YANTRA

Resultado de imagem para IMAGENS DE YANTRASYANTRA literalmente significa “apôio” e “instrumento”.

Um yantra é um desenho geométrico atuando como uma ferramenta altamente eficiente para a concentração, contemplação e meditação. Yantras carregam um significado espiritual: há um significado específico que pertence a níveis superiores de consciência; Fornece um ponto focal é uma janela para que o Absoluto. Quando a mente está concentrada em um único objeto simples (Neste caso, um Yantra), a vibração da mente,cessa. Eventualmente, o objeto é descartado quando  a mente é esvaziada ,e podemos permanecer em silêncio e sem ajuda. Nas fases mais avançadas, é possível alcançar a união com Deus /Fonte através da visualização geométrica de um yantra.

O yantra é como uma imagem microcósmica do macrocosmo. É um ponto de foco e uma porta exterior e interior. Os yantras frequentemente estão focados em uma divindade (entenda-se que aqui cada divindade possui sua própria simbologia e significados e atributos e qualidades) específica, de modo que, sintonizando em Yantras diferentes pode-se tocar em divindades ou centros de força criativa do universo.

Normalmente Yantras são projetados para que o olhar se fixe no centro, e são muito simétricos, podendo ser desenhados em papel, madeira, metal, ou terra, ou eles podem ser tridimensionais.

O YANTRA mais célebre na Índia é o Sri Yantra de Tripura Sundari . É um símbolo de todo o cosmos que serve para lembrar o praticante que entre o sujeito e objeto, não há diferença

Resultado de imagem para IMAGENS DE YANTRASComo trabalhar com Yantras

A base de operação do yantra é uma coisa chamada “forma de energia” ou “energia forma”.A idéia é que cada forma emite uma freqüência muito específica e padrão de energia.Exemplos de antigas idéias de que yantras e mandalas são formas de energia são: a estrela de Davi, a estrela de cinco pontas (Pentágono), a cruz cristã, as pirâmides, o cubo de Metatron e assim por diante.

Alguns dos poderes são atribuídos às várias formas. Alguns têm as energias “más” ou negativas e algumas energias “boas” ou positivas, mas na Yoga Yantra ,apenas as energias benéficas e harmoniosas são usadas.Quando alguém se concentra em um yantra, a mente automáticamente fica sintonizada por ressonância na forma específica de energia do YANTRA.

O processo de ressonância é amplificado e depois mantida. O Yantra atua apenas como“sintonizar”um mecanismo ou uma porta. A Energia Sutil não vem (ou está) no YANTRA em si, mas no macrocosmo.Básicamente, yantras são as chaves secretas para estabelecer ressonância com as energias benéficas do macrocosmo. Muitas vezes, os Yantras podem nos colocar em contato com energias extremamente elevadas, sendo de inestimável ajuda no caminho espiritual.
Em primeiro lugar, Yantras não podem simplesmente ser inventados de imaginação. Cada modo específico e emoção tem uma forma específica de energia associada a uma forma (desenho) . Esta forma inequívoca determina a forma do yantra associado a esse estado de espírito. Os Yantras tradicionais foram descobertos, por meio da revelação, pela clarividência, não foram inventados simplesmente. É preciso ser um verdadeiro mestre espiritual, um guru tântrico, para ser capaz de revelar uma YANTRA novo para o mundo.

Daí que os Yantras devem ser conservados em sua forma original, não podendo ser colocados invertidos, da mesma forma que a cruz invertida significa outra coisa.

Dissecando os Yantras:

O poder de Yantras para induzir ressonância é baseada na forma suas especificidades de aparência.Tal diagrama um pode ser composto de um ou mais formas geométricas que se combinam em um modelo preciso representando e transfigurando na sua essência, ao nível do universo físico, a esfera sutil de força correspondente à divindade invocada.

Deste ponto de vista podemos argumentar que o YANTRA funciona de forma semelhante a um mantra (palavra sagrada). Por ressonância, uma certa energia do microcosmo do praticante vibra na mesma sintonia com a presente energia correspondente no infinito, no macrocosmo de energia, que é representada no plano físico pelo yantra.

O princípio da ressonância com qualquer divindade, energia cósmica, aspecto, fenômeno ou energia deve a sua aplicabilidade universal para a perfeita correspondência existente entre o ser humano (visto como um microcosmo verdade) e da Criação como um todo (macrocosmo).

Resultado de imagem para IMAGENS DE YANTRASContorno

Cada YANTRA é delimitado a partir do exterior por uma linha ou um grupo de linhas que formam o seu perímetro. Estas linhas marginais têm a função de manter, conter e evitar a perda das forças mágicas representados pela estrutura do núcleo do YANTRA, geralmenteponto central. Eles também têm a função de aumentar a sua força mágica e sutil.

O núcleo do YANTRA é composto de um ou várias formas geométricas simples: pontos, linhas, triângulos, quadrados, círculos e lótus que representam, em diferentes maneiras ,as energias sutis.

Resultado de imagem para IMAGENS DE ponto bindu YANTRASPonto – Bindu

Por exemplo, o ponto (Bindu) significa a energia focalizada e sua concentração intensa. Ele pode ser compreendido como uma espécie de depósito de energia, que pode, por sua vez,irradiar energia sob outras formas.O ponto geralmente é cercado por superfícies diferentes, quer um triângulo, um hexágono,um círculo, etc Estas formas dependem da característica da divindade ou aspecto representado pela YANTRA. Na iconografia tântrica, o ponto é chamado Bindu; no tantra Bindu é simbólicamente considerado Shiva, a fonte de toda a criação.

Imagem relacionadaTriângulo – Trikona

O triângulo (trikona) é o símbolo da Shakti, a energia feminina ou aspecto da Criação.O triângulo apontando para baixo representa a yoni, o órgão sexual feminino e o símbolo da fonte suprema do Universo, significa o elemento água que tende sempre a voar e ocupar a posição mais baixa possível. Este triângulo é conhecido como SHAKTI KONA.O triângulo está apontando para cima, significa aspiração espiritual intensa, a sublimação de sua natureza para os planos mais sutis e do elemento de fogo (AGNI tattva).O fogo é sempre orientada para cima, assim, a correlação com o triângulo para cima –SHIVA KONA.

A intersecção de duas formas geométricas (linhas, círculos, triângulos, etc) representa as forças que são ainda mais intensas do que aquelas geradas pelas formas simples. Tal interpenetração indica um alto nível na interação dinâmica das energias correspondentes.Os espaços vazios gerados por tais combinações são descritos como muito eficientes campos operacionais das forças que emanam do ponto central do YANTRA.É por isso que muitas vezes pode encontrar representações de mantras em tais espaços.YANTRA e MANTRA são aspectos complementares de Shiva e sua utilização em conjunto émuito mais eficiente do que o uso de uma só.

Imagem relacionadaA Estrela de 6 pontas – SHATKONA

A combinação típica freqüentemente encontrados na estrutura gráfica de um Yantra é a superposição de dois triângulos, um apontando para cima e outro para baixo, formando uma estrela com seis pontos (SHATKONA), também conhecido como Estrela de Davi. Esta forma simbólicamente representa a união de Purusha e Prakriti ou Shiva-Shakti, sem o qual não poderia haver Criação.

Resultado de imagem para IMAGENS DE ponto bindu YANTRASO Círculo – chakra

Outra forma geométrica simples, muitas vezes usado em Yantras é o círculo, que representa a rotação, um movimento intimamente ligada com a forma de espiral, que é fundamental na evolução Macrocósmica. Ao mesmo tempo, o círculo representa a perfeição, a felicidade plena e o vazio criativo.Na série dos cinco elementos fundamentais representa o ar – Vayu Tattva.

Imagem relacionadaO Quadrado – BHUPURA

Entre os elemetos geométricas simples que compõem Yantras há também a quadrado. Égeralmente o limite exterior do YANTRA e simbolicamente, representa o elemento terra –Prithivi tattva.Cada YANTRA começa a partir do centro, muitas vezes marcado por um ponto central (bindu) e termina com quadrado exterior. Isto representa o sentido da evolução universal, a partir do sutil e terminando com o grosseiro, a partir de “éter” e terminando com “Terra”.

A maior parte das vezes Yantras são compostos por estas formas geométricas simples, por vezes, encontramos outros elementos como pontas de flecha, tridentes, espadas, picos incluídos no projeto de um YANTRA com a finalidade de representar vetores e direções de ação.

Resultado de imagem para IMAGENS DE YANTRAS lotusO lótus (padma)

O símbolo de lótus (ou suas pétalas) é um símbolo da pureza e da variedade, cada pétala de lótus que representa um aspecto distinto. A inclusão de uma flor de lótus em um Yantra representa a liberdade de interferências múltiplas com o exterior (pureza) e expressa a força absoluta do Ser Supremo.

Resultado de imagem para IMAGENS DE livros sobre YANTRASVisão pessoal…

Em conclusão, um Yantra é um instrumento muito complexo espiritual na prática tântrica(sadhana). Ele pode acalmar e concentrar as atividades da mente, e por sua auto-sugestão positiva que tem um impacto benéfico sobre a saúde e bem-estar psíquico de uma pessoa.O Yantra sózinho não representa nada. Só quando é despertada pela concentração mental e meditação o processo de ressonância aparece e as energias benéficas do macrocosmo se manifestarão em microcosmo do praticante.Como mostramos acima, a chave secreta para uso Yantras na meditação é a ressonância.O processo de ressonância é estabelecido pela concentração mental sobre a imagem do Yantra.Enquanto a mente está em sintonia com o humor específico associado ao Yantra, os fluxos de energia fluem, mas quando a ressonância é interrompida, a energia desaparece.Uma sugestão para usar os Yantras é pendurá-lo sobre uma parede de frente para Norte ou Leste, colocando o centro dele ao nível dos seus olhos,adotar a postura que mais goste ou, se você quiser, sentar em uma cadeira mantendo a coluna reta;pode respirar pelo nariz e expirar pela boca, mas não force nada, apenas deixe o fluxo e respire normalmente;olhe para o centro do Yantra, tentando piscar o mais raramente possível, sem se preocupar em olhar os detalhes , basta manter a sua visão no centro e observá-lo todo de uma só vez;este exercício deve durar pelo menos 15-30 minutos todos os dias, a experiência será indescritível;com o tempo, depois de pelo menos sete dias de meditação com ele, você será capaz de aproveitar a energia mesmo sem um Yantra (no início você pode fixar sua visão em um ponto imaginário ou exterior ou evocar o Yantra com os olhos fechados);não se esqueça de consagrar os frutos desta prática para com Deus/Fonte (karma yoga) e aconselho a você não perseguir um objetivo ao fazer meditação com ele, apenas deixá-lo gradualmente orientá-lo para as energias sublimes do Macrocosmo;Ao executar estas técnicas, recomenda-se manter um estado de aspiração e intenso desejo de experimentar as energias beatíficas da consciência em fases superiores, já que o Yantra absorve a atenção total do praticante…. e ele já não pode dizer se o Yantra é dentro de si mesmo ou se ele está dentro do Yantra… este é o estado de não-dualidade.

Inspiração…..

Kundalini and Yantra PDF about mandalas and symbols

meditating with yantras: breathing exercises – Humanity Healing Netwo

Nadi Yantra – Scientific Research Publishing

Monicavox

Recomendo…

Resultado de imagem para IMAGENS DE livros sobre YANTRAS

Resultado de imagem para IMAGENS DE livros sobre YANTRAS

Resultado de imagem para IMAGENS DE livros sobre YANTRAS

 

 

Anúncios

OS FARDOS DO PASSADO – A MENTE TRANQÜILA – A COMUNICAÇÃO – A REALIZAÇÃO – DISCIPLINA – O SILÊNCIO – A VERDADE E A REALIDADE-por Jiddu Krishnamurti

Resultado de imagem para imagens de jiddu

Na vida que em geral levamos há muito pouca solidão. Mesmo quando estamos sós, nossa vida está tão repleta de influências, de conhecimentos, de memórias e experiências, de ansiedade, aflição e conflito, que nossa mente se torna cada vez mais embotada e insensível, funcionando numa monótona rotina. Estamos sós, alguma vez? Ou estamos transportando conosco todas as cargas de ontem?

Conta-se uma história interessante de dois monges que, caminhando de uma aldeia para outra, encontraram uma jovem sentada à margem de um rio, a chorar. Um dos monges dirigiu-se a ela, dizendo: “Irmã, por que choras?” E ela respondeu: “Estás vendo aquela casa do outro lado do rio? Eu vim para este lado hoje de manhã cedo e não tive dificuldade em vadear o rio; mas, agora ele engrossou e não posso voltar; não há nenhum barco”. “Oh!” diz o monge, “isto não é problema” – e levantou nos braços a jovem e atravessou o rio, deixando-a na outra margem. E os dois monges prosseguem juntos a jornada. Passadas algumas horas, diz o outro monge: “Irmão, nós fizemos o voto de nunca tocar numa mulher. O que fizeste é um horrível pecado. Não sentiste prazer, uma sensação extraordinária, ao tocar uma mulher?” – E o outro monge responde: “Eu a deixei para trás há duas horas. Tu ainda a estás carregando, não é verdade?”

É isso o que fazemos. Carregamos nossos fardos a todas as horas; nunca morremos para eles, nunca os deixamos para trás. É só quando dispensamos a um problema toda a nossa atenção e o resolvemos imediatamente, sem o transportarmos para o dia seguinte, o minuto seguinte – é só então que há solidão. Então, ainda que estejamos numa casa cheia de gente, ou viajando num ônibus, temos solidão. E essa solidão denota uma mente nova, uma mente inocente.

Ter silêncio e espaço interiores é muito importante, porque implica liberdade para existir, mover-se, atuar, voar. Afinal de contas, a bondade só pode florescer onde há espaço, assim como a virtude só pode medrar quando há liberdade. Podemos ter liberdade política, mas, interiormente, não somos livres e, por conseguinte, não há espaço. Nenhuma virtude, nenhuma qualidade valiosa, pode funcionar ou medrar sem esse vasto espaço interior. E o espaço e o silêncio são necessários, pois apenas a mente que está só, livre de influências, de disciplinas, do controle de uma infinita variedade de experiências, é capaz de encontrar-se com algo totalmente novo.

Resultado de imagem para imagens de jiddu

Cada um de nós pode verificar diretamente que só há possibilidade de clareza quando a mente se encontra em silêncio. No Oriente, a finalidade da meditação é produzir um estado mental capaz de controlar o pensamento, o que é a mesma coisa que recitar constantemente uma oração para quietar a mente, esperando-se que, nesse estado, se compreenderão os problemas do indivíduo. Mas, a menos que sejam lançadas as bases, ou seja que se esteja livre do medo, livre do sofrimento, da ansiedade e de todas as armadilhas que armamos para nós mesmos, não vejo possibilidade de a mente ficar realmente quieta. Esta é uma das coisas mais difíceis de transmitir.

A comunicação entre nós requer, não só que compreendais as palavras que estou empregando, mas também que ambas as partes, vós e eu, estejam tensas ao mesmo tempo, nem um momento mais cedo ou mais tarde, e sejam capazes de encontrar-se no mesmo nível. Essa comunicação não é possível quando estais interpretando o que estais lendo de acordo com vossos próprios conhecimentos, vosso prazer ou vossas opiniões, ou quando estais fazendo um tremendo esforço para compreender.

Um dos piores tropeços na vida – parece-me – é essa luta constante para alcançar, conseguir, adquirir. Desde a infância somos educados para adquirir e realizar; as próprias células cerebrais criam e exigem esse padrão de realização, a fim de terem segurança física, mas a segurança psicológica não se encontra no campo da realização. Exigimos segurança em todas as nossas relações, atitudes e atividades, mas, como já vimos, não existe realmente essa coisa chamada segurança. Se descobris, por vós mesmo, que não há nenhuma forma de segurança em qualquer espécie de relação – se percebeis que, psicologicamente, nada existe de permanente, esse percebimento vos proporciona uma maneira totalmente diferente de considerar a vida. É essencial, naturalmente, a segurança exterior – teto, roupa, comida – mas essa segurança exterior é destruída pela exigência de segurança psicológica.

Resultado de imagem para imagens de jidduO espaço e o silêncio são necessários para ultrapassarmos as limitações da consciência, mas, como pode ficar quieta uma mente que está perenemente ativa em seu próprio interesse? Podemos discipliná-la, controlá-la, moldá-la, mas essa tortura não torna a mente quieta; só a torna embotada. Evidentemente, o mero cultivo do ideal de ter uma mente quieta é sem valor, porque, quanto mais a forçamos, mais estreita e estagnada ela se torna. Qualquer forma de controle, tal como a repressão, só produz mais conflito. Assim, o controle e a disciplina exterior não constituem o caminho certo, e tampouco tem algum valor uma vida não disciplinada.

A vida de quase todos nós é exteriormente disciplinada pelas exigências da sociedade, pela família, por nosso próprio sofrimento, nossa própria experiência, pelo ajustamento a certos padrões ideológicos ou factuais, e essa forma de disciplina é a coisa mais maléfica que existe. A disciplina deve ser sem controle, sem repressão, sem nenhuma forma de medo. Como pode nascer essa disciplina? Não é – primeiro disciplina, depois liberdade; a liberdade está bem no começo, e não no fim. Compreender essa liberdade, que significa estar livre do ajustamento que a disciplina impõe, é disciplina. O próprio ato de aprender é disciplina (aliás, a própria raiz da palavra disciplina significa aprender), o próprio aprendizado transforma-se em clareza. A compreensão de toda a natureza e estrutura do controle, da repressão e da complacência, requer atenção. Não é necessário impor disciplina para estudar, pois já o ato de estudar cria sua própria disciplina, sem repressão de espécie alguma.

Para rejeitarmos a autoridade (referimo-nos à autoridade psicológica e não à autoridade da lei), rejeitarmos a autoridade de todas as organizações religiosas, de todas as tradições e da experiência, temos de ver por que, normalmente, obedecemos; temos, com efeito, de estudar isso. Esse estado exige que nos achemos livres da condenação, da justificação, da opinião, da aceitação. Ora, não podemos aceitar a autoridade, e estudá-la; isso é impossível. Para se estudar toda a estrutura psicológica da autoridade, cumpre exista liberdade dentro de nós mesmos. E quando a estamos estudando, estamos rejeitando toda a sua estrutura, e quando rejeitamos, essa própria rejeição é a luz da mente livre da autoridade. A negação de tudo o que tem sido considerado valioso – como a disciplina externa, a liderança, o idealismo – é estudá-lo; então, esse próprio ato de estudar não só é disciplina, mas a negação dela, e a própria negação é um ato positivo. Assim, estamos negando todas as coisas consideradas importantes para promover a quietação da mente.

Como vemos, não é o controle que leva à quietação. Tampouco está quieta a mente ao ter um objeto que de tal maneira a absorve que ela se perde nesse objeto. Isso é como dar a uma criança um brinquedo interessante; a criança se torna quieta, mas, tire-se-lhe o brinquedo e ela volta a fazer travessuras. Todos nós temos os nossos brinquedos que nos absorvem, e, por isso, pensamos que estamos muito quietos; mas, se um homem se dedica a uma certa forma de atividade, científica, literária ou qualquer outra, o brinquedo apenas o absorve e ele não está, em absoluto, totalmente quieto.

O único silêncio que conhecemos é o silêncio que vem quando cessa o barulho, o silêncio que vem quando o pensamento cessa; mas isso não é silêncio. O silêncio é coisa toda diferente, como a beleza, como o amor. Esse silêncio não é o, produto de uma mente quieta, não é o produto de células cerebrais que, tendo compreendido toda a estrutura, dizem: “Pelo amor de Deus, fica quieto!”; são, então, as próprias células cerebrais que produzem o silêncio, e isso não é silêncio. Tampouco é o silêncio produto da atenção em que o observador é o objeto observado; não há então atrito, mas isso não é silêncio.

Estais esperando que eu vos descreva o que é esse silêncio, a fim de poderdes compará-lo, interpretá-lo, levá-lo e enterrá-lo. Ele é indescritível. O que pode ser descrito é o conhecido, e o estado livre do conhecido só pode tornar-se existente quando há um morrer todos os dias para o conhecido, para os insultos, as lisonjas, para todas as imagens que tendes formado, para todas as vossas experiências: morrer todos os dias, para que as células cerebrais se tornem novas, juvenis, inocentes. Mas, essa inocência, esse frescor, essa “qualidade” de ternura e delicadeza não produz o amor; não é a “qualidade” da beleza ou do silêncio.

Resultado de imagem para imagens de jidduVisão pessoal….

Aquele silêncio, que não é o silêncio do fim do barulho, é só um modesto começo. Ê como passar por um túnel estreito para se chegar a um oceano imenso, vasto, extenso – a um estado imensurável, atemporal. Mas isso não se pode compreender verbalmente, a menos que se tenha compreendido toda a estrutura da consciência e o significado do prazer, do sofrimento e do desespero, e as próprias células cerebrais se tenham tornado quietas. Então, talvez alcancemos aquele mistério que ninguém pode revelar-nos e nada pode destruir. Uma mente viva é uma mente quieta, uma mente viva é uma mente que não tem centro algum e, por conseguinte, não tem espaço nem tempo. Essa mente é ilimitada, e esta é a única verdade, a única realidade…..

Inspiração….

 

ICK Instituição Cultural Krishnamurti

Krishnamurti – A Arte de Viver.pdf

Liberte-se do Passado, J. Krishnamurti

Krishnamurti – O Despertar da Sensibilidade.pdf

Krishnamurti – O Homem e Seus Desejos Em Conflito.pdf

Monicavox

Recomendo…..

Resultado de imagem para imagens de jiddu

Resultado de imagem para imagens de jiddu

 

Vidas passadas e suas relações cármicas….

Um dos elementos mais importantes para o processo de ascensão, está relacionado à lembrança das vidas passadas. Nem todos os discípulos da luz possuem lembranças, o que não os impede, entretanto, de trabalharem na vida presente com situações do passado, ou de reencontrarem pessoas importantes para a sua evolução. Tudo isto  acontece e é um fato – na verdade, todos nós convivemos hoje com familiares, parentes, amigos e pessoas mais próximas, que em algum momento do passado, também já estiveram conosco e portanto, possuímos alguma ligação com eles.

Podemos não saber, mas muitas destas pessoas que hoje nos são próximas, num passado recente ou distante, podem ter sido nossos inimigos. Algumas vezes, porém, são apenas espíritos amigos que decidiram, por uma questão de afinidade, fazer parte de nossa família ou então serem nossos pais, ou então simplesmente amigos.

Este caso se aplica especialmente quando uma alma vem ao mundo com pouco ou nenhum karma, visando apenas realizar um serviço altruísta para a humanidade. Um dos grandes entraves nesta questão, para os discípulos da luz, está na dificuldade de transpor e transcender os karmas, ligações que adquirimos com outras pessoas, devido a termos gerado algum tipo de desequilíbrio com elas.

Há conflitos que podem durar por muitas e muitas vidas, pois que ambos os lados envolvidos, não conseguem renunciar às suas próprias facetas negativas do ego humano, não conseguem desvencilhar-se de algum aspecto negativo de si mesmos, e acabam se aprisionando à interminável roda de reencarnações. Este é o maior perigo para todos aqueles que estão no caminho da ascensão. Todos os nossos relacionamentos devem ser encarados sempre pelos padrões, pensamentos e atitudes crísticas. Os ensinamentos de Jesus, entre outros, são alguns exemplos que merecem realmente ser seguidos, pois são elementos fundamentais para que a alma se liberte definitivamente da prisão do mundo carnal.

A Lei do Retorno é um fato – tudo aquilo que fazemos aos outros, retorna para nós mesmos. Enquanto não assumimos a responsabilidade pelas nossas próprias criações, por tudo aquilo que fizemos em outras vidas, continuaremos presos e condicionados às influências daquilo que geramos, e que por falta de consciência, insistimos em manter em nossas vidas. Quando, porém, existe o desejo sincero de libertação, precisamos ter a consciência de que existe um desafio para ser transcendido, mas que, se observarmos bem, não nos trará nenhum sofrimento, se soubermos avaliar a situação como um aprendizado.

Resultado de imagem para imagens sobre vidas passadasÉ preciso ter a consciência da aceitação, seja do bem ou do mal, pois somente assim haverá o perdão, e o perdão é uma das chaves para a libertação. Não existem fatalidades. Existe algo que precisa ser aprendido, e um sofrimento que em nada nos ajuda, que deve ser evitado. Precisamos ter a consciência de que um karma não é originalmente bom, mas se o adquirimos, podemos aprender através dele, ao invés de encararmos a lição através do sofrimento. Baseados no sofrimento, podemos criar complicações e até mesmo adquirir outros karmas – por isto é que precisamos encarar tudo, sem exceção, sempre pelo lado do aprendizado e da evolução.

A libertação da roda de reencarnações, quando acontece, é um fato que nos traz muita alegria, paz e leveza interior. Existe um determinado momento, em que as razões que nos prendiam à realidade física deixam de existir, consomem-se totalmente. Então, neste momento o espírito (mônada) assume a posição dominante sobre a vida do ser humano encarnado. Este é o evento que chamamos de ressurreição da alma, e acontece no início da sétima iniciação. Representa o renascimento da alma, da verdadeira identidade do ser espiritual para a realidade divina. Significa o retorno da alma para Deus, a transformação do Ser Humano no verdadeiro Cristo que habita o seu interior.

Quando o discípulo da luz se torna plenamente consciente do que realmente é, do seu poder pessoal, do seu poder de escolha, então ele está prestes a conquistar a sua libertação. Neste estágio nós morremos definitivamente para a realidade do mundo do livre-arbítrio, superamos a morte, e nos tornamos imortais. Somos agora a consciência de Deus encarnada no mundo, e não mais a consciência do mundo opondo-se a Deus.

Somos,  então, a consciência de Deus em toda a nossa plenitude. Somos a manifestação do amor vivo, puro e incondicional, em todo o potencial de nossas almas. Realmente, esta é a maior conquista que alguém pode atingir em sua vida. Chegar neste nível, sem dúvida, é aquilo que todos os discípulos da luz estão buscando neste momento. E todos hão de chegar, certamente.  A trilha da ascensão será encontrada por cada um de nós, invariávelmente. O caminho está no interior, em nosso coração. A intuição é sempre uma grande amiga, não podemos menosprezá-la. Todos temos um caminho que é único para nós na ascensão.

Não há dois seres humanos sobre a face do planeta que vivam experiências integralmente iguais. Nosso valor é único na criação, por isto, somos muito valiosos! Tenhamos sempre consciência disto. Tenhamos sempre a consciência de que nossa essência é amor, luz e paz infinitas. Dia virá, que cada ser humano constatará isto por si mesmo. Podemos adiantar este grande momento, uma vez que desejarmos profundamente alcançar este estado livre de consciência. Não há nada mais belo que a liberdade! Todos os seres humanos, haverão de conhecer este sentimento. Este sentimento, de sermos UM com o universo, com o universo infinito de Deus.


Resultado de imagem para imagens sobre robert lanzaVisão pessoal…

Desde que o mundo é mundo discutimos e tentamos descobrir o que existe além da morte. Desta vez a ciência quântica explica e comprova que existe sim vida (não física) após a morte de qualquer ser humano. Um livro intitulado “O biocentrismo: Como a vida e a consciência são as chaves para entender a natureza do Universo” “causou” , porque continha uma noção de que a vida não acaba quando o corpo morre e que pode durar para sempre.O autor desta publicação o cientista Dr. Robert Lanza, eleito o terceiro mais importante cientista vivo pelo NY Times, não tem dúvidas de que isso é possível. Além do tempo e do espaço Lanza é um especialista em medicina regenerativa e diretor científico da Advanced Cell Technology Company. No passado ficou conhecido por sua extensa pesquisa com células-tronco e também por várias experiências bem sucedidas sobre clonagem de espécies animais ameaçadas de extinção. Mas não há muito tempo, o cientista se envolveu com física, mecânica quântica e astrofísica. Esta mistura explosiva deu à luz a nova teoria do biocentrismo que vem pregando desde então. O biocentrismo ensina que a vida e a consciência são fundamentais para o universoÉ a consciência que cria o universo material e não o contrário.Lanza aponta para a estrutura do próprio universo e diz que as leis, forças e constantes variações do universo parecem ser afinadas para a vida, ou seja, a inteligência que existia antes importa muito. Ele também afirma que o espaço e o tempo não são objetos ou coisas mas sim ferramentas de nosso entendimento animal. Lanza diz que carregamos o espaço e o tempo em torno de nós “como tartarugas”, o que significa que quando a casca sai, espaço e tempo ainda existem. A teoria sugere que a morte da consciência simplesmente não existe. Ele só existe como um pensamento porque as pessoas se identificam com o seu corpo. Eles acreditam que o corpo vai morrer mais cedo ou mais tarde, pensando que a sua consciência vai desaparecer também. Se o corpo gera a consciência então a consciência morre quando o corpo morre. Mas se o corpo recebe a consciência da mesma forma que uma caixa de tv a cabo recebe sinais de satélite então é claro que a consciência não termina com a morte do veículo físico. Na verdade a consciência existe fora das restrições de tempo e espaço. Ela é capaz de estar em qualquer lugar: no corpo humano e no exterior de si mesma. Em outras palavras é não-local, no mesmo sentido que os objetos quânticos são não-local. Lanza também acredita que múltiplos universos podem existir simultaneamente. Em um universo o corpo pode estar morto e em outro continua a existir, absorvendo consciência que migraram para este universo. Isto significa que uma pessoa morta enquanto viaja através do mesmo túnel acaba não no inferno ou no céu, mas em um mundo semelhante a ele ou ela que foi habitado, mas desta vez vivo. E assim por diante, infinitamente, quase como um efeito cósmico vida após a morte. ….


Inspiração….

O Biocentrismo-Dr Robert Lanza

O Fim do Materialismo-Charles T. Tart

Memórias de vidas passadas-Richard Webster

Monicavox


Recomendo…

Imagem relacionada

Imagem relacionada

Imagem relacionada

 

O Antakarana e sua importância na Ascenção Cósmica do ser humano….

Resultado de imagem para imagens sobre livros antakaranaA construção do antakarana, ou ponte do arco-íris, é um assunto absolutamente fascinante. Chegará o dia em que a ciência do antakarana será ensinada em todas as escolas e salas de aula do mundo. Ela é a verdadeira ciência da mente, pois utiliza a substância mental para construir uma ponte entre a personalidade e a alma e, à medida que o ser evolui, entre a alma(Eu Superior, Cristo, Filho de Deus Pai e da Mãe Terra que veio a este planeta com o objetivo de revelar na natureza de Deus que é amor)), a Tríade Espiritual e a Mônada (Presença Eu Sou).A tríade espiritual é o veículo por meio do qual a mônada trabalha, do mesmo modo que a alma, na Terra, trabalha através da personalidade. A mônada trabalha através do tríplice veículo composto pela vontade espiritual, pela intuição e pela mente superior.

O antakarana é o fio, e mais tarde o cordão que o discípulo cria pela meditação e compreensão, pelas práticas espirituais e pelo trabalho espiritual específico e dirigido. Nesse processo, o discípulo recebe ajuda da alma e, mais tarde, da mônada; mas a primeira parte do trabalho tem que ser feita por ele.A mônada já tem um fio ou cordão de energia que se estende dela mesma até o chakra do coração do discípulo na Terra. Esse cordão de energia é chamado de sutratma, fio da vida, ou cordão de prata. A alma tem um fio ou cordão, chamado de cordão da consciência, que se estende dela mesma até a glândula pineal do discípulo. O conhecimento usa o cordão da consciência. A energia da sabedoria usa o antakarana, quando ele está construído.

Imagem relacionadaO antakarana é como um filamento de luz espiritual, construído do mesmo modo como a aranha tece sua teia. Esse fio é tecido pelo próprio discípulo, vida após vida, e ele só pode ser energizado por aquilo que contém vibração espiritual. O cordão da consciência tem as qualidades mentais da alma. O antakarana é construído unicamente com as qualidades mentais e espirituais da alma.

Resultado de imagem para imagens sobre livros antakaranaO sutratma e o cordão da consciência vem sendo construídos desde que o homem chegou ao mundo material. O antakarana se desenvolve muito lentamente, porque a pessoa precisa trilhar o caminho da experiência para que esse trabalho se inicie realmente.Tanto o sutratma quanto o cordão da consciência trabalham de cima para baixo. O antakarana, ao contrário, de baixo para cima.Nos estágios finais da construção desse cordão, na quinta iniciação e ascensão, esses três cordões se fundem, se integram e se dissolvem um no outro, exatamente como a personalidade, a alma e, mais tarde, a mônada se fundem.É pela criação do antakarana que todo esse processo se realiza. Criar o antakarana é como estender um cabo ou construir uma ponte entre três países, a personalidade, a alma e a mônada. A construção dessa ponte se faz em três etapas:

Na primeira etapa, temos a integração da personalidade com os quatro corpos.

Na segunda etapa é construída a ponte desde a personalidade integrada e os quatro corpos até a alma.

Na terceira etapa é feita a construção da ponte desde a alma até a tríade
espiritual e a mônada.

A construção do antakarana torna a consciência cerebral do discípulo receptiva à orientação intuitiva e às impressões oriundas dos reinos espirituais superiores e da mente de Deus. Ela permite que a alma, antes, e a mônada, depois, usem o discípulo, mais tarde iniciado, para o serviço que elas precisam realizar na Terra. A personalidade se torna um veículo confiável para o uso da alma em seus propósitos na Terra.

 Esse propósito chega ao final na quarta iniciação, quando o corpo da alma ou corpo causal, que armazena todas as virtudes e bom karma, é queimado. Então, o fogo da mônada derrama-se através do antakarana para a alma, mediadora entre a personalidade e a mônada, e a alma volta à mônada. A alma não é mais necessária e volta a dissolver-se na mônada.

Tudo o que resta então é a personalidade infusa de alma e a mônada, que agora é o guia.Até esse ponto, o iniciado construiu o antakarana até a tríade espiritual e a mônada.

Embora esse antakarana construído seja forte, ainda não se realizou uma fusão completa entre a mônada/tríade espiritual e a personalidade infusa de alma. É na quinta iniciação que esses dois aspectos se fundem na consciência. Na sexta iniciação, eles se fundem não somente na consciência, mas também, e completamente, nos quatro corpos(o físico, o emocional, o mental e o espiritual) e toda a personalidade infusa de mônada e os corpos transformam-se em Luz.O iniciado torna-se um Mestre Ascensionado nesta sexta iniciação. É o antakarana, que o discípulo construiu entre a personalidade, a alma e a tríade espiritual/mônada, que possibilitou a realização de todo esse processo. É também nesse ponto que o sutratma, o cordão da consciência, e o antakarana se fundem, exatamente como aconteceu com a mônada, com a alma e com a personalidade. O resultado dessa fusão é a imortalidade da forma física.

Assim como Deus, Cristo e o Espírito Santo são três mentes que funcionam como uma, do mesmo modo somos três mentes – mônada, alma e personalidade – que funcionam numa unidade.

O microcosmo é igual ao macrocosmo. O espírito e a matéria, o pai e a mãe, são uma coisa só.O antakarana é a ponte de Luz ou o caminho iluminado sobre o qual o discípulo passa para os mundos superiores. É por meio dessa ponte e caminho iluminado que ele alcança a libertação e a ascensão.Essa integração também ajuda a fazer a ligação entre a consciência de Shambala, a consciência hierárquica e a consciência humana.

A consciência de Shambala se relaciona com a mônada e com aspecto vontade.A consciência hierárquica se relaciona com a alma e com o aspecto amor.A consciência humana se relaciona com a personalidade e com aspecto inteligência.

O Mestre, ao realizar essa integração, também ajuda a construir o antakarana planetário, que é o antakarana para toda a Terra e para a humanidade.

As Etapas da Construção do Antakarana

Nas etapas iniciais da construção do antakarana, existem três fios autocriados menores que são criados inicialmente e que constituem o antakarana.O primeiro fio entre o corpo físico e o corpo etérico, e passa do coração para o baço.O segundo fio vai do corpo etérico ao corpo astral e passa do plexo solar ao coração e deste ao corpo astral.O terceiro fio vai do corpo astral ao corpo mental. Esse fio passa do chakra do terceiro olho para o chakra da cabeça, e daí para o corpo mental.Esses três fios menores auxiliam a extensão de alma a integrar o sistema de quatro corpos.
A segunda etapa trata da construção do antakarana desde a personalidade na Terra até a alma. Esse processo também pode ser descrito como a construção de uma mente inferior, a alma e a mente superior. Em outras palavras, podemos chamá-lo de ligação cérebro/mente/alma. Essa ponte é construída com a substância mental.O estágio de construção da ponte da alma a tríade espiritual e para a mônada usa a substância de Luz.
A ponte desde a personalidade até a alma cria uma iluminação completa da alma da personalidade na Terra. É nesse estágio que o discípulo se vê como uma alma. Em estágios superiores, o iniciado se vê como espírito ou como a própria mônada. Essa ponte possibilita à personalidade superar todo sentido de separatividade e de medo da morte.A construção do antakarana tem como objetivo a auto-realização e o serviço em benefício a humanidade.
Resultado de imagem para imagens sobre livros antakaranaSeis Passos Para Construção do Antakarana

Os seis passos para a construção do antakarana são: “intenção, visualização, projeção, invocação e evocação, estabilização e ressurreição”.

1- Intenção– O primeiro passo implica uma compreensão da tarefa a ser cumprida, uma decisão e determinação para cumpri-la e uma orientação correta para atingir o objetivo. Ele também exige que as forças e energias da pessoa converjam para o ponto mental/espiritual mais elevado que possa ser alcançado e que ali se mantenham. Isso nos lembra “manter a mente firme na Luz”.

2- Visualização- O segundo passo envolve o uso da imaginação e das capacidades de visualização para construir o cordão e a ponte de Luz.

3-Projeção– O terceiro passo envolve a utilização da vontade, ou poder da vontade, e o uso de uma palavra de poder para transmitir essa linha ou ponte de substância de Luz. A ação de enviar uma palavra de poder com o poder da vontade por meio do cordão visualizado, com a mais elevada intenção possível, estende osfilamentos do cordão de Luz em direção á tríade espiritual e a mônada.

4-Invocação e Evocação– Essa invocação feita pelo discípulo atrai agora uma resposta evocativa da tríade espiritual e da mônada. O Pai (mônada), operando através do fio criado pelo discípulo, põe-se em movimento para encontrar seu filho(extensão de alma). A mônada, ou Pai do Céu, emite uma projeção de substância de Luz que encontra a projeção criada pelo discípulo na Terra. A projeção inferior e a projeção superior se encontram e o antakarana é construído.

A tensão criada pelo discípulo evoca a atenção da mônada e da tríade espiritual. Com a prática, esse cordão recíproco, ou ponte de energia, torna-se cada vez mais resistente. É uma chama de Luz. Já não existe mais a sensação dos três países separados da personalidade, da alma e da mônada, mas um único ser atuando em todos os planos por esse caminho de Luz.

5-Estabilização- No início, o antakarana é muito fino e parecido com um fio. Com a prática, a meditação e uma vida espiritual adequada em todos os níveis de ser, formar-se-á um cordão impossível de se romper.

6- Ressurreição- Esse último passo relaciona-se com o fortalecimento do cordão antakarana, que então conduz a grande fusão e integração da triplicidade e que, na quarta iniciação, tornou-se dualidade. Essa dualidade, na quinta e, finalmente, na sexta iniciação ou ascensão, torna-se unidade, ou unificação total da personalidade infusa de alma e da mônada que esteve operando por meio da tríade espiritual. Esses dois estados de consciência se integram totalmente na quinta iniciação e se fundem plenamente com o sistema de quatro corpos na sexta iniciação, que é a ascensão ou ressurreição. Os quatro corpos(físico, astral, mental e espiritual) e a personalidade se dissolvem na Luz e se tornam imortais.

PALAVRAS DE PODER

A repetição dos nomes de Deus, de palavras de poder e de mantras é tão importante para o desenvolvimento espiritual e para a realização divina. As palavras de poder às quais a pessoa se sente atraída dependem do treinamento espiritual em vidas passadas, do tipo de raio da alma e da mônada dessa pessoa, da sua preferência individual, da intuição, do sentimento, do tempo de trabalho e da astrologia e numerologia, para citar alguns fatores.

Esses  mantras, outras palavras de poder que a pessoa já use, também dão resultado. O objetivo dessa meditação é visualizar um cordão de Luz que comece na personalidade, passe pela alma e suba até a mônada. A pessoa pode visualizar esse cordão com uma diâmetro equivalente à circunferência da sua própria cabeça ou, no início, se preferir, menor.O discípulo deve entrar em sintonia com esse antakarana, visualizá-lo no olho da mente, e, com intenção plena e o poder da vontade, repetir a palavra de poder, em voz alta, de três a sete vezes, ou durante quinze minutos, como se fosse uma espécie de meditação com mantra. Depois de entoar esse mantra, o discípulo senta; permanecendo em silêncio e em estado receptivo, apenas sentindo a resposta de sua alma ou de sua mônada, dependendo da etapa em que esteja trabalhando. Apesar de simples, essa meditação é extremamente poderosa.

O MANTRA DA ALMA OU MONÁDICO

Este mantra foi revelado ao mundo pelo Mestre Ascenso Djwhal Khul por meio dos escritos de Alice Bailey. Esse mantra ativa a alma e a estrela da alma para a realização do trabalho espiritual. As palavras do mantra da alma são:

EU SOU A ALMA,EU SOU A LUZ DIVINA,EU SOU O AMOR,EU SOU VONTADE,

EU SOU O PLANO ESTABELECIDO.

Talvez os discípulos da quarta iniciação em diante queiram substituir a primeira linha para “Eu Sou a Mônada”, mantendo o restante do mantra exatamente igual. A única linha desse mantra que as pessoas talvez não entendam é a última; ela se refere ao plano da alma para a encarnação atual. Segundo Djwhal Khul, esse mantra é o princípio de todas as técnicas ocultas.Mesmo que o discípulo esteja trabalhando com outro mantra, é bom começar uma meditação recitando o mantra monádico três vezes, e então meditar com o mantra habitual. Ele é como uma ferramenta de ativação que indica à alma e a mônada o momento de entrarem em ação para cumprir sua parte do programa como resposta à invocação.

O FIO TERRA

As pessoas que construíram o antakarana façam, não apenas subindo em direção à alma e à mônada, mas também, descendo em direção à base da espinha pelo chakra da coluna e daí à Terra. Alguns metafísicos dão a isso o nome de fio terra. Podemos visualizar esse fio descendo pelas pernas em direção ao centro da Terra ou, se estivermos sentados, como se passasse pela cadeira e entrasse no chão. Como o antakarana, que sobe pelo canal central, esse também deve ter pelo menos o diâmetro da circunferência da cabeça do discípulo.

O ANTAKARANA DEPOIS DA ASCENSÃO

É importante compreender que o antakarana não para de fato na mônada. Na verdade, ele continua subindo em direção à divindade. O antakarana pode ser projetado na direção de Deus ainda antes da ascensão. O discípulo que medita obterá uma resposta de Deus, e Deus irá ao seu encontro com Seu dedo de fogo e/ou com o fio de substância de Luz. Assim, mesmo os Mestres Ascensionados continuam construindo seus antakaranas à medida que evoluem nos planos cósmicos de existência.

A ESTRELA DA ALMA

A aproximadamente quinze centímetros acima da cabeça, existe uma estrela etérica de Luz. Ela paira sobre a cabeça de cada habitante da Terra. O brilho dessa estrela depende muito do nível evolutivo da extensão de alma na Terra. A estrela da alma não é a alma, mas a sua extensão, um instrumento por meio do qual ela trabalha. Essa estrela é ativada quando recitamos o mantra da alma. É muito importante compreender a estrela da alma para se ter condições de realizar as demais meditações . No momento em que recitamos o mantra da alma, essa estrela se acende e passa a brilhar como uma estrela resplandecente, pronta para iniciar seu trabalho, desde que seja um trabalho a serviço da alma.Depois de entoar o mantra da alma, a estrela da alma obedecerá ao pensamento e a visualização criativa e poderá mover-se, expandir-se, contrair-se ou enviar raios de energia para a personalidade. A compreensão, a ajuda e o uso da estrela da alma serão absolutamente incalculáveis para a construção do antakarana e para todas as outras áreas de vida.

O CANAL CENTRAL

O canal central é um termo que se refere à coluna de energia que vai da base da espinha até o topo da cabeça. Às vezes chamado de chakra da coluna, ou sushumna, e é uma parte componente do sutratma (cordão de luz.)Uma das práticas mais importantes do caminho espiritual é a ampliação do canal central e a limpeza de todos os detritos psíquicos. Em termos ideais, o canal central pode ser ampliado até transformar-se numa coluna de luz com as dimensões da circunferência da cabeça do discípulo. O canal central da maioria das pessoas é um tubo muito estreito e entupido, como o encanamento de um banheiro que não funciona direito.

As três meditações a seguir, transmitidas por Djwhal Khul, tem por objetivo abrir e limpar o canal central e também construir o antakarana. É por meio do antakarana e do canal central que a alma e as energias espirituais podem fluir. Um antakarana e um canal central amplos, limpos e bem-estruturados permitem que a pessoa seja preenchida pela Luz do espírito no seu menor pedido. Depois de entoar o mantra da alma, é também muito interessante perceber que ela e a mônada executam metade do trabalho. A primeira meditação de Djwhal Khul é a meditação de triangulação.

MEDITAÇÃO DE TRIANGULAÇÃO

1- Recite o mantra da alma três vezes enquanto se concentra na estrela da alma como uma estrela ou um sol brilhante.

2- Depois de recitar o mantra da alma três vezes, com o poder da mente e da imaginação mova a estrela da alma diagonalmente até posicioná-la a uma distância de 30 centímetros à frente do terceiro olho. Em seguida, recue a estrela da alma em linha reta, até o centro da cabeça, fazendo-a entrar no canal central e no chakra da coluna. Pelo canal central , leve a estrela da alma para cima, parando 15 centímetros acima da cabeça, na posição em que ela estava inicialmente. Mova a estrela lenta e deliberadamente em seu deslocamento para cima. Enquanto se movimenta, a estrela da alma queima, literalmente, as formas-pensamentos ocultas e os detritos psíquicos.Esse trabalho é um esforço de cooperação entre a personalidade e a alma, que utiliza a estrela da alma como instrumento. A alma se enche de entusiasmo, quando tem oportunidade de trabalhar com você dessa forma.

3- Repita esse mesmo processo de criação do triângulo com o terceiro olho mais uma vez.

4- Repita o procedimento; agora, porém, crie um triângulo descendo até o chakra da garganta. Execute esse processo duas vezes para o chakra da garganta.

5- Faça a mesma coisa para os chakras do coração, do plexo solar, do sacro da raiz, dos joelhos, das solas dos pés e para a estrela da Terra que está a uns 30 centímetros abaixo da superfície da Terra.

Faça a triangulação duas vezes para cada centro. Pronto, a meditação está terminada.Essa meditação ajudará a limpar o canal central e a começar a construir seu antakarana. Terminada a meditação, e depois de trabalhar com ela durante algum tempo, sugiro que você dê mais um passo:

Forme um triângulo até a alma, que está acima da estrela da alma. Essa parte da meditação trabalha na construção do antakarana até a alma e da menos atenção ao canal central. Se julgar oportuno, você pode também construir um triângulo até a sua mônada ou até a Poderosa Presença Eu Sou. Sugiro que você faça cada triângulo três vezes e que, ao terminar, recite o seu mantra ou sua palavra de poder, ao mesmo tempo em que visualiza o antakarana e mantém a mente firme na Luz. Num certo sentido, ao fazer isso, você está fazendo a fusão da primeira meditação com essa segunda meditação de triangulação.

MEDITAÇÃO DO REDEMOINHO ESPIRITUAL

A aura da maioria das pessoas(corpos etérico, astral e mental) está cheia de detritos psíquicos, formas-pensamento negativas e energia estagnada. O objetivo da meditação a seguir é eliminar do seu campo áurico todo esse material indesejado. Além de provir de sua vida diária normal, parte desse material é sobra da meditação de triangulação, que você acabou de fazer.A meditação de triangulação retirou os detritos do seu canal central, mas provavelmente jogou certa quantidade deles em sua aura. Há um processo muito simples que a alma utiliza para limpar esse refugo psíquico; ele recebe o nome de meditação do redemoinho espiritual.

Essa meditação consiste em visualizar um vórtice espiritual ou um redemoinho descendo da alma. Visualize-o como um tornado, com a forma de um funil. Este redemoinho espiritual é formado pela substância energética mais refinada da alma. Embora você o visualize com a mente; esse vórtice espiritual é uma realidade psíquica viva da alma. Se você for clarividente, poderá vê-lo e observá-lo descendo da alma, se o tiver invocado. O tubo do seu funil e redemoinho espiritual está no antakarana, descendo ele recolhe as partículas mais pesadas dos detritos psíquicos. Deixe que a alma decida com que tamanho, cor e velocidade ela quer se deslocar. A idéia é fazer com que esse redemoinho desça pelo chakra da coroa e de uma oitava inferior e arrastando todo esse material para as profundezas do centro da Terra. Aí ele se livra do entulho, cessa seu movimento e se dissipa.

Crie um redemoinho espiritual bem amplo, de modo a abranger o corpo físico e todo o corpo áurico. Quando o redemoinho espiritual ganha força e poder, ele não precisa mais da direção da personalidade. Nesse ponto a alma e a estrela da alma estão fazendo o trabalho. Invoque um novo redemoinho espiritual sempre que você queira purificar-se. O redemoinho espiritual inicial perde sua energia quando entra na Terra e descarrega os restos psíquicos. Recomendo que você invoque de três a sete redemoinhos espirituais todas as vezes que praticar essa meditação.

Recomendo também praticá-lo no início do dia, depois do trabalho e antes de dormir, para manter-se purificado.Quero acrescentar que faz parte do trabalho da Terra promover a limpeza desse tipo de sujeira ou energia negativa. Não estamos de forma alguma poluindo a Terra por trabalhar com ela dessa forma. Ela fica muito feliz por poder servir desta maneira.

Para invocar seu redemoinho espiritual, basta seguir estes passos:

1- Repita três vezes o mantra da alma.

2- Visualize o redemoinho espiritual bem alto acima da cabeça, com a ponta do funil no antakarana, e diga: “Na sabedoria de minha alma, invoco meu vórtice espiritual”.

3- Apenas observe ou visualize o redemoinho descendo através do seu campo e, em seguida, para a Terra.

4- Chame e invoque tantos redemoinhos espirituais quantos você necessitar, até sentir-se desobstruído. Normalmente, três a cinco minutos são mais do que suficientes. Se você se sentir desnorteado ou se estiver passando por uma crise emocional ou psicológica, esse processo pode ser extremamente útil. Essas são técnicas simples pelas quais a alma e/ou o eu superior podem ajudá-lo.

MEDITAÇÃO DO SACA ROLHAS PARA AMPLIAR O CANAL CENTRAL

Nas duas primeiras meditações, purificamos o canal central e limpamos o campo áurico dos detritos psíquicos. O objetivo dessa última meditação é alargar o canal central, de modo que ele chegue às dimensões da circunferência da cabeça. O canal central da maioria das pessoas é um tubo muito estreito e fino, o que limita a quantidade de Luz e de energia que possa descer da alma e da mônada.Dispomos de uma meditação muito simples para dilatar o canal central. Ela se assemelha á meditação de triangulação, com a diferença de que usa apenas um triângulo em vez de vários. Depois de recitar o mantra da alma, crie um triângulo que desça até a estrela da Terra, sob os pés, como na meditação de triangulação.

Ao começar a mover a estrela da alma para cima, visualize-a como um saca-rolhas girando no sentido horário, subindo pelo canal central, e voltando à posição da estrela da alma, 15 centímetros acima da cabeça.Seu canal central deve medir pelo menos 2,5 centímetros, mas que é preferível que ele tenha a largura da cabeça.

No início, talvez você prefira uma medida intermediária entre essas duas enquanto trabalha para ampliá-lo o máximo possível. Nesse sentido, use o seu discernimento e intuição. Recomendo que pratique esta meditação duas vezes por dia, durante três semanas, tempo necessário para se criar um hábito. Uma vez ampliado o canal central, você está pronto definitivamente.

MEDITAÇÃO:

1- Recite o mantra da alma em voz alta.

2- Recite o mantra da unificação:

Os filhos dos homens são um, e eu sou um com eles.

Eu quero amar, não odiar.
Quero servir, não ser servido.
Quero curar, não ferir.
Que a dor traga a merecida recompensa de Luz e de amor.
Que a alma controle a forma externa da vida e tudo o que acontece. E
traga a Luz o amor que está na base de todos os eventos.
Que a visão e a intuição se manifestem.
Que o futuro se revele.
Que a união interior se evidencie e as divisões exteriores se
dissolvam.
Que o amor prevaleça.
Que todos os homens amem.

3- Construa um grande triângulo que desça até a estrela da Terra.

4- Faça a estrela da alma subir sob a forma de um saca-rolhas, movendo-se no sentido horário, ampliando seu canal central até a dimensão desejada.

5- Finalize a meditação, recitando a Grande Invocação:

Do ponto de Luz na mente de Deus,Flua Luz a mente dos homens.Que a Luz desça sobre a Terra.Do ponto de Amor no coração de Deus,Flua Amor ao coração dos homens.Que Cristo retorne à Terra.Do centro onde a Vontade de Deus é conhecida,Guie o propósito as pequenas vontades dos homens-O propósito que os Mestres conhecem e a que servem.Do centro que chamamos de raça dos homens,Realiza-se o Plano de Amor e Luz,E possa ele selar a porta onde habita o mal.Que a Luz, o Amor e o Poder restabeleçam o Plano sobre a Terra.


Imagem relacionadaVisão pessoal…

Um ser de luz caminha sozinho no vasto universo; solitário, ele olha ao redor e vê somente escuridão; ele continua caminhando até encontrar uma região com vários pontos de luz como ele. Então, percebe que esses pontos estão todos conectados por um cordão dourado que os atravessa, como se fosse uma extensão de cada ser. Ele se chega e tímidamente pergunta que reino é este e ouve a resposta vinda de todos ao mesmo tempo: – nós somos a Unidade, a Luz, a União entre todos os seres, você nos vê como pontos separados, mas nada mais somos do que um único ponto de luz, ao qual você também pertence. O ser isolado, solitário ouve, mas não compreende; como ele pode pertencer a esse mundo de luz se o local de onde vem só possui escuridão? Cada dúvida que ele tem, mesmo que não pergunte, simplesmente ao pensar, ele ouve a resposta: – você vive num mundo de ilusão, que faz você achar que é todo escuro, mas na realidade, aqui onde você se encontra agora é seu mundo real, o outro é apenas um reflexo como o negativo de uma fotografia em preto e branco. O ser fica ainda mais confuso, acredita que está tendo um pesadelo e tenta acordar e então vê, ouve e sente uma grande explosão de luz, que vem de dentro dele e então, agora, ele pode reconhecer o quinhão de luz que ele é e o Universo iluminado com vários outros pontos de luz interligados, formando uma grande rede, onde todos se tornam UM, intimamente conectados, os raios de um ponto de luz atingem os outros pontos nesta vasta rede universal. Nesse momento o ser vê, sente, compreende a Unidade que ele é e sempre foi; simplesmente, sua visão estava limitada à esfera física e não podia perceber essa sutil nuance de uma freqüência de luz tão elevada. Com essa experiência, o ser volta ao seu lar de origem para contar o magnífico fato ocorrido. Mas, assim como ele, os outros não conseguem entender e acreditar em sua história, o que faz com que ele se sinta ainda mais solitário. O ser passa, então, a se sentir preso no Universo físico, limitado e desconectado de todos os outros seres, até que compreende que o reino da humanidade tem seu tempo de despertar. Cada qual tem um tempo diferente de se perceber como luz, de descobrir o reino da luz e da Unidade, da conexão com todos os outros seres, nascidos da mesma criação, a explosão da luz que cria cada vez mais pontos de luz interligados na mesma rede que sustenta a vida. A história de um ser é a mesma da humanidade. O tempo, na esfera do reino físico, aguarda que todos os seres humanos cheguem a esse tipo de despertar. Reconhecer a luz interior que cada um é; assumir e viver nessa qualidade vibratória; sentir e ver a conexão real com todos os outros seres de todo o Universo. A humanidade caminha de diferentes formas, por diferentes caminhos, de acordo com o livre arbítrio de cada um. A Lei da Vida protege todos, fazendo com que a direção seja sempre a Vida, a Luz, a Conexão, a Unidade. A mente humana limita a compreensão do Universo, portanto é preciso ampliar os horizontes, até onde a visão humana não alcança e então “ver” com o sexto sentido, que é a possibilidade de ver e viver o mundo energético, de luz e conexão. A intenção de ativar o terceiro olho, o chacra que fica entre as sobrancelhas, permite essa nova visão. Faça sua tentativa e observe os resultados. Você pode imaginar uma espiral de luz branca abrindo e ampliando esse chacra, em todas as direções. Você é convidado a sentir a rede de conexão com todos os seres e se tornar a Unidade, o ponto de luz no centro do Universo, enquanto ainda vive em sua forma humana…..


Inspiração……

Antahkarana Completo_.pdf – Libro Esoterico

Antahkarana Healing Symbol – The International Center for Reiki ..

Manual Completo de Ascensão – Joshua David Stone – Google Books

Monicavox


Recomendo….

Resultado de imagem para imagens sobre livros de alice bailey

 

 

Resultado de imagem para imagens sobre livros antakarana

 

As Crenças e a Mente Quântica

Resultado de imagem para imagens sobre a mente quanticaAs crenças que se encontram enraizadas no seu subconsciente influenciam a interpretação de tudo o que acontece com você, seja no seu exterior ou no seu interior. Por outro lado, muitas dessas crenças são errôneas e nos levam a ter pensamentos, emoções e comportamentos que constituem fontes de bloqueio e sofrimento. Pense que todos temos o poder de transformar a nossa realidade e até mesmo de escolher os sonhos que alimentamos. Mas para chegar a isso, primeiro você tem que compreender o que é a mente quântica.

Todos os seres vivos e tudo o que temos ao nosso redor (o que acreditamos que é a realidade) é formado por átomos. Átomos cujo interior é, em grande parte, vazio. Além disso, para entender este artigo, pense no seguinte: tudo o que é físico na sua vida não é composto de matéria, mas de campos energéticos ou de padrões de frequência de informação.

Nossa mente é uma mente quântica

A matéria é mais “nada” (energia) do que “algo” (partículas). Antigamente acreditava-se que os elétrons orbitavam em volta do núcleo, como os planetas orbitam em volta do sol. Atualmente, os cientistas nos dizem que o átomo é composto de 99,99999% de energia e cerca de 0,00001% de matéria. Em forma de proporção, isso não é quase nada.

Os físicos quânticos descobriram que a pessoa que está observando as partículas infinitesimais do átomo afeta a conduta da energia e da matéria. Os experimentos quânticos demonstraram que os elétrons existem como uma infinidade de possibilidades ou probabilidades em um campo visível de energia.

Mas apenas quando o observador se fixa em qualquer localização de um elétron é que esse elétron aparece. Em suma, uma partícula não pode se manifestar na realidade, ou seja, no espaço-tempo tal como nós o conhecemos, até que ela seja observada. Então, quando o observador “busca” um elétron, há um ponto concreto no espaço e no tempo em que todas as possibilidades do elétron colapsam em um acontecimento físico.

Com este descobrimento, mente e matéria já não podem continuar sendo consideradas de forma separada; elas estão intrinsecamente ligadas, porque a mente subjetiva exerce mudanças perceptíveis no mundo físico subjetivo: falamos de uma mente quântica. Pense que, se a nível subatômico a energia responde à sua atenção e se converte em matéria, como a sua vida iria mudar se você aprendesse a dirigir o efeito observador e a colapsar ondas infinitas de probabilidade na realidade que deseja? Você seria um melhor observador da vida que deseja viver?

Resultado de imagem para imagens sobre a mente quanticaO poder da nossa mente quântica: pensamentos e sentimentos

Por natureza, tudo o que existe no universo físico é feito de partículas subatômicas como os elétrons. Estas partículas estão em um estado de onda (energia, lembre-se de que é os 99,99999%), enquanto não são observadas. Potencialmente são “tudo” e “nada”, até que sejam observadas. Elas existem em todos os lugares e em lugar nenhum até que sejam observadas.

Portanto, tudo o que existe na nossa realidade física existe como puro potencial. Se as partículas subatômicas podem existir de forma simultânea em uma infinidade de lugares possíveis, somos potencialmente capazes de colapsar em uma infinidade de possíveis realidades. Ou seja, se você pode imaginar um acontecimento futuro na sua vida se baseando nesses seus desejos, esta realidade já existe como possibilidade no campo quântico esperando que você a observe. Se a sua mente quântica é capaz de influenciar o aparecimento de um elétron, em teoria também pode influenciar a aparição de qualquer possibilidade.

Nossos pensamentos e sentimentos não são uma exceção em tudo isso. Tanto os pensamentos quanto os sentimentos têm um sinal eletromagnético. Os nossos pensamentos enviam um sinal elétrico para o campo quântico. Assim, nossos sentimentos teriam o poder de “atrair magnéticamente” situações na vida. Ao unir isso, o que pensamos e o que sentimos produz um estado do ser que gera uma marca eletromagnética, que por sua vez influencia cada átomo do nosso mundo. Esse acontecimento faz com que nos perguntemos: o que eu estou transmitindo (de forma consciente e inconsciente) na vida cotidiana?

Imagem relacionadaVisão pessoal…

Há uma infinidade de possíveis marcas eletromagnéticas (de inteligência, riqueza, liberdade, saúde…) que já existem como um padrão de frequência de energia. Se ao mudar o seu jeito de ser (ou seja, mudar as suas crenças e, assim, mudar os seus pensamentos, emoções e comportamentos), você irá criar um novo campo eletromagnético que coincide com este potencial no campo quântico da informação, é possível que você tenha se deparado com essa situação ao ser atraído por ela ou que a situação encontrou você? Tudo indica que esta é uma hipótese muito provável em função dos conhecimentos de física com os quais contamos na atualidade.Mas para que isto ocorra, você tem que ter consciência sobre todas aquelas crenças que estão no subconsciente e que te provocam bloqueios. Por exemplo, você, conscientemente, quer ter dinheiro, mas sua mente consciente dá uma ordem contrária: desde pequeno você viu e ouviu que o dinheiro é muito difícil de conseguir e que as pessoas ricas são arrogantes. Este sinal é o que a sua mente subconsciente manda para o campo quântico, e por isso você não atrai dinheiro para a sua vida. Seria preciso desbloquear este tipo de crença, pois a mudança exige coerência.A coerência começa alinhando os pensamentos e os sentimentos. Quantas vezes você tentou criar algo, acreditando na sua mente quântica que você conseguiria, enquanto seu coração lhe dizia o contrário? Que resultado aquele sinal incoerente que você estava enviando produziu?As ondas de um sinal são muito mais potentes quando são coerentes, e o mesmo ocorre quando seus pensamentos estão alinhados com os seus sentimentos. Quando seus pensamentos claros e centrados no seu objetivo são acompanhados por uma forte implicação emocional, você transmite um sinal eletromagnético mais potente que atrai uma possível realidade que coincide com a que você deseja.Você pode querer abundância na sua vida, ter pensamentos de “ser rico”, mas se você se sente pobre e seguindo as hipóteses que estamos discutindo aqui, você não vai atrair a abundância para a sua vida. Por que não? Porque os pensamentos são a linguagem do cérebro, e os sentimentos são a linguagem do corpo. Você está pensando uma coisa e sentindo outra totalmente diferente. E quando não existe essa coerência, o corpo deixa de responder de forma coerente. Pense que em você há um enorme poder para criar a realidade na qual você habita……

Inspiração….

Física Quântica e o Poder do Pensamento .

a alma quântica – Brahma Kumaris

Consciência Quântica – Esalq

O Ser Quântico

A Física Quântica seria necessária – fflch – USP

Monicavox

 

Recomendo….

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre mente quantica

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre mente quantica

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre mente quantica

 

Nossos medos universais…

Resultado de imagem para imagens sobre medos universaisÈ bem possível que voce já tenha pensado sobre os relacionamentos que estabeleceu até hoje. Em suas considerações, sem dúvida já fez descobertas valiosas sobre quais pessoas desencadearam certas emoções em você e por quê. De fato, seu conhecimento de si mesmo deve ser tão bom que poderia até lhe permitir acertar respostas a quesitos propostos em um questionário médico sobre sua vida e seu passado, e suas conclusões provávelmente estariam certas para cada resposta, por mais variado que o teste pudesse ser. E com tudo isso, é bem possível que deixasse de perceber o mais importante e profundo padrão de procedimento de sua vida, aquele que tem lhe acompanhado desde o início de sua existência.

É exatamente por essa razão que é interessante fazer um questionário  para identificar as características que consideramos mais marcantes e “negativas” naqueles que tomaram conta de nós quando crianças. Perguntamos pelas características negativas, porque raramente vemos alguém atrapalhado com os padrões de procedimento positivo que encontraram na vida. Quase sempre, as situações que fazem as pessoas se sentirem paralisadas estão enraizadas no que se consideraram sentimentos negativos.

Essas são as emoções despertadas por nossas próprias experiências e pelo significado que elas têm para nós. Ainda que não se possa alterar o que já aconteceu, é possível entender a razão de nossos sentimentos e mudar o significado da história de nossa vida. Para muitos de nós, eram os pais naturais o problema, enquanto para outros, eram os pais adotivos/cuidadores; Para alguns eram os irmãos mais velhos, as irmãs, outros parentes ou amigos da família. Não importa quem fosse, a questão era identificar quem tinha cuidado de nós durante nossos anos de formação, isto é, até a puberdade.

Zangado; Indiferente; Inacessível; Crítico; Intolerante; Abusivo; Ciumento; Rigoroso; Controlador; Ausente; Medroso; Desonesto ;

Quantas pessoas com passados tão diferentes têm passado por uma experiência como essa? A resposta a esse mistério é o padrão que percorre os meandros profundos do tecido de nossa consciência coletiva, que pode ser descrito como nosso medo nuclear ou universal. Os padrões universais de medo podem ser tão sutis em sua manifestação, mas ao mesmo tempo tão dolorosos ao vir à mente que, habilidosamente, criamos máscaras para torná-los mais suportáveis.

De uma maneira semelhante ao modo como certas memórias familiares difíceis são raramente mencionadas, inconscientemente pactuamos disfarçar as feridas de nosso passado coletivo de maneira a fazê-lo mais aceitável socialmente. Somos tão bem-sucedidos em esconder nossos maiores medos que, para todos os fins e propósitos, as razões originais de nossas feridas são esquecidas e tudo o que resta é como elas se expressam, isto é, como extravasam.

Devido às estratégias que empregamos para mascarar nossos medos, jamais somos obrigados a falar sobre as feridas mais profundas de nossa existência. Mesmo assim, elas continuam nos fazendo companhia, com persistência e sem serem resolvidas, até que alguma coisa acontece e não podemos mais, simplesmente, olhar para outro lado. Quando nos permitimos aprofundar um pouco na análise desses momentos intensos e não-camuflados da vida, acabamos descobrindo que, por mais diferentes que nossos medos pareçam ser, eles terminam por convergir para apenas um dos três padrões básicos seguintes (ou uma combinação deles): o medo da separação ou do abandono, o medo do desmerecimento e o medo de se entregar e confiar.

Imagem relacionadaExploremos um por um esses medos…..

NOSSO PRIMEIRO MEDO UNIVERSAL: A SEPARAÇÃO OU ABANDONO

Praticamente sem exceções, existe um sentimento que toma conta de nós quando ficamos sózinhos. Dentro de cada pessoa e família há uma sensação não expressa verbalmente de que existimos separadamente de quem quer que seja responsável por nossa existência. Percebemos, nos nebulosos recônditos de nossa memória remota, que fomos trazidos até aqui e então abandonados, sem que fosse dada uma explicação ou razão. E por que deveríamos esperar que fosse diferente? Na presença da ciência que colocou um homem na Lua e traduz o código genético, realmente ainda não sabemos quem somos.

Também não sabemos como viemos parar aqui. Sentimos no íntimo nossa natureza espiritual, enquanto, ao mesmo tempo, procuramos validar nossos sentimentos. Da literatura, do cinema, da música e da cultura, fazemos a distinção entre os nossos lugares aqui na Terra e um distante céu em algum outro lugar. No Ocidente, estamos habituados a separar a criatura do Criador, como vemos ao examinar a tradução da oração da Bíblia que descreve justamente essa relação: o Pai-Nosso. Por exemplo, a tradução ocidental usual começa assim: “Pai nosso que estais no céu”, ou seja, reconhece que a separação existe.

Nessa interpretação nós estamos “aqui”, ao passo que Deus está em algum lugar muito distante. No entanto, os textos aramaicos originais oferecem uma visão diferente para nosso relacionamento com o Pai Celestial. Uma das traduções para a mesma frase diz o seguinte: “Uno Radiante, Vós que brilhais em nós e fora de nós — até mesmo a escuridão brilha — ao lembrarmo-nos de Vós”  , reforçando a idéia do Criador não estar distante e separado de nós. Em vez disso, a força criativa de nosso Pai — seja lá qual for o significado que nós lhe dermos — não sómente está conosco; somos nós e permeia tudo que conhecemos como sendo nosso mundo.

A descoberta em 2004 do Código de Deus e a mensagem vinda da tradução do DNA de todos os seres vivos nas letras do antigo hebraico e dos alfabetos árabes, aparentemente, apoiam essa tradução. Quando seguimos as indicações que nos foram deixadas no livro mítico do século I Sepher Yetzirah,por exemplo, descobrimos que cada um dos elementos que compõem nosso DNA corresponde a uma letra daqueles alfabetos. Ao fazermos as substituições, descobrimos que a primeira camada do DNA do nosso corpo, ao que tudo indica, apóia a admoestação que fala sobre a grande inteligência que está em toda parte, inclusive dentro de nós.

No DNA humano literalmente se lê: “Deus/eterno dentro do corpo”  . Nas ocasiões em que sentimos medo, mesmo sem estarmos conscientes do que precisamente ocorre, nosso corpo cria certa tendenciosidade emocional, experiência muitas vezes descrita como a de estarmos “carregados” ou “uma pilha de nervos”. Isso aparece para nós como as convicções firmes que temos quanto a estarmos “certos” ou “errados” a respeito de alguma coisa, ou sobre como determinada situação “deveria” se desenrolar. Nossas cargas emocionais e excitações nervosas nos prometem que criaremos os relacionamentos que nos mostrarão qual medo precisa desaparecer. Em outras palavras, essas cargas emocionais nos mostram nossos medos: quanto mais elevada for, maior o medo que nos assalta. E raramente essas emoções se enganam.

Assim, se conscientemente não lhe ocorrer a lembrança de seu medo de separação e abandono, existe boa possibilidade de que esse medo se revele mais tarde, da maneira mais inesperada e no momento mais inconveniente. Em suas experiências de romances, carreira e amizades, qual sua sensação? É a de ser aquele que “abandona” ou aquele que é “abandonado”? Você é do tipo que é o último a saber que um relacionamento terminou? Os casamentos, empregos e amizades “perfeitos” parecem desmoronar diante de seus olhos, sem aviso algum e aparentemente sem nenhum motivo? Você fica devastado quando esses relacionamentos se rompem e falham? Ou talvez com você aconteça o contrário. Seu hábito é o de abandonar relacionamentos, carreiras e amizades enquanto os laços estão fortes justamente para evitar ser ferido?

Algumas vezes você se surpreende dizendo: “Seria melhor que eu desistisse agora, enquanto as coisas estão boas, antes que alguma coisa aconteça e eu me machuque”. Se esse for o cenário que já aconteceu ou que está acontecendo agora na sua vida, há uma boa possibilidade de que esse seja seu modo, magistralmente criado e socialmente aceitável, de mascarar seus medos profundos do abandono e da separação. Pela repetição desses padrões de relacionamento, seu medo pode ser reduzido a um nível administrável. Pode até levá-lo por toda a vida. O outro lado da moeda é que o sofrimento tomou um desvio. Transformou-se no seu modo de não encarar o medo universal de que você foi separado da plenitude de seu Criador, abandonado e por fim esquecido. Como é que você espera encontrar o amor, a confiança e a proximidade tão ansiados se você está sempre partindo ou sendo deixado para trás, justamente quando você se aproxima?

O NOSSO SEGUNDO MEDO UNIVERSAL É A BAIXA AUTO-ESTIMA

Quase universalmente existe um sentimento em toda pessoa de todas as culturas e sociedades do mundo de que, de alguma maneira, não somos suficientemente bons. Sentimos que não merecemos reconhecimento pelas contribuições que damos à nossa família, comunidade e locais de trabalho. Sentimos que não valemos o bastante para sermos honrados e respeitados como seres humanos. Algumas vezes até nos surpreendemos com o sentimento de que não somos suficientemente bons para estarmos vivos. Conquanto o sentimento de baixa auto-estima nem sempre seja consciente, ele está continuamente presente e fundamentando a maneira de abordarmos a vida e os relacionamentos com outras pessoas.

Como mestres da sobrevivência emocional, freqüentemente nos encontramos criando cenários na vida real equivalentes aos valores imaginários que atribuímos a nós mesmos. Por exemplo, todos nós temos sonhos, esperanças e aspirações de realizar mais em nossa vida embora, freqüentemente, racionalizemos os porquês de não o fazermos.

O NOSSO TERCEIRO MEDO UNIVERSAL É O MEDO DE SE ENTREGAR E CONFIAR

Você alguma vez já experimentou um relacionamento de qualquer tipo em que o nível de sua confiança foi tão completo que se sentiu disposto a abrir mão da sua própria individualidade em troca do conhecimento de uma maior? Para ser mais específico quanto a isso, não estou sugerindo que alguém abra mão de si próprio e de toda energia individual em situação alguma. Pelo contrário, a experiência que sugiro fazer é uma em que o sentimento do próprio eu é tão fortalecido que a pessoa se permite abrir mão de crenças pessoais sobre quem é ou deveria ser, na expectativa de uma troca por vir a ser, potencialmente, muito mais. É quase universal a sensação que temos no nosso íntimo de que não é seguro optar por isso, não é seguro confiar a outras pessoas o saber de nosso corpo, ou a paz de nosso mundo.

E por que deveríamos pensar de outra maneira? Não precisamos procurar além das notícias do jornal diário para ter mais razões capazes de justificar nossos sentimentos. Todos os dias nos mostram exemplos de comportamentos que parecem justificar, e até mesmo perpetuar, a sensação de que vivemos em um mundo assustador e perigoso. Este planeta que chamamos de nossa casa tem cenas de terror, assassinatos e assaltos sem limites diariamente, além de violações de confiança, traições experimentadas pessoalmente e a miríade de preocupações com a saúde para as quais somos alertados todos os dias, de tal maneira que certamente acaba nos parecendo um lugar assustador.

Em última análise, nossa sensação de segurança no mundo deve vir da segurança que sentimos dentro de nós. Para experimentarmos isso, devemos confiar e perguntar se temos fé na inteligência do universo, manifesta em todas as situações e que surge ao longo da vida. Se respondermos não a essa pergunta deveremos nos perguntar: Por quê? Quem ou qual experiência nos ensinou que o mundo não é um local seguro e que não é certo confiar? Por exemplo, você crê no processo da vida? Quando descobre que o universo pregou uma peça em você, em um ente querido, em seu animalzinho de estimação, você logo atribui a culpa a alguém para se sentir protegido? Quando seus filhos saem para a escola de manhã você se preocupa, acha que eles não estarão seguros ou, ao contrário, sente que estarão em segurança e continua acreditando nisso até a hora em que eles voltam sozinhos da escola?

Ainda que todas as coisas assustadoras que nos cercam hoje sejam parte da realidade, o segredo para superarmos nossos medos é saber que elas não precisam necessáriamente ser parte da nossa realidade. Mesmo que isso soe como uma filosofia ingênua da Nova Era trata-se, na realidade, de uma crença bastante antiga que ultimamente vem sendo apoiada pelos mais avançados estágios da ciência. Sabemos que a Matriz Divina existe e que ela reflete nossos pensamentos, sentimentos, emoções e crenças em nossa vida, coração e mente. Temos conhecimento de que uma sutil mudança no modo de nos enxergarmos é tudo o que é precisamos para mudar nosso coração, desempenho profissional e relacionamentos. E é nesse ponto que a natureza perniciosa do círculo vicioso do medo se torna aparente.

A origem de nossas experiências “negativas” pode ser reduzida a um dos três medos universais (ou a uma combinação deles): abandono, baixa auto-estima e falta de confiança. Se quisermos que alguma coisa mude, temos que romper o círculo e dar à Matriz alguma coisa diferente para ela refletir. Parece simples, não é mesmo? Pode ser simples, mas podemos ficar decepcionados; não é fácil mudar o modo pelo qual nos vemos. Talvez seja uma das coisas mais difíceis da vida. Por causa de nossas crenças interiores, enfrentamos a grande batalha, o grande desafio de todo ser humano, ou seja, a luta cujo resultado irá definir quem acreditamos ser. Na presença de todas as razões que temos para não confiar, recebemos o pedido para encontrarmos uma saída da prisão na qual nosso medo nos trancou. Todos os dias as experiências da vida nos pedem para que demonstremos o quanto podemos confiar … não confiar cegamente sem uma razão válida, mas realmente sentir a segurança material e pessoal que nos pertencem neste mundo.

Resultado de imagem para imagens sobre matriz divina pdfVisão pessoal….

Como podemos ver , a emoção é uma linguagem em si mesma, e é a própria linguagem à qual a “Matriz Divina”-nosso DNA- é capaz de responder. Nas ocasiões em que nos sentimos como se não pudéssemos alcançar nossos maiores sonhos, a Matriz simplesmente nos devolve aquilo que estivemos usando diáriamente: atrasos, provocações e obstáculos. Ainda que possamos estar querendo alcançar grandes coisas, a dúvida que vem muito profundamente de dentro de nós, em última análise, provém de nossa baixa auto-estima. A pergunta que nos fazemos é: Sou suficientemente bom para ter essa alegria em minha vida? E por que deveríamos esperar que nos sentíssemos de outra forma? Na tradição ocidental judaico-cristã, o que nos dizem aqueles em quem confiamos e respeitamos é que, de certo modo, somos seres “de menor importância”. Não somos tão bons quanto os “anjos dos céus” ou quanto os “santos” que nos dão lições. Essa mesma tradição convenceu muitas pessoas de que, apenas pelo fato de estarmos neste mundo, precisamos nos redimir da vida propriamente dita por razões que nos dizem estar além de nossa compreensão. Há 2.000 anos somos comparados à memória editada, condensada e preferida da vida de Jesus, com a antiga história de um homem com quem jamais poderemos nos equiparar com esta consciência vingente. Algumas vezes a comparação é acompanhada de sérias admoestações, sugerindo que poderemos ser condenados a uma pós-vida bastante dura se não vivermos de determinado modo. Algumas vezes ouvimos algo mais leve, simplesmente nos lembrando de nossa inadequação por meio de perguntas tais como: “Quem você está pensando que é, Jesus Cristo?” ou então, “Como você vai chegar lá … andando sobre as águas?” Quantas vezes já ouvimos observações semelhantes, significando que por melhor que a gente faça durante a vida toda nunca seremos tão bons ou valeremos tanto quanto o Mestre do passado? Ainda que não levemos a sério tais comentários, lá bem no fundo eles nos lembram que de algum modo não merecemos ter as maiores alegrias nesta vida. Mesmo que sua auto-estima seja elevada, até um determinado ponto você pode ser levado a acreditar nessas sugestões. Finalmente, é provável que todos acreditem, pelo menos um pouco. E como resultado disso, expressamos nossas crenças por meio de expectativas de nossas conquistas, da alegria que nos permitimos ter e dos sucessos que esperamos dos nossos relacionamentos. Nosso medo de não ter bastante valor para ter amor, aceitação, saúde e longevidade promete que cada um de nossos relacionamentos refletirá o medo da baixa auto-estima. E acontece de maneiras que nós nunca poderíamos esperar nem em um milhão de anos. Se esses cenários ou outros semelhantes já se desenrolaram na sua vida é bem provável que eles sejam as máscaras criadas habilidosamente para você questionar seu próprio valor. Medite sobre seus relacionamentos pessoais e profissionais,e de suas crenças íntimas acerca de si próprio, crenças que pedem uma cura mais eficaz……..

Inspiração

A Matriz Divina-Gregg Braden

Auto-estima, autoconfiança e responsabilidade – ITCR

Medo Líquido – Zygmunt Bauman.pdf

Cultura do Medo PDF

Confiança e Modernidade: Uma abordagem sociológica – Emerj

Monicavox

Recomendo…

Resultado de imagem para imagens sobre matriz divina pdf

Resultado de imagem para imagens sobre matriz divina pdf

 

 

A arte do aprendizado do não julgamento…

Resultado de imagem para IMAGENS DE NÃO JULGAMENTOExiste uma tendência muito forte no Ser Humano de fazer determinados julgamentos, sem que ele possa sequer perceber que está fazendo isso. É preciso ter muito cuidado; Falar mal, não importa, de quem quer que seja, é julgamento e isso nós bem sabemos que não nos levará a lugar algum.

O julgamento da fé

A questão da fé, da crença, é algo realmente muito delicado. Toda e qualquer crença deve ser respeitada em todos os seus níveis, em todas as suas formas de compreensão. Isto porque o caminho que conduz a Fonte/Deus, é profundamente particular para cada um. Não há dois seres humanos sobre a face da Terra que sigam o mesmo caminho para a divindade, ainda que sigam a mesma religião, ainda que pensem de maneiras iguais, e até mesmo que vivam de maneiras iguais. E é justamente por causa dessa diferença mínima, que o livre-arbítrio deve ser respeitado em todos os momentos. Sabemos que enganações existem, sabemos que fraudadores existem.

Algumas pessoas, entretanto, nem sempre percebem quando estão sendo enganadas. E ainda assim, quando percebem, já estão completamente cegas para a realidade, suas mentes estão completamente condicionadas, manipuladas, subjugadas pela fascinação e a ilusão a que foram atraídas. A ciência já comprovou que jamais em toda a história, uma pessoa que tenha sofrido lavagem cerebral tivesse admitido este fato. É espantoso, mas é a realidade.

A verdade é que não existem vítimas nesta história toda. Toda e qualquer pessoa que está sendo enganada, em primeiro lugar, está enganando a si mesma. O fato de surgir em sua vida um “enganador externo”, é apenas uma conseqüência da ilusão que a pessoa já vive em seu interior. E as ilusões, bem sabemos, fazem parte da evolução, fazem parte do aprendizado. Estamos aqui neste mundo para aprender sobre a vida e adquirir discernimento espiritual. Principalmente o discernimento.

Não precisamos dar satisfações aos outros, a respeito de nossas escolhas. Assim como respeito a escolha de um ser humano de seguir determinado caminho, que para mim não é o correto, espero igualmente pelo respeito pela minha decisão de não seguir este caminho. A vida é feita de escolhas, e cada escolha deve ser respeitada sempre, não importa o que sabemos ou deixamos de saber. Mesmo que saibamos que determinada pessoa é enganadora, falsa, precisamos respeitar as escolhas daqueles que estão neste caminho supostamente errado. Talvez este caminho faça parte de suas evoluções.

Resultado de imagem para IMAGENS DE NÃO JULGAMENTOSe queremos abrir os olhos destas pessoas, podemos acabar tirando delas uma excelente oportunidade de evolução. Elas não crescerão mais de outra forma. Estão aqui na Terra para passar por experiências, mesmo que tais experiências não as conduzam diretamente á Fonte/ Deus. Indiretamente, elas acabarão por encontrar o seu caminho. Se há uma certeza que todos podem ter, é que mesmo as pessoas iludidas, cedo ou tarde, reencontrarão ao Plenum Cósmico/Deus  e despertarão de todas as suas ilusões.

Este tempo pode ser encurtado, algumas vezes, mas o tempo é relativo. O mais importante é o progresso, a evolução, a bagagem espiritual a ser adquirida. O mais importante é respeitar o livre-arbítrio em todos os momentos. Ao invés de direcionar as nossas energias no sentido de fazer críticas externas, precisamos nos concentrar em nossas próprias escolhas. O nosso julgamento quanto a pessoas, grupos, linhas de pensamento, existe e é um fato. É preciso, entretanto, saber como conduzir este julgamento.

Ele não deve ser exteriorizado. Esse julgamento deve ser mantido guardado em nosso interior, pois o mais importante não são as escolhas que os outros fazem, e sim as escolhas que nós fazemos. Ajudar a mostrar o caminho da luz, é algo que todos nós podemos fazer, uma vez que conhecemos a luz. Mas obrigar as pessoas a seguir o mesmo caminho que nós, implica em desrespeitar o livre-arbítrio das mesmas. Então, mesmo que as pessoas se percam, mesmo que se enganem, isto faz parte da evolução delas. Quem pode garantir que nós mesmos não estamos enganados, em relação a muitas coisas?

Por isso, a grande chave de tudo isso é seguir o nosso próprio caminho. Acreditando, desacreditando; iludindo-nos, desiludindo-nos. O importante é nos concentrarmos únicamente em nosso caminho, em nosso processo de ascensão. O julgamento é um dos maiores empecilhos para que uma pessoa possa atingir a sua realização pessoal. Que este julgamento, portanto, sirva  para que possamos perceber as nossas próprias falhas e assim nos aprimorarmos, crescendo e absorvendo cada vez mais a Presença do EU SOU O QUE SOU, a Presença Divina.

Resultado de imagem para IMAGENS DE NÃO JULGAMENTONÃO JULGUE

Dizem que Mulla Nasruddin chegava em casa e todo dia tinha confusão. Sua esposa suspeitava – e todas as esposas suspeitam… – de que ele estivesse tendo um caso com outra mulher, porque, ao sair de casa, ele parecia tão feliz e saía tão depressa… Ao voltar, ele parecia triste. Certamente, havia algo fora de casa que o atraía. Então, quando ela pendurava seu casaco no cabide, ela olhava no casaco, na camisa, para ver se descobria algum fio de cabelo ou qualquer coisa para provar que ele tinha estado com outra mulher.

Certo dia – durante sete dias ela esteve procurando e não pôde descobrir um único fio -, no sétimo dia, ela desatou a chorar e a berrar: “Isto é demais! Agora você deu para andar com carecas!”

Ora, é muito difícil descobrir uma mulher careca – quase impossível. Eu só vi uma única mulher que era meio careca, não careca. Mas… durante sete dias, nenhum cabelo…!? A conclusão era clara, que ele tinha caído tão baixo que agora estava saindo com carecas. “Não pode encontrar uma mulher com cabelo?”

Se um marido está sentado silenciosamente, então, a esposa fica com raiva. Se ele está lendo os jornais, a esposa fica com raiva – ela toma o jornal e diz: “Eu estou aqui e você está lendo o jornal como se eu não existisse.”

Todo mundo é tão infeliz que quer descobrir alguma razão em algum lugar para explicar a ele mesmo por que ele é infeliz, por que ela é infeliz. E a sociedade lhe deu uma boa estratégia: julgue.

Visão pessoal…..

É preciso nos tornarmos elos vivos de energia, luz e amor divino sobre o planeta, para que possamos resgatar a presença do Cristo Interno e de toda a hierarquia espiritual.  A ascensão é algo que está a disposição de todos os seres humanos. Todos aqueles que se dedicarem verdadeiramente ao caminho espiritual, ao ponto de se tornarem discípulos da luz, estarão, com certeza, trilhando o caminho da ascensão. Jamais podemos esquecer de que em todos os momentos de nossa vida, é preciso haver equilíbrio e harmonia, em todos os aspectos. É verdade que, algumas vezes, devido à necessidade de se trabalhar alguns karmas do passado, torna-se difícil estabelecer o equilíbrio. Tenhamos, porém, muita força de vontade e perseverança. Jamais abandonemos o plano divino, seja qual for a situação em que você nos encontremos. Algumas vezes, é bem provável que você não consigamos conciliar nossa vida no mundo material com a vida espiritual. Neste momento, então, podemos lembrar da lei do equilíbrio. Somente através do equilíbrio, conseguiremos vencer os desafios que surgirem no caminho. Do contrário, não venceremos, e as experiências retornarão em algum momento para que  possamos melhor trabalhá- las e lidar com as mesmas; Tentemos não fugir de nossas obrigações materiais e, por outro lado, procuremos nos dedicar o máximo possível para a nossa realização pessoal e espiritual;sómente o desejo genuíno de alcançar a nossa ascensão, é que nos levará de fato a conquistá-la. Tenhamos sempre muito cuidado com as atrações do ego. Nossa missão na Terra é justamente tentar modificar este paradigma. O princípio do mundo material está direcionado para o orgulho, para a vaidade, e todo tipo de mal que conhecemos. Mas o nosso papel é inverter este princípio.

Inspiração…

Ciência e Comportamento Humano – Skinner – teorias-e-sistemas-

Evolução do comportamento humano: Psicologia … – PUCPR

Monicavox

Recomendo…

Imagem relacionada

Resultado de imagem para IMAGENS DE livros de julgamento

 

O poder da Fé na cura de doenças

Imagem relacionada
A ciência comprova que a espiritualidade pode reduzir o risco de doenças cardiovasculares e diabetes. Atenua também os sintomas de enfermidades como AIDS e câncer, além de melhorar a qualidade de vida e diminuir a violência;A influência da fé na cura das mais diversas doenças é uma realidade entre médicos de todo mundo. Nos Estados Unidos, por exemplo, há mais de 10 anos exige-se que todos os programas de residência para psiquiatras incluam no currículo questões religiosas e espirituais. No Brasil, embora a questão ainda seja tratada com cautela, muitos médicos já admitem ter testemunhado casos impressionantes que a ciência não tinha como explicar.
E foi comprovado científicamente que pessoas espiritualizadas podem diminuir o risco de alguns tipos de doenças como as cardiovasculares, o diabetes, acidentes vasculares cerebrais (AVC), infartos e insuficiência renal. Além de amenizar os sintomas de doenças crônicas como AIDS e câncer;Ao adquirir o autoconhecimento e a aceitação proporcionados pela fé, o indivíduo consegue mudar seus hábitos, como melhorar a alimentação, praticar atividade física, ter um sono reparador e manter o equilíbrio nos pensamentos e atitudes. A espiritualidade também ajuda a combater a depressão, já que atenua os sentimentos de amargura, raiva, estresse e mesmo ressentimentos.
  “A fé atua em diversas áreas cerebrais, principalmente no sistema límbico, que é responsável pelas emoções. Ela ainda reforça o sistema imunológico, prevenindo diversas doenças”, afirma Ricardo Monezzi, pesquisador e psicobiólogo doInstituto de Medicina Comportamental da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).Ele explica que os indivíduos espiritualizados, independentemente da religião, demonstram ser menos violentos, pois pensam no próximo, são altruístas e muitas vezes demonstram ser mais solidários.Além disso, pessoas espiritualizadas cometem menos suicídio, ficam menos tempo internadas nos hospitais e geralmente têm mais qualidade de vida. “Elas acreditam que a vida tem um objetivo e aceitam as adversidades com mais clareza e não se sentem desamparadas nos momentos difíceis”, relata o pesquisador Monezi.

Pesquisas 

 Uma pesquisa realizada pela Universidade de Toronto (Canadá), liderada pelo professor de Psicologia Michael Inzlicht, constatou que a fé pode diminuir a ansiedade, a depressão e o estresse. 

Os participantes realizaram um teste, conhecido como Stroop, onde foram analisadas as atividades cerebrais dos indivíduos, e foi comprovado que a crença tem um efeito calmante cuja consequência é a diminuição da ansiedade, bem como o medo de enfrentar o que nos parece incerto e desconhecido.

“Existem pesquisas com Ressonância Nuclear Magnética Funcional, que demonstram áreas específicas do cérebro que se ‘acendem’ em orações ou meditações”, pontua Niura. Entretanto, Habermann destaca que, apesar de os recursos tecnológicos terem registrado inusitados mecanismos da fisiologia cerebral, principalmente na área das emoções, ainda há muito o que se descobrir nesse assunto.
 

O médico Herbert Benson, da Faculdade de Medicina de Harvard, afirma que o estresse é responsável por pelo menos 60% das doenças que atingem o homem moderno. Além disso, faz o organismo produzir o agente inflamatório interleucina-6, que está associado a infecções crônicas, diabetes, câncer e doenças cardiovasculares.

Segundo o médico, ao rezar ou meditar seguidas vezes, o paciente atinge um estado de relaxamento capaz de reduzir o impacto dos hormônios no organismo. A oração continuada desacelera os batimentos cardíacos, o ritmo de respiração, baixa a pressão sanguinea e reduz a velocidade das ondas cerebrais, melhorando a condição física. Ele comprovou que pessoas que raramente iam à igreja tinham altos níveis de interleucina-6 no sangue, enquanto nos frequentadores assíduos esses índices eram significativamente mais baixos.

Outra pesquisa, feita pela Faculdade de Medicina de Dartinouth, revelou que a probabilidade de pacientes cardíacos morrerem após a cirurgia era 14 vezes maior entre os que não participavam de atividades religiosas. Em seis meses, 21 morreram. Já todos os 37 que se declararam extremamente religiosos tiveram alta.

Segundo revela o Instituto de Pesquisas Psíquicas Imagick, estudos científicos em torno da cura pela fé começaram com o médico americano Harold Koenig . Ele e sua equipe concluíram que, ao rezar, pacientes religiosos controlam indiretamente suas doenças. ‘Acreditam que não estão sózinhos na batalha e que Deus está cuidando pessoalmente deles. Isso os protege do isolamento psicológico que domina a maioria dos doentes.

Em um estudo com 455 idosos internados, Koenig observou que a média de internação dos que frequentavam algum tipo de crença/fé mais de uma vez por semana era quatro dias. Já os que iam raramente ou nunca chegavam a passar até 12 dias hospitalizados.

 Resultado de imagem para imagens sobre autocuraNovo Paradigma;Como tem reagido a medicina convencional diante dessa nova realidade?
 De acordo com Paulo de Tarso Lima, coordenador do Setor de Medicina Integrativa e Complementar do Programa Integrado de Oncologia do Hospital Israelita Albert Einstein (SP) e autor do livro Medicina Integrativa – a cura pelo equilíbrio (MG editores), os profissionais da saúde entenderam que o ser humano precisa cuidar do corpo, mente e espírito. E atualmente, em algumas escolas de medicina, os alunos já possuem matérias sobre a importância da espiritualidade no processo de cura.
“Há um movimento global na área da saúde que identifica as necessidades dos pacientes e visa respeitar as decisões de cada um, independentemente das crenças ou valores”, afirma. Para que isso ocorra, a conversa entre paciente e médico é fundamental. Com o diálogo, o profissional saberá no que a pessoa acredita e poderá informar que há bases científicas que comprovem que a espiritualidade auxilia no processo de cura.
O médico deverá abordar o paciente de forma humana, entender e explicar o que há por trás das doenças e discutir como ele vê a doença e a cura. “Os médicos precisam respeitar seus pacientes. Escutá-los com atenção e indicar tratamentos que possam ajudar nesse processo”, explica Lima .

A prática médica tem mostrado aos profissionais da saúde — convencionais ou não — a importância da fé como coadjuvante da cura dos males orgânicos. Além de curar, cultivar a fé muda os hábitos, torna os indivíduos mais saudáveis, atenua sintomas de doenças, pode levar à cura e traz um sentido na vida de cada um. Crer é preciso.


Visão pessoal…

As reflexões aqui reunidas são como um caminho para os que buscam a saúde emocional, bem-estar e crescimento pessoal, e podem ser lidas aleatóriamente ou em sequência. São como uma direção/caminho/opção para nosso despertar.São ensinamentos para a renovação dos sentimentos, pensamentos e ações rumo à evolução espiritual e à realização plena do ser humano. Muitas vezes os ensinamentos de um mestre soam como uma nota harmoniosa em nosso interior, é como se aquilo já fizesse parte de nós, são como memórias adormecidas em nosso subconsciente que ressurgem à luz e devemos escutá-las.Existem muitas terapêuticas disponíveis no mercado prometendo nos curar de nossos males. Algumas, inclusive, usam o termo ‘cura’ no próprio nome (cura quântica, cura prânica, cura reconectiva, etc.), todas acreditam na eficácia de seus tratamentos.Vivemos um momento de grandes transformações, onde muitos conceitos estão sendo revistos à luz de novas perspectivas, especialmente pela influência dos avanços científicos, portanto, é preciso nos entendermos com as próprias palavras.Quando se quer promover algo ou algum tipo de  serviço, é muito comum usar legendas que seduzam os interessados, criar nomes que despertem o interesse daqueles a quem se quer atingir, mas falar em cura como algo centrípeto é, no mínimo, uma tremenda responsabilidade. A cura não é um processo de fora para dentro, pelo contrário, é um processo que se articula de dentro para fora.O mundo entrou em um sistema de mudanças progressivas e estamos vendo ruir muitas ‘verdades’ que foram estabelecidas pela devoção irrefletida nas narrativas oferecidas. A idéia de que algo exterior ao organismo, como remédios, poções, extratos, passes, descarregos, etc., podem curar é falsa, pois aquilo que consideramos doença já é a própria cura.A recuperação da saúde é um processo fisiológico, portanto natural, o corpo não é suicida. Não podemos negar a eficiência de certos tratamentos no alinhamento, no ajuste e no equilíbrio do indivíduo, mas acreditar que são milagrosos é exagero.Todos os conflitos e transtornos que envolvem o ser humano já sinalizam em si mesmos um movimento de catarse ou reivindicam ajustes na dinâmica emocional e psíquica do Ser, ou seja, a própria alma participa e atua no processo profilático enviando para o campo mental ou fisiológico aquilo que é inadequado, justamente para ser tratado, por isso, com ou sem a participação externa, os mecanismos internos buscam o equilíbrio. Essa é a razão de encontrarmos nos evangelhos, sempre no desfecho de algum ‘milagre’,  Jesus dizendo: “A tua fé te curou”…..


Inspiração…

Resilência- O poder da auto-transformação-Da Neurociência á Evolução Humana-Maria Henriqueta Camarotti

A CURA ATRAVÉS DAS EMOÇÕES.pdf – PDF(2)

Joyce Meyer – Curando Feridas Emocionais

“Cure o seu corpo”, de Louise Hay.

Monicavox


 

Recomendo…

Imagem relacionada

 

Resultado de imagem para imagens sobre livros de autocura

Resultado de imagem para imagens sobre livros de autocura

 

Vìtima ou Herói? Voce decide….

Resultado de imagem para imagens de superação com frasesPrecisamos aceitar os mistérios do mundo e da vida, enquanto aqui na 3D;O que não significa que devemos ficar estagnados confiando apenas no “destino”.Devemos fortalecer nossa parceria com o Universo, precisamos ouvir a voz do Mestre Interior, e entender que somos constantemente guiados para os caminhos que nos levarão exatamente para onde queremos chegar. Porém, a Fonte nos deu um presente incrível. Ela nos fez livres, vivemos em um livre arbítrio.

Então, antes de questionar” por que é permitido” que tragédias aconteçam, entendam e aceitem que vivemos no mundo da ação e reação, escolhas e consequências. A Fonte Que Tudo È nos deu a vida, e a única coisa que  permitiu foi que a vivêssemos da maneira que quisermos, e a melhor parte é que essa Fonte de onde viemos está sempre à nossa disposição, para nos ouvir, para curar, e confortar, independentemente de quem somos, do que fizemos ou continuamos a fazer.

Como criador do Universo, tudo funciona em sintonia, então ciência e religião não deveriam se contradizer tanto, porque para mim é óbvio que a Fonte é o Universo, o Universo está na Fonte.
Não seja alienado a ponto de achar que uma religião vai resolver todos os seus problemas,suas frustrações,suas dificuldades aqui na 3D; É preciso aceitar que o único que pode resolver seus problemas é você mesmo; Você sente isso claramente quando se liberta das correntes que lhe impedem de ser feliz, de ser uma pessoa melhor, você se liberta quando aprende a perdoar, quando aprende a amar as pessoas, a ter empatia, e a respeitar as diferenças.

Crie seu paraíso diáriamente 

Entenda que homens são falhos e sempre serão, ninguém é dono de uma verdade absoluta, cada um carrega a sua própria verdade, os seus próprios mistérios. Então, gaste menos tempo se preocupando com as escolhas alheias e trabalhe em você, descubra a sua verdade e ela irá libertá-lo.

Finalmente chega o momento em que decidimos dar esse passo, decidimos ser o protagonista da nossa história, e não a vítima. Mudamos a nossa vida para criar com bravura e coragem a nossa própria realidade: onde não se encaixam humilhações, chantagens ou ofensas.

Muitas vezes a palavra “vítima” pode incorporar uma conotação desrespeitosa. Alguns definem este perfil como uma pessoa que se caracteriza por uma atitude passiva que simplesmente culpa os outros por aquilo que acontece na sua vida. No entanto, o “vitimismo” não tem nada a ver com as “vítimas reais”. Estes são dois aspectos completamente opostos que devem ser diferenciados com respeito e sensibilidade adequada.

Muitos de nós fomos vítimas de uma pessoa ou circunstância em um determinado momento das nossas vidas. Existem injustiças nas áreas públicas, mas especialmente nos espaços privados. Não importa o quanto somos respeitosos, se somos apenas crianças, se temos um elevado status social ou se somos muitos experientes, isso pode acontecer com qualquer pessoa.

A vida nos machuca quando assim deseja. E por um tempo podemos ser vítimas de uma fraude, de um acidente, da hipocrisia, de um relacionamento ruim, das nossas próprias decisões, ou de qualquer nuvem escura que paire sobre os nossos corações.

Nem sempre podemos controlar os fios condutores do destino. No entanto, podemos escolher a melhor resposta para deixar a vítima para trás e se tornar o herói ou heroína da nossa própria história.

O “eu” separado” que a vítima constrói

A vítima nem sempre escolhe a sua posição ou não consegue sair sózinha da prisão pessoal e psicológica que criou. Para entendermos melhor, vamos dar um exemplo. Elena é um nome fictício, ela tem 18 anos e sonha em estudar Direito em Budapeste, Hungria. No entanto, os problemas financeiros e especialmente os familiares a incentivam a aceitar uma oferta de trabalho.

Ela vê um anúncio onde solicitam empregadas para trabalhar na Espanha. O salário é bom e, se poupar o suficiente, poderá começar seus estudos depois de um tempo. Ela não hesita e aceita o trabalho. No entanto, essa decisão que, inicialmente, foi um ato de coragem, dias mais tarde se transforma na pior escolha da sua vida: ela se tornou uma vítima do tráfico de pessoas.

Quando ela chega à Espanha, percebe que não tem nenhuma opção a não ser se prostituir para pagar a viagem. Então, acaba guardando seus sonhos e vivendo a realidade injusta que existe nesse país de destino.Quando é finalmente resgatada desse mundo por uma organização social, Elena continua sendo uma vítima. Tudo isso por uma razão muito simples: ela construiu um “eu” separado, com o qual se identifica agora. Essa entidade que foi criada deixou de confiar nas pessoas, se sente culpada pelo que aconteceu e acredita que não tem controle sobre nada, absolutamente nada do que a rodeia.

Seu condicionamento é tal que não vive mais no presente e nem tem esperança de um futuro. A identidade da vítima se enraizou em todo o seu ser. No entanto, Elena pode se “reconstruir” e voltar a ser ela mesma, para ser o que desejar.

 Reconstruir as identidades, curar as feridas e se transformar em heróis

A história aqui citada é apenas um exemplo das muitas realidades que homens e mulheres sofrem todos os dias. Os facilitadores e especialistas neste tipo de processo de reconstrução pessoal indicam que esta é uma espécie de ferida que nem sempre cicatriza. No entanto, as vítimas podem reintegrar este “eu separado” à sua identidade no momento em que encontrarem um propósito para suas vidas; uma alternativa, um sentido.

Os especialistas dizem: “Você pode ser o que quiser. Você pode ser tudo o que você se propuser”. Mas para se tornar herói ou heroína é necessário, em primeiro lugar, deixar de lado a identidade da vítima. É preciso quebrar os condicionamentos e emergir com um firme propósito: ser feliz novamente.

Estratégias para seguir em frente e deixar de lado a nossa identidade de vítima

Cada pessoa vai passar ou já passou por algumas circunstâncias que a colocaram nessa situação de vulnerabilidade. A última coisa que devemos fazer é culpá-la ou fazer comentários como “foi ela que procurou quando iniciou esse relacionamento” ou “essas coisas acontecem porque você não tem caráter”.

  • Uma vítima não escolhe ser vítima. Ela não luta apenas para escapar de um foco externo que causa dor, também é uma luta interna porque a sua autoestima está totalmente fragmentada.
  • As pessoas que foram feridas não conseguem sair de um dia para o outro do seu abismo pessoal. É um processo lento, sofrido e delicado de reconstrução da identidade, onde é preciso voltar a sentir confiança: a confiança em si mesmo e no seu ambiente.
  • A pessoa que é vítima de uma determinada circunstância, seja ela qual for, acredita que não há como escapar. No momento em que deixar de lado essa atitude, e se deixar ser guiado em um processo de acompanhamento e apoio, descobrirá que há outros caminhos. Existem outras opções que podem mudar a sua realidade.

Para concluir, a vida pode nos machucar quando assim o desejar, e seremos vítimas por um certo tempo. No entanto, só até quando a nossa força interior disser que basta, que já sofremos o suficiente; só até tomarmos as rédeas da nossa vida e nos tornarmos os criadores da nossa própria realidade e de novos horizontes como autênticos heróis.


malala.jpg

Malala Yousafzai

Malala Yousafzai (1997) é uma jovem paquistanesa, militante dos direitos das meninas de ir à escola. Aos 17 anos, é a mais jovem ganhadora do Prêmio Nobel da Paz.Malala Yousafzai nasceu no Vale do Swat, no norte do Paquistão, no dia 12 de julho de 1997. Filha de Ziauddin Yousafzai, professor e dono de escola incentivou o estudo da filha. Em 2008, o Talibã destruir 150 escolas para meninas no Paquistão. Malala ia para o colégio com o uniforme escondido dentro da mochila, para não ser atacada.Malala começou a escrever um blog, em que contava os obstáculos para estudar e seguir seu sonho de ser médica. Em outubro de 2012, quando já dava entrevistas e aparecia na televisão defendendo o direito das meninas à educação, recebeu três tiros contra sua cabeça, no momento em que estava dentro do ônibus que a levaria para a escola.Malala Yousafzai que estava com quinze anos, foi levada para a Inglaterra, onde se submeteu a tratamento. A jovem sobreviveu ao atentado e, aos 16 anos tornou-se porta voz de uma causa – o direito à educação. Vive exilada em Birmingham, junto com sua família.No dia 12 de julho de 2013, quando comemorou 16 anos, discursou para uma platéia de representantes de mais de 100 países na Assembleia da ONU, em Nova Iorque. Em outubro, recebeu o Prêmio Sakharov, dado pelo Parlamento Europeu. No dia 10 de outubro de 2014, com 17 anos, Malala recebeu o Prêmio Nobel da Paz, tornando-se a mais jovem ganhadora da premiação.


Visão pessoal…

As pessoas, todas, sem exceção, possuem MUITO mais força do que supõe. Com coragem, força, fé e persistência, todos podemos superar qualquer pessoa ou sistema que nos oprima. Este é, aliás, um dos (únicos) sentidos da vida: Mudar o que pode ser mudado, e aceitar o que não pode ser mudado. Porém essas mensagens extremamente coitadistas e vitimistas que se repetem na mídia porque se estabeleceram como verdades inquestionáveis no pensamento contemporâneo, acabam tirando a força do indivíduo, na medida em que jogam a culpa da “opressão” em algum agente externo imaterial; Vejamos o outro lado desta questão; nessa sanha acusatória, acabam justamente por perpetuar aquilo que combatem, porque estão mais interessados em apontar culpados, do que em fortalecer os fracos, que ficam esperando que os opressores se sensibilizem, percebam o quanto são malvados e parem de oprimir. A expressão é antiga: Que esperem sentados, porque de pé vão cansar. Ou que arregacem as mangas e enfrentem o desafio de viver uma vida mais justa. Cada caso é um caso, não pretendo aqui partir para a culpabilização da vítima. Mas vai continuar sendo vítima até quando? Quero, de modo geral, dizer que ao se aceitar e se conformar no papel de vítima de ações exteriores, aliena-se também da responsabilidade de ter chegado onde chegou, e de mudar a situação para melhor. Às vezes, é mais conveniente continuar como vítima. Porque mudar dá trabalho.O lugar de princesas, príncipes, personagens com capas, máscaras e roupas bem desenhadas e coloridas, é nos gibis, nas fábulas e nos cinemas. Já os heróis de verdade, que são pessoais reais e viveram ou vivem no meio de seu povo, podem ser classificados com simples palavras como dedicação, igualdade, luta, suor, trabalho, reflexão, educação e informação. São eles os responsáveis por mudanças de comportamento, rupturas de culturas, quebras de paradigmas e desenvolvimento de novos hábitos e pensamentos. Muitos ultrapassaram barreiras sociais e antropológicas de uma época, lutaram contra políticos e culturas e até arriscaram suas vidas para romper dogmas, preconceitos, políticas antiquadas e formas de administrar atrasadas, desrespeitosas e cruéis.Os heróis de verdade se tornam imortais através de seus projetos, ações e lutas, deixando legados e lições importantes através da história.Os heróis da vida real são pessoas comuns que se destacam no meio em que vivem. Os atletas paralímpicos também merecem ser citados, sem entrar no mérito de lembrar nomes, para não ocultar ninguém. Eles reúnem atributos e qualidades que contribuem para o crescimento das pessoas que estão ao seu redor, deixando ensinamentos valiosos.Essas pessoas despertam em nós a certeza de que somos capazes e de que podemos ir além. Ler sobre a história de vida e de luta de cada um deles nos motiva. Vamos seguir adiante tendo em mente esses ensinamentos e a visão de que podemos sempre nos transformar em pessoas e profissionais melhores, fazendo bem ao próximo. Seus trajetos podem e devem ser passados adiante. Todos nós queremos ser tratados com respeito, educação e ética, só que muitas vezes é mais fácil cobrar do outro do que nos esforçar para mudar a nós mesmos. Ajudemos as pessoas ao nosso redor, independente de quem seja, sem esperar nada em troca, apenas plantando uma pequena semente que um dia germinará e se multiplicará.


Inspiração…

Somos o que pensamos ser-James Alben

Monicavox


Recomendo...

Resultado de imagem para imagem sobre malala

Resultado de imagem para imagens de livros de superação

Imagem relacionada

Resultado de imagem para imagens de livros de superação

 

O Efeito Isaías-Venha conhecer e se atualizar na Biologia do Futuro….

 

Resultado de imagem para imagens d elivros de gregg bradenDesenhista de sistemas de computação aeroespaciais e geólogo chefe da Phillips Petroleum, Gregg Braden é um cientista conhecido hoje por unir o mundo da ciência e o mundo espiritual, vale a pena ler o que ele diz….

O Código Isaías

Apesar de pouco conhecido ainda, a descoberta do Grande Código Isaías nas cavernas do Mar Morto, em 1946, revelou as chaves sobre o nosso papel na criação. Entre estas chaves encontram-se as instruções de um modelo “perdido” de oração, que a ciência quântica moderna sugere que tenha o poder de curar nossos corpos, trazer paz duradoura a nosso mundo e, talvez, prevenir as grandes tragédias que poderia enfrentar a humanidade.  “Com as palavras de seu tempo, os Essênios nos lembram que toda a oração já foi atendida por Deus.” Qualquer resultado que possamos imaginar e cada possibilidade que sejamos capazes de conceber, é um aspecto da criação que já foi criado e existe no presente como um estado “adormecido” de possibilidade. A física quântica já foi apelidada de Física das Possibilidades, por nos dizer que tudo o que imaginamos encontra-se disponível como uma das possibilidades que vamos assimilar em nossas vidas, só devemos “atrair” a que desejamos através do pensamento.

CRIAR, ATRAIR OU ACESSAR?

A partir desta perspectiva, nossa oração baseada nos sentimentos deixa de ser “algo por obter” e se converte em “acessar” o resultado desejado, que já está criado no mundo vibracional (quântico, atômico) das infinitas possibilidades. Ou seja, nada é impossível, quando temos um desejo sincero, este desejo torna-se parte das nossas possibilidades futuras no nível quântico e só precisamos sintonizá-lo. Então já sabemos que a ciência atual consegue provar através da teoria quântica que pensamento é energia, que toda energia tem uma vibração e que a vibração cria o mundo material, nossos corpos e todo o restante ao nosso redor foi e continua sendo criado através das nossas mentes coletivas. Também sabemos que a luz é uma fonte de energia, então…

A que estão conectadas as partículas de luz? Gregg Braden diz que estamos sendo levados a aceitar a possibilidade de que existe um NOVO campo de energia e que o DNA está se comunicando com os fótons por meio deste campo.

EXPERIMENTO 1

Neste experimento foi recolhida uma amostra de leucócitos (glóbulos brancos) de vários doadores. Estas amostras foram colocadas em uma sala com um equipamento de medição das alterações elétricas. Neste experimento o doador era colocado em outra sala e submetido a “estímulos emocionais“ provocados por vídeos que lhe causavam emoções. O DNA era colocado em um lugar diferente do doador, mas no mesmo prédio. O doador e seu DNA eram monitorados e quando o doador mostrava alterações emocionais (medidas em ondas elétricas) o DNA visualizado através de microscópios MUITO potentes expressava RESPOSTAS IDÊNTICAS E SIMULTÂNEAS. Os altos e baixos do DNA COINCIDIRAM EXATAMENTE com os altos e baixos do doador.

O objetivo era saber a que distância poderiam estar separados o doador do seu DNA para que o efeito continuasse a ser observado. Pararam de fazer provas quando chegaram a uma distância de mais de 80 quilômetros entre o DNA e seu doador, e continuaram obtendo o MESMO resultado. Sem diferença e sem atraso de transmissão. O DNA e o doador tiveram as mesmas respostas ao mesmo tempo. Mas o que isto significa? Gregg Braden diz que isto significa que as células vivas se reconhecem através de uma forma de energia não reconhecida com antecipação. Esta energia não é afetada nem pela distância nem pelo tempo. Não é uma forma de energia localizada, mas uma energia que existe em todas as partes e todo o tempo.

EXPERIMENTO 2

Outro experimento foi realizado pelo Instituto Heart Math e nele se observou o DNA da placenta humana (a forma mais antiga do DNA) que foi colocado em um recipiente, onde podiam ser medidas as suas alterações. Foram distribuídas 28 amostras em tubos de ensaio para um mesmo número de investigadores previamente treinados. Cada investigador foi treinado para gerar e EMITIR sentimentos, e cada um podia ter fortes emoções. O que se descobriu foi que o DNA mudou de forma de acordo com os sentimentos dos investigadores.

Resultado de imagem para imagens de livros de gregg bradenCONCLUSÕES

1. Quando os investigadores sentiram gratidão, amor e estima, o DNA respondeu RELAXANDO e seus filamentos se estirando. O DNA ficou mais longo.

2. Quando os investigadores SENTIRAM raiva, medo ou stress, o DNA respondeu SE ENCOLHENDO.  Tornou-se mais curto e muitos códigos se APAGARAM. Alguma vez você já se sentiu “carregado” por emoções negativas? Agora sabemos porque nossos corpos também se afetam.

Os códigos do DNA se conectaram de novo quando os investigadores tiveram sentimentos de amor, alegria, gratidão, harmonia e estima e em muitos casos houve a cura física de doenças.

Estas alterações emocionais provaram que eram capazes de ir além dos efeitos eletromagnéticos. Os indivíduos treinados para sentir amor profundo, foram capazes de modificar a forma de seu DNA. Gregg Braden disse que isto ilustra uma nova forma de energia, que conecta toda a criação. Esta energia parece ser uma REDE TECIDA de forma AJUSTADA, e que conecta toda a matéria. Essencialmente podemos influenciar essa rede de criação por meio da nossa VIBRAÇÃO.

QUESTÃO DE VIBRAÇÃO

Há mais de cinqüenta anos, em 1947, o Dr. Hans Jenny desenvolveu uma nova ciência para investigar a relação entre a vibração e a forma.’ Mediante seus estudos, o Dr. Jenny demonstrou que a vibração produzia até geometria. O Dr. Jenny produziu uma surpreendente variedade de desenhos geométricos, desde alguns muito complexos até outros bastante simples, em materiais como água, azeite, grafite e enxofre em pó. Cada desenho era simplesmente a forma visível de uma força invisível.

A importância destas experiências é que, com elas, o Dr. Jenny provou, sem espaço para dúvidas, que a vibração cria uma forma previsível na substância onde é projetada. Pensamento, sentimento e emoção são vibrações que criam um transtorno sobre a matéria em que são projetados, por esta razão precisamos tomar cuidado com o que pensamos e sentimos.

O SENTIDO DA PRECE/ORAÇÃO

A chave para obter um resultado entre os muitos possíveis (assimilar uma das infinitas possibilidades que nos cercam) reside em nossa habilidade para escolher nossas emoções e sentir que nossa escolha já está acontecendo. Vendo a oração deste modo, como “sentimento”, nos leva a encontrar a qualidade do pensamento e da emoção que produz esse sentimento: viver como se o fruto de nossa prece já estivesse a caminho. Se Pensamento, Sentimento e Emoção não estão alinhados não há União. Portanto: Se cada padrão se move em uma direção diferente o resultado é uma dispersão da energia e o resultado da sua oração não é “recebido” por você.Se, por outro lado, os padrões de nossa oração se centram na união, como pode o «material» da criação não responder a nossa prece?


Imagem relacionada

Visão pessoal…

Vamos bater na mesma tecla;sabemos que hoje a ciência já provou através da física quântica que somos energia e que estamos todos conectados através de nossa vibração; Deus é puro amor, é energia e por ser energia, não morre, não desaparece, é imortal e está em todos os lugares. E como somos a imagem e semelhança de Deus, sabemos que somos energia e hoje podemos provar isso. Somos seres espirituais e não seres feitos de matéria. Durante muito tempo achava-se que a menor partícula de uma célula, o átomo era feito de matéria. Depois descobriram que na verdade a maior parte de um átomo é vácuo, então achava-se que o núcleo que é muito pequeno seria material. Esta idéia caiu por terra quando através do uso de microscópios eletrônicos muito potentes verificou-se que o núcleo de um átomo é apenas uma energia condensada, não é matéria. Mas se tudo o que existe no mundo “material” é feito de um conjunto de células, estas são feitas de átomos e se um átomo de qualquer coisa não é material, então… No nível microscópio, nada é material, tudo é vibração, tudo é feito de energia condensada. Vivemos num universo de vibração e nossos corpos são feitos a partir da vibração da energia que emanamos constantemente.Muitas pessoas se exercitam, vão à academia, bebem muita água, comem alimentos saudáveis, mas vivem com raiva ou pessimismo, assistem sempre aos noticiários negativos, adoram filmes de guerra, drama e violência, conversam sobre doenças, crise financeira, guerras, estas pessoas geralmente não entendem por que ficam doentes e deprimidas… O alimento que ingerimos é importante, mas as emoções são o alimento da alma e este alimento (as emoções) influenciam a nossa saúde e o nosso destino completamente.Gregg diz que quanto maior o magnetismo, maior é o tempo para a manifestação no nosso mundo o que pensamos e sentimos. Por conseguinte, quanto menor o magnetismo, menor será o tempo para nos encontrarmos com a manifestação de nossos desejos, então levará menos tempo para nossos desejo se manifestarem. Isto pode ser algo maravilhoso, não? Ou… Menos tempo para a manifestação de nossos medos, caso mantenhamos pensamentos negativos. Tudo depende de você.Vimos que geneticamente nosso DNA muda com as freqüências que produzem nossos sentimentos, e como é que as freqüências energéticas mais altas, que são as do Amor, impactam no ambiente, de uma forma material, produzindo transformações não só em nosso DNA, mas no ambiente que nos cerca. Ou seja, você possui muito mais poder do que imaginava…Quanto mais Amor deixarmos fluir por nossos corpos, mais adaptados estaremos para enfrentar o que possa acontecer em em nossas vidas. E podemos conduzir TODO o nosso planeta, mediante nossos pensamentos positivos em conjunto, para o melhor futuro possível. O que você mais pensa?Que tal ser amigo da sua alma? Veja coisas engraçadas, divertidas, alegres, bonitas, românticas, interessantes, instrutivas, espiritualistas, otimistas… Deixe o noticiário violento e dramático de lado sem ficar alienado, as conversas negativas, os livros e filmes violentos e tristes, pois o que isso agrega de qualidade positiva em sua vida? NADA…. Negativamente: TUDO…Seja mais feliz, ame-se e cuide com o alimento da sua alma.

VALE Á PENA ASSISTIR-UM BRASILEIRO ENSINA O QUE APRENDEU E CONTA AS EXPERIÊNCIAS EM UM ENCONTRO COM GREGG BRADEN

Da Célula a Alma: O Encontro com Gregg Braden e Outras Surpresas | Wallace Liimaa


Inspiração….

O Efeito Isaías-Gregg Braden

A Matriz Divina-Gregg Braden


Recomendo…

(Nota do Monicavoxblog-Todos os livros de Gregg Braden são obrigatórios para uma visão ampliada e atualizada do momento que estamos vivendo no planeta)

Imagem relacionada

Resultado de imagem para imagens de livros de gregg braden

Resultado de imagem para imagens de livros de gregg braden