O TEMPO – O SOFRIMENTO – A MORTE-por Jiddu Krishnamurti

Resultado de imagem para imagens sobre jiddu“Sou tentado a repetir a história de um grande discípulo que foi a Deus pedir que lhe ensinasse a verdade.Disse o “pobre” Deus:

“Meu amigo, hoje está fazendo muito calor; por favor, vai buscar-me um copo d’água”. O discípulo sai e vai bater à porta da primeira casa que encontra e uma linda jovem lhe abre a porta. O discípulo dela se enamora, os dois se casam e têm vários filhos. Então, um dia começa a chover, a chover sem parar. Os rios se engrossam, as ruas se inundam, as casas são arrastadas pelas águas. O discípulo se agarra à mulher, põe sobre os ombros os filhos e. ao sentir-se arrastado pela torrente, brada: “Senhor, imploro-vos que me salveis”. E o Senhor responde: “Que é do copo d’água que te pedi?”

É uma história bastante instrutiva, porquanto, em geral, pensamos em termos de tempo. O homem vive do tempo. A invenção do futuro se tornou seu favorito jogo de fuga.

Pensamos que as mudanças em nós mesmos só podem ser efetuadas no tempo, que a ordem só pode ser estabelecida em nós mesmos pouco a pouco, aumentada dia por dia. Mas, o tempo não traz a ordem nem a paz e, portanto, temos de deixar de pensar em termos de gradualidade. Isso significa que não há um amanhã em que viveremos em paz, Temos de alcançar a ordem imediatamente.

Quando se apresenta um perigo real, o tempo desaparece, não é verdade? A ação é imediata. Mas, nós não percebemos o perigo existente em muitos dos nossos problemas e, por conseguinte, inventamos o tempo como um meio de superá-los. O tempo é um embusteiro, porquanto nada faz para ajudar-nos a promover uma mudança em nós mesmos. O tempo é um movimento que o homem dividiu em passado, presente e futuro. E, enquanto fizer essa divisão, o homem viverá sempre em conflito.

O aprender depende do tempo? Após tantos milhares de anos, ainda não aprendemos que existe uma maneira de vida melhor do que odiarmos e matarmos uns aos outros. Muito importa compreender o problema do tempo, se desejamos uma solução para esta vida que cada um de nós contribuiu para tornar tão monstruosa e sem significação como é.

Resultado de imagem para imagens sobre o tempoA primeira coisa, pois, que se deve compreender é que só podemos olhar o tempo com aquele vigor e aquela inocência da mente, que já estivemos considerando. Vemo-nos confusos a respeito de nossos numerosos problemas, e perdidos no meio desta confusão. Ora, quando uma pessoa se perde numa floresta, qual a primeira coisa que faz? Pára e olha em torno de si. Mas nós, quanto mais nos vemos confusos e perdidos na vida, tanto mais corremos em todos os sentidos, buscando, indagando, rogando. A primeira coisa que deveis fazer, se me permitis sugeri-lo, é fazer alto, interiormente. E, quando parais, interiormente, psicologicamente, vossa mente se torna muito tranqüila e clara. Podeis então considerar verdadeiramente a questão do tempo.

Os problemas só existem no tempo, isto é, quando nos encontramos com um fato de maneira incompleta. Esse encontro incompleto com o fato cria o problema. Quando enfrentamos um desafio parcial, fragmentariamente, ou dele tentamos fugir – isto é, quando o enfrentamos com atenção incompleta – criamos um problema. E o problema continua existente enquanto continuarmos a dar-lhe incompleta atenção, enquanto esperarmos resolvê-lo um dia destes.

Sabeis o que é o tempo? – Não o tempo medido pelo relógio, o tempo cronológico, porém o tempo psicológico? É o intervalo entre a idéia e a ação. Uma idéia visa, naturalmente, à autoproteção: a idéia de estar em segurança. A ação é sempre imediata; não é do passado nem do futuro; o agir deve estar sempre no presente; mas a ação é tão perigosa, tão incerta, que preferimos ajustar-nos a uma idéia que nos promete uma certa segurança.

Resultado de imagem para imagens sobre o pensamentoOlhai isso em vós mesmos. Tendes uma idéia do que é certo ou errado, ou um conceito ideológico relativo a vós mesmo e à sociedade, e de acordo com essa idéia ides agir. A ação, por conseguinte, ajusta-se àquela idéia, aproxima-se da idéia, e por essa razão existe sempre conflito. Há a idéia, o intervalo, e a ação. Nesse intervalo encontra-se todo o campo do tempo. Esse intervalo é, essencialmente, pensamento. Quando pensais que amanhã sereis feliz, tendes então uma imagem de vós mesmo a alcançar um certo resultado no tempo. O pensamento, pela observação, pelo desejo, e pela continuidade desse desejo, sustentada por mais pensamento, diz: “Amanhã serei feliz; amanhã terei sucesso; amanhã o mundo será um belo lugar.” Dessa maneira, o pensamento cria esse intervalo que é o tempo.

Agora, perguntamos: Pode-se deter o tempo? Podemos viver tão completamente que não haja um amanhã para o pensamento pensar nele? Pois o tempo é sofrimento. Isto é, ontem ou há um milhar de “ontens”, amastes ou tínheis um companheiro que se foi, e essa memória perdura e ficais pensando naquele prazer ou naquela dor; estais a olhar para trás e a desejar, a esperar, a lamentar, e, assim, o pensamento, ruminando continuamente aquilo, gera essa coisa que se chama sofrimento e dá continuidade ao tempo.

Enquanto existir esse intervalo de tempo, gerado pelo pensamento, tem de haver sofrimento, tem de haver a continuidade do medo. Assim, perguntamos a nós mesmos: Pode esse intervalo terminar? Se disserdes: “Terminará ele algum dia?”, isso então já é uma idéia, uma coisa que desejais conseguir e, por conseguinte, tendes um intervalo e de novo vos vede na armadilha.

Agora, considere-se a questão da morte, um problema imenso para a maioria das pessoas. Conheceis a morte, pois a vedes todos os dias, andando a vosso lado. Será possível encararmos a morte de maneira tão completa, que não façamos dela um problema? Para a encararmos dessa maneira, todas as crenças, todas as esperanças, todos os temores a ela relativos devem acabar, senão estareis encarando essa coisa extraordinária com uma conclusão, uma imagem, com uma ansiedade premeditada e, por conseguinte, a estareis encarando com o tempo. O tempo é o intervalo entre o observador e a coisa observada. Isto é, o observador – vós – tem medo de enfrentar essa coisa chamada “morte”. Não sabeis o que ela significa; tendes esperanças e teorias de toda espécie a respeito dela; credes na reencarnação ou na ressurreição, ou numa certa coisa chamada alma, “atman”, uma entidade espiritual, eterna, a que chamais por diferentes nomes. Ora, já descobristes por vós mesmo se existe alguma alma? Ou trata-se de uma idéia que vos foi dada pela tradição? Existe alguma coisa de permanente, de contínuo, além do pensamento? Se o pensamento pode pensar nela, ela se acha no campo do pensamento e, por conseguinte, não pode ser permanente, porque, no campo do pensamento, não existe nada permanente. É de enorme importância descobrir que nada é permanente, porque só então a mente estará livre, só então poder-se-á olhar; e nisso há uma imensa alegria.

Resultado de imagem para imagens sobre a morteNão podeis ter medo do desconhecido, pois não sabeis o que ele é e, portanto, não há nada que temer. A morte é uma palavra, e é a palavra, a imagem que cria o medo. Assim, podeis olhar a morte sem a imagem da morte? Enquanto existir a imagem, que dá origem ao pensamento, o pensamento haverá sempre de criar medo. Tratais então de racionalizar o vosso medo da morte e de levantar uma resistência contra o inevitável, ou inventais inumeráveis crenças para vos protegerdes do medo da morte. Há, portanto, um vão entre vós e a coisa de que tendes medo. Nesse intervalo de espaço-tempo tem de haver conflito, ou seja medo, ansiedade, autocompaixão. O pensamento, que gera o medo da morte, diz: “Adiemo-la, evitemo-la, mantenhamo-la o mais distante possível, não pensemos nela” – mas vós estais pensando nela. Ao dizerdes “Não quero pensar nela”, já pensastes numa maneira de evitá-la. Tendes medo da morte, porque a tendes adiado.

Separamos o viver do morrer, e o intervalo entre o viver e o morrer é – medo. Esse intervalo, esse tempo, é criado pelo medo. Viver é nossa tortura diária – insultos, sofrimentos, confusão, e, ocasionalmente, uma janela aberta nos mostra mares encantados. É a isso que chamamos “viver”, e temos medo de morrer, que é o fim dessa aflição. Preferimos aferrar-nos ao conhecido a enfrentar o desconhecido – o conhecido, que é nossa casa, nossos móveis, nossa família, nosso caráter, nosso trabalho, nossos conhecimentos, nossa fama, nossa solidão, nossos deuses – essa coisa insignificante que incessantemente gravita em torno de si própria, com seu limitado padrão de amargurada existência.

Pensamos que o viver está sempre no presente e que o morrer é algo que nos aguarda num tempo distante. Mas nunca indagamos se essa batalha da vida diária é de fato viver. Queremos saber a verdade a respeito da reencarnação, desejamos provas da sobrevivência da alma, prestamos ouvidos às asserções dos clarividentes e às conclusões das pesquisas psíquicas, porém nunca perguntamos, nunca perguntamos como viver – viver com deleite, com encantamento, com a beleza, todos os dias. Aceitamos a vida tal qual é, com toda a sua agonia e desespero, com ela nos acostumamos, e pensamos na morte como uma coisa que devemos diligentemente evitar. Mas, a morte se assemelha extraordinariamente à vida, quando sabemos viver. Não podeis viver sem morrer. Isso não é um paradoxo intelectual. Para se viver completamente, totalmente, de modo que cada dia seja uma nova beleza, tem-se de morrer para todas as coisas de ontem, pois, de contrário, viveremos mecanicamente, e uma mente mecânica jamais saberá o que é o amor ou o que é a liberdade.

Em geral tememos a morte, porque não sabemos o que significa viver. Não sabemos viver, e por isso não sabemos morrer. Enquanto tivermos medo da vida, teremos medo da morte. O homem que não teme a vida não teme a insegurança, porque compreende que, interiormente, psicologicamente, não existe segurança nenhuma. Quando não há segurança, há um movimento infinito, e então a vida e a morte são uma só coisa. O homem que vive sem conflito, que vive com a beleza e o amor, não teme a morte, porque amar é morrer.

Se morreis para tudo o que conheceis, inclusive vossa família, vossa memória, tudo o que sentistes, a morte é então uma purificação, um processo de rejuvenescimento; traz então a morte a inocência, e só os inocentes são apaixonados, e não aqueles que crêem e que desejam descobrir o que acontece após a morte.

Para descobrirdes o que realmente acontece quando se morre, tendes de morrer. Isso não é pilhéria. Tendes de morrer, não fisicamente, mas psicologicamente, interiormente, morrer para as coisas que vos são caras e para as coisas que vos amarguram. Se morrestes para cada um dos vossos prazeres, tanto os insignificantes como os mais importantes, sem nenhuma compulsão ou discussão, então sabereis o que significa morrer. Morrer é ter uma mente completamente vazia de si mesma, vazia de seus diários anseios, prazeres e agonias. A morte é uma renovação, uma mutação, em que o pensamento não funciona, porque o pensamento é coisa velha. Quando há a morte, há uma coisa totalmente nova. Estar livre do conhecimento é morrer; e, então, estais vivendo!

Resultado de imagem para imagens sobre jidduVisão pessoal…..

Através das idades veio o homem buscando uma certa coisa além de si próprio, além do bem-estar material – uma coisa que se pode chamar verdade, Deus ou realidade, um estado atemporal – algo que não possa ser perturbado pelas circunstâncias, pelo pensamento ou pela corrupção humana.O homem sempre indagou: Qual a finalidade de tudo isto? Tem a vida alguma significação? Vendo a enorme confusão reinante na vida, as brutalidades, as revoltas, as guerras, as intermináveis divisões dá religião, da ideologia, da nacionalidade, pergunta o homem, com um profundo sentimento de frustração, o que se deve fazer, o que é isso que se chama viver e se alguma coisa existe além de seus limites.E, não podendo encontrar essa coisa sem nome e de mil nomes que sempre buscou, o homem cultivou a fé – fé num salvador ou num ideal, a fé que invariavelmente gera a violência.Nesta batalha constante que chamamos “viver”, procuramos estabelecer um código de conduta, conforme a sociedade em que somos criados, quer seja uma sociedade comunista, quer uma pretensa sociedade livre; aceitamos um padrão de comportamento como parte de nossa tradição hinduísta, muçulmana, cristã ou outra. Esperamos que alguém nos diga o que é conduta justa ou injusta, pensamento correto ou incorreto e, pela observância desse padrão, nossa conduta e nosso pensar se tornam mecânicos, nossas reações, automáticas. Pode-se observar isso muito facilmente em nós mesmos.Durante séculos fomos amparados por nossos instrutores, nossas autoridades, nossos livros, nossos santos. Pedimos: “Dizei-me tudo; mostrai-me o que existe além dos montes, das montanhas e da Terra” – e satisfazemo-nos com suas descrições, quer dizer, vivemos de palavras, e nossas vidas são superficiais e vazias. Não somos originais. Temos vivido das coisas que nos tem dito, ou guiados por nossas inclinações, nossas tendências, ou impelidos a aceitar pelas circunstâncias e o ambiente. Somos o resultado de toda espécie de influências e em nós nada existe de novo, nada descoberto por nós mesmos, nada original, inédito, claro.Consoante a história teológica garantem-nos os guias religiosos que, se observarmos determinados rituais, recitarmos certas preces e versos sagrados, obedecermos a alguns padrões, refrearmos nossos desejos, controlarmos nossos pensamentos, sublimarmos nossas paixões, se nos abstivermos dos prazeres sexuais, então, após torturar suficientemente o corpo e o espírito, encontraremos uma certa coisa além desta vida desprezível. É isso o que tem feito, no decurso das idades, milhões de indivíduos ditos religiosos, quer pelo isolamento, nos desertos, nas montanhas, numa caverna, quer peregrinando de aldeia em aldeia a esmolar, quer em grupos, ingressando em mosteiros e forçando a mente a ajustar-se a padrões estabelecidos. Mas, a mente que foi torturada, subjugada, a mente que deseja fugir a toda agitação, que renunciou ao mundo exterior e se tornou embotada pela disciplina e o ajustamento – essa mente, por mais longamente que busque, o que achar será em conformidade com sua própria deformação.Assim, para descobrir se de fato existe ou não alguma coisa além desta existência ansiosa, culpada, temerosa, competidora, parece-me necessário tomarmos um caminho completamente diferente. O caminho tradicional parte da periferia para dentro, para, através do tempo, da prática e da renúncia, atingir gradualmente aquela flor interior, aquela íntima beleza e amor – enfim, tudo fazer para nos tornarmos estreitos, vulgares e falsos; retirar as camadas uma a uma; precisar do tempo: amanhã ou na próxima vida chegaremos – e quando, afinal, atingimos o centro, não encontramos nada, porque nossa mente se tornou incapaz, embotada, insensível.Após observar esse processo, perguntamos a nós mesmos se não haverá outro caminho totalmente diferente, isto é, se não teremos possibilidade de “explodir” do centro.O mundo aceita e segue o caminho tradicional. A causa primária da desordem em nós existente é estarmos buscando a realidade prometida por outrem; mecanicamente seguimos todo aquele que nos garante uma vida espiritual confortável. É um fato verdadeiramente singular esse, que, embora em maioria sejamos contrários à tirania política e à ditadura, interiormente aceitamos a autoridade, a tirania de outrem, permitindo-lhe deformar a nossa mente e a nossa vida. Assim, se de todo rejeitarmos, não intelectual, porém realmente, a autoridade dita espiritual, as cerimônias, rituais e dogmas, isso significará que estamos sozinhos, em conflito com a sociedade; deixaremos de ser entes humanos respeitáveis. Ora, um ente humano respeitável nenhuma possibilidade tem de aproximar-se daquela infinita, imensurável realidade.Começamos agora por rejeitar uma coisa que é totalmente falsa – o caminho tradicional – mas, se o rejeitamos como reação, teremos criado outro padrão no qual nos veremos aprisionados como numa armadilha; se intelectualmente dizemos a nós mesmos que essa rejeição é uma idéia importante, e nada fazemos, não iremos mais longe. Se entretanto a rejeitamos por termos compreendido quanto é estúpida e imatura, se a rejeitamos com alta inteligência, porque somos livres e sem medo, criaremos muita perturbação dentro e ao redor de nós, mas nos livraremos da armadilha da respeitabilidade. Veremos então que cessou o nosso buscar. Esta é a primeira coisa que temos de aprender: não buscar. Quando buscamos, agimos, com efeito, como se estivésseis apenas a olhar vitrines.A pergunta sobre se há Deus, verdade, ou realidade – ou como se queira chamá-lo – jamais será respondida pelos livros, pelos sacerdotes, filósofos ou salvadores. Ninguém e nada pode responder a essa pergunta, porém, somente nós mesmos, e essa é a razão por que devemos nos  conhecer. Só há falta de maturidade na total ignorância de si mesmo. A compreensão de si próprio é o começo da sabedoria.E, que é nós mesmos, o nós individual? Penso que há uma diferença entre o ente humano e o indivíduo. O indivíduo é a entidade local, o habitante de qualquer país, pertencente a determinada cultura, uma dada sociedade, uma certa religião. O ente humano não é uma entidade local. Ele está em toda parte. Se o indivíduo só atua num certo canto, isolado do vasto campo da vida, sua ação está totalmente desligada do todo. Portanto, é necessário ter em mente que estamos falando do todo e não da parte, porque no maior está contido o menor, mas o menor não contém o maior. O indivíduo é aquela insignificante entidade condicionada, aflita, frustrada, satisfeita com seus pequeninos deuses e tradições; já o ente humano está interessado no bem-estar geral, no sofrimento geral e na total confusão em que se acha o mundo.Nós, entes humanos, somos os mesmos que éramos há milhões de anos – enormemente ávidos, invejosos, agressivos, ciumentos, ansiosos e desesperados, com ocasionais lampejos de alegria e afeição. Somos uma estranha mistura de ódio, medo e ternura; somos a um tempo a violência e a paz. Têm-se feito progressos, exteriormente, do carro de boi ao avião a jato, porém, psicologicamente, o indivíduo não mudou em nada, e a estrutura da sociedade, em todo o mundo, foi criada por indivíduos. A estrutura social, exterior, é o resultado da estrutura psicológica, interior, das relações humanas, pois o indivíduo é o resultado da experiência, dos conhecimentos e da conduta do homem, englobadamente. Cada um de nós é o depósito de todo o passado. O indivíduo é o ente humano que representa toda a humanidade. Toda a história humana está escrita em nós.

Inspiração….

Krishnamurti – O Despertar da Sensibilidade.pdf 

Diário de Krishnamurti.pdf 

A Arte de Viver – Loja DHARMA da Sociedade Teosófica

Livros de Krishnamurti em PDF | Krishnamurti – Nossa Luz Interior

Monicavox

Recomendo….

Resultado de imagem para imagens sobre jiddu

Resultado de imagem para imagens sobre jiddu

Resultado de imagem para imagens sobre jiddu

 

 

 

Anúncios

OM MANI PADME HUM-A Jóia do Lótus-O benefício e o significado do maior mantra budista

Esta maravilhosa invocação significa: “Saúdo a Joia do Lótus”. Algumas Divindades e Seres Ascendidos são visualizados e representados com uma flor de Lótus. Assim também nossa Amada Kuan Yin pode ser vista sentada sobre uma destas flores. Este mantra está gravado em muitas orações, em elementos ornamentais (anéis, pulseiras, medalhões, etc.), assim como em pedras de muitos templos. É uma poderosa corrente de energia espiritual, da qual você pode se conectar através deste mantra, falado oral ou mentalmente em atitude de meditação.
OM-MANI-PADME-HUM que significa
 “A joia do Lótus” .
Om Mani Padme Hum: O Mantra da compaixão
Este Mantra te conecta com a energia da mestra ascensa Kwan Yin.
Este Mantra protege a aura evitando que baixe a energia. Cada parte deste Mantra produz algo: OM, sentes a ligação com Kwan Yin.MANI, significa Joia. ajuda a eliminar as más energias da aura.
PADME, significa Lótus, harmoniza a aura.
HUM, estimula a percepção da aura e estimula sua harmonia.

Om mani padme hum é possivelmente o mantra mais famoso do Budismo; o mantra de seis sílabas do bodhisattva da compaixão: Avalokiteshvara Kwan Yin.

De origem indiana, de lá foi para o Tibete. É o mantra mais entoado pelos budistas tibetanos.

Om fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino dos deuses. O sofrimento do reino dos deuses surge da previsão da própria queda do reino dos deuses [isto é, de morrerem e renascerem em reinos inferiores]. Este sofrimento vem do orgulho.
Ma fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino dos deuses guerreiros (sânscr. asuras). O sofrimento dos asuras é a briga constante. Este sofrimento vem da inveja.
Ni fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino humano. O sofrimento dos humanos é o nascimento, a doença, a velhice e a morte. Este sofrimento vem do desejo.
Pad fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino animal. O sofrimento dos animais é o da estupidez, da rapina de um sobre o outro, de ser morto pelos homens para obterem carne, peles etc., e de ser morto pelas feras por dever. Este sofrimento vem da ignorância.
Me fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino dos fantasmas famintos (sânscr. pretas). O sofrimento dos fantasmas famintos é o da fome e o da sede. Este sofrimento vem da ganância.
Hum fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino do inferno. O sofrimento dos infernos é o calor e o frio. Este sofrimento vem da raiva ou ódio.
Tradução: Recebemos a Jóia da consciência no coração do Lótus. (O Lótus é o chakra).
Significa – Recebemos a jóia da consciência divina, no centro do nosso chakra da coroa.
Avalokitesvara Kwan Yin alcançou tão elevado grau de espiritualidade, como se tivesse subido a mais alta montanha. Destas alturas, estava para partir à planos ainda mais elevados, e distantes da terra, quando ouviu um gemido que vinha do inconsciente coletivo da humanidade.O lamento por sua partida. Seu coração encheu-se de compaixão e Avalokitesvara prometeu ficar neste planeta trabalhando e servindo para evolução da humanidade. Este juramento bodhisattva, é feito por todos os Mestres que servem a Luz da Grande Fraternidade Branca. Eles deixam de seguir  as sua evolução em planos superiores, para servir a Luz de seus irmãos ainda encarnados. Ao recitarmos o Mani Mantra, estamos penetrando a mesma roda metafísica que os Mestres Ascensos e não Ascensos da Grande Fraternidade Branca que estão constantemente empurrando – a Roda da Evolução Espiritual da humanidade.Este mantra tem sua origem na Índia e de lá foi para o Tibet.
Os tibetanos não conseguiram entoá-lo da mesma forma, mudando sua pronuncia para: OM MANI PEME HUNG este é o mantra mais utilizado pelos budistas tibetanos.  Qualquer pessoa pode entoá-lo. Estando feliz ou triste, ao entoar o “Mani Mantra”, uma espontânea devoção surgirá em nossa mente e o grande caminho será fortemente realizado.O mantra OM MANI PADME HUM, é fácil de pronunciar e poderoso pois contém a essência de todo o ensinamento.
Muito tem sido escrito sobre este mantra e é impressionante que apenas seis silabas possam atrair tanto comentário importante. De acordo com Dalai Lama, o propósito de recitar este mantra é transformar o corpo impuro de suas palavras e mente, no puro e louvado corpo, palavra e mente de um Buda. O som de cada silaba é visto como tendo uma forma paralela espiritual. Fazer o som de cada silaba portanto, é alinhar a si mesmo com aquela qualidade espiritual particular e para se identificar com isto.Existe também um grande numero de outros beneficio que resultam da repetição deste mantra, incluindo a produção do mérito e destruição do carma negativo.
OM – A primeira sílaba, recitá-la o abençoa para atingir a perfeição na pratica da generosidade.
MA – Ajuda a aperfeiçoar a pratica da ética pura.
NI – Ajuda a atingir a perfeição na pratica da tolerância e paciência.
PAD – Ajuda a conquistar a perfeição na pratica da perseverança.
ME – Ajuda a conquistar a perfeição na pratica da concentração.
HUM – Ajuda na conquista da perfeição na pratica da sabedoria.

A senda das seis perfeições é a senda de todos os budas. Cada uma das seis silabas elimina um dos venenos da consciência humana.OM – Dissolve o orgulho
MA – Liberta do ciúme e da luxuria.
NI – Consome a paixão e os desejos
PAD – Elimina a estupidez e danos.
ME – Liberta da pobreza e possessividade.
HUM – Consome a agressão e o ódio.

Os mantras são frequentemente, os nomes dos budas, bodhisattvas ou mestres e que o compuseram. Os mantras são investidos com um infalível poder de ação, de forma que a repetição do nome da deidade, transmite as qualidades de sua mente. O nome é idêntico a deidade ou essência da deidade que o compôs e com ele presenteia a humanidade dando a seus irmãos a essência de tudo aquilo que ele atingiu em muitas vidas de esforço e sagrado oficio. Dando o glorioso resultado de seu momentum de sabedoria.Ao recitar este mantra, o meditante também pode conseguir as qualidades do Chenrezig, o bodhisattva da compaixão, conhecido na tradição Mahayana como Avalokitesvara. O mantra OM MANI PADME HUM, chamado de mani mantra, levanta algumas traduções misteriosas. Diz a tradição que este mantra significa o nome Chenrezig. Contudo, Chenrezig não tem nome, mas ele é designado por nomes. Estes nomes são a taça para a compaixão a benção e a força que ele derrama. Portanto este é apenas um dos nomes de Chenrezig, MANI PADME, colocado entre as duas silabas sagradas OM e HUM.Chenrezig, Avalokitesvara e Kwan Yin são os nomes do mesmo Buda da compaixão.OM – Representa o corpo de todos os budas, também o começo de todos os mantras.
MANI – Joia em sânscrito
PADME – Lótus ou chakra
HUM – A mente de todos os budas e frequentemente finalizam os mantras.
MANI – Refere-se a Joia que Chenrezig segura no centro de suas duas mãos.
PADME – Refere-se ao lótus que ele segura  na sua segunda mão esquerda.

Dizendo MANI PADME estamos nominando Chenrezig através de seus atributos: “Aquele que segura a Joia e o Lótus”. Chenrezig ou Joia do Lótus são dois nomes para a mesma deidade.   Quando recitamos este mantra, estamos na verdade repetindo o nome de Chenrezig. Este mantra é investido com a benção e o poder da mente de Chenrezig, sendo que ele mesmo reúne a benção e a compaixão de todos os budas e bodhisattvas. Desta forma o mantra é imbuído com a capacidade de purificar nossa mente de sua obscuridade.  O mantra abre a mente para o amor e compaixão e a conduz ao despertar.Sendo a deidade e o mantra um em essência, significa que é possível recitar o mantra sem necessariamente trabalhar a visualização. A recitação permanece efetiva.Cada uma das seis silabas sagradas retêm um efeito purificador genuíno.

OM – Purifica o corpo
MA – Purifica a palavra
NI – Purifica a mente
PAD – Purifica as emoções
ME – Purifica as condições latentes
HUM – Purifica o véu que encobre o conhecimento

Cada silaba é ela mesma uma oraçãoOM – É oração dirigida ao corpo dos budas
MA – É oração dirigida à palavra  dos budas
NI – É oração dirigida à mente  dos budas
PAD – É oração dirigida às qualidades dos budas
ME – É oração dirigida à atividades dos budas
HUM – Reúne a graça (benção) do corpo, palavra, mente, qualidade e atividade dos budas.

Estas seis silabas correspondem à transcendental perfeição dos budas secretos.

OM – Ratnasambhava, Buda que nos inunda com sua sabedoria de igualdade e nos liberta do orgulho espiritual, intelectual e humano.
MA – Amogasidhi, Buda que nos inunda com sua sabedoria que a tudo realiza, a sabedoria da ação perfeita e liberta-nos do veneno da inveja e do ciúme.
NI – Vajrasattva, Buda  nos inunda com a sabedoria da vontade diamantina de Deus. Consome em nós o veneno do medo, da duvida e da descrença em Deus, o único Guru.
PAD – Vairochana, Buda que nos inunda com a sabedoria penetrante do dharmakaya, a poderosa Presença Eu Sou. Consumindo em nós o veneno da ignorância.
ME – Amithaba, Buda que nos inunda com a sabedoria da discriminação e consome em nós os venenos das paixões : Todos os desejos intensos, cobiça, avareza e luxuria.
HUM – Akshobhya, Buda que nos inunda com a sabedoria que se reflete como num espelho e consome em nós os venenos de raiva, ódio e criações de ódio.As seis sÍlabas sagradas OM MANI PADME HUM são a essência das cinco famílias de budas secretos. São a fonte para todas as qualidades e profunda alegria. É a senda que conduz a uma elevada existência para a liberdade da alma.

É muito bom recitar o mantra OM MANI PADME HUM, mas enquanto você estiver fazendo você deveria pensar em seu significado, pois o significado das seis sílabas é grande e vasto. O primeiro, OM é composto de três letras, A, U e M. Elas simbolizam o corpo, a fala e a mente impuras do praticante, elas também simbolizam o corpo, a fala e a mente exaltadas de um Buda.

O corpo, a fala e a mente impuras podem ser transformadas no corpo, fala e mente puras, ou elas são totalmente separadas? Todos os Budas são casos de seres que eram com nós e então na confiança do caminho se tornaram iluminados; o Budismo não afirma que existe alguém que desde o princípio está livre de faltas e possuem todas as boas qualidades. O desenvolvimento do corpo, fala e mente puras acontece gradualmente deixando que os estados e os seres impuros se transformem em puros.Como isso é feito? O caminho é indicado pelas próximas quatro sílabas. MANI, que significa joia, simboliza os fatores do método – a intenção altruísta de se torna iluminado, compaixão e amor. Tanto quanto uma joia é capaz de remover a pobreza, ou dificuldades, da existência cíclica e da paz solitária. Da mesma forma que uma joia preenche os desejos dos seres sencientes, a intenção altruísta de se tornar iluminado preenche os desejos dos seres sencientes.A duas sílabas, PADME, que significa lótus, simbolizam sabedoria. Da mesma forma que o lótus cresce da lama mas não se imunda pelas faltas da lama, a sabedoria é capaz de colocá-lo numa situação de não-contradição apesar de que haveria contradição se você não tivesse sabedoria. Existe sabedoria que percebe a impermanência, sabedoria que percebe que as pessoas são vazias, de serem auto-suficientes ou substancialmente existentes, sabedoria que percebe a vacuidade da dualidade – que quer dizer, da diferença da entidade entre sujeito e objeto – e sabedoria que percebe a vacuidade da existência inerente. Portanto existem muitos tipos diferentes de sabedoria, e a principal de todas elas é a sabedoria de se perceber a vacuidade.A Pureza deve ser conquistada por uma unidade indivisível de método e sabedoria, simbolizada pela sílaba final HUM, que indica indivisibilidade. De acordo com o sistema sutra, esta indivisibilidade de método e sabedoria se refere à sabedoria afetada pelo método e ao método afetado pela sabedoria. No veículo mantra, ou tatrico, ela se refere à consciência única na qual existe a forma completa de ambos, sabedoria e método, como uma entidade indiferenciável. Em termos das sílabas sementes dos cinco Budas Conquistadores, HUM, é a sílaba semente de Akshobhya – o imóvel, o que não vacila, aquele que não pode ser perturbado por nada.

Assim, as seis sílabas, OM MANI PADME HUM, significam que na confiança da prática de um caminho que é uma união indivisível de método e sabedoria, você pode transforma seu corpo, fala e mente impuras no corpo, fala e mente exaltadas de um Buda. É dito que você não deveria sair em busca do Budato fora de si mesmo, as substâncias para a aquisição do Budato estão dentro. Como Maitreya diz em seu Continuum Sublime do Grande Veículo (Uttaratantra), todos os seres naturalmente possuem a natureza de Buda dentro de seus próprios continuum. Nós temos dentro de nós a semente da pureza, a essência de um Assim Partiu (Tathagatagarbha), que pode ser transformada e completamente desenvolvido para o Budato.

Abaixo segue um trecho sobre Chenrezig  e seu mantra, traduzido do livro “The Heart Treasure of the Enlightened Ones“, de Dilgo Khyentse Rinpoche. É um comentário belíssimo, fundamental, sobre os versos de Patrul Rinpoche conhecidos como “The Practice of View, Meditation and Action – A Discourse Virtuous in the Beginning, Middle and End”:

Ah! Fonte da compaixão, meu lama-raiz, Senhor Chenrezig.
Você é meu único protetor!
O mantra de seis sílabas, essência de sua fala, é o Dharma sublime;
De agora em diante, não tenho nenhuma esperança a não ser você!
Chenrezig é um buda completamente iluminado que, para beneficiar os seres, toma a forma de um bodhisattva. Todos os budas têm apenas uma natureza, e sua compaixão é personificada em Chenrezig. Como personificação da compaixão de todos os budas, Chenrezig é ao mesmo tempo a fonte de todos os budas e bodhisattvas, já que a compaixão é exatamente a raiz da iluminação. Chenrezig é compaixão em si mesma na forma de uma deidade. Chenrezig é o Buda, Chenrezig é o Dharma, Chenrezig é a Sangha; Chenrezig é o Lama, Chenrezig é o Yidam, Chenrezig é a Dakini; Chenrezig é o Dharmakaya, Chenrezig é o Sambhogakaya, Chenrezig é o Nirmanakaya; Chenrezig é Amitabha, Chenrezig é o Guru Rinpoche, Chenrezig é Arya Tara; e, acima de tudo, Chenrezig é nosso próprio lama-raiz. Como cem riachos passando sob uma única ponte, Chenrezig é a união de todos os budas.

Receber suas bênçãos é receber as bênçãos de todos os budas, e realizar sua natureza é realizar a natureza de todos os budas. Chenrezig tem aparecido nesta era obscura na pessoa de Guru Rinpoche, cuja sabedoria, compaixão e poder são mais ágeis do que os de qualquer outro buda, já que foi para beneficiar especificamente os seres desta era que ele fez suas preces de aspiração. Chenrezig manifesta formas infinitas: reis, mestres espirituais, homens e mulheres comuns, animais selvagens, até montanhas, árvores e pontes — o que for necessário para preencher as necessidades dos seres sencientes. Até uma brisa suave num dia de calor escaldante ou um momento de alívio durante uma dolorosa doença são manifestações da compaixão de Chenrezig.

De modo similar, o mantra de seis sílabas de Chenrezig, OM MANI PADME HUM, é a sabedoria compassiva de todos os budas na forma de som. Dentro dele está contido o significado essencial de todos os 84 mil ensinamentos de Buda. De todos os diversos mantras de vários tipos, como os mantras de estado desperto, dharanis e mantras secretos, nenhum é superior ao mantra de seis sílabas de Chenrezig. Os enormes benefícios da recitação desse mantra, conhecido como “mani”, são descritos muitas vezes tanto nos sutras quanto nos tantras. Costuma-se dizer que recitar o mani mesmo uma única vez é o mesmo que recitar na íntegra os doze ramos dos ensinamentos do Buda. Recitar as seis sílabas do mani torna perfeitas as seis paramitas e bloqueia firmemente qualquer possibilidade de renascimento nos seis reinos do samsara. É uma prática simples, fácil de compreender e acessível a todos, e ao mesmo tempo contém a essência do Dharma. Se você tomar o mani como refúgio, tanto na felicidade quanto na tristeza, Chenrezig sempre estará com você. Você sentirá mais e mais devoção sem qualquer esforço, e por si só toda a realização do caminho Mahayana vai despertar no seu ser.Segundo o Sutra Karandavyuha, se você recitar 100 milhões de manis, toda a miríade de organismos vivos em seu corpo será abençoada por Chenrezig, e quando você morrer até a fumaça da cremação de seu corpo terá o poder de proteger qualquer um que a inalar do renascimento nos reinos inferiores.

Até uma única sílaba do mantra por si só — OM, MA ou NI — carrega um poder inimaginável para abençoar e liberar os seres. Costuma-se dizer que um buda é capaz de feitos extraordinários além da capacidade de qualquer outro ser, como dizer exatamente quantas gotas de chuva iriam cair durante uma tempestade que durasse doze anos. Mas mesmo ele não seria capaz de descrever inteiramente o mérito gerado por uma única recitação do mani. Se ele fosse começar tal descrição, mesmo que todas as florestas da terra fossem transformadas em papel, nunca haveria papel suficiente para escrever mais do que uma parte mínima.Não há nada no mundo todo que pode realmente assustar e afastar o Senhor da Morte, mas a irradiação aconchegante da compaixão de Chenrezig pode acabar completamente com o terror que uma pessoa sente com a chegada da morte. Isto é o que quer dizer “refúgio absoluto”.

Totalmente livre do samsara, Chenrezig está sempre pronto para ajudar os seres sencientes, e mesmo seu movimento mais sutil — um gesto de sua mão, um piscar de olhos — tem o poder de nos liberar do samsara. Quando o invocamos recitando o mani, nunca devemos pensar que ele está longe demais para nos escutar, em algum distante campo búdico. Chenrezig está sempre ali com qualquer um que tenha fé nele. Nosso próprio obscurecimento nos impede de, efetivamente, ir para a Montanha de Potala na Terra Pura Exultante de Sukhavati para encontrá-lo face a face, mas na verdade sua compaixão jamais ignora nenhum único ser. Ele se manifesta constantemente em qualquer forma que possa beneficiar ao máximo os seres, particularmente na forma de grandes mestres espirituais. Então devemos compreender com convicção completa que Chenrezig, o protetor supremo que mostra a todos os seres sencientes o caminho da liberação, na verdade não é outro que o nosso lama-raiz.A chuva de compaixão de Chenrezig cai em todo lugar nos campos dos seres sencientes imparcialmente; mas as mudas da felicidade não podem crescer onde as sementes da fé estão secas. Ter pouca fé é se fechar para o sol radiante de suas bênçãos, como se você estivesse se trancando em um quarto escuro. Mas se você tem fé, não há distância, não há intervalo, entre você e as bênçãos de Chenrezig.

Os ensinamentos do Senhor Buda são inconcebÍvelmente extensos e profundos. Adquirir uma exaustiva compreensão intelectual deles seria, realmente, um feito raro e digno de nota. Mas mesmo isso não seria suficiente por si só. A menos que alcancemos realização interior com a aplicação de fato dos ensinamentos, com eles unidos em nossa mente, qualquer conhecimento que adquirimos permanece teórico e vai servir apenas para aumentar nossa arrogância intelectual.

É por isso que Patrul Rinpoche diz:

O que quer que eu saiba, deixei como teoria; não tem utilidade para mim agora.

O que quer eu tenha feito, gastei nesta vida; não tem utilidade para mim agora.

O que quer que eu pensei, foi tudo apenas ilusão; não tem utilidade para mim agora.

Agora já é tempo de fazer o que é realmente útil — recitar o mantra de seis sílabas:

Outra explicação sobre o mantra de seis sílabas, Om Mani Padme Hum:

Om fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino dos deuses. O sofrimento do reino dos deuses surge da previsão da própria queda do reino dos deuses [isto é, de morrerem e renascerem em reinos inferiores]. Este sofrimento vem do orgulho.
Ma fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino dos deuses guerreiros (sânscr. asuras). O sofrimento dos asuras é a briga constante. Este sofrimento vem da inveja.
Ni fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino humano. O sofrimento dos humanos é o nascimento, a doença, a velhice e a morte. Este sofrimento vem do desejo.
Pad fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino animal. O sofrimento dos animais é o da estupidez, da rapina de um sobre o outro, de ser morto pelos homens para obterem carne, peles etc., e de ser morto pelas feras por dever. Este sofrimento vem da ignorância.
Me fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino dos fantasmas famintos (sânscr. pretas). O sofrimento dos fantasmas famintos é o da fome e o da sede. Este sofrimento vem da ganância.
Hum fecha a porta para o sofrimento de renascer no reino do inferno. O sofrimento dos infernos é o calor e o frio. Este sofrimento vem da raiva ou ódio.
Om corresponde ao som sagrado, ao som da criação
Mani quer dizer joia
Padme (diz-se pémé) traduz-se por flor de lótus
Hum (pronunciar hung) é um som sagrado tibetano
Visão pessoal…
Não é traduzível numa simples frase, numa simples palavra. Penso que assim seja porque o caminho por ele indicado também não é simples.No fundo, podemos pensar na flor de lótus que emerge do lodo, isto é, no nosso ser interior resplandecente que emerge para brilhar na nossa vida.Quer isto dizer que todos possuímos aquilo que nos pode auxiliar a brilhar e contagiar os outros com a nossa alegria de viver, com a nossa compaixão pelo mundo e pelos outros.Deixarmos o nosso lótus interior florescer significa que passamos a sentir-nos bem conosco, com os outros e com a vida; passamos a aceitar a diferença e a ser mais tolerantes; passamos a fazer parte da construção de um mundo melhor; passamos a contribuir para lapidar o lótus da humanidade através de pequenos gestos diários, às vezes tão corriqueiros como um sorriso ou uma palavra no momento certo; passamos a possuir um sentimento de pertença à mãe-terra que nos alimenta a vida e alma.
Inspiração….
Monicavox
Recomendo….
Livro - Budismo e as Outras, O - Encontros e Desencontros
O caminho budista
Mudança de perspectiva - Blog Sobre Budismo

Estudo mostra que todo mundo pensa que os ateus são imorais…. até eles mesmos

Uma equipe internacional de cientistas analisou o que é chamado de “desconfiança moral” dos ateus, um preconceito que existe em todo o mundo.3.256 pessoas de 13 países diferentes participaram da pesquisa. Os cientistas descobriram que o preconceito existe não somente entre pessoas religiosas, mas até mesmo entre ateus, em países tanto religiosos como seculares.

Conclusão: embora a religião tenha desempenhado um papel importante em inúmeras guerras, conflitos, ataques terroristas, assassinatos e genocídios, as pessoas ainda parecem associá-la à moralidade.

Vale notar que a amostra do estudo pode não refletir um mundo tão grande e diverso quanto o nosso.

A pesquisa

A tarefa dos participantes era simples: eles tinham que ler um texto sobre um menino que torturava animais, e depois passava a assassinar e mutilar pessoas sem-teto quando adulto.Em seguida, os voluntários responderam a perguntas sobre as crenças religiosas do homem, de uma forma projetada para que não tivessem que especificamente escolher se o assassino era crente ou não, o que poderia aumentar o viés negativo.Em vez disso, alguns participantes decidiram se o homem era um professor, ou especificamente um professor que acreditava em Deus, enquanto outros decidiram se o homem era um professor ou especificamente um professor ateu.

Ateus = imorais…..??

Os participantes vieram de países como Austrália, China, República Checa, Finlândia, Hong Kong, Índia, Ilhas Maurício, Holanda, Nova Zelândia, Cingapura, Emirados Árabes Unidos, Reino Unido e Estados Unidos.Enquanto o preconceito contra ateus variou entre os países, as pessoas sempre eram mais propensas a dizer que o homem era um professor ateu do que a dizer que ele era religioso.

Mesmo em países mais seculares, a religião aparentou ainda ter deixado uma marca profunda e permanente sobre as intuições morais humanas – e isto parece ter a ver com a crença específica em Deus, e não com descrenças gerais.

Se você é ateu, no entanto, não precisa se preocupar. Este é apenas um estudo científico, e não necessariamente um reflexo de como as pessoas realmente agem no mundo real.

“O ateísmo raramente é a única informação conhecida sobre as pessoas com quem interagimos. É possível que, quando incluído na informação social que os indivíduos coletam naturalmente, o ateísmo será percebido como menos indicativo de comportamento imoral”, disseram Adam Cohen e Jordan Moon, psicólogos da Universidade Estadual do Arizona, envolvidos no estudo.

Acha que os ateus são imorais? Estudo descobre que eles são mais generosos que os religiosos

Pessoas não religiosas (agnósticas ou ateístas) muitas vezes são vistas como moralmente suspeitas, não confiáveis ou até mesmo imorais. No entanto, um novo estudo,publicado na revista científica Current Biology sugere exatamente o oposto.

De acordo com os resultados da pesquisa internacional, que analisou o comportamento de crianças de seis países diferentes, as com educações religiosas demonstram muito menos altruísmo do que seus colegas não religiosos.

Enquanto pais religiosos têm muitas razões para querer educar seus filhos dentro de sua fé escolhida, incluindo o desejo de assegurar que a criança se torne uma pessoa justa e generosa, o novo estudo conclui que essa vontade não se traduz em realidade.

“Nossos resultados contradizem o senso comum de que crianças de famílias religiosas são mais altruístas e gentis para com os outros”, disse Jean Decety, professor de psicologia e psiquiatria na Universidade de Chicago, nos EUA. “Em nosso estudo, as crianças de famílias de ateus e não religiosos eram, de fato, mais generosas”.

Ateísmo pode substituir a religião: estudo mostra o porquê

A questão de por que o ateísmo é mais predominante em países ricos do que pobres tem ocupado os antropólogos por cerca de 80 anos. A crença em Deus declina na maior parte dos países desenvolvidos e o ateísmo está concentrado em países europeus como a Suécia (64% de descrentes), Dinamarca (48%), França (44%) e Alemanha (42%), enquanto que na África Sub-saariana a quantidade de ateus é inferior a 1%.

A relação entre o ateísmo e o nível de educação

Baseado no fato que quanto mais educação, maior a taxa de descrentes, o antropólogo James Fraser propôs que as previsões científicas e o controle da natureza suplantaria a religião como forma de controlar a incerteza nas nossas vidas.Ateístas são mais comuns entre pessoas com nível superior e que vivem em cidades, e estão mais concentrados em social-democracias europeias. O ateísmo parece florescer mais entre pessoas que se sentem economicamente seguras. Mas por quê?

Em um estudo feito em 137 países, o psicólogo evolucionista Nigel Barber aponta que, aparentemente, as pessoas se voltam à religião como uma proteção para as dificuldades e incertezas da vida. Em social-democracias, há menos medo e incertezas sobre o futuro por conta de programas de promoção do bem-estar. Países com melhor distribuição de renda também têm mais ateus.

Em contraste, países onde as doenças infecciosas são mais comuns também há a crença em Deus maior. E em países mais religiosos, a fertilidade também é maior, pela promoção do casamento pela religião. Por fim, a religiosidade também é maior em países onde a população rural é maior.

Mesmo as funções psicológicas da religião enfrentam uma competição acirrada nas sociedades modernas, com as pessoas procurando médicos, psicólogos e psiquiatras quando têm problemas psicológicos.Segundo Nigel, as razões pelas quais as igrejas perdem expressão em países desenvolvidos podem ser resumidas em termos de mercado.Primeiro, com uma ciência melhor, redes de segurança governamentais e famílias menores, há menos medo e incerteza na vida das pessoas, e, portanto, um mercado menor para a religião.Ao mesmo tempo, muitos produtos alternativos estão sendo oferecidos, como medicamentos psicotrópicos e diversão eletrônica, exigindo menos compromissos e respeito servil à crenças não científicas.

Visão pessoal….

Ao contrário do que muitas pessoas podem pensar, ciência e religião não são necessariamente opostas ou mutuamente excludentes.Os seres humanos estão rodando pela Terra já faz um tempo. Sem nenhuma das comodidades modernas, a vida dessas pessoas era bastante diferente da nossa no passado.Imagine o seguinte: milhares de anos atrás, nas planícies africanas, você está sentado à espera de um antílope para caçá-lo para jantar. De repente, vê um movimento e escuta um barulho na grama na sua frente. O que você faz? Reflete sobre o que poderia estar causando o farfalhar (o vento ou um leão, por exemplo), ou toma imediatamente algum tipo de ação, como fugir?A segunda opção é a mais segura, não é? os seres humanos que sobreviveram e procriaram foram aqueles que desenvolveram o que os cientistas evolucionistas chamam de “dispositivo de detecção de agência de hiperativo”(na sigla em inglês, HADD).HADD é o mecanismo que permite que humanos percebam que muitas coisas têm “agência”, que é a capacidade de agir por conta própria. Esta compreensão facilita o processo de tomada de decisão rápida (por exemplo, fugir quando se ouve um farfalhar na grama, pois pode ser um leão, e leões agem por conta própria).Mas, além de ajudar os humanos a tomar decisões racionais, alguns pesquisadores defendem que o HADD pode ter plantado as sementes para o pensamento religioso. Isso teria acontecido quando os seres humanos começaram a atribuir agência para coisas que na verdade não têm agência.Por exemplo, pingos de chuva não são agentes. “Eles não podem agir por vontade própria. Eles simplesmente caem”, afirma Clark, argumentando que, no entanto, os primeiros seres humanos viram agência em diversos fenômenos naturais. Ou seja, começaram a atribuir sentido a coisas que não estavam realmente agindo por conta própria.Agir com uma finalidade é a base para o que os cientistas evolucionistas chamam de Teoria da Mente, outra ideia frequentemente citada nas discussões sobre as origens da religião;Ao atribuir intenção ou propósito para as ações dos seres que de fato têm agência, como outras pessoas, humanos não simplesmente reagem o mais rapidamente possível ao mundo ao seu redor, como também podem antecipar as ações dos outros e planejar suas próprias ações em conformidade.Isso foi útil no passado, é claro. É útil até hoje. Permite, por exemplo, que as pessoas discirnam as intenções positivas e negativas das outras (esse indivíduo quer me ajudar ou quer me ferrar?).Mas quando as pessoas começam a atribuir propósito às ações de coisas que não têm agência, como gotas de chuva, a teoria da mente dá uma guinada em direção ao sobrenatural. A ameaça de uma tempestade ou a devastação de uma inundação foram amplamente vistas entre culturas como o produto de um agente pessoal perigoso no céu ou rio, respectivamente;Da mesma forma, os movimentos do sol, lua e estrelas foram amplamente explicados como movimentos de agentes pessoais com poderes extraordinários.

Inspiração….

as máscaras do ateísmo – Stoa Social – USP

ateísmo no brasil: da invisibilidade à crença fundamentalista – scielo.br

A crítica do ateísmo humanista contemporâneo – Maxwell – PUC-Rio

Monicavox

Recomendo….

Resultado de imagem para imagens de livros sobre ateismo

Resultado de imagem para imagens de livros sobre ateismo

Resultado de imagem para imagens de livros sobre ateismo

 

 

Deus e a Lógica;ser racional ajuda a não crer em Deus?

 

Resultado de imagem para imagens sobre a religião

Algumas pessoas são mais religiosas do que outras. Isso é um fato incontestável. Quando tentamos explicar essa diferença na crença que alguns têm, frequentemente nos concentramos no papel da cultura ou da educação. Embora essas influências sejam importantes, novas pesquisas sugerem que nosso nível de crença religiosa também pode ter a ver com o quanto confiamos na intuição versus o pensamento analítico.

Em 2011, Amitai Shenhav, David Rand e Joshua Greene, da Universidade de Harvard, publicaram um artigo que mostra que as pessoas que tendem a confiar em sua intuição são mais propensas a acreditar em Deus. Eles também mostraram que incentivar as pessoas a pensar intuitivamente aumentava a crença das pessoas em Deus. Com base nessas descobertas, em um artigo recente publicado na revista Science, Will Gervais e Ara Norenzayan, da Universidade da Colúmbia Britânica, no Canadá, descobriram que encorajar as pessoas a pensar analiticamente reduz sua tendência a acreditar em Deus. Juntas, essas descobertas sugerem que a crença pode, pelo menos em parte, decorrer de nossos estilos de pensamento.

Pensamento analítico x crença religiosa

A pesquisa de Gervais e Norenzayan baseia-se na ideia de que possuímos duas formas diferentes de pensar que são distintas, mas relacionadas. Compreender estas duas formas, muitas vezes referidas como Sistema 1 e Sistema 2, pode ser importante para entender nossa tendência para a fé religiosa. O pensamento do Sistema 1 depende de atalhos e outras regras mais dependentes da experiência do que de comprovação científica, enquanto o Sistema 2 depende do pensamento analítico e tende a ser mais lento e requerer mais esforço. Resolver problemas lógicos e analíticos pode exigir que anulemos nossos processos de pensamento do Sistema 1 para utilizar o Sistema 2. Os psicólogos desenvolveram uma série de técnicas inteligentes que nos encorajam a fazer isso. Usando algumas dessas técnicas, Gervais e Norenzayan examinaram se o Sistema 2 leva as pessoas a não acreditar em Deus e na religião.

Por exemplo, eles fizeram que os participantes visualizassem imagens de obras de arte que estão associadas ao pensamento reflexivo (como O Pensador, de Rodin) ou a imagens mais neutras (como o Discobulus, de Myron). Os participantes que viram O Pensador relataram crenças religiosas mais fracas em uma pesquisa posterior. No entanto, Gervais e Norenzayan se perguntavam se mostrar arte às pessoas poderia ter tornado a conexão entre pensamento e religião muito óbvia. Nos próximos dois estudos, eles criaram uma tarefa que preparou o pensamento analítico mais sutilmente. Os participantes receberam conjuntos de cinco palavras dispostas aleatoriamente (por exemplo, “alto asas o voa avião”) e foram convidados a excluir uma palavra e reorganizar as outras para criar uma frase mais significativa (por exemplo, “o avião voa alto”).

Resultado de imagem para imagens sobre a religiãoAlguns dos participantes receberam frases misturadas contendo palavras associadas ao pensamento analítico (por exemplo, “análise”, “razão”) e outros participantes receberam frases que apresentavam palavras neutras (por exemplo, “martelo”, “sapatos”). Depois de decifrar as frases, os participantes preencheram uma pesquisa sobre suas crenças religiosas. Em ambos os estudos, este sutil lembrete do pensamento analítico fez com que os participantes expressassem menos crença em Deus e religião. Os pesquisadores não encontraram relação entre as crenças religiosas anteriores dos participantes e seu desempenho no estudo. O pensamento analítico reduziu a crença religiosa, independentemente de quão religiosas as pessoas eram no início do teste.

Em um estudo final, Gervais e Norenzayan usaram uma maneira ainda mais sutil de ativar o pensamento analítico: fazendo com que os participantes preenchessem uma pesquisa que medisse suas crenças religiosas impressa em uma fonte normal ou em uma fonte difícil de ler. Pesquisas anteriores mostraram que fontes difíceis de ler promovem o pensamento analítico, forçando os participantes a diminuírem o ritmo e a pensarem com mais atenção sobre o significado do que estão lendo. Os pesquisadores descobriram que os participantes que preencheram a pesquisa que foi impressa em fontes pouco claras expressaram menos crença em comparação com aqueles que preencheram a mesma pesquisa com a fonte clara.

 Resultado de imagem para imagens sobre a religiãoDiferenças no pensamento

Os resultados ajudam a explicar por que alguns de nós são mais propensos a acreditar que os outros. Pesquisas anteriores descobriram que as pessoas diferem em sua tendência de ver propósitos e causas no mundo. Essas diferenças nos estilos de pensamento podem ajudar a explicar por que alguns de nós são mais propensos a se tornar crentes.

Mas por que e como o pensamento analítico pode reduzir a crença religiosa? Embora sejam necessárias mais pesquisas para responder a esta pergunta, Gervais e Norenzayan especulam sobre algumas possibilidades. Por exemplo, o pensamento analítico pode inibir nossa intuição natural para acreditar em agentes sobrenaturais que influenciam o mundo. Alternativamente, o pensamento analítico pode simplesmente sobrepor nossa intuição para acreditar e nos fazer prestar menos atenção a ela. É importante notar que, em todos os estudos, os participantes variaram amplamente em sua afiliação religiosa, gênero e raça. Nenhuma dessas variáveis ​​encontrou-se significativamente relacionada com o comportamento das pessoas nos estudos.

Gervais e Norenzayan apontam que o pensamento analítico é apenas uma das razões porque as pessoas podem ou não ter crenças religiosas. Além disso, essas descobertas não dizem nada sobre o valor inerente ou a verdade das crenças religiosas – eles simplesmente falam sobre a psicologia de quando e porque somos propensos a acreditar. Mais importante ainda, elas fornecem evidências de que, ao invés de serem estáticas, nossas crenças podem mudar drasticamente de uma situação para outra, sem que possamos saber exatamente por quê.

Resultado de imagem para imagens sobre a religiãoVisão pessoal….

Houve um tempo em que era virtualmente impossível não acreditar em um deus. A vida não fazia sentido e uma “mão sobrenatural” que tinha poder sobre todas as coisas e fornecia explicações sobre o mundo era bem útil. Haviam muitos mistérios a serem explicados. Porque o nível do mar sobe e desce com as marés? Porque a terra ficava mais fértil? Porque aquelas estrelas estão lá, e coisas do gênero.No entanto, duas coisas importantes aconteceram, e elas deveriam ter significado o fim da religião: o mundo ficou menor, as pessoas se conheceram, diferentes culturas entraram em contato. E o segundo item foi a ciência, que forneceu explicações para muita s das dúvidas humanas que impulsionaram as religiões do planeta.Mas, mesmo assim, ao contrário do que Nietzsche acreditava, a religião não morreu. Mesmo com a ciência para explicar fenômenos e com muitas religiões se confrontando e se contradizendo, a maioria das pessoas ainda tem suas crenças e acredita em uma religião, que será mais cabível, nessa determinada situação, do que outras.De acordo com pensadores, a religião não é nem mesmo moral. Elton John diz que baniria as religiões do planeta: “A religião transforma pessoas em seres cheios de ódio e, com certeza, não representa compaixão”.Como a mesma coisa pode ter diferentes significados para pessoas que se consideram preocupados, cheios de compaixão por outros? Porque as pessoas matam em nome de um deus que seria misericordioso?Certamente, cada religião tem seus problemas de audiência. Os cristãos tem sua lista de padres considerados culpados por pedofilia. Muçulmanos são taxados de terroristas. Até mesmo os anti-religiosos passam por falta de credibilidade. Eles tentam rotular todos os crentes de fanáticos – o que é uma negação da cultura aberta que, teoricamente, agnósticos pregam.Seja qual for o resultado da guerra de culturas, temos dados científicos surpreendentes. 40% dos pesquisadores eram religiosos em 1933. Atualmente, a porcentagem permanece a mesma. Como isso é possível se a ciência é a inimiga da religião?Aparentemente, a religião ainda tem seus benefícios, mesmo que Elton John pense o contrário. Se há problemas em países subdesenvolvidos os grupos religiosos são os primeiros a tentar tomar providências. Não posso me lembrar da última vez que um grupo ateu organizou-se e foi visitar um hospital ou recolher donativos para um asilo.Isso não quer dizer que ateus não sejam engajados – eles são, mais em causas políticas. Quando se trata de assuntos humanos, são os grupos religiosos que tomam conta do cenário filantrópico.Além disso a religião continua mantendo seu lugar na sociedade porque, mesmo para os não-crentes, é algo fascinante. Até mesmo para os cientistas. Não é raro encontrar pesquisas intituladas “pessoas religiosas vivem mais?”, “pessoas religiosas têm menos chances de desenvolver câncer” e por aí vai.A religião dominou completamente, e com mão de ferro, por mais de mil anos, portanto é natural que se desapegar dessa mitologia levará tempo.Mas lembre que antigamente, quando ficávamos doentes, a única opção era um curandeiro. Com a evolução da ciência, hoje vamos ao médico que nos ajuda a resolver o problema sem velas e rezas. Dessa mesma maneira a solução dos problemas morais e espirituais não será mais focado na religião algum dia no futuro.Observem que  essas pessoas tem vidas que são um reflexo do torvelinho psicológico que reina em suas mentes. Mudam sem cessar de direção, de rota, de propósito; jamais se sentem seguras de nada; aqui e ali tratam de adquirir, emprestada, a convicção ou a certeza que nunca podem obter por si mesmas. Hoje a pedem a um livro, amanhã a um conferencista, depois a uma ideologia, a uma religião, a um partido, etc.Têm essas pessoas liberdade de pensamento? Pensam e agem de acordo com suas vontades? Fácil é a resposta: nelas, a vontade se encontra dominada por conspiração de pensamentos alheios, que, a certa altura da vida, chegam a ser-lhes tão necessários como a droga ao toxicomaníaco.

Inspiração….

O Que é Religião.pdf – Direito Puc Minas

HISTÓRIA GERAL DAS RELIGIÕES Karina Bezerra – Unicap

Antropologia da Religião – UCB

O conceito religião no pensamento de Carl Gustav Jung – UFJF

Monicavox

 

Recomendo….

Resultado de imagem para imagens sobre a religião

Resultado de imagem para imagens sobre a religião

Resultado de imagem para imagens sobre a religião

 

 

O MARCO PRINCIPAL: O ORGANISMO ULTRACOERENTE

O fato do organismo vivo ser coerente como um todo não nos surpreende, o que é surpreendente é o grau e a forma de sua coerência. A coerência do organismo vai além da coerência de um sistema bioquímico em alguns aspectos; ela consegue atingir a coerência de um sistema quântico.Evidentemente, se os organismos vivos não devem sucumbir ás restrições do mundo físico, suas partes componentes e seus órgãos precisam estar correlacionados com precisão, e, no entanto, com flexibilidade uns com os outros.

Na ausência de tal correlação, os processos físicos logo desagregariam a organização do estado vivo,aproximando-o do estado inerte de equilíbrio térmico e químico, no qual a vida como a conhecemos, é impossível.Sistemas próximos do equilíbrio são, em grande medida, inertes, incapazes de sustentar processos como o metabolismo e a reprodução, que são essenciais para o estado vivo.Um organismo está em equilíbrio térmico e químico quando está morto.Enquanto está vivo, está em equilíbrio DINÂMICO, no qual armazena energia e informação, mantendo-as disponíveis para que desempenhem e direcionem as funções vitais.

Em um organismo complexo, como o corpo humano, o desafio de se manter o equilíbrio dinâmico é gigantesco.Não há no corpo, uma substância que seja constante, embora as células do coração e do cérebro vivam mais tempo que a maioria.E as substâncias que coexistem em um dado tempo produzem milhares de reações bioquímicas no corpo a cada segundo.

Sempre existe algo novo, algo que resulta de uma combinação, de uma criação, e que ocorre á medida que o processo permanece em andamento. Como uma Sinfonia, o organismo vivo pode mudar a tonalidade, a escala,mudar o ritmo, ou o tom, conforme a situação o exija, espontaneamente e sem hesitação. Há estrutura, mas a verdadeira arte está nas incessantes improvisações, onde cada um dos músicos, por menor que seja o seu papel, desfruta da máxima liberdade de expressão, enquanto permanece em perfeita harmonia com o Todo.

Vendo sob este prisma, podemos  juntar estas conexões todas que ocorrem no interior de um organismo e que abrangem os genes e chamá-lo de GENOMA.Ele se comprova dinâmico e adaptativo;quando desafiado, ele cria rearranjos complexos e praticamente instantâneos. Um exemplo é quando plantas e insetos ficam sujeitos á substâncias tóxicas e com frequência, produzem mutações no seu ” Pool Genético” precisamente de tal maneira, que desintoxica os venenos e cria resistência á eles.A resposta adaptativa do genoma também é evidente quando campos eletromagnéticos ou radioativos são irradiados sobre o organismo;isto também exerce um efeito sobre a estrutura de seus genes.

O QUEBRA CABEÇAS DE COERÊNCIA NOS ESTUDOS SOBRE A CONSCIÊNCIA

A consciência é o fato de nossa experiência que conhecemos de maneira mais íntima e imediata. Ela nos acompanha desde o nascimento, até, presumivelmente á morte. Ela é a única, e parece pertencer exclusivamente a cada um de nós. No entanto, a “minha” consciência pode não ser única e exclusivamente minha. As conexões que ligam a “minha” consciência com a consciência dos outros, e que eram bem conhecidas de” povos primitivos”, mas que, na verdade em muitos aspectos são altamente sofisticados–estão sendo redescobertas atualmente em experimentos controlados que envolvem a transferência de pensamentos e de imagens, bem como o efeito da mente de um indivíduo sobre a mente e o corpo de outro.


Sómente ao chegarmos á esse nível de consciência,poderemos experimentar a Consciência Cósmica.Ela se baseia em sermos conscientes em todos os momentos, e em não permanecer por mais tempo em estados de medo ou em erros conceituais. A Lei do Tempo diz que nunca se terá consciência contínua, a menos que se rompa com o tempo inferior e se dissolva o fator condicionante do medo, que nos mantém bloqueados na inconsciência. A maioria das pessoas caminha dormindo e pensa que isso é a vida.

Mas, há vários estados de se “caminhar dormindo”. O macro-encantamento do Calendário Gregoriano deve ser rompido e todos os outros encantamentos podem ser facilmente quebrados depois deste; Primeiro, rompemos o falso tempo e retornamos ao tempo harmônico natural, o AGORA.De acordo com a Lei do Tempo,no processo de evolução, criamos esta situação da Noosfera, que é um campo telepático universal. Só com o advento dela poderemos chegar aos seguintes níveis de evolução; a Hiperorgânica e a Superconsciente.

A Consciência Hiperorgânica refere-se á habilidade do humano para utilizar os órgãos dos sentidos como pontos de emissão de energia e consciência. Isto significa que os órgãos dos sentidos são expandidos telepaticamente para fora, o que dá como resultado fenômenos naturais tais como a Clarividência e a Clariaudiência;esta é outra condição total evolutiva.

Nesta etapa estaremos irradiando/emanando plasma através dos sentidos.Os plasmas são partículas subatômicas, eletronicamente carregadas, que saturam o campo inteiro do Universo. Recebemos plasma o tempo todo, já que tudo é feito dele. A direção consciente do plasma propicia o poder mental da telepatia, que só pode se desenvolver em uma etapa de Consciência Contínua, para emanar, através dos órgãos dos sentidos, o que a História Cósmica chama de “Campos Plásmicos”.

A etapa Hiperorgânica da Consciência é também o ponto de evolução onde o humano virá a ser Autotrófico de segunda etapa. Isto significa que o ser humano poderá ser como as plantas e poderá catalisar dinamicamente o sol, com a energia solar dentro de seu próprio corpo.A maioria dos seres humanos hoje é heterotrófica, dependem das plantas(ao invés de si mesmos), para catalisar energia solar. Os humanos estão evoluindo para auto-heterotróficos, o que significa que o humano não só poderá catalisar energia solar, como também poderá emana-la através dos sentidos, para criar  novos campos dos sentidos Hiper ou Super orgânicos.

A Superconsciência  é um estado virtualmente omnisciente da mente, onde se tem uma “sensibilidade de radar” em todo o campo da realidade. Isto está baseado na habilidade para estabelecer um campo sensorial hiperorgânico telepático, coletivamente unificado.Neste campo sensorial se terá pensamentos como;”Eu sou o planeta e o planeta está pensando este pensamento”. E se compreenderá que, na verdade, todos é que estão pensando esse mesmo pensamento.

Quando se alcançar a consciência subliminar, ver-se-á que a Superconsciência é o ponto mais elevado que se pode alcançar no lado orgânico da evolução. A Consciência subliminar se refere ao momento em que seremos entidades absolutamente desencarnadas, isto é, entidades em um nível de oitavas de Luz. Subliminar significa que se está operando independentemente do passado ou futuro, isto é,  as pessoas podem contatar diferentes entidades, em diferentes planos de existência. Já que a consciência subliminar é independente de passado e de futuro, poderemos nos afinar com ela em nível consciente.


Quando se entender o Banco Psi e a Noosfera, como contendo também os códigos de tempo para a liberação e estabelecimento da informação para diferentes mudanças e mutações no processo evolutivo, então ver-se-á que estamos nos equipando para a próxima e maior mudança evolutiva. Qualquer conhecimento que aproveitemos em relação á Noosfera e ao Banco Psi , acelera e precipita a mudança Quântica/Mental/Espiritual, em nossa inconsciência e em nossa autopercepção.

È surpreendente considerar que tudo isto foi realmente cronometrado e programado; Faz parte desse grande programa de Tempo Total, predominante na Noosfera, para chegar a um estado de máxima reflexividade.Tudo isto é informado pela História Cósmica.Este post tem o propósito de tornar consciente o programa da História Cósmica, que sempre existiu, mas que anteriormente era um programa inconsciente esperando para ser aberto neste encerramento de ciclo.

Agora, tentando abrir este programa, e o fazendo, estamos descrevendo o vasto armazém do conhecimento contido dentro desta História Cósmica e este ato está sim, sendo registrado na Noosfera, fazendo desta mesma História Cósmica, um componente diretor altamente consciente do Banco Psi e, portanto, um mecanismo guia da Noosfera.

“Nem memória nem consciência podem ser a limitação da existência. Há um estado de superconsciente. Tanto este como o estado consciente são privados de sensação, porém com uma enorme diferença entre si – a mesma diferença que existe entre o conhecimento e a ignorância. A concentração da mente é a fonte de todo conhecimento”

Swami Vivekananda

Visão pessoal….

A ascensão do novo Humano Planetário exige a necessidade de uma análise mais ampla e informativa;Este é o propósito da História Cósmica,que é o mais alto nível de informação e compreensão, á qual a história prévia chega a ser subordinada e pela qual vem a ser transformada e reparada.O padrão mais profundo do ser humano planetário é, precisamente,outro eterno retorno a mais um amplo ponto no aspecto evolutivo.Há dois tipos de ser humano;- O desperto e o não desperto; Ambos os tipos compartilham, em comum, o fato que suas vidas, sua mente e sua consciência, são moldadas por fatores tecnosféricos, que são realmente inoperantes,ou ainda irrelevantes.O humano planetário não desperto, opera inconscientemente das influências tecnosféricas, e crê que as formas relativamente tradicionais de pensamento ainda funcionam. O humano planetário desperto está consciente desses fatores de influência tecnosférica e vê a situação como a oportunidade para uma nova espiritualidade global. O humano não desperto opera com uma mente confusa, quase consciente, altamente polarizada e tênuamente alvorecida consciência global.O Humano Planetário do terceiro milênio, operará com uma compassiva consciência noosférica, afinada com a vida inteira do Planeta.A etapa final deste ciclo evolutivo do inconsciente humano planetário ou o híbrido mutante humano, está agora se concluindo. Neste momento final da história desta Era de Peixes com a entrada na Era de Aquário , a inteligência vai deixando aos poucos de ser limitada,por causa do habitual condicionamento e comportamento mecanicista e vai sendo substituída por uma inteligência emocional/espiritual, detonada por uma “dinamite”, que é a alavanca que faz voar aos pedaços o autolimitante  pensamento condicionado do ser humano, enquanto apresenta, simultâneamente, um método de estrutura e uma visão do novo conhecimento e das novas possibilidades, de modo que o ser humano possa sentir-se “refrescado , elevado e iluminado”,por sua própria contemplação.Em razão de estarmos neste ponto tangencial da Noosfera, temos de nos empenhar para aumentar a AUTOPERCEPÇÃO PLANETÁRIA UNIFICADA.Toda rixa, guerra e lutas não tem validade , já que somos um Ser Planetário. Tudo deve ser construído sobre esta base e todas as percepções acumuladas devem ser apagadas á luz da verdade de que há só uma tradição, uma espiritualidade, uma Terra ,um Ser.A História cósmica absorve todas as tradições, ensinamentos espirituais e civilizações e as coloca em um contexto mais elevado, sem negar nada de positivo ou negativo.È importante descrever a natureza do Humano Planetário de modo  que entendamos que a História Cósmica é uma espécie de psicologia cósmica ou descrição dos processos psicológicos cósmicos,ou estados da mente.Ainda,os inquietos humanos inconscientes na vida do mundo atual,são um aspecto desta psicologia cósmica.Todos criam um campo, que é um nível relativamente baixo de involução do espírito na matéria,especialmente no dia a dia cotidiano, no envolvimento com pessoas que estão buscando sua sobrevivência alimentar,nas batalhas por emprego e moradia ou qualquer coisa que faça suas vidas mais confortáveis,sem compreender que estão tratando do corpo físico, que nada tem a ver com sua Alma ou sua Consciência.Esses exemplos representam um dos mais baixos níveis da involução do espírito na matéria,onde a Consciência está presa por um processo inconsciente condicionante,ocasionando que os humanos se comportem automáticamente de alguma  forma–isto é o materialismo histórico.De fato,podemos definir o corpo inteiro coletivo do atual Humano Planetário, em sua ainda esmagadora  maioria, como um ser robótico, que responde rotineiramente a fatores condicionados que são estabelecidos e mantidos pelo programa de várias Matrix, onde uma delas é o Calendário Gregoriano.Metafóricamente,como um peixe dourado no aquário, os humanos não despertos involuídos não sabem que a água está suja, pois sempre viveram ali .Esta é a forma do campo mental coletivo da maioria deste tipo de Homem Planetário e é o campo mental  da História Cósmica, que vem como um feixe de energia ou raio de Luz, golpear este campo através de dois agentes específicos,2 tipos de seres humanos–o desperto e o não desperto–dando como resultado, uma aceleração para todos.Elevar-se ao conhecimento indubitável é elevar-se ao conhecimento sem nenhuma dúvida;esta é a única forma para que possamos ir além desta situação planetária.Isto significa que o Homem Planetário está passando por sua INICIAÇÃO.Isto significa dedicar o seu tempo para a busca da totalidade do Ser.De fato, não pode haver nenhum avanço dentro da Matrix de uma velha estrutura para uma Nova Matriz, sem uma iniciação, que significa sacrifício do velho em detrimento do novo.Este é um ponto crucial,individual e intransferível.

Inspiração…….

*HISTORIA COSMICA DE LA HUMANIDAD 

História Cósmica: infográfico mostra evolução do Universo em grande …

Astrosofia: A HISTÓRIA CÓSMICA DA TERRA

“Acessando seu Ser Multidimensional – Uma Chave para a História …

Monicavox

Recomendo….

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre a historia cósmica

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre a historia cósmica

 

Cosmósis

Uma vez que aprendamos a controlar nossos pensamentos, é importante entender o que está envolvido na construção das imagens do mundo. Diferentes sentidos criam o imaginário mental.È importante entender como as imagens do mundo chegam a ser estereotipadas em diferentes imagens.Como criamos novas imagens no mundo? aqui vemos a diferença entre o conhecimento condicionado e as novas percepções sensoriais. Uma vez que um padrão condicionado é estabelecido na mente, muitas impressões serão recusadas automáticamente, e as que forem aceitas serão filtradas através da mente conceitual, ou a que está em conformidade com a percepção particular da realidade.

QUAL É A REAL ENTÃO?

COSMÓSIS  é um bom termo.Sabemos que a osmose depende de que exista uma membrana semipermeável, que possa ser penetrada por um fluído ou por outra substância.Do outro lado dessa membrana o fluído vai para uma forma mais altamente concentrada, que logo retorna e equilibra o outro lado.Por exemplo, as plantas tomam água por osmose;se colocamos água na terra, as membranas semi permeáveis das células a absorvem por osmose. A mesma coisa acontece dentro de nossos corpos, dentro de certas células(como no revestimento do estômago e das áreas digestivas) há uma passagem de diferentes fluídos através das paredes celulares.

Análogo á osmose, a Cosmósis é como o organismo psicobiológico humano, que absorve a energia cósmica, o Prana ou o plasma radiônico para o sistema corporal, incluindo o corpo etérico, e o reconstitui em formas concentradas antes de secretá-las de volta através das paredes do corpo para criar o que poderíamos chamar de “aura mais luminosa”. È por meio da Cosmósis, que o corpo físico é finalmente cuidado. De fato,tudo o que necessitamos é realmente nos cuidar fazendo uso do processo da Cosmósis.

A Cosmósis é só uma nova palavra, não um novo processo.Os sistemas Yóguicos sempre falam do PRANA entrando no corpo,porém, no caminho evolutivo ou no caminho da evolução espiritual, a admissão do Prana e dos plasmas não ocorrem exclusivamente através do nariz e garganta, mas, por todo o corpo.

 PRANA é a energia cósmica do universo (pelo menos a parte que está acessível à nossa dimensão). Os hindus a chamam de Prana (ou Purana), os chineses de Chi (ou Ki), Wilhelm Reich chamava de Orgone, e no espiritismo se conhece por Energia imanente (ou primária).

A ciência moderna descobriu que nosso tão aparentemente mundo sólido, vibra em uma eterna dança de redemoinho de átomos. Esses na verdade,consistem de minúsculos pares de partículas, que finalmente tornam-se pura energia (Prana) densificada em várias ondas que se agregam e permitem formar matéria.O Prana não está somente no ar, ele está em toda parte. Não existe um lugar onde ele não esteja; ele existe até mesmo no vácuo ou no vazio. Nada existe sem o Prana, nenhum ser animado ou inanimado.

O Prana é o menor e mais refinado bloco construído em miniatura de vida, energia sutil que cria e sustenta simplesmente tudo (matéria física, pensamentos, sentimentos…etc.). Prana, é a mais alta energia criativa dimensional e inseparavelmente conectada ao Espírito, Plenum/Deus ou a Energia Criadora.

Informações recentes sugerem que uma vez nós realmente fomos conscientemente e continuamente conectados à Infinita Fonte de Prana e existimos puramente disto. Há pouco tempo atrás – aproximadamente 13000 anos – antes da última mudança de polos apagar nossa memória consciente disto , nós respirávamos de tal modo, que enquanto o ar entrava através de nossa boca e nariz, nós poderíamos tomar Prana através do topo de nossas cabeças, que uma vez foi o ponto por onde entrava o principal fluido plásmico espiritual da Fonte.

O canal do Prana vai através do corpo como um eixo vertical e tem aproximadamente duas polegadas de diâmetro. Ele se estende uma palma acima da cabeça e uma palma abaixo dos pés e se conecta com o campo de energia cristalina (Mer-ka-ba) ao redor do corpo. O Prana então circula  acima e embaixo do corpo e se encontra em um dos Chacras. O Chacra onde o Prana se encontra, depende de onde você esta mentalmente, emocionalmente, e dimensionalmente “afinado.”

Assim, equilibrando e criando um mais alto nível de biohomeostasia(que é a propriedade de um sistema aberto, especialmente dos seres vivos, de regular o seu ambiente interno, de modo a manter uma condição estável mediante múltiplos ajustes de equilíbrio dinâmico, controlados por mecanismos de regulação inter-relacionados), a estabilização das funções biológicas ocorrerá, de tal modo, que, assim como podemos controlar a respiração,possamos também, controlar o ingresso plásmico(PRANA) do corpo físico para levar a energia cósmica ao sistema.

Esta energia cósmica vai direto aos chacras, reconstituindo e logo entra no sistema nervoso etéreo, antes de passar de regresso pelas paredes celulares físicas, para o entorno biopsíquico imediato(dando como resultado o que usualmente chamamos de AURA). Este plasma “reconstituído”,chega a ser uma “espécie de bateria” ou sistema de energia para o corpo. Amplificando a Aura(nosso campo eletromagnético), os plasmas reconstituídos, também começam a alterar sutilmente o entorno ou BIOSFERA.

Deste modo, a Cosmósis depende de todos os sistemas clássicos da yoga, como os temos definido(post anterior), como também do mais avançado entendimento, no que estamos evoluindo. Esta é a direção dos novos órgãos dos sentidos do corpo etérico, evoluindo para a Noosfera como campo morfogenético coletivo da espécie humana, estabelecendo seu campo mental como um palpável mecanismo planetário. Nesse processo cada ser humano está funcionando como uma espécie de célula nervosa psicofísica da Noosfera.

Resultado de imagem para imagens sobre cosmosisVisão pessoal….

Nesse momento, podemos participar conscientemente deste processo de Cosmósis, utilizando-o continuamente sintetizando e transformando a energia cósmica para a nossa própria manutenção. Mediante o processo consciente da Cosmósis, chegamos a sermos “cósmicos”, enquanto a unidade celular do corpo é a História Cósmica.Isso significa que chegamos a ser uma entidade cosmótica, vivendo pela Graça  e finalmente retornando á um estado onde o Plenum Cósmico está nos dando as faculdades e capacidades para penetrar ainda mais longe em algo do conhecimento oculto, que existe mundo afora na natureza.No entanto, este conhecimento só pode ser penetrado pela Divina Graça, e com o cultivo destes mais elevados órgãos dos sentidos etéreos, que se acomodam á coordenação mais alta dos sistemas de conhecimento. Estes sistemas  de conhecimento são definidos pela História Cósmica como sendo “Sistemas Integrais”.

Nós somos uma maneira do Cosmos conhecer a si mesmo
Carl Sagan
Inspiração….

O Plexo Solar e a estrutura de polaridades

Resultado de imagem para imagens sobre o chacra plexoCada pessoa nasce com uma estrutura de polaridades que faz parte da sua essência e é o seu esqueleto energético. A história de vida pode afetar o movimento energético natural desta estrutura, gerando desbalanceamentos entre elas que comprometem a expressão do potencial criativo do indivíduo e a sua saúde.

A polaridade dá suporte para a vida no físico e está constantemente criando movimento. Entre as polaridades existe uma força. O chakra do Plexo Solar, cumpre a função de equilibrar e estabilizar o movimento das polaridades. As emoções podem interferir na relação da pessoa com a terra (chakra da Raiz), com o sentimento (chakra Cardíaco) e com a visão da realidade (chakra Frontal), produzindo desequilíbrios. Quando as emoções oscilam de um extremo a outro não existe equilíbrio e a pessoa não se conecta com sua força energética natural. O poder não reside em nenhum dos pólos e, sim, na combinação de ambos. Quando um aspecto do emocional é negado, a polaridade fica presa, a energia não pode atravessar o chakra do Plexo Solar e avançar. É o conhecimento e a inclusão dos vários aspectos do emocional que possibilitam a este chakra encontrar uma estabilização e um centramento que lhe permite expandir e desempenhar plenamente as suas funções produzindo equilíbrio, integração e saúde no organismo do indivíduo.

No nível energético, o chakra do Plexo Solar está ligado ao elemento fogo e à transmutação. Esta é a função primordial deste chakra. Transmutação é um processo fundamental quando se trabalha com energia. Segundo Bob Moore (1992), para que ocorra uma liberação de bloqueios ou de emoções suprimidas a energia precisa se mover dentro da pessoa. A energia se move da parte inferior do corpo para cima, começando pelos pés, atravessando a Raiz, o Hara até encontrar o Plexo Solar, a área de fogo do corpo, dando início ao processo de refinamento da energia.

Os pensamentos relacionados à energia do bloqueio ou supressão começam a vir para a consciência instaurando o movimento de mudança – este é o estágio da transmutação. Transmutação é mover a energia de uma dimensão de consciência para outra dimensão de consciência acima dela. É uma preparação para a transformação. A transformação acontece a partir desta mesma energia. As energias bloqueadas e reprimidas são o material energético que a pessoa tem para ser transformado e usado pelas dimensões progressivas de consciência.Sem transmutação não se pode transformar. 

Sem transmutação não ocorre mudança, não ocorre o refinamento da energia para que ela possa subir e se ligar ao chakra Cardíaco, ficando como uma energia desperdiçada que pode entrar em estagnação. A transformação acontece quando a energia transmutada pelo Plexo Solar alcança o chakra Cardíaco para se expressar, vinculando a pessoa aos sentimentos e aos estados progressivos de sua consciência, possibilitando novos pensamentos e atitudes. A partir destas informações, pode-se perceber a importância de se trabalhar com a área central do corpo e com o chakra relativo a ela – o Plexo Solar.

O trabalho com a área central, com o Plexo Solar, com o emocional, é essencial para a construção de uma liberdade. Quando o Plexo Solar equilibra seu movimento energético e se abre, é possível criar novos caminhos internos, com novos pensamentos, sentimentos e atitudes. Criar liberdade. 

Ao expandir, este chakra pode manifestar a qualidade construtiva inerente do emocional que é a capacidade de se vincular e amar. É neste movimento de expansão que o chakra do Plexo Solar pode funcionar no pleno potencial dele e transferir energia para o chakra Cardíaco iniciando o processo de transformação e desenvolvimento espiritual da pessoa.

Cuidados para o plexo solar

  1. É importante criar afirmações para o plexo solar, partindo de uma base “EU SOU”Eu Sou capaz, Eu posso, Eu consigo, Eu sei definir a minha vida, Eu sou bondoso, Eu amo-me, Eu respeito-me e respeito os outros, EU sou um defensor de mim mesmo, Eu ajudo-me…
  2. Caminhem e visualizem-se a colocar o sol dentro da barriga
  3. Não tenham medo que as coisas entrem dentro de vocês, pensem antes que de dentro de vocês sai iluminação para fora, só entra algo quando estamos com espaço vazio por dentro…
  4. Libertem-se e transformem as emoções negativas

Programa de autocura e equilíbrio de 21 dias-Prólogo

As crises pessoais ocorrem quando percebemos a inutilidade de um velho padrão, mas continuamos insistentemente apegados a ele, porque nos é mais seguro e familiar: zonas de conforto.Para poder atravessar as águas das emoções que acompanham as inevitáveis demandas da vida que clamam por transformações, e o crescimento que advém das crises pessoais, precisamos de algo verdadeiro, simples, eficiente.

Precisamos estar conscientes que na medida da expansão da consciência, velhas estruturas tendem a desmoronar. As zonas de conforto, apesar do medo, vão deixar de existir (porque existe amor emanando). E o modo antigo, mesmo sob estresse e ansiedade precisa ser transformado com otimismo e bom astral. É hora de crescer, de renascer, de começar de novo, de enfrentar e degustar o novo.

A raiva é a lembrança da dor passada e re-visitada. A irritação produz uma substância que se espalha vagarosamente pelo nosso sistema nervoso, interrompe canais elétricos, contamina a aura e finalmente emburrece. O medo é o antônimo do amor, a dor da lembrança projetada no futuro.Vivemos num mundo com um fluxo invisível de emoções e desequilíbrios. Na maioria das vezes não temos a menor consciência ou controle das nossas emoções, dos nossos ralos energéticos, dos nossos pensamentos. E, para complicar, às vezes somos inundados pelas ondas das experiências traumáticas vividas no passado, quem sabe, em outras vidas.Não há como evitar as emoções ou sentimentos desagradáveis, somos humanos. Mas há como passar por eles e aprender com suas lições. Negar ou evitá-las somente as intensificam. Elas crescem e se tornam maiores, nos engolem. Aceitar, é reafirmar que estamos prontos para acompanhar e transpor, transformá-las em algo mais consciente, lapidado, em sentimento, de tal forma que possamos aprender e crescer na jornada. SENTIR superação, sentir-se maior.

Vamos a um exercício bem concreto para nos livrar de desordens mentais indesejáveis:

Passo 1 – Compre um caderninho e anote todos os pensamentos negativos que faz de si mesmo no período de 7 dias. TODOS; Por exemplo: Eu sou muito esquecido – Não consigo me concentrar – Tudo dá errado comigo – Nunca dá certo – As pessoas não me entendem – Não consigo fazer…. Estou mal , etc.Nessa primeira semana você terá uma idéia da crença que fez sobre si mesmo. Aqueles pensamentos que entram uma única vez, não serão tão importantes nesse momento, mas naqueles que se repetem, você deverá prestar atenção.

Passo 2 – Na segunda semana, separe aqueles pensamentos negativos mais constantes, e monte afirmações contrárias e positivas do tipo: Minha memória está cada vez melhor – Consigo me concentrar para realizar esta tarefa – O Universo me inspira para fazer as coisas certas para os meus propósitos – As pessoas me compreendem – Faço tudo aquilo que precisa ser feito – Cada dia que passa vou melhor, etc.Repita durante a semana várias vezes essas afirmações positivas.

Passo 3 – Na terceira semana, faça novamente a coleta de pensamentos negativos e veja se algo já foi alterado.E siga fazendo. São necessários um mínimo de 21 dias consecutivos de trabalho intenso para começar a alterar o disco rígido. Padrões mentais precisam de tempo para serem alterados. Afinal foram anos de perpetuação.Mas não esqueçam o corpo físico – nosso templo, nossa casa – precisa estar sendo alimentado de: água, atividade física, alimentos leves como os da alimentação desintoxicante, ou seja, precisa estar deixando sair o velho, para dar espaço ao novo.

Como fortalecer o plexo solar

O plexo solar, como é conhecido em termos médicos, é uma rede de interseção de nervos localizada posteriormente ao estômago, no ponto médio da parte superior do tronco. Esse centro nervoso contém dois conjuntos de fibras conhecidos como gânglios solares, que abrigam neurônios que inervam estômago, fígado, vesícula biliar, baço, rins e intestinos. Por esta razão, esse plexo sensitivo também é conhecido como “cérebro abdominal”. Embora os próprios nervos não possam ser fortalecidos como os músculos, uma musculatura abdominal forte protege essa área. Para isso, existem exercícios taoístas, chakra e ioga.

Como fortalecer o plexo solar Exercício taoísta

  1. Coloque as duas mãos sobre o plexo solar, na base do centro da caixa torácica, em pé ou sentado. Com o corpo e a cabeça inclinados para frente, inspire, sentindo o ar entrar pelos pulmões.
  2. Expire, pressionando as mãos contra o estômago e para cima, no plexo solar, enquanto gira tanto quanto puder a cabeça e a parte superior do corpo para a esquerda. Ao mesmo tempo, gire a pelve para a direita.
  3. Inspire ao retornar para a posição inicial, relaxando as mãos lentamente durante a inspiração, até a posição inicial de repouso abdominal.
  4. Repita o processo virando a cabeça e a parte superior do corpo para a direita e a pelve para a esquerda.
  5. Concentre-se na área do plexo solar durante o exercício e repita para ambos os lados do corpo de quatro a 36 vezes.

Posição Kundalini do Ioga

  1. Deite-se de costas e coloque as duas mãos nas nádegas, as quais apoiarão a parte inferior das costas durante o exercício.
  2. Levante ambas as pernas por cerca de 30 cm, elevando os dedos dos pés.
  3. Levante a cabeça, tentando olhar os dedos dos pés e mantenha a posição por 10 a 20 segundos.
  4. Respire fundo, mantendo a posição.

kundalini-nova-energia

Causas da dor no Plexo Solar

A dor no plexo solar pode resultar de vários fatores. Um deles é interno, o que significa que a dor pode ser causadas por problemas no funcionamento da rede de nervos. Isso pode causar desconforto em um ou mais dos órgãos conectados aos nervos do plexo solar. A dor também pode ser resultado de uma lesão causada por uma batida no estômago. O câncer é um outro motivo em potencial para a sensibilidade no plexo solar, especialmente se ele for uma metástase. Os cânceres metastáticos no plexo solar podem se espalhar de um órgão para outro pela rede, fazendo com que o problema seja mais difícil de tratar.

 Lidando com a dor

Lidar com a dor no plexo solar é uma tarefa complexa, já que a dor pode ser causada por várias razões em potencial. Qualquer dor em órgãos pode na verdade estar relacionada ao plexo solar. Por exemplo, algo que parece ser apenas uma cólica abdominal pode ser mais complexo se o plexo solar estiver envolvido. Então, quando houver suspeita de lesão nesse plexo, um diagnóstico precisa ser feito antes de qualquer tratamento, usando radiografias e outros exames para ver se a área está envolvida. Se a dúvida for confirmada, as terapias apropriadas devem ser prescritas de acordo com a fonte da dor. No entanto, se ela for originada por causa de um câncer, o oncologista é quem decide o melhor tratamento. Quanto a dores musculares, pode-se tentar o método de repouso, gelo, compressão e elevação.

 Métodos de tratamento

O fato principal sobre a dor no plexo solar é que ela está relacionada aos nervos. Então, analgésicos que atuam sobre estruturas musculares e nervosas terão uso limitado. Já os medicamentos que agem sobre o sistema nervoso podem suprimir a dor, mas esse é um tratamento sintomático. 

A chave para resolver o problema subjacente é relaxar os nervos. Talvez nenhum sistema de tratamento tenha sido comprovadamente eficaz como o Yoga quanto ao relaxamento dos nervos. Algumas técnicas fáceis que podem ser praticadas no dia a dia incluem respirações profundas (a hiperventilação enquanto se deita de costas) e superficiais e aceleradas. Os movimentos respiratórios superficiais e rápidos devem ser como a respiração de um cachorro e, se forem feitos por cinco minutos, eles podem acalmar o sistema nervoso. Cantar em voz alta também pode liberar o estresse e colocar as mãos sobre a região do plexo enquanto se faz isso também pode ajudar.

ALGUNS EXEMPLOS DE TERAPIAS ALTERNATIVAS  Á MEDICINA CONVENCIONAL,PARA ESTUDO E CONSULTA

1-Aromaterapia

2-Cromoterapia

3-Cristaloterapia

4-Terapia Floral

5-Homeopatia

6-Radiestesia

7-Acupuntura

MEDICINA ALTERNATIVAS-OPÇÕES DE CURA

Reiki

MEDITAÇÃO PARA O EQUILÍBRIO DO PLEXO SOLAR

Visualização: Saudação ao Sol

Veja-se de pé sobre a protuberância de uma rocha, numa paisagem árida e sem árvores. Ainda está bastante escuro; está prestes a amanhecer. Sua posição privilegiada permite que você contemple o território. Mesmo nessa luz você consegue descortinar uma vasta planície desértica que avança em todas as direções.Aqui e ali você consegue perceber grandes aforamentos rochosos, que parecem dedos que se erguem para o céu. O Sol começa a nascer no horizonte longínquo. Você observa o despontar da grande bola de fogo. Logo que surge, parece vermelho. Você ergue os braços saudando o grande ser que emerge da escuridão da noite.A luz do sol começa a inundar o terreno, iluminando a paisagem aparentemente sem fim. Você sente um toque de calor no rosto quando os raios do grande astro ficam mais longos.À medida que o sol se eleva no céu, passando do vermelho para um amarelo ardente, ele parece acender a fagulha dentro do seu centro de fogo.Sua mente fica inundada com a imagem de uma radiante esfera nas profundezas cio centro do seu ser. Ela reluz com um brilho que se expande para fora, enquanto você se ergue sobre o seu pico elevado. Ela sobe dentro de você como uma grande bola flamejante que emerge do sono. Você começa a respirar profundamente, bebendo os raios do sol como um líquido dourado. Ao inspirar, você se vê inundado por uma chuva de luminosidade. Ao expirar, irradia essa energia divina na direção de outras formas vivas.Enquanto se ergue no brilho cada vez mais intenso de um novo dia, procure tomar consciência da qualidade vivificante de toda a paisagem. Na frescura do novo dia, tudo irradia vida. À medida que você dá seguimento à respiração profunda, suas inalações parecem colocá-lo em contato com a força vital da terra, das pedras, da areia e do próprio ar.Enquanto inspira, você sente que está bebendo a energia que a terra tem a lhe oferecer, compartilhando o seu ciclo diário de renovação. Essa energia enche o seu centro do poder, inundando-o de força vital. Você se sente totalmente vivo, revigorado, extremamente alegre. Sua reserva de energia, agora tão elevada, está quase transbordando. Transfira esse vigor para a sua vida e use-o para se realizar.O chakra manipura produz um vasto conjunto de imagens flamejantes: acender uma fogueira; preparar um fogo ritual; observar uma casa em chamas; até mesmo estar ardendo em chamas, porém, paradoxalmente, ileso, de um modo bastante semelhante ao da sarça ardente. As imagens do amanhecer, ou outras imagens solares, podem indicar um despertar nesse nível.

TÓPICOS PARA A CURA EMOCIONAL QUE DEVEM SER OBSERVADOS;

  • A sabedoria nada tem a ver com governar os outros, é uma questão de ordenar a si mesmo.
  • A nobreza nada tem a ver com poder e posição social, é uma questão de auto-realização.
  • A felicidade nada tem a ver com riqueza e posição social, é uma questão de harmonia.
  • As pessoas verdadeiras sabem de que modo considerar o ser interior como grande e o mundo como pequeno.
  • Endireite o seu corpo, unifique a sua visão, e a harmonia do céu chegará.
  • Aqueles que seguem o céu viajam com o Caminho, aqueles que seguem os humanos se misturam com o que é vulgar.
  • Quando as pessoas perdem sua natureza essencial por seguir desejos, as suas ações nunca são corretas.
  • A vastidão do uno é evidente em todo o céu e em toda a terra.
  • Contentamento e raiva são desvios do Caminho, ansiedade e lamento são perdas de virtude, preferências e aversões são excessos da mente, desejos habituais são pesos para a vida.
  • Aqueles que alcançam o Caminho são fracos em ambição mas fortes no trabalho, as suas mentes são abertas e suas respostas adequadas.
  • A flexibilidade e a tolerância são os administradores da vida, a dureza e a força são os soldados da morte.
  • Seguir significa combinar os elementos dos acontecimentos de modo que eles se harmonizem com o momento.
  • – Eleve os pensamentos a Deus;
    – Sinta a luz divina descer sobre o topo de sua cabeça, espalhando-se por dentro e por fora de seu corpo;
    – Agora volte sua atenção para seu coração; perceba-o todo iluminado, como um sol;
    – Imagine que raios de luz saem de seu coração-sol, irradiando-se pelos braços e mãos;
    – Fique assim, por algum tempo, deixando que a luz divina faça a cura em você;
    – Você também pode, nesse estado de Ser, espalmar suas mãos e enviar luz-amor para o Planeta Terra e sua humanidade.
    Que as bênçãos de Deus caiam sobre você como uma chuva de luz dourada, para todo o sempre

MENSAGEM DE PAZ E LUZ PARA EQUILÍBRIO DO CORPO EMOCIONAL-~Mestre Kutumi

Vivam levemente. Libertem a vossa própria desordem emocional e a bagagem do passado. Como eu disse, é essencial manter a limpeza do próprio corpo emocional. Como as camadas de uma cebola, há muitas questões. Portanto, há ainda raiva ou dor sendo retida, que deve ser libertada. É importante que limpem regularmente o corpo emocional. Não permitam que o medo, os ressentimentos ou os julgamentos criem raízes no vosso corpo emocional. TRANSMUTEM, TRANSMUTEM E TRANSMUTEM NOVAMENTE. Esta é a chave para que sobrevivam a estes tempos de transição. Como eu disse, reconheçam-no ou o transmutem. Compreendam que tudo é experiência. Compreendam que estão agora terminando a experiência da dualidade. O velho Karma está agora a terminar. Qualquer novo Karma que vocês criem, será tratado instantaneamente. Sim, Karma imediato, uma aprendizagem final de tratar os outros, como vocês mesmos gostariam de ser tratados. Meus amigos, estas simples etapas têm o poder de auxiliá-los intensamente em todas as áreas da vossa vida. Se puderem seguir estas orientações que lhes dou agora, experimentarão um despertar consciente da alma, mais rápido e mais suave. Vocês experimentarão os primeiros passos da Nova Terra. Uma vibração mais elevada através da consciência da alma – a alma viva.” ~ Mestre Kuthumi

Resultado de imagem para imagens sobre o chacra plexoVisão pessoal….

Temos a possibilidade real de escolher sermos os Mestres aqui neste momento. Podemos nos tornar Mestres HOJE, não amanhã, ou na 5º dimensão, não com os “dez mais” livros que iremos ler, não sendo uma boa pessoa, mas simplesmente pelo reconhecimento e aceitação de nós mesmos. Essa dimensão esta´ atravessando uma profunda mudança agora, já estamos no Cinturão de Fótons, ou seja, na Era da Luz, por conta disso a Terra está vibrando mais depressa, a dimensão está se acelerando, por isso que sentimos “tempo voar”. Podemos e devemos aproveitar essa aceleração para liberar tudo o que não queremos mais em nossas vidas, experimentar a nós mesmos de maneira muito maior, muito mais rápida e muito mais clara. Uma das maneiras de acelerar nossa vibração é trabalhar com o nosso Plexo Solar – onde se localiza TODOS os nossos problemas emocionais….A energia do MEDO se localiza no plexo solar, então devemos aprender a movimentar essa energia estagnada acelerando-a para fora, de modo que comece a vibrar mais rápido. Se você vibrar bem rápido e irradiar essa energia nada poderá atingir o seu plexo solar. O mais importante é sair da experiência da inércia e colocar nossa intenção consciente para clarear e dissolver o medo…. ISSO É SER MESTRE, ISSO É SER FONTE.Tenha consciência que ao realizar todos os exercícios de limpeza e a transmutação do MEDO estará não só aumentando sua freqüência de luz no seu corpo físico como estará ajudando de uma maneira efetiva o Planeta Terra.A ascensão consiste em elevar a frequência da energia de todos os  campos mais densos, incluindo as células do corpo físico, de tal forma que deixem de conter qualquer resquício de energia que reflita esses planos inferiores. A frequência de energia mais baixa, de medo, raiva, ódio, e outras energias negativas não são compatíveis com a 5º dimensão. Em virtude disso que enfatizamos que a limpeza é de suma importância para a nossa ascensão, pois quem estiver vibrando com alguma energia de medo, raiva, ódio ou qualquer outra energia mais densa terá que ir para os outros planetas de freqüência muito baixa e realizar a depuração e transmutação e aguardar mais um ciclo de 26.000 anos.Cada um de nós ressoa com um espectro energético que nos capacita a mudar do medo para o amor. Essas vibrações energéticas são parte do compromisso da nossa alma, que é o motivo pelo qual estamos conscientes e sentimoa arrastados para certos tipos de sofrimento. Alguns querem curar a fome, outros a doença, outros os indefesos e incapazes, outros trabalham para e pelas  crianças. Quaisquer que sejam as energias de que precisamos para curar no mundo, são as mesmas que devemos curar internamente, à medida que elas representam a nossa jornada Kármica, a nossa desconexão e as feridas da nossa alma.Infelizmente nossa memória celular está impregnada com dores, tristezas, traumas, desilusões, doenças, traições, raiva, ódio, raiva, amargura e muitas outras lembranças negativas de todas nossas vidas passadas. Enquanto não procedermos com a devida limpeza energética voltaremos novamente até que a transmutação seja realizada. Porém não teremos mais o Planeta Terra na 3º Dimensão para reencarnar, o Planeta Terra está acelerando sua freqüência rápidamente e logo estará na 5º Dimensão.Então, estejamos conscientes que está encarnação é a mais importante de todas de nossas vidas porque, segundo muitos estudiosos e canalizadores da hierarquia superior, é a última encarnação que faremos no Planeta Terra. Não importa  religião, se acreditamos ou não, o processo já não tem mais volta. Por isso a urgência de uma mudança total em relação a nossa vida agora, neste exato momento, porque todos que não elevarem suas freqüências vibracionais e energéticas no nível da 5º Dimensão terão que retornar para outros planetas kármicos e mais densos que a Terra que por sinal já estão a espera das pessoas que não conseguirem elevar e transmutar sua energia. Mantenham o coração aberto e confiem que a dor que talvez estejam experimentando precisa ser explorada de modo que possa ser liberada, após ser processada em um nível de memória.Nos encontramos num tempo em que as memórias estão flutuando na superfície, vindas de recessos profundos. Essas memórias podem trazer reações emocionais. O que quer que vejamos, precisa ser olhado de frente;Vamos Transmutar Isso.

Inspiração….

Estudos da Consciência, Healing, Energia e Crença: Logos, 2005, número 3.

PLEXO SOLAR – Centro Reichiano

Chakra Plexo Solar – os animais absorvem nossa energia

3º Chakra – Plexo Solar (Manipura) ~ Escola Cósmica

Monicavox

Recomendo…….

Imagem relacionada

Imagem relacionada

Resultado de imagem para imagens sobre livros sobre chakras

 

O ser humano regido pelas Leis do Universo

Resultado de imagem para imagens sobre as leis cósmicasAs Leis Cósmicas são as grandes Leis que comandam o funcionamento do Universo. São Leis Universais que atuam de forma direta e permanente sobre todos os elementos constitutivos do universo, sobre toda a realidade cósmica. Essas Leis são tão perenes quanto o Universo e a Vida.

NADA É INDISCUTÍVEL NEM IMUTÁVEL. PORÉM , SÁBIO É AQUELE QUE SABE E ENTENDE AQUELAS LEIS QUE SÃO OS  VERDADEIROS VALORES PARA UM UNIVERSO DE LUZ E VIDA

Retomando as teorias sobre a origem do UNIVERSO e do HOMEM, estas Leis Cósmicas encontram sua origem também junto com o UNIVERSO. Se existe algo/força/Plenum Cósmico que é criador do universo, é também o criador das Leis que regem o Universo. Portanto, essas leis também evoluem de acordo com a evolução do universo, que é dinâmico. Ou, se o UNIVERSO nasceu com a explosão do Big Bag também as Leis nasceram com ele.

Se o UNIVERSO foi evoluindo, as Leis também evoluíram com o passar do tempo. Mas independente da sua origem, as Leis estão no UNIVERSO, e existem para manter a ordem, a harmonia do UNIVERSO e também das criaturas que fazem parte dele. Por isso,para  toda a ciência e para todo o estudo do homem através da filosofia e da espiritualidade, o importante é saber como essas Leis funcionam, e qual a interferência delas na vida de cada pessoa.

O HOMEM como Ser Humano, como integrante do Universo, está sujeito á essas leis Cósmicas. O ser humano é partícula física do Universo e é, também, um ser vivo. É necessário estar sintonizado com essas Leis Cósmicas para não provocar e sofrer atrito externo e conflito interior. Cabe por isso, a nós Seres Humanos conhecer estas Leis e as observar.

1a- Lei da Vibração

O que é vibração?
Vibração é “Vai e vem”, “Ir e vir” ir é dar; vir é receber.
Essa lei se expressa na realidade humana caracterizada no (Dar e Receber), no ser Útil e ser Valorizado. Dar e ser Útil são “Ir”, Receber e ser Valorizado é “Vir”. Por isso quando uma pessoa não se sente útil também não se sente satisfeita, mesmo que receba muito, como ocorre na superproteção.

2a- Lei da Evolução

O universo encontra-se em marcha contínua para frente. O mais importante é compreender que estamos integrados na contínua evolução universal. Existimos para crescer, evoluir, aprender, progredir, aperfeiçoar-nos, sermos felizes e ascendermos. A Lei da Evolução Contínua é infinita e mais forte que a nossa fragilidade de elemento cósmico. A felicidade estática de permanente desfrutar não existe. A felicidade somente será encontrada num processo evolutivo, como realização e satisfação daquele que se vêem crescendo. A evolução cósmica processa-se em todos os níveis, todos os sentidos, e todos os elementos.

3a- Lei da Direção

A lei da “direção” como lei cósmica é uma só; da matéria à energia, do mundo físico ao mental. No mundo físico é a Lei da Dinâmica, em sua manifestação mais “pura”. Um elemento não pode deslocar-se em direções diferentes ao mesmo tempo. A lei da direção no sentido psíquico se expressa da seguinte forma: Só podemos atingir um alvo de cada vez. E como é possível fazer rápido progresso, se só podemos programar um objetivo de cada vez? A lei determina um objetivo de cada vez, mas não fala de dimensão (tamanho) desse objetivo.

4a- Lei da Harmonia

No micro e no macrocosmo existe uma harmonia de forças, movimentos, ritmos, e equilíbrio de energias, harmonia é a unidade na variedade. O universo é um todo em harmoniosa evolução. A lei da harmonia, no sentido mental ou psíquico é “Um por todos e todos por um”. Todo objetivo programado precisa ter em vista o seu bem pessoal (felicidade), e o de todas as pessoas envolvidas.

5a- Lei do Impulso

É A mesma lei que fez o físico grego Arquimedes exclamar: “Dêem-me um impulso e um apoio e levantarei o mundo” Todo movimento está fundamentado num impulso inicial. A alavanca existe na medida em que há um apoio. Você só pode erguer o pé direito para dar um passo na medida em que o pé esquerdo encontre apoio no chão ou em qualquer superfície resistente. A segurança dos movimentos depende da segurança do apoio. A lei do Impulso encontra seu equivalente no mundo mental ou psíquico na lei da Gratidão. Quando agradecemos, reconhecemos que conseguimos algo e sempre que há motivo para agradecer; há o reconhecimento de que existiu um apoio. Quanto mais agradecemos, mais segurança adquirimos.

6a -Lei da Não-Resistência

A lei da Não-Resistência é também uma aplicação da lei da dinâmica. Quanto menor a resistência do atrito, por mais tempo se mantém um corpo em movimento. É para reduzir a resistência do atrito entre o eixo e a roda de um veículo que se usa lubrificante. No mundo psíquico, a lei da Não-Resistência encontra seu correspondente na lei do Perdão que é a própria Compreensão.

7a- Lei da Atração

Na realidade é a própria lei da criação expressa de outra forma, ou dito de outro modo, é uma lei derivada da lei da criação. Os semelhantes “se atraem”. Que semelhantes? O que está na mente (subconsciente), e o que está na realidade exterior prática ou existencial. Assim, quem tem programado em seu subconsciente que a vida é difícil, vai atrair dificuldades para sua vida. Outra forma de manifestação dessa lei é você cultivar pensamentos positivos na dificuldade.

8a- Lei da Afirmação

A repetição contínua de uma idéia desenvolve pensamentos e imaginação, até criar convicção a Fé. A Fé a que se refere esta Lei é totalmente ecumênica não tem nada com religião, mas sim com a certeza.

9a- Lei dos Opostos

Entre o Bem e o Mal, o Positivo e o Negativo, há uma relação de complemento e não de negação. “O problema não existe”, o que existe são obstáculos e dificuldades colocados em nosso caminho como desafio, que nos provocam ou nos chamam ao crescimento, ao desenvolvimento e a efetivação da lei da Evolução. Nós temos a mania de vestir as dificuldades e obstáculos como o “fantasma” do problema. O mal é desafio para a caminhada em direção ao aprofundamento na compreensão e a valorização da alegria. É a dor que nos permite experimentar a maior profundidade sensorial do prazer, somente o sofrimento nos permite dimensionar o valor e a grandeza da felicidade.

10a- Lei do Equilíbrio

A lei do equilíbrio no mundo físico encontra seu similar no principio da balança. Uma pessoa passa a ser negativista e perder o equilíbrio entre o positivo e o negativo, quando em sua mente fazem-se presentes mais as imagens negativas e com essas imagens tudo passa a dar “errado”. A decadência de um povo ou de uma nação inicia-se quando 50% + 1 das pessoas está negativa.

11a- Lei do Amor Próprio

É Lei que nos mostra o ensinamento ; “AMA  A TEU PRÓXIMO COMO A TÍ MESMO”, mas quem é o próximo; mais próximo; que está próximo de nós? Somos nós mesmos, portanto, devemos nos amar até o amor transbordar e, assim envolver tudo e todos em nossa volta. Esta lei é comparada com a maior de todas as leis: CRIAÇÃO.

12a- Lei da compreensão

Em primeiro lugar devemos compreender a nos mesmos; se observarmos a palavra compreensão vamos notar duas vogais (EE) juntas, isto é, como no verbo a primeira pessoa sou (EU) a terceira é (ELE), portanto, primeiro eu me compreendo para depois buscar compreender meu semelhante, ou seja Ele/o outro. A Compreensão encontra seu equivalente na lei do PERDÃO.

13a- Lei do Policiamento

Devemos policiar palavras, pensamentos, sentimentos, ações e emoções. O que sai de nossa boca não volta, com uma PALAVRA enaltecemos ou destruímos um pessoa ou a nós mesmos, por isso devemos policiar tudo que dissermos.

PENSAMENTOS; todos os pensamentos se transformam em imaginação, e a imaginação materializa-se.
SENTIMENTOS; Somos seres que vibram entre o positivo/negativo e passamos parte de nosso tempo oscilando entre Alfa e Ômega; policiar os sentimentos é ficarmos o máximo de tempo na freqüência mental Alfa.
AÇÕES; a forma como agimos faz toda a diferença em nossa vida! E como queremos viver? A vida é feita de escolhas e nossa escolha faz toda diferença.
EMOÇÕES; é muito importante colocarmos a certeza positiva em tudo, não só nas emoções, mas em todas as nossas escolhas. 

14a- Lei do Desejo

Especificar de modo claro tudo o que queremos (desejamos), todo desejo deve ter princípio, meio e fim, deve haver coerência, bom senso.

15a- Lei da Ousadia

É preciso ter muito mais coragem para viver do que para morrer. Ousado é aquele que faz tudo o que for melhor em seu favor com determinação e persistência, aguardando o tempo que for necessário sem jamais desistir de suas metas e seus objetivos.

16a- Lei da Certeza

A certeza é o mesmo que a fé, colocar a certeza em tudo não basta é preciso colocar a certeza positiva, portanto, a certeza encontra seu equivalente na Fé inabalável e a Fé remove montanhas.

17a- Lei do Silêncio

Devemos calar para tudo o que for a nosso favor. O silêncio nos protege da maledicência e da inveja. Esta Lei encontra equivalência na Lei de Atração.

18a- Lei da Capacitância

A capacitância está ligada a capacidade do campo áurico individual e a tela do pensamento. A energia cósmica sabe que tem capacidade; antes ela é a própria capacidade, porém, na aura, ela se encontra condicionada pelo espaço/tempo e também pelo livre-arbítrio. Imaginemos o espaço ocupado pela aura em torno da matéria, este espaço é ocupado pelos demais corpos, mas o circulo dourado os condiciona, pois ele circunda a aura, sendo a sua proteção. Dentro deste espaço o homem tem em si a parcela da energia cósmica, com a qual ele trabalha. A existência humana ocorre no presente, mas na aura correr na linha evolutiva, indo ao passado ou ao futuro.

19a -Lei da Resistividade

A resistividade é a capacidade de usar bem e de uma forma sensata e equilibrada todo o potencial energético que forma a nossa capacitância. Nos sistemas eletrônicos, o resistor é uma peça componente do circuito integrado de um transformador. Ele está programado para oferecer uma determinada resistência a um fluxo de corrente diminuindo-lhe a voltagem. No sistema integrado mental, não existe uma peça programada para opor resistência ao fluxo de energia; o mecanismo funciona movido pela 13º Lei: POLICIAMENTO.

20a- Lei da Indutância

A indutância que no terreno psicobiofísico é um resultado obtido pela conjugação do uso energético das duas Leis que a antecedem. No campo da eletrônica está ligada ao magnetismo exatamente como acontece no processo mental. A Lei mental ligada a Indutância é a Lei da certeza, que aciona a energia potencial da aura, magnetizando-a fazendo-a assumir a sua verdadeira característica que é ser dinâmica.

21a- Lei de Causa e Efeito

Esta lei explica os acontecimentos da vida atribuindo um (Motivo Justo), e uma (Finalidade Proveitosa), para todos os acontecimentos com que se depara o homem. Causa e Efeito e/ou Ação e Reação encontram sua equivalência na lei da Compreensão.

22a- Lei de Responsabilidade

A responsabilidade das faltas é toda pessoal, ninguém sofre por erros alheios salvo se a eles deu origem, quer provocando-os pelo exemplo, quer não os impedindo quando poderia fazê-lo. A lei de Responsabilidade encontra equivalência na lei do Policiamento.

23a- Lei de Misericórdia

Esta Lei ensina “Não julgues” para que não sejais julgados com a mesma severidade com que julgastes o teu semelhante: Isto não significa que vamos abolir as leis morais, mas sim dar-lhes cumprimento. Compreender o próximo, conviver com as diferenças, respeitar as limitações também é um ato de misericórdia, mesmo quanto seja necessário aplicar a disciplina com o rigor correspondente ao ato praticado. Esta lei encontra equivalência na lei do Amor Próprio, que por sua vez encontra seu equilíbrio na lei da Criação.

24a- Lei da Potencialidade Pura

Entre em contato reservando um momento do dia para ficar em silêncio! Para apenas SER. Fique sozinho em meditação silenciosa pelo menos uma vez por dia. Reserve um período do dia para comungar com a natureza e observar em silêncio a inteligência que há em todas as coisas vivas. Pratique o não-julgamento. Comece o dia dizendo: Hoje não julgarei nada; não julgarei quem quer que seja; nem a mim mesmo.

25a- Lei da Doação

Dê um presente em todo lugar que for, a todos que encontrar; esse presente pode ser um cumprimento, uma flor, uma oração/prece. Ofereça sempre alguma coisa às pessoas com quem fizer contato. Estará, assim desencadeando o processo de circulação de energia, alegria, riquezas e abundância na sua vida e na vida de outras pessoas. Agradeça as dádivas que a vida oferece. E esteja aberto para receber.Deseje em silêncio felicidade e muita alegria toda vez que encontrar alguém. .

26a- Lei do Carma

Observe as escolhas que vai fazer a todo momento. Toda vez que fizer uma escolha pergunte à si mesmo; quais serão as conseqüências? Trará felicidade e satisfação a mim e aos outros? Peça orientação ao seu coração. Se sentir conforto siga adiante com a escolha; se sentir desconforto observe. O coração é intuitivo e conhece a resposta certa.

27a- Lei do Mínimo Esforço

Pratique a aceitação dizendo: Hoje aceitarei pessoas, as situações, as circunstâncias e os fatos como eles se manifestarem. Não se volte contra o Universo lutando contra o momento presente. Aceitando as coisas como elas são assuma a responsabilidade pela sua situação. Desista da necessidade de defender seus pontos de vista e de convencer ou persuadir os outros. Permaneça aberto a todos os pontos de vista.

28a- Lei da Intenção

Faça uma lista de todos os seus desejos. Olhe para ela antes de entrar em silêncio e meditação; olhe antes de adormecer; olhe quando acordar. Libere a lista de seus desejos no ventre da criação; confie. Esteja consciente do momento presente.

29a -Lei do Desapego

Comprometa-se hoje com o distanciamento e o desapego. Não force soluções de problemas. Transforme as incertezas em um ingrediente essencial da própria experiência através da sabedoria da certeza e encontrará segurança. Experimente a aventura da vida com todo o mistério, diversão e magia.

30a- Lei do Propósito de Vida

Você deve nutrir com amor a divindade que habita em você; no fundo de sua alma. Preste atenção no espírito que anima seu corpo e sua mente. Faça uma lista de seus talentos únicos, depois outra lista das coisas que adora fazer; diga então: Quando eu expresso meus talentos e os ponho a serviço da humanidade perco a noção do tempo e crio abundância na minha vida e na vida de outras pessoas. Pergunte diariamente a si mesmo: Como posso servir? Como posso ajudar?”

O Corpo Quântico – Interação Astral – Meditação Quântica – Legendado em portugues

Inspiração….

As 7 Leis espirituais

 As 7 Leis Cósmicas de Hermes Trismegistos

 20 Leis Cósmicas do Grande Segredo

Resultado de imagem para imagens sobre as leis cósmicasVisão pessoal….

Toda Lei tem sua ação no Cosmo, no Homem e na Natureza, apresentando os seus efeitos.Desde a mais remota Antiguidade, o ser humano tem se preocupado com a sua origem, bem como a do Universo.Surgiram diversas teorias, segundo as épocas e os tipos de civilizações: do materialismo ao espiritualismo e do espiritualismo ao materialismo.Algumas teorias tentaram explicar a origem do homem e do Universo a partir da matéria, em suas mais variadas formas, segundo os conhecimentos físicos e astronômicos, mas geralmente esbarravam num grande obstáculo para explicar que tipo de elemento animaria o corpo em vida.Outras teorias fundamentavam a origem do ser humano e do Universo a partir do espírito ou de “Deus”, considerando “Deus” como o Criador de todas as coisas, e elas foram conquistando maior número de adeptos.Entretanto, alguns estudiosos continuaram a pesquisa, ansiando por um melhor entendimento de “Deus”, pois não conseguiam acreditar que “Deus” fosse um velhinho barbudo que criava tudo, mas que também castigava, conforme ensinavam as religiões…Atualmente, as ciências mais avançadas no estudo do Microcosmo e do Macrocosmo, das partículas subatômicas às galáxias e até à expansão do Universo, apresentam um novo conceito de Cosmo a partir da ENERGIA.Surge, então, a descoberta de que:“TUDO É ENERGIA – A MATÉRIA NÃO EXISTE”. A matéria é energia, conforme explica a ciência; e a inquestionável lei da conservação da energia, que é uma lei da Física, comprova a eternidade do ser humano e sua permanente evolução.
Portanto, a matéria, sendo energia que assume as formas criadas por um pensamento, é um elemento sujeito às leis mentais. Conclui-se que as Leis que comandam o Universo ou Leis Cósmicas são as mesmas Leis da Mente.Assim, a preocupação dos pensadores, cientistas e sábios de outrora sobre a distinção entre matéria e espírito parece desvendar-se através do entendimento das Leis.A Astrofísica informa que o Universo está em constante expansão, pois de qualquer ponto que estejamos situados no universo das galáxias, todas as estrelas, constelações, planetas e até as próprias galáxias continuam se expandindo ou crescendo. Se tudo cresce, tudo evolui. O homem dentro do contexto do Universo tem a meta de seguir a Lei, que é evoluir.Podemos dizer que o Universo é um Ser dinâmico, em processo de evolução harmônica e contínua. O Universo é regido por leis, assim como tudo que existe nele, inclusive o ser humano. A maior de todas as leis é a LEI DA CRIAÇÃO ou LEI DO AMOR.
Enfim, todas as Leis Cósmicas falam a linguagem do Amor.

Monicavox

Recomendo…..

Resultado de imagem para imagens sobre as leis cósmicas

Resultado de imagem para imagens sobre as leis cósmicas

O Processo de Auto-Iluminação

O processo de auto-iluminação nos permite colocar, no lugar mais reservado de nosso ser, a realização do destino pessoal em consonância com os objetivos divinos. Descobrir como encaixar o que fazemos e queremos da Vida com aquilo que acreditamos que sejam os desígnios do Criador, é fundamental na evolução do ser humano. A luz de nossa essência interior deverá brilhar a fim de que se realize em nós a presença de Deus. O ser humano é simultaneamente material e espiritual, pois, se sua origem e raízes estão na Terra, sua destinação e essência se encontram nas estrelas.

No processo de auto-iluminação, após vencidas as barreiras dos processos anteriores, deve-se buscar o estado permanente de paz e harmonia interior e exterior. Isso ocorre quando, além de descobrirmos o sentido da Vida, vamos em busca de novos e maiores objetivos. Nesse estado o indivíduo consegue ser feliz como é, visto que se percebe ainda em processo. Nesse processo de auto-iluminação as dificuldades de compreensão do significado do espiritual já não existem. As dúvidas e resistências em aceitar a realidade espiritual já 95 não perseguem a consciência.

O indivíduo possui uma vivência espiritual adequada à sua tarefa no mundo, sem os medos e receios característicos de fases anteriores de sua vida. A vivência é verdadeira e positiva, na medida que traz benefícios pessoais e coletivos. O contato com o espiritual é simples e sem os complexos mecanismos de defesa anteriormente utilizados. Torna-se possível estabelecer uma relação madura com o espiritual, sem modismo, sem pieguice, e sem subserviência. O espiritual passa a ser o natural na vida do indivíduo, não existindo distância com o material, pois são faces de uma mesma realidade que se complementam para o aprendizado humano.

Nesse processo, o indivíduo percebe a Vida como um fluir constante em que ele é o principal personagem da grande história de sua vida. Ele percebe a Vida como uma melodia permanente, sob o som da qual ele dança a própria Vida, adaptando seu ritmo. A dança da Vida é o viver éticamente buscando realizar o próprio sentido presente nas experiências vividas. O indivíduo durante o processo de auto-iluminação consegue aprender a arte de ser positivo diante de dificuldades, sem o otimismo superficial de quem quer esquecer conflitos sem entender-lhes as causas. Ele consegue entrar em contato direto com o que o incomoda, buscando extrair aspectos das leis de Deus durante a execução de estratégias para sua solução.

Imagem relacionadaQuestiona-se sempre sobre o que deve aprender com as dificuldades que atravessa, visto que sabe não estar livre de vivenciar dificuldades, tampouco incomoda-se em solucioná-las sob tensão, considerando-as aspectos inerentes ao viver.  Sabe adiar recompensas, buscando sentir a Vida a partir das experiências mais simples, sabendo extrair delas o que de melhor possam oferecer. O processo de auto-iluminação geralmente leva o indivíduo a certo destaque em seu grupo ou segmento social, evidenciando e expondo sua vida e suas atitudes perante seus pares.

Neste processo o indivíduo tem consciência de como sua vida influencia a de outros, atentando para a descoberta de como viver a própria vida sem necessariamente atender aos anseios coletivos, nem tampouco desprezá-los. Sua vida pública torna-se extensão de sua vida privada, sem que perca sua autonomia. Sua filosofia de vida é perfeitamente coerente com as normas sociais e com os princípios morais de todas as religiões. Sua vida e seu trabalho, além de atender suas necessidades pessoais, permitem-lhe auxiliar e elevar moral e espiritualmente a sociedade em que vive.

Possui uma certeza interna inamovível que o determina a realizar sempre, motivando-o ao trabalho. Essa certeza interna é uma espécie de mito pessoal transcendente, como uma crença íntima. Tal certeza é quase intraduzível, pois se situa além do tempo e do espaço, identificando-se com a presença interna de Deus na alma humana. É uma certeza que vai além das certezas e incertezas, onde nenhuma dúvida penetra. É uma espécie de dogma pessoal. Como exemplo podemos ver a seguinte afirmação: 

“Sou um ser indestrutível e meu destino me pertence. Vou construí-lo com amor e sabedoria.” É uma simples frase que, se colocada como certeza interna, passa a ter força diante de qualquer desafio externo. Não é uma crença externa, nem uma confissão de fé ou demonstração de  princípios religiosos. É um dínamo interno gerador de movimento para a Vida.

No processo de auto-iluminação o indivíduo tem um permanente diálogo com Deus, seja através da oração ou de atitudes diretamente concorrentes aos Seus desígnios. Esse diálogo é tão sutil que se confunde com um monólogo psíquico interno. É seu alimento diário e constante, pois tem nessa comunicação sua permanente conexão com Deus, que lhe dá a certeza de Sua existência. Sente-se feliz por existir e por estar realizando a própria vida, independente das circunstâncias aversivas ou não que atravesse, tendo a felicidade como um estado de espírito permanente. O desejo e a vontade se constituem na própria essência do espírito, sendo conseqüência de sua existência. Pertencem à esfera mais íntima da individualidade. Freqüentemente permitimos que eles se contaminem pelas necessidades artificiais do ego. É salutar que não tenhamos desejos contaminados, porém é pouco provável que não possamos tê-los, visto que, embora partam da intimidade do espírito, são influenciados tanto pelo ego quanto pelo inconsciente. O indivíduo no processo de auto-iluminação consegue que seus desejos sejam materializados na medida que os situa acima de interesses pessoais egóicos, portanto suas realizações atendem a seu Self e à coletividade. Estar no processo de auto-iluminação não quer dizer que o indivíduo possua poderes especiais, pois os que os têm, e utilizam para o bem comum, necessitam dessa prática para fazer prevalecer sua mensagem coletiva. Tais poderes especiais, mediúnicos ou não, se tornam valiosos instrumentos de penetração de sua mensagem pessoal para a sociedade dos que precisam ver para crer.

Os dotes especiais, adquiridos ao longo das vidas sucessivas, conseqüência natural do uso adequado que fizeram, são habilidades que serão colocadas a serviço do Self, no seu desejo de realização. Ter tais dotes especiais não implica em evolução, mas muitas vezes em necessidade cármica, sem a qual não haveria possibilidade de sucesso na investida reencarnatória. No processo de auto-iluminação o indivíduo percebe que há leis gerais da Vida, às quais ele aprende a internalizar para seu próprio progresso. A integração do aprendizado dessas leis cada vez mais o capacitam a viver no mundo e a ensinar ao mundo sua utilização. São leis gerais da Vida para que a própria Vida se realize através do ser humano.

 É nessa fase que as companhias espirituais amigas se tornam mais evidentes e o contato com antepassados favorece o desenvolvimento de mais realizações na vida. O indivíduo descobre como agem seus guias, bem como desenvolve a habilidade de entender seu próprio guia interior, o Self. 

Algumas pessoas têm como referencial um espírito guia ou uma voz interior. A essa voz ou a esse guia pode-se atribuir características diversas como a uma personalidade. Deve-se procurar atribuir-lhe boas qualidades, como por exemplo: equilibrado, harmônico, amoroso, disciplinado, altruísta, idealista, otimista, entusiasmado, econômico, sincero, humilde, determinado, discreto, despachado, alegre, inteligente, incentivador, criativo, compreensivo, compassivo, etc. Esse procedimento nos auxilia a sintonizar com os bons espíritos. O indivíduo em processo de iluminação não anda buscando gurus ou mestres externos, visto que já percebe os  conteúdos das próprias projeções e das limitações das pessoas que já alcançaram um grau mais elevado de realização e que ainda se encontram vinculados a atividades que exigem atitudes comuns. 

Resultado de imagem para imagens sobre iluminação interior do ser humanoO guia externo é necessário até certo ponto da caminhada, quando ainda não se percebe espírito. Quando o ego se identifica com os propósitos do Self, o guru externo é dispensável. A adoção de um mestre ou guru não prejudica a ação do Self, pois não há mais projeção, mas respeito pelo outro. No processo de iluminação interior o indivíduo descobre a liberdade como compromisso consigo mesmo e com Deus. Sua liberdade é exercida sem qualquer preocupação com as prisões externas, visto que mantém o coração e a consciência disponíveis para suas próprias escolhas.

Nada o prende nem o limita no sentido psicológico, face à sua capacidade de adaptar-se às contingências externas sem alterar seu rumo. Possui a liberdade de ser aquilo que se determinou sem as influências externas, porém respeitando-as. Adquire a consciência de existir a partir da percepção da vontade divina, cuja certeza é alimentada pelas realizações que leva a efeito no campo do bem, do amor e da paz. A consciência da existência não é apenas um dado decorrente da razão, mas sobretudo do sentimento de unidade com o divino. Nesse processo, o indivíduo se sente integrado ao universo como elemento participante dos eventos da Vida. O sentimento de integração lhe permite acreditar no futuro, na transcendência da Vida, na realidade de Deus e nas possibilidades de felicidade. Sente o amor em plenitude, visto que materializa-o através da construção de um mundo melhor. Sua vida é dedicada à realização de si mesmo e de 100 uma sociedade mais harmônica e feliz, onde o ser humano seja reconhecido como espírito imortal.

O iluminado não é o santo, o religioso, mas o consciente de Deus, de si mesmo e de seu destino. É o ser que ama tendo o amor como sentimento que o une ao universo. É o ser que, integrado aos objetivos divinos, manifesta-os em suas realizações sem se ausentar do mundo. O iluminado não é o diferente, mas o que se iguala para realizar sua própria singularidade. Ele nem sempre está nas hostes religiosas, nem nos templos erigidos pelos homens, nem tampouco tem assento garantido nos poderes mundanos, mas se encontra no mundo, servindo a Deus junto aos seres humanos.

Seu lugar é ao lado, compartilhando, crescendo junto, implicando-se e envolvendo-se com as pessoas de sua convivência. Onde existir oportunidade de colocar-se a serviço do próximo, aí ele se fará presente. O indivíduo iluminado sabe que sua capacidade de curar o outro não é ilimitada, muito mais que não é ele o curador. Tem consciência de que, no seu mister de auxiliar o próximo é apenas instrumento divino no processo do outro. Compraz-se em se colocar a serviço da Vida no momento em que o outro lhe projetou a capacidade de curá- lo.

É cidadão do mundo e vive como todos. Eleva-se acima de todos mantendo-se ao lado. Ilumina a quantos passem no seu caminho por receber a luz de todos. É respeitado pelo respeito que tem a todos. É amado por amar, sem exigir retribuição. A auto-iluminação é o estado interior de paz consciente, de harmonia contagiante, de autodeterminação e integração com o Universo e com Deus. É a consciência de si mesmo como espírito imortal, individualizado e plenamente consciente do sentido da Vida.

Lidando com nossos problemas

A primeira e grande observação de magna importância para a compreensão e solução de problemas é que eles pertencem e são causados pela própria pessoa que os tem. Isto é fundamental: seu problema é seu e ninguém é diretamente responsável por ele a não ser você mesmo. Essa colocação não retira o papel das influências espirituais na base daqueles problemas e isso iremos tratar adiante. Indiretamente vários fatores concorrem para que eles existam. Mesmo aqueles que são diretamente provocados por outras pessoas ou pela própria vida (pelo destino), têm suas causas em aspectos desconhecidos ou negados de nossa personalidade, aí incluindo causas oriundas de atitudes de outras vidas. Essa compreensão é fundamental para o estabelecimento de estratégias para a saída deles. Em segundo lugar devemos aplicar a regra da resignificação, isto é, nada é totalmente como pensamos que seja. O significado ou a leitura que fazemos de um conflito pode ser completamente diferente da realidade. Um novo significado pode ser de grande ajuda para a solução dele. Para essa nova visão temos que recorrer a alguém que nos possibilite essa outra percepção e que não seja parte do problema. Quando assim procedemos estaremos ampliando nossa própria visão a partir das percepções de alguém. Por estarmos vivendo o problema perdemos, muitas vezes, a visão de conjunto, o que nos impede de estabelecermos cenários alternativos de soluções. Em terceiro lugar devemos aplicar a regra da solucionabilidade, isto é, nada é insolúvel e não há problema algum que já não tenha se passado com alguém. Isso possibilita a certeza de que há algo mais além de se estar atravessando aquele determinado problema que, certamente, tem solução.

 Aquele problema surgiu em minha vida como uma forma de ensinar-me algo que ainda desconheço. A solução pode estar mais próxima do que imaginamos e ao alcance de nossas possibilidades.

Em quarto lugar, é importante que eu o enfrente, e, para isso, é preciso conhecê-lo bem, procurando entender todas as forças que concorrem para que se torne um problema em mim. Devo verificar se suas causas não se encontram em outras vidas, a partir da percepção de mim mesmo, de minha infância, adolescência e vida adulta. Caso constate que se trata de algo que venha de outra vida, devo evitar repetir o equívoco que cometi não me permitindo deixar de resolver o conflito. Em quinto, o tempo está a meu favor e não devo desesperar-me em busca de soluções mágicas e imediatas.

Muitos dos problemas se resolvem com paciência e determinação, permitindo-se que o tempo atue junto aos fatores determinantes. Sem pressa, porém sem esquecer de buscar alternativas para a solução do conflito. 

Em sexto, ter consciência das influências espirituais que atuam na grande maioria dos conflitos humanos. De um lado, as influências obsessivas, negativas, que atrapalham sobremaneira uma solução ou um desfecho favorável, cujos fatores predisponentes se encontram em vínculos cármicos de vidas passadas. Por esse lado devemos recorrer aos mecanismos conscientes de defesa psíquica, tais como, o passe, a leitura edificante, e, sobretudo, a oração. Do outro lado temos as influências positivas que favorecem nossa percepção das alternativas que melhor nos permitam tirar lições por entre os problemas que nos compete resolver. As influências positivas são muito mais abundantes que as negativas, visto que, aliadas aos bons espíritos, as leis de Deus conspiram a favor do ser humano.

Resultado de imagem para imagens sobre iluminação interior do ser humanoEm resumo:

1. O problema é meu e fui eu quem proporcionou sua existência e devo tentar enxergar as ocorrências da Vida como elas são, aprendendo a assumir minhas responsabilidades, não culpando a ninguém nem a mim mesmo;

2. Posso vê-lo de outra forma desde que saia da posição egóica em que me situo, tentando entendê-lo a partir de outro referencial;

3. Ele é solucionável e está a meu alcance a saída, sendo de minha responsabilidade verificar o que me compete fazer no momento;

4. Devo conhecê-lo bem para enfrentá-lo, sem relegá-lo ao esquecimento, nem tampouco reagir imediatamente a ele, movido pela emoção descontrolada;

5. Ao procurar a solução devo buscar agir sem ferir a ninguém nem colocar-me como vítima. Devo 104 procurar não lutar contra as pessoas, mas agir em favor de mim mesmo, sem precisar atacar para defender-me;

6. O tempo está a meu favor, pois a paciência é uma virtude desejável em todos os momentos;

7. Minha determinação, os bons espíritos e Deus são forças que conspiram a meu favor, independente do contrário;

8. Devo sempre perguntar-me por que estou passando por esse problema.

Resultado de imagem para imagens sobre iluminação interior do ser humanoVisão pessoal…

Existem vários conflitos que afligem o ser humano e que, muitas vezes, atrapalham sua marcha evolutiva, muito embora lhe acrescentem algumas lições em sua jornada. São problemas comuns e que vão se modificando a cada época de nossa história, mas que merecem atenção e cuidado na busca de soluções. A grosso modo podem ser vistos sob diferentes ângulos, porém cada pessoa atravessará seu problema de forma particular e, por esse motivo, deve-se buscar formas específicas de resolvê-los, entendendo-se que o mesmo problema em pessoas diferentes terá, necessariamente, soluções distintas. O ser humano é singular e seus problemas são, da mesma forma, singulares e exigem modos distintos de compreensão e solução. Durante muito tempo aprendemos que as atitudes sociais, em respeito à boa educação, deveriam concorrer para que os indivíduos mostrassem sua índole e caráter. Eles deveriam: aparentar segurança, não manifestar emoções e, muito menos, confidenciar seus problemas. O resultado disto é uma sociedade altamente inibida e que manifesta seus problemas íntimos através das doenças do corpo e, principalmente, doenças psíquicas. A alternativa é  desabafar, chorar, pedir ajuda, contar e expressar suas emoções e problemas. Aprender a confessar, buscando ser verdadeiro em suas palavras, sentimentos e atitudes. Diante daquilo que não conseguimos entender devemos tomar algumas atitudes que possam nos retirar do marasmo e da inércia.

Inspiração….

1-O despertar de uma nova consciência

Eckhart Tolle

2-Momento de despertar
Shakti Gawain
3-Psicologia da Alma
Dr Joshua David Stone
4-Um Curso em Milagres
Foundation for de Inner Peace
5-Ascenção Cósmica-roteiro para os reinos desconhecidos da luz
Dr Joshua David Stone
6-Sua missão ascencional-O seu papel no Plano Maior
Dr Joshua David Stone
7-Ascenção Cósmica
James Tyberonn
Monicavox
Recomendo….
Imagem relacionada
Imagem relacionada
Imagem relacionada
Resultado de imagem para imagens sobre iluminação interior do ser humano

 

ROMPENDO COM AS CONVENÇÕES E PADRÕES ANTIGOS

Vivemos sempre em dúvida de que caminho seguir, qual não, e para realizarmos nosso livre arbítrio, sempre nós nos baseamos nos valores e crenças que recebemos dos pais e da sociedade. Mas estes valores, muitas vezes simples, são envoltos em muitas metáforas , que os deixam complicados e acabamos nos perdendo na forma e não no conteúdo. Ficamos presos aos valores éticos, aos religiosos, adotamos os conceitos da possibilidade da reencarnação que o espiritismo propagou, e com isto assumimos termos um carma que passa de vida em vida. Cada vez mais, então, somos presas da autoculpa que na realidade é o medo de ter magoado ou vir a magoar alguém, e colocamos um peso enorme quando erramos em uma ação, de forma que amarramos nosso desenvolvimento, por não nos acreditarmos merecedores do bem que a nós vem. Porém, podemos reduzir o conceito de carma a uma simples lei física, uma vez que somos um campo energético-material e a cada ação corresponde um resultado, e se estivermos nos movendo conforme o fluxo energético do Universo,  que é nosso caminho, as coisas serão fáceis e tranqüilas, mas, se tivermos opondo resistência de alguma forma ou quisermos determinar para onde temos que ir, a energia reagirá tentando manter-­nos no caminho, criando o conflito. Como um rio, as águas mansas o seguem para seu destino, o mar, fluindo, se não houver obstáculos; no entanto, as pedras que ficam no caminho são lapidadas para seu ponto de menor resistência, e num rio, é onde existem pedras que temos nas corredeiras e o fluxo se torna caótico. Temos o livre arbítrio de sermos água fluídica, ou pedras duras na vida. Podemos, desta forma, simplificar o conceito de que estar no Bem é seguir o fluxo energético (dharma), na busca da organização, e estar no mal é ir contra ele, criando um caos na energia (carma). Mas, como podemos perceber que estamos indo contra o fluxo no qual deveríamos ir? Basta olhar para nossa vida, se ela flui ou está travada e em que área temos problemas.

Estamos encarnados em um mundo de formas, de contrastes, da dualidade energética, que servem para que desenvolvamos nossa sensibilidade, ou seja, trabalhemos nosso lado emocional e sensorial. 

Porém, fomos ensinados desde crianças, pela lei da sobrevivência do mais forte e mais esperto, que nosso caminho evolutivo deve ser pelo intelecto, e criamos um monte de regras que se tornaram normais, mas não tem nada de natural.

Pela história, sabemos que Atlântida e Lemúria seguiram pelo caminho do desenvolvimento do poder mental, e foi uma civilização que chegou ao fim pela autodestruição. Cabe a nossa atual civilização, não seguir o mesmo caminho, já que conhecemos o resultado, e sim evoluirmos pelo sentimento. Pela mente, nunca conseguiremos fazer conexão de nosso Espírito, pois estamos presos manipulando a matéria, mas pela emoção positiva, poderemos modificar nosso campo energético, purificando nossa irradiação, de forma que possamos acessar um nível vibratório diferente.

REFLEXÕES SOBRE OS PODERES SUPRACONSCENCIAIS

Sabemos que a mediunidade, a paranormalidade, são decorrentes de estarmos despertos ao nosso campo energético, então, nos cabe a aprender a usá-­lo, como fizemos um dia,  quando éramos crianças ao lidar com o mundo material e social. Temos uma inversão de valores; a mente, nossa parte material, é quem acreditamos que comanda nossa vida, quando na realidade, quando nosso corpo o deseja ele paralisa a mente, nos deixando doentes .

Somos um espírito que tem sua parte mais densa manifestada, e não um corpo que tem em algum lugar (externo) um espíritoNa realidade, nosso corpo é só a ponta do iceberg, o visível, enquanto nosso espírito é todo ele, principalmente a parte submersa. Porém, vivemos como se só o que existe é a parte visível, e nos negamos a entrar em contato com nossa parte inconsciente, mas, na realidade, é ela que comanda nossa vida. Neste caso, só estaremos seguindo nosso caminho.

No dia que abrirmos nossa sensibilidade para que ouçamos nosso próprio espírito, começaremos a levar a Luz do Autoconhecimento para as trevas daquilo que negamos em nós, e ao ouvirmos nossa alma, paramos de deixar que o mundo se imponha a nós, e sim que nós nos coloquemos no mundo, assim como somos de verdade e não como os outros querem que sejamos.

O PODER DO “EU SOU O QUE EU SOU”

Dizer que Eu sou o que Sou, e sustentar esta postura, é o mesmo que se assumir como um Ser integral, corpo e espírito, e não apenas uma máscara pintada para agradar quem a vê, pois nos é conveniente. Estar no bem, torna-­se estar vivendo a favor de si mesmo, da vida plena, e estar no mal é estar abrindo mão da própria vida para viver o que os outros desejam para nós. Temos que lembrar, que se acreditamos na reprogramação cármica entre vidas, teremos que prestar contas daquilo que fizemos de nossa vida, e não o que fizemos pela vida dos outros, pois não podemos dar a ninguém aquilo que não temos em nós mesmos. Muitas vezes nos consideramos sem forças, inseguros para nossas próprias coisas, mas, no entanto, cuidamos de toda a família com energia e determinação. Se pudermos ser generosos com os outros, não seria primeiro nossa obrigação sermos generosos conosco mesmos, já que nos dois momentos cruciais de nossa vida, o nascimento e na morte, percorremos sózinhos? Existe enorme diferença em fazer pelos outros o melhor, porque eu assim desejo e posso, e fazê-­lo por que eles desejam, como se estivéssemos comprando seu amor, por estarmos ajudando­-os porque nos devem uma contrapartida.

O PRINCÍPIO DO DAR E RECEBER

Quando estivermos vivendo nosso melhor para nós, automáticamente, teremos o nosso melhor para dar aos que amamos. Porém, se não vivemos nosso potencial, nada teremos a oferecer, só uma imagem, sem conteúdo, que com o tempo as pessoas se cansam. Não poderemos mostrar nossa alma, como é bela e plena, se não soubermos onde e com quem ela está, se estivermos ocos. Uma pessoa vazia não tem o que oferecer, mas uma pessoa integrada, tem sua alma para auxiliá-­la a ajudar a alma do outro a se manifestar e se sustentar, pois teremos a adaptabilidade e fluidez da água necessária para entender a linguagem do outro, e não seremos a pedra dura e inflexível, que apenas lhe indica o caminho que á nós foi ensinado como sendo o melhor. 

Integrados com nosso espírito, responsáveis pelo nosso campo energético, com a sensibilidade e conexão desperta, estaremos aptos a criar nossa própria realidade, sem culpa, temores, mágoas,e poderemos alterar sempre que assim desejarmos mudar nossas crenças e valores, obtendo sua essência, e jogando fora os escombros que não mais nos servem. 

Se nos aceitarmos como seres em constante treinamento evolutivo, e que é pela experienciação que envolve erros e acertos que se cresce espiritualmente, podemos errar, sem com isto carregarmos o peso do carma como se ele fosse um homem rígido nos apontando o dedo no nariz.

A vida é plena por si só, se seguirmos nosso coração com consciência de estarmos seguindo as leis universais, dedicando-­nos a conhecer nossos próprios potenciais, nossa vida fluirá facilmente, pois estaremos seguindo o fluxo que a vida nos reserva.

ROMPER COM AS CORRENTES

O desconhecido, o inédito e o mistério sempre nos impõem medo. Por mais que o desejemos, quando a oportunidade surge, o ego nos leva a duvidar,nos amedronta tentando nos impedir, nos fazendo acreditar que as velhas experiências, ­especialmente as ruins,novamente se repetirão. Um erro cometido uma vez, diz a mente, certamente vai se tornar o padrão usual da nossa vida. Mas, se conseguirmos superar este estágio e ir em frente apesar da mente, poderemos ser brindados, em algum momento, com inacreditáveis surpresas. 

É claro que a possibilidade do equívoco sempre estará presente, porém, ao contrário de nossa suposição, ele é um instrumento útil para o nosso aprendizado. A cada vez que uma escolha se mostrar inadequada e trazer as consequências , ao invés de nos fecharmos, deveríamos aceitá-­la como apenas mais uma etapa em nosso processo evolutivo. 

Acreditar que cada nova oportunidade é um presente, e não uma ameaça, fará toda a diferença, seja qual for a área de nossa vida em que o desconhecido se apresente. Abrir-­se incondicionalmente para a possibilidade do risco e deixar que o novo nos surpreenda, muitas vezes favorávelmente, é o único caminho para viver uma vida plena e verdadeira.

AS ABERTURAS QUE O NOVO CICLO DO PLANETA NOS OFERECE

Aproveitemos este final  de um ciclo, quando uma Era se encerra, para refletir sobre as escolhas que faremos nesta Transição Planetária que se inicia. Seguiremos buscando o conforto do conhecido, ainda que ele não nos faça feliz? Ou, ao contrário, aceitaremos o desafio do novo e abriremos nossas mãos e nosso coração para as chances que a vida nos trouxer de fazer tudo diferente? .

Lembre­mos sempre que quando um novo momento, um novo insight, começa a permanecer em torno de nós, precisamos considerar a escolha o novo, ­ porque o velho não faz nem fará mais nada por nós, então, qual é o motivo de voltar atrás? Consideremos que será uma nova aventura: vamos nos dar a oportunidade de conhecer algo. 

Mesmo se  não alcançarmos a meta, pelo menos vamos ter aprendido a ter coragem para se mover em direção ao desconhecido,   que será o nosso ganho. Mas, prestemos atenção, porque o velho é muito pesado ­ ele vai querer nos “puxar” de volta. É muito confortável e conveniente ficar com o passado, mas o conforto e a conveniência não representam  nada já que o crescimento é tudo. Se o crescimento vier através de desconforto, do incômodo, pode ser um bom indicativo de que as coisas não estavam boas. Então continuemos a crescer, não nos tornando uma rotina, um lugar comum, começando a nos mover no mesmo círculo vicioso ,novamente e novamente e novamente.

FAZENDO UM UPGRADE DE CONSCIÊNCIA

Para conseguir esse aumento de consciência, temos que ter em mente que a partir de agora  vamos passar a fazer um “policiamento” em nossa maneira de pensar e agir, condicionando­-nos positivamente para viver uma vida mais plena, mais apaixonante, mais feliz e mais próspera. Abandonemos os maus hábitos, incluindo a preguiça e a descrença; Estudemos, pesquisemos, tenhamos fé em nós mesmos e vamos, centralizando as nossas forças físicas, mentais e espirituais, na meta a que nos propusermos. Para se chegar a algum lugar, é necessário ir de corpo inteiro. A mente pode divagar entre o antes,o aqui e o depois, mas se o corpo e o espírito não forem juntos, tudo não passará de ilusão.

Vamos unir os elos que compõem a nossa vida: corpo, matéria e espírito para que, em um trabalho uníssono,  sejamos levados para onde desejamos estar,pois temos que acreditar que, transformando nossas esperanças /desejos em ações , tudo vai dar certo. O bem ­estar é apenas um estado de espírito que pode ser induzido e mantido em nossa mente. 

Basta dirigir todo o nosso esforço nesse sentido, dando ênfase ao lado bom de todas as coisas. Vamos procurar dentro de nós, o estado de ânimo que gera a alegria de viver e assim, teremos dado um passo importante rumo a uma felicidade sempre crescente que produzirá riquezas mentais, espirituais e materiais.

FAZENDO SUBSTITUIÇÕES SAUDÁVEIS

Precisamos substituir pensamentos e sentimentos negativos por emoções que nos tragam alegria e felicidade. Mesmo que essa atitude seja forçada no início, não nos preocupemos. Logo nossa mente mais profunda passará a aceitá-­las como algo possível e merecido. Da mesma forma com que nós nos habituamos a cultivar crenças limitadoras, podemos estabelecer e manter hábitos elevados e remodelar nossa essência, de forma a tornar possível uma grande transformação. Cultivemos bons pensamentos e vamos dar ênfase ao bem ­estar cósmico que flui. Trabalhemos nossa mente e emoções de maneira imperativa no sentido de criar uma aura reluzente e agradável à nossa volta. è importante reafirmar sempre que “NÓS ESTAMOS NO COMANDO”. Mudemos o foco da nossa atenção, do mal que aprisiona, degenera e destrói, para o bem, que nos coloca em alinhamento com a Fonte. A transformação de nós mesmos pode até ser difícil e demorada, mas começa no exato momento em que, decididos, nós damos o primeiro passo.

Todas as coisas estão prontas para o que nós estivermos preparados. Então, o segredo do nosso êxito está em aceitar o bom, o belo e o justo como realidade em nossa vida. Do mais, basta ficar com a mente alerta para os insights criativos que surgem á todo momento.

A AUTO-ANÁLISE-CHAVE PARA A MESTRIA DA VIDA

~Por Paramahansa Yogananda-excerto da obra “A Eterna Busca do Homem”

“Deixe-­nos abandonar o confinamento do ego e refletir sobre os vastos campos do progresso espiritual.  A iniciativa de assumir o seu mais importante dever desta vida está quase sempre enterrada embaixo dos entulhos dos hábitos humanos. Vocês devem se libertar das influências embrutecedoras e começar a plantar as sementes do sucesso que vocês desejam. A vida vale a pena quando vocês estão executando o trabalho mais essencial, que é encontrar o sentido e os verdadeiros valores da sua existência. O homem deveria se instruir pelo filme cósmico da vida. Ele não nos é mostrado sem razão. À cada dia observamos diferentes cenas e cada dia possui sua lição. Vocês estão destinados a aprender a lição concentrando-­se no supremo propósito da existência humana: o de se conhecer e quem ou o que está por trás de suas vidas. Sem auto­-análise, o homem leva uma vida robotizada; milhões de pessoas nunca analisam á si mesmas. Mentalmente elas são produtos mecanizados da fábrica dos seus ambientes, preocupadas com café-­da-­manhã, almoço, jantar, trabalho e dormir, e indo daqui para ali para se divertirem. Elas não sabem o porquê ou o que estão procurando, nem porque nunca atingem completa felicidade ou satisfação duradoura. Ao fugir da auto-análise, as pessoas acabam se transformando em robôs, condicionadas por seus ambientes. A verdadeira auto-análise é a maior arte do progresso. Todos devem aprender a analisar desapaixonadamente a si mesmos. Relacione diáriamente seus pensamentos e aspirações. Descubra o que você é ­ não o que imagina que seja, ­ porque você deseja fazer de você mesmo o que você deve ser. Muitas pessoas não mudam porque não enxergam os seus próprios defeitos.Todo mundo é resultado de sua hereditariedade e ambiente.O seu ambiente é o resultado da sua verdadeira hereditariedade – as peculiaridades e desejos adquiridos por você em vidas passadas. Esta hereditariedade de encarnações passadas lhe levou a nascer na família e ambiente específicos nos quais agora você se encontra. Peculiaridade de vidas passadas nos influencia atualmente  e cada pessoa de uma família é um espírito individual que trás os seus traços distintos de vidas passadas. 

Considerando que sempre existe alguma semelhança em família proveniente da hereditariedade biológica, mesmo assim cada pessoa é diferente em caráter. Apesar disso, o homem é o arquiteto do seu próprio destino.

Pode-­se muitas vezes se prever o que alguém será na próxima vida através da análise dos seus interesses e hábitos atualmente dominantes. Qualquer coisa que você tenha feito, você pode desfazê­la , já que nós podemos nos modificar muito rápidamente com uma forte determinação; ninguém pode mudar sem esforço, ou em poucos minutos, os padrões de hábitos de anos. Para erradicar um hábito antigo você deve aplicar a força total de sua determinação na ação oposta até que que o mau hábito seja extirpado. Muitas pessoas não possuem a necessária paciência.,mas todos devem se sentir encorajados por esta verdade: qualquer coisa que vocês tenham criado ou feito, vocês podem desfazer. O pensamento produz todas as coisas no universo e tudo no universo é pensamento materializado. Os aspectos físicos e mentais do homem são intrínsecamente relacionados e  seus pensamentos e emoções são afetados pela sua condição física. Uma fraqueza dos órgãos gera um correspondente efeito de enfraquecimento no poder mental, pois a mente influencia mais o corpo do que vice­versa, mas a química do corpo influencia constantemente a mente. Corpo e mente são interdependentes.

Vocês devem manter em mente, entretanto, que não é sábio negligenciar o corpo. Devemos comer alimentos apropriados preferencialmente á alimentos inadequados. E se vocês precisam viver com pessoas que te deixam nervoso, bem, então seria melhor mudar de ambiente. Mas seria melhor ainda se vocês conseguissem mudar as suas atitudes mentais, desta forma não sendo mais pertubados pelas ações de terceiros. Mudem a vocês mesmos, e vocês poderão viver em paz e felicidade em qualquer lugar. A maior parte do mundo é como um hospital psiquiátrico. Muitas pessoas são doentes de inveja, outros de raiva, ódio e paixão. Elas são vítimas dos seus hábitos e emoções. Mas vocês podem fazer de seus lares lugares de paz. Analisem a vocês mesmos. Cada emoção se reflete no corpo e na mente. Inveja e medo empalidecem o rosto, o amor o faz brilhar. Aprendam a ser calmos e vocês serão sempre felizes. Então lembrem­-se, independentemente do tipo de ego que vocês possuam, do tipo de personalidade que vocês estejam tentando expressar, vocês devem fazer um esforço para analisar as suas verdadeiras naturezas e tentar desenvolver suas melhores qualidades. 

Aqueles que são produtos do ego material sofrem muito e desnecessáriamente. Essas pessoas devem aprender o autocontrole, de outra forma são como pedaços de matérias em ação; ­ elas têm que fumar várias vezes ao dia, elas têm que comer certos tipos de comida e sempre ficam com dor de cabeça caso não almocem, e elas sómente conseguem dormir em determinados tipos de cama. Tudo bem em usufruir dos confortos, mas sem ser escravo dos mesmos. As condições para a felicidade estão na vida plena e pensamentos superiores. Uma vida plena e pensamentos superiores devem ser as suas metas. Aprendam a levar todas as condições de felicidade dentro de vocês, meditando e sintonizando suas consciências ao sempre existente, sempre ­consciente e ao sempre­novo regozijo que é a Fonte. A sua felicidade nunca deve ser submetida a qualquer influencia exterior.

A despeito do que seu ambiente seja, não permita que a sua paz interior seja por ele tocada. Seja capaz de fazer as coisas quando e porque você deva fazê-­las e evite fazer coisas que você saiba serem prejudiciais; ­ essas são as chaves para o real sucesso e felicidade. Não mantenha a sua mente engajada em muitas atividades. Analise o que você delas obtém e veja se elas são realmente importantes. Não perca o seu tempo. Ler um bom livro lhe acrescenta muito mais que assistir filmes. Sempre digo: Se você ler por uma hora, escreva duas no seu diário espiritual; e se você escrever por duas horas, pense três horas; e se você pensar por três horas, medite o tempo todo. Independente de onde eu vá, sempre mantenho contínuamente a minha mente na paz de minha alma. Você também deve sempre focar a sua atenção no Pólo Norte do regozijo espiritual. Então ninguém vai atrapalhar o seu equilíbrio. Lembre-­se, se a cada dia você não se tornar uma pessoa melhor do que a que você foi no dia anterior, então você estará andando para trás ­ em saúde, em paz mental e em satisfação espiritual. Por que? Porquê você não se exercitou o suficiente no controle de suas ações. Você mesmo constrói os seus hábitos e você pode mudá-­los. Se você tem pensado errôneamente, dirija a sua mente para as boas companhias e para o estudo e meditação. Uma mudança de companhia pode fazer uma grande diferença para você.

ALGUNS TÓPICOS BÁSICOS NO NOSSO DIA -Á DIA PARA PRESTARMOS ATENÇÃO

1-Autocontrole – A pessoa entende melhor aquilo que sente, os seus pensamentos e os gatilhos que a levam a ter determinadas reações, além dos resultados que tal comportamento lhe trará e, portanto, a melhor forma de lidar com ele.

2-Autoestima – Quem se conhece melhor admite seus pontos fracos e reconhece seus pontos fortes, valoriza-se mais e fortalece a confiança em si próprio.

3-Abertura à diversidade – A autoanálise leva à compreensão e à aceitação de que cada indivíduo é único na forma de ser, pensar e agir.

4-Respeito aos próprios limites – O indivíduo que se conhece bem aceita suas limitações e busca pessoas de habilidades e competências complementares.

5-Prontidão para a mudança – Quem está disposto a se enxergar de forma realista tem mais chance de avaliar as próprias falhas, aprender com elas e mudar.

Resumindo, o autoconhecimento permite um maior controle sobre a sua própria vida.

MAIS DICAS PARA O AO AUTOCONHECIMENTO E A CURA

 1-Esteja cônscio de seu estado de consciência – Infelizmente, muitas pessoas não estão cientes de seu atual estado de consciência, ou até mesmo o que define a consciência. Você pode até não estar consciente dos mais diversos estados de consciência possíveis, devido ao fato de que pode ter experimentado sómente um estado primário de funcionamento em toda a sua vida. Se você é uma pessoa que não experimentou outros estados, ou mais importante, não consegue entender o seu próprio estado, você está definitivamente perdendo alguns aspectos e entendimentos de percepção consciente importantes.

2- Estabeleça um exemplo positivo para os outros – Um exemplo positivo pode pertencer a qualquer área da vida e é altamente recomendável. Criar um exemplo positivo saudável para os outros seguirem, envia uma imagem positiva direta para as vidas e mentes dos outros. Tentar ser conscientemente um bom exemplo para os outros, irá aumentar ainda mais a sua consciência. Um mau exemplo, ou exemplo inconsciente, vai desacelerar, parar ou reverter o seu desenvolvimento consciente atual.

3- Guie outras pessoas interessadas em elevar suas consciências – Há muitas maneiras de ajudar os outros no processo de elevar a sua consciência, especialmente se você é um indivíduo mais conscientemente avançado. As probabilidades são grandes de que você precise fazer algum trabalho pessoal prévio, aumentando sua própria consciência, antes de que você possa colocar-se em uma posição eficaz para ajudar os outros a aumentar a  consciência deles. 

4- Compartilhe sua visão única e sabedoria própria – Todo mundo tem uma perspectiva diferente, com base em sua experiência pessoal, propósito e personalidade. Assim, cada indivíduo tem uma forma única de visão que eles podem compartilhar com os outros. Há infinitas maneiras e oportunidades para você se expressar e compartilhar o seu conhecimento com os outros. Tudo o que você precisa fazer é tomar medidas no sentido de encontrar um meio mais eficaz para permitir que você compartilhe o seu insight.

5- Ganhe sabedoria a partir da experiência de outros – Nenhuma pessoa detém toda a sabedoria do universo em seu cérebro. Por esta razão, é importante estudar a sabedoria dos outros e tentar aplicar à sua vida. Como mencionado anteriormente, todo mundo tem uma perspectiva única e base de conhecimentos para trazer para a si. Estudar a sabedoria dos outros pode ser feito de várias maneiras. Os exemplos incluem reunião face-a-face com um indivíduo mais consciente avançado para pedir-lhe conselhos para a vida, a leitura de websites com conteúdo edificante e de desenvolvimento pessoal de várias fontes diferentes, ou talvez assistir a diferentes seminários de desenvolvimento pessoal.

6- Mantenha seu ego sob controle – Quanto mais atento você é ao seu ego, mais fácil é se tornar mais consciente. Com isso dito, à medida que aumenta a sua percepção, o mesmo acontece com o seu estado de consciência. O inverso também se aplica: como sua consciência aumenta, o mesmo acontece com a sua percepção. Deixar o ego tomar o controle e tomar o lugar do “motorista” em nossa consciência tem potencial para reduzir rápidamente o nosso estado de funcionamento. Tomar o controle e responsabilidade de forma a manter o seu ego controlado, quando confrontado com a adversidade, lhe permitirá avançar conscientemente de uma maneira muito mais saudável.

7- Pratique o desenvolvimento pessoal – Tomar medidas para melhorar a sua vida através do conceito de desenvolvimento pessoal é uma forma extremamente eficaz de tornar-se um ser humano mais consciente. Pense em desenvolvimento pessoal como o ato de melhorar a função de cada área de sua vida, ao mais alto grau possível: saúde, finanças, relacionamentos, etc. Práticamente todos os aspectos do desenvolvimento pessoal levam a um maior desenvolvimento consciente, de uma forma ou de outra.

8- Mude o seu foco consciente –Ficar se preocupando com pensamentos de eventos passados e futuros tem potencial para dirigir a sua consciência na direção errada. Centrando a sua atenção neste exato momento (comumente referido como “o agora”), no entanto, é uma ótima maneira de aumentar o seu nível de consciência. Através de técnicas que lhe permitem aprender a deslocar a sua consciência para este exato momento, você pode fazer maravilhas no processo de avanço consciente.

9- Seja enérgico – Ser enérgico pode ser muito poderoso para avançar seu estado de consciência e para inspirar outros a se tornarem mais conscientemente avançados. Seu corpo pode tornar-se energizado, e seu cérebro pode tornar-se energizado. Quando ambos estão operando na máxima intensidade e energia, você está em um estado de pico de desempenho consciente.

10- Faça mudanças alimentares saudáveis –Fazer mudanças na dieta para ficar mais saudável significa buscar encontrar a melhor dieta possível para atender às suas necessidades mentais, necessidades físicas, espirituais;  Você está plenamente consciente do que você está consumindo? A fim de aumentar o seu próprio nível de consciência, é importante estar plenamente consciente dos alimentos que você está consumindo em sua dieta, e ser respeitoso ao aceitar as dietas de outros indivíduos, sem fazer julgamentos negativos.

11- Aceite os outros como eles são – Como mencionado acima sobre ser consciente sobre o que você come, é importante aceitar as dietas que outros optam por ter. Seja uma decisão consciente sobre ter uma dieta pouco saudável, ou uma decisão inconsciente, aceite suas ações. Aceitar outros pode aplicar-se a todas as áreas da vida. Não importa se você não concorda com as ações de outra pessoa que esteja em desacordo com a sua personalidade, ou em desacordo com a sua percepção de vida, é importante a aceitá-los pelo que são e não tentar forçar mudanças sobre deles. Resolva suas desavenças com outros indivíduos puramente ao aceitá-los pelo que são.

12- Aceite e ame a si mesmo por quem você é – A jornada da vida torna-se muito mais fácil e significativamente enriquecida se você puder aprender a aceitar a si mesmo como você é. Dependendo do seu estado atual de consciência, pode ser difícil de amar e aceitar quem você é. Aproveite o tempo para contabilizar suas bênçãos, ter aceitação por si mesmo e seu nível de consciência. Perceba que neste momento atual você está fazendo o melhor que pode para avançar de forma consciente.

13- Entenda o seu próprio processo de pensamento –uma forma extremamente eficaz para se tornar mais consciente é tomar nota de seu processo de pensamento e compreendê-lo com o melhor de sua capacidade;muitas pessoas andam em círculos mentais devido a uma compreensão ineficaz de seu próprio processo de pensamento. Ser consciente de seus pensamentos e por que está pensando neles é um passo fundamental para a criação de uma compreensão exata da sua realidade.

14-Abençoe tudo o que acontece – Há momentos ao longo da vida quando coisas incríveis acontecem a nós, e outras vezes eventos desagradáveis têm lugar. Assim como aceitar quem você é, é um grande hábito para internalizar, você também deve aprender a abençoar tudo o que acontece em sua vida. Não importa o quão ruim for um evento, tem potencial para causar um impacto positivo na sua vida no longo prazo. Sua capacidade de abençoar e apreciar, até mesmo o que pode ser inicialmente percebido como um cenário do pior caso possível, em última análise, pode fornecer-lhe grande satisfação consciente.

15- Tire um tempo para reflexão interna –  Tirar um tempo para reflexão interna é a maneira mais eficaz de aprender mais sobre si mesmo e seu atual estado de consciência. Reflexão interna certamente vai ajudar você a entender melhor seus pensamentos, emoções, espiritualidade, e fornecer clareza na sua situação de vida atual. Se você ainda não tem tempo para refletir internamente, você poderia muito bem começar uma rotina de meditação 20 minutos todas as manhãs, e observar a diferença que faz rápidamente em seu estado de consciência.

16- Foque em avançar conscientemente – No processo de desenvolvimento da consciência, é importante concentrar-se exatamente sobre o que você está tentando realizar: o ato de se tornar mais consciente. Durante este processo, é importante distanciar todas as distrações não-saudáveis, tais como relações negativas, abuso, luta, drogas ilícitas, etc. Se você se permitir se distrair com hábitos inconscientes e pouco saudáveis, então o ato de avançar conscientemente vai se tornar um processo muito mais difícil ou mais lento do que o normal.

Visão pessoal….

A importância do autoconhecimento  é como o primeiro degrau para a cura de uma sociedade enferma. Estamos culturalmente castrados, aprendemos que o dever é mais importante que o conhecer-se. Aquele que só aprende por exigência não desenvolve, não tem valores, tudo que faz, faz por preço, por um resultado, por um prêmio. Há uma morte de valores.Quando abordamos o modelo atual de educação, vemos que a parte espiritual do Ser está relegada ao plano das crenças e religiões, padrões estereotipados de uma sociedade rançosa e cheia de bloqueios.  Sem mostrar a importância de uma consciência melhor e mais desenvolvida, voltada para os reais valores do Ser e não do Ter, nossas gerações futuras repetirão os padrões antigos, como vem sendo feito á centenas de anos nas suas bases principais( educação, família , religião e sociedade);então, para essas novas gerações a  crise da civilização torna-se universal. “As pessoas são melhores quando compreendem a si mesmas”, afirma Yogananda.Na máxima do Cristianismo- “Amai ao próximo como a ti mesmo.”podemos questionar; Como? Se as pessoas não amam e nem compreendem a si mesmas. Ou seja, não se pode amar ao próximo se a criança interior estiver insatisfeita. O autoconhecimento é a base de tudo. Conhecer a si próprio nos torna conscientes de nossas potencialidades, de nossos pontos fortes, nos torna mais preparados para as escolhas, atitudes e a forma como vamos influenciar de forma positiva a realidade que fazemos parte.Então, ainda há esperança: dar importância em formar uma geração melhor, mais consciente de si, benévola, sábia e mais livre de condicionamentos e crenças limitadoras, pode mudar a forma como nos relacionamos com o mundo e como o transformamos.O autoconhecimento é a pedra fundamental da Inteligência Emocional, é a aptidão emocional sobre a qual se fundam outras como o autocontrole, a empatia e as habilidades de cada um, o potencial adormecido.Conceitua-se autoconhecimento como a clara percepção que o indivíduo tem da sua personalidade, incluindo, forças, fraquezas, pensamentos, sentimentos, crenças, motivações e emoções.A autopercepção não é a cura de todos os males, mas definitivamente é um belo começo. Ter  consciência dessa necessidade de autoconhecer-se, é o primeiro passo para  começar a modificar atitudes, hábitos, pontos de vista, e atrair novos resultados e possibilidades.Assim que nós nos  entendermos melhor, soubermos o porquê de agir e reagir da forma como fazemos habitualmente, teremos todas as ferramentas para mudar e passar a nos comportar da forma que escolhermos, e não mais agir no piloto automático, como de costume.O autoconhecimento exige, primeiro, uma autoavaliação sincera. O indivíduo precisa mergulhar em si mesmo e perceber suas qualidades, defeitos e limites; o que o tira do sério, o que acende o seu botão vermelho, o que o deixa inseguro, etc.Há diversos livros que ajudam nessa busca. Só que não basta a teoria, tem que se colocar em prática o que foi aprendido, exercendo o autoconhecimento no dia-a-dia. Listar os objetivos de vida, as características positivas, as dificuldades, principais crenças e valores, a fim de saber como lidar com elas e alcançar as metas. desejadas.Fazer meditação ou ioga são ótimas opções, já que a introspecção facilita o autoconhecimento.Na verdade, qualquer experiência vivida pelo indivíduo é capaz de promover uma autoanálise, segundo Yogananda. Só é preciso que se esteja com as antenas ligadas e receptivas.Enfim, não se tem aqui a pretensão de esgotar esse tema tão rico e complexo,mas, continuaremos com nossa série , abordando temas relativos ao assunto e dando dicas.Aguardem os próximos capítulos, que entraremos na parte de exercícios  ,que podem ser feitos por qualquer um que esteja sentindo que chegou a hora de evoluir.

Inspiração…

WEBSITE;-SELF-REALIZATION FELLOWSHIP
PARAMAHANSA YOGANANDA.ORG

Monicavox

Recomendo….