Editorial de Natal

É lugar-comum conservador criticar a época do Natal como desprovida de seu sentido espiritual original, tendo sido reduzida a mera festividade egoísta e materialista, celebração vazia do comércio e do consumismo exacerbado.

Sou a primeira a deplorar o exército de Papais Noéis que dominam a cidade em dezembro, impondo em terras brasileiras o império da cafonice americana  e que hoje começaram a bater em retirada. Mas não é verdade a afirmação de que, se o Natal não é religioso, ele é egoísta, materialista, ou o que o valha.

O Natal continua a ser uma celebração, ao menos em intenção, do amor entre os homens; de um amor benevolente, generoso, que quer espalhar esperança e alegria a todos. Os dois rituais do Natal laico o ilustram bem: a troca de presentes e a ceia.

Tomem a troca de presentes. Ela não é, de forma alguma, uma mostra de egoísmo e ganância. O que egoístas fariam? Comprariam presentes para si, e não para os outros. Do ponto de vista material, o Natal é uma grande perda econômica. Faça o cálculo com você mesmo: calcule o montante que você gastou com presentes este ano. Suponha que este montante de dinheiro equivalha precisamente ao valor monetário dos presentes que você recebeu. Agora pegue todos esses presentes recebidos (os calções de banho, as meias, etc.), olhe-os com calma e reflita honestamente: valem o que custaram? Não valem. Se o dinheiro tivesse sido dado em sua mão, você poderia fazer um uso muito melhor dele. Quem melhor sabe o que você quer é você mesmo; não seu tio-avô.

O valor da troca de presentes está em ser troca; em pensarmos nos nossos familiares e amigos e dar-lhes algo de que gostem. Fora um ou outro presente ideal – categoria mítica que designa o presente tão bom que supera o que a própria pessoa poderia comprar para si – o benefício dos presentes está nos laços de amor que unem os participantes da troca, que são com ela fortalecidos. A ceia também não vale pelo peru e pela farofa, mas pela união familiar que celebra e efetua. Para muitas famílias, é a grande reunião do ano; e, em geral, uma reunião alegre. Assim, a festa de Natal laica, a festa de Dickens, de Frank Capra e do Papai Noel, não é a festa do egoísmo, mas do amor entre os homens.

Não foi Dickens, contudo, quem inventou o Natal. Ele sempre foi uma ocasião festiva no Ocidente, com banquetes, cantigas, peças dramáticas religiosas, trocas de presentes (dados seja pelas muitas versões locais do Papai Noel, oriundos de S. Nicolau, ou pelo Menino Jesus em pessoa) e celebrações várias. A árvore de Natal existe desde pelo menos o século XVI na Europa central. A cantiga “Noite Feliz”, criada por um padre austríaco e até hoje uma expressão clara da ternura e alegria do espírito natalino, data de 1818, ou seja, é anterior ao conto de Dickens. O Natal antes dele nem passava batido e nem era uma bacanália camponesa.

Enfim, se Dickens não criou a festa, podemos dizer que seu conto manifesta, com maior força, o espírito do Natal laico; espírito cuja gênese histórica está no Natal religioso mas que busca se afirmar como realidade autônoma, aberta e atrativa a todos, não apenas aos cristãos. É esse o Natal público de nossos dias, naquilo que ele tem de melhor, e seu representante é o Papai Noel, figura que só alguém inacreditavelmente ranzinza iria querer destruir…..

Essa festa laica, contudo, corre o risco de se esvaziar. Quando a compra dos presentes vira uma obrigação custosa e estressante e a escrita dos cartões um processo burocrático; quando a ceia familiar é um ritual tedioso e do qual se quer escapar; quando as decorações de Natal, cujo objetivo é transmitir alegria, tornam-se objetos de competição e vaidade. Então, a “good will to all men” sai gradativamente de cena, deixando em seu lugar enfeites e embalagens coloridos que escondem um espírito cinza, um espírito que com o tempo convencerá a todos que a festa custa mais do que vale. Esse terceiro espírito, o do puro egoísmo materialista, terá vencido quando, e se, o mundo não mais celebrar o Natal e não mais trocar presentes.

Pode ser que o espírito laico do Natal, universalmente acessível e valorizado, se descolado do espírito religioso que o originou, degenere irremediavelmente no espírito materialista que o nega. E se esse for o caso, não se ofendam os ateus com presépios e manjedouras. Permitam, tolerem; ou melhor, abracem, encorajem e até participem das cantigas, Missas e rezas, pois o império do Papai Noel pode levar à morte do Papai Noel. Sem esperança de ressurreição.

Um feliz Natal a todos!

 

MONICAVOX

 

Anúncios

A queda das velhas estruturas está presente

Nos próximos meses haverá uma mudança na consciência, do tipo que os seres humanos nunca experimentaram antes, isto tem a ver com o retorno dos Sóismas também está acontecendo no interior da Terra.
Nos últimos anos ,determinadas redes de energias da Terra que tem estado adormecidas por milhões de anos, agora estão sendo reativadas e vindo à tona.À medida que nos tornarmos mais e mais conscientes do que esta sendo reativado e liberado, mais nós entenderemos como isso vai mudar a humanidade para uma forma muito mais elevada de vida e de viver.Elevação maciça de terras e outras mudanças na Terra que estão sobre nós, não devem ser temidas, mas sim acolhidas, pois é a Nova Terra verdadeira vindo à tona.A nova não pode subir com a velha ainda em vigor e, portanto, a velha está preparando o caminho para a nova. 

Toda a vida faz parte da espiral de dança da vida, onde para uma nova vida subir, a velha precisa se desintegrar, se dissolver, permitindo que a nova seja formada sobre a destruição da velha.Não podemos passar por esta mudança massiva sem também experimentar uma mudança interior.
 

 O velho Adão precisa morrer, para o novo Adão emergir das cinzas do velho, em outras palavras, o velho Adam Kadmon (protótipo) do corpo de base carbono deve dar lugar a um novo corpo com uma frequência muito maior, de natureza cristalina, e portanto, com capacidade de manter as faixas de frequências de vibração mais elevadas da Nova Terra.

Uma das razões porque tantas pessoas tiveram uma desintegração total de suas antigas vidas e o proverbial tapete está sendo puxado de debaixo delas tem a ver com esta mudança total de paradigma, assim como eu,elas sentiram a antiga vida se desintegrar totalmente e ainda está em formação, de muitas maneiras.
Com a crescente vinda à tona da velha bagagem emocional, o trauma, a dor, as cicatrizes, devem ser liberadas para seguirmos pelo novo e mais elevado caminho de vida. Portanto, vamos ser abertos até o âmago de modo que todo o antigo possa ser liberado, de modo que as antigas formas de agir, viver e ser,possam se desintegrar, ser liberadas para que nos tornemos luz de corpo, mente e espírito, fazendo esta mudança para não sermos sobrecarregados com o excesso de bagagem emocional.
Assim como nossas vidas pessoais estão se desintegrando em tantos níveis, também as relações sociais e as estruturas de governo, de fato tudo na vida e na maneira como interagimos com os outros vai começar a se desintegrar em muitos níveis.

As velhas estruturas também não servem mais ao nosso crescimentoelevado de alma, na verdade eles não servem mais ao coletivo, a consciência coletiva está agora avançando para oitavas superior de ser e por isso as velhas estruturas têm de ser reinventadas. 
É como reinventar a roda, mas as rodas cósmicas da vidanão as terrenas, pois estamos assumindo a nossa cidadania cósmica.
Temos sido repetidamente preparados para isto desde a segunda guerra mundial e se olharmos para trás, apenas nestes últimos anos vamos perceber que nos mudamos para uma sociedade tecnologicamente mais avançada, com ferramentas maravilhosas, como computador, Internet,etc. 

E mais ainda está sendo desenvolvido e retornando para o planeta, então imagine o quanto nossa vida vai mudar nos próximos anos ?
As novas crianças têm o gênio inerente em sua programação para elevar verdadeiramente a humanidade para as oitavas superiores de consciência e Ser, elas vão realmente trazer uma revolução em tecnologia e consciência, o que fará esta grande mudança que estamos atualmente atravessando, ser vista como brincadeira de criança.
Deixamos de lado o velho estilo fútil de vida, na medida em que estamos dispostos a nos permitir ser transformados, ser guiados, ser renovados e rejuvenescidos, na medida em que somos capazes de fazê-lo através desta imensa mudança com todas as ferramentas nos auxiliando e nos elevando de todas as maneiras.
No entanto, temos de deixar de lado os velhos caminhos.
Temos de deixar ir tudo o que não serve mais ao nosso crescimento superior de alma e do coletivo.Não podemos nos mover para a Nova Terra que está sendo criada com todas as velhas maneiras de pensar, de agir e de ser.O melhor é fazer essa purificação e limpeza diária e estar aberto à mudança.
 

 Não se agarrando no que está se desintegrando e acolhendo as mudanças.Quando a nossa mentalidade e coração mudarem em conjunto profundamente no nosso interior, vamos nos concentrar em realmente estarmos prontos para mudar com as marés maciças de energias que estão entrando, vamos achar que estamos sendo levantados por esta força poderosa e vamos seguir praticamente sem esforço.

No entanto, se nós resistirmos em algum nível, haverá dor e grandes sentimentos de perda intensa, de estar perdido em um vazio.O melhor é lembrar que nenhuma mudança pode ocorrer sem alguma coisa, que de alguma forma venha criar um vácuo.

Quando o vácuo é criado, as energias superiores podem se mover.E esta onda de mudança está sobre nós agora.2018 realmente é o ano da mudanças do paradigma da consciência, ainda que só vá abrir caminho para mudanças cada vez mais intensas que estarão vindo nos próximos 50 a 100 anos.
Daqui a mil anos, um viajante do espaço dificilmente reconheceria este planeta de tão grande que terá sido a renovação maciça, a reforma e a reinvenção do planeta e da espécie humana.
“Uma consciência da Verdade se manifestará
 conforme modos superiores e melhores de
 ser, fazer e viver… mudam”. 
 Visão pessoal….

É sempre o medo que mantém na velha energia tridimensional – medo(normalmente imaginado) de como a mudança afetará pessoalmente. O medo normalmente se manifesta como uma censura a qualquer ideia nova que poderia servir a muitos, mas pode perturbar a zona pessoal de conforto. É o medo de que mudar as crenças testadas e verdadeiras que serviram no passado acabará em algum resultado de carência e limitação para eles pessoalmente (dualidade e separação). Os temerosos erroneamente crêem que qualquer coisa que não se encaixa ao seu sistema de crença pessoal e atual deve ser incorreto. A mudança seria aceitar que os ensinamentos que até este ponto podem estar incorretos – os egos das religiões mais estruturadas não aceitarão admitir que eles podem estar incorretos. Entendam que muitos, a partir de um medo de qualquer coisa nova ou diferente, escolhem permanecer exatamente onde estão, não importa o quanto difícil ou doloroso esse local possa ser. O medo é baseado na aceitação de falsos conceitos e crenças ensinados e aceitos pelos séculos de muitas vidas. As superstições foram aceitas como verdade, e os ensinamentos falsos passados para as massas não instruídas tornaram-se a lei da terra. Crenças relacionadas a Deus, casamento, doença e até de um demônio,etc. tornaram-se universais, exceto para os evoluídos o bastante para reconhecer a irrealidade impessoal delas. Agora a humanidade evoluiu o suficiente para relegar muitos desses disparates para a lixeira, tal como quando se acreditava que se nós  ficassemos no vento, ficariamos doentes. ..

Inspiração….

https://www.judithkusel.com/

Exibindo DSC_0154.jpgMonicavox

Recomendo….

 

 

Steve Beckow e a Idade de Ouro de Gaia

Steve Beckow é fundador da Idade de Ouro de Gaia , os ensaios do irmão Anonymous, e vários outros blogs e sites e é um membro da equipe de Radio Inlight, fundada por Graham Dewyea.Ele vive em Vancouver, BC, Canadá, e freqüentou a Universidade de British Columbia, Universidade de Carleton, e da Universidade de Toronto, graduando-se com um mestrado em história canadense. Ele tem três Ph.Ds  mas era desconfortável permanecer dentro das fronteiras disciplinares ou paradigmas.Ele começou sua carreira como um historiador da cultura para o Museu Nacional de Man (agora o Museu Canadense da Civilização) onde publicou artigos redefinindo os campos da história cultural, cultura popular, e os estudos sobre artefatos. 

Steve tem escrito talvez 30 livros e milhares de artigos, muitos de seus trabalhos anteriores sob pseudônimo. Seus sites tratam sobre a Iluminação, o terreno comum da Espiritualidade, a vida nos planos espirituais, a perseguição mundial do gênero, automação, a verdade de 9/11, os perigos do urânio empobrecido, e o cenário de Ascensão.

Entre suas disciplinas espirituais estão incluídos Gestalt, grupos de encontro, o espiritismo, o treinamento est, renascimento, Zen, meditação Vipassana, e iluministas Intensivos.Em 1977, Steve teve uma experiência fora do corpo, que dissipou o medo da morte. Em 1987, ele teve uma visão da viagem total de uma alma individual de Deus para Deus, a qual demonstrou-lhe que o propósito da vida era a iluminação.  Demorou quase 20 anos para expressar plenamente em palavras o que ele viu em oito segundos sem palavras naquele dia.

Segundo o próprio Steve , aparentemente,  ele veio  de Arcturus e viveu na Terra apenas oito vidas: como sacerdote  não-dual em Atlântida, como um líder da comunidade, (duas vezes) como um guerreiro, como um formulador de princípios matemáticos e geometria sagrada, como o fundador de uma ordem religiosa, e como auxiliar no desenvolvimento e propagação da imprensa. Esta vida ele atua como um comunicador servindo Arcanjo Miguel e da Mãe Divina.Ele viveu várias experiências transformadoras ou diretas de si mesmo, nenhum dos quais ele considera “iluminação”. Sua missão é “para ir para cima com todo mundo.”Hoje, Steve vive uma vida de simplicidade voluntária, como ele se denomina,”monge urbano.”

Uma radiografia de Steve Beckow;

Música favorita: É hora de dizer adeus, Vivo Per Lei e Cânone em Ré Maior
Livros mais influentes: O Evangelho de Sri Ramakrishna, O Novo Testamento, Autobiografia de um Iogue.
Destino favorito: Kovalam Beach, ÍndiaÉ hora de um novo paradigma

Em um monte de blogs de notícias espirituais e alternativas, você vai ouvir falar de um “novo paradigma” – um padrão de vida que está fora dos limites de nossas normas sociais.Um número crescente de pessoas estão prontas para ir além de nossas velhas maneiras, e acolher um novo modo de vida que integra a unidade, harmonia e uma compreensão da nossa unidade, e isso impulsiona a nossa discussão contínua sobre as coisas que podemos fazer para trazer o nosso planeta para a luz e ir além das regras sociais escritas e não escritas que nos impedem de agir em nosso maior potencial.Um “novo paradigma” é essencialmente o que o nome sugere – um método de funcionamento que nos afasta de coisas que prejudicaram nosso mundo em favor de um estilo de vida coletiva mais harmonioso e sustentável.

As pessoas estão se esforçando para trazer o novo paradigma ,um trabalho sem fim que é destinado a informar e elevar a humanidade em uma posição de criar a mudança planetária que queremos ver, já que o objetivo é que mais e mais pessoas  comecem a trabalhar para o maior desenvolvimento da nossa sociedade como um todo e o mundo se tornará consciente.Estamos levantando-nos contra as forças que se esforçam para nos manter no escuro, e ao fazê-lo, estamos acolhendo e ancorando um novo padrão social que trata todas as pessoas da mesma forma, em vez de para os poucos e deixando o resto para  lutar para sobreviver.Pessoas que reconhecem que uma grande porcentagem do planeta foi deixada para lidar com circunstâncias ridículas que são causadas pela pobreza, estão fazendo tudo que podem para resolver e corrigir as condições a maioria da humanidade que foi forçada a viver sob esta situação, e eles estão prontos para começar a curar essa negligência maciça e permanente.Estamos começando a compreender que somos e sempre foram uma consciência, e estamos lutando para despertar todos os outros para isso ;uma miríade de outras verdades importantes estão vindo á tona, em um esforço para moldar a maneira como gerimos o nosso planeta em torno de uma compreensão generalizada de nossa unidade.Imagine um modo de vida enraizada na paz, amor, respeito e serviço. Imagine um mundo onde a divisão e a mentalidade de auto-serviço foram substituídos com o entendimento de que somos uma consciência criadora experimentando em si e, como resultado, todos trabalham juntos para reparar este planeta e mantê-lo em uma condição saudável e estável.

Um mundo onde o “cada um por si” mentalidade foi substituída por uma unidade coletiva imenso para garantir que todos podem chegar à frente na vida. Um mundo onde todos vivem confortávelmente acima da linha de pobreza, porque a riqueza que tem sido acumulada por poucos foi colocada de volta nas mãos de muitos onde  sempre pertenceu.Um mundo onde a concorrência é substituída com a unidade para trabalhar em conjunto em todos os sentidos, e nenhuma pessoa é forçada . Isto é o que o novo paradigma implica, e não será preciso dizer que todas essas coisas incríveis não podem simplesmente acontecer por conta própria.Este atraente novo paradigma não pode apenas manifestar-se com o estalar de um dedo – temos que persegui-lo ativamente se queremos vê-lo. Tão grande como todas essas idéias parecem, eu acho que elas são básicamente inúteis, se não começar a tomarmos medidas reais e sólidas para trazê-las á vida..Uma pessoa  pode fazer muito por conta própria, e  toda a humanidade terá de estar pronta e disposta a construir um novo paradigma, se queremos mudar algo. Eu poderia fazer previsões sobre o que um novo mundo será , mas eles significam pouco se o esforço não é feito para alcançá-los.Ler sobre um novo paradigma é bom, mas tenho a sensação de que, trabalhando juntos para realizá-lo, será muito mais agradável. Imagine a unidade que vai ser criada a partir de estarmos todos juntos e respeitando nossas diferenças .

Imagine ser capaz de trabalhar em harmonia com o seu vizinho e todos os outros que se esforçam para agir sobre a inspiração que eles sentem para mudar a maneira em que este planeta tem funcionado.Imagine a satisfação que vai sentir cada um, quando nós colocamos a cabeça no travesseiro durante a noite com o conhecimento de que nós estamos transformando completamente este planeta em um nível generalizado, coletivo.Isso pode se tornar muito mais do que uma fantasia que soa agradável – pode tornar-se nossa realidade. Aqui e agora. Nós simplesmente temos que estar dispostos a tomar as medidas que são necessárias para mover do ponto A ao ponto B. O ponto A é, naturalmente, o paradigma que estamos atualmente enraizado , o ponto B é o paradigma que queremos estabelecer.

Temos muito trabalho a fazer para chegar ao ponto B, mas quanto mais cedo começarmos este trabalho,  mais cedo nós vamos chegar ao nosso destino final.Um novo paradigma é apenas o começo, e uma vez que nósconstruímos a sociedade dos nossos sonhos, nós vamos sair e explorar novos planetas; novos estados de consciência; novos domínios de compreensão.E nós vamos fazer tudo como uma unidade.Quando compreendermos o quão perto estamos uns dos outros e apenas quanto estamos destinados a trabalhar juntos,  usar a nossa unidade para o bem será mais forte do que jamais esteve antes. 

A maioria das pessoas ainda não pode sequer imaginar a idéia de trabalhar em conjunto, e muito menos harmoniosamente na construção de um novo mundo, mas isso vai mudar à medida que continuamos a manter-nos ativos.Aqueles de nós que foram levados a ler este artigo, devem ter algum desejo de mudar o planeta ou acolher um novo modo de vida, e por mais que você possa não concordar com o que estou prestes a dizer, você pode. Você pode começar a mudar o mundo agora. Se é fácil ou difícil, você pode começar a tomar os primeiros passos para unir as pessoas e transformar o nosso planeta e da sociedade.Na minha opinião, é essencial para quem quer ver um mundo novo, começar a fazer qualquer coisa e tudo o que podem para realizá-lo. Quanto mais as pessoas estão trabalhando, mais a nossa influência vai se espalhar, e cada um de nós que lê ,pode se sentir livre para explorar as suas idéias e pode fazer muito para aumentar a consciência e levar a humanidade para a luz.Tem sido dito em outros lugares que nós somos criadores por natureza. Criando as coisas e nos expressar é o que fazemos. É uma das nossas missões aqui na terra. Como tal, você pode se sentir livre para perseguir empreendimentos criativos que excitar aqueles que não o fazem.Voce pode perseguir algo que você gosta com todo o entusiasmo que você pode , e se ele não parece funcionar para você depois de um tempo, buscar algo mais da sua  vontade. Desafie-se e realmente desenvolva suas habilidades criativas, de sensibilização, porque eles são essenciais para a nossa criação do novo paradigma que queremos ver.Se todo mundo desenvolver apaixonadamente suas habilidades, e desenvolvemos uma maneira que é destinada a ajudar a aumentar a consciência, a vibração planetária iria crescer imensamente.Eventualmente, cada pessoa será capaz de perseguir suas idéias em nome da sensibilização e restaurar a terra para a condição primitiva inicial do ponto de vista da iluminação, e ninguém mais irá para trás.

Visão pessoal….

A Criatividade substituirá o tédio que atualmente permeia a vida na terra, e todos serão animados para mudar este planeta com esforços criativos que eles podem realmente gostar. Este é o tipo de vida que todos nós estamos destinados a viver, na minha opinião, mas isso não pode acontecer se não fazermos isso acontecer.Dado que estamos destinados a desfrutar de tudo o que fazemos para trazer a humanidade para a luz, o que está nos impedindo de fazer exatamente isso? Vocês estão todos encorajados a encontrar o talento ou uma atividade que gostem e usá-la para ajudar a despertar a humanidade, e é interessante pensar que perseguir nossa paixão/ideal é tão importante para o desenvolvimento e evolução da humanidade.Divertir-se de uma forma que utiliza nossas capacidades criativas e desperta os outros, é tudo o que estamos encarregados de fazer, e, eventualmente, os nossos esforços em fazer isso vai motivar o resto do planeta a tomar as medidas necessárias para transformar nossa sociedade e nos divertindo fazendo isto.Vamos dar individualmente esses primeiros passos agora, companheiros de busca, porque o planeta não pode mudar sem nós. Não podemos entrar em um novo paradigma, se não fizermos um esforço, mas nós vamos ser capazes de apreciar os esforços que fazemos e apreciar o padrão social que vai definir para nós mesmos.Não é preciso dizer que ele vai ser muito diferente do nosso padrão atual, e eu, por exemplo, mal posso esperar para fazer tudo que posso para realizá-lo. Como você se sente sobre a mudança do planeta? O que você está motivado para fazer para aumentar a consciência da humanidade?

Inspiração….

Seus textos podem ser encontrados em  The Golden Age of Gaia . O propósito da vida é a Iluminação ( aqui) . Para material adicional no cenário Ascensão, ver o primeiro contato wiki em http://goldengaiadb.com/First_Contact.

Monicavox

Recomendo…..ARTIGOS DE STEVE BECKOW

 

 

Em crise, conceitos polarizados perderam espaço entre os homens e a sociedade

A filosofia é, desde sempre, o ambiente de encontro dos mais variados pensamentos. Ela é a indústria da criação e da modificação dos conceitos, e um conceito é aquilo que determina o modo como interpretamos qualquer acontecimento. Necessitamos deixar claro que não é a filosofia quem diz algo sobre alguma coisa. A filosofia não diz nada, ela se cria a partir do que é dito por aqueles que com competência têm o privilégio de serem os transmissores dos mais elevados modos de evolução do ser.É desde a antiguidade que os sábios se ocuparam com as vias do pensamento, gravando na história um processo de desenvolvimento ininterrupto da arte de interpretação. Os conceitos de Bem e Mal estão essencialmente circunscritos nesse processo histórico de meditação pensante. Bem antes da era cristã, vislumbramos estudiosos que se detinham com esses conceitos.

OLHANDO SOB A PERSPECTIVA DE UM MUNDO AINDA INVOLUÍDO EM SUA MAIORIA,não há nada que garanta que algo seja uma bondade ou uma maldade em si, sem antes haver um conflito de interesses. O que podemos notar (generalizando),  é que nossas atitudes e nossa ética decidem-se por conceitos caracterizados préviamente á uma ação, sendo Bem e Mal algo já existente e norteador dessas mesmas ações. Assim, Bem e Mal podem ser caracterizados como algo circunstancial.Dois ou mais atos, aparentemente semelhantes, podem receber uma avaliação diferenciada, de acordo com a circunstância do acontecimento.

Podemos concluir, a partir do que foi dito, é que, para a filosofia, os conceitos Bem e Mal passam por um período de crise. Sua validade enquanto conceito, se sustenta de modo circunstancial no mundo de hoje,onde há inúmeros questionamentos acerca de quase tudo o que acontece. Ou seja, Bem e Mal não são nada de absoluto, de universal. É por isso que vemos quase todos dizendo: “Estamos perdendo nossos valores”, “Ninguém conserva as tradições”. O que parece é que esses conceitos chegaram ao ápice de suas caracterizações e ainda assim o ser humano não se tornou “melhor” do que poderia ser. Podemos dizer ainda que antes, quando Bem e Mal eram absolutos , bem definidos e dogmatizados, havia um conflito por algo declarado. Tinha-se “conhecimento” pelo o que se lutava,por A ou B. Hoje em dia, por sua vez, há ainda uma luta, mas não há nem mocinho, nem bandido.Excetuando-se óbviamente os casos clássicos do que seria mal, o resto se tornou circunstancial e absolutamente individual,ou seja, cada um faz seu próprio conceito de Bem e Mal.

Não há consenso se o Bem ou o Mal são intrínsecos à natureza humana. A natureza da bondade tem recebido muitos tratamentos; em um deles, o bem é baseado no amor natural, vínculos e afetos que se desenvolvem nos primeiros estágios do desenvolvimento pessoal; outro, afirma que a bondade é um produto do conhecimento da verdade. Existem diferentes pontos de vista sobre o porquê do surgimento do mal. Muitas religiões e tradições filosóficas concordam que o “comportamento malévolo” é em si mesmo uma involução, que resulta da condição humana imperfeita (“A Queda do Homem”). Por vezes, o mal é atribuído à existência do livre arbítrio e da vontade humana. Alguns argumentam que o mal em si baseia-se finalmente na ignorância da verdade (isto é, valor humano, santidade, divindade). Alguns pensadores do Iluminismo alegaram o oposto, sugerindo que o mal é aprendido como conseqüência de uma estrutura social tirânica(?).

Teorias da bondade investigam quais tipos de coisas são boas e o que a palavra “bom” realmente significa no abstrato. Como um conceito filosófico, a bondade pode representar a esperança de que o amor natural seja contínuo, expansivo e abrangente. Num contexto religioso monoteísta, é desta esperança que deriva um importante conceito do Plenum Cósmico/ Deus—como uma infinita projeção de amor, manifesta como bondade na vida das pessoas. Em outros contextos, o bem é visto como algo que produz as melhores conseqüências na vida das pessoas, especialmente em relação a seus estados de bem estar.Filosofando, se o homem tivesse sido criado perfeito(?), seria levado, fatalmente, ao bem: ora, em virtude o seu livre arbítrio, ele não é levado, fatalmente, nem ao bem nem ao mal. O Plenum Cósmico Criador “quis”(?) que fosse submetido às leis do progresso e evolução, e que, esse progresso fosse o fruto do seu próprio trabalho e esforço, a fim de que, dele, tivesse o mérito, do mesmo modo que carrega a responsabilidade do mal que é o fato da sua vontade.

Há quem afirme que a religião é fundamental para a formação da sociedade, para orientar as pessoas a seguirem o caminho do bem. Mas o que seria esse bem? A religião é uma fonte dogmatizadora de condutas. Muitas vezes priva os homens de agirem conforme sua consciência pura, para seguirem leis morais que lhes foram impostas. Ao nascermos já temos determinados o conceito de certo e errado, bem e mal, os 10 mandamentos a serem seguidos, os 7 pecados a serem repugnados. Com tudo isso pronto não paramos para pensar no que realmente acreditamos ou assentimos como certo e errado, bem e mal, mas seguimos o que nos é imposto por puro comodismo e rotina, afinal, há tradições dessas condutas pré-determinadas pelo “divino” que são tidas como as que devem ser seguidas.

O maior problema não está na pessoa acreditar em algo, mas está em acreditar em algo que “homens” inventaram para manipular grandes massas,e como eles a utilizam. A princípio, isso tudo nada mais seria do que uma maneira de preencher vidas vazias e explicar coisas até então inexplicáveis, o que não é de todo ruim, se alguém não tivesse descoberto que isso é uma ótima forma de ganhar dinheiro e poder.Afinal, a busca do Conhecimento é essencial para a nossa evolução e desenvolvimento pessoal, porém essa busca deve vir com a total liberdade intelectual, já dizia um ditado antigo “não se pode encher um copo que já está cheio”;As pessoas muitas vezes ficam tão dependentes de um sistema religioso pré-imposto, que por mais que esse sistema seja por muito desmascarado, ela faz de tudo para defendê-lo,e não estamos aqui falando de uma igreja específica (uma placa) mas de um sistema universal usado por muitas “igrejas”.
Diante da análise e da leitura atenta dos parágrafos anteriores, vislumbra-se que muitos são os males presentes na realidade em que vive a humanidade. Sendo assim, vale procurarmos uma maneira de combatê-los, ou pelo menos, tentar torná-los menos frequentes em nosso dia-a-dia, ou não.Para muitos, o mal seria mais forte que o Bem, e que os “Espíritos do mal” estariam conseguindo derrotar os “seres espirituais do Bem”, frustrando-lhes os desígnios superiores. Em que pese a antiga tradição de tais conceitos, são insustentáveis e falsos, diríamos mesmo, absurdos. O mal  é transitório(nível de consciência) e não tem raízes, e o bem é o aumento desta consciência que existe em tudo e é permanente. O mal definha à medida que o bem se estabelece, porém poucos optam para que esse bem se estabeleça, com cada atitude diária.Esse comportamento é caracterizado pela falta de consciência.È por isso que todos estamos lutando neste fim de Era/Transição Planetária, afim de ascendermos a patamares maiores dessa consciência expandida, onde o mal é cada vez menor.
O mal não é invencível, pelo contrário. O homem possui na sua natureza o potencial para o bem. Sómente quando se distancia da sua origem divina é que se deixa levar pelo mal(nível de consciência inferior). E quando falamos de “origem divina”, não falamos de Paraíso, Cristo, Deus, Igrejas, doutrinas espirituais; estamos falando da bondade interior suprema que existe dentro de nós mesmos. Para se livrar das ações negativas , basta sintonizarmos com nosso lado superior, buscando fazer o bem aos outros: em pensamentos, palavras e ações.
 O MANIQUEÍSMO-A LUTA DO BEM CONTRA O MAL

O maniqueísmo é uma forma de pensar simplista em que o mundo é visto como que dividido em dois: o do Bem e o do Mal. A simplificação é uma forma primária do pensamento que reduz os fenômenos humanos a uma relação de causa e efeito, certo e errado, isso ou aquilo, é ou não é. A simplificação é entendida como forma deficiente de pensar, nasce da intolerância ou desconhecimento em relação a verdade do outro e da pressa de entender e reagir ao que lhe apresenta como complexo. A pressa de saber obstrui o campo da curiosidade e liquida a investigação em muito pouco tempo. A pressa não é só inimiga da perfeição, é também inimiga do diálogo, do pensamento mais elaborado, sobretudo, filosófico e científico.O maniqueísmo é uma forma religiosa de pensar; não como religião autônoma, mas enquanto comandos camuflados que influenciam os discursos do cotidiano, inclusive as religiões formais e seitas.

ETIMOLOGIA DA PALAVRA

Mani (Manes ou Manchaeus), nascido na Pérsia, no século III, fundou  uma religião, o maniqueísmo, após ter sido “visitado” duas vezes por um anjo que o convocou para esta tarefa, fato este comum entre aqueles que fundam religiões e seitas até hoje. A religião maniqueísta se difundiu pelo Império Romano e pelo Ocidente Cristão. O maniqueísmo combina elementos do zoroastrismo, antiga religião persa, e de outras religiões orientais, além do próprio Cristianismo. “Possui uma visão dualista radical, segundo a qual o mundo está dividido em duas forças: o Bem (luz) e o Mal (trevas) como entidades antagônicas em perpétua luz. Luz e trevas no sistema maniqueísta não são figuras retóricas, são representações concretas do Bem e do Mal. O Reino da Luz e o Reino das Trevas estão em permanente conflito. É dever de cada ser humano entregar-se a esse eterno combate para extinguir em si e nos outros a presença das Trevas afim de poder alcançar o Reino da Luz, que é o Reino de Deus”-segundo definições erudito-filosóficas maniqueístas. No maniqueísmo, os homens “eleitos” irão purificar o Bem, com uma vida de castidade, renúncia a família, alimentação especial, etc.

A expressão maniqueísmo ganhou uso corrente  ao definir aquele tipo de pessoa ou aquele tipo de pensamento de estruturação dualista que reduz a vida (ou alguns de seus aspectos) a pares antagônicos irreconciliáveis, tipo: direita/esquerda, corpo/mente, reacionário/progressista, belicista/pacifista, fiel/infiel, capitalista/comunista, individualismo/coletivismo, branco/negro, ariano/judeu, raça superior/raça inferior, objetivo/subjetivo e assim por diante. “É evidente que não se pode deixar de reconhecer a existência daquilo que cada um desses pares anti-éticos nomeia, mas o pensamento maniqueísta vai além na medida em que considera que um lado deve destruir o outro, porque um é Luz e o outro Trevas” (Zusman), um é o Bem e o outro é o Mal.

O maniqueísmo não se sustenta por muito tempo, devido ao seu dogmatismo, isto é, sua incapacidade de colocar à prova da realidade ou da lógica, suas verdades simplificadas. Como seu pensamento está reduzido a um par de verdades antagônicas, aceitar o raciocínio do outro, discordante, significa deixar-se arrastar para o domínio do mal e ser por ele tragado. A vida do maniqueísta se converte em uma prontidão de vigilância (paranóia) constante para não se deixar iludir com os “discursos sedutores”.

O MANIQUEÍSMO NOS DIAS DE HOJE

O modo de pensar maniqueísta é oportunista em todos os espaços humanos. Ele demonstra ter mais força quando vivemos situações-limite, desesperança, ódio extremo, ou falta de perspectiva quanto ao futuro. Nesses momentos, a mente regride às origens, em busca de soluções mágicas, simplistas, libertadoras de angústia. Nietzsche propõe pensarmos para além do Bem e do Mal: “Perguntai aos escravos quem é o “mau”?, e apontarão a personagem que para a moral aristocrática é “bom”, isto é, o poderoso, o dominador” . Então, o Bem e o Mal, dependem da perspectiva e dos interesses de quem julga.  Por quê algumas igrejas fazem show contra o Mal, mas terminam mais falando das terríveis forças do Mal do que do Bem?

 

UMA LENDA ORIENTAL-para meditarmos

Conta uma lenda popular do oriente que um jovem chegou a um oásis, próximo de um povoado, e aproximando-se de um velho sábio, perguntou-lhe:

– Que tipo de pessoas vive neste lugar?

– Que tipo de pessoas vive no lugar de onde vens? – Perguntou o sábio.

– É um grupo de pessoas egoístas e malvadas, replicou o rapaz, estou satisfeito de ter saído de lá.

O sábio respondeu.

– Aqui encontrarás o mesmo.

No mesmo dia, um outro jovem aproximou-se do oásis para beber água e, vendo o sábio, perguntou-lhe:

– Que tipo de pessoas vive aqui?

O sábio respondeu com a mesma pergunta:

– Que tipo de pessoas vive no lugar de onde vens?

O rapaz respondeu-lhe:

– É um magnífico grupo de pessoas amigas, honestas e hospitaleiras. Fiquei um pouco triste por ter de deixá-las.

– O mesmo encontrarás aqui, respondeu o sábio.

Um homem que havia escutado as duas conversas perguntou ao sábio:

– Como é possível dar respostas tão diferentes à mesma pergunta?

O sábio respondeu-lhe:

– Cada um carrega no seu coração o meio em que vive. Aquele que nada fez ou deixou de fazer mesmo podendo, de bom nos lugares por onde passou, não poderá encontrar outra coisa por aqui a não ser o mesmo do lugar de onde veio. Aquele que encontrou e fez amigos ali,praticou o bem , também encontrará aqui. Somos todos viajantes no tempo, e o futuro de cada um é construído por suas ações/pensamentos ; ou seja, cada um encontra na vida exatamente aquilo que traz dentro de si mesmo.

 

Visão pessoal….

Muitos já pensaram em dividir os conceitos de Bem e Mal. Bem e Mal tem sido as duas forças mais combatidas ao longo de toda a História. Mas existe mesmo a necessidade de se exaltar uma e de se rechaçar a outra? É sábio, justo, belo e verdadeiro que assim seja feito?Bem e Mal são apenas lados de uma mesma balança.Geralmente, glorifica-se e valoriza-se pessoas que são “boazinhas”, enquanto as pessoas que são “ruins” ou, em outras palavras, rebeldes, desordeiras, agitadas,(no sentido de não aceitarem as imposições sociais dogmáticas e limitadoras) são denegridas, segregadas ou isoladas do restante da sociedade.Acho muito importante a ação dessas pessoas ditas “ruins”.Muitas vezes ouve-se dizer que, se “Deus” existisse, não deixaria o Mal existir.Acontece que “Deus” é, em última instância, Tudo. Se Ele(a) é Tudo, então, é ao mesmo tempo o Bem e o Mal.Parece bastante estranho esse conceito, porque não estamos acostumados a ver a Fonte,como sendo ambivalente, ou bipolar. Parece presunção afirmar algo sobre Sua Natureza, mas podemos chegar a certas premissas, como já foi explicado no Hermetismo – Ele(a) é o Todo.O Bem é muito conhecido pelas suas propriedades Criadoras e Mantenedoras/Amparadoras. Tudo aquilo que Cria, que Une, que provê, que dá suporte, que Gera, é visto com bons olhos, sendo geralmente classificado como “do Bem”.O Mal é associado a tudo aquilo ligado à destruição, à doença, à tristeza, à pobreza, à miséria, aos vícios, à morte. Ou seja, seria o exato oposto daquilo que é representado pelo Bem. A maioria já ouviu falar da célebre frase, “A Luz não existiria se não houvesse a Escuridão”, e vice-versa. É um conceito bastante útil para o que está exposto aqui.O “Bem” e o “Mal”, do modo como estão sendo apresentados aqui são, por si próprios, forças divinas da dualidade em que vivemos. Eles atuam igualmente, em todos os níveis e em todas as esferas, como agentes balanceadores e indicadores. Se só houvesse Criação, tudo estaria em excesso, desde os Reinos mais básicos até os mais complexos. Minerais, Vegetais, Animais, montanhas imensas, rios e mares dominando e invadindo tudo; Sistemas Solares repletos de planetas chocando-se uns nos outros. Sóis e mais sóis, gerando energia demasiada, grandes tempestades cósmicas e SuperNovas ocorrendo a cada segundo. Em todos os níveis, uma superpopulação. Tudo acabaria soterrado, aglomerado, “entulhado”, por assim dizer, se não houvesse a ação controladora da Renovação/ Destruição. Há muitas outras bipolaridades que representam essas forças, como a saúde e a doença, a felicidade e a tristeza, a riqueza e a pobreza, entre muitas outras. Muitos sábios já disseram que o mundo em que vivemos é bipolar em sua essência, ou seja, está em todas as coisas, mas que ambos os lados dessas “moedas” existem por razões fundamentais. É sábio experimentar e verificar os resultados de nossas ações ao longo do tempo, para adquirirmos sabedoria dos fatos da vida. Ficar em um oásis de paz, felicidade e saúde o tempo todo não nos trará lições, nem nos motivará para conhecermos o que há além das dualidades e dos arquétipos.Portanto, que conselhos poderiamos extrair de tudo isso? Arrisque-se. Tente. Faça. Vá. E tome nota de tudo o que sente, imagina, raciocina, intui e percebe com seus sentidos. Experimente tudo o que quiser, desde que te traga uma energia positiva, que lhe inspire a realizar coisas para o bem da humanidade e do próximo. Traga Vida à própria Vida. Faça/tente aquilo que você acha que não pode/consegue fazer. Dessa forma, você brilhará e saberá no seu íntimo o que é a vida, pois isso é algo que ninguém pode te dizer, é algo que tem de ser descoberto por si próprio. Moralidade é importante no que tange a vida em sociedade. Mas na vida individual, a liberdade, a coragem e a ação são os regentes para a verdadeira realização. 

Inspiração

Acima do Bem e do Mal
Friedrich Nietzsche
O mal ,O bem e mais além
Flávio Gikovate
Psicossomática entre o bem e o mal
Carlos R.Briganti
O bem, o mal e a ciência da mente
Silvio José Lemos Vasconcellos
Monicavox
Recomendo…..

Lidando com nossos problemas

 

 A primeira e grande observação de magna importância para a compreensão e solução de problemas é que eles pertencem e são causados pela própria pessoa que os tem. Isto é fundamental: seu problema é seu e ninguém é diretamente responsável por ele a não ser você mesmo.Essa colocação não retira o papel das influências espirituais na base daqueles problemas e isso iremos tratar adiante. Indiretamente vários fatores concorrem para que eles existam. 

Mesmo aqueles que são diretamente provocados por outras pessoas ou pela própria vida (pelo destino), têm suas causas em aspectos desconhecidos ou negados de nossa personalidade, aí incluindo causas oriundas de atitudes de outras vidas. Essa compreensão é fundamental para o estabelecimento de estratégias para a saída deles. Em segundo lugar devemos aplicar a regra da resignificação, isto é, nada é totalmente como pensamos que seja. O significado ou a leitura que fazemos de um conflito pode ser completamente diferente da realidade. Um novo significado pode ser de grande ajuda para a solução dele. Para essa nova visão temos que recorrer a alguém que nos possibilite essa outra percepção e que não seja parte do problema. Quando assim procedemos estaremos ampliando nossa própria visão a partir das percepções de alguém. Por estarmos vivendo o problema perdemos, muitas vezes, a visão de conjunto, o que nos impede de estabelecermos cenários alternativos de soluções. Em terceiro lugar devemos aplicar a regra da solucionabilidade, isto é, nada é insolúvel e não há problema algum que já não tenha se passado com alguém. Isso possibilita a certeza de que há algo mais além de se estar atravessando aquele determinado problema que, certamente, tem solução. 

Aquele problema surgiu em minha vida como uma forma de ensinar-me algo que ainda desconheço. A solução pode estar mais próxima do que imaginamos e ao alcance de nossas possibilidades.

Em quarto lugar, é importante que eu o enfrente, e, para isso, é preciso conhecê-lo bem, procurando entender todas as forças que concorrem para que se torne um problema em mim. Devo verificar se suas causas não se encontram em outras vidas, a partir da percepção de mim mesmo, de minha infância, adolescência e vida adulta. Caso constate que se trata de algo que venha de outra vida, devo evitar repetir o equívoco que cometi não me permitindo deixar de resolver o conflito. Em quinto, o tempo está a meu favor e não devo desesperar-me em busca de soluções mágicas e imediatas.

Muitos dos problemas se resolvem com paciência e determinação, permitindo-se que o tempo atue junto aos fatores determinantes. Sem pressa, porém sem esquecer de buscar alternativas para a solução do conflito. 

Em sexto, ter consciência das influências espirituais que atuam na grande maioria dos conflitos humanos. De um lado, as influências obsessivas, negativas, que atrapalham sobremaneira uma solução ou um desfecho favorável, cujos fatores predisponentes se encontram em vínculos cármicos de vidas passadas. Por esse lado devemos recorrer aos mecanismos conscientes de defesa psíquica, tais como, o passe, a leitura edificante, e, sobretudo, a oração. Do outro lado temos as influências positivas que favorecem nossa percepção das alternativas que melhor nos permitam tirar lições por entre os problemas que nos compete resolver. As influências positivas são muito mais abundantes que as negativas, visto que, aliadas aos bons espíritos, as leis de Deus conspiram a favor do ser humano.

Em resumo:

1. O problema é meu e fui eu quem proporcionou sua existência e devo tentar enxergar as ocorrências da Vida como elas são, aprendendo a assumir minhas responsabilidades, não culpando a ninguém nem a mim mesmo;

2. Posso vê-lo de outra forma desde que saia da posição egóica em que me situo, tentando entendê-lo a partir de outro referencial;

3. Ele é solucionável e está a meu alcance a saída, sendo de minha responsabilidade verificar o que me compete fazer no momento;

4. Devo conhecê-lo bem para enfrentá-lo, sem relegá-lo ao esquecimento, nem tampouco reagir imediatamente a ele, movido pela emoção descontrolada;

5. Ao procurar a solução devo buscar agir sem ferir a ninguém nem colocar-me como vítima. Devo 104 procurar não lutar contra as pessoas, mas agir em favor de mim mesmo, sem precisar atacar para defender-me;

6. O tempo está a meu favor, pois a paciência é uma virtude desejável em todos os momentos;

7. Minha determinação, os bons espíritos e Deus são forças que conspiram a meu favor, independente do contrário;

8. Devo sempre perguntar-me por que estou passando por esse problema.

Existem vários conflitos que afligem o ser humano e que, muitas vezes, atrapalham sua marcha evolutiva, muito embora lhe acrescentem algumas lições em sua jornada. São problemas comuns e que vão se modificando a cada época de nossa história, mas que merecem atenção e cuidado na busca de soluções. A grosso modo podem ser vistos sob diferentes ângulos, porém cada pessoa atravessará seu problema de forma particular e, por esse motivo, deve-se buscar formas específicas de resolvê-los, entendendo-se que o mesmo problema em pessoas diferentes terá, necessariamente, soluções distintas. O ser humano é singular e seus problemas são, da mesma forma, singulares e exigem modos distintos de compreensão e solução. Durante muito tempo aprendemos que as atitudes sociais, em respeito à boa educação, deveriam concorrer para que os indivíduos mostrassem sua índole e caráter. Eles deveriam: aparentar segurança, não manifestar emoções e, muito menos, confidenciar seus problemas. O resultado disto é uma sociedade altamente inibida e que manifesta seus problemas íntimos através das doenças do corpo e, principalmente, doenças psíquicas. A alternativa é  desabafar, chorar, pedir ajuda, contar e expressar suas emoções e problemas. Aprender a confessar, buscando ser verdadeiro em suas palavras, sentimentos e atitudes. Diante daquilo que não conseguimos entender devemos tomar algumas atitudes que possam nos retirar do marasmo e da inércia. Vejamos alguns dos problemas humanos e como podemos lidar com eles.

Depressão

Este é um mal que assola o ser humano de forma persistente e que tem levado muitas pessoas à inércia e ao desespero. Ela é fruto da mente que se vicia em pensar em circuito fechado, não conseguindo enxergar além das fronteiras do ego a possibilidade de sair do conflito. Geralmente a doença consegue afastar seu portador das pessoas que mais ama, às vezes, culpando-lhes pelo próprio abandono em que se situou. Ela se inicia muitas vezes com a baixa de auto-estima e com a sensação de rejeição ou de abandono. A solidão é outro fator que colabora para que a depressão possa se instalar. Todo ser humano necessita de outro em seu convívio.

Quando isso não ocorre ou se demora a ocorrer, poderemos abrigar a depressão. Ela permite que a energia psíquica, destinada à Vida, seja dirigida para o mundo interior do deprimido que se encontra em circuito fechado. É, na verdade, um suicídio da própria mente, que não vê outra alternativa senão isolar-se em si mesmo. Para sair da depressão é preciso re-significar seu próprio conflito, pois ninguém há que possa enxergar um problema sob todos os ângulos possíveis. É preciso reverter o fluxo de energia para o mundo das realizações e do concreto.

A saída da depressão, na maioria das vezes, requer auxílio especializado, psicológico e, às vezes, espiritual. A energia psíquica que, por alguma razão, regrediu ao inconsciente e ali ficou retida, necessita encontrar escoadouro adequado para voltar à consciência. Para o deprimido, nada há no mundo que lhe desperte o interesse. Toda a sua motivação, sua disposição para viver e alterar o ambiente a sua volta pareceu ter desaparecido e a pessoa se vê prisioneira num enorme vazio, onde nada tem sentido. Esse vazio dá lugar a processos obsessivos de difícil solução. Tratar da depressão passa pela revisão do que causou tal regressão psíquica e pela descoberta de novos valores que possam re-significar tais acontecimentos. É um processo de abrir-se para conhecer, sem preconceitos, o próprio inconsciente, identificando as dores nele represadas e favorecendo uma adequada liberação, para posteriormente reencontrar-se com a motivação perdida. O deprimido é aquele que se dissociou do sentido que fundamenta sua vida. Diante da depressão é importante considerar que sua causa poderá estar bem próxima da consciência do indivíduo e que ninguém mais do que o próprio terá condições de resolver seu conflito sem enfrentá-lo decididamente. Quando assim o fazermos não haverá perdas nem derrotas, mas aquisição de experiência para que se possa enfrentar outros revezes que venham a acontecer.

Separação

As separações matrimoniais são produtos deste século, visto que vieram ter sua legalização, na maioria dos países, a partir da Segunda Guerra Mundial. Seus motivos são vários, sendo que a grande maioria deles se relaciona às  projeções dos parceiros que criaram expectativas quanto ao comportamento de seus pares e não foram correspondidos. Foram uniões parciais, pois que não havia o conhecimento efetivo do outro, face ao desejo, à paixão e às exigências sociais de relacionamento. Muitas foram uniões inconseqüentes, sem o devido preparo prévio, ao sabor da volúpia e da necessidade social de se unir a alguém, em que o planejamento reencarnatório ficara em segundo plano. Diante do rompimento da união matrimonial, deve cada um dos parceiros aproveitar para uma auto-análise a fim de não repetir os equívocos de lado a lado.

A responsabilização do outro, embora seja atitude comum, não contribui para a solução ou percepção de si mesmo no processo. Quem quer que passe pelo problema deve buscar, antes de sua ocorrência, analisar a relação a fim de descobrir antecipadamente as causas que poderiam levar àquele desfecho, tentando erradicá-las antecipadamente. Quando esta percepção ocorre no devido tempo e, mesmo assim, é inevitável a separação, ela acontece com menos traumas.

Às vezes, consegue-se evitá-la. Sempre que a relação esteja caminhando para esse desfecho não se deve perder a oportunidade para a descoberta da própria personalidade a fim de resolver-se o problema de forma bem amadurecida. Uma separação provoca o sentimento de derrota e perda, cujas conseqüências nos acompanham por muito tempo, o que nos convida a administrar bem esses sentimentos quando eles ocorrem. Ninguém se casa querendo a separação, portanto não nos preparamos para os sentimentos de perda ou derrota. Eles devem ser vistos como decorrentes de um modo de ver as coisas e de vivenciá-las. Às vezes, eles vêm de outras vidas e continuam a nos incomodar na presente. Administre-os considerando que todos estamos sempre fazendo escolhas que nos levam a perdas e derrotas a cada momento. Não nos damos conta por que colocamos valores mais altos que não nos permitem entrar em contato com os sentimentos negativos.

Ganhar e perder faz parte da vida, visto que ela própria nos dá e nos tira a todo momento. Muito embora a união a dois seja importante no processo evolutivo da humanidade, ela não deve ser considerada a realização máxima de um espírito, nem tampouco o grande motivo pelo qual se vive. A Vida é maior que a relação entre duas pessoas.

Qualquer pessoa pode reconstruir sua vida independente do problema que tenha atravessado, basta que a re-signifique segundo outra ordem de motivações. Muitas vezes, a separação é um bem que vem em auxílio de alguém que pede ajuda para que seus sofrimentos íntimos se acabem. É imprescindível, a fim de não gerar carma negativo, sair de uma separação sem agredir o outro. Isso se constitui no grande problema, visto que a maioria das separações decorre de brigas e desentendimentos entre os cônjuges. Quando conseguem sair de uma união sem inimizade entre os dois, é uma vitória importante para que não necessitem novamente da prova do casamento, entre eles, numa próxima existência.

Amor não correspondido

Geralmente quem ama deseja ser correspondido. Às vezes, por dificuldade de reconhecer as próprias emoções, se invertem os papéis e a pessoa acredita que ama o outro por ter sido colocada na posição de amado(a). Ser o amado ou a amada de alguém pode provocar a falsa sensação de que se ama o outro. O amor é um sentimento que possui muitas nunces e que nos leva a estados íntimos diversos. Enquanto estamos em processo de desenvolvimento espiritual, vivenciamos as várias formas de amor, a fim de aprendermos o verdadeiro amor, o universal.

Pensamos que a Vida se resume em encontrar o amor de nossas vidas, como se existissem metades eternas. Existem enquanto dure a atração entre elas. O amor de nossas vidas é Deus. O grande amor eterno que deve fundamentar e servir de sustentação para a vida é aquele decorrente da percepção de Deus em si próprio. É natural a busca de alguém para compartilhar a existência; relacionar-se faz parte da essência humana.

A dificuldade em realizar um amor não correspondido e os desequilíbrios correspondentes exigem uma reflexão cautelosa sobre o direcionamento que está sendo dado ao sentimento. Essa forma de amor pode encobrir outras motivações mais profundas: medo de relacionar-se com alguém possível, necessidade inconsciente de permanecer num papel de vítima diante da vida, preferência por viver em seu próprio mundo fantasioso, porém seguro, onde é permitido projetar os desejos livremente, falta de iniciativa diante de possíveis obstáculos, etc. Penetrar com imparcialidade nos domínios deste amor pode esclarecer sua dinâmica psíquica e a que carência anterior ele atende. O amor não correspondido é a energia que se desprende sem objetividade, e que é sugada desnecessáriamente. Mesmo que aquele amor platônico venha a nutrir a vida de alguém, a energia que ele exige poderia ser utilizada a serviço da própria vida da pessoa.

Muitas vezes o receio da rejeição impede-nos de declarar nosso amor, principalmente, face à cultura, quando é a mulher que o nutre. Quer como objeto ou sujeito do amor não correspondido, o melhor a fazer é dirigir sua energia para amar àqueles que não o têm, isto é, redirecionando-o para quem sequer pode pedi-lo.

Ninguém deve acreditar que temos a obrigação de amar um outro só por causa de seu desejo. O amor é um sentimento espontâneo e ninguém deve obrigar-se a senti-lo por alguém, mas a respeitar quando surja no outro. Caso sintamos forte atração por alguém que não nos pode corresponder ou não sabe de nosso sentimento, devemos procurar dirigir essa energia para o próprio Self. Às vezes, a renúncia a esse amor pode evitar problemas que se prolongariam por várias encarnações.

Disputa profissional

O poder sempre esteve presente nas relações humanas, na maioria das vezes levando o ser humano a esquecer sua própria essência divina. Onde o poder vigora o amor passa longe. É comum nos locais de trabalho encontrarmos desafetos, seja por causa do reencontro de inimigos de outras vidas, seja pela nossa ânsia de poder ou pela ambição de ocupar um lugar de destaque. O fato é que  entramos em disputa com alguém, cujos defeitos teimamos em notar e não enxergamos suas qualidades. Não raro, pessoas amigas nos alertam quanto ao perigo que o outro representa e nos trazem suas maquinações e atitudes prestando um desserviço às relações amistosas.

São os fofoqueiros de plantão que servem às “sombras” para o desequilíbrio emocional e para a instabilidade e alienação de pessoas ou grupos. Às vezes sentimos o desejo de manter um clima de paz com alguém que passou a ocupar um cargo que pleiteávamos, mas a vaidade e o orgulho nos impedem de aceitarmos o sucesso do outro. Temos que ter a consciência de que, quem quer que ocupe um cargo importante, estará, independente das atitudes que tome, sujeito às projeções da maioria, que o toma como o chefe, por mais que se torne simpático a todos.

Será visto como um deus ou como o mais vil dos seres humanos. Sua imagem irá variar de um extremo a outro, a depender de suas atitudes. Caso incomode ou favoreça alguém, receberá o veredicto implacável de tirano ou, paradoxalmente, de benfeitor. O desejo de querer o cargo será salutar na medida que não intentarmos contra o outro que o ocupa, mas trabalharmos para alcançar uma posição compatível com nossa capacidade profissional. É importante que não se concentre o desejo e as energias na busca por um cargo ou uma posição de destaque. A Vida é muito maior do que nossas ambições. Caso alguém tenha lhe tomado o lugar que você acredita ser seu, por direito, considere que você pode estar diante de uma prova que diga respeito à necessidade de manifestar sua humildade.  Às vezes, no trabalho, vivenciamos papéis que nos levam a atritos, que nos indispõem com colegas e amigos. É preciso que percebamos que o local de trabalho profissional nos serve de campo de testes para a vida. Muitas inimizades de vidas passadas se reencontram no ambiente profissional, exigindo harmonização. Para merecermos um bom ambiente de trabalho é preciso começar a construí-lo agora. Não devemos perder a oportunidade de vencer a prova da disputa profissional. Evitemos que nossa ambição fale mais alto.

Competição

Competir é um ato natural da vida. Todos competimos nos mais diversos campos de atividades, e, desde a vida animal, o ser humano vem desenvolvendo a habilidade de aprender a competir. Disputamos espaço, oxigênio, atenções, mercados, afetos, amigos, amores, bem como a preferência de Deus. Uma competição é uma busca simultânea por pessoas na direção de alguma vantagem ou vitória, que, se feita de forma desenfreada, muitas vezes, levam ao atropelamento de outras pessoas, perdendo-se o sentido da Vida.

O ser humano não pode se permitir esquecer os meios dos quais se utiliza para atingir os fins, por mais nobres que sejam. A meta é competir sem agredir. Caso seja obrigatória a competição, devemos atuar com a solidariedade. Nunca diminuir ou humilhar alguém para obter vantagem em qualquer competição. Nunca esquecer do respeito àquele com o qual, pela sobrevivência, se obriga a competir. A renúncia a derrotar o outro pode se tornar a maior vitória do ser humano.

Geralmente as provas que a Vida nos oferece passam pela necessidade de nos perceber em competição; como nos  comportamos e quais são nossos sentimentos íntimos diante da competição com alguém ou com grupos. Permitir-se abrigar sentimentos e idéias de superioridade em relação a outra pessoa, o que certamente levará o indivíduo à derrota, visto que ninguém, nenhum ser humano, pode ser superior a outro. Somos filhos do mesmo Pai Criador e portanto descendemos da mesma fonte. Competir sim, porém com equilíbrio e solidariedade, aproveitando as lições que a Vida nos oferece. Há pessoas que já vêm com aptidões formadas de outras vidas, e nascem com a vitória desenhada em sua trajetória, conquistando aquilo a que se determinam.

Competem e vencem. Isso provoca em outros que não alcançam o mesmo fim, o sentimento de abandono em relação a Deus. O melhor a fazer é trabalhar para conquistar as mesmas aptidões ou fazer brotar as próprias já conquistadas. Ninguém há que não tenha pelo menos uma aptidão a mostrar e a utilizar em seu benefício ou de outrem.

Caso não descubramos alguma aptidão, é o momento de iniciarmos um processo de aquisição de virtudes e capacidades que não se perdem, pois a morte só nos retira aquilo que pertence à terra. As aquisições do espírito são inalienáveis. É preciso saber escolher e saber competir com senso de propósito, sem ferir a ninguém; prevenir-se contra impulsos inferiores oriundos do inconsciente. Alguns questionamentos característicos e que devem ser respondidos por quem entra em competição: O que escolho resulta em felicidade? O que sinto quando estou em competição? Sei perceber quando estou competindo com alguém e uso da solidariedade durante o processo?

Inveja

O sentimento de inveja geralmente decorre da incapacidade de olharmos para nós próprios, preferindo visualizar o outro. Coloca-se em foco o desejo pessoal projetado no outro a quem achamos, às vezes, não merecedor do que cobiçamos. Ela é um sentimento que nasce do complexo de inferioridade, o qual nos obriga à busca de uma posição superior. Na inveja, deseja-se um bem ou a felicidade que alguém possui, provocando o deslocamento da energia não para si mesmo, mas para algo externo. Muitas vezes nos leva a atitudes que tendem a diminuir o outro exatamente pelo complexo inconsciente de se achar inferior. Provoca a fofoca e nos indispõe com as pessoas, obrigando-nos à falsidade.

Para fazer face à inveja, quando não resvalamos pela agressividade ao outro, utilizamos mecanismos de compensação, valorizando e, às vezes, supervalorizando aspectos pessoais, minimizando o que cobiçamos. Noutras vezes, desviamos a atenção de quem nos fala para outros assuntos, quando se trata de elogios a alguém a quem invejamos. A inveja pode levar à concorrência, a qual nos faz aperfeiçoar o que fazemos e nos motiva para continuar progredindo. Quando deslocamos a direção de sua energia do complexo de inferioridade para o crescimento espiritual, ela pode nos tirar da inércia e da acomodação profissional e pessoal.

Aliada à disposição de crescimento pessoal e coletivo, favorece à união e à cooperatividade. Às vezes, ela tem um caráter positivo, quando nos leva ao aprimoramento e melhoramento da posição que ocupamos em relação ao nosso objeto de desejo. Nesse sentido, pode nos levar a buscar realizar algo melhor do que cobiçamos no outro, e, nisso, elevarmos nossa condição pessoal. Quando o objeto de desejo não é retirado do outro nem se constitui em algo falso ou artificial, galgamos uma posição melhor, graças à energia desencadeada pela inveja. Nesse caso, o indivíduo transformou seu sentido em desejo consciente de aperfeiçoamento, não mais em depreciação da virtude alheia. Quando você se sentir acometido pela inveja, faça-se as seguintes perguntas:

1. O que essa pessoa tem que não tenho?

2. Trata-se de uma qualidade da personalidade, de um adereço estético ou uma condição material?

3. Porque considero isso importante?

4. Esforçar-me para adquirir isso acrescentará algo ao meu caráter?

5. Contribuirá para meu crescimento espiritual a aquisição disso?

Após responder essas perguntas, poderemos redirecionar adequadamente a energia movida pela inveja, desta feita a serviço do Self.

Ciúme

O ciúme nasce da insegurança e promove, também, o deslocamento da energia interna para um objeto externo. Decorre da sensação de rejeição e da idéia de abandono. Ele nos faz sintonizar com nossa sombra inconsciente, favorecendo fantasias e baixa de auto-estima. Conduz, não raro, à desconfiança e ao desentendimento. É alimentado pela falsa imagem que fazemos de nós mesmos e da crença de que o outro é obrigado a nos admirar sempre da mesma maneira. Provoca o surgimento da necessidade de satisfação, da incompletude, reduzindo o bem estar pessoal.

Gera dependência e sentimento consciente de inferioridade. Permite a instalação de uma brecha psíquica que condiciona o indivíduo a ter que receber algo como compensação à situação de inferioridade. O ciumento é, em geral, alguém que deseja a atenção maior do outro pela incapacidade de controlá-lo. Geralmente, perdeu o comando sobre seu objeto de atenção, caindo nas armadilhas do ego, que deseja ter tudo sob seu jugo. É uma manifestação do desejo de posse do objeto amado. O ciúme é combatido com o diálogo maduro a respeito da própria insegurança de quem o sente.

Quando o ciumento busca, direta ou indiretamente, investigar o motivo de seu sentimento, previamente acusando e questionando o outro, pode provocar a defensiva dele, que assim procederá para não se denunciar, por não estar  preparado para admitir sua atitude. Deve-se ter cuidado em qualquer tipo de investigação ou de acusação. Mesmo que o outro tenha dado motivos para que o ciúme alcance a pessoa, é preciso ter cautela para que o sentimento não tome conta do psiquismo de quem o sente, impedindo uma melhor percepção do processo. Calma e observação são importantes quando o ciúme nos assalta para um melhor redirecionamento da energia mobilizada. Há ciúmes amorosos, profissionais e afetivos, todos eles nos colocando em condição de inferioridade, nem sempre consciente. Qualquer que seja a forma de ciúme, é importante não perder o senso de reconhecimento do próprio valor espiritual.

Síndrome de Pânico

Muitas pessoas têm apresentado sintomas diversos, geralmente associados ao medo, pensando ter a chamada síndrome de pânico. Às vezes, se deixam intoxicar por medicamentos antidepressivos e ansiolíticos, inócuos para os sintomas, por desconhecimento e auto-sugestão, sem ter noção precisa de seu problema. A síndrome de pânico é diagnosticada pelos sintomas abaixo descritos. O diagnóstico preciso se dá quando pelos menos metade dos sintomas abaixo são detectados, sendo que isoladamente nenhum deles torna-se suficiente para caracterizá-la.

1. Medo sem causa aparente;

2. Taquicardias inesperadas;

3. Tonturas;

4. Sensação de abandono e rejeição;

5. Receio da solidão;

6. Impossibilidade de sair à rua sozinho;

7. Suor nas extremidades;

8. Delírios persecutórios;

9. Desconfiança de tudo e de todos;

10. Depressão;

11. Ansiedade;

12. Insegurança;

13. Pensamentos mórbidos;

14. Angústia;

15. Sono intranqüilo;

16. Insônia;

17. Idéias autodestrutivas;

18. Complexo consciente de inferioridade;

19. Inapetência;

20. Obsessões espirituais.

Deve-se resolver o problema por partes, não sendo recomendável tratamento de choque para a cura do pânico. O portador dos sintomas da síndrome de pânico deve buscar auxílio psicológico e espiritual, simultaneamente. Às vezes, quando se busca apenas um deles o problema costuma retornar. Cada um dos sintomas requer estratégias específicas, porém todas elas passam pela necessidade de, sistematicamente, ir-se encarando a dificuldade, avançando passo a passo no enfrentamento do sintoma. Recomendo sempre aos meus pacientes que, por apresentarem alguns dos sintomas, acreditam ter a síndrome, que encarem seus problemas como se estivessem diante do desafio de fazer uma caminhada longa.

Para isso, devem aprender a dar o primeiro passo. O segundo será sempre mais fácil. A ajuda para o primeiro pode tornar-se  imprescindível, não obstante o perigo de tornar a pessoa dependente, fato comum nos que pensam ter a síndrome. Os fatores que desencadeiam o pânico variam de acordo com cada sintoma.

A maioria deles está associada à falta de segurança em si mesma e à carência afetiva. A dificuldade em aceitar suas próprias deficiências e em reconhecer as limitações inerentes ao nível de evolução em que a pessoa se encontra, também são fatores que desencadeiam as sensações do pânico. O fato da pessoa não considerar que suas limitações e dificuldades em resolver seus conflitos são, por si só, um motivo para continuar vivendo, dificulta a saída do processo em que, por falta de estímulos, se envolve. Vive num mundo egóico, esquecendo-se do mundo do Self.

Insegurança

A insegurança é um mal que está na base de outros males, pois decorre da incapacidade de se perceber ligado a Deus, conectado com o Universo. A sensação de não estar vinculado a alguma coisa ou de não ter um referencial em que se possa sentir seguro, promove a insegurança. Quando assim nos sentimos, ativamos outros complexos que possibilitam o surgimento, muitas vezes sutil, dos medos, os quais nos impulsionam a atitudes inadequadas. Ser inseguro é, consciente ou inconscientemente, antever um futuro não muito gratificante, dando lugar ao pensamento pessimista.

A insegurança gera a indecisão perante aquilo a que nos achamos incompetentes para realizar. Muitas decisões, por aquele motivo, acabam exigindo uma grande quantidade de energia psíquica por parte do indeciso. Ele se desgasta e continua incapaz de 121 tomar novas decisões, visto que a insegurança permanece latente. O inseguro deve se munir de elementos psicológicos que calcem suas estruturas psíquicas, para que não mais se sinta desligado da grande unidade da Vida. Sentir-se conectado e participante de um macro-processo coletivo de crescimento, possibilita ao indivíduo mais segurança e tranqüilidade para dar seus passos na direção de sua própria evolução espiritual. Estar seguro de si é ter garantias quanto ao seu próprio futuro, de saber que será bem sucedido e que nada lhe acontecerá que não possa suportar ou vencer.

É ter confiança na própria capacidade de superar os obstáculos do caminho e da ajuda da própria vida em seu favor, seja através de amigos ou de espíritos desencarnados. Confiar é fiar com, unindo esforços junto a outros que possam contribuir coletivamente com nosso processo e nós com o de cada um deles. Vencer a insegurança é aprender a perder, a lidar com a derrota como uma forma de lição que a Vida nos oferece e a acreditar que amanhã certamente será melhor que hoje. Nesse sentido, o otimismo é desejado ao inseguro, sem que ele perca a percepção da possibilidade de derrota.

Infidelidade conjugal

O problema da infidelidade deve ser colocado na ordem das insatisfações humanas. Quando se é infiel a alguém é por que se está insatisfeito consigo mesmo. Às vezes, pensa-se que a insatisfação é com o outro, porém ela decorre das expectativas criadas, acreditando-se que deveriam ser correspondidas, ou mesmo que o outro é obrigado a atender o que projetamos nele.

Em muitos casos, repete-se um padrão de comportamento em face das influências exercidas pela relação que com os pais teve. Às vezes, para atingir o anseio do encontro com uma mulher semelhante à mãe, ou a outra pessoa que lhe tenha atingido o coração, fruto da relação que existiu entre eles no passado reencarnatório, o indivíduo se vê diante de buscá-la a qualquer preço. Semelhante ocorrência pode se dar com a mulher em relação a seu pai ou a alguém que tenha lhe marcado o sentimento em vidas passadas. Assim sendo, mesmo tendo um compromisso, por não se sentir atendido em suas necessidades emocionais, a pessoa vai em busca, muitas vezes de forma insaciável, de outro que lhe atenda.

A dificuldade em aceitar o vazio de uma relação ou mesmo a insatisfação com o curso que ela vem tomando, por falta de diálogo, provoca no indivíduo a procura por relações amorosas compensatórias. Muitas vezes a infidelidade não é notada pelo cônjuge face à dificuldade de conhecer realmente quem é o outro com quem convive, e, pela culpa, aquele que é infiel tende a compensar melhorando sua relação marital.

O diálogo, e quando efetivamente se ama o outro e se pretende investir na relação, a compreensão do ocorrido, dentre outros fatores, podem fortalecer o relacionamento e evitar a separação. O valor da relação pode superar o trauma da traição e fazer com que ela seja repensada em outras bases. Neste caso, quando há consenso e interesse, a relação continua. Noutros casos, face ao conflito instalado, a separação torna-se inevitável. De qualquer forma, para que não se instale um carma entre ambos, deve-se aprender a diluir as mágoas, permitindo a si próprio e ao outro o refazimento de suas vidas em outras bases relacionais. É fundamental perdoar o outro e seguir a Vida adiante. Quem quer que tenha passado pelo processo de se sentir traído sabe que a primeira coisa em que se pensa é saber quem é o culpado. Porém, o mais adequado a ser feito é olhar para si mesmo e descobrir o que está faltando em sua própria personalidade. Depois, buscar estabelecer um outro tipo de relação com a pessoa com quem convive, autor da infidelidade.

Visão pessoal…

Os problemas existem e existirão sempre no decorrer da vida. Quer você seja rico ou pobre, alto ou baixo, magro ou gordo, bonito ou feio, eles sempre estarão lá. A questão fundamental é o que fazer com eles, como lidar com eles? Neste artigo serão apresentadas algumas estratégias mentais para melhorar seu desempenho na resolução dos problemas e na busca de soluções criativas.

1. Dimensionar o problema

O primeiro passo na resolução dos problemas é listá-los, classificá-los e dimensioná-los. Escreva num papel todos os problemas: amorosos, pessoais, relacionais, sociais, físicos, econômicos, espirituais etc. Depois classifique-os de acordo com os tipos de problema (saúde, financeiro, familiar, pessoal, social, espiritual, afetivo etc). Verifique quais são relevantes, realmente importantes e que pertencem a você, muitas pessoas ficam catando problemas dos outros para não verem os seus. E dimensione, pergunte-se a si mesmo: Até que ponto você faz o problema? Porque você problematiza tanto? É realmente importante isso? Será que eu não estou aumentando o problema? Fazendo tempestade num copo de água? Com isso muitos problemas já vão embora.

2. Acione o poder da mente

A mente tem uma forma apropriada de trabalhar, mas infelizmente a maioria das pessoas desconhece os mecanismos da mente. Ela tem um potencial ilimitado e infinito, mas as pessoas usam muito pouco ou não sabem usar, é como ter uma Ferrari e andar só em primeira ou com o freio de mão acionado. Dessa forma, é fundamental conhecer o seu funcionamento e seus recursos.Um dos recursos maravilhosos da mente é o poder de resposta. A mente tem um sistema maravilhoso e dinâmico: basta você colocar o problema para o seu subconsciente resolver. O seu consciente tem muitas limitações e não consegue dar conta de resolver determinados problemas, mas o subconsciente (ou Inconsciente) não tem limites. Há relatos de pessoas com hidrocefalia que resolvem contas de raiz quadrada de seis dígitos em segundos. Mozart compunha como se estivesse escrevendo. Há um potencial infinito na mente.Fazemos uma pergunta e ela encontra a resposta. Muitos já devem ter percebido isso quando tentam lembrar de algo e fazem uma pergunta “como é o nome daquela pessoa?” e daí alguns instantes o nome vem na mente. Esse mesmo procedimento pode ser usado para obter respostas para questões mais importantes. Por exemplo: “Por que fulano me perturba?” Logo vão surgindo as respostas, algumas vem do próprio consciente, e continuamos perguntando, e logo, surgem as do pré-consciente e as do inconsciente.Dessa forma, vamos adquirindo auto-conhecimento, e com isso podemos melhorar muitas situações. Podemos encontrar respostas muito importantes para a nossa vida, como uma vocação, a cura de uma doença, um aumento nos rendimentos, escolhas etc. Basta fazer a pergunta certa. Perguntas inteligentes e bem formuladas trarão respostas inteligentes.Outro aspecto da mente importantíssimo é o poder de atração. Tudo o que pensamos é atraído para nós. Acontecimentos, fatos, pessoas, objetos, animais, coisas, tudo é a mente que atrai, consciente ou inconscientemente. Assim, devemos pensar o que queremos e não o que não queremos. Se fixamos a mente só em problemas, mais problemas atraímos. Temos que fixar a mente nas soluções.

3. Focalizar e Engavetar

Estas duas técnicas ajudam a obter mais eficiência e reduzir a sobrecarga. Há um ditado popular que diz que “quem muito abraça, pouco aperta” Isso quer dizer que temos mais força quando focamos em um problema principal, resolva um problema de cada vez (claro que concomitantemente você pode ir resolvendo outros problemas secundários inadiáveis, mas que não exigem tanto de você), do contrário haverá a tendência de se enfraquecer e dispersar. Quando se tem um grande problema, esteja inteiro e com todas as suas forças.Estas forças podem ser físicas ou psíquicas. Durma bem, um sono restaurador ajuda a deixar a mente clara e apta a desempenhar as atividades. Recarregue as baterias, além do sono agregue à sua vida práticas de Yoga e Meditação, elas ajudam a remover o estresse e aumentam a vitalidade, a força física e psíquica.Além disso, a Meditação é uma prática de valor excelso na resolução dos problemas. A meditação desenvolve muito a concentração e trás uma clareza e lucidez mental dos processos internos e externos. E ainda, através dos estados meditativos surgem as soluções criativas.
Após focar o problema principal, os outros devem ser engavetados. Nossa cabeça funciona como um computador, se tiver muitos programas rodando ao mesmo tempo, fica lento e pode travar. Então é necessário dedicar-se apenas ao principal, os outros problemas ficam arquivados até um momento oportuno.

4. Encare o problema de frente.

Escolhido o problema principal, encare-o de frente. O restante deve ser engavetado, mas muitos deles podem simplesmente ser arquivados ou até deletados. Contudo, é preciso verificar se não é uma fuga, uma tentativa de não ver os problemas de frente, de ficar adiando eles. Porquanto, o melhor caminho na resolução dos problemas é buscar auxílio com terapia, para que alguém de fora possa perceber a dimensão dos problemas e se de fato são relevantes.

5. Busque ajuda

Muitas vezes você sozinho não dá conta dos seus problemas ou pode alienar-se ou distorcer a situação. É importante buscar ajuda e colher informações de pessoas qualificadas no assunto.Quando você está com um problema é como se você estivesse num labirinto e fica confuso, dando volta em círculos e perpetuando os problemas. No labirinto você só vê paredes e corredores e parece que não há saída e entra em desespero. Um terapeuta é um profissional qualificado para te guiar na resolução de seus conflitos, pois a maior parte dos problemas tem origem interna e a pessoa sozinha não consegue ver além das dificuldades.Muitos ficam se perguntando “por que” ao invés de se perguntarem “como”. Ficam reclamando ou tentando entender porque isso acontece com elas ao invés de buscarem como resolver. Por outro lado, muitas vezes, é importante entender o porque, que geralmente está dentro, e não fora. Para isso a terapia é de importância crucial, resolver uma porção de problemas na gênese deles: o próprio indivíduo.Algumas pessoas têm necessidades psicológicas de ter problemas, e isto é a raiz de muitos problemas. Questões de auto-punição, sabotagem, falta de auto-estima e segurança estão na gênese de muitos problemas, por isso é fundamental conhecer-se a si mesmo, buscar um terapeuta qualificado para analisar sua mente,através da análise dos sonhos e das falas, de incursões no inconsciente. Buscando nas experiências pretéritas onde se formaram as repressões, traumas, fobias, complexos, necessidades e bloqueios. Isso permite elaborar e reorientar a experiência; fazer reenquadramentos, reimprint e trazer novos comportamentos, pensamentos, sensações e sentimentos.

 

Inspiração…

1-O despertar de uma nova consciência
Eckhart Tolle
2-Momento de despertar
Shakti Gawain
3-Psicologia da Alma
Dr Joshua David Stone
4-Um Curso em Milagres
Foundation for de Inner Peace
5-Ascenção Cósmica-roteiro para os reinos desconhecidos da luz
Dr Joshua David Stone
6-Sua missão ascencional-O seu papel no Plano Maior
Dr Joshua David Stone
7-Ascenção Cósmica
James Tyberonn
8- O processo da Iluminação Espiritual
Judith Blackstone
9-Modern Physics and Vedanta
 Swami Jitatmananda
10-Vedanta Monthly
 Vedanta Center
11-Manuscritos -acervo pessoal
Monicavox
Recomendo….

 

O design inteligente da mente humana

a mente humana“Hoje o último limite a ser transposto pelas ciências da vida é desvendar a mente —nessa tarefa a consciência é o mistério supremo a ser esclarecido.”

 António Damásio, da série Cientistas da Nova Era- autor de O ERRO DE DESCARTES

e O MISTÉRIO DA CONSCIÊNCIA

Grifos em Negrito;Mônicavox

 retorna à página de chamada - grade do projeto QG de operações da mente

(modelo aproximado em imagem plana)

Design da mente humana

Núcleo de operações da mente  ou teatro de sistema — constituído por:

faixas em espirais (aderência, confluência e inteligência),

3  zonas (conhecimento, processamento e armazenamento) e

12 áreas (unidades formadora de faixas e zonas).

As linhas entre dois compartimentos não são bem definidas, como sugere a imagem. Na verdade, esses limites são misturas de ‘cores’, em degradé, das duas regiões.

O núcleo de operações da mente é um QG bioeletrônico de sistema, onde operam, distribuídos por todo o ambiente, 33  bioprocessadores, fazendo o trabalho cognitivo na ‘colméia’, em atendimento ao universo de atividades de autogestão do vivente humano, conscientes ou não, na solução de problemas teóricamente aplicados na prática do cotidiano, coordenação do passo a passo de tarefas não condicionadas, absorção de aprendizados e implementação de imaginações.

QUESTIONAMENTOS
“É mais importante conhecer a si mesmo do que conhecer todas as maravilhas do universo”

 página principal

Você acredita que a mente seja, na constituição humana, um ‘território’  insondável?

E os intermináveis questionamentos sobre o EU? O EU é algo incompreensível?

A cultura, milenar, da mente humana ser um mistério, é, sem dúvida, suposição defensiva de sábios e estudiosos do passado, que não dispunham de ferramentas genéticas necessárias e nem das bases informativas suficientes para se envolverem na questão, no nível de problema, com a merecida profundidade; E nós, estudiosos deste século, que dispomos desses recursos cognitivos e tecnológicos, o que estamos fazendo? Será que vamos atravessar mais 100 anos sem conhecer o nosso instrumento de conhecer?

Nós afirmamos que a mente é um problema e não um mistério e a questão EU, depois de se conhecer a mente, é algo mais simples do que imaginamos – ela [mente] pode ser conhecida, aqui agora, na complexidade da sua ‘anatomia’, estrutura de formação, funcionamento e, nesse bojo de conhecimentos, a questão EU também será esclarecida na simplicidade que É, e a qual não imaginamos.

Resultado de imagem para imagens sobre a mente humana

Alguma questão existencial, sem resposta, o incomoda ou desperta o seu interesse, a sua curiosidade?

Aquelas do tipo:

l   quem sou,

l   de onde venho,

l   onde estou,

l   o que estou fazendo,

l   para onde vou,

l   o que vai acontecer comigo no pós-morte, ou

l   se alguma criatura tem continuidade após a morte.

O curioso é que, desde tempos remotos, praticamente todas as culturas humanasacreditam na sobrevivência após a morte.

Mas acreditar, convenhamos, é verdade suposta — acertar sem  ter certeza.

Caso você tenha algum problema dessa natureza, ainda que insignificante no seu juízo, antes de buscar socorro em uma religião ou procurar um profissional cognitivo que possa ajudá-lo, tente conhecer amente nas engrenagens internas e funcionalidade. É possível (quase certeza) que você consiga resolver a si mesmo (essas e outras pendências de ordem psico-mental) de uma forma bastante eficaz (a autoajuda consciente do que ocorre no seu mundo interior). Ela [mente] é o seu instrumento de autogestão e de mensurar o mundo — questionar, duvidar, conhecer, interpretar, pensar, decidir, etc. Conhecê-la é uma necessidade de sobrevivência na competição acirrada deste século XXI, da qual ninguém conseguirá escapar.

Em caso de simples curiosidade, quanto às atividades e funções internas da mente ou dos seus mecanismos de formação, também vale a pena conhecê-la. Aliás, nada é mais importante, na vida moderna, que conhecer a mente humana — isso vai abrir um enorme leque de possibilidades na sua vida e, no mínimo, livrá-lo de alguns surtos.

Reflexões

__________

A grande importância da mente na existência do homem está na ordem de que uma pessoa portadora de deficiência física, mesmo lhe faltando os 4 (quatro) membros, é capaz de desenvolver alguma atividade produtiva e gerir a própria existência no ambiente social em que vive; enquanto que uma pessoa com desequilíbrio nas funções psico-mentais, ainda que gozando de integridade formal e boa saúde física, é um ser tecnicamente incapaz.

O sucesso da criatura humana na existência deve-se, em qualquer análise racional, às habilidades cognitivas e aos conhecimentos acumulados através dos muitos milênios que se passaram – conhecer a mente, o instrumento de conhecer, é um saber deste aqui agora, requisito de base para o homem deste século XXI e está no mesmo nível de importância do que foi dominar a leitura e a escrita nos dois últimos séculos.

Segundo declaração do linguista americano, Noam Chomsky, “a nossa ignorância pode ser dividida em problemas e mistérios”–  “Quando estamos diante de um problema, podemos não saber a solução, mas temos insights, acumulamos um conhecimento crescente sobre ele e temos uma vaga ideia do que buscamos. Porém, quando defrontamos um mistério, ficamos entre maravilhados e perplexos, sem ao menos uma idéia de como seria a explicação;diante de um mistério: nós ficamos maravilhados, no primeiro instante, e logo mais passamos a ignorá-lo; quando o caso se torna ameaçador, evolui ao status de problema – parece que a mente humana e a consciência, nas academias, ainda não avançaram à categoria seguinte [de problema].

O suposto mistério que envolve a mente, na nossa cultura até este início de século XXI, será idéia ridícula amanhã; assim como tantas proposições do passado que se confirmaram, mais adiante, serem grandes equívocos, fruto da ignorância científica humana.

Antes da escrita ninguém era analfabeto, antes do computador ninguém era ignorante em informática.

A mente está na mesma ordem do saber.

Resultado de imagem para imagens sobre a mente humanaEstrutura sistêmica da mente

Todo ato mental (percepção de um objeto, enunciado verbal, resolução de um problema) é levado a cabo por um “sistema funcional complexo”  , também concebido como “rede neurofuncional”  , “representação distribuída em paralelo e em série”  e como “modelo de esboços múltiplos”  , que se constitui de um conjunto dinâmico e interconexo de componentes psicológicos (volitivos, afetivos, cognitivos) e de regiões cerebrais, cada uma delas contribuindo com operações básicas para o funcionamento do sistema ou ato como um todo. Seu caráter dinâmico deve-se ao fato de que sua estrutura psicológica e sua organização cerebral mudam a cada instante, na mesma medida em que mudam as tarefas em pauta.

Cada tarefa requer um conjunto diferente de operações psíquicas básicas adequadas aos seus objetivos, além dos componentes motivacionais e emocionais sempre presentes. De acordo com este conceito, apenas certas operações ou mecanismos básicos podem ser localizados em determinadas regiões cerebrais, não as próprias funções psíquicas superiores; e apenas os objetivos ou resultados finais da atividade permanecem constantes, devendo variar seus mecanismos ou operações básicas na medida em que mudam as condições em que se realizam.

A MENTE E A ESTRUTURA CEREBRAL

Os avanços das neurociências nas últimas décadas, especialmente com os estudos de neuroimagem funcional, têm confirmado estes conceitos, cuja pré-história data do século XIX, com a hipótese de Hughlings Jackson , de que as funções psíquicas têm estrutura psicológica organizada em diversas regiões cerebrais e diferentes níveis de complexidade e abstração (nível voluntário, consciente; e nível involuntário, inconsciente, automático). Um exemplo clássico é o do paciente que, após mostrar-se incapaz de dizer a palavra “não” numa tarefa metalingüística de repetição, pôde fazê-lo ao dizer “Doutor, não consigo”. Em qualquer atividade lingüística da vida real (por exemplo, ao produzir um enunciado numa conversação cotidiana), temos os níveis fonológico, sintático, semântico-lexical e pragmático, com suas interdependências e interações recíprocas. Outro exemplo é a percepção visual de um objeto (por exemplo, quando mostro uma lapiseira e pergunto “O que é isto?”). Aí temos diversos componentes: análise e síntese das informações visuais para a formação da imagem (nas regiões occipito-temporais mediais); busca ativa de novas informações e testagem de hipóteses, tais como “caneta?”, “lápis?”, “lapiseira?”, “apontador a laser?” (nas regiões pré-frontais em interação com as occipitais); codificação do objeto (percepto) no sistema semântico da linguagem (no neocórtex associativo terciário temporo-parietal e frontal postero-inferior, particularmente do hemisfério esquerdo); a permanência transitória do percepto na memória operacional, a curto prazo (nas regiões pré-frontais em interação com as occipito-temporais); e seu registro a longo prazo no córtex cerebral, facilitado por seu processamento inicial no sistema hipocampal.

Resultado de imagem para imagens sobre a mente humana•  A mente como representação e mediação

O caráter mediado da mente humana se deve a que o indivíduo se relaciona com as coisas e fenômenos externos, não de forma direta e imediata, mas indiretamente, com os sinais e signos que os representam. É evidente que as ações do homem sobre as coisas são diretas – ele é apenas um entre os vários seres ou forças materiais que participam de sua atividade – mas suas ações materiais são precedidas por ações mentais (representações simbólicas, projetos, programas)Durante o desenvolvimento psíquico, esses sinais e signos tornam-se cada vez mais generalizados e abstratos, e assim, segundo Rubinstein  , o indivíduo destaca-se cada vez mais da realidade, ao mesmo tempo em que se une a ela cada vez com mais força. A gênese e a natureza do fenômeno psíquico não podem ser encontradas nas profundezas do código genético nem nas alturas insondáveis do espírito, mas no processo interacional da vida, tal como admitia Bakhtin  há mais de 60 anos, ao analisar a consciência humana: “O psiquismo subjetivo localiza-se no limite do organismo e do mundo exterior….É nessa região limítrofe que se dá o encontro entre o organismo e o mundo exterior, mas esse encontro não é físico (direto): o organismo e o mundo encontram-se no signo. A atividade psíquica constitui a expressão semiótica do contato entre o organismo e o meio exterior”.

O homem é um ser consciente, ou seja, ele toma consciência de si e destaca-se de sua própria atividade (“espelha-se”), atividade que é o processo de transformação recíproca entre o sujeito e o objeto, em que o objeto vira sua forma subjetiva (imagem mental) e a atividade do sujeito transforma-se em seus resultados objetivos (produtos); ou,no processo de produção (trabalho social), o sujeito é objetivizado , e no sujeito, o objeto é subjetivizado; não existe a consciência (como “faculdade” mental isolada), mas sim o ser consciente ; e o ser dos homens é o seu processo da vida real. O ser é sua atividade, que se apresenta simultâneamente em três formas interdependentes e interconexas: objetal, mental e cerebral-organísmica.

Resultado de imagem para imagens sobre a mente humanaDiferentemente do que ocorre no restante do mundo animal, a atividade consciente é mediada por instrumentos de produção (ferramentas) e por instrumentos psicológicos (signos da linguagem), ambos produtos da evolução histórico-cultural; e assim a relação do indivíduo com a natureza é mediada pela relação entre ele e os outros indivíduos da sociedade. O instrumento de trabalho e o signo lingüístico objetivam a relação homem-natureza e homem-homem, sendo produtos sociais tanto pela sua origem quanto pelo seu uso. Com eles, a transmissão da experiência de uma geração a outra deixa de ser biológica (genética) e passa a ser sociocultural.A atividade consciente é altamente dependente do neocórtex de associação, principalmente o da região pré-frontal e da zona de superposição dos analisadores sensoriais (temporo-parieto-occipital). Aqui referimo-nos ao nível mais complexo de funcionamento da consciência, exclusivamente humano, que Damásio  chama de “consciência ampliada”, que fornece ao organismo um “eu autobiográfico”, com vivências passadas e futuras.

Resultado de imagem para IMAGENS SOBRE O MENTALVisão pessoal….

A atividade mental é uma parte do processo da vida real (ou do “ser dos homens”), em que as ações objetais, mentais e cerebrais (organísmicas) constituem uma unidade dialética de interações e influências recíprocas, mediante as quais são adquiridas as funções psíquicas superiores e seu substrato neural, as neoformações mais sofisticadas do córtex associativo. Fatores biológicos (genéticos) fornecem apenas a possibilidade desse desenvolvimento, o qual não ocorre sem a prática do indivíduo, sem sua experiência sensorial e social.A mente, nos seres em atividade, não está separada da energia nem do espírito, nem de ambos. A mente não é inerente à energia; a energia é receptiva e sensível à mente; a mente pode ser superposta à energia, mas a consciência não é inerente ao nível puramente material. Não é necessário que a mente seja acrescentada ao espírito puro, pois o espírito é inatamente consciente e capaz de identificação. O espírito é sempre inteligente, de algum modo é dotado de mente.Pode ser esta ou aquela mente, pode ser a pré-mente ou a supramente, ou mesmo a mente espiritual, mas o fato é que ela executa o equivalente a pensar, e saber. O discernimento do espírito transcende, sobrepõe-se e teóricamente precede à consciência da mente.A mente que é infinita ignora o tempo, a mente última transcende ao tempo, a mente cósmica é condicionada pelo tempo. E é, assim também, com o espaço: a Mente Infinita é independente do espaço, mas à medida que desce do nível do infinito até os níveis ajudantes da mente, o intelecto deve ter em conta, crescentemente, a existência e as limitações do espaço.A força cósmica reage à mente, assim como a mente cósmica reage ao espírito. O espírito é propósito divino, e a mente espiritual é propósito divino em ação. A energia é coisa; a mente é significado; o espírito é valor. Mesmo no tempo e no espaço, a mente estabelece aquelas relações relativas, entre a energia e o espírito, que são indicativas de semelhança mútua na eternidade.A mente transmuta os valores do espírito em significados do intelecto; a volição tem poder para frutificar os significados da mente, tanto no domínio material quanto no espiritual. A ascensão á Unidade envolve um crescimento relativo e diferencial em espírito, mente e energia e a personalidade é a unificadora desses componentes da individualidade experiencial.

Inspiração…

CENTROS DE ESTUDO E NÚCLEOS DA UNICAMP-SP

mciencia@unicamp.br

1. Vygotsky L. S. Mind in society: the development of higher psychological processes. M. Cole, V. John-Steiner, S. Scribner, & E. Souberman (Eds.). Cambridge, Harvard University Press, 1978.

2.Luria A. R. Higher -cortical functions in man (2 nd ed.). New York, Basic Books, 1966/1980.

3. Anokhin P. K. Problems of centre and periphery in the physiology of nervous activity. Gorki, Gozizdat, 1935.

4. Mesulam M-M. Large-scale neurocognitive networks and distributed processing for attention, language, and memory. Ann Neurol 1990; 28:597-613.

5. Rumelhart D. E., McClelland J. L. Parallel distributed processing. Cambridge, MA: The MIT Press, 1986.

6. Dennet D. C. Consciousness explained. Boston: Little, Brown & Co., 1991.

7. Jackson J. H. On the nature of the duality of the brain. In: Selected writings of John Hughlings Jackson, vol. 2, Hodder & Stoughton, 1874/1932.

8. Rubinstein S. L. Princípios de psicologia geral. Lisboa, Estampa, 1972.

9. Bakhtin M. Marxismo e filosofia da linguagem. São Paulo, Hucitec, 1988.

10. Marx K. & Engels F. Obras escogidas, vol. III. Moscú, Editorial Progresso, 1973.

11. Marx K. & Engels F. A ideologia alemã. Lisboa, Editorial Presença, 1846/1976.

12. Damásio A . O mistério da consciência. São Paulo, Companhia das Letras, 2000.

13. Piaget J. O nascimento da inteligência na criança (4 ª ed.). Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1966/1978.

14. Kuhl P. K. Language, mind, and brain: experience alters perception. In: M. S. Gazzaniga (ed.), The new cognitive neurosciences. Cambridge, The MIT Press, 2000:99-115.

15. Gesell A., Amatruda C. S. Developmental diagnosis: normal and abnormal child development (2 nd ed.). New York, Hoeber-Harper, 1954.

16. Leontiev N. A. Problems of the development of the mind. Moscou, Progresso, 1981b.

17. Galperin P. Y. Introducción a la psicología. Moscú: Universidad Estatal, 1976.

18. Luria A. R. Pensamento e linguagem – As últimas conferências. Porto Alegre, Artes Médicas, 1987.

19. Ducrot O. Princípios de semântica lingüística. São Paulo, Cultrix, 1976.

20. Ducrot O. O dizer e o dito. Campinas, Pontes, 1987.

21. Pêcheux M. Análise automática do discurso (AAD-69). In: F. Gadet & T. Hak (Orgs.), Por uma análise automática do discurso. Campinas, Editora da UNICAMP, 1969/1990.

22. Osakabe H. Argumentação e discurso político (2 a ed.). São Paulo, Martins Fontes, 1999.

23. Spitz R. A. Hospitalism: a follow-up report on investigation described in Volume 1, 1945. Psychoanal. Study Child 1946; 2:113-117.

24. Harlow HF. The nature of love. Am. Psychol. 1958; 13:673-685.

25. Kandel E. R., Jessel T. M., Sanes J. R. Sensory experience and the fine-tuning of synaptic connections. In: E. R. Kandel, J. H. Schwartz, & T. M. Jessel (Eds.), Principles of neural science (4 th ed.). New York, McGraw-Hill, 2000:1115-1130.

Monicavox

Recomendo…..

 

 

 

 

 

 

O CÉREBRO CÓSMICO

Nosso cérebro é elétrico e cheio de células individuais e neurônios, conectados uns aos outros pelos dendritos e axônios.Toda vez que pensamos, nos movimentamos, sentimos ou nos lembramos de alguma coisa, nossos neurônios estão em operação.Essa operação é realizada por pequenos sinais elétricos que se movem rápidamente de neurônio para neurônio(Sinapses).Esses sinais são gerados por potenciais elétricos diferentes carregados pelos íons na membrana de cada neurônio.Todas as nossas percepções físicas são registradas em nosso cérebro físico.Entretanto, nosso cérebro físico é um componente do holograma de nossa realidade 3D.

Nossa mente, por outro lado, é o que nos conecta à nossa Mente Cósmica, que ressoa além do holograma 3D.Enquanto que nosso cérebro é um sistema operacional físico de nosso vaso terreno, nossa mente é a eletricidade que faz esse sistema operacional funcionar.Esta “eletricidade” é a nossa consciência.Nossa mente, que é na verdade nossa consciência, está nos assistindo ativamente na conexão com nossa Mente Cósmica.

A CONEXÃO COM A MENTE CÓSMICA

Nosso estado de consciência determina se nós somos ou não capazes de nos conectar com sucesso com nossa Mente Cósmica e operar a partir dela.Visto que estamos no processo de mudarmos de nosso sistema operacional tridimensional para nosso sistema operacional multidimensional, é vital que nós despertemos nossa consciência multidimensional.Nossa consciência multidimensional é bloqueada pelo medo e ativada pelo amor incondicional.O amor incondicional é isento de todo julgamento, e o julgamento é uma das formas-pensamento principais que baixa nossa consciência e o julgamento é uma forma-pensamento, um pensamento reunido a uma emoção, que sempre é baseada no medo.Sempre que julgamos alguma coisa, há um resíduo de medo, mesmo se ele estiver oculto em nossa mente subconsciente.Portanto, a liberação de todo julgamento é um componente vital para a ativação de nossa consciência multidimensional.

Nossa consciência física está sómente conectada aos nossos sentidos físicos.Assim, nós somente podemos perceber aquilo que ressoa dentro do holograma.Por outro lado, a emoção baseada no amor – que é o amor sem condições – permite que nossa mente se conecte com a nossa Mente Cósmica.Nossa mente, que é o estado de consciência que está conduzindo nosso cérebro, é direcionada ou para sobrevivência/medo ou para criação/amor.O amor condicional é uma forma de medo, enquanto que o amor incondicional é isento de todos os resquícios de medo.Nós passamos a maioria de nossas encarnações físicas conhecendo sómente o amor condicional.O amor condicional é baseado em “Eu amarei você se você…” ou “Se você não… eu não amarei você”.

O FATOR DOS SENTIMENTOS SOBRE A ATIVIDADE DA MENTE CÓSMICA

O amor normalmente era utilizado como uma recompensa.Se nós fôssemos bons (bom sendo determinado por uma fonte externa), nós recebíamos amor.Se nós fôssemos maus (novamente determinado por uma fonte externa), o amor nos era negado.Este amor condicional nos prendia ao holograma 3D, pois ele nos mantinha em um estado de medo.Este medo, não importa se pequeno ou inconsciente, baixava nossa consciência para a ressonância da terceira dimensão.Assim, nossas percepções eram limitadas aos cinco sentidos físicos de nossa forma física.Para ativarmos totalmente nossas percepções multidimensionais, nós precisamos sair do “jogo do bom o suficiente”.Este “jogo” é baseado numa fonte externa que julga se nós somos ou não bons o suficiente para receber amor.O único modo de sairmos desse jogo é amarmos o nosso eu incondicionalmente.Assim que nós nos lembramos de como amamos nosso eu incondicionalmente, as opiniões de fontes externas apenas são um componente do Jogo 3D, ao qual nós não estamos mais limitados.

Em outras palavras, nós podemos ainda estar escolhendo fazer este jogo, mas nós não estamos mais ligados ao resultado dele.Nós não mais buscamos encontrar reforço para nossos empenhos nessa realidade, pois nós sabemos que ainda estamos fazendo esse jogo porque escolhemos fazê-lo e não porque nós temos que fazê-lo.Assim que nossa mente nos conecta com nossa Mente Cósmica, nossa consciência é multidimensional e o Jogo 3D é apenas uma das inúmeras realidades de que participamos.É sensato permanecermos em contato constante com nossa Mente Cósmica, pois o Jogo 3D vicia muito.Este jogo vicia tanto porque ele ativa quaisquer medos ocultos de não sermos bons o suficiente.Se nós permitimos nossa consciência desligar-se do amor incondicional em que TODO feedback externo é uma ilusão, nosso subconsciente pode assumir o leme.Quando nosso subconsciente está no comando, nós somos governados por nossa criança/ego ferido.

Portanto, enquanto jogando no holograma 3D, é importante continuamente permanecermos cientes da constante necessidade que nossa mente subconsciente tem de amor incondicional.Em outras palavras, é vital nos mantermos como os mestres de nosso vaso 3D, que constantemente abastecemos com amor incondicional pelo nosso eu.Amar incondicionalmente nosso eu imediatamente nos liberta do Jogo 3D, pois a qualidade viciante desse jogo é que nós NÃO somos bons o suficiente.Portanto, se nós pudermos fazer, ser ou ter aquilo que o jogo dita em algum tempo determinado, nós seremos bons o suficiente – de acordo com algum julgamento externo.

O FATOR TEMPO

O tempo é outro gancho do Jogo 3D.Enquanto vivemos no AGORA, nosso passado não existe como uma fonte de julgamento e o futuro é a criação de nosso AGORA eterno.É quase impossível nosso cérebro viver no AGORA, exceto quando todo o nosso DNA 97% multidimensional estiver totalmente ativado.Cair de novo no tempo é um desafio constante enquanto esse DNA ainda está em ativação.Nosso cérebro tridimensional diz: “Se eu não FIZER ou SER ou TER o que essa fonte externa exige, eu não serei ‘bom o suficiente’”.Ser “bom o suficiente” é a principal qualidade viciante do Jogo 3D, pois ela nos mantém no nosso ego ferido que NÃO é bom o suficiente.Então, o fluxo constante de amor incondicional para o nosso eu é vital para nos proteger de nosso vício de julgamentos tridimensionais.E também, quando nossa mente cria uma ponte robusta para a nossa Mente Cósmica multidimensional, nós podemos manter uma conexão forte com nossas expressões superiores do EU que existem fora do holograma 3D.

Da perspectiva de nossa Mente Cósmica, nós podemos usar nossas percepções expandidas de clarividência (visão de frequência superior), clariaudiência (audição) e clarisenciência (sentidos) para perceber as dimensões superiores de nossa realidade que ressoam além dos limites da Matriz 3D.Visto que nossa ascensão para além da ilusão começou, nossas percepções superiores podem mais facilmente ser ativadas.Novamente, é o nosso vício ao Jogo 3D que limita nossa capacidade de mudarmos para as nossas percepções multidimensionais, as quais INCLUEM as percepções tridimensionais.Em outras palavras, nós não precisamos ignorar o mundo físico.Na verdade, enquanto estivermos usando um vaso 3D, nós não podemos ignorar essa frequência sem colocar em perigo esse corpo.Felizmente, com a prática, nós poderemos perceber as frequências superiores de realidade, que agora romperam a ilusão do Jogo 3D.Entretanto, as frequências superiores podem conscientemente perceber as frequências inferiores, mas as frequências inferiores não podem perceber as frequências superiores.Por exemplo, nosso vaso terreno pode perceber uma pedra, mas a pedra não pode nos perceber.Nossas percepções tridimensionais são semelhantes a essa pedra quanto a elas ancorarem nossas percepções multidimensionais em nosso planeta.

Felizmente, o planeta também é um ser multidimensional.Portanto, ele também tem frequências superiores de expressão, tal como nós temos.Então, quando expandimos nossas percepções para uma frequência mais alta de ressonância, há um planeta esperando nessa frequência, pronto para a nossa habitação.Toda a criação é multidimensional, mas nem toda a criação reduz sua ressonância para a frequência do reino físico.Assim que sentimos que concluímos nossa experiência de polaridade, densidade, limitação e separação, uma ponte energética torna-se perceptível para o nosso cérebro, mas se nossa mente (estado de consciência) puder ser expandida para se conectar com a Mente Cósmica multidimensional, nossas percepções começarão a incluir frequências de realidade que ressoam além do mundo físico.

O desafio maior é se nós não acreditarmos que uma frequência mais alta de realidade existe, ou se nós não acreditarmos que somos “bons o suficiente” para perceber ou visitar essa realidade superior, nosso cérebro limitará a consciência de nossa mente.Então nossa mente não será capaz de se conectar com nossa Mente Cósmica, e o mundo além da terceira dimensão permanecerá além do nosso campo perceptivo.Uma doutrinação principal do Jogo 3D era que se nós não podemos perceber alguma coisa com os nossos sentidos físicos, ela não é real.Entretanto, se um cego não consegue nos ver a determinada distância dele, isso nos torna não reais?

Se um surdo não ouve nossa voz, isso significa que nós não temos uma voz?De fato, os corajosos que escolheram o desafio de perder um de seus receptores físicos oferecem orientação para todos.Quando um receptor sensorial não funciona, a potência dos outros sentidos é amplificada.Da mesma maneira, nós podemos amplificar a nossa visão para clarividência, a nossa audição para clariaudiência e nosso tato/olfato/instintos para clarisenciência.Nós recuperamos o uso de nossas percepções expandidas por retornarmos à nossa consciência multidimensional.Para fazê-lo, nós precisaremos meditar ou fazer o que nos coloca em um estado superior de consciência.Uma vez num estado superior de consciência, nossa mente pode interagir com as frequências superiores de nossa Mente Cósmica para conectar nossas percepções superiores ao nosso cérebro tridimensional.

Assim que nosso cérebro 3D está conectado à nossa Mente Cósmica multidimensional, nós podemos começar a liberar nosso vício à terceira dimensão e substituir o nosso hábito de perceber SÓMENTE com os nossos cinco sentidos físicos.

Novamente, nós precisaremos acreditar que nossas percepções superiores são possíveis e que nós somos bons o suficiente para tê-las.Então, nós poderemos manter um link ativo entre nosso cérebro, nossa mente e nossa Mente Cósmica.Nós começamos esse processo por amarmos nosso eu incondicionalmente.Então, mesmo se não pudermos perceber com nossas percepções expandidas – ainda – nós AINDA amaremos nosso eu incondicionalmente.

E também, o amor incondicional gera perdão incondicional e aceitação incondicional.Portanto, se não podemos ainda perceber com nossas percepções superiores, nós perdoamos incondicionalmente nosso eu e aceitamos incondicionalmente que essas percepções se ativarão quando estivermos preparados.E nesse meio tempo, nós podemos nos focalizar em manter nossa consciência calibrada para os estados superiores de consciência.Enquanto estamos ressoando à consciência em onda beta, os desafios do mundo físico preenchem nosso cérebro.Existem “horas” em que essa consciência é importante.Enquanto estamos na consciência em onda alfa, sentimo-nos criativos em nosso mundo físico e experimentamos momentos intermitentes de conexão com nossa Mente.Felizmente, quando expandimos nossa mente para a consciência em onda teta, nós vivemos em nossa mente e conduzimos nosso cérebro a partir de uma perspectiva superior de vida.Quando estamos na consciência em onda delta e acima, nós vivemos dentro de nossa Mente Cósmica e conduzimos nossa mente e cérebro para as frequências superiores de realidade.

Viajar em Consciência

Viajar em consciência é como mudar as estações em um rádio ou televisão.Nosso EU MULTIDIMENSIONAL é a torre de transmissão, que transmite mensagens para nós através de muitas frequências diferentes.Nossa CONSCIÊNCIA é o rádio ou TV de banda larga, que recebe as mensagens de muitas frequências diferentes e nos permite escolher um canal;Nossas ONDAS CEREBRAIS são os canais que calibram o rádio ou TV para a frequência da estação desejada.Quando nós calibramos nossa consciência (rádio ou TV) para as ondas cerebrais (canais) diferentes, nós estabelecemos nossa expectativa para filtrar a entrada das percepções dentro do alcance de frequência dessa expectativa de filtragem.Então nós experimentamos a realidade que vibra a esse comprimento de onda/onda cerebral.
Quando nós sintonizamos o Canal de Onda Cerebral Beta, nós calibramos nossa consciência para filtrar e excluir as percepções que não pertencem ao nosso mundo tridimensional externo.Neste canal, nosso EU Multidimensional nos dá informação a respeito de nosso eu ego consciente em nosso mundo físico.
Nossa “realidade beta”, que é a nossa consciência individual, é cheia de inúmeros estímulos.
Ela é direcionada para a sobrevivência, pensamentos, decisões e ações.Nossa consciência individual direciona nossa atenção e, portanto, nossas percepções, para nossa avaliação individual da realidade.

Canal de Onda Cerebral Alfa

Quando nós sintonizamos o Canal de Onda Cerebral Alfa, nós calibramos nossa consciência para filtrar e excluir quaisquer percepções tridimensionais alheias que não pertencem à atividade criativa.
Neste canal, nosso EU Multidimensional nos dá informação sobre nosso mundo físico a partir da perspectiva de nosso eu tetradimensional superconsciente e também lembranças e estímulo esquecidos relativos ao nosso verdadeiro potencial, que nós anteriormente filtramos e excluímos.
Nossa “realidade alfa”, que é a nossa consciência coletiva, é uma realidade de criatividade, foco artístico, relaxamento e imaginação.Nossa consciência coletiva direciona nossa atenção e, portanto, nossas percepções, para uma avaliação da realidade baseada na consciência de toda a humanidade.

Canal de Onda Cerebral Teta

Quando nós sintonizamos o Canal de Onda Cerebral Teta, nós calibramos nossa consciência para filtrar e excluir todas as frequências tridimensionais, exceto a de manutenção de nosso corpo físico.Neste canal, nosso EU Multidimensional retransmite informação de nosso eu superconsciente relativa ao nosso mundo pentadimensional, nossas percepções extrassensoriais tetra e pentadimensionais, momentos de iluminação vindos do passado, e novas ideias relativas a atingir nossas metas presentes.Nós também podemos experimentar sensações eufóricas e momentos de iluminação neste canal.Nossa “realidade teta”, que é a nossa consciência planetária, é profundamente espiritual e introspectiva.Nossa consciência planetária direciona nossa atenção e, portanto, nossas percepções, para uma avaliação da realidade baseada na consciência multidimensional de todas as formas de vida do planeta.

Canal de Onda Cerebral Delta

Quando nós sintonizamos o Canal de Onda Cerebral Delta, nós calibramos nossa consciência para filtrar e excluir todas as frequências tridimensionais externas.Neste canal, nosso EU Multidimensional nos dá informação provinda de nossa mente superconsciente relativa ao nosso vaso terreno uni e bidimensional;Nossa “realidade delta”, que é a nossa consciência galáctica, é focalizada na nossa realidade celular e subatômica e no nosso eu interdimensional.Nossa consciência galáctica direciona nossa atenção, e, portanto nossas percepções para uma avaliação da realidade baseada na consciência multidimensional de nosso planeta, nosso sistema solar e nossa galáxia.

Canal de Onda Cerebral Gama

Quando nós sintonizamos o Canal de Onda Cerebral Gama, nós calibramos nossa consciência para filtrar e excluir os estímulos individuais e se mover para além de todo tempo, espaço e dimensão para integrar a informação que recebemos dos outros canais para que possamos estar conscientes de nosso processo.
Nossa “realidade gama” é verdadeiramente multidimensional, pois ela é TODO no TODO.
Essa consciência cósmica direciona nossa atenção e, portanto, nossas percepções para uma avaliação de realidade baseada na consciência multidimensional de nosso universo.Fisiologia – Ondas cerebraisMedicina TotalMedicina total

ONDAS CEREBRAIS E CONSCIÊNCIA

As ondas cerebrais, que são medidas por um eletroencefalógrafo (ou EEG), representam a linguagem do cérebro.Um EEG mede as ondas cerebrais de frequências diferentes no cérebro pela colocação de eletrodos em locais específicos no couro cabeludo para detectar e registrar os impulsos elétricos do cérebro.As ondas cerebrais, tal como todas as ondas, são medidas de duas formas.

1-A primeira é frequência ou número de vezes que uma onda se repete em um segundo.Então a frequência é medida em ciclos por segundo (cps, às vezes também chamado de HZ), variando de 5 a 38 cps.

2-A segunda medição é amplitude, que representa a potência dos impulsos elétricos gerados pelo cérebro.As principais categorias de ondas cerebrais são Gama, Beta, Alfa, Teta e Delta(ver acima).Quando estamos acessando nosso EU Multidimensional, nós somos capazes de utilizar uma combinação de todas as quatro ondas cerebrais.

Sons para Aumentar a Inteligencia: Ondas BETA

ONDAS CEREBRAIS BETA-As ondas predominantes
13 a 39 cps

Ondas Beta, em que nossas ondas cerebrais pulsam entre 13 e 39 cps, estão associadas com a nossa vigília do dia a dia.Essas ondas são as mais altas em frequência e as mais baixas em amplitude e também são mais dessincronizadas do que as outras ondas.Isto é, as ondas não são consistentes em seu padrão.
Essa ausência de sincronismo se deve à atividade mental diária de nossas muitas atividades e experiências cognitivas, sensoriais e motoras.E também, é durante a Consciência Beta que nosso foco é dessincronizado, pois nossa vida diária tem muitas distrações interiores e exteriores.As ondas Beta são vistas em ambos os lados do cérebro e são mais evidentes no lóbulo frontal onde decisões e expressões de nossa persona são iniciadas.

As ondas cerebrais Beta estimulam o pensamento racional e analítico e a consequente ação;Neste estado, nossa atenção está focalizada em nossas atividades externas, e nosso cérebro está acessando principalmente os pensamentos lógicos e sequenciais para processar, organizar e agir sobre os inúmeros estímulos que chegam através dos nossos cinco sentidos físicos.

Se toda essa informação não for colocada em algum tipo de ordem, nós ficaremos confusos e sobrecarregados.A voz de nosso eu interior ainda pode ser vagamente ouvida, mas tal como conversar com alguém num aeroporto lotado e barulhento, nós podemos ouvi-la, mas nem sempre podemos entender o que ela está falando.As ondas Beta são as ondas cerebrais predominantes na nossa vida cotidiana.Sem as Ondas Cerebrais Beta seria difícil operar eficazmente em nosso mundo diário.

 

ONDAS CEREBRAIS ALFA
8 a 12 cps

Ondas Alfa, que são entre 8 e 12 cps, são mais lentas em frequência, mais altas em amplitude e mais sincronizadas do que as ondas Beta.Quando nós reservamos um tempo em nosso dia atarefado para tirar uma soneca revigorante, refletir, ouvir música, ler um poema ou meditar, nós entramos na Consciência Alfa.Quando nos concentramos atentamente em um pensamento, emoção ou atividade, nós temos menos estímulo para processar e nosso cérebro pode entrar no foco intenso das ondas Alfa.
As ondas Alfa atingirão o pico por volta de 10 cps.O pensamento em onda Alfa promove a capacidade mental e ajuda em nossa habilidade de coordenar mentalmente o estímulo para que possamos rápida e eficazmente concluir a tarefa a ser realizada.

Quando Alfa predomina, a maioria das pessoas se sente calma e à vontade, o que serve para controlar o estresse e beneficiar nossa saúde.O imaginário vívido e ciência relaxada e afastada servem para criar links conscientes tanto para a nossa mente consciente como para a inconsciente.Alfa é o principal ritmo visto em adultos normais e calmos e está presente durante a maior parte da vida especialmente acima dos 13 anos.

As ondas Alfa são predominantes na massa encefálica branca, que é a parte do cérebro que conecta todas as outras partes entre si.Alfa é um estado comum para o cérebro e surge quando uma pessoa está alerta, mas não processando informação ativamente.

As ondas Alfa, mais fortes no lóbulo occipital (na parte de trás da cabeça), córtex e também córtex frontal (a testa), têm sido ligadas à extroversão, audição ativa e solução de problemas melhorada, e atividade mental criativa.

Enquanto que as ondas cerebrais Beta são predominantemente do pensamento lógico e sequencial, as ondas cerebrais Alfa incorporam a operação criativa e holística.Logo, quando na Consciência Alfa nós perdemos a noção de tempo e espaço.Uma hora parece um minuto e uma milha parece uns poucos blocos.Com o foco concentrado em uma tarefa criativa na Consciência Alfa, nós experimentamos menos distrações e ouvimos mais facilmente nossa própria voz interior.É neste estado de consciência que nós temos os nossos momentos de “A-há!”.Muitos intérpretes, artistas, cientistas e atletas consciente ou inconscientemente se colocam num estado Alfa para obter inspiração e atingir seu melhor desempenho.

ONDAS CEREBRAIS TETA
4 a 7 cps

As ondas Teta nos permitem acessar nossa criatividade inata, inspiração e conexão espiritual.As ondas Teta, de 4 a 7 cps, são até mais lentas que as ondas Beta e Alfa e são tipicamente de uma amplitude até maior.Quando restringimos nosso foco principalmente em nosso eu interior, nós podemos entrar nas ondas Teta, que normalmente estão associadas à meditação profunda ou sono.Neste estado é difícil manter contato consciente com o mundo exterior.Nossos corpos precisam estar em um local seguro quando acessamos a Consciência Teta, para manter esse estado, nossos corpos precisam estar parados e nossos olhos fechados.E mesmo nesse estado, o mero ato de abrir nossos olhos ou ouvir ao mundo exterior poderia captar estímulo demais e voltar nossa consciência para ondas cerebrais mais rápidas e nossas experiências de onda Teta se perdem.Para trazer nossas experiências no estado Teta para nossa mente consciente, nós precisamos ser capazes de comunicar essas experiências aos nossos centros de linguagem para que possamos “gravá-las” em nosso córtex cerebral.Tirar tempo para relaxar, escrever e/ou desenhar após o sono ou a meditação profunda nos ajudará na tradução de nossas experiências de onda Teta para nossos pensamentos de onda Alfa e Beta.Nesse caso, nossas experiências Teta normalmente são recuperadas pela linguagem imagética e simbólica de nosso cérebro direito e não pela área de linguagem sequencial de nosso cérebro esquerdo.Relaxar para o estado Alfa pode traduzir essas imagens em nossa área de linguagem onde podemos pensar sobre elas ou anotá-las.

Meditação p/ Visualização Criativa – Ondas Theta – Amparo Divino

O ESTADO TETA

As ondas Teta são anormais em adultos que estão acordados, mas são perfeitamente normais em crianças até 13 anos de idade.Elas são normais para todas as idades durante o sono.Acredita-se que o estado Teta reflete a atividade do sistema límbico e das regiões do hipocampo dentro do lóbulo temporal, que estão relacionados às emoções, conversão da memória de curto prazo em memória mais permanente e recordação de relacionamentos espaciais.A Consciência Teta promove comportamentos adaptativos e complexos tal como aprendizagem e memória.As ondas cerebrais Teta promovem a paz interior profunda, o “saber”, sentimento de unidade, verdades místicas, transformação das crenças limitantes inconscientemente mantidas, criando uma qualidade melhor de vida, cura física e emocional e descoberta de nosso propósito.A Consciência Teta proporciona o “pico” na experiência paroxística (peak experience).

ONDAS CEREBRAIS DELTA
0,5 a 4 cps

A ondas Delta, normalmente indo de ,5 a 4 cps, estão envolvidas com nossa empatia e também com nossa interação e conexão à nossa percepção multidimensional total.Essas ondas cerebrais estão envolvidas com nossa habilidade para integrar e deixar ir.As ondas Delta são da maior amplitude e da frequência mais lenta e é o ritmo dominante nos bebês até um ano de idade.As ondas Delta nunca descem até zero porque significaria que estaríamos mortos.As ondas Delta frequentemente são associadas com estar em coma.Neste estado de consciência, nossos corpos estão em um modo de hibernação.Iogues experientes podem atingir conscientemente esse estado.Enquanto na Consciência Delta, eles são capazes de regular a temperatura do seu corpo e o ritmo cardíaco.Eles podem até parecer estar mortos, mas eles são capazes de se reavivar.As ondas Delta são o nível mais profundo do sono sem sonhos em que nossos corpos desligam para completamente focalizar na cura e crescimento.Intérpretes máximos diminuem as ondas Delta quando alto foco e desempenho máximo são necessários.

Entretanto, a maioria dos indivíduos diagnosticados com Distúrbio do Déficit de Atenção (DDA) naturalmente aumenta ao invés de diminuir a atividade Delta quando tenta se focalizar.

A resposta Delta inadequada normalmente restringe severamente sua capacidade de focalizar e manter a atenção.É como se o cérebro se encontrasse em um estado sonolento perpétuo.Entrar na Consciência Delta é como dirigir um carro e engatar a primeira marcha.Não podemos andar muito rápido em primeira (Delta), mas nós temos controle máximo do carro.As ondas cerebrais Delta promovem a cura milagrosa, conhecimento divino, ser interior e crescimento pessoal, renascimento, recuperação de trauma, unidade com o universo, samadhi e experiências de quase morte.As ondas cerebrais Delta proporcionam a intuição profunda, sintonização empática e insight instintivo.

MUSICA BINAURAL sanar energias, ativar glândula pineal, estado alfa, lei de atração

Mudança das Ondas Cerebrais

Quando caímos no sono, nosso cérebro muda as marchas e nossas ondas cerebrais começam a desacelerar.Nós começamos em Beta e então passamos para Alfa, Teta e então Delta.Quando vamos acordar, nossas ondas cerebrais revertem a ordem de Delta, Teta, Alfa e finalmente Beta.Tal como nós inconscientemente mudamos nossas ondas cerebrais no sono, nós podemos aprender a mudar conscientemente nossas ondas cerebrais enquanto estamos acordados.Para manter nosso cérebro em um padrão eficaz de onda cerebral Beta, nós podemos determinar restringir nosso foco a umas poucas coisas por vez e escolher não nos permitirmos entregarmo-nos ao pensamento obsessivo ou de medo.Nós podemos separar um tempo para relaxar, contemplar nossas vidas e desfrutar nossa criatividade para induzir as ondas cerebrais Alfa; podemos meditar e/ou orar e colocar nosso foco total em nosso Eu interior numa base rítmica regular para induzir as ondas cerebrais Teta;podemos dormir muito, deixar ir e nos entregar à nossa Alma para induzir as ondas cerebrais Delta.É importante separarmos uma hora pelo menos três a cinco dias por semana para passarmos dentro de nosso EU.

Se pudermos separar essa hora especial, nós podemos aprender a obter mestria consciente sobre nossa consciência e perceber que nós escolhemos nossa consciência por escolher os pensamentos que nós permitimos que fixem residência em nossa mente e as emoções que permitimos que se demorem em nosso coração.Quando nos acostumarmos a manter estados superiores de consciência em nossa vida diária, nós nos lembraremos de viver num sentimento de amor incondicional por nosso eu e nosso mundo.Desta perspectiva, nós estaremos além de todo sentimento de medo.Assim, seremos capazes de manter uma conexão constante com a nossa Mente Cósmica multidimensional.Nossa Mente Cósmica silenciosa e continuamente orientará nossa mente para ensinar nosso cérebro a liberar nosso sistema operacional tridimensional e a aceitar nosso sistema operacional multidimensional.Felizmente a luz superior do Centro Galáctico está de forma consistente ativando nosso DNA 97%, o que acelerará nossa transição para nosso sistema operacional multidimensional até ele se tornar o sistema operacional dominante para o nosso cérebro.Então nosso cérebro, mente e Mente Cósmica se fundirão em UM.

PERCEPÇÃO-Funções cerebrais+Consciência expandida

Nós precisamos nos lembrar de amar nosso eu e permanecer pacientes.Nós usamos vasos físicos por inúmeras encarnações e temos um forte hábito/vício de perceber o plano físico como nossa realidade dominante.Entretanto, conforme mais e mais de nós mudamos para nossas percepções superiores, esta frequência de realidade tornar-se-á “normal”.Eventualmente, nossas percepções expandidas tornar-se-ão dominantes e nossas percepções 3D tornar-se-ão apenas a mais baixa frequência das nossas inúmeras escolhas perceptivas.

Visão pessoal….

Conhecemos muito, porém também ainda nos resta muito. O cérebro tem 80 bilhões de neurônios interconectados de forma extraordinariamente complexa. Conhecer todos os segredos funcionais de um órgão dessa natureza leva tempo, muito trabalho e o desenvolvimento de técnicas muito elaboradas. Ainda temos muito para aprender, porém já aprendemos muito desde o fim do século 19, quando Santiago Ramón y Cajal revelou que o cérebro está formado por células individuais, os neurônios. Pode ser que nem sequer estejamos capacitados para entender algumas coisas. É preciso não esquecer que é com nosso cérebro que estamos tentando entender o cérebro.Penso que talvez não estejamos capacitados para entender como pensamos porque só alguns de nós são capazes de elaborar uma hipótese.Porém, no caso do cérebro, como a subjetividade se torna possível, a imaginação, a consciência, o pensamento, é o que, a priori, não temos nem sequer idéia como é processado. Essa dificuldade faz imaginar que o cérebro não tem capacidade de entender-se a 100%. Há, porém, quem não concorde com essa idéia e acredite que é apenas questão de tempo ou técnicas.Então poderemos perguntar;A tecnologia que permeia nosso cotidiano está atrofiando nosso cérebro?Não é que ela o atrofia: ela o redireciona. Uma das vantagens modernas do processo evolutivo é que agora podemos condicionar o desenvolvimento do nosso cérebro. O que fizermos vai condicionar o cérebro do futuro, que capacidades ele terá, quais serão as melhorias, quais as desvantagens, que capacidades novas surgirão. Anteriormente ao desenvolvimento tecnológico industrial, nós não tínhamos tanta influência em nosso próprio desenvolvimento cerebral. Agora, conforme desenvolvemos tecnologias, cada vez mais podemos colocar meios que condicionem por onde vai evoluir o cérebro no futuro. Se desenvolvermos muito a visão nos computadores, a visão vai ser um sentido em evolução permanente. Se não desenvolvermos certos tipos de memória porque tudo o que precisamos saber está no celular ou no computador, perderemos certa capacidade de memória que tínhamos, porém ganharemos outros tipos de habilidades.Podemos perguntar;será que somos livres para tomar decisões?É um tema antigo que não está totalmente resolvido. Ninguém chegou a uma conclusão definitiva. A ciência se inclina bastante pelo fato de que nossa sensação de liberdade não é mais do que ignorância sobre o que acontece no nosso cérebro. Se fôssemos mais conscientes, perceberíamos que tudo está sendo preparado lá. Não se pode cometer o erro de pensar que você é diferente do seu cérebro. Meu cérebro toma decisões por mim antes de que eu as tome? Porém quem é você, a não ser o seu cérebro? O que resta se eu tiro o cérebro? Este é um problema maior. Tem-se a sensação de que o pensamento consciente é alguma coisa diferente do corpo, porém não é verdade.Na hora de tomar decisões, costuma-se dizer que a razão deve prevalecer sobre a emoção. Podemos dizer que é uma situação real? É errado acreditar que razão e emoção funcionam de formas independentes. Basta conhecer o cérebro por dentro para ver que os circuitos implicados nos sentimentos estão muito relacionados com os circuitos da razão. Na prática, quer dizer nossos sentimentos estão influenciados por nossa forma de pensar e raciocinar e vice-versa. O que devemos admitir é que não há emoção pura nem razão pura. Embora não percebamos, às vezes o que dizemos que é produto exclusivo da razão que está influenciado pelos sentimentos.Enfim, nesta série do blog sobre o cérebro, discutimos inúmeras possibilidades, aprendemos sua morfologia biológica, suas reações ás drogas,remédios,humor, sono,som,dor,alimentação, consciência,mente,sexo e Eu Superior.Podemos afirmar que é uma aventura incrível entrar no mundo do nosso cérebro, conhecê-lo,estudá-lo e senti-lo, porque nao? O futuro dirá o quanto ele é importante em nosso processo evolutivo e o quanto ele pode nos render em inteligência,memória, aprendizado,prazer e….espiritualidade.

Inspiração….

JEFFREY SATINOVER-WEBSITE
QUINTIUM ANALYTICS-DR JEFFREY SATINOVER

Monicavox

Recomendo….

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

MANIPULAÇÃO E SUGESTIONABILIDADE-Porque somos tão dependentes da mídia?

O desejo de conquista da mente humana já se evidenciava na antiguidade. De lá pra cá, só tornaram-se mais requintados, os métodos utilizados para consegui-lo.Nunca a humanidade teve tanto acesso às informações sobre os mais variados assuntos. Viva a internet. Contudo, quanto mais informação chega até nós, maior deve ser o cuidado em analisá-las e verificá-las, pois aumentam as chances de encontrarmos muita informação incorreta e/ou manipulada.

Todo mundo está sujeito a ser manipulado, primeiramente pela mídia, mas também por governos, políticos, mercado financeiro, publicidade, religiões, etc.  O mundo dos “não despertos” está enlouquecido, há gente de todo o tipo querendo seguidores, por ganância (pastores de igrejas-empresas), por vaidade, por lucro financeiro, por votos em eleições, para vender mais jornais ou revistas, enfim por vários motivos.Sempre devemos lembrar que o ser humano é emocional na maior parte do tempo. Os interessados em manipular pessoas, sabem que devem explorar esta característica, usando o medo como fermento de suas idéias ou informações.

O medo sempre foi utilizado pelas religiões para garantir seus fiéis, o “medo do inferno, da danação eterna”. Também a culpa, que é outra emoção, é bem explorada pelas igrejas, assim como a tensão emocional. Por que os pregadores gritam tanto, são tão enfáticos? Porque assim criam tensão. Sob tensão, as pessoas perdem grande parte de sua capacidade de raciocínio e conforme a tensão aumenta, como em casos de tortura, o cérebro torna-se exausto e extremamente inibido, colapsando a capacidade de julgamento crítico. Daí acreditar em qualquer coisa é possível, visto que o cérebro – exausto, torna-se então sugestionável.A conquista de mentes pelas igrejas tem sido bem estudada.

Têm maior probabilidade de conseguir êxito se puderem primeiro provocar certo grau de tensão nervosa ou despertar sentimentos de cólera ou ansiedade suficientes para assegurar a atenção inteira da pessoa e possívelmente aumentar sua sugestionabilidade. O efeito imediato de tal tratamento é, em geral, prejudicar o discernimento e aumentar a sugestionabilidade; e, embora a sugestionabilidade diminua quando a tensão é eliminada, as idéias implantadas enquanto ela dura podem permanecer.” 

A sugestionabilidade varia entre os indivíduos, mas dependendo das condições em que a sugestão é oferecida até os menos sugestionáveis acabarão cedendo. Está atrelada às emoções como medo, culpa, tensão, stress, etc.Na atualidade, os magos negros do marketing usam e abusam do poder da sugestão para plantar idéias em nossas cabeças – para atiçar nossos mais escondidos desejos – e criar as necessidades mais desnecessárias.

TESTE DE GUDJONHSSON PODE RESPONDER SE VOCE É FÁCILMENTE MANIPULADO

Sugestionável é um adjetivo usado para caracterizar pessoas que podemos sugestionar, influenciar. È aquela pessoa fácil de convencer e ser levada àquilo que os outros desejam, como atitudes, opiniões, etc.; É a tal da falta de pulso firme para manter decisões, idéias e até mesmo histórias. Pessoas sugestionáveis muitas vezes mudam de idéia sob pressão, até mesmo em situações crucialmente importantes, como interrogatórios policiais,por exemplo.A questão é: quanta pressão é necessária para fazer alguém mudar de idéia? A escala de sugestionabilidade do teste “Gudjonsson” nos ajuda a descobrir.

A HISTÓRIA DO TESTE

Gísli Hannes Gudjonsson foi professor de psicologia forense por um tempo e, durante esse período, ficou verdadeiramente fascinado com a idéia de memória, e quantas vezes memórias específicas podiam ser alteradas. E durante seu longo período de estudos e pesquisas sobre o assunto, ele descobriu que a memória é especialmente sugestionável em indivíduos com baixo nível intelectual, o que levou um grande número de pessoas com deficiência metal a confessar crimes que não cometeram.Sendo assim, como interrogadores policiais podem distinguir pessoas que cedem à pressão de um interrogatório e são realmente culpadas, das que cedem à mesma pressão por serem sugestionáveis, mas na verdade são inocentes? Para ajudar nesses casos, o professor Gudjonsson desenvolveu a escala Gudjonsson de sugestionabilidade.O teste mede dois fatores principais: “rendimento” e “mudança”. O “rendimento” é o grau em que uma pessoa vai simplesmente concordar com as principais perguntas; Se alguém pergunta: “você não acha que X é um pouco mandona demais para ter esse trabalho?”, é mais fácil apenas dizer “eu acho”, do que “não, eu não concordo”. Todo mundo faz isso de vez em sempre, seja para evitar algum desgaste no ambiente de trabalho ou evitar uma discussão desnecessária com um desconhecido na fila do mercado. O problema é que algumas pessoas fazem isso quando os riscos são maiores, como, por exemplo, em um interrogatório policial, como já mencionamos.

O fator “mudança” envolve pessoas que ligeiramente mudam suas respostas quando percebem, ou supõem, que o interrogador não está satisfeito com o que está ouvindo. Às vezes, basta repetir a pergunta várias vezes para perceber como a história vai se transformando. Crianças são especialmente suscetíveis a isso, principalmente porque aprendem que, se são convidadas a fazer alguma coisa de novo, é porque fizeram algo de errado. Mas quase qualquer um que sente que suas respostas não estão sendo bem recebidas irá tentar suavizá-las de alguma forma, seja respondendo com outras perguntas ou ressaltando possíveis limitações nas perguntas feitas.

A escala Gudjonsson não é totalmente incontroversa, mas tem resistido a vários testes. De qualquer forma, a resposta á esta pergunta é: depende. Mesmo supondo que o teste seja totalmente preciso, diferentes estados mentais – incluindo falta de sono, estresse, medo e até algum tipo de intoxicação – podem interferir no resultado de uma pessoa. Assim, ela pode acabar sendo considerada suscetível em um teste, mas não em outro.

E O QUE ISSO TEM A VER COM A MANIPULAÇÃO?

Estamos na reta final da grande batalha pela libertação da espécie humana: destronar o medo, que nos foi imposto por seres que se imaginam superiores; e que, mesmo sabendo que vão perder a batalha, não dão o braço a torcer, e continuam se achando; só porque muitos deles se encontram no poder em todos os patamares do controle da vida em 3D (política, justiça, informação, ciência, religião, militarismo, tecnologia e mídia, etc.).Milênio a milênio eles inseriram em nosso DNA o gene da dúvida, e da insegurança a respeito de quem somos nós e o que fazemos aqui, com o intuito de nos dominar através da sugestão – na maior parte das vezes; em outras inúmeras vezes, partem para a ignorância, e nos matam de medo, nos aterrorizam com ameaças de epidemias, guerras nucleares, morte em massa – inteligentes que são; usam e abusam no poder da sugestão e do terrorismo bélico, na política, na saúde. Pela sua eficiência em seres que pensam pouco, o método mais usado por eles, é o da indução, da sugestão que se infiltra em nossas idéias – traduzidas e fixadas em sistema de crenças.

 

7
O QUE NOS TORNA SUGESTIONÁVEIS?

Além da preguiça de pensar, na atualidade, a ansiedade e o medo são os maiores inimigos da nossa paz – ás vezes, eles se juntam ao egoísmo, á vaidade e á ganância para fixar mais ainda o mortal processo do estresse crônico; que no pensamento “deles” será o Gran Finale para nos dominar.Para levantar apenas um pedacinho do véu em sua área de atuação, basta ver como na atualidade, os magos negros do marketing usam e abusam do poder da sugestão para plantar idéias em nossas cabeças – para atiçar nossos mais escondidos desejos – e criar as necessidades mais desnecessárias, pagas em carnês em prestações á perder de vista; tudo para potencializar sua última cartada: o estresse crônico, no qual eles ganham de todos os lados; tanto na construção da armadilha quanto na mentira da cura para desmanchá-la – mesmo que essas criaturas bem sucedidas na vida sejam seus filhos, pais, amores – eles, e seus interesses nem sempre confessáveis, representam perigo á “comunidade terráquea”=nós.

Na verdade, o problema real somos nós; pois, eles apenas usam nossas fraquezas e desejos – a decisão de por um fim nisso, depende de nós; Apenas de cada um e de uma pequena parcela de nós todos – pois, incontáveis seres cósmicos estão á espera de sinal verde para nos ajudar a nos libertarmos; mas, o primeiro passo, tem que ser nosso – mera questão de livre arbítrio; disso, a Fonte Criadora não abre mão; nem para seus” franqueados criadores de universos” nem tão perfeitos assim (caso contrário que graça teria; se o imponderável não andasse lado a lado com o ponderável?).

PORQUE SOMOS INDECISOS?

Herdamos a preguiça de pensar através da mentira que teimamos em chamar de educação (principal armadilha das mentes de desejos sombrios); que criou uma doença que nos coloca em “quarentena cósmica”: a alergia á responsabilidade.Essa antiga doença recebeu o nome de karma.Desde imemoriáveis tempos estamos nos submetendo ao medo usado como o artefato para nos sugestionar.Para atingir seus objetivos de deturpar a lei de Causa e Efeito, eles usam muitas ferramentas, entre elas o uso de “magnetizadores”,que são especialistas em indução no terreno da formação das idéias que vão construir nossa realidade. Esses “profissionais” estão posicionados em várias dimensões. Cá entre nós, na mídia, na ciência, na política, na religião(pastores ), na TV e, em todas as outras atividades chamadas de “profissões”, do lado de lá são mentores; obsessores; chefes de falanges; magos negros, etc.

Eles são “pesquisadores cósmicos pós-graduados em gerar energias de medo e assombração nos candidatos a humanos”. Conhecedores de nossas deficiências de caráter, eles usam muito a técnica dos resultados de pesquisas e tabulações para completar nosso desejo cultural de levar vantagem em tudo; isso fica patente nas pesquisas eleitorais, que usam o desejo cultural do povo de levar vantagem em tudo e votar nos vencedores antecipados e os elege para representar nossas mediocridades – e para isso, vale usar todos os recursos técnicos: jingles e lavagem cerebral, cores, etc.Mas, falta pouco para a grande batalha. Reparem nos sinais que já se apresentam á nós;sinais de que vão perder a luta para nossa vontade de nos tornarmos cidadãos cósmicos (nem todos claro):

1-As crianças de hoje são menos sugestionáveis – Enfrentam os pais, quando eles são pouco competentes. Pacientes mais conscientes se recusam a internações desnecessárias e a tomar medicamentos que o bom senso contra-indica.

2-Consumidores mais conscientes cobram das empresas mais idoneidade e transparência, questionando métodos, procedência,pesquisas, dados e rótulos.

3-Eleitores recusam-se a votar por obrigação e começam a desconfiar da publicidade e marketing em torno dos candidatos

4-Fiéis deixam de pagar dízimos e questionam tudo o que é dito e pregado nas igrejas em geral.

5-Mulheres espancadas denunciam os maridos ou companheiros e não admitem mais serem relegadas á subplanos no trabalho.

6-Pessoas cada vez mais conscientes não aceitam “propinas” e estão deixando de “se venderem”.

7-Funcionários da justiça á aplicam sem medo de serem perseguidos por seus pares.(acontecimentos recentíssimos em nosso país).

O MOMENTO É DE TRANSFORMAÇÃO

Em todas as áreas de atuação humana as pessoas, lentamente mas, cada vez mais rápidamente, com a ajuda da abertura de portais de energia que amplificam o “quantum energético” para despertar cada vez mais consciências, elas passam a enfrentar o medo gerado pelo lado negro da força; e começam a descobrir que somos imortais; que nossa mente, desejos e integridade não podem ser aprisionados.A palavra de ordem para cada um de nós é: LIBERDADE.Vamos nos libertar passo a passo de nossos medos, inseguranças, temores, sentimentos de menos valia.Basta que dez por cento de nós atinjam o mínimo de destemor contra o jugo do medo provocado pelas mentes sombrias para que as forças celestiais intervenham a favor de Gaia.

Façamos a nossa parte. Enfrentemos e nos libertemos de nossas mediocridades. Enfrentemos os que nos amedrontam.Temos medo do que? – De quem? Temos medo de não sermos amados? – Aceitos? Temos medo de sermos aprisionados? Espancados? Mortos? Executados? – Ser executado hoje é entrar para a lista negra do consumo?Sim, é.A palavra de ordem é para que façamos parte dos dez por cento que vão inserir a humanidade na comunidade estelar.

LIVRE ARBÍTRIO;UMA ESCOLHA OU ILUSÃO?

Conforme a ciência vai avançando, ela mergulha cada vez mais fundo em questões que geralmente eram abordadas pela filosofia e/ou religião. O livre-arbítrio é uma dessas questões.Nós, como seres humanos, gostamos muito da existência dessa força, dessa “ideia de liberdade”. Mas será que nós somos completamente autônomos, como pensamos ser?Infelizmente, ainda não podemos responder esse questionamento, porque ainda não há uma resposta absoluta. O que podemos fazer é pensar a respeito. Por exemplo: a natureza da consciência humana, o funcionamento interno do cérebro e as influências externas imensuráveis que todo ser humano recebe, todos estes fatores contribuem para a certeza de que o livre-arbítrio existe, sim. Afinal, eu, você e todo mundo escolhemos, por exemplo, ligar o computador todos os dias. Escolhemos entre chocolate branco ou ao leite. Escolhemos tomar café ou não.

Mas ao mudar ligeiramente a pergunta – podemos estar sempre 100% confiantes de nosso livre arbítrio, ou escolha? -, a resposta vira “quase com certeza não”.A ciência e a filosofia concordam que o universo é previsível e segue um conjunto determinado de regras. Cada coisa no universo que temos observado até agora, segue essas diretrizes específicas, e nada está isento da influência de forças externas. Então, por que nós – os produtos do universo – estaríamos isentos de influências do ambiente?O livre-arbítrio sugere que nós, como uma entidade, somos capazes de tomar decisões absolutamente livres de qualquer influência externa. Mas certamente forças externas desempenham algum papel na nossa tomada de decisões.Então, no final, a escolha depende de nós ou não?

A razão pela qual a intuição nos diz que temos um livre-arbítrio é, provávelmente, porque a nossa mente não consegue identificar todos os fatores que afetam a nossa escolha e, então, o procedimento padrão é concluir que ela veio de nós.Por exemplo: você está em uma confeitaria e lá têm duas opções de doces: bolo de chocolate e bolo de cenoura. Você tem que escolher entre um dos dois, de forma que (vamos supor) não exista a possibilidade de escolher nenhum, nem os dois. A escolha é simples: é um ou o outro. Ainda assim, devemos considerar as influências externas que estão em jogo aqui. Talvez você odeie chocolate, e nunca em sua vida tenha gostado do sabor do chocolate. Este fator é bem fora do seu controle – você não acorda um dia e decide “odeio chocolate”.

O mesmo vale para o bolo de cenoura. E se você escolher o de chocolate em vez de cenoura? Talvez seja porque ele tem uma cobertura mais apetitosa. Ou talvez tenha chovido naquele dia e o cheiro de chuva provoca – por uma razão qualquer – uma memória de chocolate. Talvez você esteja enjoado de bolo de cenoura, porque comeu bolo de cenoura de sobremesa todos os dias daquela semana; Ou talvez você escolha o oposto do que você normalmente escolhe, apenas para variar.Muitos, mas muitos fatores mesmo, entram em cena quando temos que tomar uma decisão. Até a mais simples das escolhas, conta com fatores que não podemos sequer pensar em questionar, mas são muito reais.Poderíamos dizer que uma célula individual tem o livre-arbítrio? E um micróbio, teria? Ou uma árvore? E uma formiga, um cão, ou um chimpanzé – será que eles têm livre-arbítrio? Em que ponto a “complexidade” dessa idéia de liberdade para escolher surge em nós?

A SOLUÇÃO PODE ESTAR NO ESTUDO DAS EMOÇÕES

Muita gente procura livrar-se de emoções difíceis como raiva, medo e mágoa, e buscam emoções mais agradáveis como alegria, felicidade e êxtase. As estratégias comuns para obter felicidade, envolvem tanto a repressão como a expressão das emoções negativas na esperança de serem tiradas de vista ou descartadas. Infelizmente, nenhuma dessas estratégias reflete a verdade do nosso Eu inerente, que é uma inabalável pureza de ser, que existe mais fundo do que qualquer emoção e permanece inalterada por qualquer emoção.Certamente há momentos em que é adequado reprimir ou expressar uma emoção. Mas há também uma outra possibilidade: nem reprimir nem expressar. Podemos chamar isso  de “vivência direta”.Vivenciar diretamente uma emoção não é negá-la nem nos afundar nela, e isso significa que pode não existir nenhuma história dela. Pode não existir um enredo sobre com quem ela está acontecendo, por que está acontecendo, por que não deveria estar acontecendo, quem é responsável ou a quem se deve culpar.

Em meio a qualquer emoção, supostamente “negativa” ou “positiva”, é impossível descobrir-se o que está no âmago. A verdade é que, quando você realmente vivencia uma emoção negativa, ela desaparece. E quando você verdadeiramente vivencia uma emoção positiva, ela cresce e é interminável. Portanto, relativamente, há emoções negativas e positivas, mas sob investigação, só há positivas: eis a positividade que é a consciência absoluta. Como na nossa cultura não há muito que confirme esta revelação espantosa, passamos nossas vidas em busca de emoções positivas e fugindo das emoções negativas.

Quando experimentamos completamente uma emoção negativa, sem história, ela cessa de existir instantâneamente. Se acharmos que estamos vivenciando completamente uma emoção negativa e ela continuar bastante intensa, então, reconheçamos que ainda há alguma história que se está contando sobre ela – como ela é grande, como enfim conseguiremos nos livrar dela, como ela sempre volta, como é perigoso vivenciá-la. Qualquer que seja a história do momento, são infinitas as possibilidades de adiamento da vivência direta.Por exemplo, quando  estamos irritados, a tendência comum é fazer algo para nos livrar da irritação ou colocar a culpa em nós mesmos, em alguém ou em alguma outra coisa, como causa da irritação. Então, começam a  desenvolver os roteiros da irritação. Na verdade, é possível  vivenciá-la diretamente. No momento em que surge a irritação, é possível simplesmente ficar completa, total e livremente irritado, sem expressá-la veementemente ou reprimi-la,camuflando-a.Geralmente, a vivência direta revela freqüentemente uma emoção mais profunda. A irritação  talvez seja até uma ondulação na superfície,mas no fundo do que é a irritação, pode estar a raiva ou o medo. Mais uma vez, o objetivo é não se livrar da raiva ou do medo, nem os analisar, mas vivenciá-los diretamente. Se sob a irritação se revelarem o medo ou a raiva, deixemos que a nossa consciência se aprofunde; deixemo-nos estar absoluta e completamente com raiva ou com medo, sem expressar nem reprimir.O medo freqüentemente é o maior desafio, porque ele é o que habitualmente a maioria das pessoas procura manter afastado. É claro, quanto mais tentam mantê-lo afastado, mais ele aumenta e assombra.

O que estamos sugerindo aqui é que  possamos nos abrir de verdade para as nossas emoções; possamos experimentar ficar com medo sem precisar sequer dizer que “estamos” com medo e sem seguirmos nenhum pensamento de “estarmos com medo”. Podemos simplesmente vivenciar o medo em si.Quando falamos em vivenciar diretamente o medo, não estamos falando do medo fisiológicamente adequado. A resposta ao perigo, à luta ou à fuga fisiológica é natural e própria do organismo humano. Está genéticamente programada no corpo para a nossa sobrevivência. Mas os medos que sugerimos aqui, sejam diretamente confrontados, por inteiro, do início ao fim, são os medos psicológicos, os medos que mantêm nossa energia desnecessáriamente atrelada à proteção e defesa, como o medo da dor emocional ou os medos da perda ou da morte. 

Sob o medo pode revelar-se uma profunda tristeza ou mágoa, isso também pode ser vivenciado direta e completamente sem necessidade de uma historinha. Se  estivermos dispostos a experimentar essas camadas emocionais até o fim, finalmente nos depararemos com o que parece um abismo profundo. Esse abismo é o que a mente percebe como o nada, o vazio, a vacuidade. Eis um momento importante, pois a vontade de ser absolutamente nada, é a vontade de ser livre. Todos esses outros estados emocionais são camadas de defesa contra esta vivência do nada – a morte de quem nós “achamos” que somos . Uma vez derrubadas as defesas, uma vez aberta a porta, pode-se acolher completamente este nada que foi temido. Esta acolhida é a revelação da verdadeira auto-investigação, que revela a verdade que esteve oculta no âmago do nosso próprio coração o tempo todo. O diamante descoberto somos nós mesmos.

Esta é uma descoberta imensa, mas  teremos de descobri-la por nós mesmos. Se estivermos dispostos a vivenciar profunda e completamente qualquer estado emocional, nós descobriremos no seu núcleo a mesma consciência imaculada que se encontra conosco mesmo, tanto como vivenciador quanto como vivenciado. Se pudermos descobrir esta verdade de primeira mão,  seremos libertados da fuga dos estados supostamente negativos e da busca dos supostamente positivos. Nos libertaremos tanto da rejeição como do apêgo ao que é intrínsecamente impermanente. Estaremos libertos para verdadeiramente encontrar-nos conosco mesmo e regozijar-nos nesse encontro.

Qualquer emoção que surja na consciência pode ser completamente acolhida pela consciência, sem precisar esconder-se em histórias ou análises. Na nossa disposição de não seguirmos os mecanismos da mente, mas de apenas ficarmos quietos e vivenciarmos qualquer emoção que surja,  veremos o que ela realmente significa, sem precisar interpretá-la. As emoções se mantêm compostas pelo pensamento, quer esse pensamento seja consciente ou inconsciente.

Nós temos o poder de parar simplesmente e dizer: “Medo, raiva, mágoa, desespero – tudo bem, venham”.  O medo, a raiva, a mágoa só existem quando vinculados a uma história. Sim, isso é incrível, é simples, porém uma descoberta profunda e enorme. Na verdade você pode reconhecer que aquilo de que você foge, em realidade, finalmente não existe, e aquilo que você procura já está sempre aqui.

Quando Colombo e outros exploradores descobriram o “Novo Mundo”, todos eles voltaram e disseram: “Há muito mais coisas lá fora do que sabemos, a terra não é plana”. Mas muita gente respondeu: “Ah não, eu não vou lá. Os demônios marinhos vão me pegar. Eu vou cair da terra”. É com esse mesmo primitivismo que enxergamos nossas emoções. Se você estiver disposto a cair da beira da terra, verá que você mesmo sustenta a terra e não pode “cair de” si mesmo; só pode se aprofundar mais em si mesmo. Particularmente na cultura espiritual ocidental, as pessoas estão bastante abertas á vivenciar suas emoções, porque isso lhes dá um sentido de profundidade e de liberdade. Definir-se como um ser emocional, talvez seja um passo mais profundo do que você se definir como um ser puramente mental, mas assim não se terá percorrido todo o caminho para casa.

Uma vez que tenha experimentado a emoção pura sem as definições , você sabe diretamente que quem você é não se pode definir por nenhum estado mental ou emocional, e este saber é liberdade.Quando você não se define por estados emocionais, as emoções são livres para surgirem, porque elas não significam nada sobre quem você é. Você sabe diretamente que todos os estados simplesmente passam pelo espaço puro que é a sua verdadeira natureza.

“Convido-o a percorrer todo o caminho até o coração do puro ser, não para se livrar de alguma emoção, não para dramatizar ou glorificar alguma emoção, mas para descobrir o que cada emoção exige.”(Gangaji)

Fonte de pesquisa;Gangaji Spiritual Teacher-https://www.gangaji.org/

Visão pessoal…

Detentores do poder sempre usam a indução como meio de sugestionar as pessoas, sejam eles o pessoal de marketing, os governos, os políticos ou os “ministros de Deus”. Na maior parte das vezes, essa indução passa despercebida.Que fique bem claro que sugestão, lavagem cerebral, indução podem ser aplicadas a qualquer pessoa, mesmo àquelas de bom nível educacional e inteligentes, pois independem desses quesitos. Como disse anteriormente, estão ligadas à emoção e não há ser humano destituído da mesma.Certamente que o exposto até agora não explica todos os casos de aceitação de algo que contradiz a lógica e o bom senso. O ser humano é altamente complexo e podemos incluir, em alguns casos, excesso de presunção e vaidade – “eu sei tudo, sou o dono da verdade …” A presunção é tão grande que embota o cérebro.Quem tem consciência mais desenvolvida terá sempre muito cuidado com quaisquer informações, irá analisá-las e verificá-las para não incorrer no risco de ser manipulado por alguém que tem sua mente na mira; viemos com mais este tema bastante atual e que consideramos de importância vital para o desbloqueio das mentes nesta Transição Planetária, fazer mais algumas considerações e as devidas observações sobre o tema manipulação midiática;sendo assim, um outro questionamento torna-se inevitável: ao relativizar a influência da mídia nas escolhas dos cidadãos comuns, podemos inferir que os conteúdos presentes nos grandes veículos de comunicação são neutros? Absolutamente, sem titubear, a resposta é negativa. Seria ingenuidade intelectual pensar o contrário. Não existe discurso despretensioso. Consequentemente, é quimérico exigir total imparcialidade para um jornalista, por exemplo. Um bom cidadão crítico deve considerar os jogos de poder e interesse que estão por trás dos grandes veículos da imprensa. A mídia influencia e também é influenciada por outros campos (política, economia, ciência, religião). Se, conforme o abordado anteriormente, podemos salientar que a mídia não manipula automáticamente o cidadão desperto, isso não nos impede de asseverar que os veículos de comunicação em larga escala podem nortear as conversações cotidianas, contribuir para criar modismos e tendências ou alterar a agenda política de uma nação. Basta ressaltar,por exemplo que para uma determinada causa /produto/idéia/comportamento ganhar visibilidade e ser do conhecimento de milhões de pessoas, deve passar, inevitávelmente, pelo prisma midiático.Em uma sociedade capitalista como a nossa, o conteúdo presente nos grandes meios de comunicação condiz aos interesses das classes dominantes. Sendo assim, a maior parte das mensagens transmitidas é idealizada pelas elites, mensagens estas que serão mais bem sucedidas, à medida que o cidadão não desperto, não se dê conta de seu caráter ideológico/comportamental/consumista. Em outros termos, esse tipo de  mediação atinge os fins , quando as pessoas não a percebem.Por outro lado, é importante salientar que as mudanças no âmbito dos meios de comunicação de massa, isoladamente, não alteram a realidade; a mídia não é uma infraestrutura que determina outras instâncias sociais.Não adianta pensar em uma melhor qualidade da programação midiática, por exemplo, sem fomentar uma organização social composta por cidadãos que tenham amplas possibilidades de desenvolver pensamentos críticos, que saibam escolher o que é melhor para si e para o planeta, que saibam diferenciar quando estão sendo conduzidos e quando querem obter algo deles através da manipulação mental  ou ainda,que não precisem se preocupar com questões básicas da existência. Portanto, levando-se em consideração que a mídia condiciona e é condicionada por outras áreas, não faz sentido algum falar em melhorias no sistema de comunicação em larga escala sem propor um projeto sólido de mudança global da sociedade e de todos nós, seres humanos planetários.

Inspiração

1-O despertar de uma nova consciência
Eckhart Tolle
2-Momento de despertar
Shakti Gawain
3-Psicologia da Alma
Dr Joshua David Stone
4-Freedom and Resolve
Gangaji
5-Ascenção Cósmica-roteiro para os reinos desconhecidos da luz
Dr Joshua David Stone
6-Sua missão ascencional-O seu papel no Plano Maior
Dr Joshua David Stone
7-Assuma o controle de sua vida
Carl Alasko
8- O processo da Iluminação Espiritual
Judith Blackstone
9-O Domínio de Si mesmo pela auto-sugestão consciente
 Èmile Coué
10-Porque voce não quer mais ir á Igreja?
Wayne Jacobsen
11-O Vício de agradar á todos
 Joyce Meyer
Monicavox
Recomendo….

O Amor está no ar…

Muitas pessoas estão em transição se ajustando à maior frequência de amor sobre o planeta, a frequência da terra dobrou nos últimos 15 anos e as células do nosso corpo estão se ajustando para a vibração mais elevada.

O amor é a nova moeda para gerar saúde, abundância, bem-estar, bem como a criação de um ambiente de paz positiva para se viver, o caminho para o crescimento espiritual agora é aprender a viver em nossos corações ao invés de nossas mentes lidarem com situações da vida.

A investigação científica tem mostrado que nossas emoções abastecem nossos pensamentos que por sua vez afetam o nosso DNA, quando expressamos emoções positivas o nosso DNA é ativado que por sua vez melhora o nosso sistema imunológico, sentimentos de amor não só mudam nossa biologia e nos energizam como mudam a energia ao nosso redor, atualmente apenas cerca de um terço do nosso DNA está ativo, nós só vamos descobrir do que somos realmente capazes quando ele estiver completamente ativado através de emoções positivas.

O coração por meio de sua ação de bombeamento, cria um campo eletromagnético que se irradia ao redor do corpo por cerca de 8 metros na forma de um toro ou toroidal, sentimentos positivos alteram este campo e posteriormente contribuem para aumentar o campo de energia amorosa em que todos vivemos.

Uma pesquisa recente mostrou que o nosso corpo funciona com os mesmos princípios observados na física quântica, que diz que não estamos separados do nosso meio ambiente, mas estão em constante interação com o campo de energia que nos rodeia, isto nos diz que embora possamos nos sentir separados uns dos outros, nós não estamos, o físico Inglês bem conhecido Stephen Hawking, chama o campo de energia planetária de a mente de Deus, ele diz que ela liga tudo, portanto nos tornando TODOS UM e interligados, além disso os cientistas descobriram que um código numérico liga o nosso DNA aos alfabetos antigos como hebraico, árabe e sânscrito, a mensagem no nosso DNA diz que Deus é eterno e vive dentro de nós, por isso todos nós SOMOS UM com Deus.

Os físicos quânticos dizem que o campo da nossa consciência é como um holograma, onde cada parte representa o todo, a maneira como reagimos à vida afeta nosso campo de energia pessoal bem como afeta a consciência coletiva, ser centrada no coração e amar não só muda o nosso DNA, mas o campo de energia maior do planeta, criando assim um mundo mais pacífico melhor para vivermos, isso faz com que cada um de nós seja um poderoso criador e responsável pelo que nós contribuímos.

Podemos melhorar a nossa saúde e nos curar de doenças fatais através do amor, a pesquisa do Dr. Bruce Lipton provou que nossos pensamentos afetam instantaneamente as células do nosso corpo, os pensamentos positivos fazem uma cura, energizando enquanto afetam as causas negativas do estresse das doenças, também foi mostrado que os pensamentos positivos e orações dos outros podem nos ajudar e curar mais rapidamente, quanto mais pessoas gerarem um campo de amor ao nosso redor, mais poderosa e eficaz a nossa cura será, a pesquisa do Dr. Emoto provou que pensamentos positivos afetam a estrutura de água.

Em virtude do nosso corpo ser na sua maioria composto de água, ter pensamentos de amor e gratidão cada vez que você beber água irá melhorar a sua saúde, têm sido provado que as meditações em grupo trazem resultados imediatos na limpeza de água contaminada, trazendo a paz e a cura ao mudar o campo de energia, pensamentos e orações positivas não são apenas benéficos para a nossa saúde, eles trazer a paz ao planeta, podem diminuir a poluição e também podem afetar o clima, é por isso que a oração e pensamentos positivos são tão importantes.

A oração é um excelente meio para mudar a frequência do campo planetário, o mundo é um reflexo do que somos, por isso temos de incorporar a paz, o amor e a compaixão se quisermos ver um mundo mais pacífico e melhor, então viva a sua vida como uma oração viva, mudar o mundo exige que paremos de nos limitar ao que os outros nos dizem que é verdade e ouvirmos o que o nosso coração nos diz que é certo, curiosamente a energia não reconhece palavras, ela reconhece apenas emoções positivas, por isso não é o suficiente dizer que amamos isto ou aquilo, devemos sentir esse amor dentro de nossos corpos e responder a cada pessoa com amor.

Hoje existem muitos sites pedindo que as pessoas em todo o mundo se unam para orar pela paz e cura em um momento específico a nível mundial, quanto mais pessoas participarem, mais rápido o nosso planeta vai mudar, se você prefere rezar ou meditar dentro de um grupo ou sozinho, tudo bem, todas as orações são ouvidas e tem um impacto, então por favor, orem para que tenha alimentos suficientes, tenha abundância, tenha água limpa e boa saúde para todos os seres vivos do planeta.

Todos nós temos o poder de mudar o mundo em que vivemos porque estamos todos conectados ao campo de energia do planeta, as mudanças que vemos no planeta são as mesmos que ocorrem dentro de nossos corpos, o campo eletromagnético que temos dentro de nós reflete de volta ao planeta, também o campo de energia do planeta é um reflexo do campo de energia cósmica, por isso que muitas culturas antigas construíram pirâmides e outras estruturas para espelhar as constelações que viram no céu, a lei universal “Assim como é encima é embaixo” é absolutamente verdadeira.

O amor nos ensina que somos poderosos e todos têm algo a contribuir, não devemos nos permitir ser restringidos por nossas crenças ou pelo que os outros nos dizem que é possível, quando entendemos que criamos nossa realidade podemos mudar a consciência mundial apenas sendo amorosos, para trazer a mudança ao seu mundo imediatamente é necessário manter-se positivo o tempo todo, eu sei que isso pode parecer uma tarefa difícil, mas é possível e os resultados valem o esforço, posso garantir que o amor vai manifestar mudanças positivas em seus relacionamentos com os outros, vai capacitá-los, e geralmente vai transformar a sua vida para melhor, ele certamente mudou a minha.

Quando ouvimos com os nossos corações, desenvolvemos mais compaixão pelos outros e perdemos essa “mentalidade eles e nós”, responda com compaixão quando pedirem ajuda, lembre-se de que estamos todos conectados o tempo todo, quando negamos um pedido de ajuda a outra pessoa, negamos um grito de socorro dentro de nós mesmos, imagine como o nosso mundo seria se nós respondermos com os nossos corações e não com as nossas mentes.

Nós somos os arquitetos da nossa realidade, do nosso futuro e do nosso destino, através do amor temos o poder de mudar as nossas crenças de limitação para a aceitação e a compaixão, ser amoroso nos permite demonstrar o domínio sobre o nosso mundo físico, em vez de acreditarmos que somos incapazes de trazer a mudança, naturalmente isto requer que estejamos no coração o tempo todo.

A compreensão de como podemos contribuir não só nos fortalece, mas muda-nos de sermos meros observadores passivos para nos tornarmos criadores ativos, a nossa compreensão de como a energia pode mudar capacita cada um de nós a ser capaz de contribuir para tornar a nossa realidade imediata e do mundo em geral um lugar melhor, portanto, não viva no piloto automático ou siga o que os outros fazem, permitam que o amor flua através de você e veja o quão rapidamente ele muda a sua vida, preste atenção em como você escolhe reagir às situações, quando você está centrado no coração, vai rapidamente perceber que as provações da vida cotidiana não vão perturbar o seu equilíbrio, elas só vão fluir sobre você como a água, em vez de forçá-lo para fora.

Que sua vida seja sempre cheia de amor, paz e abundância.

Visão pessoal….

As escalas do Amor são infinitas, e cada mundo experimenta uma escala, sabendo que uma escala de Amor contém muitas notas;ainda há um grande caminho a percorrer para atingir o Amor da Fonte, mas cada vez que nós experimentamos e integramos uma nova faceta do Amor e que o oferecemos, subimos na escala do Amor e aproximamo-nos da Fonte.Na Terra, vivem o Amor adaptado à densidade, o Amor da terceira dimensão. No entanto os seres humanos (esperamos que seja o maior número possível) irão viver cada vez mais um Amor incomparável, um Amor sem limite que chamaremos “Amor do futuro” ou “Amor da quinta dimensão”.Assim é muito importante que se abram a essa energia de vida, de criação, esse Amor Energia que tranquiliza, que reestrutura, que permite crescer e compreender e que retira os véus.Esse amor que nós, humanos, iremos cada vez mais descobrir e integrar, permitir-nos-á reencontrar o nosso DNA inicial. Claro, não recuperaremos as nossas doze fitas de DNA nesta existência, mas recuperaremos várias se tivermos a consciência do que realmente é o Amor Energia, o Amor Vibração, e nesse momento a nossa vida mudará progressivamente.De qualquer modo, a vida de todos aqueles que caminham junto dos mestres interiores,mudam mesmo que não se dêem conta;A vida transforma-se, as consciências abrem-se.No entanto no plano da Terra, existem duas categorias de seres humanos: aqueles que se abrem ao Amor, à Luz, a uma nova consciência, e aqueles que se agarram verdadeiramente à matéria, à sua dominação, ao seu poder, ao seu prazer, diremos até ao seu gozo.
Todos aqueles que se iniciaram no caminho terão imensas alegrias, e aqueles que estiverem felizes por viver na matéria deste mundo de terceira dimensão e que se agarrarem nela irão viver para outro lugar, num mundo de terceira dimensão que será menos difícil que o mundo atual, mas que mesmo assim não será ainda um mundo de Amor, felicidade, harmonia, compreensão e Luz completa.A escolha está feita. Isto não quer dizer que não haverá muitas almas que despertarão, mas se despertarem é porque a sua escolha foi feita.Cada um de nós está presente aqui para ajudar ao despertar de todos aqueles que se vão transformar, despertar espiritualmente e crescer no Amor.No entanto muitas coisas cumprir-se-ão mesmo sem uma entreajuda humana importante, mas claro está, se nós humanos nos entre-ajudarmos para esse despertar de uma outra consciência, isso facilitará a nossa transformação no Amor e na Luz.

a verdade sem compaixão… adoece qualquer coração…

a verdade da compaixão… é o transparecer do são coração…

não basta saber… nem precisaMente…

é preciso saber amar… preciosaMente…

A N➐W AME N T E

Inspiração….
Monicavox
Recomendo….

As armadilhas e ciladas no caminho da ascenção

Nas viagens pela vida como ser espiritual, tomamos consciência de muitas das armadilhas e ciladas que se encontram no caminho espiritual. Uma observação cuidadosa á determinadas situações se faz necessário, após reflexões profundas. O  propósito ao partilhar estas situações é poupar, ao maior número de pessoas possível, sofrimento desnecessário, carma negativo e os atrasos no caminho da ascensão, provocados pelo desconhecimento e pela ignorância.O caminho espiritual é bastante fácil num plano e incrívelmente complicado em outro. O ego negativo e as forças das trevas espalham sedução e apegos, imensos complexos e ardilosos desafios em cada passo do Caminho.Cometer erros e cair nessas armadilhas é normal. A  preocupação neste texto é evitar que as pessoas que buscam o seu Caminho, fiquem enredadas nas ciladas por longos períodos, ou mesmo vidas inteiras.

Eis, então, as armadilhas e as ciladas mais comuns:

1. Abrir mão do seu poder pessoal, concedendo-o a outras pessoas, à mente subconsciente, ao ego negativo, aos cinco sentidos, ao corpo físico, ao corpo emocional, ao corpo mental, à criança interior, a um guru, aos mestres ascensionados, a Deus, a tudo o que for externo.

2. Amar os outros, mas não a si mesmo.

3. Não reconhecer o ego negativo como fonte de todos os problemas.

4. Concentrar-se em Deus, mas deixar de integrar e educar de modo correto, a sua criança interior.

5. Comer incorretamente e não fazer exercícios físicos suficientes, o que resulta em doença física e limitação nos outros níveis.

6. Mergulhar profundamente na vida espiritual mas não reconhecer o plano psicológico, que precisa ser compreendido e dominado.

7. Desejos, desejos e mais desejos materiais.

8. Exercer poder sobre os outros depois de alcançar o sucesso.

9. Desligar-se demais das coisas da Terra, o que prejudica o corpo físico.

10. Tentar escapar da Terra, em vez de criar o Céu na Terra.

11. Ver apenas as aparências, em vez de observar a verdadeira realidade que está por detrás de todas as aparências.

12. Tentar tornar-se Deus, em vez de perceber que você já é o Eu Eterno, como todas as outras pessoas o são.

13. Não perceber que você é a causa de tudo.

14. Servir os outros totalmente, antes de se tornar auto-realizado dentro de si mesmo.

15. Pensar que existe algo que se possa chamar de raiva justificada. A raiva é uma armadilha perigosa.

16. Tornar-se um extremista, e não ser moderado em todas as coisas.

17. Pensar que precisa ser asceta para tornar-se um ser espiritual.

18. Tornar-se sisudo demais, deixando de ter alegria, felicidade e diversão suficientes na vida. Não há ascensão sem alegria.

19. Ser indisciplinado e deixar de perseverar incessantemente nas suas práticas espirituais.

20. Abandonar as práticas e estudos espirituais quando se envolve num relacionamento.

21. Dar prioridade a um relacionamento, em detrimento do si e do seu processo interno. Essa é outra armadilha traiçoeira.

22. Deixar que a criança interior governe a sua vida.

23. Ser crítico demais e duro demais para consigo mesmo.

24. Deixar-se enredar pelo glamour e ilusão dos poderes psíquicos.

25. Tomar posse do seu poder pessoal, mas não aprender ao mesmo tempo a submeter-se ao seu Cristo interno.

26. Abrir mão do seu poder pessoal quando estiver fisicamente cansado.

27. Esperar que Deus e os mestres ascensionados resolvam todos os seus problemas.

28. Viver no piloto automático e relaxar a vigilância.

29. Entregar o seu poder a entidades que se possam comunicar consigo.

30. Ler demais e não meditar o bastante.

31. Deixar que a sexualidade o domine, em vez de dominá-la.

32. Identificar-se excessivamente com seu corpo mental ou emocional, sem atingir o equilíbrio.

33. Pensar que precisa ser um canal para outras vozes, ver ou experimentar toda a espécie de fenômenos mediúnicos a fim de se tornar espiritualizado ou ascender.

34. Forçar a elevação da sua kundalini.

35. Forçar a abertura dos seus chacras.

36. Pensar que o seu caminho espiritual é melhor que o dos outros.

37. Julgar as pessoas em função do nível de iniciação que alcançaram.

38. Partilhar o seu nível “avançado” de iniciação com outras pessoas.

39. Contar aos outros o seu “bom trabalho espiritual”, em vez de simplesmente centrar-se na sua humildade. “Não saiba a tua mão esquerda o que fez a tua mão direita”.

40. Pensar que as emoções negativas são algo imprescindível.

41. Isolar-se dos outros e achar que isso é ser espiritualista.

42. Considerar a Terra um lugar terrível.

43. Entregar o seu poder à astrologia ou à influência dos astros, como fatores externos e incontornáveis.

44. Apegar-se demais às coisas e às pessoas.

45. Viver desapegado demais com relação à vida; não se esforçar rumo ao desapego envolvido.

46. Viver preocupado demais com o eu; e não se dedicar o suficiente a servir os outros.

47. Enredar-se nas numerosas teorias equivocadas da psicologia tradicional, pois cada uma delas não passa de uma fina fatia da torta inteira.

48. Ser místico demais ou ocultista demais, e não se esforçar para integrar os dois lados.

49. Desistir no meio das grandes adversidades. Essa é uma das piores armadilhas. Nunca desista-Nunca, jamais deve desistir.

50. Achar que o sofrimento que o incomoda – seja em que nível for – não irá passar.

51. Concentrar-se demais no nível de iniciação que alcançou, ou aguardar com ansiedade exagerada o momento da ascensão, em vez de se preocupar com o trabalho que precisa ser feito.

52. Deixar-se enredar pelos poderes espirituais em vez de reconhecer que o amor é, de entre todos, o maior poder espiritual.

53. Denegrir outros grupos espiritualistas ou metafísicos, em vez de buscar o trabalho conjunto e a unificação, mesmo que esses grupos não estejam inteiramente sintonizados com todas as suas crenças.

54. Deixar-se enredar no dogma da religião tradicional, ou quaisquer outros dogmas.

55. Pensar que precisa de um sacerdote, que aja como intermediário entre si e Deus.

56. Usar as suas crenças espirituais para gerar divisão, elitismo ou uma condição especial indevida.

57. Tornar-se fanático demais pelas suas próprias crenças.

58. Achar que pode alcançar a iluminação por meio de drogas ou algum tipo de pílula mágica. Essa é uma das piores formas de ilusão.

59. Achar que outras pessoas não precisam trabalhar no seu caminho espiritual.

60. Sobrevalorizar o relacionamento com os filhos em detrimento das relações consigo mesmo e com o seu Cristo interno.

61. Enredar-se em todas as atrações deste mundo material, realmente fascinante.

62. Envolver-se demais no amor a uma só Pessoa, em vez de expandir seu amor para englobar muitas pessoas, e todos os outros, de forma incondicional.

63. Enredar-se na dualidade, em vez de buscar equilíbrio mental, paz interior e equidade em todos os momentos; se você não transcender a dualidade, continuará a sentir-se vítima da sua própria montanha-russa emocional, sacudindo-se de um lado para o outro entre os altos e baixos da vida. A alma e o espírito pensam com uma
consciência transcendente, que não tem ligação com essa lufa-lufa quotidiana.

64. Ser pai ou filho, mãe ou filha no relacionamento a dois, em vez de assumir a condição de adulto.

65. Pensar que precisa sofrer na vida. Isto é tremendamente falso.

66. Ser ou querer ser um mártir do caminho espiritual.

67. Precisar de controlar os outros.

68. Ter ambição espiritual.

69. Precisar de simpatia, amor ou aprovação.

70. Ter necessidade de ser um Mestre.

71. Ser hipersensível ou, no outro lado da moeda, duro demais.

72. Assumir responsabilidades no lugar dos outros.

73. Ser ou querer ser um salvador.

74. Servir por motivos egoístas e pensar que está a acumular mérito espiritual.

75. Pensar que é espiritualmente mais avançado do que realmente é; por outro lado, pensar que é menos avançado do que realmente é.

76. Ser famoso e cultivar a dependência da fama.

77. Dar importância indevida à busca da paixão ou da alma gêmea, e não perceber que a sua própria Alma – e a Mônada – são aquelas que, na verdade, o podem complementar e saciar interiormente.

78. Pensar que precisa de um relacionamento romântico para ser feliz.

79. Precisar ver-se no centro do palco; ou, no outro lado da moeda, preferir sempre esconder-se pelos cantos.

80. Trabalhar e esforçar-se demais, exaurindo-se fisicamente, ou, no outro lado da moeda, distrair-se demais e não se ocupar dos assuntos do Pai.

81. Buscar orientação em médiuns e não confiar na própria intuição.

82. Entregar-se, neste plano ou no plano interior, a mestres que não sejam ascensionados e que, logicamente, também têm uma compreensão e concepção limitadas da realidade.

83. Fazer do caminho espiritual um hobby, e não o “fogo devorador”.

84. Perder tempo demais em frente da TV, na Internet, com jogos de vídeo, ou lendo romances fúteis, e assistindo a filmes violentos.

85. Gastar quantidades imensas de tempo e energia por falta de organização e administração adequada do tempo.

86. Pensar que discutir com os outros é algo que lhe sirva a si, ou sirva a outras pessoas.

87. Tentar vencer ou estar certo, em vez de se esforçar por amar e compreender.

88. Enfatizar demais a intuição, o intelecto, o sentimento e o instinto, em vez de perceber que tudo isso precisa ser equilibrado e integrado, cada qual na sua devida proporção; a cilada, aqui, é identificar-se excessivamente com um deles.

89. Devotar-se a um guru que o diminui e o divide, em vez de se dedicar ao Eu espiritual que é você mesmo, e cultivar o seu próprio Cristo interno.

90. Tentar permanecer aberto todo o tempo, em vez de saber como abrir e fechar o seu campo energético, de acordo com as necessidades.

91. Não saber dizer não aos outros, à criança interior ou ao ego negativo.

92. Pensar que a violência ou qualquer tipo de agressão contra os outros lhe vai trazer aquilo que você deseja, ou que sirva a Deus de algum modo.

93. Culpar Deus ou irritar-se com Ele ou contra os mestres ascensionados por causa dos próprios problemas.

94. Quando suas orações não forem atendidas, pensar que Deus e os mestres ascensionados não estão respondendo às suas preces.

95. Comparar-se com outras pessoas, em vez de perceber que somos únicos, e que as potencialidades, as circunstâncias e as vivências do outro não são as suas.

96. Pensar que ser pobre é ser espiritualizado. Pensar que é preciso ser rico para ser feliz e espiritualizado.

97. Comparar-se e competir com os outros por causa dos níveis de iniciação e ascensão.

98. Assumir o papel de vítima diante de outras pessoas ou do seu próprio corpo físico, emocional ou mental, desejos, cinco sentidos, ego negativo, eu inferior.

99. Estudar demais e não manifestar os seus conhecimentos no mundo real.

100. Pensar que o seu mau humor é a verdadeira realidade de Deus.

101. Pensar que o valor reside em fazer e alcançar coisas.

102. Pensar que você não precisa de se proteger espiritual, psicológica e fisicamente.

103. Pensar que glamour, ilusão, ego negativo, medo e separação, são a verdadeira realidade.

104. Usar açúcar, café e refrigerantes e outros estimulantes artificiais para obter energia física.

105. Tentar fazer tudo sozinho e não pedir a ajuda a Deus; ou, no outro lado da moeda, pedir a ajuda de Deus e não se ajudar a si mesmo.

106. Deixar de amar as pessoas porque elas o estão a tratar mal ou dando um exemplo negativo de egoísmo; não distinguir a pessoa de seu comportamento.

107. Perder a fé na realidade viva da Alma, da Mônada, de Deus e dos Mestres Ascensionados, e na capacidade que eles têm de ajudá-lo.

108. Pensar que apenas as outras pessoas podem atingir a ascensão, ou ser Luz no mundo, ou pelo menos não nesta vida.

109. Tentar atingir a ascensão para fugir dos problemas quotidianos.

110. Pensar que a Terra é uma prisão, e não reconhecê-la como um Paraíso em evolução.

“Tudo o que existe no universo divino é governado por leis – físicas, emocionais, mentais e espirituais. Aprendendo a compreender essas leis e incorporando-as , você trilhará o caminho da ascensão.”

Visão pessoal…

Uma maneira segura de vivenciarmos essa rápida estadia nesse corpo e dimensão física, nessa personalidade passageira, com sucesso espiritual, é nos elevarmos consciencialmente, e isso é alcançado pela busca de mais conexão com a nossa Essência. Devemos, para tal, entendermos o verdadeiro papel do ser humano, sua origem, seus objetivos, entendermos a questão do real e do irreal de todas as coisas, sabermos quem realmente somos e quem são os nossos afins, conhecermos profundamente todas as manifestações das armadilhas terrenas e aprendermos a lidar e passarmos por elas, vencendo-­as, transformando-­as aos poucos e irmos dividindo, com nossos parceiros de jornada, os conhecimentos que vamos adquirindo. Ou seja, sabermos o que somos, o que estamos fazendo aqui e onde queremos chegar. Se considerarmos que a maior parte das pessoas ainda não sabe disso e angustia-­se tanto com essa dúvida, e sendo tudo tão claro, tão simples, ­ basta enxergar a verdade por trás das ilusões; pensar assim permitirá que dentro de algumas décadas, a raça humana atinja seu objetivo.

 

Inspiração….

Expansão da Consciência-Instituto de pesquisas Projeciológicas e Bioenergéticas

Monicavox

Recomendo…