PROBIÓTICOS-As bactérias do bem -Saiba o que são e como fugir das enganações industrializadas

O termo probiótico deriva do grego e significa “pró-vida”. São microrganismos vivos naturalmente encontrados no intestino e que trazem benefícios ao organismo, como por exemplo a proteção contra agentes infecciosos, prevenção de doenças e a preservação da flora intestinal.A má alimentação, problemas intestinais, uso crônico de antibióticos e laxantes podem prejudicar a flora intestinal reduzindo consideravelmente o número de bactérias probióticas no intestino. Nestes casos a suplementação e a inserção de alimentos ricos em probióticos na dieta se tornam necessárias. Saiba o que são, onde são encontrados e como incluir em sua alimentação os alimentos probióticos.

Probióticos são microorganismos vivos que podem conferir um benefício à saúde do hospedeiro. A Organização Mundial de Saúde define probióticos como “organismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem benefício à saúde do hospedeiro” (FAO/WHO, 2001).Os probióticos são bactérias benéficas que melhoram a saúde do intestino facilitando a digestão e a absorção de nutrientes.Assim, o consumo regular de alimentos probióticos ajuda o funcionamento intestinal e ainda fortalece o sistema imune, ajudando a prevenir doenças, como gripes e resfriados.

Os probióticos estudados e utilizados em humanos são bactérias láticas (Lactobacillus, Bifidobacterium, Streptococcus e Enterococcus) e leveduras (Saccharomyces boulardii), encontrados normalmente nos leites fermentados, iogurtes e coalhadas”; É importante lembrar que por serem derivados de leite, esses alimentos, e também os industrializados, contém altas concentrações de gordura e aditivos como hormônios e antibióticos, sem contar os corantes, espessantes e outras químics nocivas ao organismo, sendo assim, sugere-se optar pos alimentos com contrações reduzidas de gordura e açúcar, para evitar o desequilíbrio do peso.

Além disso, atualmente existem no mercado comprimidos, cápsulas e sachês(pode mandar manipular em uma farmácia de confiança) que contêm a bactéria na forma liofilizada, que não necessitam de refrigeração para se manter vivas ao contrário das bactérias encontradas nos leites fermentados ou iogurtes que podem ser perdidas se não estiverem sob refrigeração.

A diferença dos PREBIÓTICOS E PROBIÓTICOS

PREBIÓTICOS, são fibras alimentares, solúveis, resistentes às enzimas digestivas do nosso organismo, ou seja, não são digeridos nem absorvidos pelo corpo, mas então para que servem? Auxiliam a formação de bolo fecal, melhoram o trânsito intestinal, diminuem triglicérides sanguíneos, regulam também a glicemia e participam da formação de bifidobactérias no intestino, melhorando a imunidade dos indivíduos pois reforçam a flora bacteriana intestinal.

PROBIÓTICOS, são microorganismos vivos que agem principalmente no intestino. Ajudam a reforçar o desenvolvimento de bactérias saudáveis, aumentado a resistência imunológica conta agentes estranhos que possam vir a debilitar as pessoas. Em alguns produtos ou suplementos alimentares o consumidor poderá encontrar a composição de pré e probióticos associados em um só produto, essa sinergia é chamada de SIMBIÓTICO.

Quando os Probióticos devem ser tomados? Antes, durante ou após as refeições?

Embora os alimentos possam ser os melhores veículos para os probióticos do que os suplementos (fibras dietéticas adicionadas à dosagem da cápsula), se não optar por ir com estes  suplementos, os probióticos devem ser tomados antes, durante ou após as refeições?Quando se trata de suplementos probióticos vendidos em cápsulas a literatura comercial é muitas vezes confusa, em que, por vezes, o consumidor é orientado a tomar as refeições com os probióticos, outras vezes, antes ou após as refeições e ocasionalmente, com o estômago vazio. Isto levou a uma confusão grave  para o consumidor. Para ser capaz de medir as concentrações dos probióticos, minuto a minuto durante todo o processo, os pesquisadores tiveram que construir um falso trato digestivo, com o estômago e intestinos, mas completo com saliva real e enzimas digestivas, ácido, bile, etc. Avaliando a sobrevivência de três tipos diferentes de probióticos, antes, durante e após as refeições  e separadamente fazendo uso da aveia e leite, leite sozinho, sumo de maçã, sucos ou água. O que eles acharam?

Conclusão: a sobrevivência das bactérias probióticas foi melhor quando fornecido dentro de 30 minutos antes ou simultaneamente com uma refeição ou uma bebida que continha algum teor de gordura.

Fonte: http://nutritionfacts.org/video/should-probiotics-be-taken-before-during-or-after-meals/

O que são “Lactobacilos Vivos” e pra que servem?

São bactérias dentro do nosso corpo nem sempre são sinal de doença. Muito pelo contrário: cada milímetro quadrado de um intestino saudável deve ter cerca de 10 bilhões de microorganismos vivendo nele para funcionar corretamente. Essa é a chamada flora intestinal, que, em muitos casos, têm seu número reduzido, seja por alguma enfermidade,má alimentação, alimentação industrializada ou seja pelo uso de antibióticos/remédios. Isso não apenas dificulta a digestão, como torna o aparelho digestivo vulnerável ao ataque de microorganismos nocivos.É aí que entram os tais lactobacilos, para ajudar a combater essa carência da flora intestinal. As bactérias do gênero lactobacillus não são as mais numerosas, mas têm uma grande vantagem: podem ser ingeridas e ainda chegar vivas ao intestino, atravessando sem problemas o estômago, ambiente ácido onde a maioria dos microorganismos não sobrevive. Uma vez no intestino, esses seres se reproduzem com grande rapidez e ainda criam um ambiente propício para que outras bactérias benignas possam se estabelecer ali. Como se não bastasse, eles produzem um muco que protege as vilosidades (pequenas dobraduras) intestinais e também sintetizam parte das vitaminas do complexo B de que necessitamos.

Os produtos comercializados(cuidado com a procedência,leia os rótulos atentamente ,mas prefira os orgânicos) que contêm lactobacilos vivos são o iogurte e os chamados probióticos: alimentos especialmente destinados a ajudar nosso sistema digestivo pela introdução de microorganismos.

Tome cuidado com produtos industrializados do tipo-Yogurte Grego,outros tipos que dizem possuir probióticos, mas contém quantidades ínfimas e muitos outros aditivos perigosos- A vantagem dos produtos probióticos orgânicos e sem aditivos é que eles usam organismos genéticamente selecionados, que comprovadamente chegam vivos ao intestino em quase 100%, enquanto os lactobacilos do iogurte sobrevivem em escala bem menor

Pergunta: Como posso conseguir lactobacilos vivos para criar?

É possível encontrar uma planta chamada “Kefir” em lojas de produtos naturais. Aí existe uma receita específica para cultivá-lo tendo sempre em casa o Iogurte natural-de procedência orgânica- rico em lactobacilos para consumo.

Receita de bebida probiótica caseira 

É muito simples, tudo não passa de uma simples multiplicação de lactobacilos, veja só: Leve o leite de boa procedência ao fogo e após começar a ferver, conte 10 segundos e desligue o fogo. Deixe esfriar na própria panela em que ferveu e monitore a temperatura com um termômetro. Quando estiver em aproximadamente 37 graus, adicione o copinho de um probiótico natural-base original e mexa um pouco. Cubra com um pano e deixe repousar por um dia. Depois desse tempo, coloque na geladeira.

Indicação: 1  probiótico como esse por dia é indicado para qualquer pessoa para proteger a flora intestinal, melhorar a imunidade e, principalmente, beneficiar o funcionamento do intestino. Quanto mais lactobacilos melhor!

LISTA DE ALIMENTOS COM PROBIÓTICOS-(Nota-Deve-se atentar para a procedência do produto e a maneira como é feita-Todos os industrializados são feitos fora das regras do alimento natural e sem conservantes-DÊ PREFERÊNCIA AOS FERMENTADOS-apesar de estarmos informando sobre o assunto,não aconselhamos o consumo dos produtos que tem leite de vaca comercial em sua composição-se optar por consumir,utilize sempre com moderação-USE LEITE DE CÔCO PARA FAZER O YOGURT FERMENTADO E O KEFIR-)

1. Iogurte: No iogurte o açúcar é transformado em ácido láctico através da fermentação bacteriana. Seu consumo é muito recomendado devido às propriedades nutricionais que possui e aos fermentos lácteos presentes na composição.(cuidado com a procedência do leite-os leites industrializados geralmente não “talham” devido ao formol e outros aditivos que contém para sua conservação)

2. Leite Fermentado: Alimento obtido através da fermentação láctea por fermentos próprios. Na sua produção, ocorre uma diminuição do pH do leite. É considerado um alimento funcional e contém probióticos em quantidade considerável.

3. Queijo: Alimento feito a partir da coagulação do leite através de culturas bacterianas que transformam os açúcares do leite em ácido láctico, assim como ocorre no iogurte. Além de ser rico em probióticos, o queijo é um bom complemento alimentar, rico em proteína, cálcio e fósforo.(a procedência do leite com que é feito o queijo é fator determinante para a qualidade do produto)

 

4. Coalhada: Coalhada ou leite coalhado é a parte sólida, resultante da coagulação do leite. Contribui para o equilíbrio da flora intestinal promovendo a sua regularidade. É muito rica em probióticos.

 

5. Chucrute: O chucrute é uma conserva de repolho fermentado. Além de ser fonte de vitamina C também tem grande quantidade de probióticos. A receita mais tradicional de preparação é a que utiliza apenas repolho, água e sal.(este é para os veganos e para os que se abstém de leite e derivados-o melhor)

 

6. Missô: Missô é um ingrediente tradicional da culinária japonesa feito a partir da fermentação do arroz, cevada e soja com sal. O resultado é uma pasta usada principalmente para fazer a sopa de missô. Devido ao processo de fermentação também é rico em probióticos.(outra opção bem saudável)

 

7. Molho shoyu: O molho shoyu é fabricado a partir de uma mistura de grãos de soja fermentados por microrganismos. Pode ser utilizado para temperar saladas e na preparação de alguns pratos.(CUIDADO COM O EXCESSO DE SAL E A SOJA PODE SER TRANSGÊNICA-FIQUE ATENTO)

8. Kefir: Diferentemente do iogurte que é fermentado apenas por lactobacilos, o kefir é fermentado por trinta e sete tipos diferentes de microorganismos em sua colônia, incluindo as leveduras o que garante um alimento rico em probióticos.(kefir é uma espécie de leite fermentando
O MAIS RECOMENDADO DE TODOS)

9. Cápsulas Probióticas: Hoje estão disponíveis no mercado uma série de complexos ricos em bactérias probióticas. São indicados para quem tem dificuldades em inserir na alimentação os alimentos lácteos. Um ponto positivo é que as cápsulas não precisam de refrigeração. O consumo deve ser feito sob orientação médica.(ALTAMENTE RECOMENDADO)

10. Probióticos solúveis: Assim como as cápsulas, os probióticos solúveis também têm se tornado populares. O preparo se dá como os sucos instantâneos, basta misturar o conteúdo do sachê em 200ml de água. Prometem suprir a necessidade diária de probióticos do organismo.(CUIDADO COM ENGANAÇÕES E SUPOSTAS QUANTIDADES DE PROBIÓTICOS, QUE NO FINAL, SÃO IRRISÓRIAS E VOCE ACABA INGERINDO MAIS PRODUTOS QUIMICOS)

Pão: Os pães fermentados são feitos com ingredientes naturais e embalados para dar-lhes fermentação e sabor. Muitos pães artesanais são fermentados,então pergunte sempre pela maneira como é feito se você estiver interessado. Nota-Todas as leveduras são desativados por cozimento.

Chocolate: grãos de cacau inteiros são fermentados antes de ser transformado em chocolate. O processo remove alguns taninos amargos e adiciona complexidade ao chocolate acabado. Quando o cacau é cozido,  não há culturas ativas .

Iogurte de leite vegetal;  é semeado com uma cultura bacteriana e deixado para fermentar, em seguida, resfriado para retardar as bactérias vivas (probióticos). É amplamente disponível como o  Kefir .

Kombucha: A bebida carbonatada feita a partir de chá que vem em muitos sabores, que podem ser tomados sózinho ou misturado com sucos em cocktails, molhos .

Kraut:  é feito simplesmente  de  repolho salgado picado; existe um tempo de espera para as lactobactérias  fazerem seu trabalho. Existem muitas versões de couve fermentada, originários de países em todo o mundo, com vários vegetais e condimentos adicionados. Você pode achar kimchi coreano em casas de produtos importados ou asiáticos, tsukemono japonesa e repolho salgado chinês (span ka) são encontrados também nos mercados asiáticos e restaurantes.

Missô: Esta é uma pasta salgada feita a partir de soja  fermentada e outros grãos e cereais. Tem algumas culturas ativas; molho de soja e molho de peixe fermentado são pasteurizados para matar as bactérias. Todos os três estão disponíveis em muitos supermercados,  cooperativas e mercados asiáticos.

Oliveiras: O estilo grego da preservação de oliva é  fermentar as azeitonas em sal;azeitonas curadas  são fermentadas em óleo. Outros estilos não são fermentados e, geralmente, são processados com soda cáustica. Procure azeitonas fermentadas á  frio em casas especializadas.

Pickles:  a maioria são simplesmente cozidos em um banho de vinagre. Observe o rótulo se são fermentados;se são, vale a pena  por sua textura crocante e sabor extra.

Tempeh: Este é um alimento fermentado, geralmente feito com soja, muitas vezes com outros grãos e cereais misturados;a fermentação faz com que seja de mais fácil digestão e dá-lhe uma textura parecida com a carne.;experimente marinado e cozido , adicionado a sanduíches ou saladas.

Na medicina, os probióticos são usados na prevenção e tratamento de doenças;vários estudos relatam os benefícios atribuídos aos probióticos na preservação da integridade intestinal e atenuação dos efeitos de doenças intestinais, como diarréia e doença intestinal inflamatória. “Há ainda evidências de que os probióticos estimulem a resposta imunológica, na modulação de reações alérgicas, na melhoria da saúde urogenital de mulheres e nos níveis sanguíneos de lipídeos”

A síntese de vitaminas do complexo B, absorção de cálcio, como imunomoduladores, a inibição da carcinogênese (tumores), a redução das concentrações de colesterol, e aumento da tolerância e digestibilidade da lactose também são alguns benefícios .

NOTA IMPORTANTE-Apesar dos muitos benefícios para a manutenção da saúde, o consumo de probióticos deve estar associado a hábitos de vida saudáveis. Converse com seu nutricionista ou médico antes de fazer qualquer alteração na sua alimentação. Siga uma dieta equilibrada e pratique exercícios físicos regularmente.

Para que servem os probióticos

Os principais benefícios dos probióticos incluem:

  • Combater doenças intestinais, como colite, síndrome do intestino irritável, doença de Chron e inflamação intestinal;
  • Combater a candidíase, hemorroidas e infecção urinária.
  • Melhorar a digestão e diminuir a azia;
  • Aumentar a absorção de alguns nutrientes, como vitamina B ou metionina;
  • Aumentar a produção de macrófagos, que são células de defesa do organismo;

AVISO IMPORTANTE-Emboras os benefícios dos probióticos para a saúde sejam amplos é importante consultar um nutricionista ou clínico geral antes de iniciar a ingestão de cápsulas de probióticos, por exemplo.

Veja outras dicas para melhorar o funcionamento intestinal:

  • Iogurte caseiro para combater a prisão de ventre
  • Remédio caseiro para intestino preso
  • Sucos laxantes para soltar o intestino
  • Veja 8 alimentos ricos em probióticos que ajudam a emagrecer

    Probióticos são micro-organismos vivos que atuam como fermentadores. Quando ingeridos na forma de alguns alimentos, proporcionam efeitos benéficos à saúde.
    Segundo Karla Leal, nutricionista da PronoKal Brasil, “os probióticos preservam a flora intestinal como um todo, aumentando o número de bactérias benéficas e diminuindo a população dos micro-organismos patogênicos que podem causar doenças”.A ação dos probióticos no intestino também aumenta a absorção de nutrientes e pode até mesmo melhorar o humor;Cerca de 90% da serotonina, o hormônio regulador do humor, é produzida no intestino. Por isso, se ele estiver desequilibrado, pode levar a depressão, por exemplo.

    Fabricação

    Alguns alimentos lácteos fermentados contêm probióticos por terem sido enriquecidos com os micro-organismos em seu processo de fabricação. Daí a importância de sempre consultar os rótulos antes de consumir o alimento; a temperatura de transporte e armazenamento dos produtos é fundamental para garantir o efeito probiótico deles. Devido a estes fatores, a garantia de ingestão adequada destes micro-organismos pode ser bastante prejudicada.Diante destas limitações,  os probióticos também podem ser consumidos na forma de suplementos, como cápsulas e em pó.

    Alimentos probióticos fazem bem mais do que regular o seu intestino

    Eles fortalecem o seu sistema imune e até diminuem a formação de gases

    alimentos probióticos são aqueles que apresentam bactérias vantajosas ao organismo, como as encontradas em iogurtes e leite fermentado . Entre os exemplos mais comuns, a especialista cita os microorganismos chamados Lactobacillus, Streptococcus e Bifidobactérias.

    Listando os benefícios oferecidos por tais alimentos,  destaca-se a atuação deles no nosso intestino. As bactérias presentes nos probióticos são resistentes às enzimas digestórias, chegando intactas ao intestino. Isso afeta o consumidor de forma positiva por inúmeros e variados processos .Ela explica que o trato gastrointestinal possui mais de 400 tipos de espécies de bactérias. Quando essas bactérias são ingeridas pela alimentação, contribuímos para o aumento da microflora intestinal, intensificando suas ações .Mais uma boa notícia é que as vantagens dos alimentos probióticos não ficam apenas ao redor do bom funcionamento do intestino; esses alimentos aumentam o valor nutritivo e terapêutico dos demais alimentos, já que promovem uma melhora na absorção de vitaminas e minerais. Além disso, por meio de uma maior produção de células protetoras, os probióticos ainda fortalecem o sistema imunológico;os probióticos também entram em cena no tratamento de pessoas com intolerância à lactose (açúcar do leite). Os microorganismos hidrolisam a lactose e, com isso, diminuem a formação de gases, edema e agressão à mucosa intestinal .

    Não desperdice os benefícios

  • Para desfrutar de todas as vantagens dos probióticos, é aconselhado  que eles sejam incluídos no menu diáriamente. Isso garante que seus efeitos sejam contínuos. Para adultos, a dose recomendada é de 5 bilhões de unidades formadoras de colônias, durante, pelo menos, cinco dias. Na prática, a quantidade recomendada corresponde à ingestão diária de dois a três iogurtes com culturas probióticas ; a concentração de probióticos é bem variada, conforme o produto. Não há padrões de identidade dos níveis das bactérias no iogurte e outros produtos lácteos.

    Mais um aspecto importante na hora de esbanjar os benefícios desses alimentos diz respeito a todo o seu cardápio. Se você não seguir uma alimentação balanceada, a ação dos microorganismos será diminuída e os resultados dependem de um conjunto de fatores. De nada adianta seguir uma dieta com baixo consumo de fibras e ingerir uma grande quantidade de leite fermentado para que o trânsito intestinal melhore .

    O estilo de vida de um indivíduo (alimentação ou tipo de roupas) bem como a idade, sexo e local de vida podem influenciar a variabilidade dos microorganismos presentes. De fato, um bebê quando está no útero de sua mãe encontra-se em ambiente estéril e durante o parto a pele do recém nascido é colonizada pelos microrganismos presentes no canal vaginal ou da pele da mãe (no caso de cesariana). Já na puberdade, o microbioma da pele pode ser amplamente alterado pelo aumento de bactérias lipofílicas, que se proliferam graças à maior produção de sebo na superfície da pele, causada pela alteração dos hormônios sexuais característicos dessa fase.

    O uso de antibióticos, e outros fatores, também causam alteração da microbiota. Agentes de uso contínuo como sabões, cremes, produtos de higiene pessoal e cosméticos também possuem uma grande responsabilidade na alteração dessa microbiota. No entanto, até o momento, nenhum estudo verificou a mudança desse ecossistema na presença de doenças em detalhes moleculares.

    Nos Estados Unidos, em 2007, o NIH (National  Institutes of Health) iniciou um projeto denominado HumanMicrobiomeProject (Projeto do Microbioma Humano), com investimentos de aproximadamente $140 milhões de dólares por 5 anos, que tem como objetivo caracterizar a microbiota de várias partes do corpo humano, como fossas nasais, cavidades orais, pele, trato gastrointestinal e urogenitais e investigar a sua relação com a saúde humana.

    Este tipo de iniciativa, e a utilização de técnicas moleculares modernas e análise por metagenômica podem ser de grande utilidade para o desenvolvimento de novos produtos e medicamentos, que podem auxiliar na cura de doenças bem como na melhoria da qualidade de vida e bem estar dos seres humanos. Talvez, em alguns anos, tenhamos produtos cosméticos desenhados não apenas para certos tipos de pele, mas também planejados para favorecer microorganismos simbiontes, da mesma forma que consumimos alimentos probióticos atualmente.

    • Probióticos para pele

    • Além da função protetora, a pele, o maior órgão do corpo humano pode ser considerada como um ecossistema complexo, composto por uma vasta diversidade de microorganismos distribuídos entre os diferentes nichos que a compõe. Esses organismos podem ser bactérias, fungos, vírus e ácaros simbiontes, que podem ajudar a nos proteger contra organismos patogênicos. E, como em qualquer outro o ecossistema, o desequilíbrio pode levar ao aparecimento de doenças e infecções.

  • Ingestão de bactérias “boas” do intestino diminui inflamação que deflagra tumores, diz estudo

    Ação anti-inflamatória de bactérias retardou o surgimento de câncer em ratos; combate a mecanismo inflamatório é uma das apostas da ciência para conter doença

    O papel da flora intestinal em algumas doenças tem sido objeto de estudo da ciência com resultados interessantes. Pesquisas recentes mostraram que um desequilíbrio desses micro-organismos contribui para um risco aumentado para obesidade e diabetes tipo 2. Também na esteira desses achados, um outro estudo integra-se ao corpo de evidências dos benefícios desses seres habitantes do intestino. Análises em ratos mostraram que algumas têm potencial para a prevenção de tumores malignos. A pesquisa, publicada no periódico Plos One  e feita na Universidade da Califórnia em Los Angeles (UCLA), nos Estados Unidos, mostrou que o poder anti-inflamatório de parte desses organismos pode ajudar a prevenir alguns tipos de câncer. O achado da equipe do pesquisador Robert Schiestl não vem do nada e é corroborado pela relação entre a inflamação e o câncer, há muito tempo discutido na literatura médica.

    Os cientistas já sabem, por exemplo, que os tumores podem surgir de mecanismos como infecções e irritação crônica –e a inflamação tem um papel importante nesse processo. Ela é uma resposta do sistema imune à infecção e media a regeneração do tecido doente. Em alguns casos, entretanto, essa resposta inflamatória sai do controle e não cessa depois de “consertar” o estrago. O fenômeno, assim, possibilita o crescimento de células estranhas ao corpo, os tumores.

    A inflamação é um mecanismo importante para entender surgimento de tumores e estudo sugere que probióticos podem contê-la. Foto: Ingimage

    A inflamação é um mecanismo importante para entender surgimento de tumores e estudo sugere que probióticos podem contê-la. No intestino, há dois tipos de bactérias: as que possuem propriedades anti-inflamatórias e as que contribuem para a inflamação. O corpo humano possui aproximadamente 10 trilhões de células de bactérias. Para se ter uma ideia do volume, o número é dez vezes maior ao montante de células humanas que, somadas, chegam a somente 1 trilhão.


    Como foi a pesquisa

    Para avaliar se as bactérias com propriedades anti-inflamatórias seriam capazes de prevenir o surgimento de tumores, os cientistas isolaram a Lactobacillus johnsonii 456, a mais abundante das bactérias benéficas e utilizada também fora da medicina para fazer kefir, iogurte e chucrute, por exemplo.Depois, os pesquisadores usaram ratos que tinham mutações em um gene chamado ATM, o que os tornava suscetível a um distúrbio neurológico chamado Ataxia Telangiectasia. O distúrbio, que afeta 1 em cada 100.000 pessoas, está associado a uma elevada incidência de leucemia, linfomas e outros cânceres e possui sintomas diversos, como dificuldade de locomação, de fala e deficiência imunológica. Os ratos foram divididos em dois grupos -um que recebeu apenas bactérias anti-inflamatórias e outro que recebeu uma mistura de ambas (inflamatórias e anti-inflamatórias, configuração natural do intestino).

    Entre outros resultados, os ratos que receberam as bactérias anti-inflamatórias demoraram mais para desenvolver o linfoma, mesmo sendo portadores do gene mutante que predispõe à condição. Também essas cobaias viveram quatro vezes mais e registraram menos dano ao DNA e inflamação.

    A redução da inflamação é uma meta importante porque, além do câncer, a condição desempenha um papel chave em muitas doenças, incluindo neurodegenerativas, doenças do coração, artrite e lúpus.

    Estudo foi comandado pelo pesquisador Robert Schiestl, da Universidade da Califórnia em Los Angeles (EUA). Foto: UCLA

    Estudo foi comandado pelo pesquisador Robert Schiestl, da Universidade da Califórnia em Los Angeles (EUA). Foto: UCLA

    Pesquisa anterior da UCLA já tinha apresentado a primeira evidência de uma relação entre a microbiota intestinal e o aparecimento de linfoma, um câncer que se origina no sistema imunológico. O novo estudo explica como essa microbiota poderia retardar o aparecimento de câncer, e sugere que os suplementos probióticos podem ajudar na prevenção.

    “Juntos, estes resultados dão credibilidade à noção de que a manipulação de composição microbiana poderia ser usado como uma estratégia eficaz para prevenir ou aliviar suscetibilidade ao câncer”, escrevem os pesquisadores.

  • Visão pessoal….
  • Os laticínios como leites fermentados e Yogurtes são as principais fontes de probióticos, e por serem derivados do próprio leite, explicamos que nesse caso, quando o fermentamos, o Ph do leite se modifica e as bactérias probióticas conseguem digerir parcialmente as enzimas da lactose, o que é um pouco menos maléfico para o nosso sistema, já que estamos tratando de leite. Esses probióticos que estão nos já tão conhecidos leites fermentados com “lactobacillus vivos”, ajudam muito na digestão, mas é necessário ler o rótulo desses produtos para se certificar sobre a presença dos probióticos! A dose “ideal” das bactérias adequadas para aumentar a quantidade de bactérias benéficas para o organismo é inatingível por meio desses produtos, e por isso mesmo o consumo de probióticos deve ser feito diáriamente e com muito cuidado e análise do que estamos ingerindo.Além desses, produtos derivados da soja (mas atenção: soja fermentada, não aquela transgênica produzida pela indústria e presente nos alimentos industrializados, essa soja fermentada inclusive é muito benéfica e deve ser consumida como alternativa, conhecemos ela como tofu) têm se revelado boas fontes de probióticos, assim como outros têm sido estudados, pois estão revelando o mesmo benefício, como  extratos de sementes vegetais ;  Entretanto, é importante destacar que é bom balancear o consumo desses alimentos, que são mais disponíveis e de fácil acesso. Conter probióticos pode prevenir uma doença, mas alguns desses alimentos podem não prevenir outras. Por isso a importância de um acompanhamento nutricional. Os leites fermentados fontes de probióticos podem ser ingeridos diariamente, mas é  aconselhável a escolha de outras fontes de probióticos, uma vez que sabemos todos os malefícios do leite (mesmo que o fermentado reduza um pouco-veja post sobre os perigos do leite), então procurem se aliar à soja e outro tão benéfico quanto, chamado de Kefir, que também é um probiótico produzido através da fermentação do leite e possui bactérias que os iogurtes não contém, como o Lactobacillus caucasus, leuconostoc e espécies de acetobacter e streptococcus, além de algumas leveduras benéficas que dominam, controlam e eliminam as leveduras prejudiciais presentes no organismo.Os benefícios do Kefir (que pode ser feito a partir de qualquer tipo de leite-Côco, amêndoa,arroz,cânhamo-se for de origem  animal prefira o de búfala ou cabra,menos comprometidos industrialmente com aditivos) são inúmeros: ele incrementa o valor biológico das proteínas do leite, uma vez que as suas próprias são parcialmente digeridas, e assim, mais facilmente utilizadas pelo organismo. O triptofano, um dos aminoácidos essenciais e muito presente no Kefir, atua benéficamente no sistema nervoso. Além disso, ele é capaz de sintetizar o ácido láctico, que diminui a intolerância a lactose e favorece a digestão do leite, mesmo para pessoas que sejam sensíveis a ele. O kefir também sintetiza vitaminas do complexo B, ativa o sistema imunológico, equilibra a flora intestinal e a regula, além de ter um efeito de “limpeza” no corpo todo, diminuir o risco de contrair câncer (principalmente o de cólon) e reduzir o LDL (colesterol ruim).Utilize o leite de côco, amêndoas, arroz ou proteína isolada de soja para fazer seus yogurtes fermentados evitando o consumo de leite de vaca.Veja nos posts relacionados o post sobre os perigos do leite.

Inspiração….

  • Grice EA and Segre JA. The skin microbiome. Nature Reviews Microbiology 9, 244-253 (2011).Grice EA et al. Topographical and temporal diversity of the human skin microbiome. Science 324, 1190–1192 (2009).

“Chemopreventive Metabolites Are Correlated with a Change in Intestinal Microbiota Measured in A-T Mice and Decreased Carcinogenesis.” Disponível em: http://journals.plos.org/plosone/article?id=10.1371/journal.pone.0151190

Monicavox

Recomendo….

Anúncios

GLÂNDULA TIMO; A CHAVE DA IMUNIDADE E DA ENERGIA VITAL

No meio do peito, bem atrás do osso onde a gente toca quando diz “eu”, fica uma pequena glândula chamada timo.Seu nome em grego, thýmos, significa energia vital. O Timo continua sendo um ilustre desconhecido. Ele cresce quando estamos contentes, encolhe pela metade quando estressamos e mais ainda quando adoecemos.Essa característica iludiu durante muito tempo a medicina, que só o conhecia através de autópsias e sempre o encontrava encolhido.Supunha-se que atrofiava e parava de trabalhar na adolescência, tanto que durante décadas os médicos americanos bombardeavam Timos adultos perfeitamente saudáveis com megadoses de raios X achando que seu “tamanho anormal” poderiam causar problemas.

Mais tarde a ciência demonstrou que, mesmo encolhendo após a infância, continua totalmente ativo; é um dos pilares do sistema imunológico, junto com as glândulas adrenais e a espinha dorsal, e está diretamente ligado aos sentidos, à consciência e à linguagem. Como uma central telefônica por onde passam todas as ligações, faz conexões para fora e para dentro.Se somos invadidos por micróbios ou toxinas, reage produzindo células de defesa na mesma hora.O detalhe curioso é que o Timo fica encostado no coração, que acaba ganhando todos os créditos em relação a sentimentos, emoções, decisões, jeito de falar, jeito de escutar, estado de espírito.

A ORIGEM DO TIMO DESDE A ANTIGUIDADE

Assim, a origem da palavra timo remonta à antiga Grécia, e, possívelmente, à civilização indo-européia. Na Grécia, a palavra thymos foi utilizada por Platão e seu mestre Sócrates, assim como por Homero. Há indicações de que, para os gregos, thymos significava a alma ativa, a alma perecível – diferente da psyché ou alma passiva e imortal. Essa alma ativa seria equivalente à razão, à consciência (“awareness”) e estaria associada à respiração (sopro, alma, palavra), ao coração (desejos e intenções) e ao fígado (emoções).

Em um determinado momento na Ilíada , Aquiles diz: “Levantando-se como fumaça no peito dos homens Agamemnon irritou-me, mas deixemos os grandes serem grandes e aquietemos o thymos no nosso peito”. Assim, thymos é metafóricamente interpretado como “levantar fumaça no peito”. Expressa o princípio da vitalidade e, portanto, no seu lado físico, a respiração. Como atestado por Homero, thymos é o ânimo ou o coração, a sede das paixões e da ira, mas também da coragem e do entusiasmo. Neste sentido, uma pessoa que tem thymos pode ser chamada de entusiasta, dotada da força passional de reagir prontamente. Em consequência,thymos não tem a ver unicamente com a tendência à ira ou à indignação, mas com uma disposição anímica para acender e reagir enérgicamente, com dignidade, coragem, autoestima e ardor espiritual. Como indicado por John Onians, thymos referia-se originalmente ao sopro, à respiração. Era a matéria da consciência, o espírito, a alma-sopro, da qual dependia a energia e coragem do homem. Mesmo na sua mais remota origem, thymos denota “levantar-se em chamas” como nuvem ou espírito, o que nos remete ao conceito de alma e energia vital.

CARACTERÍSTICAS DA GLÂNDULA TIMO

1-É muito sensível a imagens, cores, luzes, cheiros, sabores, gestos, toques, sons, palavras, pensamentos.

2-Amor e ódio o afetam profundamente.

3-Idéias negativas têm mais poder sobre ela do que vírus ou bactérias.

4-Em compensação, ideias positivas conseguem dele uma ativação geral em todos os poderes, lembrando “a fé que remove montanhas”.

A ANATOMIA DA GLÂNDULA TIMO

Na anatomia humana, o Timo é um órgão linfático que está localizado na porção antero-superior da cavidade torácica. Limita-se superiormente pela traquéia, a veia jugular interna e a artéria carótida comum, lateralmente pelos pulmões e inferior e posteriormente pelo coração. É vital contra a autoimunidade. Ao longo da vida, o Timo involui (diminui de tamanho) e é substituído por tecido adiposo nos idosos, o que acarreta na diminuição da produção de linfócitos T.

FISIOLOGIA

A glândula Timo é muito ativa quando o indivíduo é uma criança. Ela desempenha um papel crucial no desenvolvimento e na melhoria do sistema de sua imunidade .A principal função da glândula Timo é a produção de linfócitos ou células T (T de células T’ representa “derivada do Timo”).Em termos fisiológicos, o Timo elabora várias substâncias: timosina alfa, timopoetina, timulina e o fator tímico circulante. A timosina mantém e promove a maturação de linfócitos- T e órgãos linfóides como o baço e linfonodos. Existe ainda uma outra substância, a timulina, que exerce função na placa motora (junção dos nervos com os músculos) e, portanto, nos estímulos neurais e periféricos, sendo considerada grande responsável por uma doença muscular chamada miastenia grave. Além dos linfócitos-T, existem no organismo outros tipos de linfócitos que não são produzidos no Timo, como os linfócitos-B, envolvidos na produção dos anticorpos. No entanto, os linfócitos-T constituem os elementos centrais no funcionamento do sistema imunológico, e por este papel central, sua ausência (ou a ausência do Timo) frequentemente resulta na morte do indivíduo.

Clara expressão da importância dos linfócitos-T é o quadro da AIDS (síndrome da imunodeficiência adquirida), doença em que o vírus HIV determina a queda progressiva das defesas do organismo e a morte do indivíduo, ao destruir seletiva e gradualmente grande parte dos linfócitos-T. O Timo já está presente no nascimento, desempenhando um papel fundamental do fim da gestação à infância. Na adolescência, ele começa a regredir, de forma que no indivíduo idoso sobra apenas um pequeno resto atrofiado. No entanto, seu declínio na vida adulta não acarreta nenhum problema para o organismo, uma vez que o produto do Timo, os linfócitos-T, já foi exportado e distribuído por todo o corpo, onde poderá exercer sua importante função durante toda a vida do indivíduo. De forma metafórica, podemos dizer que, na vida adulta, o timo está distribuído por todo o organismo. A capacidade dos linfócitos e de outras células do sistema imune de atuar frente aos patógenos deriva da existência, em sua membrana celular, de receptores que reconhecem (enxergam) as estruturas (moléculas) dos diferentes micro-organismos. Esses receptores se encaixam perfeitamente nas moléculas dos patógenos(causador ou micro-organismo específico que provoca doenças), como se  tratasse de uma chave e uma fechadura.

O SISTEMA IMUNOLÓGICO E O TIMO

O sistema imune é composto por órgãos, células especializadas e moléculas solúveis que têm a finalidade de reconhecer os elementos estranhos ao organismo e elaborar uma reação, ou resposta imune específica, dirigida a esses antígenos (Antígeno é toda partícula ou molécula capaz de iniciar a produção de um anticorpo específico.
Os antígenos são substâncias que não são reconhecidas pelo sistema imunológico como próprio do corpo. Um antígeno pode ser uma bactéria ou um fragmento dela, um vírus ou até uma substância qualquer)
 com a finalidade de eliminá-los do organismo e preservar a saúde. Os mecanismos de proteção anti-infecciosa, vistos de uma maneira mais ampla, podem ser classificados em três grandes categorias:

a) barreiras naturais – representadas pela integridade da pele e das mucosas, pelos movimentos próprios das mucosas (movimento muco-ciliar do trato respiratório, movimento peristáltico do intestino), fluxos urinário, lacrimal, salivar, das secreções respiratórias e digestivas, ácidos graxos da pele, enzimas com atividade antimicrobiana, flora normal da pele, dos tratos digestivo e genital feminino, entre outras;

b) imunidade inata ou natural – está presente e é efetiva em todos os indivíduos normais mesmo sem exposição prévia ao antígeno; opera sobre os agentes infecciosos da mesma maneira a cada vez que o indivíduo é exposto.

 c) a resposta adaptativa ou imunidade específica— é ativada somente após o primeiro contato com um agente estranho ao organismo, quando então se desenvolve a memória imunológica. Esta possibilita identificar os elementos estranhos em contatos subsequentes, e distingui-los de componentes do próprio organismo; sequencialmente ocorre uma reação rápida e específica como resposta protetora. Desta forma, é a resposta imune adaptativa que detém os atributos da memória e da especificidade na reação. Os linfócitos T e B são responsáveis pelo reconhecimento e pelo desencadeamento das respostas imunes adaptativas. Estas células são derivadas de células-tronco da medula óssea, entretanto, os linfócitos T sofrem um processo de desenvolvimento no Timo,enquanto os linfócitos B se desenvolvem na própria medula óssea.

Perspectivas; O Timo é um órgão linfóide primário cuja função essencial é a maturação funcional dos linfócitos T e o estabelecimento da tolerância aos auto-antígenos. Os progressos em relação ao conhecimento das funções do Timo foram grandes, mas ainda permanecem desconhecidos. Estes esclarecimentos poderão facilitar a compreensão de questões centrais da Imunologia, como a tolerância e a autoimunidade, e abrirão perspectivas para a abordagem terapêutica dos pacientes com doenças autoimunes.

O CORAÇÃO QUE RESPIRA –O Papel da Glândula do Timo e da “Respiração através do Coração”.

A melhor maneira de trabalhar para tranquilizar e equilibrar o corpo é fazê-lo com a respiração e com a energia da glândula do Timo ou do “coração superior”. O Timo é o portal energético do Chacra do Coração, no qual a luz ou emissões energéticas são experimentadas essencialmente na forma de Amor Incondicional. O Chacra do Coração também é o chacra mestre dos pulmões, e o ato da respiração física ativa o Timo e o Chacra do Coração.O próprio chacra cardíaco, fonte energética de união e compaixão, tem mais a ver com o Timo do que com o coração- e é nesse chacra que, segundo os ensinamentos budistas, se dá a passagem do estágio animal para o estágio humano. Podemos  notar como quando estamos ansiosos , respiramos de uma maneira muito superficial, até mesmo retendo nossa respiração. Isso impede que o Chacra do Coração se abra, impedindo o equilíbrio a este nível. Quando estamos profundamente relaxados, como em meditação, respiramos profundamente e permitimos que a energia do Coração flua com suavidade, produzindo esta sensação de relaxamento e de profunda tranquilidade que caracteriza a meditação. Portanto, a maneira de acalmar o sistema bio-energético e de reequilibrar o corpo é a técnica chamada “Respirar através do Coração”. Quando respiramos profundamente e nos concentramos no Chacra do Coração, melhoramos a circulação no sistema, graças à energia de luz do Amor Incondicional. Isto por sua vez contrabalança o excesso de estimulação elétrica sobre a Pineal, proporcionando uma sensação de calma e de paz.

Quanto mais  aprendemos a respirar profundamente, tornando-nos um “respirador consciente”, mais ativaremos a função do Timo, que não só potencializa os sentimentos de Amor Incondicional, mas também representam um papel fundamental na saúde do corpo ao ajudar o sistema imunológico físico. Um Corpo Forte sustenta um Forte Sistema Endócrino Espiritual. Provávelmente a melhor maneira de ajudar as mudanças no nosso corpo é o exercício físico regular e uma boa dieta integral-vegetariana. Um corpo forte e saudável é um veículo muito melhor para as poderosas energias dos chacras do que um fraco e cansado. De fato, a não ser que aumentemos a nossa força física, seremos incapazes de suportar as demandas da Nova Energia que carregamos em nosso corpo,nesta época da Transição Planetária,porque o corpo cristalino da Nova Terra é um corpo forte e saudável. Está desenhado para se movimentar e estar ativo. Gosta do ar fresco e das atividades ao ar livre.

A RELAÇÃO DO SISTEMA IMUNOLÓGICO E O ESTILO DE VIDA

Muitos sintomas que possuímos no dia a dia podem estar relacionados ao funcionamento do sistema imunológico,consequentemente, ao Timo. Por isso são denominadas doenças oportunistas.

Exemplos de situações que podem levar ao estresse:

1-desprezo amoroso;2-dor e mágoa;3-luz forte;4-níveis fortes de som;5-doenças crônicas;morte,divórcios, separações,nascimentos;desemprego;6-dívidas,responsabilidades;falta de recursos materiais;7-conflito;decepção;relacionamento pessoal infeliz;estilo de vida (álcool,fumo,alimentação errada,falta de sono,cansaço);8-situações limites(catástrofes,guerras,abusos sexuais).

EXERCITANDO O TIMO PARA AUMENTAR A PRODUÇÃO DE BEM ESTAR E FELICIDADE 

Pela manhã, ao levantar, ou à noite, antes de dormir;

1- Fique de pé, os joelhos levemente dobrados. A distância entre os pés deve ser a mesma dos ombros. Ponha o peso do corpo sobre os dedos e não sobre o calcanhar, e mantenha toda a musculatura bem relaxada.

2- Feche qualquer uma das mãos e comece a dar pancadinhas contínuas com os nós dos dedos no centro do peito, marcando o ritmo assim: uma forte e duas fracas.

3-Continue entre três e cinco minutos, respirando calmamente, enquanto observa a vibração produzida em toda a região toráxica.

4-O exercício estará atraindo sangue e energia para o Timo, fazendo-o crescer em vitalidade e beneficiando também pulmões, coração, brônquios e garganta. Ou seja, enchendo o peito de algo que já era seu e só estava esperando um olhar de reconhecimento para se transformar em coragem, calma, nutrição emocional, abraço.

  ALIMENTAÇÃO QUE ESTIMULA O TIMO E O SISTEMA IMUNOLÓGICO

Uma dieta bem equilibrada, com nutrientes essenciais em boa quantidade, constitui a base da boa função imunológica do organismo e , consequentemente do Timo. De acordo com médicos e nutricionistas,a deficiência de nutrientes é a causa mais frequente de um sistema imunológico deprimido. Na verdade, a ausência de apenas um nutriente específico pode afetar significativamente a imunidade. Deficiência de vitamina A, por exemplo, pode resultar em baixa imunidade celular e taxa elevada de infecção, enquanto a carência de vitamina C pode diminuir a digestão e proteção celular; Falta de vitamina E pode reduzir a produção de anticorpos, enquanto a de vitamina B6 reduz a imunidade celular. Quando a vitamina B12 é insuficiente, a proliferação de linfócitos pode ser reduzida; se não houver zinco suficiente,não pode aumentar os níveis de hormônio tímico (Timosina),que ficam  reduzidos assim como de células T e B inferior. Se é falta de cobre,a resistência à infecção é deprimida. E a lista poderia ser muito mais extensa. Para minimizar o risco de deficiência de qualquer nutriente, consuma muitas sementes e alimentos integrais, incluindo frutas, vegetais, feijões, leguminosas, cereais integrais e nozes. Os superalimentos verdes, como spirulina, chlorella, grama de cevada e grama de trigo são carregados com nutrientes essenciais e antioxidantes que realçam a imunidade, além de melhorar vários outros aspectos da saúde.Vegetais coloridos, como folhas verde ­escuro; amarelo e laranja, como cenoura e inhame; e vermelho, cascas de tomate e pimentas, são ricos em carotenos — que, assim como outros antioxidantes, aumentam a função imunológica, protegendo o Timo contra danos.Como vimos acima, o Timo é a principal glândula do sistema imunológico, responsável por inúmeras funções desse sistema, incluindo a fabricação de linfócitos T e a secreção de hormônios que regulam várias funções- imuno. Quando os níveis desses hormônios estão baixos, a imunidade é suprimida. O Timo é muito propenso a danos oxidativos e de radicais livres ligados a estresse, infecções, drogas e radiação. Os carotenos não só protegem esta glândula, como estimulam também a função de certas células brancas do sangue e da proteína Interferon  — que combate vírus e bactérias.Quando se trata de função imune, a vitamina C é, sem dúvida, uma das mais importantes. E uma grande dose deste nutriente reside em alimentos como acerola, pimentão, melão, cítricos e abacaxi. O camu­camu, por exemplo, é um fruto da Amazônia com os maiores teores de vitamina C no mundo — trinta vezes a quantidade encontrada na laranja.O alho tem uma longa história de uso medicinal para combater infecções. Muitos estudos têm mostrado as propriedades antibacteriana, antiviral, antifúngico, anti-parasitário e mesmo anticancerosas de compostos encontrados no alho — também conhecido como “a penicilina russa”. Cebolas são parentes próximos do alho e têm muitos compostos antivirais semelhantes.

Cogumelos reishi, shitake e maitake contêm compostos que melhoram a função imunológica e aumentam a capacidade do organismo em combater doenças e infecções. De acordo com estudos, alguns até têm efeitos anticâncer.

Iogurte feito com grandes quantidades de bifidobacterium lactis,ajuda a aumentar o número de total de linfócitos T ativados. Também aumenta a capacidade das células do sistema imunológico em destruir invasores estranhos, bem como a capacidade das células de defesa para matar células tumorais. Outros alimentos que contenham probióticos também podem ajudar.

 

Visão pessoal….

O tempo todo estamos afetando o mundo e somos afetados pelos outros a nossa volta. Existe uma fronteira invisível entre o que nos é desconhecido e o que já é conhecido. A transição de um lado para o outro acontece em planos da percepção em que estamos agindo ou construindo ; de um modo geral, estamos inconscientes na ocasião da transição. As doenças, enquanto fenômenos naturais, são também criadas pela forma como nos conduzimos na relação que temos com as multidimensionalidades das energias que circulam entre o homem e a natureza. Somos seres extremamente sensíveis, plurais e abertos para o cosmos. Nesse contexto, todos os fenômenos nos afetam (direta ou indiretamente) sem que tenhamos sensibilidade para vermos as suas origens no nascimento deles.Então a nossa realidade nos guarda o maior mistério que é a essência ou qualidade dos fenômenos. O essencial é invisível porque não se mede quantitativamente. As doenças são visíveis pelos seus efeitos, o princípio delas parece desconhecido na sua origem, mas já sabemos que não é. Nesse sentido, precisamos adotar uma nova abordagem científica que seja compatível com o objeto ou fenômeno observado. Pois só vemos o que nos é compatível com o nosso nível de consciência. O comum é o centro da curva normal (na área da estatística), os extremos são incompreensíveis e invisíveis para o nosso olhar viciado.A ciência precisa alargar seus horizontes como já vem fazendo muito bem nos campos de conhecimento da genética, física quântica e a astrofísica. Mas, mesmo assim precisamos urgentemente de hipóteses metafísicas para descortinarmos um mundo de fenômenos sutis responsáveis por boa parte das doenças crônicas. Quando os cientistas decidirem testar a hipótese da causalidade descendente (do plano metafísico para o plano físico, ou do plano qualitativo para o plano quantitativo) daremos um passo gigantesco fenomenal para explicarmos uma série de doenças de origem ainda desconhecida. A ciência moderna ainda não sabe penetrar no mundo essencial qualitativo das energias sutis das emoções humanas…..mas a do futuro, saberá.

 

Inspiração…

1-Iniciação á Medicina Holística
Dr Márcio Bontempo
2-Medicina Holística
Dr Sérgio Teixeira
3-Timo-Meu médico Interior
Aurora C Kantor
4-Por dentro do Sistema Imunológico
Paulo Cunha
5-os 10 mandamentos do Sistema Imunológico
Elinor Levy
6-A Saúde do seu Coração
Thomas J. Moore
7-Dieta Detox
Jeanne Margareth
8-Anticâncer-Prevenir e vencer usando nossas defesas naturais
David Servan-Shreiber
9-The Secret Language of your Body
Inna Segal
10-Breath, Mind and Counsciousness
Harish Johari
Monicavox
Recomendo…

A Neurodinâmica da depressão

Em termos cerebrais, a depressão é um trabalho em equipe de 3 grandes módulos:
• Os elementos superiores: hemisférios esquerdo e direito, e o córtex
• Os elementos de base: o hipocampo e a amídala
• O intermediário: córtex cingulado anterior (CCA)

Módulo superior:

hemisfério esquerdo gosta do que é positivo, é mais analítico,  procura a ação e sabe falar, porque é uma sede importante da linguagem. Já o hemisfério direito tem uma queda natural para o que é negativo, apreende a realidade de uma forma mais global, e está muito envolvido nos comportamentos de recusas/não enfrentamento das coisas;.Num episódio depressivo, os dois hemisférios ficam em desequilíbrio: o lado direito fica mais ativo e o esquerdo retrai-se.Desta forma, as pessoas evitam o contato social (talvez mesmo por também terem dificuldades em explicar o que se passa com elas, porque a área da fala fica com menor capacidade) e evitam atividades que até teriam o potencial de as fazer gradualmente sentirem-se melhores. E ficam dominadas pelo negativo, sem grande capacidade para absorver o positivo, pela menor atividade do hemisfério esquerdo.

Módulo de base:

O hipocampo e a amígdala, duas pequeninas estruturas cerebrais, trabalham em conjunto. O hipocampo ajuda a criar novas memórias a partir da experiência, ajuda-nos a encontrar novos caminhos para o nosso destino, e dá-nos a localização espaço-temporal. A amígdala é o nosso botão de pânico cerebral, capaz de disparar os alarmes em frações de segundo, e é também a responsável por gravarmos aquelas primeiras impressões sobre os outros que são tão importantes para nos orientarmos socialmente, sabermos o que sentimos por eles, o que eles sentem por nós e, mesmo, descodificarmos as suas intenções em relação a nós.Quer o hipocampo, quer a amígdala diminuem de tamanho quando sujeitos a stress crónico, sempre presente numa depressão, o que debilita a sua atuação (não se preocupe; esse processo é revertido quando as situações de stress são levantadas). O hipocampo chega a ter uma redução de 10% a 20% de tamanho em pessoas que estejam crônicamente deprimidas.Quando estamos deprimidos, o hipocampo torna-se menos ativo, prendendo-nos na incapacidade de sairmos de um modo letárgico. Já a amígdala fica mais ativa, o que faz com que o medo e a ansiedade se tornem presentes em maiores doses, com a amígdala  enviando um fluxo contínuo de mensagens emocionais negativas para os elementos superiores, dizendo ao córtex que  devia  se preocupar

O intermediário:

Como um gestor intermédio, o CCA recebe e gere informações “de cima e de baixo”. Num episódio depressivo não temos medida, tentando criar algum equilíbrio interno, mas sem grande sucesso. Uma das coisas que faz habitualmente é monitorizar o nosso funcionamento, procurando erros e ativando-se quando encontra um. Quando se instala uma depressão, as memórias que nos surgem são apenas as negativas, porque a memória é um processo dependente do estado emocional – se estamos contentes, lembramo-nos de coisas boas, mas, se estamos tristes só nos conseguimos lembrar do que foi também triste. Por isso, o ACC encontra uma imensidade de coisas que correram mal e fica hiper-ativado.Além disso, como também tem um papel importante a selecionar e a codificar as experiências que passam ou não para a memória de longo prazo, quando fica muito ativado, e os seus parceiros de baixo estão de mãos cheias com o stress e literalmente a encolherem, torna-se-lhe mais difícil prestar atenção ao que de novo se passa na vida, ficando a braços apenas com as memórias difíceis, mesmo que na realidade (lá fora) se estejam a passar coisas boas. Ficamos com tudo o que foi amargo e surdos ao que é bom.

E agora?

Bem, em psicoterapia, com ajuda das intervenções eficazes – e há várias abordagens demonstradas como muito eficazes em depressão – são criadas as condições, com técnicas criteriosamente escolhidas, para quebrar o ciclo vicioso de negativismo e inacção que mantém o cérebro neste modo e que, de outra forma, nos prenderia numa espiral descendente de negativismo. Algumas situações requerem intervenção psicofarmacológica, de acordo com critérios que começam  estar objetivados, pelo que já é possível o profissional de saúde dizer com alguma certeza se deve “tomar comprimidos” ou não, em conjunto com a intervenção psicoterapêutica.O que é fundamental reter: a depressão é muito comum e é uma doença séria que exige tratamento, tão rápido quanto possível. O tratamento é eficaz e existem diversas intervenções capazes de conseguirem resultados e fazê-lo sair de um estado que degrada a qualidade total de vida.

“A depressão ainda é um dos maiores segredos do cérebro humano”

Neurocientista aponta que o problema não tem origem apenas psicológica, mas também orgânica

Mesmo com todos os avanços da ciência, um problema tão antigo quanto comum permanece sendo um dos maiores desafios da ciência: a depressão. Desvendar esse complexo mistério é um dos trabalhos de Gitte Moos Knudsen, neurologista dinamarquesa e pesquisadora-chefe da Unidade de Pesquisa em Neurobiologia do Hospital da Universidade de Copenhagen (Dinamarca). . Gitte alcançou destaque ao identificar padrões de atividade cerebral que apontam funcionamentos cognitivos relacionados à depressão. Veja o que mais ela fala sobre o assunto.

Quais são os principais desafios da neurociência hoje, e como os especialistas no assunto vem tentando superá-los?

Penso que o maior desafio é entender como o cérebro humano funciona. Quanto as questões clínicas, as doenças que mais incomodam são a depressão, a doença de Alzheimer e outros danos que afetam uma grande quantidade de pessoas. É importante entender que essas doenças chamadas mentais são, na verdade, cerebrais.

O cérebro humano ainda é um órgão misterioso, cheio de segredos?

O cérebro humano ainda esconde diversos segredos, e a razão para isso é o fato dele ser um órgão extremamente complexo. Entender seu funcionamento é mais complexo ainda. Nossos cérebros possuem bilhões de neurônios que atuam em conjunto de uma forma dinâmica para modular nossas respostas às demandas do ambiente. Também existem diversos neurotransmissores e hormônios. A interação ente o genoma e os fatores epigenéticos, que pode ser definida de maneira simplificada como a maneira pela qual o ambiente modela o nosso sistema nervoso, é uma questão extremamente complexa e desafiadora. Portanto, existem diversas questões ainda a serem descobertas, mas penso que já avançamos consideravelmente rumo ao entendimento de como o cérebro humano funciona.

Quais as principais ameaças que nós humanos oferecemos a nosso cérebros?

As maiores ameaças se relacionam às drogas e lesões traumáticas, mesmo aquelas aparentemente leves. Essa questão tem sido cada vez mais debatida. As lesões que os jogadores de futebol americano sofrem são um exemplo, mas existem diversos outros tipo de concussões e contusões repetidas que passam despercebidas. A adoção de um estilo de vida pouco saudável, o estresse crônico e a presença de doenças clínicas não tratadas, como a hipertensão e o diabetes, também constituem em ameaças relevantes. Estamos progressivamente mais conscientes desses riscos e necessitamos ensinar à população em geral como evitá-los.

E que drogas são as mais danosas ao sistema nervoso?

Essa é uma questão complexa, já que devemos considerar fatores como os efeitos agudos e crônicos das drogas e o quão difundida é sua utilização. Se analisarmos quais drogas causam dano a um número maior de pessoas, no topo dessa lista de efeitos estão o álcool e o hábito de fumar. Não apenas por seus efeitos diretos sobre o cérebro e o corpo, mas também por sua utilização amplamente difundida. As legislações não abordam os perigos potenciais e a toxicidade dessas chamadas “drogas lícitas”. Talvez seja a hora de repensarmos nossa posição sobre isso não apenas como indivíduos, mas também como sociedade.

A depressão é uma doença do cérebro? Não é apenas uma doença psicológica, mas também orgânica?

A depressão é uma doença cerebral, que pode ser tratada de diversas maneiras. O fato da psicoterapia ser uma dessas maneiras não significa que a depressão seja um fenômeno de origem psicológica. Essa forma equivocada de pensar leva algumas pessoas a considerar que poderia ser possível aos pacientes superar a doença apenas com a vontade de mudar, e esse definitivamente não é o caso. Essas pessoas possuem uma doença cerebral e simplesmente não podem fazê-la desaparecer.

Essa reação pode ser descrita como o surgimento de padrões de atividade cerebral relacionados a um predomínio, em termos de valorização, dos aspectos negativos das experiências derivadas da exposição ao ambiente. Isso leva a uma sobrevalorização das emoções negativas, que acabam por anular as emoções positivas. Dessa forma, uma visão negativa prevalece sobre a visão neutra ou positiva dos fatos. Esse é o problema cognitivo básico relacionado à depressão.

Os antidepressivos tem sido prescritos de maneira exagerada? Eles são ruins para o cérebro?

Estou convencida de que os antidepressivos podem ser prescritos de forma exagerada em certas circunstâncias, e esse fato talvez esteja relacionado ao surgimento de uma percepção negativa desses medicamentos em certos meios. Como qualquer tratamento médico, os antidepressivos devem ser utilizados de forma cautelosa, e somente quando prescritos por médicos qualificados. Da mesma forma, também estou certa de que esses medicamentos são um dos melhores recursos que podemos utilizar para ajudar as pessoas que sofrem de condições incapacitantes como a depressão e algumas outras doenças mentais.

A depressão é uma doença crônica, ou seja, uma vez alvo do problema, a chance dele voltar é sempre maior?

O estudo dos fatores de risco ao cérebro humano pode nos levar a identificar alguns dos mecanismos básicos da depressão. A análise desses fatores pode nos proporcionar uma compreensão da doença sem fatores geradores de confusão que possam enviesar nossa percepção. É o que acontece, por exemplo, quando observamos o cérebro de uma pessoa deprimida que possua graves problemas sentimentais associados à depressão. Nesses casos, a doença é também mais difícil de ser tratada. É verdade que a depressão é um problema que tem uma tendência a reaparecer ao longo da vida, mas eu não a classificaria como uma doença crônica. Episódios depressivos não são uma condição crônica, e talvez seja mais adequado considerar a depressão como uma doença caracterizada por exacerbações, cujas crises podem ser desencadeadas pela exposição a fatores ambientais, embora também ocorram na ausência de qualquer fator desencadeante identificado

Depressão destrói partes do cérebro, afirma estudo-

A depressão persistente é causadora de danos cerebrais ao invés de ser um fator predisponente para isso, concluíram pesquisadores após décadas de hipóteses não confirmadas.(Fonte-Ciência online)

Umestudo publicado  na revista Molecular Psychiatry provou de uma vez por todas que a depressão recorrente encolhe o hipocampo – uma região do cérebro responsável pela formação de novas memórias – levando a uma perda da função emocional e comportamental.O encolhimento do hipocampo tem sido associado à depressão, mas estudos anteriores não foram conclusivos. Amostras de pequenas dimensões, variando os tipos de níveis de depressão e de tratamento, assim como a variação nos métodos de recolha e interpretação dos resultados, em conjunto conduziram a resultados inconsistentes e muitas vezes conflitantes.

Agora, através de uma análise global e transversal de imagens cerebrais de 9.000 pessoas, os cientistas foram capazes de conclusivamente associar os danos cerebrais à depressão. O encolhimento do hipocampo surge naqueles em que a depressão começa cedo (antes da idade de 21), assim como em pessoas que têm episódios recorrentes de depressão.Os pesquisadores notaram que era essa persistência que produzia o dano. De fato, aqueles que têm apenas um episódio de depressão não têm um hipocampo menor, por isso o tamanho do hipocampo não é um fator predisponente, mas uma conseqüência do estado da doença. Isso coloca a ênfase na identificação precoce dos casos persistentes ou recorrentes mais graves.É importante ressaltar que, em sistemas de identificação precoces, os cientistas devem dar atenção áqueles em que a depressão persiste ou é recorrente, porque eles são os únicos que vão ser mais prejudicados do ponto de vista do dano cérebro.Os pesquisadores utilizaram dados de scans de ressonância magnética (MRI) do cérebro e dados clínicos de 1.728 pessoas com depressão major e 7.199 indivíduos saudáveis, combinando 15 conjuntos de dados da Europa, EUA e Austrália. As amostras foram obtidas a partir da base de dados de grupo Enigma – um consórcio internacional que investiga perturbações psiquiátricas.

Este estudo confirma – numa amostra muito grande – uma descoberta que tem sido relatado em algumas ocasiões. É interessante que nenhuma das outras áreas subcorticais do cérebro sofram um efeito tão nefasto de forma tão consistente. Por esse movito, também se confirma que o hipocampo é particularmente vulnerável à depressão.

O hipocampo faz parte do sistema límbico do cérebro, ou do que é conhecido como o seu centro emocional. O sistema também contém a amígdala, uma outra parte do cérebro que parece também ser afectada pela depressão, mas em menor escala. O hipocampo desempenha um papel importante na consolidação e formação de novas memórias.Ainda assim, e apesar dos resultados do estudo serem importantes, eles não são susceptíveis de afectar imediatamente o tratamento clínico dos pacientes com depressão. Tal não acontecerá do dia para a noite, mas a investigação não deixa de ter implicações para o desenvolvimento de melhores tratamentos para a depressão.Assim, os investigadores devem no futuro medir os volumes das regiões individuais dentro do hipocampo, que são responsáveis ​​por diferentes funções cognitivas. Ter uma melhor compreensão de como são as diferenças de volume regionais proporcionará uma maior capacidade para tirar conclusões que visem o tratamento.Os cientistas esperam agora confirmar os danos do hipocampo na depressão através de estudos empíricos dirigidos precisamente a verificar esse facto. É importante notar, contudo, que os efeitos da depressão sobre o cérebro são reversíveis com o tratamento certo para o indivíduo, até porque o hipocampo é uma das áreas mais importantes de regeneração do cérebro, concluem os pesquisadores.

ESTRESSE E DEPRESSÃO LIGADO ÁS EMOÇÕES-~pelo Dr Drauzio Varella

Na depressão, o existir é um fardo insuportável. “A tristeza é tanta que acordo pela manhã e não encontro razão para levantar; só saio da cama porque permanecer deitada pode ser pior”, queixou-se uma senhora depois do terceiro episódio da doença. “Na depressão, a vida fica por um triz”, observou ela.

Depressão é a tristeza quando não tem fim, quadro muito diferente do entristecer passageiro ligado aos fatos da vida. É uma doença potencialmente grave que interfere com o sono, com a vontade de comer, com a vida sexual, com o trabalho, e que está associada a altos índices de mortalidade por complicações clínicas ou suicídio .É a mais comum de todas as enfermidades psiquiátricas, acomete mais as mulheres e apresenta caráter recidivante: depois do primeiro episódio, a probabilidade de ocorrer outro é de 50%; depois do segundo, sobe para 75%; e, depois do terceiro, para pelo menos 90%.

Se é uma doença psiquiátrica, que alterações acontecem no cérebro das pessoas deprimidas?Há 40 anos a explicação mais aceita tem sido a de que no cérebro dos deprimidos haveria diminuição da produção de certos neurotransmissores (substâncias que agem na transmissão de sinais entre os neurônios), entre os quais a serotonina provávelmente exerceria papel preponderante.A idéia de que baixos níveis de serotonina em certas áreas do cérebro seriam a causa da depressão, foi reforçada pela demonstração de que o aparecimento de medicamentos capazes de aumentar as concentrações cerebrais desse neurotransmissor (das quais as mais populares são a fluoxetina e a sertralina)beneficiou grande número de pacientes.Nos últimos dez anos, no entanto, a hipótese dos níveis inadequados de serotonina passou a ser cada vez mais contestada. O principal argumento contrário a ela foi o de que, embora concentrações diminuídas desse neurotransmissor tenham sido detectadas no sistema nervoso central de vítimas de tentativas violentas de suicídio, nunca foi possível demonstrar deficiência de serotonina no cérebro de pacientes deprimidos.

Em edição especial, a revista “Science” traz uma discussão sobre o conjunto de idéias mais aceito atualmente para explicar a depressão: a hipótese do estresse.Segundo essa hipótese, em resposta aos estímulos agressivos do ambiente, o hipotálamo produz um hormônio (CRF) para convencer a hipófise a mandar ordem para as suprarrenais produzirem cortisol e outros derivados da cortisona.Diversos trabalhos experimentais mostraram que esses hormônios do estresse (CRF, cortisol e outros) prejudicam a saúde dos neurônios, porque modificam a composição química do meio em que essas células exercem suas funções.

A persistência do estresse altera de tal forma a arquitetura dos circuitos neuronais que chega a modificar a própria anatomia cerebral. Por exemplo, provoca redução das dimensões do hipocampo, estrutura envolvida na memória, e área fundamental para a ação das drogas antidepressivas.

Pesquisadores da Universidade de Emery, em Atlanta, demonstraram a existência de períodos críticos na infância em que sofrer violência física, abuso sexual, ausência de cuidados maternos e outros tipos de estresse emocional podem conduzir à hipersecreção de CFR no hipotálamo, com consequente liberação de cortisol pelas suprarrenais, alterações associadas à depressão na vida adulta. Os pesquisadores concluíram que “muitas das alterações neurobioquímicas encontradas na depressão do adulto podem ser explicadas pelo estresse ocorrido em fases precoces da infância”.De fato, no estudo clínico conduzido em Atlanta, 45% dos adultos com quadros depressivos de pelos menos dois anos de duração haviam sido abusados, negligenciados ou sofrido perda dos pais na infância.Outro achado importante para definir o papel dos hormônios do estresse foi a demonstração recente de que a injeção de CRF diretamente no cérebro de animais de laboratório induz o aparecimento de quadros típicos de depressão e de distúrbios de ansiedade, sugerindo que depressão e ansiedade tenham mecanismos comuns e possam ser induzidas por fatores semelhantes. Talvez seja essa a justificativa para a maioria das pessoas com depressão na vida adulta referir personalidade hiper-ansiosa na infância e adolescência.

O ESTRESSE E A DEPRESSÃO

Até meados do século 20 acreditava-se que o número de neurônios era fixado no nascimento e permanecia estático durante toda a vida, entretanto, graças às pesquisas na área psiconeurológica sabe-se hoje que novos neurônios continuam sendo gerados no cérebro adulto de diversos animais, inclusive no ser humano. E o mais impressionante é que diversos fatores ambientais, entre eles o estresse, influenciam na reprodução dessas células nervosas.Durante décadas a ciência discutiu, sem chegar a conclusão alguma, a importância do ambiente e/ou da constituição na causa dos transtornos emocionais. Havia partidários da tendência psicodinâmica, atribuindo prioritÁriamente às vivências o desenvolvimento dos transtornos psíquicos e, por outro lado, havia partidários da corrente organicista, os quais arrastavam para o orgânico a responsabilidade quase exclusiva das alterações emocionais. O bom senso recomendava uma visão organodinâmica para esta questão, uma síntese das duas anteriores.

As pesquisas sobre as influências do ambiente na reprodução de novos neurônios e na estrutura cerebral (plasticidade) podem representar uma luz no fim do túnel; vivências traumáticas são capazes de inibir a reprodução neuronal e alterar a forma e tamanho de estruturas cerebrais, principalmente do hipocampo. Isso significa que nossas vivências influenciam na estrutura e na função de nosso cérebro.

Mas qual a importância dessa reprodução de neurônios? Entre outras coisas conhecidas e muitas desconhecidas, sabe-se hoje que a depressão é marcantemente influenciada pela renovação de neurônios, ou neurogênese, como é chamada.

Pesquisas mostram como as vivências e fatores ambientais acabam interferindo na microanatomia, na estrutura e na função cerebral. Resumindo, isso quer dizer que o estresse prolongado, as tensões crônicas, momentos repetitivos de raiva, de ansiedade, podem modificar a estrutura do cérebro.Não obstante e por outro lado, imagens do cérebro de pacientes deprimidas mostram uma diminuição de uma estrutura cerebral, o hipocampo. Estamos longe ainda de descobrir se foi o ovo ou a galinha que veio primeiro; se a depressão determina alterações no hipocampo ou se são estas que determinam a depressão. Os novos conhecimentos são cada vez mais impressionantes.

É certo que a exposição ao estresse tem um papel importante no desenvolvimento da depressão, no entanto, os mecanismos envolvidos nesta relação ainda são pouco conhecidos. Neurológicamente há evidências sobre a participação do hipocampo no desenvolvimento da depressão, e o estresse parece ser um importante fator na a diminuição da neurogênese. Conseqüentemente, o estresse e a inibição da neurogênese são importantes fatores no desenvolvimento da depressão.

Neurocientistas proeminentes defendem a teoria de que o mecanismo através do qual o estresse induziria depressão estaria ligado ao hipocampo: os hormônios do estresse suprimiriam o nascimento de novos neurônios nessa estrutura crucial para o processamento da memória. Tal suspeita ganhou ímpeto especialmente depois da publicação, meses atrás, de uma descoberta inesperada: depois de duas ou três semanas de tratamento com drogas antidepressivas começam a nascer novos neurônios no hipocampo (neurogênese). Esse achado explicaria também por que, apesar de os antidepressivos elevarem imediatamente os níveis cerebrais de serotonina, sua ação benéfica só se manifesta semanas mais tarde.

O conhecimento da arquitetura dos circuitos cerebrais envolvidos na depressão adquirido nos últimos dez anos provocou uma explosão de ensaios terapêuticos com drogas dotadas de mecanismos de ação muito diferentes das atuais. Estamos no limiar de descobertas que revolucionarão o tratamento dessa enfermidade tão debilitante.O hipocampo  era tradicionalmente relacionado à memória e aprendizagem, mas, pesquisas mais recente associam essa estrutura cerebral às respostas ao estresse e à neurogênese. Dentro desta linha de pesquisa se constata que o estresse pode causar alterações plásticas no hipocampo, as quais incluem alteração nos dendritos dos neurônios e inibição da neurogênese. Fechando hipóteses, sabe-se também que a depressão e os efeitos dos antidepressivos também têm sido associados à inibição e estimulação da neurogênese respectivamente.

Para facilitar o entendimento, é bom ter em mente que a função cerebral sadia precisa da neurogênese. Voltando ao hipocampo, muitos trabalhos mostram associação entre depressão e alterações cerebrais estruturais, notadamente no hipocampo. Segundo estudo bem elaborado por Lupien e col., a atrofia do hipocampo observada na depressão seria decorrente dos níveis elevados do cortisol, produzido pelas supra-renais durante o estresse. Coerentemente, está cada vez mais evidente que os antidepressivos podem prevenir a atrofia do hipocampo, bem como aumentar a neurogênese, principalmente se seu uso for crônico.Estudos de Sheline e colaboradores sobre a imagem cerebral também mostraram haver uma diminuição do volume do hipocampo em mulheres idosas com depressão, comparado com mulheres sem depressão e da mesma idade. Novamente constata-se que a perda de neurônios e a diminuição ou inibição da neurogênese deve-se a uma neurotoxicidade causada pela liberação excessiva do cortisol  pelas glândulas supra-renais durante o estresse. Esse aumento na liberação cortisol está fortemente relacionado aos episódios de depressão recorrentes.Três anos mais tarde, completando essa linha de pensamento, o mesmo grupo de pesquisadores relatou que a atrofia hipocampal presente nos pacientes com depressão se relaciona mais com a duração da doença do que com a idade dos pacientes (van Riedel, 2003).Em relação aos antidepressivos, também se estuda os efeitos desses medicamentos sobre o fenômeno da neurogênese. Em 2000, Malberg e colaboradoresmostraram que o tratamento com antidepressivo aumentou a neurogênese na região do hipocampo de ratos. O mesmo efeito não se observa com o uso de antipsicóticos. No ano seguinte esses resultados foram corroborados por Czeh e colaboradores. Nesse sentido, há fortes evidências de que os antidepressivos são capazes de aumentar a maturidade dos neurônios, assim como também a proliferação e sobrevida dos mesmos.Até o momento, os resultados das pesquisas são sugestivos de forte associação entre a diminuição de neurogênese e a depressão. Pode-se ainda cogitar sobre a diminuição da neurogênese preceder a depressão, aumentando a vulnerabilidade da pessoa às vivências estressoras ou mesmo modificando a capacidade adaptativa da pessoa ao ambiente (Scorza e colab., 2005). Por outro lado, esses estudos sobre neurogênese não invalidam outros fatores envolvidos na depressão, como por exemplo, a genética, os neurotransmissores, hormônios, estressores psicossociais e outros.

FONTE;Ballone GJ – Estresse e Alterações Cerebrais – in. PsiqWeb, www.psiqweb.med.br

O lítio é o mineral que inibe no cérebro a produção de PLA 2 e, com isso, promove a regulação dos receptores, fazendo com que os do tipo 1 da serotonina aumente e os tipos 2 de serotonina e da dopamina diminuam, além de aumentar a produção desse receptor. Trata-se de um átomo muito pequeno, que é liberado nos neurônios junto com o oxigênio, pelas hemácias do sangue.Atualmente utiliza-se muito o carbonato de lítio no combate à depressão, mas essa prática vem sendo questionada pela psiquiatria ortossistêmica em função do baixo poder de penetração desse composto nas células. Para produzir resultados nos pacientes, o carbonato de lítio acaba sendo administrado em doses altas e, por isso, é comum provocar problemas, como distúrbios na glândula tireóide.Para piorar o quadro, convencionou-se dosar a quantidade de lítio no plasma sanguíneo, o que é um equívoco. O ideal é fazer a dosagem do lítio nas hemácias, o que é menos simples, mas que de fato pode verificar o teor intracelular do mineral. O lítio das hemácias deve estar sempre mais alto que o plasmático, para garantir que o organismo tenha condições de sair da depressão.

Monicavox

Recomendo….

MAS O QUE É O PÓLEN?

O pólen é o “GAMETA MASCULINO DAS PLANTAS”, ou seja, a substância masculina de fecundação de todas as plantas que dão flores. Conforme análises feitas por cientistas e biólogos, “É UMA DAS SUBSTÂNCIAS MAIS RICAS E COMPLETAS ENCONTRADAS NA NATUREZA.”

Contém todos os elementos essenciais à vida, tanto vegetal quanto animal. As abelhas o coletam para a sua alimentação sem a qual a colméia se extingue em pouco tempo.Seu emprego recomenda-se onde quer que seja necessário um NUTRIENTE CELULAR do mais alto valor, atuando em todos os níveis, principalmente no sistema glandular e no sistema nervoso central.Conforme pesquisas realizadas em hospitais e clínicas especializadas em vários países, sob orientação e supervisão de eminentes cientistas, as seguintes qualidades principais são encontradas no pólen:Retardador do envelhecimento E Regenerador das funções orgânicas e psíquicas;Catalisador de energia e saúde; Prevenção e tratamento de doenças degenerativas e infecciosas (possui propriedades antibióticas comprovadas); Excelentes para atletas, dançarinos, artistas e intelectuais de um modo geral;Promotor do desenvolvimento físico e mental de crianças e adolescentes; Útil na prevenção do Stress, cansaço físico e mental, perda de memória, e falta de concentração ;Melhora das condições psíquicas, proporciona maior interesse pela vida, melhor aproveitamento do sono e humor mais positivo; Prevenção da debilidade sexual, impotência, certos tipos de esterilidade masculina e feminina; (Foram observados diversos casos de cura de impotência masculina, bem como a melhoria acentuada no desempenho em pessoas normais); Prevenção de problemas de próstata e gênito – urinários, sendo usado na Rússia, França, Suécia e Japão como principal medicamento em problemas de próstato – vesiculites.

UM ALIMENTO E TANTO

O pólen é dos melhores alimentos, tônicos e bioenergéticos naturais conhecidos pela ciência, até os dias de hoje. Seu uso constante auxilia o organismo contra o envelhecimento precoce, mantendo-nos saudáveis e ativos até idades avançadas.O hábito de usá-lo constantemente, mesmo em quantidades pequenas, é extremamente salutar e aconselhável.Apresentamos abaixo alguns tópicos sobre o Pólen Coletado por Abelhas, extraídos da vastíssima bibliografia mundial sobre o assunto.

a) RUSSOS QUE VIVEM MAIS DE 100 ANOS

Quando o prof Nicolai Vasilievich Tsitsin, biólogo e botânico, associou-se ao Instituto de Longevidade da antiga URSS, fez um estudo das pessoas centenárias das montanhas do Cáucaso, na província russa da Geórgia, procurando alguns aspectos em comum entre muitos georgianos que viviam entre 100 a 150 anos.Assim, o Dr. Tsitsin descobriu que essas pessoas eram geralmente apicultores e os produtos da colméia eram sua principal alimentação: Geléia Real, Pólen e Mel.

b) USO DE PÓLEN POR ATLETAS

Depois das Olimpíadas de Monique em 1972, foi revelado que o finlandês Lasse Viren, vencedor das corridas de 5 mil e 10 mil metros, tinha tomado pólen regularmente por anos. Entre os treinamentos e competições, todos os dias ele tomava de 4 a 10 cápsulas de Pólen. Após essa constatação, o uso de Pólen entre os atletas finlandeses tornou-se comum. Muitos atletas americanos e de todo o 1º mundo também fazem uso do Pólen.

c) PROTEÇÃO CONTRA RADIAÇÃO E RADIOTERAPIA

Várias pesquisas científicas realizadas com animais em laboratório, comprovaram que após terem ingerido pólen,foram protegidos mesmo em exposição a altas doses de radiação. A Rutina, uma das substâncias do Pólen, também encontrada na Própolis, é um glucosídeo que aumenta a proteção contra radiações atômicas. Para pessoas que se utilizam de radioterapia anticâncer, a Rutina pode ajudar contra efeitos indesejáveis.

d) PÓLEN COMO ANTICANCERÍGENO E ANTITUMORES

O U.S. Department of Agriculture (USDA) pesquisou e concluiu que “a ingestão de Pólen retarda o desenvolvimento de tumores mamários”. Deste modo, o Pólen é útil para a prevenção do câncer e limita o desenvolvimento de tumores.Um relatório do USDA, publicado no Journal of the National Cancer Institute (outubro de 1948, p. 119 a 123) diz: “Estes resultados indicam que o desenvolvimento de tumores mamários em ratos podem ser influenciados pela ingestão de Pólen. Sugere-se que o uso padronizado dos princípios ativos do Pólen poderia produzir enormes retardamentos no desenvolvimento de tumores mamários. Esses experimentos foram baseados em postulações de que o Pólen contém um princípio anticancerígeno que pode ser adicionado à dieta.”

e) PÓLEN CONTRA AS ALERGIAS

O médico alergista Dr. William G. Petersen sustenta que mais de 22 mil de seus pacientes, nos Estados Unidos, estão tomando pólen junto com sua medicação costumeira para aliviar os sintomas da alergia. Muitas pessoas são alérgicas ao Pólen anemófilo ou pólens que são carregados pelo vento e ar. O Pólen coletado e processado por abelhas ajuda a imunizar o organismo contra a alergia ao pólen anemófilo.

f) PESQUISAS FRANCESAS

Cientistas franceses indicam que o pólen de abelhas, conhecido na França como popular ativador sexual, é também usado para curar desordens intestinais, psicoses, neurastenias, retardo no crescimento, hemorragia cerebral, perda de memória, debilidades gerais, disfunções cerebrais na criança e para reduzir o tempo de convalescença dos doentes. Médicos europeus iniciaram experiências com o Pólen como agente medicinal depois da Segunda Guerra Mundial. Eles descobriram que o Pólen é um forte estimulante biológico com altíssimas propriedades terapêuticas. O pólen ajuda na regeneração das células.Usado em experimentos com idosos, o pólen restaura o ânimo, recupera o bem-estar físico e mental, aumenta o vigor sexual e devolveu a saúde física para todos que estavam sendo examinados no laboratório durante aquelas experiências.

A ESTRELA PRINCIPAL;A ABELHA

O Dr. Naum Joirisch, autor do livro “Bees in the service of Humanity” (Abelhas a serviço da Humanidade), credita ao pólen de abelhas melhora na cura de colite crônica, distúrbios do sistema endócrino e algumas desordens do sistema nervoso. O pólen de abelhas tem pouquíssimas calorias e sódio, e sendo completamente de origem vegetal, não tem colesterol.

Visão pessoal…

Dois terços dos alimentos que nós ingerimos são cultivados com a ajuda das abelhas. Na busca de pólen, sua refeição, esses insetos polinizam plantações de frutas, legumes e grãos.Em tempos em que a escassez mundial de comida é pauta das autoridades no assunto – como a recomendação da ONU para consumir mais insetos – a perspectiva de ficar sem a ajuda desses seres no abastecimento alimentar seria alarmante. E é o que está acontecendo.Em 2006, apicultores nos Estados Unidos começaram a notar que suas colônias de abelhas estavam desaparecendo. Cientistas investigaram e comprovaram o fenômeno, que foi batizado de colony collapse disorder (síndrome do colapso da colônia, CCD)Sete anos depois, o sumiço continua: no inverno de 2012 para 2013, dado mais recente, 31% das abelhas norte americanas deixaram de existir.O fenômeno se repetiu na Europa, onde, segundo um levantamento do Coloss, rede de cientistas de mais de 60 países que estuda o sumiço das abelhas, algumas regiões perderam até 53% de suas colônias nos últimos anos. Japão, China e o Brasil também reportaram problemas – apicultores de Santa Catarina relataram que um terço das 300.000 abelhas do Estado bateu asas em 2012.No Brasil, segundo especialistas, a redução desses insetos POLINIZADORES afetou a plantação de maçãs, embora as perdas não tenham sido quantificadas. “Se o problema continuar, o modelo atual de fazendas vai se tornar insustentável. O custo de produção vai subir para o produtor e para o consumidor final, de modo que diversos fazendeiros podem acabar deixando a atividade”, afirma o físico brasileiro Paulo de Souza, estudioso do tema na Organização Nacional de Pesquisa Científica e Industrial da Austrália.A causa do sumiço é um mistério que intriga os pesquisadores, a começar pelo fato de os corpos dos insetos não serem encontrados nas colmeias ou arredores. Os animais desaparecem sem deixar rastros, e os especialistas acreditam que o motivo seja uma espécie de curto-circuito no sistema de localização das abelhas, fazendo com que elas se percam. A diversidade de espécies e as peculiaridades de cada país dificultam a investigação sobre o extermínio.Entre os principais motivos apontados está o uso de pesticidas, especialmente os neonicotinoides, uma das classes mais utilizadas por agricultores. “Os neonicotinoides têm uma segurança grande com relação aos mamíferos, principalmente o homem, por isso são bastante utilizados. O problema é que eles afetam não apenas os insetos que são considerados pragas, mas os polinizadores também”, explica Aroni Sattler, professor de agronomia da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, cujo trabalho envolve ajudar apicultores a descobrir a causa da perda de suas abelhas.Enquanto o sumiço das abelhas não é desvendado, a ciência falha em encontrar formas de substitui-las. A solução mais próxima é colocar o próprio homem para fazer o trabalho. “Em regiões da China onde a população de abelhas foi reduzida drasticamente, fazendeiros de maçã precisam de empregados para fazer a polinização manual”, afirma Rodolfo Jaffe, pós-doutorando do laboratório de abelhas da USP. A tarefa é realizada com auxílio de envelopes de pólen e um tipo de vareta com a qual os trabalhadores tocam as flores. Mas o processo é mais demorado e caro do que o das abelhas e menos eficiente.Para Lionel Gonçalves, professor aposentado da USP de Ribeirão Preto, o Brasil sofre com um uso indiscriminado de agrotóxicos, e não tem uma legislação de restrição efetiva. Lionel é um dos idealizadores do projeto Bee or not to be (abelhas ou não ser, em tradução livre, fazendo um trocadilho com a frase de Shakespeare), uma campanha de proteção das abelhas, lançada no ano passado. O objetivo é alertar a população e buscar apoio para proteção dos insetos no Brasil e no mundo. A campanha está recolhendo assinaturas para uma petição, que deve ser entregue ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e do Meio Ambiente em novembro deste ano, exigindo ações efetivas no combate ao CCD.

Inspiração….

Os benefícios do Pólen Apícola – Sinter-MG

MANUAL DE PRODUÇÃO DE PÓLEN E PROPOLIS 

Pólen apícola: O que é, como consumir+ 7 benefícios do pólen

Monicavox

Recomendo….

 

Voce conhece a vitamina B17?

VITAMINA “B17” ou LAETRILE ou MIGFALIN ou AMIGDALINA

Ajuda a aumentar a resistência ao câncer, revigora as células, desintoxica o organismo e melhora a oxigenação dos órgãos. Carência: problemas celulares. Principais fontes: hortaliças cruas verde escuras (germinados – clorofila), amêndoa de damasco, frutas em geral, maçã, nectarina, ameixa, trigo, broto de feijão, feijão.Existe uma vitamina nas sementes chamada B17. Um de seus componentes é cianeto, porém numa forma amena e segura. 

Nos EUA a tal vitamina teve sua venda proibida há alguns anos e isso causou grande bafafá na ocasião. Um grupo de cientistas declarou que a substância previne o aparecimento de câncer e pode até matar células cancerosas. 

Se  tiver paciência e visitar com calma a árvore Web dos “Apricots from God”, vai encontrar leitura para cerca de uma hora. Eles recomendam que se coma sementes de frutas: maçã, pêssego, cereja, laranja, nectarina e abricó, entre outras. Mencionam tribos e populações inteiras que têm esse hábito e que apresentam baixíssimas taxas de incidência de câncer. Segundo eles, sete sementes de abricó por dia bastam para prevenir a doença. Tapioca também teria muita B17. Tem tomado seu tacacá ultimamente?

É muito, muito importante saber a importância da dieta quando se trata de sensibilização e de prevenção. Câncer pode se manifestar (ou não) como resultado de ter sido o que você colocar no seu prato diário no: Para ser livre de câncer  é vital para ficar comprometida com uma dieta que serve como uma forma de prevenção. Naturalmente, aqueles que sofrem de câncer precisam de ser mais crítica para a sua dieta. 

 

Tipos de nutrição 

Lembre-se, todas as seguintes vitaminas sinergicamente trabalham umas com as outras. Foi dito que o mais potente anti-câncer é  a vitamina B-17, conhecida como laetrile, na sua forma mais pura. Esta é a principal fonte utilizada na alimentação dos metabólicos na terapia nutricional , que já foi demonstrado com sucesso para reverter a condição de câncer. Vitamina B-17 reage com uma enzima nas células cancerígenas, o que, na realidade, destrói o câncer. É encontrado em miolo de damasco e de outras sementes de suporte de frutas como morango e framboesa. Há outros exemplos, tais como, frutos de casca rija,  ervilhas, brócolis, favas, lentilhas e brotos de bambu.

Outras importantes fontes de vitamina incluem: Vitamina C, com o seu poderoso anti-oxidante, encontrado em gogi berries , cítricos, maçã e batata … Anti-oxidantes podem “varrem” os radicais livres que de outra forma seriam potencialmente nocivos ao organismo. São fundamentais esses alimentos porque eles contribuem para a construção de um bom sistema imunológico saudável.

 

Nesta abordagem sinérgica para matar as células cancerosas, vitamina A (retinol) é um aspecto essencial. Isso está presente nas cenouras, frutas vermelhas e laranja, gemas de ovos e lacticínios. Ele melhora a eficiência metabólica.

 

Se você tiver sido diagnosticado com câncer ou não, uma desintoxicação é sempre uma jogada inteligente na prevenção do processo. Vitamina B17 (ácido pangamic), presente em silymarin (que pode ser obtida como um complemento) pode ser usado para desintoxicação. Lembre-se de células cancerosas, não gostam de oxigênio e um bom-detox do corpo fabrica abundância de oxigênio nas células …

Além de silymarin, outros minerais como o zinco, que transporta vitamina B-17  é um complemento indispensável. Portanto, é o selênio, que impede a formação de radicais livres, e cálcio para manter o corpo para um estado alcalino, encontrada em cogumelos, cebolas, amêndoas, brócolis. sementes e grãos.

Damascos   Apricots

Os damascos são umas das maravilhas pouco conhecidas do reino das frutas. Apesar de serem essencialmente frutas de verão, eles são facilmente encontrados, enlatados ou secos, durante o ano inteiro. Os damascos secos apresentam uma grande quantidade de ferro e fibras.

 

Os damascos são uma das melhores fontes de vitamina A, devido à presença de beta-caroteno. A vitamina A protege e mantém saudáveis os olhos e a pele, fortifica o sistema imunológico, e é um poderoso anti-oxidante. Três damascos proporcionam 30% da quantidade recomendada por dia de vitamina A. Eles também são uma excelente fonte de vitamina E, B2 (riboflavina), vitamina C e licopeno.  O licopeno, encontrado também nos tomates, é um anti-oxidante poderoso que ajuda a prevenir o câncer, doenças do coração e enfartes.

 

Os damascos secos são ainda mais nutritivos, pois contêm todas estas vitaminas em doses concentradas.Entretanto, a parte mais interessante do damasco é seu próprio caroço.

Os melhores damascos do mundo vêm de Hunza, no Paquistão, onde os moradores têm uma boa saúde. A população de Hunza é considerada uma das mais saudáveis do mundo, com uma expectativa de vida de mais de 100 anos, e praticamente sem nenhum histórico de câncer. Seus habitantes mantêm uma boa forma sendo ágeis e ativos, física e mentalmente, e mesmo os mais idosos continuam praticando esportes, lado a lado, com pessoas bem mais jovens.

A dieta destes paquistaneses consiste, naturalmente, de muitos damascos, sejam eles frescos ou secos. Também utilizam seu óleo para cozinhar e em loções faciais, e costumam comer os caroços, picados ou moídos, misturados com mel. A longevidade e a boa forma da população de Hunza foram atribuídas às altas concentrações de vitamina B17, conhecida como amidalina ou laetrile na sua forma pura, encontradas dentro do caroço do damasco, e que ajudam na prevenção do câncer.

Os habitantes de Hunza consomem, por dia, entre 50-75mg  desta vitamina, e praticamente inexistem ocorrências de doenças do coração, pressão alta e colesterol. As sementes também são ricas em proteínas e gorduras. Outras fontes de amidalina são as amêndoas amargas, as sementes das maçãs, as sementes de uva, o painço (ou milho miúdo), as favas e outras sementes e grãos.

 

Uma curiosidade é que os Inuit (esquimós da região do Ártico) que ainda mantém uma dieta rica em vitamina B17 (de outras fontes que não o damasco) permanecem intocados pelo câncer, ao passo que aqueles que adotaram uma dieta mais ocidentalizada passaram a apresentar indícios da doença.

 

A vitamina B17 vem de algo totalmente natural, sementes de damasco. Sim, isso mesmo, vitamina B-17 é um produto natural, como a sua fonte é apenas uma forma regular, todos os dias, frutas comuns. Damasco sementes são o que compõem a vitamina B-17, e é isto. Esta vitamina é uma forma purificada da substância que é encontrada no interior das sementes de damasco. Esta substância é chamada amygdalin, e é aquilo que é usado para criar vitamina B-17.

 

Isso faz com que tomar vitamina B-17 para evitar câncer completamente natural. Quando você tomar estas vitaminas disponível em qualquer dos dois comprimidos-100mg ou 500mg em forma de pílulas, o que pode ser dividida em tamanhos mais pequenos, pode-se estar confiante em saber que se está tendo um produto natural. 


Sementes de damasco contêm amygdalin. Amygdalin tem cianeto trancado, pronto para esta batalha e só poderá ser destravada por um câncer, só porque essas células têm o desbloqueio das enzimas especiais. Uma vez desbloqueado, o cianeto mata as células cancerígenas. Perto de células normais, não são prejudicados porque um agente neutralizante é liberado com o cianeto para proteger essas células.

Após a leitura de uma grande quantidade de informações sobre a vitamina B17 e amygdaline e laetrile, você chegará a descobrir o que milhares de pessoas têm vindo a utilizar essas substâncias, quer através de vitamina B17 em comprimidos, através de sementes de damasco, ou ambos, para se manterem livres de câncer por muitos anos. Além disso, muitas mais pessoas têm afirmado que estes produtos têm ajudado a eles para curar seu câncer mais rapidamente ou a mantê-lo em remissão por muito mais tempo do que aquilo que tinha pensado médicos possíveis.

Através da leitura acerca de tudo isto na internet você também vai aprender que não é possível comprar vitamina B17 em qualquer local , farmácia, supermercado, ou loja de alimentos naturais. Também não se pode comprar matéria-prima sementes de damasco, exceto on-line. Você pode encontrar dezenas de sites online, com depoimentos sobre a forma como estes produtos podem, e têm sido utilizados como medidas de prevenção ;O motivo, a FDA não permitirá que armazene-se vitamina B17;A FDA considera que não há dados científicos que demonstram que a substância em vitamina B17 e de sementes de damasco pode ser efetivamente utilizado, quer para se curar um cancer ou uma medida para preveni-lo .

Visão pessoal….

A maioria das pessoas acreditam que existe um motivo oculto….dinheiro. Afinal, como pode alguém patentear  a cura do câncer com semente de damasco ?Não se ganha dinheiro  com este tipo de tratamento de câncer e, por isso, muitas pessoas acreditam que é a verdadeira razão por trás da FDA e sua  posição contra a vitamina B17 e sementes de damasco.Sim, a FDA é supostamente a proteção do público, no entanto, um recente relatório nos E.U.A.  mostrou que mais da metade dos membros  da FDA estão brigando em conflitos de interesse, o que significa que eles tem vínculos com as empresas farmacêuticas. Aprovando vitamina B17 significaria retirar os seus lucros……

Inspiração…..

 http://www.apricotsfromgod.com. 

http://www.plantasmedicinaisefitoterapia.com/vitamina-b17-amigdalina-cancer/

https://saude-info.info/quais-os-alimentos-que-contem-vitamina-b17.html

http://amigosdacura.ning.com/profiles/blogs/vitamina-b-17-previne-e

Monicavox

Recomendo….

 

 

Chlorella: Use Este Superalimento para Ajudar a Remover em Algumas Semanas o Mercúrio dos Seus Tecidos

Resultado de imagem para imagens sobre a chlorellaOs pesticidas cobrem grande parte do nosso abastecimento de alimentos frescos, subprodutos químicos de fabricação são descartados rotineiramente no nosso ar e água, e os preenchimentos de amálgama de mercúrio nos dentes podem estar liberando mercúrio no seu corpo a cada mordida que dá na comida!

Os frutos do mar nos nossos oceanos estão carregados de metais pesados e mercúrio e passam esses venenos na cadeia alimentar até que doses potencialmente massivas de ambos acabem na sua mesa disfarçadas como uma refeição saudável.Os suprimentos subterrâneos de água foram contaminados por produtos químicos e pesticidas provenientes de fazendas, fábricas e indústrias de alta tecnologia.

Na verdade, níveis aceitáveis de muitos venenos podem entrar na sua casa através da sua água de beber e de banho, incluindo flúor, cloro e baixos níveis de muitos metais pesados.

Você pode procurar proteger-se e combater esse risco comendo alimentos que estão livres de pesticidas e produtos químicos, mas você simplesmente não pode remover completamente todas as fontes de toxinas do seu ambiente.

O dano ao nosso mundo é muito disseminado e generalizado. Você precisa tomar medidas para proteger a si mesmo e a sua família desse mundo tóxico, e uma das melhores fontes naturais para mover esses materiais tóxicos para fora do seu corpo é uma alga verde baseada em alimentos integrais chamada chlorella.

Resultado de imagem para imagens sobre a chlorellaComo Você Pode Combater a Poluição Sistêmica?

Para tratar dos produtos químicos nocivos e indesejados que o seu corpo absorve dos alimentos que você come, do ar que você respira e da água que você bebe, é importante desenvolver um plano pró-ativo. Uma das partes mais poderosas deste plano é a desintoxicação das toxinas que você já tenha acumulado dentro do seu corpo.

Seu corpo é naturalmente capaz de remover muitos dos patógenos prejudiciais, produtos químicos e venenos com os quais você pode entrar em contato no meio ambiente.

Mas no século 21, estamos vendo uma explosão de doenças relacionadas a toxinas acumuladas como câncer, disfunção autoimune, distúrbios cerebrais como o autismo, doença de Alzheimer e Parkinson, distúrbios nervosos e doenças mais comuns como depressão, dificuldades de aprendizagem e fadiga. Pode tornar-se relativamente fácil sobrecarregar a capacidade do seu corpo de remover muitas dessas toxinas. Os sintomas de acumulação tóxica devido à exposição crônica de metal incluem:

  • Fadiga
  • Distúrbio digestivo e capacidade reduzida para assimilar e utilizar adequadamente as gorduras
  • Articulações doloridas
  • Depressão
  • Regulação comprometida do açúcar no sangue
  • Problemas reprodutivos femininos  

Resultado de imagem para imagens de sauna de infravermelhoSauna de Infravermelho

Há de dez a 100 vezes mais toxinas na sua gordura do que no seu sangue, então uma das melhores maneiras de remover as toxinas é diminuir a gordura corporal. Essa é realmente a sua primeira defesa. Escolher os alimentos e exercícios certos é fundamental aqui. Depois disso, uma das estratégias de desintoxicação mais eficazes que conheço é o uso de uma sauna de infravermelho.

Isso pode ser feito por aproximadamente uma hora por dia por um mês. Lembre-se, é importante hidratar-se bem antes e durante o tratamento da sauna para evitar a desidratação. Além disso, você pode se exercitar durante 30 a 60 minutos imediatamente antes para ajudar a liberar algumas das toxinas da sua gordura.

Alguns médicos também descobriram que o uso de niacina de liberação NÃO programada é útil, pois ajuda a liberar as toxinas da gordura. Contudo, são necessárias doses relativamente elevadas de 5.000 mg. Essas altas doses precisam ser administradas pouco a pouco, pois a niacina irá causar enrubescimento.

No entanto, cerca de um quarto das pessoas simplesmente não consegue tolerar o enrubescimento da niacina/então,evite a liberação programada de niacina, pois ela pode potencialmente levar à hepatite química.

Resultado de imagem para imagens sobre a chlorellaA Chlorella Como Uma Poderosa Ferramenta de Desintoxicação

Um dos recursos nutricionais mais interessantes disponíveis atualmente para ajudar seu corpo a lutar naturalmente contra a poluição ambiental é um suplemento à base de alimento integral, chamado chlorella. A chlorella é na verdade um dos suplementos mais utilizados no Japão, onde mais de 10 milhões de pessoas a usam regularmente. O uso japonês de chlorella é mais difundido do que o uso norte-americano da vitamina C, nosso suplemento mais popular.

Uma das razões pelas quais os japoneses valorizam tanto a chlorella é sua capacidade natural de desintoxicação. A chlorella é um “alimento verde”, uma microalga unicelular com cerca de dois a dez mícrons de tamanho. É seu pequeno tamanho combinado com suas propriedades únicas que a tornam uma ferramenta de desintoxicação tão útil. Sua estrutura molecular lhe permite ligar-se a metais, produtos químicos e alguns pesticidas. 

Quando a chlorella é levada para dentro do seu corpo, sua ação natural irá ligá-la aos metais pesados, produtos químicos e pesticidas que possam ter permanecido no seu trato digestivo, que é um dos caminhos do seu corpo que levam a sua corrente sanguínea onde essas toxinas nocivas são levadas e depositadas nas células do seu corpo.

A chlorella é projetada exclusivamente para não se ligar aos minerais dos quais seu corpo naturalmente precisa para funcionar de forma otimizada. Não se liga a minerais benéficos como cálcio, magnésio ou zinco. É quase como se a chlorella soubesse quais metais pertencem ao seu corpo e quais produtos químicos precisam ser removidos.

Fazer a suplementação com chlorella é como desencadear um pequeno exército dentro do seu corpo para travar a batalha necessária para remover as toxinas de seus tecidos e levá-las para fora do seu corpo, que é o lugar delas.

Resultado de imagem para imagens sobre a chlorellaA História da Chlorella

A chlorella é um dos suplementos alimentares mais amplamente estudados no mundo. Além de ser objeto de pesquisa médica nos EUA, na URSS, na Alemanha, no Japão, na França, na Inglaterra e em Israel, a chlorella tem sido amplamente estudada como fonte de alimento, uma vez que é composta por impressionantes 50 por cento de proteína e é considerada como um alimento baseado em aminoácidos completo.

Mesmo a NASA estudou usar a chlorella como um dos primeiros alimentos integrais no espaço na estação espacial internacional!

Estudos no Japão mostraram que a chlorella pode ajudar a reduzir a porcentagem de gordura corporal e pode ser útil na luta contra a obesidade e diabetes relacionada ao peso. Ela também pode ajudar a reduzir tanto o colesterol quanto a hipertensão. A ação de limpeza da chlorella no seu intestino e outros canais de eliminação, bem como a proteção que ela dá ao seu fígado, também ajuda a promover um sangue limpo. E um sangue limpo ajuda a garantir que os resíduos metabólicos sejam eficientemente afastados de seus tecidos.

A chlorella é um desintoxicante tão poderoso porque é rica em clorofila, que é conhecida por:

  • Ajudá-lo a processar mais oxigênio
  • Limpar os principais sistemas de eliminação como o intestino, o fígado e o sangue
  • Ajudá-lo a purificar seu sangue e limpar as toxinas
  • Ajudá-lo a promover uma pressão arterial otimizada
  • Ajudar a eliminação de mofo no seu corpo
  • Ajudá-lo a neutralizar o ar ruim que você possa respirar
  • Promover o crescimento e reparação de seus tecidos

A chlorella é realmente muito útil e vai além da desintoxicação, e seu conjunto de benefícios para a saúde incluem:

  • Melhora do seu sistema imunológico
  • Melhora da sua digestão, especialmente se a constipação for um problema para você
  • Fornece vitaminas B a partir de uma fonte animal
  • Melhora a sua capacidade de se focar e concentrar-se
  • Aumenta seus níveis de energia
  • Equilibra o pH do seu corpo
  • Normaliza o açúcar no sangue e a pressão sanguínea
  • Reduz seu risco de câncer
  • Refresca seu halito

Resultado de imagem para imagens sobre a chlorellaNem toda Chlorella é Criada da Mesma Forma

Ao contrário de muitos suplementos alimentares, a chlorella tem uma característica única que torna o seu processo de fabricação uma das principais preocupações quando se considera a fonte de suplementação. A chlorella é completamente indigerível para seres humanos. Nós simplesmente não temos as enzimas necessárias para quebrar sua parede celular.

Ao contrário de outros alimentos verdes, mascar e digerir a chlorella não liberará os poderosos benefícios para a saúde contidos nesta alga verde. Isso ocorre porque a parede celular externa resistente da chlorella, que também é quimicamente responsável pela ligação com as toxinas dentro de seu corpo, não pode ser decomposta por sua biologia.

Portanto, é imperativo que o processo de fabricação quebre por você a resistente parede celular externa, pois esta é a única maneira de fazer a chlorella se tornar biologicamente disponível para remover toxinas do seu corpo.É por isso que eu apenas recomendo fazer a suplementação com chlorella com a Parede Celular Quebrada, porque esta é a única forma que permite a seu corpo usar esse poderoso agente de desintoxicação. Outra preocupação ao escolher sua chlorella é ter a certeza de que as fontes de água onde ela foi cultivada e colhida estão livres de qualquer contaminação.

Você deve sempre iniciar qualquer desintoxicação com chlorella gradualmente, tomando apenas uma pequena quantidade primeiro para ver como seu corpo tolera essa poderosa ferramenta de desintoxicação.Algumas pessoas também relatam os benefícios de começar seu processo de desintoxicação ao primeiramente comer pequenas quantidades de coentro por alguns dias. O coentro também melhora a resposta de desintoxicação do seu corpo em um nível menos intenso – o que pode ajudar seu corpo a transitar para uma resposta de desintoxicação mais suave ao começar a usar chlorella.

Resultado de imagem para imagens sobre a chlorellaFerro em Excesso?

Outra coisa a se ter em conta quando se usa chlorella é que esta alga verde contém grandes concentrações de ferro. Os níveis de ferro nas mulheres não devem ser um problema por conta da perda de ferro relacionada ao ciclo menstrual, mas para homens ou mulheres pós-menopáusicas o excesso de ferro pode se tornar um problema.

Então, os homens que usam chlorella devem fazer com que seus níveis de ferro no sangue sejam verificados regularmente para garantir que o ferro em seu sangue permaneça dentro dos níveis saudáveis. O melhor exame é a ferritina. Idealmente, deve estar entre 20 e 80 ng / ml. Níveis superiores a 150 ou mais se tornam problemáticos e devem ser tratados com doações de sangue ou flebotomias terapêuticas.

Resultado de imagem para imagens sobre veganosChlorella para Vegetarianos e Veganos

A chlorella também é uma ótima fonte de proteína completa de aminoácidos e é constituída por 50 por cento de proteína. Portanto, os veganos e os vegetarianos podem se beneficiar não só das propriedades de desintoxicação da chlorella, mas também podem aumentar a sua ingestão de vitamina B e proteínas através da suplementação de chlorella.

Muitos afirmam que ela também pode ser uma fonte útil de vitamina B12. Embora a chlorella contenha essa vitamina, a maioria das pessoas desenvolve deficiências porque eles perdem a capacidade de absorvê-la. Então, engoli-la não proporcionará o mesmo benefício que injetá-la ou usá-la em uma gota ou spray sublingual.

Até onde sei, a chlorella não é uma alternativa eficaz para fontes de origem animal de vitamina B12 que podem ser um problema para os veganos.

Resultado de imagem para imagens sobre a chlorellaVisão pessoal….

Às vezes, viver no mundo moderno pode fazer você se sentir como se estivesse em guerra com o ambiente ao seu redor, e as fontes de poluição geralmente são silenciosas e inevitáveis. Você pode fazer o seu melhor para evitar a poluição e as toxinas, comer apenas os alimentos orgânicos mais saudáveis, beber apenas água filtrada, evitar a exposição a produtos químicos artificiais agressivos, e ainda assim se ver exposto diariamente a enormes quantidades de poluentes nocivos que estão totalmente fora de seu controle.Ao implementar um programa de desintoxicação agora você pode ajudar seu corpo a remover naturalmente os metais pesados indesejados e nocivos, produtos químicos e pesticidas que você inconscientemente carrega no seu corpo. E diminuir a sua carga tóxica tem demonstrado melhorar muitas doenças comuns da saúde, da falta de energia e insônia, até a digestão lenta, falta de resposta imune e fadiga mental.Na verdade, quase tudo dentro do seu corpo, incluindo todos os seus órgãos, funciona melhor com cargas reduzidas de toxinas sistêmicas.E, ao remover as toxinas agora e não deixá-las se acumularem a níveis perigosos, você pode estar ajudando seu corpo a evitar doenças fatais como o câncer, diabetes e hipertensão, juntamente com todos os distúrbios neurológicos agora muito comuns que podem não se manifestar por décadas.Lembre-se de começar devagar, talvez usando o coentro primeiro e, gradualmente, aumente a sua ingestão de chlorella a um ritmo que o seu corpo possa tolerar.Eu tomo meu  suco verde pela manhã em jejum com coentro e chlorella há quase cinco anos todos os dias e me sinto ótima,com meus exames todos perfeitos.Vai aqui o incentivo para começar….

Inspiração….

Efeitos da alga Chlorella vulgaris sobre a resposta … – Teses USP

Monicavox 
Recomendo…
Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre algas culinarias
Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre algas

 

Estudo gigante descobriu algo impressionante sobre como devemos nos alimentar

Comer muito carboidrato é pior e mais gordura é melhor para você, diz enorme estudo publicado nesta terça-feira (29/08). Pesquisadores dizem que está na hora de repensar recomendações que agências governamentais, médicos e nutricionistas dão a pacientes.

“Nossas conclusões não dão suporte para a recomendação atual para limitar o consumo para menos de 30% da energia diária em forma de gordura total e menos de 10% de energia em gordura.saturada. Limitar o consumo total de gordura provavelmente não vai melhorar a saúde das populações”, diz a pesquisadora Mahshid Dehghan, da Universidade McMaster (Canadá).

Segundo ela, o que pode diminuir o risco de mortalidade total é diminuir o consumo de carboidratos. “Indivíduos com alto consumo de carboidrato, de mais de 60% da energia, pode se beneficiar com uma redução desse consumo e aumento da ingestão de gordura”, afirma.

O estudo analisou mais de 135 mil pessoas de todas as classes sociais em 18 países. Eles tinham idades entre 35 e 70 anos e eram de regiões como América do Norte, América do Sul, Oriente Médio, África, Sudeste Asiático, Leste Asiático e China.

Os dados dessas pessoas indicam que comer muito carboidrato está ligado à pioras na saúde. Cerca de 5,8 mil mortes e 4,8 mil problemas cardíacos foram registrados durante o estudo. Quem comia muito carboidrato teve 30% mais risco de mortalidade. Por outro lado, as pessoas que tinham alto consumo de gordura tinha 23% redução de risco de mortalidade e 18% menos chance de ter um derrame.

Todos os tipos de gordura estão associados com a significante queda no risco de mortalidade: 14% menos para gordura saturada, 19% menos para mono-insaturada e 20% menos para gordura poliinsaturada.

Os pesquisadores também analisaram os efeitos da gordura no lipídios do sangue. Eles observaram que apesar de o LDL (colesterol ruim) aumentar em pessoas que consomem mais gordura saturada, o HDL (colesterol bom) também aumenta nessas pessoas. Os cientistas constataram que o LDL é um sinal ruim para prever problemas cardíacos, mas que o ApoB/ApoA1 é mais eficaz.

“Focar apenas em um marcador de lipídio como o LDL não capta o impacto clínico de nutrientes no risco cardiovascular. Por décadas, as recomendações de dieta estão focando em reduzir o consumo de gordura total e o ácido gordo saturado (STA) com base na dedução de que substituir o STA por carboidrato e gorduras insaturadas vai baixar o LDL e reduzir problemas vasculares”, diz Dehghan.

Níveis altos do “bom” colesterol ligados à alto índice de mortalidade

Foi aceito por muitos anos que, quanto mais colesterol “bom” a pessoas tiverem em seu sangue, melhor. Mas o colesterol bom, também conhecido como HDL, pode não ser tão bom quanto pensamos.Os resultados de um novo estudo da Universidade de Copenhague contradizem seriamente o pressuposto de que níveis elevados de HDL no sangue são apenas uma coisa boa. Os pesquisadores mostraram que as pessoas com níveis extremamente elevados de colesterol bom apresentam maior taxa de mortalidade do que as pessoas com níveis normais. Para homens com níveis extremamente elevados, a taxa de mortalidade foi 106% maior do que para o grupo normal. Os homens do grupo com níveis muito altos também apresentaram uma taxa de mortalidade maior de 36%. Para as mulheres com níveis extremamente elevados, a taxa de mortalidade foi 68% maior.

“Esses resultados mudam radicalmente a maneira como entendemos o “bom” colesterol. Médicos como eu nos acostumamos a felicitar os pacientes que tinham um nível muito alto de HDL em seu sangue. Mas não devemos fazê-lo, pois esse estudo mostra um aumento dramático maior da taxa de mortalidade “, diz Børge Nordestgaard, professor do Departamento de Medicina Clínica e um dos autores do estudo.

Os pesquisadores analisaram dados de 116 mil indivíduos do Estudo do Coração da Cidade de Copenhague e do Estudo de População Geral de Copenhague, em combinação com dados de mortalidade do Sistema Dinamarquês de Registro Civil. Eles seguiram os sujeitos por uma média de 6 anos e basearam o estudo em pouco mais de 10.500 mortes.

Os pesquisadores conseguiram calcular a taxa de mortalidade com base nessas mortes e nas informações médicas sobre os participantes. 0,4% dos homens e 0,3% das mulheres abrangidas pelo estudo apresentaram um nível extremamente alto de HDL no sangue e 1,9% dos homens tiveram um nível muito alto.

O estudo também encontrou mortalidade excessiva para pessoas com níveis extremamente baixos de HDL no sangue. As pessoas com níveis médios de HDL no sangue tiveram a menor mortalidade. Para os homens, esse nível foi de 1,9 mmol / L. Para as mulheres, era de 2,4 mmol / L.

 Resultado de imagem para imagens sobre colesterol bom

Estudos anteriores dos EUA mostraram correlações semelhantes entre colesterol positivo e mortalidade excessiva entre grupos populacionais específicos, mas esta é a primeira vez que a mortalidade excessiva foi demonstrada na população em geral. O professor Børge Nordestgaard, que também trabalha como consultor médico no Departamento de Bioquímica Clínica do Hospital Herlev e Gentofte, espera que os resultados possam mudar nossa percepção sobre o HDL.

“Parece que precisamos remover o foco do HDL como um importante indicador de saúde na pesquisa, nos hospitais e na clínica geral. Eles são as menores lipoproteínas do sangue, e talvez devêssemos examinar algumas das maiores em vez disso. Por exemplo, observar os níveis sanguíneos de triglicerídeos e LDL, o colesterol “ruim”, provavelmente seja um indicador de saúde melhor”, observa.

Porém, o novo estudo examina apenas a correlação estatística entre a mortalidade e os níveis de HDL. Portanto, não é possível explicar por que as pessoas com níveis de HDL extremamente altos ou baixos têm maior mortalidade.

Visão pessoal…

Durante anos, a medicina convencional nos disse que os níveis elevados de colesterol contribuem para doenças cardíacas e, como resultado, os médicos têm instruído seus pacientes a manter esses níveis baixos a praticamente qualquer custo.Estudos recentes, no entanto, demonstraram que esta abordagem de tudo ou nada para o colesterol e doenças cardíacas é falha e pode resultar em algumas consequências adversas inesperadas.Colesterol é um sólido ceroso, o colesterol é um tanto um lípido (gordura), como um esterol (álcool esteroide a partir do qual são produzidos hormônios esteroides). Ele passa por toda a corrente sanguínea, ligado a triglicerídeos e fosfolipídios e, juntos, os três são conhecidos como uma lipoproteína.Existem dois tipos de lipoproteínas – lipoproteínas de alta densidade (HDL) e lipoproteínas de baixa densidade (LDL). As primeiras têm taxas de proteína superiores à proporção de gordura, enquanto o contrário acontece no segundo caso.As LDL transportam colesterol em todo o seu corpo para as células e tecidos que o requerem, enquanto as HDL coletam qualquer excesso de colesterol e o entregam para o fígado, que pode usá-lo para produzir bile, ou então reciclá-lo. Se houver excesso de gordura e colesterol no sistema, haverá muitas LDLs e, ao invés de entregar o colesterol necessário, elas vão começar a depositar colesterol extra nas artérias, o que pode causar aterosclerose, bloqueios e ataques cardíacos.Necessário para uma variedade de funções, quase todas as células do organismo podem produzir o seu próprio colesterol. Quando os níveis estão baixos, uma proteína sinaliza as células para produzirem duas outras proteínas – uma que faz o colesterol e outra que ajuda as LDLs a recuperar o colesterol. Embora as células possam criar colesterol, o fígado é o produtor principal do corpo, e faz o suficiente para partilhar com outras partes do corpo.Para fazer colesterol, o corpo precisa de carbono, o bloco de construção mais básico da vida, presente numa grande variedade de alimentos, incluindo gorduras, proteínas e carboidratos. Na verdade, você pode ter uma dieta completamente livre de colesterol, e seu corpo ainda vai fazer toneladas de colesterol.A fim de transformar a luz solar em vitamina D, necessária para um sistema imunológico saudável e ossos fortes, o corpo mantém uma forma de colesterol na sua pele que absorve a radiação do sol e a converte em uma substância na qual o fígado trabalha para transformar em hidroxivitamina D. Esta é, em seguida, enviada para os rins, que a convertem em vitamina D utilizável.Da mesma forma, os esteróis no colesterol (álcoois esteróides) são elementos essenciais para a criação de hormônios sexuais humanos (que são esteróides), incluindo estrogênio, progesterona e testosterona.Componente importante da membrana plasmática – o revestimento exterior de células -, a rigidez do colesterol ajuda a sustentar a estrutura da célula e pode afetar a sua fluidez, chegando a impedir que a membrana congele.O corpo converte o colesterol em sais biliares que são secretados na bile. A bile quebra as gorduras no trato digestivo, transformando-as em pequenos pedaços, adequados para interagir com enzimas digestivas, e também ajuda o intestino delgado a absorver gorduras.Pesquisas mostraram repetidamente uma ligação entre a proteína C-reativa (PCR), um “marcador de inflamação no corpo”, e doenças do coração. E, embora o debate ainda esteja aberto, muitos acreditam que a PCR pode ser um melhor indicador para o desenvolvimento de doenças cardíacas do que altos níveis de colesterol “ruim” (LDL).

Inspiração…

Colesterol e triglicerídeos – Unimed-Rio

colesterol, mitos e verdades – Puravida Academy

Alimentação, Colesterol e Triglicerídeo

Monicavox

Recomendo…

 

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre colesterol

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre colesterol

 

Como o Açúcar Prejudica Sua Saúde Cerebral e Causa a Epidemia de ALZHEIMER

Resultado de imagem para imagens sobre os perigos do açucarUm em cada nove idosos com idade superior a 65 anos tem doença de Alzheimer, e agora se considera que a doença é a terceira razão de morte nos EUA, logo atrás da doença cardíaca e do câncer.Um crescente conjunto de pesquisas sugere que existe uma conexão poderosa entre sua dieta e seu risco de desenvolver a doença de Alzheimer, através de caminhos similares ao que causam diabetes tipo 2.

Ao contrário da crença popular, seu cérebro não requer glicose, e na verdade funciona melhor quando queima combustíveis alternativos, especialmente cetonas, que seu corpo cria em resposta à digestão de gorduras saudáveis.

De acordo com alguns especialistas, como o Dr. Ron Rosedale, o Alzheimer e outros distúrbios cerebrais podem, em grande parte, ser causados pela queima constante de glicose como combustível pelo seu cérebro.

A doença de Alzheimer foi inicialmente apelidada de “diabetes tipo 3” no início de 2005, quando os pesquisadores descobriram que, além do seu pâncreas, seu cérebro também produz insulina e essa insulina cerebral é necessária para a sobrevivência de células cerebrais.

Resultado de imagem para imagens sobre os perigos do açucarO Açúcar Danifica a Estrutura e Função do Cérebro

No seu cérebro, a insulina ajuda na absorção de glicose pelos seus neurônios e na regulação de neurotransmissores, como a acetilcolina, que são cruciais para a memória e a aprendizagem. É por isso que reduzir o nível de insulina no seu cérebro prejudica a sua cognição.

A pesquisa também mostrou que aqueles com diabete tipo 2 perdem mais volume cerebral conforme envelhecem do que o esperado – particularmente a matéria cinzenta. Esse tipo de atrofia cerebral é mais um fator que contribui para a demência.

Estudos descobriram que pessoas com níveis mais baixos de insulina e receptores de insulina em seu cérebro geralmente têm doença de Alzheimer. Mas de acordo com pesquisas recentes publicadas na revista Neurology, o açúcar e outros carboidratos podem perturbar sua função cerebral mesmo se você não estiver com diabetes ou apresentar sinais de demência.

Para testar sua teoria, eles avaliaram marcadores de glicose de curto e longo prazo em 141 idosos saudáveis, sem diabetes e sem demência. Testes de memória e imagens cerebrais foram administrados para avaliar a função cerebral e a estrutura real do seu hipocampo. Conforme relatado pela Scientific American:

“Níveis mais elevados em ambas as medidas de glicose foram associados a uma memória pior, bem como um hipocampo menor e estrutura de hipocampo comprometida.

Os pesquisadores também descobriram que as mudanças estruturais explicavam parcialmente o vínculo estatístico entre glicose e memória. De acordo com o estudo, o coautor Agnes Flöel, um neurologista do Charité, os resultados ‘fornecem mais evidências de que a glicose pode contribuir diretamente para a atrofia do hipocampo.’”

As descobertas sugerem que mesmo se você não for diabético ou resistente à insulina (e cerca de 80 por cento dos americanos estão nesta segunda categoria), o consumo de açúcar ainda pode prejudicar sua memória.

Em longo prazo, pode contribuir para o encolhimento do seu hipocampo, que é um sintoma da doença de Alzheimer (o seu hipocampo está envolvido na formação, organização e armazenamento de memórias).

Resultado de imagem para imagens sobre os perigos do açucarA Indústria do Açúcar Ameaça as Organizações e Esconde a Ciência a Respeito dos Seus Efeitos Sobre a Saúde

Pesquisas convincentes mostram que seu cérebro tem uma grande plasticidade, que você controla através de sua dieta e opções de estilo de vida. Infelizmente, as indústrias de açúcar e de alimentos processados fizeram o público sofrer uma forte lavagem cerebral para levá-lo a acreditar que o açúcar é um “nutriente” perfeitamente razoável que faz parte a uma dieta saudável.

Sem informações precisas, certamente é mais difícil fazer escolhas de fortaleçam sua saúde. A Newsweek recentemente publicou um artigo revelando o quão longe a indústria açucareira está preparada para ir para defender sua participação no mercado:

“De acordo com um novo relatório do Center for Science and Democracy… grupos industriais que representam as empresas que vendem adoçantes, como a Sugar Association e a Corn Refiners Association… investiram milhões de dólares para combater a ciência que indica as consequências negativas para a saúde de comer seus produtos.

Por exemplo, quando um estudo da University of Southern California, feito em 2013, descobriu que o conteúdo real de xarope de milho de alta frutose em refrigerantes ‘variou significativamente’ do conteúdo de açúcar divulgado nos rótulos dos refrigerantes, a Corn Refiners Association considerou pagar por sua própria pesquisa de contra-ataque.

Um consultor sugeriu que a pesquisa de contra-ataque só deveria ser publicada se os resultados se alinhassem ao seu objetivo de contestar o estudo da USC: ‘Se, por algum motivo, os resultados confirmassem [o estudo da University of Southern California], poderíamos simplesmente esconder esses dados’, escreveu o consultor, de acordo com o relatório.”

De acordo com o relatório do Center for Science, a Sugar Association ainda ameaçou o diretor-geral da Organização Mundial da Saúde (OMS). A OMS publicou um artigo sobre o açúcar, recomendando um limite de 10 por cento de açúcares adicionados, afirmando que os açúcares adicionados “ameaçam a qualidade nutricional das dietas”.

Sugar Association mandou uma carta ao diretor-geral, advertindo-o de que, a menos que a OMS retirasse o estudo, a Sugar Association iria persuadir o Congresso dos EUA a retirar o financiamento federal da OMS. No ano seguinte, quando a OMS publicou sua estratégia global de saúde sobre dieta e saúde, não houve menção a esse estudo sobre açúcar.

Imagem relacionadaA Indústria do Açúcar Merece ser Culpada por Alimentar as Epidemias de Doenças Crônicas

De fato, apesar de evidências esmagadoras demonstrarem que o açúcar, e em particular a frutose processada, estão no cerne da nossa crescente epidemia de obesidade e doenças crônicas, a indústria do açúcar tem tido tanto sucesso em seus esforços para contrariar o impacto de tais evidências de que ainda não há um consenso entre as nossas agências reguladoras quanto aos perigos “reais” do açúcar…

De acordo com dados dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (Centers for Disease Control and Prevention -CDC), 13 por cento da dieta do americano médio é de açúcar.

No Reino Unido, um relatório recentemente publicado pelo Comitê Consultivo Científico sobre Nutrição (Scientific Advisory Committee on Nutrition- SACN) recomenda limitar a ingestão de açúcar adicionado a cinco por cento, a fim de evitar obesidade e diabetes tipo 2. Eles calculam que isso seja o equivalente a 25 gramas de açúcar (5-6 colheres de chá) por dia para mulheres e 35 gramas (7-8 colheres de chá) para homens.

Resultado de imagem para imagens sobre os perigos do açucarOrientações dietéticas para manter a função cerebral saudável e evitar a doença de Alzheimer

Está ficando cada vez mais claro que o mesmo processo patológico que leva à resistência à insulina e diabetes tipo 2 também pode ocorrer com seu cérebro.

À medida que você consome em excesso açúcares e grãos, seu cérebro fica sobrecarregado com os níveis consistentes de glicose e insulina que cegam sua sinalização de insulina, levando a deficiências nas habilidades de raciocínio e memória, eventualmente causando danos cerebrais permanentes.

Além disso, quando o seu fígado está ocupado processando frutose (que ele transforma em gordura), isso dificulta sua capacidade de produzir colesterol, um componente essencial do seu cérebro, que é crucial para se ter uma função cerebral otimizada.

De fato, um número crescente de evidências apoia a noção de que reduzir significativamente o consumo de frutose é um passo muito importante para a prevenção da doença de Alzheimer.

Por conta dos tratamentos muito limitados, e por ainda não haver nenhuma cura disponível, você realmente só tem apenas uma solução real, e isso é para evitar primeiramente que a doença de Alzheimer aconteça com você.

Conforme explicado pelo neurologista Dr. David Perlmutter, a doença de Alzheimer é uma doença baseada principalmente em escolhas de estilo de vida; os dois culpados principais são o consumo excessivo de açúcar e glúten.

Outro fator importante é o desenvolvimento e o aumento do consumo de grãos geneticamente modificados (GE), que atualmente podem ser encontrados na maioria dos alimentos processados vendidos. Se você quiser proteger a saúde do seu cérebro em termos de sua dieta, as seguintes sugestões podem estar entre as mais importantes para a prevenção de Alzheimer:

Evite o açúcar e a frutose refinada- Idealmente, você deve manter seu açúcar total e frutose abaixo de 25 gramas por dia, ou até 15 gramas por dia, se você tiver resistência à insulina ou qualquer distúrbio relacionado.

Em um recente estudo feito com animais, uma dieta junk food com alto teor de açúcar resultou em um debilitamento da memória após apenas uma semana!

Evite glúten e caseína (principalmente trigo e leite pasteurizado, mas não gorduras lácteas, como a manteiga)- A pesquisa mostra que sua barreira hematoencefálica, a barreira que mantém as coisas fora do seu cérebro, onde elas não pertencem, é afetada negativamente pelo glúten.

O glúten também torna seu intestino mais permeável, o que permite que as proteínas entrem na corrente sanguínea, um lugar ao qual elas não pertencem. Isso, então, sensibiliza seu sistema imunológico e promove inflamação e autoimunidade, que desempenham um papel no desenvolvimento da doença de Alzheimer.

Tenha uma dieta nutritiva, rica em folato- Os legumes, sem dúvida, são sua melhor forma de folato, e todos devemos comer uma abundância de legumes crus frescos todos os dias. Evite suplementos como ácido fólico, que é a versão sintética inferior do folato.

Aumente o seu consumo de todas as gorduras saudáveis, incluindo ômega 3 de origem animal.

As gorduras benéficas favoráveis à saúde que o seu cérebro precisa para ter uma função otimizada incluem manteiga orgânica de leite cru, manteiga clarificada chamada ghee, manteiga crua orgânica feita do leite de animais alimentados com grama, azeitonas, azeite de oliva virgem orgânico e óleo de coco, nozes como noz pecã e macadâmia, ovos de galinhas caipiras, salmão selvagem do Alasca e abacate.

Certifique-se também de obter suficientes gorduras ômega-3 de origem animal, como o óleo de krill (eu recomendo evitar a maioria dos peixes porque, embora o peixe seja naturalmente alto em ômega-3, a maioria dos peixes agora está fortemente contaminada com mercúrio).

Uma alta ingestão de gorduras ômega-3, EPA e DHA ajuda a prevenir danos celulares causados pela doença de Alzheimer, retardando assim sua progressão e reduzindo seu risco de desenvolver a doença.

Otimize sua flora intestinal- ao comer regularmente alimentos ferentados ou tomando um suplemento probiótico de alta potência e alta qualidade.

Coma mirtilos- Os mirtilos silvestres, que têm alto teor de antocianinas e antioxidantes, são conhecidos por proteger contra a doença de Alzheimer e outras doenças neurológicas.

Resultado de imagem para imagens sobre os perigos do alzheimerOutras Dicas Dietéticas Úteis e Suplementos Valiosos

Aqui está uma pequena lista de recomendações de suplementos que vale a pena observar por seus benefícios específicos na prevenção e tratamento da demência. Então, embora sua estratégia fundamental para prevenir a demência deva envolver uma abordagem abrangente de estilo de vida, você deve prestar especial atenção aos seguintes agentes dietéticos naturais.

Esses quatro alimentos/suplementos naturais estão respaldados pela ciência em termos de prevenção de mudanças cognitivas relacionadas à idade:

1.Gingko biloba: Muitos estudos científicos descobriram que o Ginkgo biloba tem efeitos positivos para a demência. Um estudo de 1997 da JAMA mostrou evidências claras de que o Ginkgo melhora o desempenho cognitivo e o funcionamento social para aqueles que sofrem de demência.

Outro estudo de 2006 revelou que o Ginkgo era tão efetivo quanto a medicação Aricept (donepezilo) para tratar a demência de tipo Alzheimer leve a moderada. Uma meta-análise de 2010 também identificou que o Ginkgo biloba é efetivo no tratamento de uma variedade de tipos de demência.

2.Ácido alfa lipóico (Alpha lipoic acid- ALA): O ALA demonstrou ajudar a estabilizar as funções cognitivas entre os pacientes com Alzheimer e pode retardar a progressão da doença.

3.Vitamina B12: Um pequeno estudo finlandês publicado na revista Neurology descobriu que as pessoas que consomem alimentos ricos em vitamina B12 podem reduzir seu risco de ter doença de Alzheimer quando se é idoso.

Para cada aumento de unidade no marcador da vitamina B12, o risco de desenvolver a doença de Alzheimer foi reduzido em dois por cento. Lembre-se que a metilcobalamina sublingual pode ser sua melhor opção neste caso.

Imagem relacionadaEstratégias de Estilo de Vida que Podem Ajudar a Eliminar a Doença de Alzheimer

Otimize seus níveis de vitamina D com exposição segura ao sol. Foram revelados fortes vínculos entre baixos níveis de vitamina D nos pacientes com doença de Alzheimer e resultados ruins em testes cognitivos.

Os pesquisadores acreditam que ter níveis de vitamina D otimizados pode aumentar a quantidade de substâncias químicas importantes no seu cérebro e proteger as células cerebrais, aumentando a eficácia das células gliais para tratar os neurônios até que eles se recuperem.

Exercite-se regularmente. Foi sugerido que o exercício pode desencadear uma mudança na forma como a proteína precursora amiloide é metabolizada, diminuindo assim o início e a progressão da doença de Alzheimer. O exercício também aumenta os níveis da proteína PGC-1alfa.

A pesquisa também mostrou que as pessoas com doença de Alzheimer têm menos PGC-1alfa em seus cérebros e as células que contêm mais das proteínas produzem menos da proteína amiloide tóxica associada à doença de Alzheimer.

Evite e elimine o mercúrio do seu corpo. As obturações de amálgama, que possuem 50% de mercúrio em seu peso, são uma das principais fontes de toxicidade de metais pesados. No entanto, você deve estar saudável antes de removê-las.

Evite o alumínio, como antitranspirantes, utensílios antiaderentes, adjuvantes de vacinas, etc.

Evite vacinas contra a gripe, pois a maioria contém mercúrio e alumínio, agentes neurotóxicos e imunotóxicos bem conhecidos.

Evite medicamentos anticolinérgicos e estatinas. Os remédios que bloqueiam a acetilcolina, um neurotransmissor do sistema nervoso, demonstraram aumentar seu risco de demência. Esses remédios incluem certos analgésicos noturnos, anti-histamínicos, pílulas para dormir, certos antidepressivos, medicamentos para controlar a incontinência e certos analgésicos narcóticos.

Desafie sua mente diariamente. O estímulo mental, especialmente aprender algo novo, como aprender a tocar um instrumento ou um novo idioma, está associado a um menor risco de doença de Alzheimer. Os pesquisadores suspeitam que o desafio mental ajude a desenvolver seu cérebro, tornando-o menos suscetível às lesões associadas à doença de Alzheimer.

Resultado de imagem para imagens sobre os perigos do açucarVisão pessoal…

O açúcar é um veneno e deveria ter sua venda controlada assim como o cigarro e o álcool. A radical afirmação é a conclusão de cientistas americanos, que atribuem o consumo excessivo de açúcar em alimentos e bebidas ao crescimento de doenças como obesidade, câncer, problemas no coração e no fígado. As informações são do jornal britânico Daily Mail .Eles acreditam que isso contribui para a morte de 35 milhões de pessoas por ano, em todo o mundo, o que na opinião dos pesquisadores é motivo suficiente para haver um maior controle e uma legislação mais rígida neste sentido. Em um artigo intitulado “A verdade tóxica sobre o açúcar”, publicado no jornal Nature , os cientistas afirmaram: “um pouco não é um problema, mas muito mata – lentamente”, sentenciaram.Eles alertam, ainda, que a obesidade atualmente representa um problema maior do que a desnutrição em todo o mundo. Eles reforçam que o açúcar não só contribui para a obesidade, mas afeta o metabolismo como um todo, aumenta a pressão arterial, desequilibra os hormônios e faz mal ao fígado. Os danos causados também estão associados ao abuso do álcool – feito com açúcar destilado.Os pesquisadores mostram que, assim como o álcool, o açúcar está disponível em larga escala, o que induz o abuso. Eles acreditam que a restrição seria mais efetiva do que educar as crianças sobre dietas ou exercícios físicos.Sendo assim, o estudo sugere que a taxa sobre os refrigerantes seja dobrada, o que poderia reduzir sua venda; assim como regulamentações mais rígidas em escolas e lanchonetes. O artigo mostra também que o consumo de açúcar atual representa o triplo do que era consumido há 50 anos. Outras linhas de pesquisa se opõem a esta teoria, afirmando que a chave para a boa saúde está em uma dieta variada, incluindo atividades físicas,mas todas sem açúcar…….

 Inspiração….

Monicavox

Recomendo….

Resultado de imagem para imagens de livros sobre o açucar

Resultado de imagem para imagens de livros sobre o açucar

Resultado de imagem para imagens de livros sobre o açucar

 

A soja é um bom alimento….?Vejamos…….

Resultado de imagem para imagens sobre os perigos da sojaA soja começou a ser utilizada como alimento durante a dinastia Chou (1134-246 AC), depois que os chineses aprenderam a fermentar os grãos de soja para produzir alimentos como missô e shoyu. Os orientais consomem alimentos de soja em pequenas quantidades, como condimento e não para substituir produtos animais.
* Inibidores de tripsina na soja interferem com a digestão de proteínas e podem causar distúrbios no pâncreas.

* Alimentos de soja aumentam a necessidade de vitamina D no organismo, porém a vitamina D sintética, acrescentada ao leite de soja, é tóxica.

* Os análogos à vitamina B12 na soja não são absorvidos e até aumentam a demanda de vitamina B12 no corpo.

Alimentos de soja contém altos níveis de alumínio, que são tóxicos para o sistema nervoso e os rins.

O processamento da proteína de soja resulta na formação de lisinoanalina tóxica e de nitrosaminas altamente cancerígenas. Durante o processamento, também é formado glutamato monossódico, MSG, um potente neurotóxico, e quantidades adicionais são acrescentadas a vários alimentos de soja.

Altos níveis de ácido fítico na soja reduzem a assimilação de cálcio, magnésio e cobre, bem como a biodisponibilidade de ferro e zinco, necessários para a saúde e o desenvolvimento do cérebro e do sistema nervoso. O ácido fítico na soja não é neutralizado por métodos comuns, como deixar de molho, germinar e cozinhar por muito tempo. Alimentos que contém grandes quantidades de ácido fítico causaram problemas de crescimento em crianças.

* Megadoses de fitoestrógenos, no pó de soja para lactentes, são implicados no atual aumento do desenvolvimento sexual prematuro em meninas e no retardamento do desenvolvimento sexual em meninos. Fitoestrógenos na soja interferem na função endócrina e podem causar infertilidade e podem provocar câncer de mama. Vários estudos revelaram que a soja causa infertilidade em animais. O consumo de soja aumenta o crescimento de cabelo em homens de meia idade, indicando níveis reduzidos de testosterona. Tofu era consumido por monges budistas para reduzir a libido.

Fitoestrógenos na soja são potentes agentes antitireóides que causam hipotireoidismo e podem causar câncer da tireóide. Em nenês, o consumo de leite de soja foi associado a uma doença auto-imune da tireóide. Alimentos de soja podem estimular o crescimento de tumores relacionados ao estrógeno e causar problemas na tireóide. A baixa função da tireóide está relacionada a dificuldades na menopausa.

Resultado de imagem para imagens sobre os perigos da soja* Em animais, a alimentação com soja mostra que fitoestrógenos na soja são poderosos disruptores endócrinos. A amamentação com soja – que inunda a corrente sangüínea com hormônios femininos, que inibem a testosterona – não pode ser ignorada como possível causa de desenvolvimento alterado em meninos, incluindo o TDAH, transtorno no déficit de atenção e hiperatividade. Meninos expostos a DES, um estrógeno sintético, tinham testículos menores que o normal na fase de maturação.

* Nenês do sexo masculino passam por uma “onda de testosterona” durante os primeiros meses de vida, quando os níveis de testosterona podem atingir aqueles de um homem adulto. Durante este período, o nenê masculino está programado para desenvolver características masculinas na puberdade – não apenas no desenvolvimento dos órgãos sexuais e de outros traços físicos masculinos, mas também na determinação das características cerebrais do comportamento masculino.

* Nenês alimentados com leite de soja têm 13.000 a 22.000 vezes mais compostos de estrógeno no sangue do que nenês que recebem leite em pó comum. O nenê alimentado exclusivamente com mamadeira de soja, recebe diariamente o estrógeno equivalente a, pelo menos, cinco pílulas anticoncepcionais por dia.

* Quase 15% de meninas brancas e 50% de meninas afro-americanas mostram sinais de puberdade, como desenvolvimento dos seios e pêlo púbico, antes dos oito anos de idade. Algumas meninas mostram desenvolvimento sexual antes dos três anos de idade. O desenvolvimento prematuro de meninas foi relacionado ao uso de mamadeira de soja e à exposição a pseudo-estrógenos ambientais como PCBs e DDE.

* O consumo elevado de fitoestrógenos durante a gravidez pode produzir efeitos adversos no feto e, mais tarde, sobre o início da puberdade.

O FDA nunca aprovou a proteína isolada da soja como GRAS (Generally Recognized as Safe), devido à preocupação com a presença de toxinas e cancerígenos na soja processada.

_____

Resultado de imagem para imagens sobre os perigos da soja

Ainda precisamos aprender muita coisa para não sermos trouxas perante as estratégias do marketing. 

Ficamos horrorizados com a produção moderna de alimentos e as técnicas de agricultura intensiva, e é muito bom que procuremos alternativas. De acordo com as estatísticas sobre doenças degenerativas, é óbvio que alguma coisa que estamos comendo está totalmente errada. No entanto, em nosso afã por substituir a nossa alimentação moderna por outra mais saudável e mais humana, é importante não nos tornarmos vítimas dos mesmos interesses mercadológicos que, na realidade, promoveram a produção moderna de alimentos.

O crescimento maciço dos derivados de soja como, alimentos saudáveis, representa um triunfo do marketing – primeiro tivemos o desenvolvimento de uma “necessidade e em, seguida, a criação de um produto para preencher essa necessidade. As empresas, por trás do cultivo da soja, não são pequenas indústrias de alimentos integrais, mas gigantes como a Monsanto – aqueles mesmos que introduziram os modernos “alimentos” processados. Conseguiram pegar um mantimento intragável, somente usado em pequenas quantidades por certas culturas, e reembalá-lo como um superalimento que poderia até curar condições como osteoporose, altas taxas de colesterol ou sintomas da menopausa.

Esses gigantes da indústria sabem como usar o seu grande poder de influência política. Eles conseguiram que a FDA, a Agência de Alimentos e Medicamentos dos Estados Unidos, desse sua bênção, afirmando que é saudável, e conseguiram abafar as informações sobre potenciais riscos à saúde.

Tenha certeza de uma coisa. A maioria dos produtos de soja não é “natural”. São tão processados, adulterados, refinados e “enriquecidos” como laticínios processados, leite “longa-vida” ou até mesmo Coca-Cola. A gororoba, que é o leite de soja ou queijo de soja e até mesmo o hambúrguer vegetal, passa por tantas fases de refinamento quanto o pão branco, pela forma como certas substâncias são retiradas e outras adicionadas para minimizar os problemas para a saúde.

A soja, que é adicionada a tudo, desde hambúrgueres vegetais até as tortas e pães enriquecidos com soja, representa a total degeneração de um alimento tradicional de uma cultura estrangeira. 
Os asiáticos usam a soja em quantidades mínimas e a soja que usam é saudável, porque é produzida pelos métodos tradicionais de fermentação ou lenta separação (como no misso, no shoyu e no tofu). Eles não consomem a soja nas enormes quantidades que nós usamos como substituição da carne ou do peixe.

Não há nada de errado em ser vegetariano. No entanto, é importante compreender que um alimento não é necessariamente bom para você só porque não contém carne.  Os alimentos refinados são prejudiciais à saúde, mesmo se vendidos em uma loja de produtos naturais. O alimento bom é qualquer alimento produzido da maneira tradicional e não manipulado pela indústria. Nem apregoado pelo marketing empresarial.

Resultado de imagem para imagens sobre os perigos da sojaVisão pessoal….

Sim, de fato algumas culturas usam muita soja, mas geralmente a forma “saudável” dela: molhos (shoyu) e missô, derivados a partir de um processo de fermentação. O grão da soja é rico em substâncias que inibem a enzima tripsina, que se bem me lembro das aulas de Biologia do colégio, é essencial na digestão pois é responsável por quebrar as proteínas. Sem digerir bem as proteínas, o organismo fica vulnerável a doenças.Além dessas substâncias, a soja contém hemaglutinina, que aumenta a viscosidade do sangue e a probabilidade de coagulação. Também encontramos fitatos ou ácidos fíticos (presentes em todas as sementes), que impedem a absorção de substâncias vitais como magnésio, ferro, cálcio e zinco. Os problemas que podem surgir são vários: enxaquecas, osteoporose e anemia.Aparentemente, o único modo de se livrar totalmente dessas substâncias é através da fermentação, de onde saem o shoyu e o missô. Nem o queijo mais hype das dietas, o tofu, está livre. No seu preparo, as substâncias nocivas não são retiradas por completo, e recomenda-se lavar bem a peça antes de comer.O leite de soja, então, parece ser dos piores: o preparo destrói as proteínas, não elimina os antinutrientes e utiliza substâncias a base de petróleo, cancerígenas; é interessante observar que a “febre da soja” e a estranha falta de discussão sobre seus males coincide com essa que é há anos a maior indústria de agronegócio do Brasil. Sendo que 80% de sua produção se concentra na região sul.Pois é, pelo jeito muita gente come, e o perigo pode ser grande para aqueles que abusam do grão, seja para emagrecer, para basear uma dieta vegetariana ou simplesmente para ter uma alimentação mais saudável…..

Inspiração….
Soy Alert!, Projeto da fundação Weston A Price, Washington, 1999

 http://www.slowfood.com da Associação Internacional Slow Food

Recomendo…..
Resultado de imagem para imagens sobre os perigos da soja
Resultado de imagem para imagens sobre os perigos da soja

10 ¨Segredos¨ sobre o flúor na água que você bebe e muito mais sobre esse assunto tão importante que afeta nossa Pineal

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre o flúorEDITORIAL –

Como considerar inteligente uma raça que destrói o ambiente do qual DEPENDE para sobreviver?

Utilizamos água limpa como solução ¨inteligente¨ para o esgoto. Pense no quanto isso é ignorante. Não bastasse isso, também tratamos a água que bebemos de uma maneira altamente questionável.O que acontece é que, a partir do momento em que temos uma solução confortável e aparentemente eficaz a curto prazo, paramos de pensar no tanto que algumas das nossas soluções são idiotas a longo prazo. Nós simplesmente paramos de pensar e questionar algumas coisas.Só evoluímos quando uma solução se mostra idiota a curto prazo, depois do longo prazo ter se vencido. Uma atitude questionadora, um apreço pela verdade, e principalmente disposição para mudar, quando nossa postura, diante da verdade, torna-se idiota.

“O Flúor de Hitler”
Durante a Segunda Guerra Mundial o flúor foi testado pela primeira vez em humanos. Os cientistas nazistas de Hitler usavam altas dosagens nos Campos de concentração dos judeus para que os mesmos ficassem inertes a situação que estava ocorrendo ao redor. O efeito foi o desejado pelos nazistas e os testes “aprovados”. O flúor retardou mentalmente os judeus e hoje esta mesma prática está sendo espalhada mundo a fora, pois o sistema atual aplica esta substancia venenosa para controlar o raciocínio dos seres humanos. É certo que se não tivéssemos contato com esse veneno que nos mata aos poucos, não teríamos dificuldades de memorizar, nem de aprender.O plano da Nova Ordem Mundial é deixar a humanidade mais burra. Enquanto isso eles desfrutam dos mananciais de águas puras, sem contaminação alguma. 
Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre o mal do fluor

10 fatos ¨secretos¨ sobre a água fluoretada que você bebe:

1 – A maior parte dos países desenvolvidos não adiciona flúor à água. O Japão e 97% da Europa ocidental não bebe água com flúor. Segundo Uma declaração da república Checa, é eticamente questionável forçar qualquer tipo de medicação, principalmente uma tão controversa.

2 – Países que adicionam flúor não tem índices menores de caries do que países que adicionam flúor. Estudos modernos de grande escala não mostram diferença na quantidade de cáries.

3 – O flúor afeta diversos tecidos no seu corpo, dos seus dentes ao seu cérebro. 43 estudos em humanos encontraram relação entre o flúor, danos cerebrais e QI mais baixo em crianças. Várias doenças de artrite até problemas da tireoide podem estar ligadas ao flúor.

4 – A maioria das crianças excede hoje a ingestão de flúor apenas pelo uso de pasta de dente. cerca de 40% dos adolescentes nos EUA apresentam fluorose(manchas brancas nos dentes) causada pelo excesso de flúor.

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre o mal do fluor
5 – O Flúor não é um nutriente essencial para o ser humano.4 – A maioria das crianças excede hoje a ingestão de flúor apenas pelo uso de pasta de dente. cerca de 40% dos adolescentes nos EUA apresentam fluorose(manchas brancas nos dentes) causada pelo excesso de flúor.

6 – O Flúor utilizado na água é ácido fluossilícico, não é o flúor que ocorre naturalmente em alguns mananciais.

7 – O flúor não faz nada pela água. Ele é utilizado apenas e com o único objetivo de evitar cárie em humanos.

8 – Beber o flúor não adianta, ele é apenas efetivo quando tópico, em contato com os dentes.

9 – O Flúor é mais tóxico do que o chumbo, menos tóxico que o arsênico.

10 – A União de cientistas do EPA (Agência de proteção ambiental dos EUA) é Abertamente e vocalmente oposta à fluoretação da água, segundo eles, uma ação irracional, desmedida e perigosa. E eles estão sólidamente embasados. O documento divulgado pela união tem uma série de estudos ligando a fluoretação a uma quantidade ENORME e séríssima de problemas de saúde.

Por que isso não é divulgado ou questionado abertamente?

lampadaEssa situação parece ter acontecido do mesmo jeito que a pirâmide alimentar, a demonização do ovo  e os diversos mitos prejudiciais relacionados com alimentação, saúde e emagrecimento.

Veio alguém e declarou aquilo apressadamente e dúbiamente como verdade e a maioria das pessoas só aceitou aquilo como verdade inquestionável.

A partir daí as pessoas passaram a divulgar apenas um lado da moeda, e não olhar para o outro de maneira imparcial, como deve ser feito.

Absolutamente tudo deve ser questionado.

A CALCIFICAÇÃO DA PINEAL PELO FLUORETO

A glândula pineal (também chamada de corpo pineal, epífise cerebral, epífise ou o “terceiro olho”) é uma pequena glândula endócrina no cérebro dos vertebrados e produz a melatonina, serotonina e também DMT (Dimetiltriptamina). A sua forma assemelha-se a uma pequena pinha (daí o seu nome), e está localizada perto do centro do cérebro, entre os dois hemisférios, escondida num sulco onde os dois corpos talâmicos arredondados se juntam. Esta pequena glândula é estudada há muito tempo e é considerada por muitos como a “sede da alma”. Para vocês entenderem melhor, os hindus a conhecem como “centro de força”, os ocultistas, como “olho de shiva” (por ser o responsável pela clarividência, a vidência Racional). É realmente o “olho” pelo qual o homem harmoniza o mundo interior e o exterior, o elo de ligação entre o macrocosmo e o microcosmo. Ao pé da letra, é responsável pela harmonia com si mesmo, pela espiritualidade, pela conexão com o divino. Há estudos, entretanto, que indicam que o fluoreto seja atraído magneticamente à glândula pineal, calcificando-a e depositando metais pesados em seu corpo, por consequência. É, na verdade, um assunto que dá continuidade ao post sobre o Flúor na água e claro, gostaria de alertar que é apenas uma informação sobre o tema, não se trata necessáriamente de uma opinião sómente.

No final dos anos 90, um cientista com o nome de Jennifer Luke realizou o primeiro estudo sobre os efeitos do fluoreto de sódio na glândula pineal. Ela determinou que a glândula pineal, localizada no meio do cérebro, foi alvo do fluoreto. A glândula pineal simplesmente absorveu mais flúor do que qualquer outra matéria física no corpo, até mais que os ossos. Como disse antes, a Glândula Pineal é como um ímã para o fluoreto de sódio. Este calcifica a glândula e faz com que seja menos eficaz em equilibrar os processos hormonais do corpo. Desde então que diversas investigações provaram que o Fluoreto de Sódio afeta a glândula mais importante do nosso cérebro! É a única coisa que ataca o centro mais importante da nossa glândula no cérebro. É predominante em alimentos, bebidas, no nosso banho e na água potável. Fluoreto de Sódio é colocado em 90% do abastecimento de água dos Estados Unidos, portanto a importância de filtros alcalinizadores e que retirem estas substâncias da água. Para continuar com as pesquisas, há uma da Universidade de Harvard que descobriu o efeito do Fluoreto em nosso QI.

A instituição publicou uma meta-análise, financiada pelos Institutos Nacionais de Saúde (NIH), que concluiu que as crianças que vivem em áreas com água altamente fluoretada têm valores de QI “significativamente inferiores” do que aqueles que vivem em áreas de flúor baixo. Num relatório de 32 páginas (em que pode ser feito o download gratuitamente a partir do Environmental Health Perspectives) um dos pesquisadores disse: “Os resultados da nossa meta-análise de 27 estudos publicados ao longo de 22 anos sugerem uma associação inversa entre a alta exposição ao flúor e a inteligência das crianças (…). Os resultados sugerem que o flúor pode ser um neurotóxico que afeta o desenvolvimento do cérebro em exposições muito inferiores aos que podem causar toxicidade em adultos (…)”. Para quem pesquisa sobre o assunto, não é novidade. Uma forma eficaz é evitar esta exposição tóxica e entender mais sobre a glândula pineal, que é um assunto extremamente interessante e que poucos abordam!

Fonte;-(CRM 68874) Dr. Mohamad Barakat, formado pela FMABC-UNIFESP/EPM, Pós-Graduado em Endocrinologia e Metabologia pela IPEMED

Cisto de glândula pineal calcificada visualizada em CT. Fonte: HellerhoffFlúor pode afetar a pineal e gerar Alzheimer

Estudos científicos têm demonstrado que pacientes portadores de alzheimer possuem a glândula pineal calcificada

Estudos científicos têm demonstrado, através de tomografia computadorizada, que pacientes com alzheimer possuem uma significante quantidade de tecido da glândula pineal calcificado. Pessoas com outras enfermidades, tais como depressão e outros tipos de demência, apresentam uma quantidade bastante inferior de tecidos calcificados nesta região.Na década de 1990, uma cientista britânica, Jennifer Luke, descobriu que o flúor se acumula em níveis notavelmente altos na glândula pineal. A glândula pineal possui um tecido altamente passível de sofrer calcificações, que, sendo naturalmente exposto a um elevado volume de fluxo sanguíneo, torna-se o principal local  de acúmulo de flúor em humanos.

O flúor é um gás halógeno, extremamente volátil e altamente reativo. Ao ser ingerido é rapidamente absorvido pela mucosa do estômago e do intestino delgado. Sua via de eliminação são os rins, responsáveis por eliminarem 50% do flúor diariamente ingerido, e o que sobra tem que encontrar refúgio em alguma parte do corpo, que geralmente é junto ao cálcio de algum dos tecidos conjuntivos. Como os dentes e os ossos são os maiores reservatórios de cálcio, é para lá que o excesso de flúor tende a se dirigir, passando a deformá-los e a provocar o que cientificamente se conhece como fluorose.

Resultado de imagem para imagens sobre o flúoroseNo caso dos ossos, dentes e glândula pineal, acrescenta-se ainda a facilidade com que os íons de flúor (1,29Z) substituem os da hidroxila OH- (1,33Z) e se incorporam à estrutura dos cristais de apatita. Por isso, diante do excesso de flúor, esses tecidos perdem a flexibilidade e se tornam extremamente rígidos e quebradiços.

Logo, as partes calcificadas da glândula pineal (cristais de hidroxiapatita) contêm as maiores concentrações de flúor do organismo humano, até mesmo maiores do que em qualquer osso. A glândula pineal é como um ímã para o fluoreto de sódio. Este calcifica a glândula e faz com que ela não tenha mais eficácia no equilíbrio de todo o processo hormonal do corpo.

Pesquisadores descobriram que os depósitos calcificados presentes na pineal estão associados com a diminuição do número de pinealócitos (principais células da glândula responsáveis pela produção de melatonina), com o funcionamento e a produção de melatonina reduzida, bem como com deficiências no ciclo sono-vigília, além de potencialmente destruirem a função normal na puberdade. Desta forma, o ciclo circadiano,  período de aproximadamente 24 horas sobre o qual se baseia o ciclo biológico (responsável por regular todos os ritmos psicológicos, a digestão, o estado de sono-vigília, a renovação das células e o controle da temperatura do organismo), se torna desregulado.

Resultado de imagem para imagens sobre o flúor e a pinealA toxicidade do flúor

O debate sobre os perigos do flúor está em curso há mais de seis décadas, apesar de inúmeros estudos confirmarem que o fluoreto é um veneno perigoso, tóxico, e que se bio-acumula no organismo ao ser ingerido ao longo da vida. Então, o que exatamente o fluoreto causa ao seu cérebro além de calcificar a glândula pineal?

Em 2006, pesquisadores da Harvard School of Public Health e da Icahn School of Medicine at Mount Sinai fizeram uma revisão sistemática e identificaram cinco produtos químicos industriais como sendo neurotóxicos. Isto incluiu venenos inquestionáveis, como o chumbo, o metilmercúrio, bifenilas policloradas, arsênico e tolueno. Desde então, eles têm documentado seis neurotóxicos de desenvolvimento adicional, sendo agora 11 produtos químicos industriais conhecidos por prejudicarem o desenvolvimento do cérebro em fetos humanos e em bebes. Um dos neurotóxicos adicionados mais recentemente a essa lista é o fluoreto, o qual atravessa facilmente a barreira placentária. Um dos autores do estudo já havia afirmado:

“O flúor parece se ligar ao chumbo, mercúrio e outros venenos que causam desequilíbrio na química do cérebro… O efeito de cada substância tóxica pode parecer pequeno, mas o dano combinado em uma escala da população pode ser grave, especialmente porque o poder do cérebro da próxima geração é crucial para todos nós. “

Há 37 estudos em humanos que ligam exposições aos fluoretos com inteligência reduzida (9 desses estudos encontraram QI reduzido em pessoas que consumiam água com menos de 3 ppm de fluoreto) e 12 estudos em humanos que ligam o flúor com déficits neurocomportamentais. Há também 3 estudos em humanos que ligam a exposição ao flúor com desenvolvimento restrito do cérebro fetal, e cerca de 100 estudos com animais que ligam o flúor a danos cerebrais.

Resultado de imagem para imagens sobre agua fluoretada

Água fluoretada e prevenção de cáries

Prevenção de cáries é o motivo pelo qual a Organização Mundial de Saúde iniciou, desde 1930, o programa de inclusão artificial do flúor na água. Logo, acredita-se que a eficácia da água fluoretada em evitar cáries estaria provada e comprovada para além de qualquer dúvida razoável. Mas, uma nova pesquisa sugere que esta suposição é dramáticamente equivocada: o uso de dentifrícios fluoretados não tem sido provado como bom para a saúde oral; no entanto o consumo de água fluoretada pode não ter nenhum impacto positivo.

Cochrane é uma organização não-governamental constituida por médicos e pesquisadores, existente em mais de 130 países, conhecida por suas considerações competentes, sendo estas consideradas o ‘padrão-ouro’ do rigor científico em relação a avaliar a eficácia das políticas de saúde pública estabelecidas. Recentemente, eles realizaram uma pesquisa no intuito de descobrir se a fluoretação reduz as cáries. Revisaram todos os estudos feitos sobre a fluoretação que eles puderam encontrar e, em seguida, analisaram os resultados dos estudos e publicaram a sua conclusão em uma revisão no início de junho deste ano.

A revisão identificou apenas três estudos, desde 1975, com qualidade suficiente para serem utilizados, os quais abordaram a eficácia da fluoretação na prevenção da cárie dentária na população em geral. O co-autor da revisão, Anne-Marie Glenny, pesquisador de ciências da saúde da Universidade de Manchester, no Reino Unido, concluiu que esses estudos determinaram que a fluoretação não reduz cáries em um grau estatisticamente significante em dentes permanentes.

Os autores encontraram apenas dois estudos, desde 1975, que avaliaram a eficácia da redução de cáries nos dentes de bebês, e concluíram que a fluoretação não tem nenhum impacto positivo estatisticamente significativo. Os cientistas também concluiram que há insuficientes evidências de que a fluoretação reduz a cárie dentária em adultos. “A partir da avaliação, não podemos determinar se a fluoretação da água tem um impacto sobre os níveis de cárie em adultos”, diz Glenny.

Flúor banido em diversos países

Segundo o site worldlifeexpectancy.com, a Finlândia, o Canadá e os Estados Unidos são os países com o maior número de pessoas acometidas por Alzheimer. Atualmente, os Estados Unidos têm diminuido a quantidade de cidades que participam do programa de fluoretação e o número de cidades fora do programa tem crescido gradualmente. Curiosamente, a Finlândia, assim como diversos países europeus, como Alemanha, Japão, Suíssa e Suécia baniram a fluoretação da água. Países que aparecem no site como tendo índices extremamente baixos de Alzheimer, tais como Grécia, Camboja e Índia não possuem, coincidentemente, programa de fluoretação da água.

Fluoretação da água  no Brasil

A fluoretação da água foi adotada pela primeira vez no Brasil na cidade de Baixo Guandu, ES, em 1953. Uma lei federal entrou em vigor em 1974 exigindo que estações novas ou ampliadas de tratamento de água deveriam ter a fluoretação, e sua disponibilidade foi significativamente ampliada na década de 1980, com fluoretação fixada em níveis de 0,8 mg/L. Segundo o IBGE, a partir de 2008, 3.351 municípios (60,6%) haviam adotado a fluoretação.

Resultado de imagem para imagens sobre manjericão santoDescoberta planta que remove flúor da água

Após tantas evidências contra o flúor, a melhor opção seria removê-lo da água. Atualmente há filtros que removem ou diminuem a incidência do flúor. Mas, um método eficaz surgiu após a descoberta de uma fantástica planta. Uma planta chamada tulsi, ou manjericão santo (Ocimum tenuiflorum), que cresce por toda a Índia, pode ser apenas outra resposta para retirar o flúor da água em países pobres em todo o mundo. Cientistas da Universidade de Rajasthan descobriram que otulsi pode substituir algumas das alternativas mais caras para a remoção de flúor.

Os investigadores conduziram o experimento em uma aldeia de Narketpally, imergindo 75 mg de folhas de manjericão santo em 100ml de água que tinha mais de 7 partes de flúor por milhão de água. Após a imersão das folhas em água durante apenas 8 horas, o flúor foi reduzido para apenas 1,1 parte por milhão. A Organização Mundial de Saúde diz que os níveis “seguros” de flúor na água não devem ultrapassar mais do que uma parte por milhão.Com a recente admissão da Universidade de Harvard que o flúor é ruim para a saúde, e as notícias continuadamente apontam para o flúor sendo responsável por esgotar a capacidade do cérebro causando déficit de atenção, ou mesmo calcificando a glândula pineal, (que inibe importantes secreções hormonais como a melatonina e serotonina, e DMT), é uma notícia maravilhosa de que um remédio tão simples foi encontrado.

Visão pessoal….

O olho da mente, cientificamente conhecido como a glândula pineal, é considerado a porta de entrada para os níveis mais elevados de consciência, no caso de você não estar ciente a glândula pineal é uma glândula endócrina em forma de uma pequena pinha no cérebro que produz e secreta o hormônio melatonina, acredita-se também que a glândula pineal seja responsável pela liberação de Dimetiltriptamina (DMT), a glândula pineal é o “princípio da sede da alma”, segundo Descartes, como você pode ver esta glândula tem muitas funções tanto física como metafisicamente, assim mantê-la funcionando em todo o seu potencial deve ser uma prioridade de todos os que procuram uma mente saudável.À medida que envelhecemos a glândula pineal começa a se calcificar e tornar-se lenta, esta taxa varia consideravelmente por pessoa e estilo de vida, mas o consumo de quantidades excessivas de flúor é considerado um fator de risco, isto é em parte porque o fluoreto se acumula em quantidades extremamente altas na glândula pineal causando sua calcificação mais rapidamente, o flúor também pode diminuir a produção de melatonina, duas coisas que certamente não queremos que aconteça, a pesquisa mostrou que esta calcificação da glândula pineal tem uma forte correlação no desenvolvimento da doença de Alzheimer (Mercola 2011), uma dieta pobre carregada de conservantes, açúcar branco, refrigerantes, GMO, produtos químicos e pesticidas é um importante fator de risco para a calcificação e seu envelhecimento precoce também.O que podemos fazer para combater o processo de envelhecimento e calcificação da glândula pineal ?Devemos comer uma dieta livre de conservante / química , que seja rica em gorduras saudáveis​​, deve ser um acéfalo (trocadilho intencional), mas o que mais podemos fazer ?Enquanto você não cortá-lo completamente você pode reduzir drasticamente os níveis de flúor que consome, para fazer isso deve filtrar adequadamente à água da torneira antes de beber uma vez que muitas comunidades têm abastecimento de água que é adicionado flúor, para conseguir isso você precisa usar um filtro que retire o flúor (cuidado com o filtro por osmose reversa ele também retira todos os minerais da água “matando-a”), ou comprando água engarrafada que indica a não adição de flúor de água de nascentes, você também pode mudar para um creme dental sem flúor, muitos tipos de pasta dentais naturais podem ajudar na prevenção da cárie dentária, além de não intoxicá-lo com flúor.Tome vinagre e maçã,que é rico em ácido málico tornando-se um grande tônico para desintoxicar o corpo todo incluindo a glândula pineal, o vinagre de maçã tem uma longa lista de benefícios e pode ajudar a tornar o corpo mais alcalino (isso é uma coisa muito boa), tente tomar uma colher de sopa 3 vezes ao dia ou experimente adicioná-lo no suco de limão com mel, sente-se, saboreie e colha os benefícios;Coma alimentos ricos em iodo como algas marinhas, outros alimentos como cranberry, feijão verde, couve, brócolis, folhas verdes escuras, banana, camarão e lagosta também são ricos em iodo, esta é uma lista muito curta, incompleta, você pode ajustá-la para atender às suas necessidades e estilo de vida, não só a função de apoio do iodo para a tireoide, mas também é importante para a glândula pineal, o iodo ajuda a remover o flúor do corpo que como discutido acima é muito tóxico, o iodo pode ser prejudicial em níveis super altos por isso se você optar por usar em forma de suplemento considere o uso de uma forma solúvel em água como Iosol, para evitar o risco de excesso ao consumi-lo;outra coia é o Cacau cru orgânico,que é rico em antioxidantes que combatem os radicais livres e mantêm o nosso cérebro saudável, isso também pode ajudar a estimular o olho da mente(pineal) ajudando a desintoxicá-la, além disso quem não gosta de chocolate ?Mais uma estrela;O óleo de coco(extra virgem prensado a frio) nutre todo o corpo até mesmo a pele e o cabelo, mas a sua maior vantagem é que ele nutre o cérebro e desintoxica a glândula pineal, o óleo de coco é rico em triglicérides de cadeia média que são convertidos em cetonas no fígado, foi comprovado que as cetonas restauram os neurônios e a função dos nervos no cérebro (Mercola 2013), esta é uma grande notícia para reverter os danos no cérebro e pode até mesmo fornecer um avanço na pesquisa da doença de Alzheimer, os Triglicerídeos de cadeia média (TCM), o principal tipo de gordura encontrada no óleo de coco aumenta o desempenho cognitivo em adultos mais velhos que sofrem de distúrbios de memória tão graves como a doença de Alzheimer e não é depois de meses ou até mesmo dias de tratamento, mas após uma única dose de 40 ml (3 colheres de sopa); brotos de alfafa e de Salsa ajudam a energizar a glândula pineal, todas estas ervas (e muitas outras) ajudam a estimular e desintoxicar a glândula pineal, tente adicionar o broto de a salsa e de alfafa generosamente quando cozinhar para um impulso extra do cérebro;Outra coisa é parar de usar óculos de sol;Será que isso chamou a sua atenção ? Bem deixe-me explicar, a luz refletida pela retina estimula a glândula pineal, nossos olhos precisam ser expostos à luz solar indireta diariamente (a qualquer uma célula ganglionar fotossensível), se você for usar óculos de sol certifique-se de tirá-los pelo menos por um curto intervalo de tempo diariamente, isso também nos fornece vitamina D que é muito importante para a saúde e equilibra o cérebro ajudando a combater a depressão.Claro que existem várias outras maneiras maravilhosas para promover a saúde dos olhos da mente, como foi dito, isso não é de forma alguma uma lista completa, é sempre bom verificar com um médico fitoterapeuta, especialmente se você tiver algum problema de saúde se for tomar suplementos, agora vá em frente nutrir o olho da sua mente 

Inspiração…….

• Mistério do flúor: Cientistas estudam o controverso aditivo

Toxicidade do flúor – Portal FOP-Unicamp

Controvérsias sobre o flúor | Scientific American Brasil 

Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Uso do flúor .

Monicavoxblog

Recomendo….

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre o flúor

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre o flúor

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre o flúor