Fundamentos de Neurociência e do Comportamento

Mente, Cérebro e Cognição – univas

NEUROCIENCIAS – ICB – UFRJ

Psicoterapia e Neurociências – o que muda no cérebro.pdf – RIHUC

Neurociência: em busca da compreensão do cérebro e … – fflch – USP

21 exercícios de neuróbica que deixam o cérebro afiado – FEIS-Unesp

Monicavox

Recomendo….

Resultado de imagem para imagens de livros sobre neurociencias

Resultado de imagem para imagens de livros sobre neurociencias

Imagem relacionada

Anúncios

Os estrógenos que estamos ingerindo sem saber que podem estar nos matando aos poucos…

Resultado de imagem para imagens sobre xenoestrógenosEnquanto a história dos hormônios vai se complexando, cada vez é mais importante conhecê-la. As últimas décadas tornaram-se tão perigosas para nosso delicado sistema endócrino de tal forma que muitos médicos ainda não conseguem perceber. Novas substâncias químicas que geram disfunções hormonais presentes em nosso alimento, no baú de remédios e ao ambiente representam uma ameaça devastadora tanto para os seres humanos como para a vida selvagem. Barradas pela desinformação, pelas lendas e pela propaganda, não é de se admirar que a maioria de nós estejamos completamente confusos sobre nossa saúde pessoal e de nosso ambiente. No entanto como cidadãos informados, podemos assumir cada vez maiores responsabilidades por nossa saúde e de nossas comunidades.

Milhares de medicamentos e produtos químicos sintéticos, de largo uso, são estrogênicos por natureza ou tem seus efeitos. São disruptores hormonais e podem afetar sériamente nossa saúde e, muito mais, a de nossos descendentes. Estão conectados com os dramáticos crescimentos de efeitos como a infertilidade, das deformações genitais e dos cânceres de origem hormonal como os de mama e de próstata, bem como com a queda do número de espermatozóides, a hiperatividade e outros distúrbios neurológicos. Observou-se que “os produtos sintetizados pelo homem imiscuem-se em toda a sorte de mensagens hormonais” atingindo duramente as glândulas supra-renais e da tiróide, de acordo com Linda Birnbaum do US Environmental Protection Agency/EPA (Agência norte-americana de proteção ambiental). Níveis deprimidos de hormônios da tiróide foram conectados ao câncer de mama tanto como foi o aumento de estrogênio.

A extensa exposição ao estrogênio, no decorrer da vida (especialmente nas formas sintéticas) é o maior fator de risco à saúde. Em alguns casos, existem escolhas mais seguras, efetivas e naturais de se fazer o balanceamento estrogênico no organismo. Químicos disruptores hormonais no ambiente são uma história bem mais complexa. Almeja-se que te tornes mais habilitada e utilizes estas informações para colocares sérios questionamentos àqueles que lidam com a saúde, a indústria e a administração pública para que investiguem métodos alternativos realmente seguros.

Resultado de imagem para imagens sobre xenoestrógenosTIPOS DE ESTROGÊNIOS.

Existem quatro tipos de estrogênios: os que ocorrem naturalmente no organismo; os que são sintetizados para serem ingeridos como medicamento; os “xenoestrogênios” ou externos, gerados pelas modernas indústrias químicas e presentes em produtos de uso doméstico e os fitoestrogênios presentes em plantas alimentícias, muitos dos quais promovem importantes benefícios à saúde.

ESTROGÊNIOS NATURAIS.

Algumas das cinqüenta moléculas hormonais conhecidas carregam instruções de mais do que uma dúzia de tecidos e glândulas endócrinas para células distribuídas em todo o corpo para controlarem muitas funções orgânicas, incluindo a reprodução, o desenvolvimento sexual, o crescimento, a manutenção do metabolismo e respostas aos estímulos externos.

Os estrogênios naturais fazem parte de um grupo de vários hormônios esteróides lipossolúveis produzidos, primariamente nos ovários femininos e nos testículos masculinos (mas também em outros centros do organismo) em humanos e outros vertebrados, originários do colesterol ou acetil coenzima-A. Conhecidos como hormônios femininos (presentes mais plenamente nas mulheres), eles não só externalizam as características femininas e controlam os ciclos reprodutivos como geralmente também exercem influência sobre o crescimento, o desenvolvimento e o comportamento.

Atuam também nos sistemas imunológico e cardiovascular além de influir na pele, nos ossos, no fígado e mesmo no cérebro, assegurando a normalidade nos sistemas orgânicos. Os estrogênios estimulam o crescimento dos tecidos ao promover a proliferação celular nos órgãos sexuais femininos (seios e útero), aumentando o tamanho das células (como durante a puberdade com o seio feminino e os músculos masculinos), e pela elaboração de proteínas específicas.

Nos machos, desempenha um papel secundário em relação aos androgênios, destacadamente o hormônio testosterona que define as características masculinas (muito estrogênio pode feminilizar os machos). O tempo de exposição, no ciclo da vida, aos estrogênios naturais também varia de acordo com a dieta e os exercícios. A partir do estoque de estrogênios na gordura (especialmente abdominal), aumenta a exposição pela obesidade.

A FORÇA ESTRÓGENA

Sómente três estrogênios estão naturalmente presentes em quantidades significativas: estradiol, estrona e estriol. O estradiol é o hormônio estrogênico mais abundante e potente. É doze vezes mais forte que o estrona e oitenta do que o estriol, um derivativo do estrona. Existem as “boas” e as “más” formas de estrogênios (as “más” podem desencadear o câncer).  O organismo busca manter ótimos níveis no sangue através das respostas das glândulas hipotálamo e pituitária aos níveis baixos, estimulando tanto os ovários femininos para secretarem estradiol e progesterona como os testículos masculinos a secretarem testosterona (em excesso transforma-se em estrogênios) até que um certo nível sangüíneo seja alcançado. Este elo de auto-alimentação é influenciado pelo fígado quando metaboliza do sistema, em algum tempo, alguns hormônios naturais desnecessários.

Antes do nascimento, ambos os hormônios, placental e fetal, atuam sobre o desenvolvimento do bebê. Para os machos, após a determinação cromossômica sexual lá pela sétima semana, a masculinização depende do correto suprimento de estímulos hormonais originários dos testículos. Nas fêmeas, os ovários desenvolvem-se do terceiro para o quarto mês quando sintetizarão estrogênios. No entanto quantidades mínimas de substâncias estrogênicas estranhas, em estágios críticos pré-natais, podem interferir nos desenvolvimentos sexual, reprodutivo, comportamental e neurológico.

O livro “Our Stolen Future” de Theo Colborn e outros (publicado no Brasil pela L&PM Editores com o título “O Futuro Roubado”, em 1997), destaca: “ao mesmo tempo em que os hormônios estão conduzindo, pelo menos, alguns aspectos do desenvolvimento sexual, também orquestram o crescimento dos sistemas nervoso e imunológico dos nenês , programando órgãos e tecidos tais como fígado, sangue, rins e músculos com funções diferentes em homens e mulheres ….. Para todos estes sistemas, o desenvolvimento normal depende de haver a correta mensagem hormonal, na quantidade exata, no local adequado e no tempo certo …. Se alguma coisa gera disfunções neste fornecimento durante um período crítico do desenvolvimento, podem ocorrer conseqüências muito sérias para a prole.”

Estrogênios e compostos que enganem os receptores estrogênicos são elementos chave em certos estágios, como nos primeiros anos de vida e novamente na puberdade quando uma crítica divisão celular ocorre.

Imagem relacionadaESTROGÊNIOS SINTÉTICOS.

Os estrogênios sintéticos, encontrados em produtos farmacêuticos, “tiveram suas estruturas moleculares alteradas somente para poderem ser patenteados. Eles têm a tendência de ser mais potentes do que os estrogênios do próprio corpo e mais tóxicos”.

A PÍLULA.

Hoje, são milhões de mulheres que tomam anticoncepcionais hormonais (de forma oral, implantada ou injetada). São produzidos com diferentes quantidades e potências de estrogênios sintéticos, progestinas ou ambos, os quais o organismo não metaboliza com facilidade. Trabalham primeiramente mantendo altos níveis de estrogênios no organismo para prevenir a ovulação. Suprimindo com estes sintéticos a presença de hormônios naturais, literalmente estanca a menstruação. O sangramento ocorre, a cada mês, só porque os hormônios sintéticos não são ingeridos por sete dias do ciclo, podendo ser melhor denominado de um “sangramento fugidio”, não menstruação. Não há provas científicas assegurando de que a pílula é segura. De acordo com Nancy Beckham em seu trabalho Menopausa – uma passagem positiva utilizando terapias naturais: “As mulheres que ingerem a pílula têm uma grande tendência a disfunções no fígado e mais alergias. Os níveis de vitamina A podem crescer no sangue, e as vitaminas B12 e C ….. caírem.”

Embora os ensaios iniciais fossem imperfeitos, a primeira geração das pílulas foi amplamente comercializada como um método efetivo, seguro e conveniente de controle da natalidade. Um impacto ao qual, já nos primórdios, pesquisadores como a Dra. Ellen Grant, autora do livro A pílula amarga e a química sexual, avaliou de que os hormônios sintéticos deveriam ter sido retirados do mercado em razão de seus conhecidos efeitos colaterais. De acordo com o Dr. Samuel Epstein do Programa de Prevenção ao Câncer de Mama, dezenas de estudos confirmam efeitos colaterais como o risco de ataques cardíacos, derrames cerebrais, diabetes, doenças da vesícula biliar, câncer de fígado e expondo os tecidos mamários a excessos de estrogênios, eleva dez vezes o risco de câncer de mama, especialmente pelo uso precoce ou prolongado. 

Foram propostas alterações, desde o início dos anos sessenta, para se fazer uma segunda geração de pílulas – etinil estradiol – mais segura. Mas, na verdade conecta-se aos receptores estrogênicos naturais na mama, sendo quarenta vezes mais potente do que o estradiol. A pílula combinada também aumenta o risco de doenças da artéria coronária, do câncer de mama e pressão alta. Os efeitos colaterais incluem náusea, vômito, dores de cabeça, flacidez das mamas, aumento de peso, mudanças na libido, depressão, coagulação sangüínea e o aumento de incidência de vaginites. Também mulheres que apresentam quadros de epilepsia, asma, enxaqueca ou doenças cardíacas podem constatar pioras em seus sintomas. Muitos destes efeitos podem persistir muito tempo mesmo após o uso descontínuo da pílula. Além disso, fumar enquanto toma-se a pílula, acentua estes riscos. A terceira geração, implante de pílulas somente com progestinas, também é problemática. São centenas de processos contra o fabricante Norplant já que várias pesquisas demonstram que o produto injetável Depo-Provera, com progestina, aumenta os riscos de câncer de mama.

Resultado de imagem para imagens sobre xenoestrógenosXENOESTROGÊNIOS (Pseudoestrogênios).

A expressão “xenoestrogênios” é aplicada livremente a uma série de substâncias químicas tóxicas produzidas pelo homem que confundem os receptores celulares dos estrogênios no organismo, interferindo nas mensagens bioquímicas naturais. Podem ser compostos tipo estrogênios ou terem a habilidade de mimetizar ou bloquear a atividade dos hormônios naturais. Podem também alterar a forma como os hormônios e seus receptores protéicos são elaborados, metabolizados e em sua atuação. Pesquisas profundas revelam uma situação alarmante gerada pela dispersão planetária destes mimetizadores hormonais.

Em razão de se degradarem tão lentamente, espalharam-se por todo o planeta tanto pelo ar como pelas águas, passando integrar os tecidos vivos. Atualmente contaminam todos os ecossistemas e os organismos vivos. Continuarão assim por décadas e décadas. Dificilmente excretadas, são lipossolúveis, acumulando-se nos tecidos gordurosos, no cérebro, no aparelho reprodutor e outros órgãos. Grandes volumes destas substâncias biomagnificam na cadeia alimentar com as piores concentrações no seu topo, onde estão os seres que se alimentam de animais como os humanos e outros mamíferos, além de pássaros e répteis.

Numa espécie de gaivota da região dos Grandes Lagos, entre EUA e Canadá, por exemplo, a família dos xenoestrogênios PCB’s encontra-se em concentrações, com sérios resultados, vinte cinco milhões de vezes acima daquelas encontradas nos sedimentos. 

Alterando as funções principais dos estrogênios e androgênios, podem desencadear uma torrente de excepcionalidades na saúde da reprodução e do desenvolvimento, evidenciadas por pesquisas feitas com cobaias de laboratório, em culturas de células, na vida selvagem e com os humanos. Theo Colborn e os outros autores do livro O Futuro Roubado, identificaram 51 famílias de produtos sintéticos que geram distúrbios no sistema endócrino, ou hormonal, incluindo 209 PCB’s, 75 dioxinas e 135 furanos.

Resultado de imagem para imagens sobre xenoestrógenosEstão conectados não só com a descoberta da queda de 50% no número de espermatozóides humanos, globalmente, entre os anos de 1938 e 1990, mas também às alterações no comportamento sexual, à depressão imunológica, a deformidades genitais, a canceres de mama, ovários, útero, de próstata e testicular além de desordens neurológicas. A doença fibrocística da mama, a síndrome policística ovariana,  endometriose, fibróides uterinos e doenças inflamatórias pélvicas também estão sob suspeita. Estes problemas podem ser influenciados pelas exposições, crônicas ou de desenvolvimento, através do ciclo da vida.

As conseqüências potenciais desta superexposição pipocarão especialmente sobre as futuras gerações. Os embriões e os fetos cujos crescimento e desenvolvimento são altamente controlados pelo sistema endócrino, recebem os contaminantes na fase pré-natal ainda no ovo (anfíbios, répteis e pássaros) ou no útero (mamíferos). Mesmo que adultos expostos não apresentem nenhum efeito deletério, seus descendentes poderão apresentar, em toda sua vida, anormalidades reprodutivas ou em sua saúde.

Além do que foi citado acima, efeitos incluem masculinização das fêmeas e feminização dos machos (redução no tamanho do pênis e dos testículos) além da retenção dos testículos e da alteração na densidade e na estrutura dos ossos. A exposição de recém nascidos, como os nenês lactentes, concentra-se além dos limites do corpo.

Os xenoestrogênios são na maioria das vezes gerados pela indústria petroquímica e, desafortunadamente para nossa saúde, os produtos petroquímicos estão, hoje em dia, por todos os lugares deste planeta. Máquinas, carros e mesmo algumas usinas termoeléctricas, movem-se com petroquímicos como a gasolina, o diesel, o gás natural e similares. Muitos dos mimetizadores hormonais são organoclorados produzidos pela reação do gás cloro com hidrocarbonetos do petróleo. São utilizados em plásticos, agrotóxicos, solventes, agentes de branqueamento (para roupas e outras), refrigeração e em outros produtos químicos. Milhares são subprodutos do tratamento de água, do branqueamento do papel e da incineração de produtos clorados.

Milhões de produtos, incluindo vários plásticos (polivinil cloreto/PVC e policarbonatos/PC, ambos encontrados em mamadeiras para nenês, brinquedos infantis, filmes transparentes para embalar alimentos e garrafas de água mineral), PCB’s ( policloretos bifenilos ou “ascarel”), medicamentos, roupas, alimentos, alvejantes domésticos, desodorizantes de ar, produtos de higiene pessoal (cosméticos, perfumes, antiperspirantes, sabonetes, pastas dentifrícias e higienizadores bucais), agrotóxicos e herbicidas (como DDT, dieldrin, aldrin, hepacloro, etc.) também contém ou são feitos dos petroquímicos. Muitos de nós trabalhamos ou vivemos em áreas altamente contaminadas onde os efeitos sinérgicos podem apresentar doses “seguras” (aceitáveis) de diferentes substâncias químicas, medicamentos, radiações, freqüências eletromagnéticas e outras, e que são milhares de vezes mais tóxicas quando estão juntas.

Dezesseis substâncias sintéticas persistentes (conhecidas de “POP’s”- poluentes orgânicos persistentes) foram identificadas para ação prioritária da ONU. Embora o Canadá tenha banido muitos deles décadas atrás (DDT, PCB’s e outros conhecidos por causarem teratogênese – lesões em fetos -, colapso na reprodução e a quase extinção de ampla variedade de espécies), continuam a ser manufaturados e empregados em todo o planeta. Pelo menos seis – PCB’s, dioxinas, furanos, hexaclorobenzeno (HCB), lindano e cadeias curtas de parafinas cloradas – são ainda geradas, produzidas e utilizadas no Canadá. A água potável pode estar contaminada por outro composto comprovadamente estrogênicos o nonilfenol ( em inglês: nonylphenol, sigla: NP) e o endosulfan que continuam sendo utilizados em plásticos e agrotóxicos, além de estarem presentes na composição também de detergentes líquidos domésticos e de lavanderias, alvejantes multi-uso, sabonetes e shampoos. Compostos mimetizadores de hormônios como os ftalatos são utilizados como plastificantes no PVC, em tinta para escrever/imprimir, para pintar e em colas. O lixo plástico pode ser a fonte mais importante da presença do bisfenol-A – estabilizante tóxico empregado no PVC – nos efluentes líquidos lixiviados pelos aterros de lixo. E será mais terrível ainda se este lixo for incinerado.

As cinzas voláteis originárias das indústrias, dos incineradores de lixos domésticos ou resíduos perigosos, têm altas quantidades de mimetizadores hormonais e cancerígenos como a dioxina (uma das mais violentas) além de chumbo, mercúrio e cádmio, estes também mimetizadores estrogênicos. Estas cinzas depositam-se sobre as plantas que comemos além de contaminar os animais domésticos e os peixes, concentrando substâncias tóxicas no ser humano. A poeira doméstica, velhas tintas e a água parada em tonéis são outras fontes comuns de chumbo. Tal qual como com os petroquímicos, a queima de combustíveis fósseis libera mercúrio e cádmio. Mercúrio pode também ser um sério perigo em obturações de dentes. Dois por cento da população de cidades, acima de um milhão de habitantes, têm níveis dez vezes maiores de mercúrio no sangue, no limiar de gerarem efeitos neurológicos.

Resultado de imagem para imagens sobre o perigo dos produtos de limpeza estrógenosO PERIGO ALIMENTAR

Nossa alimentação é um dos caminhos mais inconscientes quanto à contaminação por mimetizadores hormonais. O alimento processado, na maioria das vezes com excesso de açucares e gorduras hidrogenadas, enfraquece o sistema imunológico e atinge, hoje, 80% de nosso suprimento alimentar. Embalagens, conservantes, corantes e flavorizantes artificiais, podem ser todos perigosos. Por exemplo, “Red Dye” nº. 3, um poderoso cancerígeno, é amplamente empregado em todo o mundo. Envases plásticos, copos de poliestireno (PS), filmes para embalar alimentos ou revestimento plástico interno de latas, podem conter PVC’s, alquifenóis, nonilfenóis, bisfenol-A e ftalatos. Todos são conhecidos estrogênios sintéticos (xenoestrogênios) que migram para o alimento quando aquecido ou guardado por longos períodos. Um destes ftalatos, sigla DEHP ou DOP, é encontrado em alguns filmes transparentes para embalar alimentos.

Estudos feitos pela indústria e pelo governo dos EUA conectaram o DEHP e efeitos sobre o desenvolvimento em animais. Em alguns filmes plásticos que embalam queijos nos EUA foram encontrados níveis que excedem o limite governamental num fator de 300.000 vezes. O DEHP pode também estar contaminando outros alimentos embalados com filmes transparentes, especialmente aqueles com altos teores de gordura como carnes. O plastificante, enrijecedor plástico, bisfenol-A, encontrado no policarbonato de mamadeiras infantis, foi identificado em um relatório do governo dos EUA de 1997, como um disruptor endócrino químico que se libera, incontestávelmente, da resina policarbonato para o líquido quando aquecido (pesquisas minuciosas e replicadas encontraram efeitos biológicos mesmo em níveis extremamente baixos).

Um trabalho feito em 1999 pela Consumer’s Union/União dos Consumidores difundiu esta descoberta da FDA/Food and Drugs Administration–Administração de Fármacos e Alimentos dos EUA, conclamando de que os pais deveriam procurar mamadeiras feitas com quaisquer outros materiais que não a resina de policarbonato. Ao mesmo tempo, doze grupos peticionaram para que a FDA e as indústrias de plástico eliminassem ou reduzissem drasticamente a exposição de crianças a esta resina.

E NA AGRICULTURA…

Também a produção agrícola apresenta riscos. Numa média de 25% (talvez mais) de toda a produção regular, no Canadá, plantada e importada, constata-se resíduos de agrotóxicos, declara o relatório de 2016 do novo Comissário Canadense do Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável. Muitos são ou contém mimetizadores hormonais. O World Wildlife Fund Canada (WWFC) questionou o Ministro da Saúde canadense, para agir em relação aos doze agrotóxicos considerados mimetizadores hormonais. A maioria está registrada para culturas alimentícias e alguns para uso interno em residências, escolas e creches. Numerosas áreas, no Canadá, estão severamente contaminadas pelos produtos agrícolas, pelos empregados em campos de golfe e pelos de uso corrente em cosméticos.

OS HORMÔNIOS NA AGROPECUÁRIA

Alimentos de origem animal são a maior fonte de substâncias hormonalmente ativas em nossos alimentos e nos lençóis freáticos. A gordura animal e de laticínios tem alta concentração – carne bovina e produtos lácteos são os piores com altos resíduos de DDT e de outros agrotóxicos organoclorados além de antibióticos, drogas veterinárias e hormônios sexuais de estímulo de crescimento. Hormônios implantados na orelha de praticamente todos os animais de corte são totalmente sem regulamentação. Resíduos 300 vezes acima dos limites legais, comumente encontrados em carne, vem via de regra destes implantes, aplicados ilegalmente no músculo do animal para resultados mais rápidos.

O hormônio de crescimento “rBGH” em gado leiteiro produz altas quantidades do “fator de crescimento tipo insulina” que encoraja a divisão celular e a virulência do câncer de mama. No entanto não consta nos rótulos dos produtos dos EUA contaminados com este hormônio. [8] (Rotular está fora da regulamentação por um acordo com a Monsanto, produtora do “rBGH”. Por ação de cidadãos, este produto foi, temporariamente, banido no Canadá). Os agrotóxicos acumulam-se na gordura animal. Por exemplo: cada quinze libras (cada libra representa 453,9 g.) de grãos produz uma libra de carne, concentrando assim a contaminação por agrotóxicos. Nitratos presentes em presunto e bacon transformam-se em potentes cancerígenos pela formação de nitrosaminas no corpo. Peixes originários da pesca industrial estão contaminados com uma vasta gama de pseudo-estrogênios. Por exemplo, todos os salmões dos Grandes Lagos, entre Canadá e EUA, apresentam, nos últimos anos, dilatações em suas glândulas tiróides.

Tomando isto como um degrau à frente, os hormônios sintéticos também entram nos lençóis hídricos através da urina das mulheres e daí na cadeia alimentar. Isto também elevou nossos níveis de exposição aos estrogênios ambientais.

REVERTENDO A DOMINAÇÃO ESTROGÊNICA-

 

  • Tomar decisões com conhecimento sobre o uso de medicamentos, especialmente estrogênios sintéticos em pílulas para o controle da natalidade e em terapia de reposição hormonal. Alternativas à TRH encontram-se no livro Menopause and Homeopathy (Menopausa e homeopatia) de Ifeoma Ikenze, MD, como também nos livros como Susun Weed. [20] Consultar a Physician’s Desk Reference (Secretaria de consulta médica) ou conferir o Breast Cancer Prevention Program  (Programa de prevenção ao câncer de mama) para conhecer ou descobrir os perigos destas drogas;
  • Questionar políticos e industriais para que tomem decisões que reduzam em nosso ambiente a presença de substâncias que geram disfunções hormonais além de realizarem análises prévias de substâncias e drogas quanto aos seus efeitos sinérgicos antes de sua aprovação. Apoiar campanhas que empurrem o governo canadense em Ottawa na negociação e aprovação de um tratado com caráter legal e obrigatório para exclusão total das substâncias tóxicas persistentes em todo o planeta além de reforçar as leis canadenses de proteção ambiental e de controle de agrotóxicos ( Canadian Environmental Protection Act – Lei canadense de proteção ambiental – e Pest Control Produts Act – Lei dos agrotóxicos –). (O aprimoramento da nova lei canadense de proteção ambiental inclui, pela primeira vez no mundo, uma definição de precaução aos “disruptores endócrinos”, mas não como uma ação ministerial). O Canadá pode banir a importação de produtos que contenham ou que foram industrializados com estas substâncias, retirando subsídios das atividades que os geram, relatando anualmente sobre todos seus usos, suas fontes e seu armazenamento. Precisamos destruir, com cuidado, todos os PCB’s e excluir atividades que gerem dioxinas e furanos – suas fontes máximas são: incineração de lodo de esgoto e de lixo urbano; o branqueamento de celulose/papel com cloro e a incineração imprópria de resíduos tóxicos;Não fumar ou permanecer em locais de fumantes – a fumaça do cigarro contém miríades de carcinogênicos;

 

  • Acessar com cuidado aos riscos e benefícios do álcool.  Mas efeitos negativos incluem desequilíbrio na secreção de melatonina (supressor do câncer) e a promoção de enzimas do fígado que aumentam os níveis do “mau” estrogênio. Uma pesquisa da Nurse’s Health, de 1995, demonstrou que três doses de bebida alcóolica aumentam os riscos de câncer de mama em todas as mulheres em mais de 200%. Também imobiliza células imunológicas. Isto pode explicar porque mulheres que bebem pesadamente têm o dobro ou mais nos índices de câncer de mama, fígado e do sistema digestivo. Bebedeiras podem disparar a dispersão de células de tumor pela supressão das células do organismo que eliminam as cancerígenas;

 

  • Busque beber somente água filtrada – o filtro de osmose reversa em seu sistema de água é o ideal, o filtro de carvão ativado remove o chumbo;

Resultado de imagem para imagens sobre xenoestrógenosEscolha sua alimentação, inteligentemente:

    1. evite alimentos processados e leia os rótulos dos produtos. Frutas, verduras e grãos integrais, nozes, sementes e leguminosas oferecem muitos benefícios de proteção;
    2. compre ou plante frutas e verduras orgânicas tanto quanto possível: acautele-se com produtos muito perfeitos (envenenados!!);
    3. sempre lave bem frutas e verduras com produtos não tóxicos além de remover as folhas externas das plantas folhosas;
    4. evite gordura animal ou láctea tanto quanto possível para reduzir a permanência da contaminação dos POP’s (produtos organoclorados persistentes).
    5. atente com cuidado para o pescado originário de pesca industrial; Peixe de mar é mais seguro;
    6. faça dieta rica em produtos de soja fermentada, brócoli, couve, repolho, couve de Bruxelas e couve-flor;
    7. evite óleos prensados a quente, margarinas e produtos fritos, opte por azeite de oliva e óleo de côco
    8. adote suplementações vitamínicas, mineral e de amino-ácidos como os probióticos (bactéria digestiva);
    9. desintoxique seu fígado pelo consumo regular de substâncias originárias de plantas. Leia livros como A Limpeza do Fígado e da Vesícula, de Andreas Moritz para salvaguardar a remoção pelo fígado dos estrogênios do sangue.

Resultado de imagem para imagens sobre o perigo dos produtos de limpeza estrógenos

  • Como “simplesmente se ignora em quais plásticos os disruptores endócrinos estão presentes bem como qual produção e destino final de alguns deles possam liberar estes poluentes, por precaução, todos os plásticos deverão ser incluídos”, adverte o WWFC. Fazer-se pressão por produtos seguros como a retirada de plastificantes tanto das embalagens como dos filmes transparentes, para que se reduza drasticamente a migração destas substâncias para os alimentos embalados. Mamadeiras de nenês podem ser feitas com plásticos livres de bisfenol-A !;
  • Evite recipientes plásticos, copos de poliestireno, alimento embalado ou enlatado em envases com revestimento interno que podem conter pseudoestrogênios que migram para o alimento quando aquecidos ou ao ser estocado por longo tempo. Armazene ou coloque no microondas, os alimentos em embalagens de vidro. Exija mamadeiras de vidro e congele alimentos em embalagens de vidro abertas (deixar dois dedos de espaço para o alimento expandir-se e após vedar). Evite filmes transparentes de plástico (minimizando contato com o alimento) e alimentos gordurosos em plásticos selados a quente (embalagens para congelamento são melhores);
  • Evite plásticos feitos com PVC, identificado com o nº 3, em produtos finais como: embalagens para cuidados pessoais e produtos de limpeza domésticos; persianas ou venezianas plásticas; cortina para chuveiros; suprimentos de escritório, automóveis e construções. Uma preocupação particular está nos itens aos quais as crianças fazem contato como brinquedos, mordedores, assoalhos e mobílias de vinil. Apegue-se à madeira ou às fibras naturais. Produtos hospitalares e de enfermagem são fontes primárias tanto para os pacientes internados como para a comunidade: quando incinerados os plásticos feitos com PVC podem gerar dioxinas e furanos. Contate com grupos de ativistas da ONG e o site da Health Care Without Harm (Cuidados com a saúde sem danos) para pressionar os hospitais a trocarem as bolsas de sangue e de soro além dos catéteres e tubos, por aqueles não contaminados com PVC’s bem como pararem com a incineração de lixos hospitalares. [22]

Resultado de imagem para imagens sobre o perigo do estrogênio

  • Faça exercícios moderados como parte efetiva de sua vida. Exercícios resultam em menores exposições aos estrogênios naturais, protela a menarca, menos menstruações e menopausa precoce, aumentando o “bom” estrogênio e as proteínas conectadas a ele, reduzindo o risco de câncer de mama pelo desvio do estrogênio para longe das células sensíveis da mama. Procure desanuviar sua vida e durma o suficiente além da prática da meditação. Isto também ajuda suas glândulas supra-renais.

Imagem relacionada

  • Os produtos de cuidado pessoal estão minados de riscos. Alvejantes alcalinos (maioria dos sabonetes de supermercados) destroem o “manto ácido” da pele, o primeiro escudo de defesa contra os químicos. Evite tais produtos que contenham petroquímicos (incluindo cosméticos, protetores solar e repelentes de mosquitos). Troque a tintura permanente ou semipermanente de cabelo para produtos seguros com hena, de ervas ou produtos seguros. As tinturas convencionais (principalmente a negra) contêm uma vasta gama de ingredientes carcinogênicos e contaminantes tóxicos que rapidamente são absorvidos pelo couro cabeludo. Pesquisas conectaram alguns deles o câncer de mama, linfoma non-Hodgkin’s e múltiplos mielomas.

Resultado de imagem para imagens sobre o perigo dos produtos de limpeza estrógenos

  • Nonilfenóis etoxilatos metabolizam-se como o mimetizador hormonal nonilfenol no esgoto e nos mananciais hídricos. São utilizados em detergentes líquidos, produtos multi-usos, sabonetes e shampoos tanto quanto em agrotóxicos, na extração do petróleo e gases naturais, em fábricas de celulose e papel além de têxteis. Evite alvejantes “super-poderosos” – provavelmente os nonilfenóis foram utilizados. Escolha sabões e detergentes, especialmente líquidos, que o fabricante lhe assegure que não contém nonilfenóis. Utilize produtos alvejantes não-tóxicos como soda cozida, bórax e vinagre ou produtos “verdes”, abolindo produtos com cloro e fosfatados. Minimize a utilização do carro e de energia. Nonilfenóis são utilizados na perfuração, na extração e na produção do petróleo e do gás natural. Encoraje a elaboração de uma lista planetária de produtos, disponíveis para o consumidor, que contenham nonilfenóis além do nome de seus fabricantes;

 

  • Campos eletromagnéticos podem causar disfunções tanto nos sistemas elétricos normais do organismo como no sistema imunológico. Escolha utensílios com baixos campos eletromagnéticos e utilize-os a uma distância segura – pelo menos setenta centímetros para pequenas unidades e mais para microondas. Telefones celulares e torres de transmissão podem emitir níveis perigosos de microondas. Campos eletromagnéticos assim como a luz à noite, inibem a melatonina.

 

  • Consulte os websites e as publicações do World Wildlife Fund (www.wwfcananda.org) e o Center for Bioenvironmental Research at Tulane and Xavier Universities (http://e.hormone.tulane.edu/), que também localiza informações e pesquisas internacionais.

Resultado de imagem para imagens sobre xenoestrógenosVisão pessoal…

Nunca antes, nossa civilização foi tão exposta ao excesso de estrógenos como atualmente. A maior parte da nossa alimentação convencional é estrogênica. Nossas carnes e laticínios estão cheios de hormônios (no caso dos animais confinados) e nossos vegetais e frutas são tratados com pesticidas, tudo o que virtualmente mimetiza a atividade estrogênica no nosso corpo.Nós nunca fomos adaptados a tal excesso de estrógeno na nossa alimentação e ambiente, e nem temos os nossos genes programados para essa dominância estrogênica;Como consequência desse desequilíbrio, há um processo de hiper feminilização que tem sido notado em todo o planeta. Certas espécies da vida marinha estão se tornando estéreis e praticamente em extinção pela contaminação do petróleo e dos derivados plásticos, além de outros químicos estrogênicos nos oceanos, rios e lagos.As taxas de doenças relacionadas com o estrógeno em ambos os sexos têm chegado a proporções epidêmicas. Químicos estrogênicos produzidos industrialmente, também conhecidos como xenoestrógenos, são um enorme grupo de compostos químicos que podem mimetizar estrógeno e interfere com a atividade hormonal corpórea.Acumulam-se evidências científicas de que os xenoestrógenos podem alterar o desenvolvimento sexual e função reprodutiva de várias espécies vivas. Quando esses químicos, como plastificantes e derivados do petróleo, penetraram nos rios e lagos, causam dano severo às espécies marinhas. Tem havido declínio da quantidade de espermatozóides dos peixes, alteração do desenvolvimento sexual dos jacarés e tartarugas e feminilização dos sapos machos.Na espécie humana, esses xenoestrógenos também estão inibindo a produção de espermatozoides e suspeita-se que possam causar câncer de mama. No caso dos homens, pode ocorrer redução de testosterona, degeneração testicular, possível aparecimento de tumor e má formação de genitais.A biossíntese do estrógeno nos humanos ocorre principalmente no tecido adiposo, aonde a gordura é depositada. O tecido adiposo produz a enzima aromatase, que sintetiza o estrógeno a partir do hormônio masculino.Esses químicos estrogênicos têm a habilidade de se ligar a receptores estrogênicos e induzir a atividade da aromatose no tecido gorduroso, o que aumenta a atividade e o nível de estrógeno.O estrógeno extra pode aumentar o tamanho do tecido gorduroso sensível ao estrógeno (como a gordura abdominal)… e com esse aumento do tecido gorduroso, haverá maior produção de estrógeno, que induz mais ganho de gordura, e assim por diante… Quanto mais estrógeno, mais gordura, e vice-versa;Para se proteger contra essas substâncias estrogênicas, tão presentes no ambiente, nos produtos, nos alimentos e água que consumimos, devemos fazer uso de alimentos, temperos e fitoterápicos que apresentam um efeito antiestrogênico. Essa utilização pode ser tanto preventiva quanto terapêutica.Incorporando isso no seu dia a dia, você agrega uma solução prática para não ganhar gordura, se protege contra doenças relacionadas ao estrógeno (endometriose, Síndrome pré menstrual) e aumenta sua defesa contra cânceres comuns nos homens e mulheres (mama, ovário, cervical e próstata)….vamos acordar….

EXCELENTE DOCUMENTÁRIO-VALE Á PENA ASSISTIR….

Inspiração…

Ahlgrimm, Maria and Kells, John. The Hormonal Replacement Therapy (HRT) Solution, Optimizing Your Hormone Potential. N.Y. Avery Publishing Group. 1999.

Austin, Steve and Hitchcock, Cathy. Breast Cancer, What yuo should know (but may not be told) abaout Prevention, Diagnosis and Treatment. Rocklin, CA; Prima Publishing, 1994.

Colborn, Theo, Dianne Dumanoski and John Pete Meyers. Our Stolen Future: Are We Threatering Our Fertility, Intelligence and Survival ? N.Y. Penguin Books, 1997. (em português temos editado pela L&PM Editores, “O Futuro Roubado”, 1997).Coney, Sandra.

The Menopause Industry, How the medical establishmente exploits women. Alameda, CA; Hunter House Publishing, 1994.Davis, Devra Lee, and Bradlow, H. Leon.

Can Environmental Estrogens Cause Breast Cancer ? Scientific American. October 1995, p.166.DeRosa, Christopher, e al.

Environmental Exposures that Affect the Endrocrine System: Public Health Implications. Journal of Toxicology and Environmetal Health, Part B, 1:3-26, 1998.

Efeitos do estrógeno no sistema cardiovascular – Sociedade Brasileira …

Hormônios Femininos : Estrógenos e Progesterona

Como os Hormônios Afetam o Câncer de Mama – Susan G. Komen

anticoncepcionais – gpquae – Unicamp

Reposição Hormonal: vantagens e desvantagens

Contaminantes ambientais e os interferentes endócrinos

Xenoestrogênios em Alimentos | Blog Food Safety Brazil

Xenoestrogênios: o exemplo do bisfenol-A

Excesso De Estrogénio No Ser Humano: Causas, Efeitos

Heresia Hormonal – A Verdade Mortal Sobre o Estrogênio

Monicavox

 

Recomendo….

 

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre xenoestrógenos

Resultado de imagem para imagens sobre xenoestrógenos

 

 

 

 

Será essa a primeira evidência de um multiverso?

Durante anos, os cientistas ficaram confusos com uma estranha anomalia no espaço:um misterioso ponto frio com cerca de 1,8 bilhão de anos luz de diâmetro;Esta área é mais fria do que seus arredores em torno de 0.00015 graus Celsius, um fato que os astrônomos descobriram medindo a radiação de fundo em todo o universo.Anteriormente, os astrônomos acreditavam que este espaço poderia ser mais frio simplesmente porque tinha menos matéria do que a maioria das seções do espaço. Eles chamam de enorme supervazio, e estimam que tenha 10.000 galáxias a menos do que outras seções comparáveis ​​do espaço.

Mas agora, em um estudo recentemente publicado, os astrônomos da Royal Astronomical Society (RAS) dizem ter descoberto que este supervazio não poderia existir. Eles agora acreditam que as galáxias no ponto frio estão agrupadas em torno de pequenos vazios que povoam o ponto frio como bolhas. Estes pequenos vazios, no entanto, não podem explicar a diferença de temperatura observada.

Multiverso?

Para ligar as diferenças de temperatura aos vazios menores, os pesquisadores dizem que um modelo cosmológico não-padrão seria necessário. “Mas nossos dados colocam fortes restrições em qualquer tentativa de fazer isso”, explica o pesquisador Ruari Mackenzie. Embora o estudo tenha uma grande margem de erro, as simulações sugerem que há apenas uma probabilidade de dois% do Ponto Frio ter se formado aleatoriamente.

“Isso significa que não podemos excluir completamente que ele é causado por uma flutuação improvável explicada pelo modelo padrão. Mas se essa não é a resposta, então há mais explicações exóticas “, diz o pesquisador Tom Shanks. “Talvez o mais emocionante destes é que o ponto frio foi causado por uma colisão entre nosso universo e um outro universo”.

Se estudos mais detalhados apoiarem os achados desta pesquisa, o Ponto Frio pode vir a ser a primeira evidência de um multiverso, embora muito mais evidências seriam necessárias para confirmar que nosso universo é de fato um entre muitos.

A teoria do multiverso prega que o universo em que vivemos não é o único que existe. Na verdade, nosso universo pode ser apenas um entre um número infinito de universos que compõem um “multiverso”.

Sei o que você está pensando: “aham, claro”. Embora a ideia realmente soe como algo saído da mais barata ficção científica, há uma física bastante razoável por trás dela.

Mais: não há apenas uma teoria que chega a um multiverso: diversas teses físicas independentes apontam para tal conclusão. Na verdade, alguns especialistas acreditam que é mais provável que existam universos ocultos, do que o contrário.

Imagem relacionadaConfira as cinco teorias científicas mais plausíveis que sugerem que vivemos em um multiverso:

1 – Universos infinitos

Os cientistas não podem ter certeza sobre a forma do espaço-tempo, mas mais provavelmente, ela é plana (em oposição à esférica) e estende-se infinitamente. Se o espaço-tempo dura para sempre, então deve começar a se repetir em algum ponto, porque há um número finito de formas com as quais as partículas podem ser organizadas no espaço e no tempo.
Então, se você olhar longe o suficiente, encontrará uma outra versão de você – na verdade, versões infinitas de você. Alguns desses “gêmeos” estarão fazendo exatamente o que você está fazendo agora, enquanto outros estarão com uma roupa diferente esta manhã, e outros ainda terão carreiras e escolhas de vida totalmente diferentes.

Como o universo observável se estende apenas até onde a luz teve a chance de chegar nos 13,7 bilhões de anos desde o Big Bang (que seria 13,7 bilhões de anos-luz), o espaço-tempo além dessa distância pode ser considerado o seu próprio universo, separado do nosso. Deste modo, uma multiplicidade de universos deve existir, uns ao lado dos outros, em uma manta de retalhos gigante de universos.

 2 – Inflação eterna

Além dos múltiplos universos criados por estender infinitamente o espaço-tempo, outros universos podem surgir a partir de uma teoria chamada “inflação eterna”. A inflação é a noção de que o universo se expandiu rapidamente após o Big Bang, inflando como um balão. Inflação eterna, proposta pela primeira vez pelo cosmólogo Alexander Vilenkin da Universidade Tufts, sugere que alguns bolsões no espaço pararam de inflar, enquanto outras regiões continuam a inflar, dando assim origem a muitos universos isolados em “bolhas”.

Assim, o nosso próprio universo, onde a inflação já acabou, permitindo que estrelas e galáxias se formassem, é uma pequena bolha em um vasto mar de bolhas no espaço, algumas das quais ainda estão inflando. E em alguns desses universos bolhas, as leis e constantes fundamentais da física podem ser totalmente diferentes do que são no nosso, tornando-os muito estranhos para nós.

Resultado de imagem para imagens sobre universos paralelos3 – Universos paralelos

Outra ideia de multiverso que surge da teoria das cordas é a noção de universos paralelos que pairam fora do alcance do nosso, proposta por Paul Steinhardt da Universidade de Princeton (EUA) e Neil Turok do Instituto de Física Teórica em Ontário, Canadá. Vem da possibilidade de muito mais dimensões existirem em nosso mundo, além das três de espaço e uma de tempo que nós conhecemos. Ou seja, mais do que nosso próprio mundo tridimensional, outros espaços tridimensionais podem flutuar num espaço de dimensão superior.

O físico Brian Greene da Universidade de Columbia (EUA) descreve a ideia como a noção de que “o nosso universo é apenas um dos potencialmente numerosos mundos flutuantes em um espaço de dimensão mais elevada, bem como uma fatia de pão dentro de um grandioso pão cósmico”.

Uma variação desta teoria sugere que esses universos não são sempre paralelos e fora de alcance. Às vezes, eles podem bater um no outro, causando repetidos Big Bangs que redefinem os universos novamente.

Resultado de imagem para imagens sobre universos paralelos4 – Universos filhos

A teoria da mecânica quântica, que reina sobre o pequeno mundo das partículas subatômicas, sugere uma outra maneira na qual múltiplos universos podem surgir. A mecânica quântica descreve o mundo em termos de probabilidades, em vez de resultados definitivos. E a matemática desta teoria sugere que todos os resultados possíveis de uma situação realmente ocorrem – em seus próprios universos separados. Por exemplo, se você chegar a uma encruzilhada onde você pode ir para a direita ou para a esquerda, o universo atual dá origem a dois universos “filhos”: um em que você vai para a direita, e outro no qual você vai para a esquerda. “E, em cada universo, há uma cópia sua assistindo um ou outro resultado, pensando – incorretamente – que a sua realidade é a única realidade”, diz Greene.

Resultado de imagem para imagens sobre universos paralelos5 – Universos matemáticos

Os cientistas têm debatido se a matemática é simplesmente uma ferramenta útil para descrever o universo, ou se a matemática em si é a realidade fundamental– nesse caso, nossas observações do universo são apenas percepções imperfeitas de sua verdadeira natureza matemática.Se este for realmente o caso, então talvez a estrutura matemática específica que compõe o nosso universo não é sua única opção. De fato, todas as possíveis estruturas matemáticas existem como seus próprios universos separados.

“A estrutura matemática é algo que você pode descrever de uma maneira que é completamente independente da bagagem humana”, disse Max Tegmark, do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (EUA), que propôs esta ideia. “Eu realmente acredito que existe um universo lá fora que pode existir independentemente de mim, e que iria continuar a existir mesmo se não houvesse seres humanos”.

Resultado de imagem para imagens sobre universos paralelos

Visão pessoal…

Ouve-se falar aqui e ali, em fóruns de física, sobre teorias de multiversos. Realidades paralelas e outros mundos são um assunto recorrente, principalmente em círculos esotéricos, mas ouvir um físico falar seriamente disto é outra coisa.Por que os físicos acreditam que há a possibilidade de existirem múltiplos universos?Por enquanto, os multiversos dos físicos são hipóteses. Algumas têm forte embasamento matemático, algumas surgiram como implicação de outras teorias científicas, algumas não são tão aceitas.Uma das hipóteses de multiversos surge da mecânica quântica, e é chamada de “Many Worlds”, ou “Muitos Mundos”.A hipótese é de Hugh Everett III. Segundo ele, quando a função de onda parece entrar em “colapso” em um evento quântico em nosso mundo, gerando um determinado resultado, na verdade ela nunca entra em colapso, e sim torna real todas as outras características implícitas em sua função de onda em “outros universos”.Segundo essa teoria, sempre que acontece um evento de muitos eventos possíveis, todos os outros eventos acontecem em outros universos.Outra abordagem para explicar os multiversos vem da teoria das cordas, na qual as equações fazem “sentido” matemático em mais de 4 dimensões, possivelmente 10 ou 11, e ao longo destas dimensões “enroladas”, outros universos florescem.Estas duas hipóteses de multiversos são resultados de cálculos e previsões teóricas, como a previsão da existência do pósitron.Em 1928, Paul Dirac resolveu a equação para o elétron e percebeu que haviam níveis de energia positivos. Em vez de descartar a energia negativa como um resultado matemático sem contraparte no mundo real, ele interpretou a mesma como pertencente a um “anti-elétron”, prevendo a existência de partículas que ninguém imaginara antes.Mas será que todas as soluções matemáticas para as equações da física sempre resultam em descobertas reais?Segundo Brian Greene, um dos teóricos que trabalha com a teoria das cordas, o número de universos é infinito, e a ordem deste infinito é a mesma dos pontos em uma linha de números reais.Os pontos em uma linha reta são infinitamente “densos”, já que entre quaisquer dois pontos da reta, não importa o quão próximos estejam, sempre há outro ponto. Se existe mais de universo e eles estão tão compactados assim, nós devemos estar experimentando algum fenômeno resultante destes infinitos universos.A teoria dos “muitos mundos” também não é melhor. Onde estão os outros universos, resultados das opções em nível quântico que não foram escolhidas no nosso universo, que não se tornaram eventos para nós?Recomendo os livros do Dr Brian Greene e do Dr Michio Kaku ,dos quais sou fã incondicional nestes assuntos….

Inspiração….

Futurism

Brian Greene – A Realidade Oculta Universos Paralelos.pdf – Scribd

Universos paralelos – Michio Kaku.pdf – Libros Maravillosos

Cosmologia – USP

Teoria M: Uma Possibilidade de Unificação das Leis da Física – UCB

Universos Paralelos – Laercio Fonseca

Teoria quântica, múltiplos universos, e o destino da consciência …

Monicavox

 Recomendo….

Resultado de imagem para imagens sobre universos paralelos michio kaku

Resultado de imagem para imagens sobre universos paralelos brian greene

Resultado de imagem para imagens sobre livros de michio kaku

 

Resultado de imagem para imagens sobre universos paralelos

Imagem relacionada

 

Imagem relacionada

Resultado de imagem para imagens sobre universos paralelos

 

 

O TEMPO – O SOFRIMENTO – A MORTE-por Jiddu Krishnamurti

Resultado de imagem para imagens sobre jiddu“Sou tentado a repetir a história de um grande discípulo que foi a Deus pedir que lhe ensinasse a verdade.Disse o “pobre” Deus:

“Meu amigo, hoje está fazendo muito calor; por favor, vai buscar-me um copo d’água”. O discípulo sai e vai bater à porta da primeira casa que encontra e uma linda jovem lhe abre a porta. O discípulo dela se enamora, os dois se casam e têm vários filhos. Então, um dia começa a chover, a chover sem parar. Os rios se engrossam, as ruas se inundam, as casas são arrastadas pelas águas. O discípulo se agarra à mulher, põe sobre os ombros os filhos e. ao sentir-se arrastado pela torrente, brada: “Senhor, imploro-vos que me salveis”. E o Senhor responde: “Que é do copo d’água que te pedi?”

É uma história bastante instrutiva, porquanto, em geral, pensamos em termos de tempo. O homem vive do tempo. A invenção do futuro se tornou seu favorito jogo de fuga.

Pensamos que as mudanças em nós mesmos só podem ser efetuadas no tempo, que a ordem só pode ser estabelecida em nós mesmos pouco a pouco, aumentada dia por dia. Mas, o tempo não traz a ordem nem a paz e, portanto, temos de deixar de pensar em termos de gradualidade. Isso significa que não há um amanhã em que viveremos em paz, Temos de alcançar a ordem imediatamente.

Quando se apresenta um perigo real, o tempo desaparece, não é verdade? A ação é imediata. Mas, nós não percebemos o perigo existente em muitos dos nossos problemas e, por conseguinte, inventamos o tempo como um meio de superá-los. O tempo é um embusteiro, porquanto nada faz para ajudar-nos a promover uma mudança em nós mesmos. O tempo é um movimento que o homem dividiu em passado, presente e futuro. E, enquanto fizer essa divisão, o homem viverá sempre em conflito.

O aprender depende do tempo? Após tantos milhares de anos, ainda não aprendemos que existe uma maneira de vida melhor do que odiarmos e matarmos uns aos outros. Muito importa compreender o problema do tempo, se desejamos uma solução para esta vida que cada um de nós contribuiu para tornar tão monstruosa e sem significação como é.

Resultado de imagem para imagens sobre o tempoA primeira coisa, pois, que se deve compreender é que só podemos olhar o tempo com aquele vigor e aquela inocência da mente, que já estivemos considerando. Vemo-nos confusos a respeito de nossos numerosos problemas, e perdidos no meio desta confusão. Ora, quando uma pessoa se perde numa floresta, qual a primeira coisa que faz? Pára e olha em torno de si. Mas nós, quanto mais nos vemos confusos e perdidos na vida, tanto mais corremos em todos os sentidos, buscando, indagando, rogando. A primeira coisa que deveis fazer, se me permitis sugeri-lo, é fazer alto, interiormente. E, quando parais, interiormente, psicologicamente, vossa mente se torna muito tranqüila e clara. Podeis então considerar verdadeiramente a questão do tempo.

Os problemas só existem no tempo, isto é, quando nos encontramos com um fato de maneira incompleta. Esse encontro incompleto com o fato cria o problema. Quando enfrentamos um desafio parcial, fragmentariamente, ou dele tentamos fugir – isto é, quando o enfrentamos com atenção incompleta – criamos um problema. E o problema continua existente enquanto continuarmos a dar-lhe incompleta atenção, enquanto esperarmos resolvê-lo um dia destes.

Sabeis o que é o tempo? – Não o tempo medido pelo relógio, o tempo cronológico, porém o tempo psicológico? É o intervalo entre a idéia e a ação. Uma idéia visa, naturalmente, à autoproteção: a idéia de estar em segurança. A ação é sempre imediata; não é do passado nem do futuro; o agir deve estar sempre no presente; mas a ação é tão perigosa, tão incerta, que preferimos ajustar-nos a uma idéia que nos promete uma certa segurança.

Resultado de imagem para imagens sobre o pensamentoOlhai isso em vós mesmos. Tendes uma idéia do que é certo ou errado, ou um conceito ideológico relativo a vós mesmo e à sociedade, e de acordo com essa idéia ides agir. A ação, por conseguinte, ajusta-se àquela idéia, aproxima-se da idéia, e por essa razão existe sempre conflito. Há a idéia, o intervalo, e a ação. Nesse intervalo encontra-se todo o campo do tempo. Esse intervalo é, essencialmente, pensamento. Quando pensais que amanhã sereis feliz, tendes então uma imagem de vós mesmo a alcançar um certo resultado no tempo. O pensamento, pela observação, pelo desejo, e pela continuidade desse desejo, sustentada por mais pensamento, diz: “Amanhã serei feliz; amanhã terei sucesso; amanhã o mundo será um belo lugar.” Dessa maneira, o pensamento cria esse intervalo que é o tempo.

Agora, perguntamos: Pode-se deter o tempo? Podemos viver tão completamente que não haja um amanhã para o pensamento pensar nele? Pois o tempo é sofrimento. Isto é, ontem ou há um milhar de “ontens”, amastes ou tínheis um companheiro que se foi, e essa memória perdura e ficais pensando naquele prazer ou naquela dor; estais a olhar para trás e a desejar, a esperar, a lamentar, e, assim, o pensamento, ruminando continuamente aquilo, gera essa coisa que se chama sofrimento e dá continuidade ao tempo.

Enquanto existir esse intervalo de tempo, gerado pelo pensamento, tem de haver sofrimento, tem de haver a continuidade do medo. Assim, perguntamos a nós mesmos: Pode esse intervalo terminar? Se disserdes: “Terminará ele algum dia?”, isso então já é uma idéia, uma coisa que desejais conseguir e, por conseguinte, tendes um intervalo e de novo vos vede na armadilha.

Agora, considere-se a questão da morte, um problema imenso para a maioria das pessoas. Conheceis a morte, pois a vedes todos os dias, andando a vosso lado. Será possível encararmos a morte de maneira tão completa, que não façamos dela um problema? Para a encararmos dessa maneira, todas as crenças, todas as esperanças, todos os temores a ela relativos devem acabar, senão estareis encarando essa coisa extraordinária com uma conclusão, uma imagem, com uma ansiedade premeditada e, por conseguinte, a estareis encarando com o tempo. O tempo é o intervalo entre o observador e a coisa observada. Isto é, o observador – vós – tem medo de enfrentar essa coisa chamada “morte”. Não sabeis o que ela significa; tendes esperanças e teorias de toda espécie a respeito dela; credes na reencarnação ou na ressurreição, ou numa certa coisa chamada alma, “atman”, uma entidade espiritual, eterna, a que chamais por diferentes nomes. Ora, já descobristes por vós mesmo se existe alguma alma? Ou trata-se de uma idéia que vos foi dada pela tradição? Existe alguma coisa de permanente, de contínuo, além do pensamento? Se o pensamento pode pensar nela, ela se acha no campo do pensamento e, por conseguinte, não pode ser permanente, porque, no campo do pensamento, não existe nada permanente. É de enorme importância descobrir que nada é permanente, porque só então a mente estará livre, só então poder-se-á olhar; e nisso há uma imensa alegria.

Resultado de imagem para imagens sobre a morteNão podeis ter medo do desconhecido, pois não sabeis o que ele é e, portanto, não há nada que temer. A morte é uma palavra, e é a palavra, a imagem que cria o medo. Assim, podeis olhar a morte sem a imagem da morte? Enquanto existir a imagem, que dá origem ao pensamento, o pensamento haverá sempre de criar medo. Tratais então de racionalizar o vosso medo da morte e de levantar uma resistência contra o inevitável, ou inventais inumeráveis crenças para vos protegerdes do medo da morte. Há, portanto, um vão entre vós e a coisa de que tendes medo. Nesse intervalo de espaço-tempo tem de haver conflito, ou seja medo, ansiedade, autocompaixão. O pensamento, que gera o medo da morte, diz: “Adiemo-la, evitemo-la, mantenhamo-la o mais distante possível, não pensemos nela” – mas vós estais pensando nela. Ao dizerdes “Não quero pensar nela”, já pensastes numa maneira de evitá-la. Tendes medo da morte, porque a tendes adiado.

Separamos o viver do morrer, e o intervalo entre o viver e o morrer é – medo. Esse intervalo, esse tempo, é criado pelo medo. Viver é nossa tortura diária – insultos, sofrimentos, confusão, e, ocasionalmente, uma janela aberta nos mostra mares encantados. É a isso que chamamos “viver”, e temos medo de morrer, que é o fim dessa aflição. Preferimos aferrar-nos ao conhecido a enfrentar o desconhecido – o conhecido, que é nossa casa, nossos móveis, nossa família, nosso caráter, nosso trabalho, nossos conhecimentos, nossa fama, nossa solidão, nossos deuses – essa coisa insignificante que incessantemente gravita em torno de si própria, com seu limitado padrão de amargurada existência.

Pensamos que o viver está sempre no presente e que o morrer é algo que nos aguarda num tempo distante. Mas nunca indagamos se essa batalha da vida diária é de fato viver. Queremos saber a verdade a respeito da reencarnação, desejamos provas da sobrevivência da alma, prestamos ouvidos às asserções dos clarividentes e às conclusões das pesquisas psíquicas, porém nunca perguntamos, nunca perguntamos como viver – viver com deleite, com encantamento, com a beleza, todos os dias. Aceitamos a vida tal qual é, com toda a sua agonia e desespero, com ela nos acostumamos, e pensamos na morte como uma coisa que devemos diligentemente evitar. Mas, a morte se assemelha extraordinariamente à vida, quando sabemos viver. Não podeis viver sem morrer. Isso não é um paradoxo intelectual. Para se viver completamente, totalmente, de modo que cada dia seja uma nova beleza, tem-se de morrer para todas as coisas de ontem, pois, de contrário, viveremos mecanicamente, e uma mente mecânica jamais saberá o que é o amor ou o que é a liberdade.

Em geral tememos a morte, porque não sabemos o que significa viver. Não sabemos viver, e por isso não sabemos morrer. Enquanto tivermos medo da vida, teremos medo da morte. O homem que não teme a vida não teme a insegurança, porque compreende que, interiormente, psicologicamente, não existe segurança nenhuma. Quando não há segurança, há um movimento infinito, e então a vida e a morte são uma só coisa. O homem que vive sem conflito, que vive com a beleza e o amor, não teme a morte, porque amar é morrer.

Se morreis para tudo o que conheceis, inclusive vossa família, vossa memória, tudo o que sentistes, a morte é então uma purificação, um processo de rejuvenescimento; traz então a morte a inocência, e só os inocentes são apaixonados, e não aqueles que crêem e que desejam descobrir o que acontece após a morte.

Para descobrirdes o que realmente acontece quando se morre, tendes de morrer. Isso não é pilhéria. Tendes de morrer, não fisicamente, mas psicologicamente, interiormente, morrer para as coisas que vos são caras e para as coisas que vos amarguram. Se morrestes para cada um dos vossos prazeres, tanto os insignificantes como os mais importantes, sem nenhuma compulsão ou discussão, então sabereis o que significa morrer. Morrer é ter uma mente completamente vazia de si mesma, vazia de seus diários anseios, prazeres e agonias. A morte é uma renovação, uma mutação, em que o pensamento não funciona, porque o pensamento é coisa velha. Quando há a morte, há uma coisa totalmente nova. Estar livre do conhecimento é morrer; e, então, estais vivendo!

Resultado de imagem para imagens sobre jidduVisão pessoal…..

Através das idades veio o homem buscando uma certa coisa além de si próprio, além do bem-estar material – uma coisa que se pode chamar verdade, Deus ou realidade, um estado atemporal – algo que não possa ser perturbado pelas circunstâncias, pelo pensamento ou pela corrupção humana.O homem sempre indagou: Qual a finalidade de tudo isto? Tem a vida alguma significação? Vendo a enorme confusão reinante na vida, as brutalidades, as revoltas, as guerras, as intermináveis divisões dá religião, da ideologia, da nacionalidade, pergunta o homem, com um profundo sentimento de frustração, o que se deve fazer, o que é isso que se chama viver e se alguma coisa existe além de seus limites.E, não podendo encontrar essa coisa sem nome e de mil nomes que sempre buscou, o homem cultivou a fé – fé num salvador ou num ideal, a fé que invariavelmente gera a violência.Nesta batalha constante que chamamos “viver”, procuramos estabelecer um código de conduta, conforme a sociedade em que somos criados, quer seja uma sociedade comunista, quer uma pretensa sociedade livre; aceitamos um padrão de comportamento como parte de nossa tradição hinduísta, muçulmana, cristã ou outra. Esperamos que alguém nos diga o que é conduta justa ou injusta, pensamento correto ou incorreto e, pela observância desse padrão, nossa conduta e nosso pensar se tornam mecânicos, nossas reações, automáticas. Pode-se observar isso muito facilmente em nós mesmos.Durante séculos fomos amparados por nossos instrutores, nossas autoridades, nossos livros, nossos santos. Pedimos: “Dizei-me tudo; mostrai-me o que existe além dos montes, das montanhas e da Terra” – e satisfazemo-nos com suas descrições, quer dizer, vivemos de palavras, e nossas vidas são superficiais e vazias. Não somos originais. Temos vivido das coisas que nos tem dito, ou guiados por nossas inclinações, nossas tendências, ou impelidos a aceitar pelas circunstâncias e o ambiente. Somos o resultado de toda espécie de influências e em nós nada existe de novo, nada descoberto por nós mesmos, nada original, inédito, claro.Consoante a história teológica garantem-nos os guias religiosos que, se observarmos determinados rituais, recitarmos certas preces e versos sagrados, obedecermos a alguns padrões, refrearmos nossos desejos, controlarmos nossos pensamentos, sublimarmos nossas paixões, se nos abstivermos dos prazeres sexuais, então, após torturar suficientemente o corpo e o espírito, encontraremos uma certa coisa além desta vida desprezível. É isso o que tem feito, no decurso das idades, milhões de indivíduos ditos religiosos, quer pelo isolamento, nos desertos, nas montanhas, numa caverna, quer peregrinando de aldeia em aldeia a esmolar, quer em grupos, ingressando em mosteiros e forçando a mente a ajustar-se a padrões estabelecidos. Mas, a mente que foi torturada, subjugada, a mente que deseja fugir a toda agitação, que renunciou ao mundo exterior e se tornou embotada pela disciplina e o ajustamento – essa mente, por mais longamente que busque, o que achar será em conformidade com sua própria deformação.Assim, para descobrir se de fato existe ou não alguma coisa além desta existência ansiosa, culpada, temerosa, competidora, parece-me necessário tomarmos um caminho completamente diferente. O caminho tradicional parte da periferia para dentro, para, através do tempo, da prática e da renúncia, atingir gradualmente aquela flor interior, aquela íntima beleza e amor – enfim, tudo fazer para nos tornarmos estreitos, vulgares e falsos; retirar as camadas uma a uma; precisar do tempo: amanhã ou na próxima vida chegaremos – e quando, afinal, atingimos o centro, não encontramos nada, porque nossa mente se tornou incapaz, embotada, insensível.Após observar esse processo, perguntamos a nós mesmos se não haverá outro caminho totalmente diferente, isto é, se não teremos possibilidade de “explodir” do centro.O mundo aceita e segue o caminho tradicional. A causa primária da desordem em nós existente é estarmos buscando a realidade prometida por outrem; mecanicamente seguimos todo aquele que nos garante uma vida espiritual confortável. É um fato verdadeiramente singular esse, que, embora em maioria sejamos contrários à tirania política e à ditadura, interiormente aceitamos a autoridade, a tirania de outrem, permitindo-lhe deformar a nossa mente e a nossa vida. Assim, se de todo rejeitarmos, não intelectual, porém realmente, a autoridade dita espiritual, as cerimônias, rituais e dogmas, isso significará que estamos sozinhos, em conflito com a sociedade; deixaremos de ser entes humanos respeitáveis. Ora, um ente humano respeitável nenhuma possibilidade tem de aproximar-se daquela infinita, imensurável realidade.Começamos agora por rejeitar uma coisa que é totalmente falsa – o caminho tradicional – mas, se o rejeitamos como reação, teremos criado outro padrão no qual nos veremos aprisionados como numa armadilha; se intelectualmente dizemos a nós mesmos que essa rejeição é uma idéia importante, e nada fazemos, não iremos mais longe. Se entretanto a rejeitamos por termos compreendido quanto é estúpida e imatura, se a rejeitamos com alta inteligência, porque somos livres e sem medo, criaremos muita perturbação dentro e ao redor de nós, mas nos livraremos da armadilha da respeitabilidade. Veremos então que cessou o nosso buscar. Esta é a primeira coisa que temos de aprender: não buscar. Quando buscamos, agimos, com efeito, como se estivésseis apenas a olhar vitrines.A pergunta sobre se há Deus, verdade, ou realidade – ou como se queira chamá-lo – jamais será respondida pelos livros, pelos sacerdotes, filósofos ou salvadores. Ninguém e nada pode responder a essa pergunta, porém, somente nós mesmos, e essa é a razão por que devemos nos  conhecer. Só há falta de maturidade na total ignorância de si mesmo. A compreensão de si próprio é o começo da sabedoria.E, que é nós mesmos, o nós individual? Penso que há uma diferença entre o ente humano e o indivíduo. O indivíduo é a entidade local, o habitante de qualquer país, pertencente a determinada cultura, uma dada sociedade, uma certa religião. O ente humano não é uma entidade local. Ele está em toda parte. Se o indivíduo só atua num certo canto, isolado do vasto campo da vida, sua ação está totalmente desligada do todo. Portanto, é necessário ter em mente que estamos falando do todo e não da parte, porque no maior está contido o menor, mas o menor não contém o maior. O indivíduo é aquela insignificante entidade condicionada, aflita, frustrada, satisfeita com seus pequeninos deuses e tradições; já o ente humano está interessado no bem-estar geral, no sofrimento geral e na total confusão em que se acha o mundo.Nós, entes humanos, somos os mesmos que éramos há milhões de anos – enormemente ávidos, invejosos, agressivos, ciumentos, ansiosos e desesperados, com ocasionais lampejos de alegria e afeição. Somos uma estranha mistura de ódio, medo e ternura; somos a um tempo a violência e a paz. Têm-se feito progressos, exteriormente, do carro de boi ao avião a jato, porém, psicologicamente, o indivíduo não mudou em nada, e a estrutura da sociedade, em todo o mundo, foi criada por indivíduos. A estrutura social, exterior, é o resultado da estrutura psicológica, interior, das relações humanas, pois o indivíduo é o resultado da experiência, dos conhecimentos e da conduta do homem, englobadamente. Cada um de nós é o depósito de todo o passado. O indivíduo é o ente humano que representa toda a humanidade. Toda a história humana está escrita em nós.

Inspiração….

Krishnamurti – O Despertar da Sensibilidade.pdf 

Diário de Krishnamurti.pdf 

A Arte de Viver – Loja DHARMA da Sociedade Teosófica

Livros de Krishnamurti em PDF | Krishnamurti – Nossa Luz Interior

Monicavox

Recomendo….

Resultado de imagem para imagens sobre jiddu

Resultado de imagem para imagens sobre jiddu

Resultado de imagem para imagens sobre jiddu

 

 

 

A Cozinha de Monicavox-Biomassa de banana verde….com receitas….

Resultado de imagem para IMAGENS DE BIOMASSA DE BANANAA BIOMASSA DE BANANA VERDE consiste em uma preparação feita com polpa de bananas verdes cozidas. Esta simples preparação é capaz de melhorar a imunidade, contribuir para o desenvolvimento da microbiota intestinal, reduzir o risco de câncer de intestino, controlar os níveis de colesterol, prevenir o diabetes e evitar o acúmulo de gordura abdominal.

A biomassa de banana verde é feita a partir da banana verde, trazendo benefícios para a saúde como:

  • Ajudar no emagrecimento, pois é pobre em calorias e rica em fibras que dão a sensação de saciedade;
  • Combater a prisão de ventre, por ser rica em fibras;
  • Combater a depressão, por ter triptofano, uma substância importante para formar o hormônio serotonina, que aumenta a sensação de bem-estar;
  • Diminuir o colesterol alto, pois ajuda a reduzir a absorção de gordura no organismo;
  • Prevenir infecções intestinais, pois mantém a flora intestinal saudável.
Biomassa de banana verde ajuda a emagrecer e a reduzir o colesterol

Principais nutrientes da biomassa de banana verde

A biomassa de banana verde se destaca por possuir boas quantidades de um amido resistente que é uma espécie de fibra que o aparelho digestivo não consegue digerir. Como este tipo de fibra não é digerida, ela serve de alimento para as bactérias benéficas do intestino e assim contribui para o desenvolvimento da microbiota intestinal. Consequentemente, a imunidade melhora e o risco de câncer no intestino diminui. Esta fibra também previne o diabetes tipo 2 e melhora o trânsito intestinal.

A biomassa de banana verde também possui vitamina A, que é importante para a saúde dos olhos, da pele e contribui para o crescimento. O alimento conta com vitaminas do complexo B, B1, B2 e B3, que agem no metabolismo da glicose, dos ácidos graxos e aminoácidos, ou seja, ajudam o organismo a utilizar essas substâncias com eficiência. O potássio, o manganês e o fósforo também estão presentes na biomassa de banana verde.

Para obter seus benefícios, deve-se consumir 2 colheres de sopa de biomassa por dia, que pode ser feita em casa ou comprada pronta em supermercados e lojas de produtos naturais.

Como fazer biomassa de banana verde

Para fazer biomassa de banana verde em casa pode ser guardada na geladeira por até 7 dias ou no congelador por até 2 meses.

Ingredientes

  • 5 bananas nanicas verdes, de preferência orgânicas
  • Água

Modo de preparo

Lavar bem as bananas e colocá-las ainda com casca numa panela de pressão com água suficiente para cobrir todas as bananas. Levar ao fogo e deixar cozinhar na pressão por 8 minutos, deixando a panela esfriar naturalmente até perder a pressão. Retirar as cascas e bater a polpa ainda quente no liquidificador, guardando em seguida em pequenas porções na geladeira ou no congelador.

Informação nutricional e como usar

A tabela a seguir traz a composição nutricional em 100 g de biomassa de banana.

Quantidade em 100 g de biomassa de banana verde
Energia: 64 kcal
Proteínas 1,3 g Fósforo 14,4 mg
Gordura 0,2 g Magnésio 14,6 mg
Carboidratos 14,2 g Potássio 293 mg
Fibras 8,7 g Cálcio 5,7 mg

Pode-se usar a biomassa de banana verde em vitaminas, sucos, patês e massas de pães ou bolos, além de alimentos quentes, como mingau de aveia, caldos e sopas. Conheça também os benefícios dos diversos tipos de banana.

Benefícios da biomassa de banana verde

Previne o diabetes tipo 2: As fibras da biomassa de banana verde ajudam a evitar os picos de glicose no sangue, fazendo com que ela seja liberada aos poucos. Estes picos de glicose levam a picos de insulina. Diante de constantes picos de insulina, alguns órgãos passam a se tornar tolerantes a ela, sendo preciso cada vez mais insulina para cumprir a mesma função, gerando o quadro de resistência à insulina, que se não for combatido pode evoluir para o diabetes tipo 2.

Ajuda na perda de peso: A biomassa de banana verde contribui para o emagrecimento porque as fibras evitam o pico de glicose e fazem com que ela seja liberada aos poucos, fazendo com que a pessoa sinta saciedade por mais tempo.

 Melhora a saúde da microbiota intestinal: A biomassa de banana verde se destaca por possuir boas quantidades de um amido resistente que é uma espécie de fibra que o aparelho digestivo não consegue digerir. Como este tipo de fibra não é digerida, ela serve de alimento para as bactérias benéficas do intestino e assim contribui para o desenvolvimento da microbiota intestinal.

Melhora a imunidade: O amido resistente da biomassa de banana verde contribui para a saúde da microbiota intestinal. Quando a microbiota intestinal está saudável existe a produção de uma substância chamada citocina anti-inflamatória que melhora a imunidade, fazendo com que os anticorpos trabalhem com mais eficiência.

A biomassa de banana verde melhora a imunidade

Além disso, quando a microbiota intestinal está saudável, ela produz uma substância chamada butirato, um aminoácido de cadeia curta que é um combustível para os anticorpos do intestino terem mais força para atacar invasores.

Diminui os níveis de colesterol: O butirato, que é produzido quando a microbiota intestinal está saudável, também tem o efeito de diminuir discretamente a produção do colesterol do fígado. Já o amido resistente reduz o colesterol que nós ingerimos.

Melhora o trânsito intestinal: As fibras não digeríveis na da biomassa de banana verde contribuem para a formação do bolo fecal, com um bolo fecal maior, ele sairá com mais facilidade. Assim, há melhora no trânsito intestinal.

Resultado de imagem para IMAGENS DE BIOMASSA DE BANANA

E NA COZINHA DE MONICAVOX….

Receita de Brigadeiro de Biomassa

Esse brigadeiro deve ser feito com a biomassa fria, mas sem ter sido congelada.

Ingredientes

  • Biomassa de 2 bananas verdes
  • 5 colheres de sopa de açúcar mascavo
  • 3 colheres de sopa de cacau em pó
  • 1 colher de chá de manteiga ghee clarificada
  • 5 gotas de essência de baunilha ou uma fava de baunilha natural

Modo de Preparo

Bater tudo no liquidificador e fazer bolinhas com a mão. Ao invés do granulado tradicional de chocolate, pode-se utilizar castanhas ou amêndoas trituras ou cacau granulado. Deve-se deixar na geladeira até que as bolinhas fiquem bem firmes antes de servir.

Estrogonofe de biomassa de banana verde

Ingredientes para o estrogonofe

  • 1 xícara (240 g) de biomassa de banana verde (se compra em lojas de produtos naturais)
  • 500 g de Tofu orgânico defumado cortado em quadradinhos pequenos
  • 250 g de molho de tomate fresco
  • 1 cebola picadinha
  • 1 dente de alho picado
  • 1 colher de chá de orégano
  • 1 colher de sopa de azeite extra virgem
  • 2 xícaras de água
  • 200 g de cogumelos frescos

Modo de preparo

Refogar a cebola e o alho no azeite, acrescentando o tofu até ficar dourado e, por fim, acrescentar o orégano . Depois acrescentar o molho de tomate e deixar cozinhar um pouco. Acrescentar os cogumelos, a biomassa e a água. Pode-se temperar com sal e pimenta a gosto e também acrescentar ervas frescas, manjericão ou outra erva aromática que intensifique o sabor e não adicione calorias.

Resultado de imagem para IMAGENS DE farinha BIOMASSA DE BANANAComo fazer a farinha de banana verde

Para fazer a farinha de banana verde em casa basta seguir a receita:

Ingredientes

  • 6 bananas verdes

Modo de preparo

Cortar as bananas em rodelas médias, colocar lado a lado em uma forma e levar ao forno em temperatura baixa, para não queimá-la. Deixar até elas ficarem bem secas, praticamente esfarinhando na mão. Retirar do forno e deixar esfriar na temperatura ambiente. Depois de totalmente frias, colocar as rodelas no liquidificador e bater bem até virar uma farinha. Peneirar até a farinha ficar na espessura desejada e guarde num recipiente bem seco e tampe.

Esta farinha de banana verde caseira dura até 20 dias e não contém glúten.

Como usar

A quantidade de farinha de banana verde que se deve consumir por dia é de até 30 gramas. Você pode adicionar até 2 colheres (de sopa = 20g) num copo de água e tomar em jejum ou adicionar no iogurte, na fruta, na vitamina de frutas ou no feijão, por exemplo.Ela não tem um sabor forte e também pode ser usada para substituir a farinha de trigo no preparo de bolos, muffins, biscoitos e panquecas. Mas é importante consumir mais água que o habitual para garantir que o bolo fecal fica bem hidratado, facilitando sua saída. Caso contrário, as fezes ficarão muito secas.

Benefícios da Farinha de Banana Verde e Como usarReceitas com farinha de banana verde

1. Bolo de banana com passas

Este bolo é saudável e não tem açúcar, mas é doce na medida certa porque tem banana madura e uvas passas.

Ingredientes:

  • 2 ovos orgânicos
  • 3 colheres de óleo de coco
  • 1 1/2 xícara de farinha de banana verde
  • 1/2 xícara de farelo de aveia
  • 4 bananas maduras
  • 1/2 xícara de uva passa
  • 1 pitada de canela
  • 1 colher de sopa de fermento

Modo de preparo:

Misture todos os ingredientes, colocando o fermento por último, até que fique tudo uniforme. Leve ao forno para assar durante 20 minutos ou até que passe no teste do palito.O ideal é colocar o bolo em pequenas forminhas ou num tabuleiro para fazer muffin porque ele não cresce muito e tem uma massa um pouco mais espessa que o normal. Assim ele irá ficar mais bonito e irá cozinhar mais rápido.

Benefícios da Farinha de Banana Verde e Como usarPanqueca com farinha de banana verde

Ingredientes:

  • 1 ovo orgânico
  • 3 colheres de óleo de coco
  • 1 xícara de farinha de banana verde
  • 1 copo de leite de amêndoa
  • 1 colher de fermento biológico
  • 1 pitada de sal rosa e de açúcar de côco ou stévia

Modo de preparo:

Bata todos os ingredientes com um mixer e depois prepare cada panqueca colocando um pouquinho da massa numa frigideira pequena untada com óleo de coco. Aqueça os dois lados da panqueca e depois use como recheio frutas, tofu orgânico ou queijo de sementes com tomates e manjericão, por exemplo.

Veja mais receitas http://www.mdgjoseluizgori.seed.pr.gov.br/redeescola/escolas/19/1430/79/arquivos/File/FOLDERBIOMASSA.pdf

 Resultado de imagem para IMAGENS DE livros sobre farinha BIOMASSA DE BANANAVisão pessoal…

Ao longo dos anos, os consumidores buscam por produtos de simples e fácil preparo e que possam oferecer características funcionais visando uma melhor qualidade de vida. A biomassa de banana verde é um alimento que além de apresentar muitas vantagens nutricionais, possui elevada quantidade de fibras e amido resistente capaz de desempenhar importante função no organismo. Este alimento pode ser incorporado em diversas formulações sem alterar o sabor original. Segundo estudos científicos, o consumo da massa de banana verde aumenta extraordináriamente a umidade do conteúdo intestinal e melhora de forma considerável o funcionamento do intestino. Outro benefício que se tem na ingestão desses produtos é o processamento da fermentação do amido resistente nas porções finais do cólon intestinal colaborando para a eliminação de produtos nocivos à saúde intestinal e para a reabsorção indesejável de ácidos biliares. Assim, os produtos derivados de banana verde mostram-se favoráveis na prevenção de intolerâncias e alergias alimentares. Com isso por ser um produto sem sabor e odor é uma alternativa para aproveitar todos os benefícios da fruta, sendo assim pode-se adicionar esta massa na formulação de qualquer produto já existente sem alterar as características sensoriais do produto final.Que tal experimentar estas receitas e adicionar mais este hábito saudável na sua alimentação?

Inspiração…..

biomassa de banana verde – um alimento funcional – Vale Mais

Propriedades Funcionais da Biomassa e Farinha de Banana Verde

Monicavox

Recomendo…

Resultado de imagem para IMAGENS DE livros sobre farinha BIOMASSA DE BANANA

O impacto da sua dieta no planeta

Resultado de imagem para imagens sobre alimentação sustentávelOs alimentos que escolhemos colocar em nossos pratos, ou jogar fora, têm um impacto ecológico muitas vezes maior do que percebemos.Conheça alguns desses tristes números, e saiba o que fazer para melhorá-los:

Não desperdice comida

Segundo Viviane Romeiro, coordenadora de mudanças climáticas do World Resources Institute (WRI) Brasil, as perdas de alimentos no nosso país chegam a 40 mil toneladas por dia.Os consumidores brasileiros contribuem com cerca de 10% do desperdício dentro da cadeia logística, que envolve também a produção, distribuição e armazenamento dos alimentos, de acordo com Alcione Silva, membro do corpo diretivo da Rede Save Food Brasil, entidade que tem apoio da Organização das Nações Unidas para a Agricultura e Alimentação (FAO) no Brasil.

Isso significa que precisamos de políticas públicas contra esse problema. No entanto, cada um de nós também pode fazer a sua parte para melhorar a situação. Tenha consciência do desperdício e de como evitá-lo.

Resultado de imagem para imagens sobre alimentação sustentávelNão comeu tudo? Saiba o impacto de jogar comida fora

Todos nós passamos por isso. Vemos aquele monte de opções ou aquele nosso prato preferido e acabamos pegando mais do que realmente conseguimos comer. Mas aquela meia porção que sobrou no seu prato e vai para o lixo não é um problema tão grande assim, certo?

Errado. Nossos pais e mães que insistiam para que comêssemos tudo porque existe gente passando fome no mundo estavam mais certos do que eles mesmos podem imaginar.

Todos os anos, de acordo com a FAO (Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura), desperdiçamos quantidades de alimentos que valem aproximadamente US$ 750 bilhões (mais de R$ 2,3 trilhões, no câmbio atual). Isso mesmo, enquanto estimativas apontam que 870 milhões de pessoas estão passando fome, o resto do mundo está jogando fora cerca de um terço de todos os alimentos que são produzidos.

Apenas nos Estados Unidos, de 30 a 40% do fornecimento de alimentos pós-colheita acaba no lixo. O Brasil também está na lista dos dez países que mais desperdiçam comida, com cerca de 30% da produção praticamente jogados fora na fase pós-colheita.

E pode ir tirando seu cavalinho da chuva se você acha que tudo isso é culpa das crianças que não querem terminar seu jantar. Nesta conta está o alimento que é jogado fora em casa, assim como resíduos de unidades de produção, lixo de restaurantes e comida jogada fora por mercearias.

Imagem relacionadaNúmeros surpreendentes

Todos os anos, cerca de 1,4 bilhões de hectares de terra são usados para produzir alimentos que serão desperdiçados. Como um número tão grande tende a ser difícil de visualizar, isso é mais do que 25% de toda a terra agrícola do mundo. É também o equivalente a 200 Irlandas. Esse desperdício de solo é um problema ainda maior quando você analisa quanta terra é desmatada para campos agrícolas, quantas espécies são invadidas e quantas plantas e animais estão ameaçados de extinção devido à perda de habitat.

E isso é só terra – a água que é usada para produzir comida desperdiçada é três vezes o volume do Lago Léman, ou três vezes o que flui pelo rio Volga, os maiores da Europa. Em outras palavras, cerca de 35% do nosso consumo de água doce é jogado no lixo.

Outros 30% desperdiçados são os fertilizantes aplicados aos terrenos agrícolas, o que também tem um impacto significativo sobre o meio ambiente. Outra coisa que impacta a natureza são os gases de efeito estufa que são produzidos por esses alimentos jogados fora: aproximadamente 3,3 bilhões de toneladas destes gases vão direto para nossa atmosfera já sobrecarregada.

Resultado de imagem para imagens sobre alimentação sustentávelUm problema de todos

Nós tendemos a implicar com os Estados Unidos, mas pesquisadores do Programa Ambiental das Nações Unidas e da FAO descobriram que eles definitivamente não são os únicos culpados. As taxas de resíduos alimentares também são incrivelmente altas na Ásia, especialmente quando se trata de cereais e grãos. Não surpreendentemente, áreas (e famílias) de alta renda são os que mais desperdiçam. Aqui na América Latina, somos extraordinariamente ruins quando se trata de resíduos de carne.

Os estudos da ONU descobriram onde a maior parte do desperdício de alimentos estava acontecendo e os principais culpados incluem o que é jogado fora no processo de preparação entre a colheita e o supermercado. Quando se trata do que jogamos fora em nossas casas, a média é de cerca de 9,2% do orçamento anual de alimentos de cada residência.

Resultado de imagem para imagens sobre alimentação sustentávelRepense seus hábitos carnívoros

Tudo o que comemos tem uma “pegada ambiental”: para ser cultivado e chegar até nosso prato, levou terra, água e energia.

O WRI calculou as emissões de gases de efeito estufa associadas com a produção de um grama de proteína comestível de vários alimentos. Não surpreendentemente, eles descobriram que alimentos como feijão, peixe, nozes e ovos têm o menor impacto. Aves, suínos, leite e queijos têm impactos de médio porte.

Em termos de efeito estufa, de longe, os maiores impactos estavam ligados à carne vermelha, de bovinos, ovinos e caprinos. Isso é, em parte, porque a necessidade de pastagens impulsiona o desmatamento de lugares como a Amazônia.

A carne usa 28 vezes mais terra por caloria consumida – e duas a quatro vezes mais água doce – do que a média das outras categorias de carne. Além disso, as vacas são menos eficientes do que outros animais, como porcos e aves, na conversão alimentar em alimentos.

Parar de comer carne vermelha não é algo que a maioria das pessoas está disposta a fazer. Mas, mesmo que você não desista inteiramente desse consumo, diminui-lo já pode afetar significativamente a pegada de carbono de sua dieta.

Resultado de imagem para imagens sobre alimentação sustentávelProcure melhores opções de saladas

À medida que o interesse pelas dietas centradas em plantas aumenta, novas empresas alimentares estão testando pratos diferentes, mais saudáveis e amigos do meio ambiente.

Por exemplo, uma iniciativa do WRI, chamada Better Buying Lab, está reunindo grandes empresas (incluindo Panera Bread, Sodexo, Google, Unilever e Hilton) para desenvolver e testar estratégias para incentivar os consumidores na escolha de alimentos mais sustentáveis. Parte disso é procurar colocar mais pratos à base de plantas em menus do mundo inteiro.

O grupo está trabalhando muito para alcançar essa meta, fazendo parcerias com cozinheiros e chefes de suas companhias para criar receitas novas, que apelem ao gosto do público. Ideias promissoras incluem o conceito de “super saladas”, contendo combinações dos chamados superalimentos como nozes, sementes, verduras, legumes e abacate.

Hambúrgueres mistos (de carne e cogumelos, por exemplo) também são uma excelente opção para diminuir o impacto de sua dieta. Muitos consumidores já estão se acostumando com a idéia. Não custa tentar, pelo menos ocasionalmente.

Resultado de imagem para imagens sobre alimentação sustentávelDicas simples de conservação de alimentos para evitar o desperdício

1. Mantenha as bananas frescas por mais tempo, envolvendo seus cabinhos em plástico

A razão é bastante simples: as bananas liberam gás etileno, que controla o escurecimento enzimático e amadurecimento da própria fruta e de quaisquer outras perto delas. Muito do gás sai daquela região que liga a banana em si ao seu cacho, conhecida como haste. Ao envolvê-la, você retarda o processo de amadurecimento e, consequentemente, as frutas não estragam tão rápido. O processo é exatamente igual ao costume de enrolar mamão em folha de jornal para que ele demore mais para amadurecer.

2. Congele ervas em óleo para preservá-las

O congelamento é sempre uma ótima maneira de conservar os alimentos, mas raramente pensamos em fazê-lo com ervas, que normalmente usamos como tempero, como salsinha e cebolinha. Se você congelar ervas em óleo, você já garante uma pequena quantidade de óleo para cozinhar sua refeição, além das ervas em si, para temperá-la.

3. Armazene suas batatas junto com as maçãs para evitar que elas brotem

Assim como as bananas, as maçãs também liberam gás etileno. Isso faz com que alguns frutos amadureçam mais rápido, mas também previne que as batatas brotem de repente.

4. Conserve os tomates de cabeça para baixo

Quando você armazena um tomate com a haste para baixo (em temperatura ambiente, e não na geladeira), essa posição impede que o ar e a umidade entrem pelo local de onde o fruto foi arrancado no momento da colheita. Isso prolonga um pouco a sua vida útil.

5. Guarde os limões na geladeira para mantê-los suculentos

Existem diversas maneiras de se armazenar limões, mas depois de testar várias delas, um famoso programa de culinária da televisão estadunidense, chamado America Test Kitchen, chegou à conclusão de que a melhor forma de conservação é armazená-los em sua geladeira. Isso faz com que eles se mantenham mais suculentos e pode até mesmo adicionar um pouco mais de longevidade se você os armazenar em um saco plástico.

 6. Mantenha frutas mais delicadas, como morango e amora, em uma única camada, para mantê-las frescas

Parece que frutas mais delicadas – por exemplo, frutas vermelhas como morangos, amoras ou framboesas – estragam muito rapidamente, não é mesmo? Uma maneira de mantê-las frescas e ideais para o consumo por mais tempo é armazená-las em uma única camada. Ou seja, tire-as das bandejas nas quais elas normalmente são comercializadas (com diversas camadas de frutas, uma em cima das outras) e distribua-as em uma única camada, em algum recipiente propício. Isso impede que o suco das frutas vaze e prejudique as camadas abaixo.

 7. Evite que o molho guacamole escureça adicionando um pouco d’água

Você decidiu fazer uma noite mexicana em casa, mas acabou superestimando a fome de seus convidados e sobrou guacamole, iguaria típica feita à base de abacate. Se você deixá-lo na geladeira durante a noite, o molho tende a apresentar uma tonalidade marrom mais no topo. Para evitar que isso aconteça, adicione uma fina camada de água sobre ele. A água é uma barreira contra o oxigênio e impede que o molho escureça.

Imagem relacionadaVisão pessoal….

Mais que um quarto de nossas emissões de gases do efeito estufa vêm da produção de alimentos. Isso significa, entre outras coisas, que se a população mundial parasse de comer carne, a emissão de carbono diminuiria.Nós sabemos disso já faz um tempo. No entanto, os cientistas não sabiam o quanto economizaríamos com a troca de bifes para hambúrgueres de tofu.Agora, um novo estudo da Universidade de Oxford (Reino Unido) afirma que o vegetarianismo poderia reduzir a emissão de gases de efeito estufa para menos da metade do que é hoje. Isso é uma queda muito maior que as expectativas anteriores calculavam.No passado, pensávamos que se o mundo virasse vegetariano, poderíamos cortar em 25% as emissões relacionadas com a alimentação. No entanto, tudo depende do que você come. Com algumas substituições, as emissões poderiam até mesmo aumentar.Os cientistas resolveram fazer as contas usando dados das dietas reais de mais de 50.000 pessoas no Reino Unido, calculando suas emissões de carbono relacionadas com a alimentação.Eles descobriram que, se as pessoas que comem mais de 100 gramas de carne por dia – o equivalente a um bife de alcatra relativamente pequeno – se tornassem vegetarianas, sua contribuição de carbono relacionada com a comida diminuiria em 60%, economizando o equivalente a 1,5 toneladas de dióxido de carbono por ano.Talvez de forma mais realista, se uma pessoa reduzisse seu consumo de carne para menos de 50 gramas por dia, as emissões relacionadas com os alimentos cairiam em um terço. Isso economizaria quase uma tonelada de CO2 a cada ano.Pescatarianos, (que comem peixe, mas não outros tipos de carne), são quase tão amigos do meio ambiente quanto os vegetarianos, gerando apenas cerca de 2,5% mais emissões relacionadas com os alimentos. Mas os veganos superam os vegetarianos, emitindo 25% menos gases do efeito estufa em comparação com os que ainda comem ovos e laticínios.Vale lembrar a diferença entre esses dois regimes alimentares; Enquanto o vegetariano exclui todos os tipos de carne (boi, peixe, frutos do mar, porco, frango e outras aves), bem como alimentos derivados de carne, veganos são pessoas que não consomem nenhum produto que tenha origem animal ou que tenha sido testado em animais, como alguns cosméticos e produtos de limpeza, o que também exclui gelatina, lacticínios, ovos e mel, por exemplo.Levando em conta não só o consumo alto de carne do mundo, bem como o grande desperdício de alimentos que existe (de acordo com o ONU, 1,3 bilhão de toneladas de alimentos são desperdiçados anualmente, segundo relatório de 2013), os pesquisadores afirmam que diminuir a quantidade de carne pode fazer uma enorme diferença para o meio ambiente.Aqui na Cozinha de Monicavox temos muitas opções alternativas para quem não consome proteína animal e quer ter uma saúde livre de produtos químicos e substâncias tóxicas.Ascesse e experimente as minhas receitas….esta qualidade,realmente vai lhe surpreender…..

Inspiração….

Life Hacker

NPR, Terra

NewScientistGiroGourmet

Sustentabilidade na indústria da alimentação: Uma visão de futuro

O Futuro da Alimentação: Ambiente, Saúde e Economia

práticas alimentares (in)sustentáveis: participação … – Teses USP

alimentação e nutrição Para um mundo SuStentável

Artigos acadêmicos sobre alimentação sustentável pdf

Monicavox

Recomendo….

Resultado de imagem para imagens sobre alimentação sustentável

Imagem relacionada

Imagem relacionada

 

 

Super dicas para combater o Intestino Irritável

Imagem relacionadaSegundo a International Foundation for Functional Gastrointestinal Disorders, estima-se que 1 em cada 4 pessoas no mundo (23% da população mundial) tem  a SII.A maioria das pessoas com SII está na faixa etária dos 50 anos. No entanto,  muitos adultos mais jovens ou com idade mais avançada também são acometidos por esta enfermidade. Curiosamente,  as mulheres são três vezes mais afetadas que os homens e sofrem mais com os sintomas severos.

Embora esta seja uma doença considerada de difícil diagnóstico e tratamento, atualmente existem várias pessoas que têm se beneficiado de dicas valiosas para tratar a SII. Descubra aqui como lidar com o problema e encontrar o tratamento ideal para seu caso.

Primeira parte – Conhecendo seu corpo

Descubra o que desencadeia a síndrome. Por definição, um gatilho é algo que inicia um processo ou uma reação. Alguns fatores podem provocar sintomas de SII em algumas pessoas mas não em outras; ainda que tenham sintomas semelhantes, suas causas provavelmente não serão as mesmas:

Entenda o processo de digestão

Se você não mastigar a comida corretamente ou se você beber muito líquido juntamente com as suas refeições, seu alimento permanecerá parcialmente não digerido, servindo de combustível para microorganismos intestinais. Além disso, ácido clorídrico insuficiente em seu estômago e/ou  insuficientes enzimas pancreáticas podem criar circunstâncias semelhantes.

Evite ainda comer grandes refeições, pois estas podem fazer com que os esfíncteres intestinais, que se localizam  entre o intestino delgado e o grosso, abram demasiadamente cedo e pressionem o alimento não digerido para ser expelido, causando diarréia.

Outro fator importante é que se você tomar antiácidos, não comer suficiente proteína, e beber muitos líquidos durante a refeição, irá suprimir sua própria capacidade de digerir alimentos. Antiácidos neutralizam o ácido do estômago, falta de proteína faz com que o organismo tenha dificuldade de produzir esse ácido, e fluidos diluem o ácido clorídrico.

Resultado de imagem para imagens sobre intestino irritávelReações negativas aos alimentos

Se você já teve uma reação negativa a um alimento no passado, seu cérebro pode decidir que esse alimento, em especial, nunca vai ser bom para você e definir um alarme para a próxima vez que você entrar em contato com ele. Ainda que o alimento não tenha chegado à boca, seu estômago já começará a reagir como se estivesse indo para a guerra.

A parte realmente desagradável de toda esta história é que o alimento em questão pode não ter causado os sintomas. Para ir direto ao alvo, faça o teste. Tente obter um exame para IgG (imunoglobulina G  – anticorpo) para alergias alimentares.

Caso você opte por não fazer o teste mencionado, basta eliminar os alérgenos mais comuns durante 12 semanas, que são: leite, glúten, fermento, ovos, milho, soja e amendoim. E, então, reintroduzi-los para ver se eles causam sintomas. Esta é uma maneira eficaz para isolar os alimentos que podem estar causando-lhe problemas.

 Aprenda a lidar com as emoções

Um estudo da Organização Mundial de Saúde mostrou que os latinos costumam manifestar suas aflições emocionais sob a forma de sintomas gastrointestinais. Em resposta ao estresse, o organismo aumenta a produção dos hormônios noradrenalina e cortisol. Logo, um dos quadros mais comumente associados aos transtornos de ansiedade diz respeito às alterações gastrointestinais como a SII, úlcera ou gastrite.

O intestino é considerado, na medicina, como um segundo cérebro. Ele tem um sistema nervoso próprio que produz e libera hormônios que até então se acreditava estarem presentes apenas no cérebro, como a serotonina, o neurotransmissor do humor.  Mas, na realidade, cerca de 90 por cento da serotonina é produzida no próprio intestino. Em pessoas com depressão, por exemplo, a serotonina encontra-se em baixa no organismo.

Durante um quadro emocional, o esforço vem de muitas formas. Na verdade, um aspecto da SII pode ser um desejo incontrolável de controlar. Isso pode soar como um paradoxo, mas pode explicar por que uma perda de controle nos intestinos é muitas vezes acompanhada por uma perda de controle na vida. A diarréia é uma perda completa de controle intestinal, e prisão de ventre é uma reação para tentar manter o controle, o que resulta em cólicas, dor e distensão. Além disso, se livrar de emoções tóxicas pode ajudar a acelerar o processo de cicatrização e melhorar o estado geral de sua saúde. Ao fazer o teste de eliminação de alergênios no tópico anterior tente se desfazer, também por 12 semanas, das emoções negativas.

Resultado de imagem para imagens sobre intestino irritávelAtente para a fermentação do organismo

Sozinhos ou combinados, o uso excessivo de antibióticos, uma dieta rica em açúcar, estresse, cortisona, hormônios e outros fatores podem levar a um supercrescimento de levedura em seu intestino, o que pode causar alguns efeitos desagradáveis.

O ecossistema microbiano no intestino deve ser saudável para você estar saudável. Quando suas bactérias intestinais estão fora de equilíbrio – quando você tem muitas bactérias patogênicas e poucas bactérias saudáveis – isso faz com que você adoeça. Existem cerca de 500 espécies de bactérias em seu intestino. Na verdade, há mais DNA bacteriano em seu corpo do que há DNA humano! Entre o grupo bacteriano podemos encontrar boas bactérias, bactérias ruins e ainda bactérias muito ruins.

Se o grupo patogênico tomar o comando ou mover-se para áreas que não deveriam (como o intestino delgado, que é normalmente estéril) – elas podem começar a fermentação do alimento que você ingeriu, especialmente de açúcar ou alimentos ricos em amido. Isto é chamado de sobrecrescimento bacteriano no intestino delgado e é uma das principais causas de SII.

Cuidado com antibióticos

Embora às vezes eles sejam necessários para eliminar bactérias ruins  e perigosas e poderem até mesmo salvar vidas, eles também podem afetar negativamente as bactérias boas de seu organismo. Na verdade, essas drogas não são muito inteligentes.  O antibiótico deveria combater as bactérias patogênicas que estão causando os sintomas, mas ao invés disso ele alveja todas as bactérias com as quais entra em contato, pois não consegue discernir as boas das ruins. Desta forma, as bactérias saudáveis da flora intestinal saem completamente fora de seu equilíbrio abrindo, assim, a porta para a fermentação migrar do intestino grosso para o intestino delgado, causando sintomas de formação de gases, inchaço e alteração nas fezes.

Resultado de imagem para imagens sobre intestino irritávelSegunda parte – Cuidando de seu organismo

O corpo humano é projetado para curar-se e reequilibrar-se. Contanto que deixemos de ingerir alimentos errados e com readaptação da rotina diária, o sistema digestivo pode curar a si mesmo e recuperar seu vigor original.  Cuide de seu bem estar ingerindo suficiente líquido, de preferência água mineral, praticando atividades físicas e dormindo pelo menos oito horas, para que você possa alcançar a almejada plenitude. Tudo isso poderá sim ser possível se você permitir-se conhecer-se melhor e entender a SII como um todo. Veja os seguintes passos:

Utilize prébióticos e probióticos…

Os prebióticos são ingredientes alimentares não digeríveis que estimulam o crescimento e atividade de microrganismos no intestino. Prebióticos são encontrados naturalmente em muitos alimentos, como aveia e outros grãos integrais, e em muitas frutas e vegetais, incluindo alcachofras, aspargos, cebola e banana. Um estudo mostrou que pacientes com SII que receberam uma combinação de probióticos e prebióticos experimentaram uma melhora significativa da dor abdominal, do inchaço e da prisão de ventre.

Os mecanismos de probióticos em SII são muito complexos, mas são cada vez mais populares na cura do aparelho digestivo. Os probióticos são organismos vivos que, quando ingeridos em determinada quantidade, exercem benefícios para a saúde, além da nutrição básica inerente. Os probióticos têm numerosos efeitos positivos no trato gastrointestinal. Recentemente, vários estudos têm sugerido que os probióticos são eficazes no tratamento da SII.

Embora os probióticos sejam uma excelente escolha, simplesmente adotar um suplemento probiótico diário não é única opção. Escolher um suplemento de alta qualidade poderá ajudar, mas a adição de alimentos e bebidas probióticas tais como kombucha, kefir, iogurte de leite de côco, chucrute, kimchi ou misô serão extremamente úteis. E você pode aumentar o efeito de probióticos reduzindo ou eliminando o açúcar de sua dieta.

Resultado de imagem para imagens sobre intestino irritávelConhecendo o universo das enzimas

Quando você come alimentos que ainda contém enzimas vivas, você usa menos de suas próprias enzimas digestivas para quebrar a comida em partes digeríveis. Esta mudança significa menos problemas digestivos, melhor absorção dos alimentos e menos quantidades de alimentos não digeridos que acabam servindo de refeição para leveduras e bactérias.

Uma opção excelente para manter a integridade das enzimas é preparar pratos crus. O calor destrói as enzimas do alimento quando se chega à temperatura de 40°C. Além disso, as fibras, antioxidantes e fitonutrientes também são danificados. Enquanto os minerais, ao invés de serem destruídos, são perdidos (lixiviados na água) e os que ficam se tornam menos biodisponíveis. Tente introduzir alimentos crus diariamente em forma de frutas, saladas, sucos e receitas de doces (sem açúcar) e salgados crus. Você notará muito rapidamente uma mudança na disposição e na energia,  além dar um suporte significativo no sistema imunitário.

Cuide de seu intestino

A área de superfície do intestino delgado é incrivelmente do tamanho da extenção de uma quadra de tênis. E é nesta imensa área que os alimentos são absorvidos. Seu intestino delgado abriga também cerca de 80 por cento de seu sistema imunológico. E este sistema está a uma fina camada de células de distância de uma quantidade incrível de toxinas – ou seja, todas as bactérias e partículas de alimentos não digeridas em seu intestino.

A camada do intestino pode aumentar sua permeabilidade se o indivíduo vivencia situações  de estresse, , utiliza coisas como muitos antibióticos ou anti-inflamatórios como a aspirina e esteróides, sofre com infecções intestinais, ingere baixo teor de fibras, consome açúcar em excesso, faz uso de álcool e muito mais: o seu sistema imunitário será exposto a partículas estranhas de alimentos e bactérias e outros micróbios. Isso irá disparar e ativar a resposta imune e irritar seu segundo cérebro (o sistema nervoso entérico) criando o caos que leva a um intestino irritável, um cérebro irritável e outros problemas incluindo alergias, artrite, auto-imunidade, transtornos do humor, entre outros.

Mas a boa notícia é que você também pode se beneficiar de nutrientes que ajudam a curar o revestimento do intestino, incluindo omega 3 , GLA (ácido gama-linolênico) – a partir de óleo de prímula-, zinco, vitamina A, glutamina e outros.

Conheça o poder da vitamina D

Pesquisadores da Universidade de Sheffield, no Reino Unido, realizaram um único tipo de estudo, em 2012, depois de informar sobre um caso de cura de SII ocorrido após a administração de “altas doses” de vitamina D.Em seguida, os autores fizeram algo notável: consultaram fóruns da internet e identificaram sites de pacientes que relatam o uso de vitamina D para tratamento de SII. Trinta e sete doentes com SII foram identificados e relataram as suas experiências pessoais com vitamina D. Destes, cerca de 70% observaram que tal suplementação beneficiou a sua condição, com doses diárias de vitamina D3 “tão elevada como 5000-10000 de UI.”

Visão pessoal...

Uma dieta com restrição de lactose foi a responsável pela melhora dos pacientes portadores da Síndrome do Intestino Irritável (SII). A doença é psicossomática, ou seja, não tem causa anatômica específica, mas é reflexo de perturbações no organismo, como o estresse, a ansiedade e possíveis infecções anteriores.Os testes foram realizados na Faculdade de Medicina da USP (FMUSP) e englobaram dois grupos de pacientes, ambos com a SII, sendo que um grupo possuía também o diagnóstico de má digestão de lactose. Os sintomas da SII são cólicas que passam e voltam, gases que provocam distensão do abdômen, crises alternadas de diarreia e prisão de ventre, sensação de que o intestino não foi plenamente esvaziado após a evacuação;o estudo teve como principal objetivo avaliar se a dieta com restrição de lactose gera melhora dos sintomas em todos os pacientes com SII ou somente naqueles que possuem má digestão de lactose diagnosticada.Entre as possíveis causas da SII, estão as ineficiências nos movimentos intestinais ou o intestino pode sofrer com sensibilidade no alongamento. A sua detecção depende da exclusão de outras doenças que possuem causas aparentes. O portador da SII quase sempre possui algum tipo de intolerância alimentar;Dentre os pacientes estudados, havia dois tipos: aqueles com apenas a SII e os que apresentavam, além da SII, uma má digestão de lactose diagnosticada. Em todos os 81 pacientes foi realizado o exame para diagnosticar a má digestão de lactose. Após esse processo, foi aplicada uma dieta com restrição de lactose em todos os envolvidos na pesquisa. A partir disso, foi avaliado se havia alguma melhora com a inserção da dieta.O acompanhamento médico dos pacientes foi capaz de comprovar que ambos os grupos com SII, tanto os com má-digestão de lactose e os que digeriam a lactose obtiveram algum tipo de melhora com a dieta de restrição de lactose.Os resultados surpreenderam os pesquisadores e deram respaldo para outros estudos que visam entender melhor a relação da digestão da lactose e a SII.A SII é uma doença que afeta até 25% da população brasileira e, dentre eles, de 70% até 80% possuem alguma intolerância alimentar. Portanto, é de extrema necessidade que a SII seja tratada de forma adequada e de acordo com as tolerâncias do paciente.Vamos ficar alertas….

 

Inspiração….

Síndrome Do Intestino Irritável: Uma Perspectiva Mundial

Tratamento com probióticos na síndrome do intestino irritável

Dieta para a Síndrome do Intestino Irritável | Nutrição Clínica

A acupuntura como terapêutica da síndrome do intestino irritável

PROBIÓTICOS, PREBIÓTICOS E SIMBIÓTICOS

Monicavox

 

Recomendo….

Resultado de imagem para imagens sobre intestino irritável

Resultado de imagem para imagens sobre intestino irritável

Os efeitos dos anabolizantes usados na carne e leite que consumimos….

Resultado de imagem para imagens sobre carne anabolizadaO uso de anabolizantes é reconhecidamente uma ferramenta bastante eficaz em aumentar a produtividade animal, tanto individual como do sistema como um todo. Vamos ver de uma maneira rápida o uso de promotores de crescimento na produção de carne e leite e seus benefícios no sistema de produção, bem como os efeitos para a saúde humana com o consumo de carne e leite oriunda de animais tratados.

Entende-se por promotores de crescimento substâncias exógenas, não nutritivas e que promovem o crescimento e desenvolvimento animal. Exemplos são: BST (somatotrofina bovina), agonistas beta-adrenérgicos, antibióticos, probióticos, ionóforos (monensina, lasalocida) e os hormônios anabolizantes. Nesta última categoria estão os implantes hormonais de origem estrogênica, progestágena ou androgênica, sintéticos ou não. (Ao utilizarmos o termo promotor de crescimento no texto estaremos nos referindo a hormônios anabolizantes.)

Hormônios são substâncias naturalmente produzidas por seres vivos, sendo responsáveis pelas mudanças morfológicas, comportamentais, fisiológicas e bioquímicas entre machos e fêmeas, animais inteiros e castrados. Bovinos castrados são menos eficientes na produção de carne magra. O uso de anabolizantes aumenta essa eficiência. Eles vêm sendo estudados e usados a mais de 40 anos como ferramenta para aumentar a eficiência na produção de carne.

O primeiro produto utilizado com objetivo de aumento na produção de carne bovina foi o dietiletilbestrol (DES), em 1947, sendo o uso comercial aprovado pelo FDA em 1954. Desde então uma série de outros produtos como benzoato de estradiol, zeranol, acetato de trembolona, e suas combinações e dosagens vêm sendo estudadas para serem utilizados comercialmente (Tabela 1) em vários países, principalmente nos Estados Unidos (Raun e Preston, 1997).

Tabela 1: Princípio ativos e concentrações de implantes hormonais comercializados nos EUA.

Os anabolizantes, sintéticos ou não, podem ser estrógenos (17 -estradiol, benzoato de estradiol e Zeranol, etc.), androgênicos (testosterona, acetato de trembolona, propionato de testosterona, etc. ) ou progestágenos (acetato de melengestrol, progesterona, etc.). Os mecanismos de ação podem ser diretamente na célula (andrógenos) ou indiretamente através do aumento da secreção pituitária de hormônio de crescimento (estrogênicos e progestágenos), resultando em maior síntese de proteína e, consequentemente, hipertrofia muscular, ou seja maior desenvolvimento do músculo.

A intensidade das respostas, bem como as variações, ocorrem principalmente devido ao tipo do princípio ativo do implante, do número e repetição de implantes, além, é claro, da nutrição e do sexo do animal. No tabela 2 é possível observar que associação entre princípios (estrógeno e andrógeno) e o uso de estrógeno forte promoveram as melhores respostas.

Tabela 2: Tipo de implante na resposta animal.

Animais inteiros em geral são menos responsivos que animais castrados e novilhas. Entretanto, segundo Preston (1998), há uma tendência a maior deposição de gordura em animais inteiros tratados com anabolizantes. O efeito do implante pode ser minimizado quando a nutrição é deficiente ou inadequada, pois animais tratados apresentam maiores consumos de alimentos e exigências diferenciadas de animais não tratados.

Os resultados em diversos trabalhos publicados no Brasil e no mundo indicam um aumento no ganho de peso variando de 5 a 30%, com valores médios de incremento em torno de 15%, acompanhado de aumento no consumo de alimentos com evidente melhoria na conversão alimentar (5 a 15%).  No geral os implantes chegam a promover em média 1 @ mais de carcaça em relação aos animais não implantados.

Tabela 3: Efeito do implante no desempenho de bovinos castrados em confinamento

Preston (1998) concluiu que o uso de promotores de crescimento em confinamento, nos Estados Unidos, gerava uma rentabilidade de US$20-75 a mais por animal implantado, em relação aos não implantados, com estimativa de redução nos custos de produção total em torno de 7%, o que torna a indústria da carne americana, de certa forma, mais competitiva em relação a outros países. Também estima-se (com base em dados de 1996) que a proibição do uso de anabolizantes naquele país reduziria a participação de carne bovina de 31,9 para 29,8% no mercado de carne americano, provavelmente devido ao aumento nos custos de produção com migração do consumidor para outras carnes. Esta pequena queda de 2% acarretaria US$1,4 bilhões de perdas na comercialização de cortes, o equivalente a exatamente 50% do valor exportado pelo Brasil em 2001 (US$2,8 bilhões).

Segurança para saúde humana

No início dos anos 70 surgiram os primeiros questionamentos sobre a segurança do uso de promotores para saúde humana, sendo aprovada uma lei que produtos para fins de produção de carne não deveriam apresentar resíduos, e se qualquer espécie animal apresentasse indícios de tumores ou resíduo devido ao uso de tais produtos, estes deveriam ser banidos(??!!). Nos anos 60 apenas 0,5% dos fígados (órgão de excreção do DES) bovinos analisados apresentavam resíduos, porém as carcaças inspecionadas não apresentavam estes resíduos. Anos mais tarde, a incidência de detecção em resíduos no fígado aumentou para 2-2,5%, devido a superdosagem na administração oral e ausência de período de carência após a retirada de implantes. Isto levou o FDA a banir o DES oral, e estabelecer um período de 120 dias de carência após o implante.

No final dos anos 70, o DES (análogo de estrogenio), quando ingerido na forma de medicamento por humanos, e não através da carne de animais implantados, mostrou ser um possível agente cancerígeno.

 

Para garantir segurança(?) quanto ao máximo de resíduo em alimentos, existe órgão regulador ligado a FAO, o Codex Alimentarios,(?) onde com base em pesquisas no mundo inteiro se estabelece os níveis de segurança(?) de elementos químicos nos alimentos….

A comunidade Européia proíbe o uso e importação de carne bovina que tenha recebido qualquer tipo de agente anabolizante; O  impedimento é também de ordem econômica e política, para preservar a produção agrícola subsidiada. Outros países, como EUA, Argentina, África do Sul, Austrália, Canadá, Colômbia, Chile, Japão, México, Nova Zelândia e Venezuela utilizam promotores de crescimento, sendo que destes, muitos são concorrentes em potencial da carne brasileira. As importações feitas pela Europa de carne destes países são provenientes de sistemas de produção específicos que não usam implantes.

Por serem constantemente ordenhadas por máquinas e consumirem rações e hormônios que fazem com que a produção de leite cresça acima do normal, as vacas sofrem de doenças, como a mastite, que é a inflamação da glândula mamária, causando constante dor e sofrimento intenso.leite2

Visão pessoal…

Sob o ponto de vista do consumo de carne ,o uso de hormônios anabolizantes em bovinos visando à produção de carne é bastante eficiente, aumentando o retorno por maior produtividade;É amplamente divulgado que o mercado interno de carne oscila em função do poder aquisitivo da população e, principalmente, pelo preço da carne, que pode ser produzida e vendida a menores custos com o auxílio de implantes hormonais. Para isto seria preciso fornecer informações de maneira coerente e responsável sobre a segurança do produto, além, é claro, da criação de sistemas eficientes de fiscalização(??), evitando o uso de promotores na clandestinidade e de forma irresponsável(??);Existe uma grande preocupação dos técnicos, produtores e consumidores com relação a contaminação de esteróides, principalmente progesterona (P4) e estradiol (E2), na carne e no leite de bovinos. Nos últimos anos, os protocolos hormonais com fins reprodutivos (IATF e TETF) têm aumentado dramaticamente no Brasil. Trabalhos de pesquisa indicam que durante esses tratamentos os níveis circulantes de hormônios esteróides no sangue são altos e sempre maiores que os valores fisiológicos liberados pela própria vaca. O estradiol natural (E2-17β) ou os seus ésteres (benzoato de estradiol, valerato de estradiol e cipionato de estradiol) são largamente utilizados em protocolos de sincronização juntamente com a inserção do dispositivo de P4 no início dos tratamentos e/ou no final dos protocolos para causar a sincronização da onda de crescimento folicular e da ovulação.Além disso, alguns tecidos como a gordura podem conter maiores níveis de esteróides, pela característica lipofílica destes hormônios. Neste sentido, a concentração de E2 e de P4 no leite é cerca de duas vezes maior que no sangue.Pensando como vegetariana que sou,o consumo de carne óbviamente não pode ser condenado sob o ponto de vista de ser um ato de matar, porque o consumo de vegetais e frutas também envolve a retirada da vida; o que é palpável, é que a matança de animais desperta muito mais a nossa consciência e sensibilidade humanas do que a matança de vegetais e o descascamento e a mastigação das frutas. A maior parte dos consumidores de carne bovina desistiriam de comer carne se tivessem que matar os animais para obtê-la; mas nenhum vegetariano se importaria em descascar os vegetais e cortar as cabeças das cenouras ou de qualquer outro vegetal. O fato de que a matança de animais implica derramar sangue e produzir dor demonstra claramente que os animais são parentes próximos do homem e estão se aproximando dele na escala evolutiva.Os vegetais não gritam de dor nem derramam sangue quando são mortos. Do ponto de vista da sensibilidade humana, podemos dizer que é menos dolorido matar um vegetal do que um animal. As almas adiantadas hesitam até em remover as cabeças das rosas de seus corpos vegetais que florescem em jardins domésticos, da mesma maneira como as outras almas odeiam matar seus animais de estimação para obtenção da carne…..

Inspiração…

“Meat Eating versus Vegetarianism, by Swami Yogananda”, publicado na revista East-West, abril-maio de 1935.

Preston, R. L. Strategy for the use of implants in beef cattle production. Simpósio sobre Produção Intensiva de Gado de Corte. CBNA. p. 22. 1998.

Lima, M. L. P.; Leme, P. R.; Freitas, E. A. B.; Moura, A. C. Aditivos e promotores de crescimento na produção de bovinos de corte. Boletim técnico 39. 3ª ed. 1998. 92p.
Leme, P. R.; et al. Efeito do zeranosl no desempenho de bovinos da raça Nelore inteiros e castrados em confinamento. Zootecnia, Nova Odessa, v.47, n.2, p.169-172, 1990.
Maddox, J. Proceedings of Scientic Conference on growth promotion in meat production, European Commission, Directorate-General VI, Agriculture Brussels, Belgium. 1996.
Raun, A.; Preston, R. L. History of hormonal modifiers use. In. Symposium of Impact of implants on performance and carcass value of beef cattle. Oklahoma State University. p.1-9, 1997.
Duckett, S.; Owens, F. Effects of implants on performance and carcass traits of feddlot steers and heifers. In. Symposium of Impact of implants on performance and carcass value of beef cattle. Oklahoma State University. p.63-82, 1997.
Boots, R. Growth stimulants: Couponds, concentrations, combinations and regulations. In. Symposium of Impact of implants on performance and carcass value of beef cattle. Oklahoma State University. p.10-14, 1997.

Consumo de carne x vegetarianismo – Autobiografia de um Iogue

Guia Vegetariano – Mercy For Animals

Motivação pela alimentação Vegetariana – UFJF

VEGETARIANISMO VEGANO: razões éticas e saudáveis – Unit

Monicavox

Recomendo…..

Resultado de imagem para imagens de livros sobre vegetarianismo

Imagem relacionada

Resultado de imagem para imagens de livros sobre vegetarianismo

 

PNL;Magia ou Ciência?

Resultado de imagem para imagens sobre PNLDe tão popularizada, 20 anos depois, a Programação Neurolinguística (PNL) é assunto controvertido que conta com defensores devotos e apaixonados de um lado e atacantes ferrenhos de outro. Tema polêmico tornado modismo, todos têm algo a dizer a seu respeito, ainda que não a compreendam de fato.

 Com a proposta de ser um conjunto de “ferramentas”, ou técnicas, para acessar e desenvolver estados de excelência nas pessoas, particularmente em termos de comunicação e relacionamento interpessoal, a Programação Neurolingüística (PNL) surgiu em 1975, desenvolvida por Richard Bandler – analista de sistemas e John Grinder, especialista em lingüística, que estudaram as estratégias de atuação dos três terapeutas de maior sucesso nos EUA em termos dos resultados que obtinham com seus pacientes: Frederick S. Perls – principal teórico da Gestalt, Virginia Satir – terapeuta de casais e Milton Erickson – um expert em linguagem hipnótica.

Do casamento entre a Psicologia e a Informática, surgiu, então, esta “nova” ciência que, na verdade, nada mais é que um apanhado de teorias psicológicas, como por exemplo a Gestalt e a Análise Transacional.

Freqüentemente associada ao Behaviorismo (Psicologia comportamental de Skinner), ela tende a ser rechaçada antes mesmo de ser compreendida, devido à constante utilização que faz de termos como “comportamento” e “(re)programação”, dando a impressão de ser racional e mecanicista. Nada mais falso. Alguns de seus exercícios são profundamente sensibilizantes e até tocantes.

A intenção desse post é tentar “traduzir” algumas das premissas básicas da PNL através da neurociência, isto é, em que ela se baseia para afirmar que tais técnicas funcionam.

Entre as “descobertas” da PNL estão algumas muito interessantes. Por exemplo: São 3 os componentes da influência humana: a palavra, que corresponde a apenas 7% de nossa capacidade de influenciar pessoas (pequena, mas não desprezível;); o ritmo, velocidade e tom de voz que utilizamos, equivale a 38% dessa capacidade. E, aqui há um exemplo ilustrativo interessante: Telefonistas de telemarketing de uma grande organização americana, foram orientadas para falar rapidamente quando o cliente do outro lado da linha fosse de Nova York e lentamente quando fosse de Dallas. Como resultado, o volume de vendas triplicou.

O 3º componente, e o mais importante, é a fisiologia, que corresponde aos 55% restantes. Isto equivale a dizer que as pessoas causam muito maior impacto através de sua linguagem não-verbal do que própriamente com o que dizem. E é desse modo também que as pessoas percebem a congruência ou não umas das outras, isto é, se o discurso corresponde com a prática, trata-se aqui da velha história da diferença entre o que dizemos e o que fazemos, ainda que inconscientemente.

Resultado de imagem para imagens sobre PNLOutra questão fundamental na PNL, a base inclusive de grande parte do sucesso ou insucesso das técnicas por ela utilizadas, é o estabelecimento do Rapport, palavra de origem francesa que significa “harmonia de relação”.

É através da técnica do Rapport que podemos persuadir outra pessoa de forma elegante e sem perder a integridade, lembrando que a ética não está na técnica, seja ela qual for, mas no técnico, seja ele quem for. Por exemplo: Mimetizar a respiração do interlocutor, potencializa a capacidade de influenciação ao máximo.

Imitar, igualar-se, ajustar-se, acompanhar, ou espelhar o comportamento verbal e não-verbal de uma pessoa, são também processos pelos quais se pode estabelecer Rapport.

Isto é, simplesmente, manifestar-se como a outra pessoa se manifesta. O importante é fazê-lo com a máxima discrição, elegância e sutileza. Isto enfatiza a importância da percepção de aspectos de comportamento da outra pessoa, permitindo que você a encontre no modelo que ela tem do mundo.

EQUILÍBRIO

Outro ponto a favor da PNL, é o fato dela respeitar a ecologia de cada um. Ecologia nada mais é que o equilíbrio próprio (teste constante) do sistema, que tem que ser mantido em homeostase, porque quanto maior o equilíbrio, maior a congruência e menor a possibilidade de quebra do sistema. Inclusive, é interessante mencionar que para a neurolingüística não existem rótulos, (psicose, neurose, psicopatias, etc…). Tudo que exteriorizamos são comportamentos (pensamentos, ações e palavras). Não há patologias. A doença é a falha do sistema. Faltaram opções.

Entre as pressuposições da PNL está a de que as pessoas possuem todos os recursos de que precisam. Se algo é ou foi possível para alguém, é possível também qualquer outra pessoa. Trata-se apenas de COMO fazer.

Conforme o capítulo inicial do book do curso para Practitioners da Sociedade Brasileira de Programação Neurolinguística (SBPNL), referente às pressuposições básicas da PNL, “sistemas cibernéticos movem-se em direção à adaptação e o propósito de todo comportamento é adaptativo e intencionado positivamente, ou era adaptativo no contexto original em que foi gerado”, isto é, para a PNL, TODO o comportamento é útil em algum contexto e as pessoas sempre fazem as melhores escolhas disponíveis dadas as possibilidades e capacidades que são percebidas como disponíveis a partir de seu próprio modelo de mundo, portanto qualquer comportamento por mais louco ou bizarro que pareça, é a melhor escolha disponível para a pessoa em dado momento, de acordo com o seu modelo de mundo.

Se fosse dada uma escolha mais apropriada (dentro do contexto de seu próprio modelo de mundo) ela automáticamente escolheria”, porque, as pessoas sempre escolhem a melhor decisão possível em dado momento. O que ocorre é que elas ou estão transmitindo amor ou pedindo socorro através de suas atitudes.

Consequentemente, o elemento com maior flexibilidade controla o sistema, sendo extremamente útil exercitar a flexibilidade e a capacidade de adaptação de todas as formas possíveis. Ter uma escolha é melhor que não ter nenhuma, porém quando se tem apenas 1 escolha, a pessoa se torna um robô, quando tem 2, geralmente ela tem um dilema; sómente quando temos 3 opções, existe, de fato, a possibilidade de fazermos uma boa escolha.

O código de congruência

Outra expressão clássica utilizada em neurolinguística, afirma que quanto mais relações dos elementos do mapa combinarem com as relações dos elementos que estão sendo mapeados, mais efetivo e ecológico será este mapa. Então, podemos dizer que a questão da congruência não se aplica sómente ao relacionamento interpessoal, mas também ao relacionamento que temos com nossos próprios desejos, crenças e valores.

“As interações humanas formam um sistema cibernético”, isto embasa a afirmação sobre a percepção que as pessoas têm da congruência ou não de seu interlocutor. Quando nos aproximamos de alguém, ainda que estejamos vendo apenas seu rosto ou parte de seu corpo atrás de uma mesa, por exemplo, nossos sistema o está percebendo integralmente, inclusive à nível de conteúdos inconscientes, pois, como já dizia Jung, os inconscientes se comunicam. Isto é, as relações humanas não se estabelecem na base de estímulo x respostas, mas através de um circuito sistêmico de feedback.

“Mapas de mundo são feitos de programas “Neurolinguísticos”, havendo uma profunda interação neurolinguística entre a linguagem e nosso modelo neurológico de mundo” ou seja, nós somos aquilo que acreditamos ser.

Resultado de imagem para imagens sobre PNLVisão pessoal….

Se o que você faz não funciona, faça diferente. Se o que está fazendo não leva ao resultado desejado, varie seu comportamento até conseguir evocar a resposta desejada. Se você continuar fazendo o que sempre fez, continuará obtendo o que sempre obteve. Experimente novos comportamentos. Mark Twain disse: “Se sua única ferramenta é o ‘martelo’, todos os problemas para você serão ‘pregos’.”Ainda uma vez citando o book da SBPNL, “seres humanos constroem seus modelos de mundo através do sistema nervoso e têm seu próprio mapa de mundo que é formado por fatores genéticos e pela história pessoal de cada um. Não existem mapas mais “reais” ou “verdadeiros”, e sim mais efetivos e ecológicos, isto é, aqueles que dispõem de um número mais amplo e mais rico de escolhas” Por isso: Se alguma coisa lhe parece de difícil execução, não tenha a pretensão de que ela o seja também aos outros.O significado da comunicação é a resposta que ela obtém independentemente da intenção do comunicador; O resultado da comunicação é a resposta que você consegue. Nada mais infrutífero que a idéia de: “Eu fui claro. Se você não compreendeu, o problema é seu.” Através da técnica do Rapport e do exercício contínuo da flexibilidade e da adaptabilidade, podemos variar e diversificar nossa comunicação, alcançando todos os tipos de pessoas, independentemente de suas características de personalidade, aliás, independentemente não, considerando sua diferenças em relação a nós. O sucesso da comunicação e o estabelecimento de relações harmoniosas, devem prevalecer sobre a idéia de superioridade intelectual.Vejamos agora, o exemplo de uma luta de boxe na TV. Dois indivíduos trocando socos violentos e tirando sangue um do outro. Será que uma luta de rua é tão diferente? Porque, então a segunda causa tanta comoção e a primeira torna os protagonistas milionários? A resposta é simples: O contexto. Para a PNL, certo e errado são conceitos pessoais e dependem do contexto no qual estão inseridos os protagonistas.Quaisquer respostas, experiências e comportamentos só são significativos dentro do contexto no qual acontecem, e do contexto da respostas que evocam.Quaisquer respostas, experiências e comportamentos podem servir como recurso ou limitação, dependendo de como estão sequenciados e contextualizados.“O mapa não é território” e esta é, na verdade a premissa n.º 1 da PNL, significando que a realidade é diferente da experiência que um indivíduo tem dessa realidade.Tendo descoberto como os seres humanos processam informações no cérebro, a PNL decodificou padrões comuns a todas as pessoas, verificando que cada um apreende o universo de forma diferente.Consequentemente, não é o “território” ou a “realidade” que limitam as pessoas, e sim a escolhas disponíveis percebidas através destes mapas.Em suma: O sistema nervoso leva às emoções através dos cinco sentidos, (portanto, tê-los bem desenvolvidos amplia nossos horizontes), estes formam as representações internas que geram os mapas e a linguagem é o que “ativa” o sistema nervoso. Tudo o que dizemos influi no nosso mapa de mundo, então, quando dizemos, por exemplo: “Isso não é pra mim… deveríamos cuidar de acrescentar imediatamente “nesse momento…”Voltaremos ao assunto em breve,aguardem….

Inspiração

A PNL e sua Vida Pessoal – sbpnl

Curso De Programacion Neurolinguistica – Brasil PNL

PNL: A Nova Tecnologia do Sucesso

PNL para a vida diária PDF

Monicavox

Recomendo…

Resultado de imagem para imagens sobre PNL

Resultado de imagem para imagens sobre PNL

 

 

 

Eclipse do dia 27 de Julho, o mais longo do século

Neste tipo de eclipse, a Lua fica com aspecto avermelhado

O mês de julho traz um fenômeno celeste muito importante para a astrologia: o eclipse total da Lua em Aquário.Eclipses são por si só são eventos astronômicos muito bonitos de serem admirados – principalmente este, que será o eclipse lunar mais longo do século. Porém, do ponto de vista astrológico, especialmente da vertente cármica da astrologia, o fenômeno também chama muita atenção.

Isso porque eclipses podem propiciar mudanças significantes na vida das pessoas, ligadas especialmente à libertação de karmas, à limpeza energética, à quebra de comportamentos e à superação de traumas.

Nesta sexta feira, 27, entre 16h30 e 18h13, começamos a receber as energias de mais um eclipse, desta vez um lunar total, que será o maior eclipse do século XXI.O primeiro, de uma série de três, aconteceu nos últimos minutos do dia 12, aos 20 graus de Câncer e cancerianos, capricornianos, arianos e librianos, Sol, ascendente, já sentem algumas sementes começarem a germinar.

O eclipse é lunar total, ou seja, chega em uma Lua Cheia e é também chamado de Lua de Sangue, porque ganha uma cor avermelhada quando a luz do Sol chega à ela durante o eclipse. A luz não a atinge diretamente, ela atravessa a atmosfera da Terra e a torna avermelhada.

Podemos esperar por mais mudanças, desta vez mais rápidas, drásticas e inesperadas, tanto na vida pessoal quanto no coletivo.

Os signos mais influenciados por este eclipse pertencem à cruz fixa, que são: Touro, Escorpião, Leão e Aquário, signos que detestam as mudanças, mas que, no entanto, começam a passar por elas desde a entrada de Urano em Touro há algumas semanas atrás.

Eclipses costumam ser eventos de mudanças mais radicais na vida de todos nós, podem ser sentidos como divisores de águas, que trazem mudanças significativas em nossas vidas, como casamentos, nascimentos de filhos, mudança de país, o surgimento do emprego sonhado, a abertura de uma empresa, enfim, acontecimentos que marcam um novo ciclo de vida.

Este pode ser considerado o mais intenso em se tratando de mudanças, pois tem Urano e Marte envolvidos em tensos aspectos, ou seja, as mudanças acontecem de repente e trazem consequências que se perpetuam por muitos meses. Ele chega arrebentando energias que nos deixam estagnados em situações que já não devem fazer mais parte de nossas vidas.

O melhor que temos a fazer neste momento é colocar os remos dentro do barco e esperar pelos ventos que vão nos levar para novas aventuras. Trabalhar, é claro, mas em comunhão com os processos de mudança e não resistindo a eles. Devemos deixar de lado o controle, que só vai trazer dificuldades.

O inconsciente coletivo será amplamente mobilizado e algumas mudanças de valores pode acompanhar este período. A Terra pode tremer em algum de seus pontos, pois esta é uma energia bastante intensa e transformadora e, quando Urano e Marte estão envolvidos, podemos esperar por alguma violência.

É hora de estarmos atentos aos sinais que, certamente, todos receberemos do Universo e os novos caminhos apontados por ele. O momento exige calma e tranquilidade nas ações e reações, para que brigas e discussões sejam evitadas.

O melhor é mantermos a calma e aceitar as mudanças sem nenhuma resistência.

lua terra eclipse 2018 400x800

Eclipse lunar do dia 27 traz libertação de

karmas e superação de traumas: prepare-se

Do ponto de vista astrológico, eclipses são sinônimos de mudanças de rota e transformações na nossa vida. “São rupturas, atualizações que vínhamos trabalhamos no nosso íntimo, mas não tínhamos força para materializar. O eclipse vem para fazer as coisas acontecerem”, define a astróloga Amanda Rodrigues.

Para a astrologia cármica, o eclipse de 27 julho ganha um aditivo em sua importância: o momento é ideal para a libertação de karmas, a limpeza energética, a quebra de comportamentos e a superação de traumas que atrapalham a evolução espiritual.

“Este eclipse é lunar, a Terra vai ficar entre o Sol e a Lua – um corpo celeste ligado passado – e vai fazer sombra no satélite. Essa sombra na Lua é uma sombra no nosso inconsciente. É hora de fazer pazes com o passado, de buscar a paz de espírito e curar feridas para permitir que o nosso sol brilhe cada vez mais, com coragem, autoconfiança, autovalorização, amor próprio e empoderamento.”

O fenômeno chama atenção também por acontecer simultaneamente a outro evento importante para a astrologia: a retrogradação de Mercúrio em Leão – um signo muito conhecido por sua autoconfiança. “É o momento de reflexão sobre quem somos, o que queremos, o que desejamos. Há amor próprio. De que forma estamos usando nossos interesses? É pelo ego? É pelo interesse? Conseguimos nos relacionar sem perder a individualidade?”

Rituais para potencializar influência do eclipse

mulher meditando 0717 400x800

Para alcançar as transformações espirituais que o eclipse oferece, alguns comportamentos praticados na data do eclipse (e também nos dias pré e pós fenômeno) ajudam nesta jornada.

Amanda cita que o primeiro passo para a limpeza energética e a superação de traumas é o autoperdão. “O perdão é ponto fundamental dessa quebra de karma, de padrões. Para se perdoar, é importante se aceitar, bem como os próprio erros. Afinal, são experiências que levam aos crescimento.”

Para realizar a autoanálise, a astróloga recomenda exercícios de meditação e outros mecanismos de auto-observação – principalmente os relacionados à compreensão das emoções.

“Sempre indico fazer uma lista de intenção do que se deseja conquistar, concretizar. Escrever as angústias, os medos as aflições, que são formas de a gente externalizar de uma forma produtiva e tomar consciência dos nosso sentimentos. Observar quais são as crenças limitantes, que muitas vezes a gente nega.”

É com a ajuda de ferramentas de autoconhecimento e suas respectivas reflexões que as transformações oferecidas pelo eclipse podem ser efetivadas com sucesso, especialmente a evolução da alma proposta pela astrologia kármica.

Astrologia kármica: entenda

mapa astral signos 116 400x800

A astrologia é uma área de estudo dos astros que visa compreender o comportamento humano, sua personalidade, relacionamentos e demais características a partir da posição dos corpos celestes no universo.

“Como se fosse uma fotografia do céu no momento do nosso nascimento”, compara a astróloga Amanda Rodrigues.

A vertente cármica da astrologia está diretamente relacionada com o conceito de karma e traz um entendimento mais espiritual sobre a influência dos astros na vida, segundo Amanda.

“Karma é o resultado de decisões que tomamos, que fazemos em nossa vida. É a lei da ação e da reação, uma questão de causa e efeito. Tudo o que acontece em nossa vida hoje é resultado direto das nossas ações do passado, mesmo que a gente não lembre delas”, explica.

Deste modo, a astrologia cármica visa entender as nossas potências, a partir da estrutura da astrologia tradicional de mapa astral, a fim de usá-las de forma construtiva e positiva para que façamos as melhores escolhas no presente e futuro.

“O nosso mapa tem informação sobre nossas vidas passadas, a bagagem que trazemos da ancestralidade, alguns padrões que repetimos, algumas mágoas e inseguranças. Ao mesmo tempo, ele mostra o que precisamos desenvolver, os desafios a serem ultrapassados e a direção ao nosso dharma.”

O mês de julho traz um fenômeno celeste muito importante para a astrologia: o eclipse total da Lua em Aquário.

Eclipses são por si só são eventos astronômicos muito bonitos de serem admirados – principalmente este, que será .Porém, do ponto de vista astrológico, especialmente da vertente cármica da astrologia, o fenômeno também chama muita atenção.

Isso porque eclipses podem propiciar mudanças significantes na vida das pessoas, ligadas especialmente à libertação de karmas, à limpeza energética, à quebra de comportamentos e à superação de traumas.

Eclipse total da Lua: por que prestar atenção?

lua eclipse sangue nasa 0718 400x800
NASA’s Goddard Space Flight Center

Na noite do dia 27 e nas primeiras horas da madrugada de 28 de julho, acontece o mais longo eclipse total da Lua deste século. A previsão é que o fenômeno dure, pelo menos, 3 horas e 55 minutos (sendo 1 hora e 43 minutos de cobertura total).

Do ponto de vista astrológico, eclipses são sinônimos de mudanças de rota e transformações na nossa vida. “São rupturas, atualizações que vínhamos trabalhamos no nosso íntimo, mas não tínhamos força para materializar. O eclipse vem para fazer as coisas acontecerem”, define a astróloga Amanda Rodrigues.

Para a astrologia cármica, o eclipse de 27 julho ganha um aditivo em sua importância: o momento é ideal para a libertação de karmas, a limpeza energética, a quebra de comportamentos e a superação de traumas que atrapalham a evolução espiritual.

“Este eclipse é lunar, a Terra vai ficar entre o Sol e a Lua – um corpo celeste ligado passado – e vai fazer sombra no satélite. Essa sombra na Lua é uma sombra no nosso inconsciente. É hora de fazer pazes com o passado, de buscar a paz de espírito e curar feridas para permitir que o nosso sol brilhe cada vez mais, com coragem, autoconfiança, autovalorização, amor próprio e empoderamento.”

Eclipse Lunar em LEÃO em 31 de Janeiro de 2018Visão pessoal

O eclipse lunar total de hoje, trará uma massiva e poderosa energia cósmica de transformação. Este será o eclipse mais longo do século e o catalisador de novos caminhos e alinhamento de propósitos. Nos últimos dias você pode ter se sentido eufórico, nervoso e ansioso por mudanças. Tudo isso faz parte dos efeitos do eclipse, que já pairam sobre a vida de todos na superfície planetária. Este é o tempo onde muitas portas estão sendo fechadas e ciclos estão sendo encerrados, para abrir os novos caminhos. Algumas pessoas estão passando por uma limpeza em suas vidas, antes de construir uma inteiramente nova. Outras, estão lidando com seus negócios inacabados a fim de que possam dar um novo passo. Por mais que possa parecer difícil, tenha paciência com o que se apresenta para você neste momento. As energias estão se estabilizando e atuando de maneira coordenada para levá-lo onde você precisa estar.Eclipses definem términos e inícios, portanto, o que quer que esteja saindo da sua vida, deixe ir. Durante este tempo de transição planetária e grandes liberações de energias cósmicas, fortalecido pela tríade de eclipses iniciada no dia 12 de julho e que terá seu término com o eclipse do dia 11 de agosto, espere por grandes mudanças.Este é o momento em que os desejos da alma poderão começar a se materializar de forma ainda mais intensa para redesenhar todo o cenário planetário e vidas pessoais de cada um. Ao final deste processo, com o eclipse do dia 11 de agosto, todos estarão num espaço e momento de clareza e sabedoria, inteiramente enraizados em seus novos caminhos.

Recomendo…

Eclipses – Site do Departamento de Astronomia do IF-UFRGS

http://www.cafecomastrologia.com.br/

https://www.astrocentro.com.br/blog/astrologia/

http://www.siteastronomia.com/

Monicavox